Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

04
Set19

Bolsonaro de joelhos

Talis Andrade

bolsonaro-edir macedo.jpg

 

 

Em culto neste domingo (1º.set.2019), Edir Macedo, bispo da Igreja Universal Reino de Deus e dono do Grupo Record e da Record TV, disse ao presidente Jair Bolsonaro que sabe o que é ser alvo de críticas da mídia.

“Vamos continuar orando pelo nosso presidente. A mídia toda é contra ele. E eu sei o que é isso, porque nós vivenciamos o inferno da mídia, das pancadarias dela. Porque ela é uma imprensa marrom [termo pejorativo usado para se referir ao sensacionalismo]. Mas eu estou aqui”, disse Edir Macedo, sob aplausos, no Templo de Salomão, em São Paulo.

Na ocasião, o bispo chamou o presidente para ir até o altar para ser “consagrado”. Ao ir, o Bolsonaro foi acompanhado do bispo Renato Cardoso e de 2 seguranças.

“Vamos consagrá-lo como o profeta Samuel 1 dia consagrou o rei Davi. Nós vamos consagrá-lo”, disse Edir Macedo. O religioso disse ainda que iria fazer o que não foi possível fazer com “com 1 determinado candidato que veio a ser presidente”, em referência ao ex-presidente Lula.

“Aquele candidato veio a ser presidente, mas não nos deu o direito de fazer o que o senhor queria que eu fizesse. Mas o senhor escolheu este homem para liderar os mais de 210 milhões de pessoas neste país”, afirmou.

Bolsonaro ficou de joelhos, enquanto Edir Macedo mantinha as mãos sobre a sua cabeça.

Após a oração, o religioso afirmou que Bolsonaro “vai arrebentar”. No momento, Bolsonaro enxugou lágrimas dos olhos. 

“Se ele for fracassado, você será fracassado, nós seremos fracassados, como nós temos sido fracassados por conta dos desmandos, desleixos e injustiças que nós tivemos nesse país até aqui”, afirmou o líder da igreja Universal.

Assista ao momento da oração (7min14seg):

 

 

Mais cedo, Bolsonaro visitou, acompanhado da comitiva presidencial, todo o Templo de Salomão, inaugurado em 2014. 

In Wikipédia: Nascido em família católica, Edir Macedo praticou a religião durante a infância, até se converter ao protestantismo evangélico aos 19 anos. Fundou a IURD, juntamente com seu cunhado Romildo Ribeiro Soares, em julho de 1977. A partir da década de 1980, a igreja se tornaria um dos maiores grupos neopentecostais brasileiros. A RecordTV foi comprada por Macedo em 1989, e sob seu comando, o Grupo Record viria a se tornar uma das maiores conglomerações de mídia no Brasil. É autor de vários livros de caráter espiritual, destacado-se Nos Passos de Jesus e Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios?. Seus livros já ultrapassaram a marca de 10 milhões de exemplares comercializados, o que o torna um dos autores com maior venda de livros no Brasil. Seu blog oficial recebe mais de 4 milhões de visitas por mês.

Em 24 de maio de 1992, foi preso após um culto realizado em um antigo templo da igreja localizado no bairro paulista de Santo Amaro, acusado de charlatanismoestelionato e curandeirismo. Ele foi solto onze dias depois, e as acusações foram posteriormente arquivadas por falta de provas. Em 2009, novamente foi alvo de denúncias, acusado pelos crimes de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, mas estas acusações foram anuladas porque o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo entendeu que a matéria deveria ser julgada pela Justiça Federal. Em 2011, fora denunciado pelo Ministério Público Federal em São Paulo pelos crimes de formação de quadrilha para lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Em 2013 ele ainda estava sendo processado por autoridades norte-americanas, bem como as autoridades venezuelanas por fraude e lavagem de dinheiro.

momentos-diabos-uncao edir.jpg

 

Foi apontado pela revista norte-americana Forbes como o pastor mais rico do Brasil, quando a publicação estimou seu patrimônio em 1,1 bilhão de dólares.

Em dezembro de 2017, uma série de reportagens produzida pelo canal português de TV a cabo TVI24 revelou que Edir Macedo, sua família, e a Igreja Universal do Reino de Deus mantiveram uma rede de tráfico internacional de crianças em Portugal, onde diversas crianças foram retiradas ilegalmente do convívio com os seus pais biológicos e foram posteriormente entregues a membros da Igreja Universal, inclusive às próprias filhas de Edir Macedo, Cristiane Cardoso e Viviane Freitas.

Expansão da IURD e o rompimento com R. R. Soares

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), ou apenas Universal, é uma denominação cristã, com sede no Templo de Salomãona cidade de São Paulo, Brasil. Fundada em 9 de julho de 1977 no Rio de Janeiro por Edir Macedo e Romildo Ribeiro Soares, tornou-se o maior e mais representativo grupo neopentecostal brasileiro.Segundo estimativas do censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a IURD tem mais de seis mil templos, doze mil pastores e um milhão e oitocentos mil fiéis ao redor do país.

Rede Aleluia, a qual pertence a Igreja Universal, possui mais de setenta e seis emissoras de rádio AM e FM, que cobrem mais de 75% do território nacional, e mais de vinte retransmissoras da TV Universal. Leia mais

posse edir.png

 

10
Ago18

Por que o judiciário tem medo de Tacla Durán?

Talis Andrade

moro tacla .jpg

 

 

O advogado Rodrigo Tacla Durán denunciou que uma delação premiada custa cinco milhões de propina. Cinco milhões de dólares.

 

Dinheiro por fora. De caixa dois.

 

Dinheiro não registrado. Direto para uma conta secreta em um paraíso fiscal. 

 

Por que se faz lóbi contra a CPI da indústria das delações premiadas?

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, fez bem em engavetar a CPI. É candidato a reeleição, e o pai, César Maia, candidato a senador pelo Rio de Janeiro.

 

Valeu a gaveta, que a justiça permanece na santa paz com os Maia, quando os ex-governadores Sérgio Cabral e Garotinho continuam na mira implacável da lava jato de Bretas.  

 

Uma indústria sim. A lava jato de Curitiba já concedeu mais de mil delações premiadas. Precisamente 1. 063 delações super premiadas. 

 

Duvido a lava jato apresentar os nomes dos que tiraram a sorte grande. Que a liberdade não tem preço... 

 

Um criminoso com uma colaboração premiada ganha a liberdade, legaliza os bens imóveis que adquiriu, lava o dinheiro e limpa o nome. Bem que vale os cinco milhões de dólares.

 

A lava jato lava mais branco! 

 

Alberto Youssef, chefe da máfia libanesa, está leve e solto, em uma vida de luxo e luxúria. Toda a quadrilha de Youssef foi libertada. Youssef acertou ser delator desde o assalto ao Banco do Estado do Paraná. Youssef é freguês.   

 

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) publicou nesta sexta-feira, 10, o acórdão da sentença que negou pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ouvir o advogado Rodrigo Tacla Durán, sobre irregularidades nos acordos de delação premiada da operação Lava Jato. O STJ já havia negado pedido semelhante da defesa de Lula para ouvir o ex-advogado da Odebrecht.

 

Ministro Felix Ficher, relator da decisão, voltou a repetir que cabe ao juiz decidir se ouve ou não a testemunha arrolada pela parte. Na decisão o juiz transcreveu trechos da decisão do juiz Sérgio Moro que negou ouvir Duran sob o fundamento de que suas palavras não mereceriam crédito. Mas essa decisão é um dos fundamentos usados pela Interpol para considerar Moro um juiz parcial.

 

Para Moro, 1.063 bandidos merecem crédito. Inclusive o mafioso Youssef que Moro inocentou pelo tráfico internacional de cocaína (vide link).

 

Tacla Durán reside na Espanha e Moro solicitou à Interpol a prisão dele. Não foi atendido. Moro também pediu para a judiciário, para a polícia da Espanha e também recebeu um não.

 

Tacla faz parte de um processo que envolve o Beto Richa por corrupção e mais um parente de Rosangela Moro, esposa do juiz exclusivo de Lula. Um parentesco que não está bem explicado. Porque o corrupto ora aparece como tio, ora como primo irmão. Esse parente de Rosangela Moro surgiu no crime com o empréstimo de quatro bilhões de PC Farias para comprar a TV Corcovado (vide link).  

 

 ---

Talis Andrade estudou na UF-RN, UF-PE, Universidade de Navarra Espanha, Ciespal Quito Unesco, professor de Filosofia da Escola Normal de Natal, de Jornalismo, Publicidade e RP da Unicap, diretor responsável do Jornal do Comércio, Diário da Noite, Jornal da Semana, A República, Correio da Manhã RJ, Diário Oficial do RN, de PE, de Recife, editor e colunista do Diário de Pernambuco, Secretário das Comunicações do RN, de Imprensa do governo de PE, de Educação e Cultura de Jaboatão, delegado sindical na Fenaj  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

09
Mai18

Lava Jato soma apenas 1,7% dos valores desviados no assalto ao Banco do Estado do Paraná

Talis Andrade

Moro e Youssef: personagens de uma longa história

Parcialidade de Moro fica patente no NADA que resu

quem e alberto youssef.jpg

 

Sergio Moro pode pousar de “campeão na luta contra a corrupção", de "herói nacional”, pelas sacanagens que fez para beneficiar os magnatas da mídia, as poderosas famílias Marinho, Civita, Sílvio Santos, sonegadores e traficantes de moedas.

Silvio_santos- orlando casa um milhão US$.jpg

Residência de Sílvio Santos, protegido de Moro e da ditadura militar, em Orlando

 

Na primeira parte da reportagem de  Paulo Muzell publicamos: 

 

Só a Globo enviou 1,6 bilhões de dólares, mais de 5 bilhões de reais. Além das grandes empreiteiras na lista dos fraudadores lá estavam também outros grupos da mídia: a editora Abril, o Correio Brasiliense, a TVA, o SBT, dentre outros. A justiça foi convenientemente lenta, os crimes prescreveram, só foram punidos alguns integrantes da “arraia miúda”. Ironias da história: a corporação Globo, futura “madrinha” de Moro cometeu os mesmos ilícitos que mais tarde seriam por ele denunciados na operação Lava Jato.

 

O silencio da mídia repetiu-se em 2015 quando a operação Zelotes denunciou que membros do Conselho de Administração de Recursos Fiscais, o CARF estavam recebendo propinas para livrar grandes empresas de multas aplicadas por prática de sonegação de impostos. Bilhões de reais de dívidas da Gerdau, da RBS, do Banco Safra, do Banco de Boston, da Ford, do Bradesco, dentre outras empresas e grandes grupos da mídia. As apurações preliminares estimaram que mais de 20 bilhões de dólares foram desviados dos cofres públicos, sendo este montante apenas a “ponta do iceberg”. Certamente a continuidade das investigações chegaria a valores muito maiores.

 

Começou lá nos primeiros anos da década passada, o idílio Moro-Youssef, em 2003 para ser mais preciso. Apesar do protagonismo central do doleiro na prática de ilícitos, ele foi beneficiado pela delação premiada, ficando livre, leve e solto. Prosseguiu, é claro, na sua longa e bem sucedida carreira de crimes bilionários. Observe-se que na delação premiada a redução da pena ou o perdão é concedido ao réu sob expressa condição de promessa de ilibada conduta futura.

 

É claro que a biografia de Youssef não poderia alimentar nenhuma esperança de regeneração, de que ele abandonasse as práticas ilícitas.

pgr.jpg

 Geraldo Brindeiro

 

Onze anos depois, em março de 2014, na fase inicial da operação Lava Jato, Youssef foi novamente preso por Moro. Foi constatado que ele era o principal operador das propinas que alimentaram o caixa das campanhas de inúmeros políticos especialmente do PP e do PT no chamado Mensalão 2, ocorrido em 2005. O primeiro, o Mensalão 1, o da compra dos votos para a reeleição de FHC não teve consequências porque Geraldo Brindeiro, o Procurador Geral da República das 626 denúncias criminais dos seus oito anos no cargo (de 1995 a 2003), arquivou mais de 90% delas, encaminhando para indiciamento pelo Judiciário apenas 60, justamente as de importância menor e que envolviam personagens secundários. Brindeiro ficou por isso nacionalmente conhecido como o “engavetador-geral da República“. A grossa corrupção que marcou os dois períodos do governo Fernando Henrique foi varrida para de baixo do tapete: o Ministério Público Federal e o Poder Judiciário taparam o nariz e fecharam os olhos.

aécio.jpg

 

A delação premiada de Youssef realizada em 2014 e 2015 foi justificada por Moro pela importância que teve para a obtenção de provas que culminaram em dezenas de indiciamentos e prisões de importantes figuras, possibilitando a comprovação de desvios bilionários. Fala-se que a Lava Jato apurou pagamentos de propinas de valores acima dos 10 bilhões de reais, valor expressivo mas que, pasmem, representa apenas 1,7% dos valores desviados dos cofres públicos nos episódios do Banestado e da operação Zelotes.

