Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

23
Ago21

Flávio Dino adverte que Bolsonaro tentará invadir STF ou Congresso, como Trump fez com o Capitólio

Talis Andrade

 

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), afirmou, nesta segunda-feira (23) que “tudo indica” que Jair Bolsonaro irá promover uma tentativa de golpe, e tentará invadir o Congresso Nacional ou o Supremo Tribunal Federal (STF), a exemplo do feito pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump com a invasão do Capitólio em janeiro passado.   

"Acho que a atitude nesse momento deve ser de serenidade, porém, de firmeza porque que ele [Bolsonaro] não tenha êxito nessas tentativas de invadir o Congresso, invadir o Supremo, coisas desse tipo, tudo indica que algo desse tipo será tentado. E ao tentar, já há vítimas. Nós vimos isso no Capitólio, nos EUA. E temos que evitar essa confrontação entre brasileiros. A paz deve prevalecer, o respeito às regras da democracia deve prevalecer", disse Dino em entrevista ao UOL News

 “Nossa preocupação é até onde isso vai. Essa campanha de desmoralização, de agressões contra os ministros do Supremo, contra as suas famílias, por exemplo, vai conduzindo, mediante à deslegitimação dessas instituições, ao seu enfraquecimento, e, por conseguinte, golpes podem ser tentados. Eu até acho improvável, eu até acho que o Bolsonaro não consegue, porém, não convém experimentar porque os ônus dessas tentativas já são muito grandes. Então, nós temos que ter uma atitude séria porque essa gente, infelizmente, não conhece limites", ressaltou o governador mais à frente.

Ainda segundo Flávio Dino, é preciso uma articulação política entre governadores e parlamentares estaduais e federais, além de manter o controle sobre as polícias estaduais, para evitar os riscos de um golpe de estado. 

 

18
Jan18

O Papa fala da unidade na terra dos índios

Talis Andrade

 

papa_chile_indigenas.jpg

 

A homilia do Papa Francisco em Temuco, no Chile, na quarta-feira, 17, foi focada no dom da unidade. Falando em uma região onde encontram-se os povos indígenas mapuche que reivindicam seus direitos bem como o reconhecimento de sua cultura, o Santo Padre frisou que não se pode cansar de procurar o diálogo para a unidade.

 

A Missa foi celebrada no aeródromo de Maquehue, local onde, segundo o Papa, verificaram-se graves violações de direitos humanos. “Oferecemos esta celebração por todas as pessoas que sofreram e foram mortas e pelas que diariamente carregam aos ombros o peso de tantas injustiças. O sacrifício de Jesus na cruz está repleto de todo o pecado e do sofrimento dos nossos povos, um sofrimento a ser resgatado”.

 

Partindo do Evangelho em que Jesus pede ao Pai que “todos sejam um só”, Francisco concentrou a homilia no dom da unidade. “Não permitais que nos vença o conflito nem a divisão”, frisou o Papa, que alertou sobre as tentações que podem aparecer e “contaminar” esse dom.

 

A primeira tentação citada por Francisco foi confundir unidade com uniformidade. O Santo Padre explicou que Jesus não pede ao Pai que todos sejam iguais, uma vez que a unidade não nasce da neutralização das diferenças. “A unidade é uma diversidade reconciliada, porque não tolera que, em seu nome, se legitimem as injustiças pessoais ou comunitárias”.

 

Depois, o Santo Padre falou de duas formas de violência que, em vez de fomentar os processos de unidade e reconciliação, acabam sendo uma ameaça a eles. “Em primeiro lugar, devemos estar atentos à elaboração de acordos ‘lindos’, que nunca se concretizam. Palavras bonitas, planos terminados sim – e necessários – mas que, por não se tornar concretos, acabam por ‘borratar com o cotovelo o que se escreveu com a mão’. Isto também é violência, porque frustra a esperança”.

 

Outro ponto mencionado pelo Papa foi sobre a violência e destruição, que acabam por tirar vidas humanas. Isso não pode ser a base de uma cultura do reconhecimento mútuo, ponderou. “Não se pode pedir reconhecimento, aniquilando o outro, porque a única coisa que isso gera é maior violência e divisão. A violência clama violência, a destruição aumenta a fratura e a separação. A violência acaba por tornar falsa a causa mais justa. Por isso, digamos ‘não à violência que destrói’, em qualquer uma dessas duas formas”.

 

Francisco concluiu a homilia convidando os fiéis a repetir o pedido de Jesus ao Pai. “Que também nós sejamos um só; fazei-nos artesãos de unidade”. 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub