Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

11
Fev19

Tragédia, drama, fatalidade

Talis Andrade

por Hélio Fernandes

corcovado.jpg

 

 

Tudo está acontecendo no Rio, à antiga Cidade Maravilhosa. Alem da insegurança total e absoluta, com praticamente toda a população aprisionada, ameaçada e amedrontada, pelo poder paralelo dos traficantes, facções criminosas e milicianos.

Os traficantes garantidos pelos barões do asfalto, que remetem as drogas, se acumpliciam e dividem os lucros. Astronômicos.

As facções criminosas, dirigidas discricionariamente de dentro das penitenciarias. (Como aconteceu durante 1 mês no Ceará, impondo destruição, morte e medo, ás tropas enviadas pelo ministro Moro).

E a cada vez mais poderosas e dominadoras, altamente protegidas e inatingíveis. Se expandindo como verdadeiro Poder. Nada paralelo. Até um dos filhos de Bolsonaro, (Flavio), diz publicamente, "Milícia significa segurança".

E como deputado condecora dezenas desses bandidos. Responsabilizado (e também por fraudes financeiras) protesta: "Estou sendo perseguido".

Agora é a natureza que está contra o Rio e sua população.

Na quinta feira, impiedoso temporal e vendaval, que atingiu a cidade inteira. Na sexta, um incêndio restrito ao centro de treinamento do Flamengo, o famoso e popular "ninho do urubu". 10 mortos e 3 feridos, com a constatação lancinante. Jovens, sonhando com um futuro, que se projetava positivo e auspicioso. Alem dos que desapareceram, toda a comunidade se emocionou.

 

MAIS UM RECUO DE BOLSONARO

É uma rotina na sua vida publica. Quando Temer, o presidente corrupto e usurpador, organizava a lista para o indulto de 2018, como fizera em 2017, o presidente eleito e ainda não empossado, entrou em cena sem ser chamado. E afirmou com a arrogância habitual: "Não concederei indulto, qualquer que seja a justificativa".

Agora modifica totalmente a convicção. Cria o indulto humanitário, "para presos com doença grave". A lista está sendo elaborada.

 

DO HOSPITAL, BOLSONARO MILITARIZOU MAIS SEU DESGOVERNO

Faltava cargo importante pelo objetivo, embora considerado do segundo Escalão: presidente do INCRA. Mais um general, (logicamente da reserva) sem serem conhecidas suas credenciais, referencias, competências. Para a suposta acendrada convicção religiosa do presidente, deve bastar o nome, JESUS Correa.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub