Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

19
Jun18

Juiz autoriza retirada do “Acampamento Lula Livre” com utilização de força policial

Talis Andrade

os nazistas contra acampamento lula livre.jpg

 

 

Publica o sítio oficial da República de Curitiba: A 3ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Curitiba autorizou o uso de força policial para que as barracas montadas no entorno da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, sejam retiradas. A decisão do juiz Jailton Juan Carlos Tontini, publicada na sexta-feira (15), tem como base um pedido da Procuradoria-Geral do Município, que afirma que os simpatizantes do preso Luiz Inácio Lula da Silva descumpriram decisão liminar que estabelecia condições para que a vigília fosse mantida. 

 

O sítio não informa que o corrupto prefeito de Curitiba é o Rafael Greca, corrupto primo de Rosangela Moro, esposa do juiz Sergio Moro. Diz o juiz fascista:

 

Diante da notícia de descumprimento, determino ao oficial de justiça que se dirija ao local e verifique se a ordem liminar está sendo cumprida e, em caso negativo, com o auxílio de força policial, remova quaisquer barracas, tendas, estruturas ou similares que estejam nas vias públicas.

 

Fascismo-no-Brasil.jpg

 

Mais um ato ditatorial do golpe que derrubou Dilma Roussef. A ditadura da república de curitiba, ou corriola da lava jato, é contra a manifestação livre e democrática do povo nas avenidas, nas ruas, nas praças.

 

A ditadura do judiciário defende o salário acima do teto para os togados, com foro exclusivista, privilegiado, e anistia antecipada para todos os crimes. Que a pena máxima para um togado corrupto é o prêmio da aposentadoria precoce com todos os direitos e benesses mil. Quando o coitado do salário mínimo se aposenta depois dos 75 anos com o pé na cova. 

 

Os príncipes das cortes de justiça recebem auxílios vários, inclusive de moradia, quando mais de seis milhões de brasileiros não possuem moradia própria, e mais da metade da população vive com menos de 900 reais.

 

moro sofre.jpg

 

 

O Brasil cruel das 500 mil prostitutas infantis paga pensões vitalícias para as filhas maiores de idade de togados, virgens juramentadas que sustentam gigolôs no luxo e na luxúria.

 

O Brasil tem incontáveis tribunais... repletos de parasitas, de prebotes.

 

O Brasil tem justiça militar em tempos de paz. Justiça eleitoral que só trabalha nos anos pares. Tribunal de faz de conta que faz as contas. E tribunais do trabalho que não trabalham, que nada existe a fazer depois da reforma trabalhista de Temer. Nem preciso lembrar que no Brasil existe trabalho escravo.

 

No mais, o Brasil tem a justiça mais cara do mundo, escandalosamente cara.

 

No mais, a lava jato termina com a entrega da Petrobras ao capital estrangeiro. Que a república de Curitiba reze pra Temer não leiloar. Temer ainda tem seis mesas de desgoverno.

 

O golpe foi para vender o que resta de estatais.

moro pequeno.jpg

 

 

Lula-Livre Diogo Ramalho.png

 

16
Jun18

DESIGUALDADE SOCIAL Mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir renda média no Brasil

Talis Andrade

Na comparação com 30 países, Brasil empata na segunda pior colocação com a África do Sul. Em estudo, OCDE sugere melhorar gasto público, principalmente nas áreas de educação e saúde

rio favela.jpg

 

 

Moradora do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, pinta a bandeira do Brasil numa parede. LEO CORREA AP

 


por RODOLFO BORGES
e SILVIA AYUSO

===


Uma família brasileira pode levar até nove gerações para deixar a faixa dos 10% mais pobres e chegar à de renda média do país, segundo estudo sobre mobilidade social elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 

Nesse quesito, o Brasil só fica na frente da Colômbia e empata com a África do Sul numa lista de 30 países analisados pelo estudo O elevador social está quebrado? Como promover mobilidade social, divulgado nesta sexta-feira.

 

Na Colômbia, são necessárias 11 gerações para que uma família alcance a renda média nacional. A organização destaca que o estudo é ilustrativo e que não deve ser levado ao pé da letra.

 

A percepção do brasileiro, de acordo com pesquisa da Oxfam mencionada no estudo, endossa o cenário: seis em dez cidadãos pensam que esforço não é o bastante para um pessoa que nasceu pobre alcançar uma situação de vida confortável. De acordo com o levantamento da OCDE, 35% dos filhos de pais posicionados no um quinto mais pobre do Brasil terminam a vida nesse mesmo estrato social. Além disso, apenas 7% deles chegarão a figurar entre os 20% mais ricos.

 

Por outro lado, 43% dos filhos com pais mais ricos seguirão com o mesmo nível de renda, enquanto apenas 7% deles têm chance de piorar de vida. Para se ter uma ideia da situação brasileira, a média da OCDE indica que apenas 31% do um quarto mais pobres seguem da mesma forma, enquanto 17% se elevam ao um quarto mais rico. A mobilidade social é maior em países como Estados Unidos e muito maior nos países nórdicos.

 

desigualdade social mundo.jpg

 

 

E como se acelera o elevador social no Brasil? Não há receitas milagrosas, mas algumas pistas. A OCDE sugere ao Brasil melhorar o gasto público, principalmente nas áreas de educação — com mais investimento no ensino básico — e saúde — alocando recursos para os tratamento mais importantes e para as pessoas quem mais precisem. A formação de desempregados por meio do Pronatec também é destacada pelo organismo internacional, assim como a redistribuição de renda por meio de reformas que extingam isenções e o aumento do gasto social em programas para auxiliar os cidadãos mais vulneráveis.

 

Apesar dos números ruins, segundo a mesma pesquisa os brasileiros que já conseguiram subir na escala social têm menos risco de piorar de vida na comparação com habitantes de países emergentes como China, África do Sul e Indonésia. E por que todos esses dados importam? Porque saber se uma geração vive melhor ou pior do que seus pais não é só uma percepção ou uma curiosidade. Também é um fator econômico chave, segundo a OCDE.

 

O estudo investiga o impacto de "eventos gatilhos" — como mudanças no mercado de trabalho, divórcio ou parto — na mobilidade da renda. O emprego é o principal determinante da trajetória de renda individual, mas, em vários países, "as mudanças relacionadas à família também podem desempenhar um papel muito importante". "Em particular, as mulheres são mais gravemente afetadas do que os homens por perdas de renda após o divórcio", diz o estudo. Uma rede de transferências sociais é um fator crucial para evitar a mobilidade descendente, segundo a OCDE, enquanto a mobilidade ascendente resulta principalmente da dinâmica do mercado de trabalho.

 

Produtividade

O conceito de mobilidade social influi na produtividade econômica de um país e na qualidade de vida de seus cidadãos. E também tem fortes implicações políticas: um alto risco de cair na escala da mobilidade e a perda de status social que isso implica não só reduz a satisfação pessoal, mas também “mina a coesão social e a sensação das pessoas de que sua voz conta, especialmente entre pessoas de rendimentos médios e baixos”. Isso, por sua vez, “reduz a confiança no sistema sociopolítico, com potenciais consequências negativas na participação democrática”. E isso, adverte o organismo com sede em Paris, “reforça os extremismos políticos ou o populismo”.

26
Abr18

OS BÓIAS-FRIAS

Talis Andrade

 

 

 1 (O Recrutamento)

EscravidaoModerna.jpg

 

 

 

Nas carrocerias de velhos caminhões

os bóias-frias são despachados

para longínquas terras

Vão trabalhar por alguns trocados

no cultivo dos latifúndios

 

Os bóias-frias jamais verão os rostos

ou conhecerão os nomes dos patrões

Os bóias-frias inclusive ignoram

o itinerário dos caminhões

 

2 (O Acampamento)

 

sonho.jpg

 

 

 

A fome

remoendo as tripas

e no peito

a roncadeira

 

A tosse

corta o silêncio

 

A tosse

a tosse

úmido pássaro

das madrugadas

 

3 (A Resignação)

massacre.jpg

 

 

Como odiar um inimigo

de desconhecido nome

       escondido

       rosto  

Como enfrentar um comando

a agir por trás dos biombos

       das sociedades anônimas

Como discordar das ordens de serviço

       que vêm além dos mares

       além dos ares

       de insuspeitos lugares

Como exigir do companheiro

a revolta a luta

se a cotidiana ambição constitui

        um pedaço de pão

e depois dormir dormir

a rede estendida

        navegando a escuridão

 

4 (O Eito)

igran_fabiana_.jpg

 

 

Antes de aparecer o sol

manso gado  

embarcado pelos traficantes

        de escravos

os bóias-frias seguirão

com a docilidade da sujeição

de um animal ao seu dono

por desconhecidas trilhas -

os caminhos sem termo

do sofrer eterno

no fogo seco

no fogo grego

do inferno

 

Vastos os caminhos

da fome e solidão

Vastos os caminhos

que temos de arar

quando se nasce

na servidão

 

 

---

Talis Andrade, O Enforcado da Rainha, ps. 61/64

 

 

21
Abr18

A lista suja do trabalho escravo no Brasil do golpe

Talis Andrade

Nove pastelarias cariocas — três delas em Copacabana — constam da recém-divulgada lista negra do trabalho escravo do Ministério do Trabalho. Nos estabelecimentos foram encontrados 23 imigrantes mantidos em condições análogas às de escravidão. Na Rua Figueiredo de Magalhães, 344, três funcionários da Pastelaria Copacabana davam expediente todos os dias da semana, dormiam num quarto de empregada em apartamento próximo à loja e teriam recebido apenas 10% do salário devido, de 1 000 reais por mês. Prestadora de serviço do Rock in Rio, a Cone Brasil Comércio e Alimentos também foi citada pelo ministério. Para o crime está prevista pena de até oito anos de prisão.

 

Veja aqui uma lista suja de empresas com trabalhadores escravos no Brasil do golpe.

 

 

 

 

02
Fev18

Ao "entrevistar" o Ratão, o Ratinho foi um ratinho. Temer torna desnecessários os tribunais da Justiça do Trabalho

Talis Andrade

AUTO_adnael-2.jpg

 

rato animal e homens.jpeg

 

 

Temer o ratão foi aos auditórios dos "jornalistas" mais ricos do Brasil, Ratinho e Sílvio Santos, fazer a propaganda da reforma da previdência, que completa seu programa de maldades que começou com a reforma trabalhista que rasga a CLT

 

História

A CLT surgiu como uma necessidade constitucional após a criação da Justiça do Trabalho em 1939. O país passava por um momento de desenvolvimento, mudando a economia de agrária para industrial.

 

Em 1941, o ditador Getúlio Vargas, instala a Justiça do Trabalho. O mundo estava em plena Segunda Guerra Mundial.

 

Para desmoralizar as delegacias do trabalho, Temer nomeia Cristiane Brasil ministra do Trabalho.

AUTO_zedassilva-2.jpg 

AUTO_gabrielrenner-3.jpg

filme-da-semana-temerchanchada.jpg

AUTO_nicolielo.jpg

 

 

 

 

27
Jan18

A censura partidária das empresas e o desemprego

Talis Andrade

Acontece no Espírito Santo

 

BRA^ES_AT-2.jpg

 

Acontece no Brasil todo 

Vara no lombo do povo

 

censura movimento social Nestory Fedeliko (FEDE).j

 É isso aí: ame-o ou deixe-o. 

 

Nada de protestar contra a reforma trabalhista.

 

Tem que esperar caladinho a reforma da previdência. 

 

Não se espantar jamais com os salários acima do teto permitido pela Constituição e mais auxílio moradia, auxílio educação, auxílio saúde, as ricas aposentadorias, as ricas pensões, inclusive para as filhas solteiras maiores de idade e virgens juramentadas das castas da justiça, do legislativo, do executivo - os marajás de sempre e as Marias Candelária.  

 

Tem que apoiar o golpe e votar nos candidatos indicados por Temer e o quadrilhão do PMDB na Câmara dos Deputados e seus partidos aliados, que tramaram e executaram a derrubada de Dilmar Rousseff.

 

AUTO_aziz-1.jpg

 

 

É aceitar agradecido o salário mínimo do mínimo, o desemprego e jamais fazer greve que atrapalha o trânsito, jamais ocupar escolas que é importante a ordem unida e o progresso da ponte para o futuro permitido pelo FMI. 

 

O trabalhador sempre perde. A ditadura militar de 1964 cassou a estabilidade no emprego.

 

O golpe de Temer rasgou de vez a CLT, terceirizou adoidado, jogou no lixo a carteira de trabalho, estabeleceu o estado mínimo idealizado pelos economistas com dupla nacionalidade, os Henriques Meirelles, os Armínios Fraga.

 

Agora é trabalhar feito escravo oito horas mais quatro de graça. 

 

estado mínimo terceirização desemprego salário

 

 

 

 

 

 

 

 

27
Jan18

Dodge elogia reforma trabalhista e estabilidade institucional com Temer

Talis Andrade

Nega a existência da servidão quando o principal jornal da chamada República de Sérgio Moro publica hoje a seguinte manchete: "Exploração. Corte afrouxa combate ao trabalho escravo".

 

BRA_FDL.jpg

 

No dia em que Lula foi condenada sem provas, Raquel Dodge elogia a estabilidade democrática, quando se pretende impedir, não importa o preço, a candidatura de Lula da Silva a presidente do Brasil.

dodge.jpg

Em Londres, Dodge diz que Brasil vive 'o momento de maior estabilidade institucional desde 1889'

 

 

 

por Fernanda Odilla

Da BBC Brasil em Londres

___

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou nesta quarta-feira que "o Brasil experimenta o momento de maior estabilidade institucional desde a Proclamação da República 1889, um ano depois da lei que aboliu a escravatura".


"Não me parece exagero afirmar que instalou-se um ambiente de democracia constitucional", afirmou a procuradora em um evento na universidade britânica King's College London, onde fez uma palestra sobre escravidão moderna.

 

Dodge não fez nenhuma menção direta ao julgamento do recurso do ex-presidente, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, durante a apresentação.

 

Protesto


Na porta do King's College, dez manifestantes protestaram contra a condenação do ex-presidente e também contra a procuradora. Dodge foi indicada ao cargo pelo presidente Michel Temer (PMDB) em um procedimento que contraria uma tradição estabelecida na gestão Lula: ela não foi a mais votada pelos pares para ocupar o posto.


A escolha gerou questionamentos sobre a disposição da procuradora de manter o ritmo das investigações da Lava-Jato. As críticas sempre foram rechaçadas por Dodge.


"Raquel Dodger (sic) é parte do golpe em curso contra a democracia no Brasil", dizia um dos cartazes. Outro exibia os dizeres: "Lula é inocente". Havia ainda pôster contra a Rede Globo.


Os manifestantes exibiram ainda bandeira do PT, do Brasil e a faixa #standwithLula (estamos com Lula).
Raquel Dodge está na capital britânica desde segunda-feira, quando participou de um evento que também discutiu escravidão moderna no FCO (Foreign & Commonwealth Office), o ministério das relações exteriores do Reino Unido.


"Há quase duas décadas atuo contra a escravidão contemporânea no Brasil. É incompatível com a dignidade humana, que me incumbe defender enquanto procuradora", disse Dodge, que diz que o crime de escravidão pode ser, em alguns casos, encarados como "crime de colarinho branco".

 

Segundo a própria procuradora, ela tem uma visão diferente do entendimento jurídico predominante no Brasil e em muitos países em relação ao tema.


Para Dodge, configura escravidão moderna não apenas quando há controle por restrição física, imposição jornada exaustiva de trabalho, pagamento insuficiente e punições físicas, mas também quando existe coerção psicológica. "Como ocorre na servidão por dívida", observou.


O governo Temer recentemente propôs uma mudança no entendimento de trabalho escravo brasileiro - que tornava mais restritiva a interpretação - mas voltou atrás.


Ela disse ainda que inspeções identificaram muitos casos de trabalhos análogos à escravidão em Estados onde há derrubada da floresta amazônica para expansão da fronteira agrícola brasileira.


"Enfrentar a escravidão moderna é uma tarefa que precisa ser exercida por cada país e contar com colaboração internacional", afirmou, emendando que se trata de "um tema complexo, de grande proporção e voltado para gerar lucro". Transcrevi trechos. Leia mais 

20
Jan18

Peru: Papa denuncia violência contra as mulheres

Talis Andrade

manchete.jpg

 

 

Puerto Maldonado, 19 jan 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco denunciou hoje no Peru a violência contra as mulheres, alertando em particular contra o contra o tráfico de pessoas e a exploração sexual, num encontro com milhares de pessoas em Puerto Maldonado.


“Não se pode ver como normal a violência contra as mulheres, achá-la normal, não se faz da violência contra as mulheres algo natural, mantendo uma cultura machista que não aceita o papel de protagonista da mulher nas nossas comunidades”, alertou, perante os peregrinos reunidos na capital da região de ‘Madre de Dios’ [Mãe de Deus].


“É triste constatar como, nesta terra que está sob a proteção da Mãe de Deus, muitas mulheres são tão desvalorizadas, desprezadas e sujeitas a violências sem fim”, prosseguiu.
O Papa disse ter ficado satisfeito por ver, ao chegar a Puerto Maldonado, um cartaz que convida cada cidadão a estar “atento contra o tráfico”.


“Na realidade deveríamos falar de escravatura: escravatura laboral, escravatura sexual, escravatura para fins de lucro”, precisou.


“Não nos é lícito virar cara para o outro lado e deixar que tantas mulheres, especialmente adolescentes, sejam espezinhadas na sua dignidade”, insistiu.


Na região sudeste do Peru, junto à Amazónia, Francisco falou de uma Igreja sem fronteiras, que defende os que são considerados como habitantes da “terra de ninguém”.


“Não sois terra de ninguém. Esta terra tem nomes, tem rostos: tem-vos a vós”, observou.


O Papa realçou o facto de o nome da região remeter para a Virgem Maria, “uma Mãe” para os católicos, que os faz ter a certeza de que “há filhos, há família, há comunidade”.


A intervenção alertou para as consequências da “cultura do descarte” que, ao ser aplicada aos recursos naturais, os explora até ao fim.


“As próprias pessoas são tratadas com esta lógica: são usadas até ao exaurimento e depois deixadas como inúteis”, advertiu o pontífice.

 

Francisco recordou quem emigrou para a Amazónia seduzido pelo “brilho promissor da extração do ouro”, que considerou “um falso deus, que pretende sacrifícios humanos”.


“Os falsos deuses, os ídolos da avareza, do dinheiro, do poder corrompem tudo. Corrompem a pessoa e as instituições; e destroem também a floresta”, alertou.

18
Jan18

Chile: «Que o grito do pobre nos ensine a estar atentos às novas formas de exploração»

Talis Andrade

Antes de se despedir do Chile nesta quinta-feira, 18, o Papa Francisco visitou a cidade de Iquique, ao norte do país, onde celebrou a Santa Missa. 

 

papa-francisco_iquique-1.jpg

 

Francisco destacou que Iquique é uma “terra de sonhos”, que soube abrigar pessoas de diferentes povos e culturas que tiveram que deixar suas terras, uma região de imigrantes. 

 

Francisco pediu ainda que, a exemplo do que fez Maria em Caná, as pessoas procurem estar atentas às realidades de hoje para reconhecer aqueles que estão necessitados, pessoas que tiveram suas vidas arruinadas, que não têm mais razão para fazer festa.

 

 

“Estejamos atentos a todas as situações de injustiça e às novas formas de exploração que fazem tantos irmãos perder a alegria da festa. Estejamos atentos à situação de precariedade do trabalho que destrói vidas e famílias. Estejamos atentos a quem se aproveita da irregularidade de muitos migrantes porque não conhecem a língua ou não têm os documentos em ‘regra’. Estejamos atentos à falta de teto, terra e trabalho de tantas famílias. E, como Maria, digamos com fé: Não têm vinho”. Leia mais 

 

 

 

02
Jan18

Ministro do Trabalho pastor Ronaldo Nogueira renunciou quando os trabalhadores demitidos superam os novos empregos

Talis Andrade

Se foi o ministro dos trabalhadores sem direitos

 

pastor.jpg

 Pastor Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho 


Desde a entrada em vigor em noviembro da reforma trabalhista do governo de Michel Temer (MDB), que legalizou o emplego irregular e reduziu o custo das indeniçõeses, houve mais trabalhadores demitidos do que novas contratações. 

 

Dois absurdos escondidos: o Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira de Oliveira é um administrador de negócios evangélicos, pastor da Assembléia de Deus em Carazinho, deputado federal pelo PTB - Partido Trabalhista do Brasileiro do Rio Grande do Sul. 

 

Página 12/ Argentina  - El ministro de Trabajo de Brasil renunció ayer al cargo, horas después de que datos oficiales revelaran que los despidos superaron a las contrataciones en noviembre en 12.000 puestos, tras la entrada en vigor de la reforma laboral del gobierno de Michel Temer, que legalizó el empleo intermitente y redujo el costo de la indemnizaciones.

 

En un comunicado oficial, enviado, el gobierno informó que Nogueira, quien pertenece al conservador Partido Laborista Brasileño (PTB), argumentó motivos personales al presentar su dimisión. El PTB, aliado del presidente Temer en el gobierno, anunció que el diputado por el estado de Maranhao Pedro Fernandes, un aliado del ex presidente José Sarney, asumirá el cargo en Trabajo, y aseguró a través de su presidente, Jovair Arantes, que Nogueira deja el ministerio para disputar su reelección como diputado en los comicios de octubre.

 

La dimisión se conoció horas después de la difusión de las mediciones del mercado laboral tras el primer mes en vigencia de la reforma que impulsó el gobierno. En noviembre se rompió una racha positiva de creación de empleo de siete meses consecutivos, debido a que 12.292 puestos de trabajo fueron cerrados en Brasil, resultado de la ecuación entre las contrataciones, que fueron 1.111.798 y los despidos, que sumaron 1.124.090, según datos del Ministerio de Trabajo.

 

El número quedó lejos de una visión positiva que esperaban los analistas del mercado financiero, que pronosticaron la creación de 26.600 puestos de trabajo con la reforma laboral, según el diario económico Valor.

 

En la comparación con años anteriores, el saldo negativo de noviembre de 2017 es mejor que el del mismo mes de 2016 y 2015, cuando se perdieron 116.747 y 130.629 trabajos formales, respectivamente, en medio de una profunda recesión económica, indicó el Registro General de Empleados y Desempleados (Caged) del Ministerio de Trabajo.

 

En esos dos años, el Producto Bruto Interno de Brasil se encogió más del siete por ciento, algo que no ocurría desde la década de 1930.

 

Esta base no mide el desempleo, algo que registra el Instituto Brasileño de Geografía y Estadística (IBGE), que indicó en octubre una desocupación del 12,5% de la población económicamente activa.

 

Según el Ministerio de Trabajo, siete de ocho sectores de actividad económica tuvieron eliminación de puestos de trabajo en noviembre, siendo el comercio, apenas, empujado por el furor del Black Friday, el único segmento que tuvo más contrataciones que despidos. La nueva ley laboral permitió, informó el Ministerio de Trabajo, la contratación de 3.067 empleados vía contratos intermitentes (por horas, apenas cuando el empleador requiera) y 231 mediante contratos a tiempo parcial.

 

El resultado fue el peor desde marzo pero para el ministro de Trabajo, Ronaldo Nogueira, “no significa la interrupción del proceso de recuperación del crecimiento económico del país”.

 

En el acumulado del año, fueron generados 299.635 empleos como saldo de la ecuación entre despidos y contrataciones. Pero, en la comparación interanual, había en noviembre de 2016 (38,79 millones) más empleados registrados que el mes pasado (38,62). “Los resultados de la reforma laboral serán recogidos en 2018”, dijo el ministro Nogueira, que citó la perspectiva de economistas y del gobierno de un crecimiento del PBI el año próximo año de entre 3% y 3,5%.La reforma laboral, que quebró la legislación de 1943, fue la gran conquista del oficialismo en la agenda parlamentaria de 2017. La nueva ley entró en vigor el 11 de noviembre y recibió el aliento de la Federación de Industrias del Estado de San Pablo (Fiesp), la entidad cuyo presidente, Paulo Skaf, es dirigente del Movimiento de la Democracia Brasileña (MDB), el partido de Temer.

 

El gobierno se encuentra negociando los apoyos para otra reforma para la cual necesita modificar la Constitución, la previsional, con sesión marcada en la cámara baja para el 19 de febrero. La reforma necesita de 308 votos de los 513 de la Cámara de Diputados y hasta este fin de año el gobierno no llegaba a ese número.

 

El ministro de la Secretaría de Gobierno (Articulación Política), diputado Carlos Marún, dijo que los gobernadores que busquen financiación de los bancos públicos deberán ordenar a los parlamentarios de sus estados a votar la reforma previsional.”El gobierno espera que aquellos gobernadores que tienen recursos liberados actúen con reciprocidad con la ley jubilatoria. Esto es una cuestión de vida o muerte para el país”, dijo Marún. Ante el alboroto de la declaración, el ministro negociador aclaró: “No entiendo que sea chantaje trabajar a favor de algo tan importante como la modernización del sistema previsional”.

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D