Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

14
Nov18

Poema de Fernando Matos

Talis Andrade

carencia.jpg

 



Que tamanho tem o coração de uma estrela?
Qual a extensão de uma vida humana?
A influência é depurada se conseguirmos vê-la...
Somos poeira cósmica vivendo de forma profana.

 

Talvez não haja lirismo na história da criação
Cada pensamento assume a forma imaginária
Maravilhosa caminhada de curta duração...
Egocêntrico tem uma viagem solitária.

 

O equilíbrio existe para que haja continuação
O Cosmo revela todo processo de Verdade
Somos parte de uma grande e infinita constelação
A nossa semelhança ultrapassa toda a existencialidade.

 

14
Nov18

Poema de Carlão Paes

Talis Andrade

fila.jpg

 




A cada minuto alguém deixa esse mundo para trás.
Estamos todos na "fila" sem nem sabermos.
Não sabemos quantas pessoas estão na nossa frente.
Não dá para voltar para o "fim da fila".
Não dá para sair da fila.
Nem evitar essa fila.

Então, enquanto esperamos na fila.
Faça os momentos valerem a pena.
Tenha prioridades.
Faça tempo para você.
Faça com que seus talentos sejam reconhecidos.
Faça um ninguém se sentir como alguém.
Faça sua voz ser ouvida.
Faça as coisas pequenas serem grandes.

Faça alguém sorrir.
Faça a diferença.
Faça amor.
Faça as pazes.
Faça com que as pessoas se sintam amadas.
Faça com que você não tenha nenhum arrependimento.

Esteja preparado....

03
Out18

A canção “Tempo Perdido” na festa-baile de Dias Toffoli

Talis Andrade

 

festa tofo.png

 

 

por Paulo César de Carvalho

---

De volta aos anos 80: em busca do tempo perdido

 

Todos os dias quando acordo
Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo

 

Todos os dias antes de dormir
Lembro e esqueço como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder

 

Renato Russo

 

 

Em 1986, no contexto da grave crise econômica do governo de José Sarney, o jovem José Antonio Dias Toffoli iniciou o curso de Direito na USP. No mesmo ano do “Plano Cruzado”, a banda “Legião Urbana” lançou o hit “Tempo Perdido”.

 

No dia 13 de setembro de 2018, cinco meses depois da prisão de Lula, o ministro Dias Toffoli assumiu a Presidência do Supremo Tribunal Federal. Na festa que sucedeu o rito, Sua Excelência cantou os mesmos versos de Renato Russo dos tempos em que ainda era calouro: “somos tão jovens/tão jovens”.

 

 

Em 1987, no ano da “Constituinte”, em que a banda de Brasília tocou em todos os cantos do Brasil o hino “Que País é Este?”, Toffoli era da base de apoio do Centro Acadêmico XI de Agosto. Em 1988, no histórico “porão” da faculdade, quando o futuro ministro ainda era “tão jovem”, ecoavam nas mesas os versos do rock de protesto, entre debates calorosos e copos de cerveja quente: “ninguém respeita a Constituição/ mas todos acreditam no futuro da nação”.

 

Em 1989, nas primeiras eleições diretas depois de vinte e cinco anos do famigerado Golpe de 1964, Toffoli, já diretor do Centro Acadêmico XI de Agosto, fez campanha para “Lula Presidente”. Com a bandeira vermelha na mão, a estrela no peito e o PT na boca, o futuro presidente do STF fez coro ao jingle: “Lula Lá/ Brilha uma estrela/ Lula Lá”.

 

Em 12 de março de 2007, vinte anos depois que cantou “Que País é Este” com a “Legião”, ele foi nomeado Advogado-Geral da União por Luiz Inácio Lula da Silva. O seu candidato, derrotado por Fernando Collor em 1989, chegou enfim à Presidência da República nas eleições de 2002, sendo reeleito vinte anos depois que o calouro de Marília (SP) cantou pela primeira vez “Tempo Perdido”: “Não tenho mais o tempo que passou/ Mas tenho muito tempo/ Temos todo o tempo do mundo”.

 

O garoto católico do interior chegou à capital acreditando que Renato Russo era mesmo um “profeta”, como se lhe dissesse que, no “Faroeste Caboclo” de cada dia, ele seria um abençoado “José de Santo Cristo” que daria certo na vida. Sem tempo perdido, em pouco tempo (com o perdão do trocadilho), no dia 23 de outubro de 2009, vinte anos após a vitória de Collor, José Antonio Dias Toffoli se tornaria “Ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil”, promovido novamente por Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Como “o tempo não para” (evocando a canção de Cazuza de 1988, quando Toffoli foi eleito diretor do XI de Agosto), hoje o seu “benfeitor” está preso há quase seis meses: o agraciado com a “benção”, contudo, fez coro com a turma de juízes da “Santa Inquisição”, negando o “golpe parlamentar” que, afinal, conduziria à prisão do “padrinho”.

Aquele estudante de Direito ainda “tão jovem” em 1986, que se dizia “socialista” (sempre reformista, nunca amou a revolução), que organizou o núcleo do PT no Largo de São Francisco, que gritou “Lula Lá” na Praça da Sé em 1989, é hoje este ministro que votou pela “terceirização das atividades-fim”, ajudando a legitimar a perda de direitos da classe trabalhadora imposta pela cruel “reforma trabalhista”.

 

Nesse “flashback” oitentista, para evitar os contraditórios “ajustes fiscais” com o presente, Toffoli diria em sua defesa, parafraseando a máxima do antecessor de Lula na Presidência: “esqueçam o que defendi”. Na grande festa do dia 13 de setembro de 2018, a presença dos antigos companheiros do Centro Acadêmico XI de Agosto cumpriu importante papel para que a tragédia do passado não parecesse a farsa do presente (será que todos leram “A Crítica da Filosofia do Direito de Hegel” de Marx?). Enfim, ao lado de antigos diretores e presidentes do “XI”, é como se todos estivessem reunidos para simular o que nunca foram, dissimulando o que já eram quando cantaram em uníssono com Sua Excelência, pela primeira vez, “Tempo Perdido”.

 

Nesse “revival” dos anos oitenta, ninguém estava preocupado, por exemplo, com o golpe e a prisão de Lula, ou com os votos de Toffoli contrários aos interesses dos trabalhadores e favoráveis aos privilégios corporativos, ou com a nomeação de um militar como seu assessor. Os colegas do ministro não queriam saber se ele estava sentado ao lado de Temer, o mesmo que deu o golpe não reconhecido por Toffoli.

 

Os amigos dos tempos do XI, pseudo-socialistas tão adaptados à ordem quanto o PT, não estavam preocupados com princípios: todos estavam orgulhosos do amigo que chegou ao topo do Everest da carreira. Todos queriam apenas se divertir um pouco e se sentir vitoriosos com o triunfo do amigo, sem nenhum peso na consciência. Depois da festinha em Brasília, enfim, todos voltaram para casa lembrando os versos de Renato Russo, felizes com o reencontro: “Todos os dias antes de dormir/ Lembro e esqueço como foi o dia/ Sempre em frente/ Não temos tempo a perder”.

 

 

 

 

08
Set18

de Jussara Salazar

Talis Andrade

os olhos de teresa

(imagem tema heather murray)

 

os olhos.jpg

 



olhos abertos
miúdos
infantis
perplexos
no tempo em que
havia quintais
e cigarras tontas
de sono e bebida
que nenhum beijo amansava
e cavalos em fúria
soltos
na cidade vazia
moviam um mundo
chamado tereza
e os olhos diziam
        o teu cavalo são ossos
        o teu cavalo sem nervos
        o teu cavalo-moça
trota
no reino de lobos
sem heróis ou dentes
apenas galinhas
aves
cães vadios
manadas de patas
imóveis
e imaginários
meus olhos
roubados
de unicórnios

30
Ago18

DINHEIRO ALHEIO. Quanto o TSE vai gastar com o guia eleitoral?

Talis Andrade

 

 

Vai começar o guia eleitoral nada democrático na sua divisão de tempo praticamente 'comprado' pelo candidato Geraldo Alckmin da privataria tucana.

 

tempo-por-candidato.jpg

 

 

O guia é todo pago pelo Tribunal Superior Eleitoral, com o dinheiro do governo da União. Isso sem somar a verbança dos partidos e candidatos às agências de publicidade, para produção dos programas (filmes, vídeos, jingles, fotografias etc).

 

Tem gente que é candidato de mentirinha. Para dividir essa dinheirama super legal em todos os sentidos do termo. Tem muito mais: uma campanha eleitoral contrata lavanderias especializadas para passar ferro quente em notas frias...

 

Quando foi criado, na ditadura militar, o guia eleitoral era dividido entre dois partidos, igualitariamente. E não custava nenhum tostão aos cofres públicos, porque as emissoras de rádio e televisão são concessões públicas. Com a volta da democracia, a TV Globo, que passou a mandar no Governo, no Congresso, no Judiciário, exigiu dinheiro em troca. E milhões e milhões nos anos pares de eleições, e nos anos ímpares sem eleições que o TSE funciona dia e noite, noite e dia, que o preço da democracia tupiniquim "é a eterna vigilância togada".  

 

Piero Locatelli escreve para o The Intercept:

 

HORÁRIO ELEITORAL ‘GRATUITO’ CUSTA R$ 864 MI.

E O GOVERNO SE RECUSA A MOSTRAR QUEM RECEBE A GRANA.

justice__muzaffar_yulchiboev.jpg

 

A PARTIR DESTA semana, programas de televisão no horário nobre serão interrompidos diariamente com o aviso da “transmissão do horário eleitoral gratuito”. Apesar desse adjetivo, esse espaço é extremamente bem pago a todas as emissoras de rádio e TV. Neste ano, o valor chega a R$ 864,7 milhões, o maior da história – estimativa 17% inferior à de R$ 1,04 bilhão que a Receita havia previsto no orçamento apresentado ao Congresso Nacional.

 

É impossível saber quanto cada emissora receberá por isso. O governo se resume a publicar uma estimativa de quanto será a isenção total para o ano e não detalha quanto desse dinheiro vai para cada empresa. Esses valores somam até R$ 6,6 bilhões desde 2002, quando os dados começaram a ser disponibilizados pela Receita.

 

Os candidatos não podem comprar espaço para propaganda na televisão, a exemplo de empresas e outros anunciantes. Para que eles possam aparecer em rede nacional, o próprio governo age como um bom anunciante para cada uma das emissoras.

 

De uma pequena rádio do interior à Rede Globo, todas emissoras do país ganham para ceder espaço a candidatos e partidos todos os anos. Quando não há eleição, rádios e TVs recebiam pela propaganda partidária, que deixou de ser exibida desde o início deste ano. Nos anos pares, o valor dispara com a exibição dos candidatos no horário eleitoral: no ano passado, a Receita repassou R$ 335 milhões aos partidos. Neste ano, o total é quase três vezes esse valor.

 

A lei eleitoral prevê como o espaço publicitário deve ser pago: 80% das tabelas de preços estipuladas pelos próprios veículos, o que vale tanto para as duas propagandas diárias de dez minutos quanto para as inserções menores distribuídas ao longo do dia. Esse valor é convertido em isenções no imposto de renda das empresas.

 

Receita alega sigilo fiscal

 

Desde 2012, venho tentando descobrir quanto cada emissora recebe pelo horário eleitoral por meio da Lei de Acesso à Informação, mas a Receita tem negado meus pedidos. O órgão usou um trecho do Código Tributário Nacional de 1966, segundo o qual não é permitido divulgar qualquer informação sobre “a situação econômica ou financeira” de empresas, para negar meu pedido.

 

Em outra tentativa de obter esses documentos, em 2014, o caso chegou a Controladoria Geral da União, órgão responsável por decidir questões controversas da lei de acesso à informação. Argumentei que não seria necessário divulgar quanto uma emissora paga de impostos, mas somente quanto deixa de pagar com o espaço reservado aos políticos. Logo, informações sensíveis não seriam divulgadas.

 

A CGU negou. O argumento foi que o valor da renúncia fiscal é proporcional ao faturamento da emissora. Assim, a divulgação dos dados seria uma forma de ferir o sigilo fiscal das empresas. Negativas posteriores continuaram na mesma linha de argumentação. Uma busca no portal da CGU mostra que outras pessoas fizeram mais tentativas de obter esses dados, mas esbarraram no mesmo problema.

 

Neste mês, a Receita negou um novo pedido que fiz para obter os dados detalhados. Além dos argumentos anteriores, alegou que dividir os dados por emissora exigiria “trabalho adicional”, uma exceção prevista na lei de acesso.

 

Hoje, existe somente uma pista de como esse dinheiro é distribuído. Em seus relatórios, a Receita mostra a distribuição da isenção por região do país. As emissoras da região sudeste recebem a esmagadora maioria dessa verba. Enquanto todas as emissoras do norte do país recebem menos de um por cento desse dinheiro, as emissoras do sudeste recebem 67% dele, em um total de R$ 697 milhões de reais.

 

Quais emissoras e quanto dinheiro, ao menos por enquanto, é impossível saber.

17
Jun18

TECE: TUA LAVOURA DE PONTOS

Talis Andrade

 

 

De Jussara Salazar

 

jussara salazar js.jpg

 

 


desde o vazio faz
tua rede no tempo

 

Teu fado: atravessar a noite
a noite e o dia talvez
um século até a aurora

 

A gárgula: ri de ti sob o teto antigo
na hora que dorme
a tua romaria de pontos

 

A terra pergunta: como te nutres
saltando sobre as flores áridas
deste chão?

 

 

 

---

fia com tema de sergey rimashevski

13
Jun18

Retrato amoroso ou o retorno do querubim sobre as ondas

Talis Andrade

de Jussara Salazar

 

poesia jussara salazar.jpg

 

vagando
as ondas
o tule
do mar
do extremo amor
devolveu a
cabeça do querubim
perdido


os dias
os dias
os mesmos dias
viram teu torso
um desenho
costurado
à linha do horizonte

 

te aguardarei
menino
quando retornares
com o tempo
teu corpo
e tuas cicatrizes

 

 

---


com tema de Beth Moysés| Reconstruindo Sonhos

Performance realizada em Cáceres, Espanha. 2007

13
Jun18

Que pode oferecer uma mulher além da flor do sexo

Talis Andrade

penelope.png

 

 

 

PENÉLOPE

1

Dia após dia

as mãos hábeis

de Penélope

teciam o silêncio

a solidão

 

Dia após dia

as mãos de Penélope

varriam a casa

a vida vazia

 

2

No início

era assim

 

a casa lavada

e arrumada

 

a roupa lavada

e passada

 

o corpo lavado

e perfumado

 

como se de repente

o amante entrasse

quarto a dentro

 

3

A fidelidade uma cobrança

Ulisses como recompensa

a resguardasse com os antigos olhos

que a descobriram

entre tantas moças

Os penetrantes olhos

postos em suas coxas

Os antigos olhos

que a desnudaram

no primeiro instante

tornando-a mulher

em cada dobra do vestido

em cada curva do corpo

em cada devaneio inibido

 

4

O medo

uma constante

à vida vivida

sob a mira

do proibido

 

Desde criança

os passos contidos

A casa  

a escola

a igreja

marcavam

o espaço

permitido

 

Algumas vezes

os sonhos

transpunham

o limiar

da porta

os olhos

se perdiam

por estranhos

territórios

 

Um copo de vinho

podia ser o passe

para uma caminhada

mais distante

Uma música lenta

de amor ardente

podia acordar os sentidos

mas os desejos

vinham e iam

quais marés

sonolentas

 

5

Que pode oferecer

uma mulher

além da flor

    do sexo

 

Do homem a vantagem

o mistério das cicatrizes

a coroa de herói

a legenda de mártir

inscrita nos cárceres

 

De Penélope a sina

de tecer tecer

o que nunca termina

O fazer refazer

das obrigações femininas

 

De Penélope a submissão

da espera

O homem lhe complete

a vida vazia

 

6

Na imprensa nenhuma notícia

Na polícia tudo corria

em segredo de justiça

Com o passar dos dias

o esvaecer da esperança

Nem no aniversário

compensa tecer as tranças

de azul pintar

     os olhos

tomar um banho

     de perfumadas rosas

amainar o corpo

      nos ventos alísios

Não havia alegria

em vestir um vestido novo

Os desejos passaram a dormir

no fundo de um poço

 

7

Ouvira os padres profetizarem

um outro mundo

o marido falar

de um mundo novo

As palavras as palavras  

não podiam tudo

Havia o testemunho

do espelho de prata

a dor de não saber

guardar o verdor do corpo

perante o tempo corrosivo

 

Nenhum deus poderia impedir

os dias devorassem

os belos traços do rosto

os peitos pendessem

como frutos podres

 

 

 

---

Talis Andrade, O Enforcado da Rainha, ps  154/160 

26
Abr18

corpo inconsútil

Talis Andrade

com tema de heather murray

corpo inconsutil.jpg

de Jussara Salazar

 


a linha do rio costura

o céu e a terra

a linha da terra costura

o céu e o mar

a linha do céu dobra

o inferno ao meio


contornamos o sol


a linha do tempo

não se dobra

mas fia

teia de si mesma

acalenta o vento

e costura

a linha dos dias