 

Segundo o noticiado, Youssef foi indiciado em nove inquéritos. Algumas ações com sentenças já transitadas em julgado resultaram em condenações que totalizaram 43 anos de prisão em regime fechado. Há ainda outras ações que, na hipótese de ocorrer a condenação, poderiam resultar em 121 anos e 11 meses de prisão. Sérgio Moro anunciou que pela contribuição que a delação de Youssef trouxe para a operação Lava Jato, sua pena foi fixada em três anos, dois quais dois anos e oito meses já cumpridos. [Youssef foi solto para passar o Natal e o Ano Novo em casa (em São Paulo). Pegou o avião em Curitiba e nunca mais voltou, e nunca mais voltou. E Moro a cantar: Depois que tu partiste / Tudo aqui ficou tão triste / Que eu garrei a imaginar]

 

A legislação penal tipifica o ilícito e determina a pena de acordo com sua gravidade. Cabe ao juiz na sentença aplicar a sanção que a lei determina. O que pode ser questionado na delação premiada é que não existe na lei a dosimetria que imponha ao magistrado um limite para a redução da pena. O caso de Youssef é um exemplo típico: Sérgio Moro, se considerarmos as graves ilicitudes, os valores envolvidos e as inúmeras reincidências do doleiro foi extremamente indulgente, generoso. Alberto Youssef estaria certamente fadado a morrer na prisão cumprindo as penas a que foi condenado. Youssef está livre, leve e solto. Muito provavelmente preparado e disposto a cometer novos crimes.

 

 

 

 

 

17
Abr18

A nudez de Roberto Justus candidato a presidente

Talis Andrade

O cara que invadiu o telefone de Marcela Temer pegou mais de 6 anos de cadeia. Está preso com nome trocado em local desconhecido, e nenhum defensor dos direitos humanos aparece para revelar a verdadeira identidade do coitado. Talvez seja o único caso de preso brasileiro, depois da ditadura militar, que foi julgado sem o nome de pia e/ou registro civil.


O ministro Alexandre de Morais, que prendeu o sujeito, botou um codinome no portador das fotos íntimas de Marcela que aparece no processo, também, com nome trocado.


Só não tem nome escondido nessa peça da alta justiça, a juíza que bateu com a vara no lombo do preso: Seis de cadeia, sentenciou a magnânima magistrada.


Nesses tempos de golpe, possívelmente o preso virou arquivo morto. Indigente morto sem nome numa sepultura sem lage.


Nestes tempos de golpe, 131 camponeses, líderes dos sem terra, foram trucidados no governo de Temer. No Rio de Janeiro, com um general interventor, paramilitares assassinaram a vereadora Marielle Franco. 

 
Depois do caso das fotos íntimas de Marcela, temos entre os presidenciáveis a bela esposa de Roberto Justus, cuja nudez jamais será castigada. Nem a de Justus, um dos candidatos de Temer.

-ana-paula-siebert-e-julio-rocha201309171113794283

 

 

Ana Paula.jpg

 

 

Justus, no Programa do Porchat, comentou sobre a possível reeleição do ex-presidente Lula.

 

“Você vê o programa do PT, o Lula falando que o Brasil precisa dele de volta. O que está aqui, o que nós herdamos, 13 milhões de desempregados, a maior crise institucional e política da história do país foi fruto de 12 anos de PT. Ele ajudou bastante essas pessoas, mas numa ilusão: quebrou o país”, disse o empresário ao apresentador.

 

Justus também fez uma promessa polêmica: “Eu sou o primeiro a dizer: se ele voltar, eu pulo do Brasil. Eu mudo do país. Não vou investir no país com um cara desses”, prometeu.

 

Esse palhaço do Justus é uma mistura de Faustão com Huck. É um Bial rico, apresentador do reality show O Aprendiz e A Fazenda, da Rede Record, dos bispos Macedo e Crivella, comprada a Sílvio Santos, com dinheiro do dízimo e do tráfico de drogas da Colômbia.


A TV Record, por sua vez, é a antiga TV Corcovado, comprada com dinheiro "emprestado" de PC Farias, mais de 4 bilhões. Novamente dinheiro do tráfico de drogas, que envolve a família da esposa de Moro. Aliás, um tráfico que Moro não quis ou impediu que fosse investigado, desviando a lava jato de suas origens, que era justamente investigar o tráfico de drogas e diamantes.


Esses partidos de esquerdas são muito incompetentes, ou temem apontar as sujeiras da República do Paraná. Tem muito delegado envolvido com drogas no Paraná e Santa Catarina, com jornalistas jurados de morte e exilados, porque denunciaram. Como acontece com as milícias no Rio de Janeiro, forças paramilitares formadas poe policais da ativa e aposentados ou expulsos do funcionalismo público.

 

 

15
Abr18

A máfia de PC Farias e a conexão do Paraná com Wolff e Martinez

Talis Andrade

O dinheiro de PC Farias, tesoureiro da campanha presidencial de Fernando Collor, chefe do tráfico de drogas (vide livros de Geneton de Moraes Neto, Lucas Figueiredo), também floresceu nos laranjais do Paraná com os capos Luiz Fernando Wolff Carvalho, José Carlos Martinez, e passou pelo Banco do Estado do Paraná - BanEstado.  O curioso é que a Operação Lava Jato foi criada para investigar o tráfico de drogas e de diamantes. O juiz Sérgio Moro e delegados da Polícia Federal, estranhamente, como sempre sem dar qualquer explicação, mudaram o roteiro, e os traficantes continuam em liberdade, ou melhor são como as bruxas. A lava jato não acredita em bruxas, mas que elas existem, existem. Por golpes de sorte, são pegas. Como aconteceu com o helicoca do senador José Perrella. Mas o general interventor de Temer prefere pegar traficantes de cocaína nas mil e cem favelas do Rio de Janeiro, quando residem em condomínios fechados e do mais alto luxo.

 

O livro "Morcegos Negros" narra o sumiço da fortuna de PC Farias, o esquema de achaques e negociatas, a impunidade que protege até hoje corruptos e corruptores envolvidos no caso, os “filhotes” de PC Farias e os novos esquemas de corrupção em Brasília e como os mandantes da morte de PC e Suzana conseguiram escapar ilesos da Justiça…

morcegos negros .jpg 


Escreve Márcio C. Coimbra: "Lucas Figueiredo desvenda, desmistifica e esclarece muitos fatos ocorridos com PC Farias. O relato vai desde sua fuga do Brasil em 1993 e sua captura na Tailândia, passando por uma interessante abordagem acerca das várias equipes que tentaram desvendar sua morte e deságua no principal: a conexão de Paulo César Farias em um grande esquema de lavagem de dinheiro.

 

Este esquema, muito provavelmente, era o mesmo usado pelos grandes cartéis de droga para a lavagem do dinheiro proveniente do tráfico de entorpecentes.

 

Qual a rota seguida pelo dinheiro de PC e onde ele se encontra hoje?" Ou melhor, quem sucedeu PC Farias? Moro nem aí. 

 

morcegos negros 2.jpg

 

Luiz Fernando Wolff Carvalho é parente da esposa de Sergio Moro, Rosângela Wolff,  e aparece no noticiário ora como primo-irmão, ora como tio. 

 

Veja lista de processos ligados a Wolff, presidente da empresa Triunfo, e sua ligação com PC Farias, inclusive na cobrança de pedágios.

 

Transcrevo das notícias do Superior Tribunal Federal - STF: 

 

O deputado paranaense José Carlos Martinez (PTB/PR), seu sócio e irmão, Flávio de Castro Martinez, e o empresário, Luiz Fernando Wolff de Carvalho, foram interrogados hoje (4/11) pelo Ministro Ilmar Galvão, relator da Ação Penal 331.

 

martinez1a.jpg

Ministro Ilmar Galvão interroga Martinez que recebeu um "empréstimo de mais de 4 bilhões de PC Farias 

 

Na Ação Penal, o parlamentar é acusado pelo Ministério Público Federal por crime de sonegação fiscal, evasão de divisas, falso testemunho e falsidade ideológica. O deputado, junto com seu irmão, é sócio e proprietário de uma empresa de comunicação, detentora de vários canais de televisão e rádio.



Martinez negou as acusações apresentadas pelo MP. A principal é a de que o parlamentar sonegou informações à Receita Federal, na declaração de Imposto de Renda de 1991 a 1993, quando omitiu valores de um empréstimo pedido ao tesoureiro da campanha de Fernando Collor à presidência da República, Paulo César Farias - morto em 1996 - para a compra da TV Corcovado, do Rio de Janeiro.



O parlamentar confirmou a existência do empréstimo feito em 1991, no valor de 4 bilhões e oitocentos e noventa e sete cruzeiros, porém negou a acusação de que a origem do dinheiro fornecido por PC Farias fosse desconhecida da Receita Federal.



Ao ser questionado sobre a razão pela qual PC Farias não confirmara o empréstimo, Martinez afirmou desconhecer o fato. Afirmou, ainda, que, ao fazer a declaração à Receita em 1992, procurou o tesoureiro de campanha de Collor para informá-lo, mas que o mesmo o ignorara.



Martinez também foi acusado de remessa ilegal de dinheiro ao exterior, manutenção de contas correntes não declaradas fora do país e omissão à Receita Federal de empréstimo canalizado para compra da Rádio Eldorado, no Paraná.

O empresário Luiz Fernando Wolff de Carvalho, que também responde à Ação Penal, é o proprietário da Construtora Triunfo, participante das transações de Carlos Martinez, objeto da fiscalização da Receita Federal.




Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub