Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

23
Jun18

Professores relatam pânico em escola de aluno baleado no Rio: 'Você está no meio da aula e começa o desespero'

Talis Andrade

 

 

Júlia Dias Carneiro
Da BBC Brasil 

 

Professor conta que é comum tiroteios interromper

Professor conta que é comum tiroteios interromperem suas aulas

 

Na manhã em que o menino Marcos Vinícius da Silva, de 14 anos, foi baleado na barriga a caminho da escola no Rio de Janeiro, o professor de História Alexandre Dias estava no meio da aula quando ouviu tiros cada vez mais perto – e correu com todos os seus alunos para buscar refúgio.


Em instantes, estudantes de todas as turmas do Ciep Operário Vicente Mariano estavam sentados ou deitados no corredor enquanto os tiros soavam lá fora, vindos, segundo relatos de professores e moradores, de um helicóptero da Polícia Civil que sobrevoava o Complexo da Maré durante uma operação no conjunto de favelas na zona norte do Rio.


Os pais começaram a chegar desesperados procurando seus filhos, dizendo que o helicóptero estava atirando, que o asfalto estava com buracos gigantescos. Avós, tias, madrinhas chegaram nervosíssimos perguntando pelas crianças, alguns trêmulos, quase passando mal. Isso não é nada novo, acontece sempre. Mas alguns dias são mais desesperadores


A operação realizada pela Polícia Civil na quarta-feira foi um desses dias. As cerca de 15 mil crianças e jovens matriculados nas 44 escolas da Maré estavam em aulas quando a ação começou, por volta das 9h.


Cenas de pânico se repetiram nos corredores de escolas, com crianças e professores chorando e pais chegando para levar os filhos para casa, arriscando sair apesar dos tiros que perfuravam asfalto, telhados, caixas d'água.

Sob forte comoção e revolta de amigos e familiar

Sob forte comoção e revolta de amigos e familiares, aluno foi sepultado no Cemitério São João Batista

 

Dias imediatamente liberou o uso de telefones celulares para que os alunos pudessem falar com suas famílias. Emprestou seu aparelho para alguns, enquanto buscava assegurar que todos permanecessem à vista – e que nenhum saísse para as áreas abertas da escola, onde estariam mais vulneráveis a tiros.
Marcos Vinícius, de 14 anos, se apressava para a escola vestindo o uniforme da rede municipal de ensino quando foi atingido. Ele era aluno do 7º ano.


"Ele gosta de brincar, conversar, é bem humorado", descreveu Klaus Grunwald, professor de música do Ciep, enquanto todos ainda aguardavam, apreensivos, notícias sobre sua recuperação. "Gosta daquela turma da bagunça, sabe? Aquela galera do fundão (da sala). Quando tem educação física, então, é uma festa. É um moleque, como outro qualquer."


O jovem morreu na noite de quarta-feira, depois de passar por uma cirurgia no Hospital Getúlio Vargas. A prefeitura decretou luto oficial de três dias e decidiu abrir as portas do Palácio da Cidade para o seu velório. Sob forte comoção e revolta de amigos e familiares, ele foi sepultado no Cemitério São João Batista, na tarde de quinta-feira.


35 dias sem aulas em 2017


Quando os tiros começaram, Alexandre Dias tinha acabado de começar uma aula sobre a Revolução Francesa e estava introduzindo os alunos aos pilares da igualdade, fraternidade, liberdade.


"É muito difícil. Você está no meio do dia de aula, está tudo normal e de repente começa o desespero. Acho até que os alunos encararam bem", considera ele, que dá aula para jovens de entre 13 e 15 anos. "Alguns choraram, mas a maioria conseguiu ficar tranquila. Os professores também ficaram no chão, alguns em desespero, outros conseguindo se manter calmos para controlar os alunos."

De acordo com levantamento da ONG Redes da Maré,

De acordo com levantamento da ONG Redes da Maré, em 2017, os alunos ficaram 35 sem aula por causa da violência

 

"Nessas horas, nós (professores) seguramos as emoções para mantê-los calmos. Não podemos demonstrar fraqueza para os alunos", diz Grunwald, de 34 anos.


Em março deste ano, o professor de música participou de um curso de capacitação e primeiros socorros com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, voltado para professores que dão aula em áreas conflagradas. Ele integra um grupo de WhatsApp chamado Acesso Mais Seguro, que junta professores para discutir e ajudar a implementar planos de emergência em diferentes escolas.


Defasagem


Aulas interrompidas e canceladas durante tiroteios ou confrontos em operações policiais estão longe de ser uma raridade no Complexo da Maré.


De acordo com levantamento da ONG Redes da Maré, em 2017, os alunos ficaram 35 sem aula por causa da violência, na maioria das vezes durante operações policiais. Em 2016, foram 18 dias.


No longo prazo, as interrupções constantes trazem prejuízos "gigantescos" à educação dos alunos, que sofrem com atrasos nas matérias, evasão de professores e os traumas gerados por estar na linha de tiros – ou ver amigos caírem vítima de bala perdida, como ocorreu com Marcos Vinícius.


"Os impactos sobre o ensino são terríveis", diz Dias. "Os professores não conseguem avançar na matéria, e as aulas perdidas atrasam o calendário. Semana que vem, por exemplo, seria semana de prova. Agora, as avaliações provavelmente vão ser adiadas."


"Essas coisas vão minando os alunos. E minando também quem quer dar aula. Como eu sou da Maré, não fui minado. Gosto de dar aula aqui", afirma o professor de História, que tem 42 anos e é nascido e criado ali.
Ele diz que a evasão no corpo docente é um problema sério nas escolas do complexo.


"Muitos professores pedem transferência para outras escolas porque não conseguem conviver com isso por muito tempo. Ficam um tempo e depois não aguentam. É um rodízio constante de professores", afirma Dias.


Na quarta-feira, uma nova professora tinha acabado de chegar para o seu primeiro dia na escola, interrompido pelo tiroteio. "Sinceramente, não se ela vai voltar", afirma Dias.


Sou aluno, não suje minha blusa de sangue


A Polícia Civil afirma que a operação de quarta, realizada com apoio do Exército e da Força Nacional, foi uma força-tarefa para cumprir 23 mandados de prisão e "checar informações obtidas através do setor de inteligência".


Seis homens foram mortos pela polícia na operação. Segundo nota enviada à imprensa, policiais teriam sido recebidos com "intenso disparo de armas de fogo" durante cumprimento de mandados em duas residências.

Sou aluno, não suje minha blusa de sangue', disse

 

Sou aluno, não suje minha blusa de sangue', disseram estudantes durante protesto

 

"No confronto, seis criminosos foram feridos e socorridos, mas acabaram morrendo", diz a nota, acrescentando que a operação resultou na apreensão de oito fuzis e granadas e de uma "farta quantidade" de munição e de drogas.


No dia seguinte, o Ciep se manteve de luto. O dia letivo dos alunos foi substituído por protestos e pelo enterro de um colega.


De manhã, os estudantes marcharam do Ciep à Linha Amarela. Vestiam o uniforme escolar com manchas vermelhas pintadas na barriga, e a palavra "paz" pintada no peito. Faixas diziam: "Sou aluno, não suje minha blusa de sangue."


"O clima é de revolta", conta Dias, que acompanhou o protesto na Maré de manhã. "O ato foi muito forte, com alunos e professores chorando. Os alunos estão revoltadíssimos com a situação. Não sei como serão os próximos dias."


Na Linha Amarela, os estudantes tentaram interromper o trânsito para estender faixas, mas foram repreendidos por policiais militares. Segundo relatos e vídeos do local, PMs foram truculentos e intimidaram alunos e professores.


Um vídeo recebido pela BBC News Brasil mostra um PM dando uma paulada na perna de uma aluna no protesto, aumentando a revolta dos alunos.


Qualquer um pode ser alvo


Embora confrontos ocorram reiteradamente no complexo, a diretora da Redes da Maré Eliana Sousa e Silva diz que a "novidade" desta vez foi o uso de um helicóptero, conhecido como "Caveirão aéreo", como plataforma de tiro – o que já havia sido feito em outra operação na segunda-feira da semana passada.


A ONG contou 100 disparos feitos do helicóptero, numerados e circulados com tinta colorida por colaboradores na comunidade.


Para Silva, dar tiros do alto em uma área com 140 mil moradores significa aceitar que qualquer um pode ser alvo, em uma prática ilegal e "completamente inaceitável".

ONG contou 100 disparos feitos do helicóptero, nu

 

ONG contou 100 disparos feitos do helicóptero, numerados e circulados com tinta colorida por colaboradores na comunidade

 

"Isso mostra um entendimento de que estamos em situação de guerra. Não conseguimos entender como o Estado se coloca de maneira tão violadora de direitos", condena. "Será que fariam isso no Leblon ou Ipanema?"


O Rio está sob intervenção na área de segurança pública desde fevereiro. O Gabinete da Intervenção Federal (GIF), procurado pela BBC News Brasil, não quis se pronunciar.


A Polícia Civil não comentou as denúncias de violações de direitos humanos, nem respondeu às críticas sobre os tiros dados do helicóptero.


A Delegacia de Homicídios da Capital abriu inquérito para apurar as circunstâncias de morte do rapaz. Questionada, a Secretaria de Segurança afirmou que não comentaria as críticas.


O professor Klaus Grunwald diz que os últimos três meses haviam sido mais calmos na comunidade. "Estávamos até surpresos."


Ele lamenta que as operações policiais acabem sendo a face mais visível do Estado na Maré, quando a comunidade e as escolas têm tantas carências.


"Faltam recursos humanos, faltam materiais, falta verba. O Estado não faz nada aqui dentro. Entrar para atacar a violência com mais violência não vai resolver os problemas", considera.

21
Jun18

49 CRIANÇAS BRASILEIRAS PRESAS EM GAIOLAS NOS EUA, MAS ALOYSIO NUNES SÓ FALA DA VENEZUELA

Talis Andrade

 

eua.jpg

 

Crianças brasileiras num número estimado em 49 continuavam aprisionadas nos EUA na manhã desta quinta, separadas dos pais, algumas em gaiolas; o governo brasileiro reage burocraticamente à verdadeira agressão do governo Trump ao Brasil e a outros países da AL - o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, permanece em silêncio e dedica-se a seu tema favorito, atacar o governo eleito da Venezuela.

gargalo trump criança.jpg

 

 

247 - Crianças brasileiras num número estimado em 49 continuavam aprisionadas nos EUA, separadas dos pais, algumas em gaiolas, na manhã desta quinta-feira. O governo brasileiro reage burocraticamente à situação que é uma verdadeira agressão do governo Trump ao Brasil e outros países da América Latina - o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, permanece em silêncio e dedica-se a seu tema favorito, atacar o governo eleito da Venezuela. Apenas na noite de ontem Itamaraty soltou uma nota formal sobre o assunto.

 

Ontem, o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) apresentou à Secretaria Geral da Câmara dos Deputados requerimento solicitando informações a Aloysio Nunes sobre quais providências estariam sendo tomadas pelo governo em relação às crianças brasileiras, mas sem qualquer resposta até agora. As únicas informações do governo brasileiro até o momento são iniciativa do cônsul adjunto do Brasil, em Houston, Felipe Santarosa. Ele informou à Agência Brasil que o trabalho dos diplomatas brasileiros neste momento é o de pesquisar onde estão essas instituições e fazer contato com os abrigos - um trabalho difícil por falta de informações precisas, informou. O cônsul Santarosa disse que a preocupação inicial é colocar as famílias em contato. O trabalho será localizar as crianças, visitá-las e verificar as condições em que estão. Depois, o intuito é estabelecer contato com as famílias.

 

Apenas na noite de ontem, depois que o assunto virou um escândalo de proporções mundiais, o Itamaraty soltou uma nota burocrática sobre a grave crise de direitos humanos. Na abertura da nota, um protesto frágil e a manifestação de "preocupação" em relação à crise, sem qualquer defesa das famílias e das crianças: "O governo brasileiro acompanha com muita preocupação o aumento de casos de menores brasileiros separados de seus pais ou responsáveis que se encontram sob custódia em abrigos nos Estados Unidos, o que configura uma prática cruel e em clara dissonância com instrumentos internacionais de proteção aos direitos da criança."

 

O Itamaraty disse ainda na nota que espera a “efetiva revogação da prática de separação” de crianças e pais -a revogação da política de separação das famílias foi anunciada por Trump ontem, depois de uma onda de repúdio mundial, que não contou com o concurso do governo Temer.

 

Além de não protestar e sair em defesa das famílias e especialmente das crianças brasileiras, o Ministério de Aloysio Nunes recomendou aos membros dos consulados a "realização de campanhas de esclarecimento, em coordenação com os conselhos de cidadãos brasileiros nos Estados Unidos, sobre os riscos da travessia pela fronteira, em especial com menores de idade".

 

A nota ainda afirma incrivelmente que "o governo brasileiro mantém consultas regulares sobre temas consulares com o governo norte-americano", como se a questão das crianças brasileiras fosse um "tema consular" - leia aqui.

 

criança levada pela polícia de trump.jpg

 

time trump.jpg

 

 

20
Jun18

ENTREGA DA PETROBRÁS Traidor Michel Temer faz aquilo que FHC não conseguiu fazer

Talis Andrade

 

_aziz nacionalismo petrobras.jpg

 

“A Shell quer ganhar dinheiro no Brasil, enquanto uma das missões centrais da Petrobrás é descobrir, refinar e distribuir petróleo no Brasil, para atingir o povo brasileiro como um todo”, denunciou recentemente em vídeo o ex-diretor da estatal, Guilherme Estrella, apontado como um dos responsáveis pela descoberta do pré-sal.

 

Ele lembrou os altos investimentos bancados pelo povo brasileiro para chegar ao pré-sal. Isso feito, agora as multinacionais querem abocanhar tanto o petróleo quanto aprender a tecnologia de exploração sem pagar por isso.

 

Estrella deu como exemplo o fracasso da Shell no campo de Libra.

 

Já na entrevista acima, Estrella afirma que Michel Temer cumpre uma espécie de mandato tampão de Fernando Henrique Cardoso: faz aquilo que FHC não conseguiu fazer em seus dois mandatos.

 

De acordo com levantamento da Folha de S. Paulo, a bancada do PSDB deu 80,5% de votos favoráveis aos projetos cruciais de Temer na Câmara, contra 80,7% do DEM e 78,9% do MDB.

 

Mas — e o petróleo? Estrella explica, na entrevista imperdível. Veja vídeo

 

entrega pré-sal petrobras.jpg

 

19
Jun18

Juiz autoriza retirada do “Acampamento Lula Livre” com utilização de força policial

Talis Andrade

os nazistas contra acampamento lula livre.jpg

 

 

Publica o sítio oficial da República de Curitiba: A 3ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Curitiba autorizou o uso de força policial para que as barracas montadas no entorno da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, sejam retiradas. A decisão do juiz Jailton Juan Carlos Tontini, publicada na sexta-feira (15), tem como base um pedido da Procuradoria-Geral do Município, que afirma que os simpatizantes do preso Luiz Inácio Lula da Silva descumpriram decisão liminar que estabelecia condições para que a vigília fosse mantida. 

 

O sítio não informa que o corrupto prefeito de Curitiba é o Rafael Greca, corrupto primo de Rosangela Moro, esposa do juiz Sergio Moro. Diz o juiz fascista:

 

Diante da notícia de descumprimento, determino ao oficial de justiça que se dirija ao local e verifique se a ordem liminar está sendo cumprida e, em caso negativo, com o auxílio de força policial, remova quaisquer barracas, tendas, estruturas ou similares que estejam nas vias públicas.

 

Fascismo-no-Brasil.jpg

 

Mais um ato ditatorial do golpe que derrubou Dilma Roussef. A ditadura da república de curitiba, ou corriola da lava jato, é contra a manifestação livre e democrática do povo nas avenidas, nas ruas, nas praças.

 

A ditadura do judiciário defende o salário acima do teto para os togados, com foro exclusivista, privilegiado, e anistia antecipada para todos os crimes. Que a pena máxima para um togado corrupto é o prêmio da aposentadoria precoce com todos os direitos e benesses mil. Quando o coitado do salário mínimo se aposenta depois dos 75 anos com o pé na cova. 

 

Os príncipes das cortes de justiça recebem auxílios vários, inclusive de moradia, quando mais de seis milhões de brasileiros não possuem moradia própria, e mais da metade da população vive com menos de 900 reais.

 

moro sofre.jpg

 

 

O Brasil cruel das 500 mil prostitutas infantis paga pensões vitalícias para as filhas maiores de idade de togados, virgens juramentadas que sustentam gigolôs no luxo e na luxúria.

 

O Brasil tem incontáveis tribunais... repletos de parasitas, de prebotes.

 

O Brasil tem justiça militar em tempos de paz. Justiça eleitoral que só trabalha nos anos pares. Tribunal de faz de conta que faz as contas. E tribunais do trabalho que não trabalham, que nada existe a fazer depois da reforma trabalhista de Temer. Nem preciso lembrar que no Brasil existe trabalho escravo.

 

No mais, o Brasil tem a justiça mais cara do mundo, escandalosamente cara.

 

No mais, a lava jato termina com a entrega da Petrobras ao capital estrangeiro. Que a república de Curitiba reze pra Temer não leiloar. Temer ainda tem seis mesas de desgoverno.

 

O golpe foi para vender o que resta de estatais.

moro pequeno.jpg

 

 

Lula-Livre Diogo Ramalho.png

 

15
Jun18

Moro se recusa a julgar corrupção no governo tucano no Paraná

Talis Andrade

moro aécio temer.jpg

parente moro foto vanessa carvalho.jpg

serra moro rosangela.jpg

capez-moro.jpg


Sob alegação de estar sobrecarregado mesmo sem receber nenhum caso desde 2015, Moro dá mais uma prova de que Operação Lava Jato nunca foi isenta 

 

 

A cada nova manifestação pública fica claro que o juiz Sérgio Moro não se preocupa muito com a isenção esperada de um magistrado. Na segunda-feira (11), Moro abriu mão de julgar processos sobre suposto esquema de corrupção do governo tucano de Beto Richa no Paraná, alegando estar “sobrecarregado com outros casos”. Por outro lado, a perseguição jurídica do juiz paranaense contra Lula, atuando muitas vezes ao arrepio da lei, tem causado indignação em juristas renomados do mundo todo.

 

A decisão do magistrado não chega a causar espanto: Moro tornou-se espécie de mascote para os adversários políticos de Lula e nunca se privou de posar para fotos públicas com tucanos como o já denunciado Aécio Neves, João Doria Jr. e José Serra, entre outros.

 

Desta vez, a justificativa do paranaense foi a de estar sobrecarregado com “as persistentes apurações de crimes relacionados a contratos da Petrobras e ao Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht”. O argumento soa inverossímil diante do fato de o titular da 13ª Vara Federal de Curitiba estar desde 2015 sem receber outros processos.

 

Com o Despacho de Exceção Criminal emitido por Moro, a chamada 48ª fase da Operação Lava Jato — que resultou na prisão de seis pessoas em fevereiro deste ano —, deve passar para outra vara criminal de Curitiba, ainda indefinida.

 

Entenda o caso


O caso que Moro abriu mão trata-se de um esquema de corrupção na concessão de rodovias do Paraná durante o governo Beto Richa (PSDB). As investigações apontam indícios de superfaturamento nas despesas e simulação de contratos para repasse de vantagens indevidas.

 

A investigação, que começou na Vara Federal de Jacarezinho (PR), chegou às mãos de Moro em 2017, quando disse ter encontrado “pontos de conexões probatórias óbvios” no uso de atividades dos operadores Rodrigo Tacla Duran e Adir Assad – nome recorrente em acusações de desvios em obras públicas envolvendo governos do PSDB em São Paulo.

 

O fato de o caso ter estado com Moro foi usado por seus defensores como “prova” de que o juiz não protegeria os tucanos das investigações sobre corrupção no âmbito da Lava Jato. A desistência, no entanto, só confirma que falta “tempo” a Moro para finalmente julgar os tucanos.

Com informações do Consultor Jurídico 

 

10
Jun18

Eletricitários anunciam greve de 72 horas contra entrega da Eletrobrás

Talis Andrade

Privatização trará um aumento exorbitante

no valor da tarifa

rios represas energia usinas.jpg

 

 

O Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), colegiado que congrega confederação, federações, sindicatos e associações dos trabalhadores/as das empresas do setor elétrico nacional, anunciou uma paralisação de 72 horas das atividades dos trabalhadores do Sistema Eletrobras, em protesto contra as investidas do governo na tentativa de privatização da holding e suas subsidiárias. A paralisação começa à zero hora da segunda-feira (11/06) e irá até meia-noite da quarta-feira (13/06).

 

Espera-se a adesão de cerca de 24 mil empregados do Sistema Eletrobras, que compreende empresas de geração e transmissão de energia: CGTEE, Chesf, Eletronorte, Eletronuclear, Eletrosul e Furnas; além de distribuidoras dos estados do Amazonas, Acre, Alagoas, Piauí, Rondônia e Roraima. Apesar da esperada adesão em massa, o CNE alerta que a prestação dos serviços essenciais de fornecimento de energia será mantida, sem prejuízo aos consumidores, e que as equipes de manutenção e urgência estarão à disposição em caso de emergências.

 

Explosão tarifária sem segurança energética

 

Segundo Wellington Diniz, diretor jurídico do Sindicato dos Urbanitários do Maranhão (STIU-MA), a categoria espera que a greve chame a atenção da população para a ameaça de privatização da Eletrobras, que pode trazer consequências como explosão tarifária e prejudicar a segurança energética. “ Segundo uma afirmação feita no ano passado pela própria ANEEL, a privatização da Eletrobras trará um aumento exorbitante no valor da tarifa. Além disso, com os grandes reservatórios do país nas mãos de multinacionais, não teremos controle sobre a qualidade da nossa eletricidade, sobre o uso adequado da água, e sobretudo, sobre as constantes ameaças às nossas fronteiras, já que muitos empreendimentos estão na região Amazônica”, alerta Diniz.

 

Ainda segundo Diniz, o principal pleito do movimento é a entrega do cargo pelo Presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr, a quem aponta como “o principal mentor de um processo que já vem provocando um verdadeiro desmonte das empresas do Grupo Eletrobras, na visão dos trabalhadores”. Ainda segundo Diniz, “desde que assumiu o cargo, Wilson está implementando uma reestruturação que vem atingindo direitos adquiridos pelos trabalhadores, além de diminuir a capacidade de atuação das empresas frente aos seus concorrentes mercado”, completa.

 

Eletrobras o fim

 

A Eletrobras representa 32% da capacidade instalada de geração de energia, atua na distribuição em seis estados das regiões Norte e Nordeste e é responsável por 47% das linhas de transmissão de energia do país. Tem usinas de vários tipos de energia, como eólica, nuclear, solar e termonuclear, mas as que se destacam são as hidrelétricas. Atualmente, o governo federal detém 63% do capital total da empresa, sendo 51% da União e outros 12% do BNDESPar.

[Via Último Instante]

 

 

10
Jun18

Origem do golpe, Pré-Sal é cada vez mais dos gringos

Talis Andrade

 

Multinacionais levaram 70% dos 12 bilhões de barris doados a R$ 0,26. Participação mínima garantiu à Petrobrás 30% das reservas leiloadas, o que só foi possível, em função da resistência da FUP contra o desmonte da Lei de Partilha

 

pré sal.jpg

 

Mergulhado em escândalos de corrupção e sem apoio algum da população, o governo Temer entregou mais oito bilhões de barris de petróleo às multinacionais, ao concluir nesta quinta-feira (07) a 4ª Rodada de Licitações do Pré-Sal, onde cada barril saiu ao preço médio de R$ 0,26. Os três campos leiloados - Dois Irmãos (na Bacia de Campos), Três Marias e Uirapuru (na Bacia de Santos) - contêm reservas estimadas de 12,132 bilhões de barris de petróleo. A Petrobrás, mesmo pagando o maior valor em bônus do leilão (R$ 1 bilhão do total de R$ 3,150 bilhões arrecadados) e exercendo a preferência dos 30% de participação mínima nos consórcios, como prevê a lei, terá direito apenas a 3.999 bilhões de barris. Ou seja, 33% das reservas licitadas.

 

A petrolífera norueguesa Statoil foi a grande vencedora do leilão, ao abocanhar 2.783 bilhões de reservas de petróleo com participações estratégicas nos blocos de Uirapuru e Dois Irmãos. A norte-americana ExxonMobil, que estreou como operadora no Brasil em setembro passado e já havia sido beneficiada com blocos da franja do Pré-Sal nas 14ª e 13ª Rodadas, avançou consideravelmente sobre as reservas do país, ao garantir mais 2.184 bilhões de barris de petróleo com os 28% de participação no valiosíssimo campo de Uirapuru, que está estrategicamente localizado ao lado de Carcará. Na gestão Pedro Parente, a Petrobrás entregou à Statoil 66% da participação que tinha nesse mega campo da Bacia de Santos. Agora, a Statoil e a Exxon terão juntas 56% de Uirapuru, após pagarem em média R$ 0,30 por cada um dos 7,8 bilhões de barris de reserva do campo.

 

Sem a luta da FUP, nem 30% a Petrobrás teria

 

“É bom lembrar que os 30% de participação que a Petrobrás garantiu nos campos leiloados só foram possíveis em função da resistência da FUP em 2015 e em 2016, quando a Shell e outras multinacionais, através do projeto de Serra, conseguiram alterar a Lei da Partilha, e tiraram da nossa empresa a exclusividade na operação do Pré-Sal.

 

A resistência da FUP e de seus sindicatos que garantiu à Petrobrás exercer pelo menos a preferência dos 30%, pois o projeto original era acabar também com a participação mínima da empresa”, recorda o coordenador geral da FUP, Simão Zanardi, se referindo ao PLS 131/2015 do senador José Serra (PSDB/SP), que foi aprovado no Congresso Nacional, em outubro de 2016, logo após o golpe do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

 

“Se não fosse a luta da FUP, nem esses 30% a Petrobrás teria”, ressalta Zanardi.

 

Em dois anos de golpe, cinco leilões de petróleo

 

Em dois anos do golpe, o governo Temer já realizou cinco leilões de petróleo, onde entregou às multinacionais áreas preciosas do Pré-Sal, enquanto o povo brasileiro é obrigado a pagar preços absurdos pela gasolina, diesel e gás de cozinha. Considerada a maior descoberta de petróleo da atualidade, o Pré-Sal com pouco mais de dez anos de exploração, já representa cerca de 55% de toda a produção brasileira. Somente um poço produz em média 50 mil barris por dia, o que representa 63% de toda a produção da Itália e 35% da Dinamarca. Muitos países sequer conseguem produzir a quantidade que um único poço do Pré-Sal produz.

 

“A entrega dessas reservas está condenando gerações futuras a não poder desfrutar da riqueza desse recurso natural que foi descoberto pela Petrobrás e está sendo apropriado pelas multinacionais”, afirma Simão Zanardi. “Estamos vendendo petróleo para depois importar derivados, isso significa exterminar com a produção nacional. Voltamos ao colonialismo dos tempos de Fernando Henrique Cardoso”, alerta, ressaltando que a Petrobrás faz o jogo do mercado e dos golpistas ao exportar óleo bruto do Pré-Sal para que as empresas estrangeiras lucrem com a importação de produtos refinados.

 

“A atual gestão da Petrobras está vendendo ao mercado internacional um petróleo que vai fazer falta ao Brasil. Saiu Pedro Parente e entrou Ivan Monteiro, mas a política de privatização continua”, declara o coordenador da FUP, avisando que os petroleiros seguirão mobilizados na luta em defesa da soberania nacional e contra o desmonte da Petrobrás.

[FUP]

08
Jun18

Enfrentar a barbárie

Talis Andrade

le monde.jpg

 

 

EDITORIAL LE MONDE
por Silvio Caccia Bava

Imagem por Claudius

 

A contradição maior é entre um capitalismo financeirizado, que busca maximizar seus lucros a qualquer custo, ignora as consequências sociais de suas práticas e promove a barbárie na vida em sociedade, e a defesa da qualidade de vida por parte de todos que vivem do próprio trabalho.

 

O governo Temer não mede consequências e impõe o aumento dos preços dos combustíveis acompanhando a evolução dos preços internacionais, buscando elevar a rentabilidade da Petrobras e das companhias internacionais que operam nesse setor à custa da sociedade brasileira.

 

É evidente que se trata de uma escolha entre aumentar os lucros desse setor empresarial e manter os preços controlados para não castigar as maiorias. A Petrobras não precisa seguir os preços internacionais; o Brasil tem petróleo suficiente para não depender dessas oscilações do mercado internacional, pode fazer sua própria política.

 

O impacto na sociedade dos aumentos sucessivos nos preços dos combustíveis é, hoje, a melhor expressão da lógica dos ataques que esse governo ilegítimo e o grande capital praticam contra o povo brasileiro. A emenda constitucional que congela por vinte anos os gastos públicos, a reforma trabalhista, a reforma da previdência e outras medidas que provocam o empobrecimento da população, o desemprego e o colapso das políticas públicas, tudo isso aumenta o fosso da desigualdade que envergonha o país.

claudius.jpg

Imagem por Claudius

 

Vamos ser claros: são eles – esse governo e as grandes empresas – os responsáveis pela promoção da barbárie, do sofrimento das massas, do desespero de quem tem de garantir o prato de comida para sua família, de um sentimento coletivo de insegurança, da crescente insatisfação popular.

 

A aposta de que podem fazer tudo sem reação por parte dos que são espoliados, de todos aqueles que vivem do próprio trabalho, é uma aposta perigosa. A história nos mostra que as multidões se mobilizam não por razões ideológicas, mas para responder aos problemas concretos postos como um desafio para sua vida na sociedade. Não estão longe as mobilizações de 2013, cujo estopim foram os aumentos nas tarifas de transporte coletivo.

 

A contradição maior é entre um capitalismo financeirizado, que busca maximizar seus lucros a qualquer custo, ignora as consequências sociais de suas práticas e promove a barbárie na vida em sociedade, e a defesa da qualidade de vida por parte de todos que vivem do próprio trabalho.

 

A imposição pelo assim chamado “mercado” – isto é, pelos grandes grupos econômicos e financeiros que controlam o governo – de uma lógica devastadora na tentativa de colocar toda a vida social, em suas várias e múltiplas dimensões, a serviço da maximização de seus lucros submete a vida e a rotina da população pela coerção, uma vez que não há margem de negociação. É o que está acontecendo com os preços do petróleo, mas não é demais referir a sucessão recente de reintegrações de posse que afeta populações urbanas, quilombolas, ribeirinhos, indígenas. Feitas a ferro e a fogo, elas só levam à agudização dos conflitos, propiciando a articulação de distintos atores espoliados de seus direitos.

 

A disputa pela apropriação da riqueza produzida na sociedade, por parte dos trabalhadores, não se limita ao valor da remuneração do salário e da previdência, ainda que essas questões continuem centrais. Essa disputa envolve também, e cada vez mais, o que veio a se definir como o acesso a bens públicos comuns, isto é, a oferta pelo poder público, financiado com dinheiro dos impostos, de serviços e equipamentos que se tornaram indispensáveis para a vida moderna, especialmente para a vida nas cidades. Educação, saúde, transporte, moradia, saneamento básico, segurança, lazer, cultura e segurança alimentar são políticas públicas que se incluem na composição dos recursos que são indispensáveis para atender às necessidades das maiorias.

 

O princípio político da luta em defesa dos bens públicos comuns, enraizada nas preocupações cotidianas da existência concreta, articula inúmeras demandas específicas e dá sentido aos movimentos, às lutas e aos discursos que nos últimos anos se opuseram à racionalidade neoliberal em várias partes do mundo.1

 

As lutas atuais contra a universidade capitalista (nos Estados Unidos e no Chile), a favor do controle popular da distribuição de água (em Cochabamba e na retomada da gestão privada das águas pelos governos municipais em várias partes do mundo), os movimentos de ocupação de terras e imóveis urbanos, a ocupação das praças, as novas primaveras, todas essas manifestações são buscas coletivas de defesa dos bens comuns e de formas democráticas novas de expressão do povo.2

 

E é essa convergência de distintas lutas, contra a espoliação, o racismo, as discriminações de todo tipo e o colapso das políticas públicas, que dá a liga para a expressão conjunta. As mobilizações deixam de expressar interesses específicos e individuais e assumem reivindicações comuns, mudam de natureza, seus atores se convertem em atores políticos.

 

Em todo o mundo a ascensão de novos líderes de esquerda se dá pela defesa da qualidade de vida dos cidadãos e cidadãs. Eles partem de uma análise da realidade de degradação das políticas públicas e propõem aberta e publicamente que a riqueza produzida pela sociedade não vá mais para os banqueiros, mas seja redirecionada e investida na melhoria e criação dos bens públicos comuns, dos salários, de uma renda básica para todo cidadão e cidadã.

 

São tempos de ruptura, de recuperar a democracia e radicalizá-la. E para isso é preciso disputar as interpretações da realidade, enfrentar as narrativas que imobilizam, resgatar o sonho, as utopias, a coragem e o entusiasmo. Como disse uma militante dos direitos humanos do Recife, se não há democracia, não há espaço para apresentarmos nossas demandas…

 

1 Jean-Luc Mélenchon, L’Ère du peuple [A era do povo], Fayard/Pluriel, Paris, 2017.

2 Pierre Dardot e Christian Laval, Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI, Boitempo, São Paulo, 2017.

 

08
Jun18

Os descaminhos da Justiça no Brasil

Talis Andrade

stfjusticamorta.jpg

 

Por Luis Nassif

 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autoriza um credor a sequestrar a carteira de motorista do devedor, atropelando todos os princípios que impedem as penas indiretas.

 

O corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) autoriza um juiz a presidir julgamentos armado de revólver. A inacreditável Carmen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ minimiza, dizendo que a decisão não está definindo normas, mas analisando um caso particular, como se a jurisprudência não fosse formada pelos julgamentos de casos particulares.

 

O Ministro Luis Roberto Barroso muda o princípio da irrelevância, sustentando que quem é reincidente em crimes de pequena monta, torna-se relevante. Ou seja, o furto de uma caixa de fósforos é irrelevante; de duas, passa a ser.

 

Na Câmara, um ex-advogado da Odebrecht acusa frontalmente o melhor amigo do principal símbolo da luta anticorrupção de cobrar US$ 5 milhões em propina para influenciar o acordo de delação. Apresenta documentos periciados da proposta de suborno e da proposta de delação que lhe foi enviada no dia seguinte por procuradores da Lava Jato. E a imprensa se cala, enquanto no Principado de Mônaco, o principal símbolo da luta anticorrupção experimenta o gozo supremo de se confraternizar com a elite do mundanismo global.

 

A Procuradora Geral da República considera que a greve dos caminhoneiros afronta direitos básicos da população, mas se cala ante a explosão dos preços do gás que devolve famílias para a era da lenha.

 

O sub-procurador envia os processos do político amigo para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo. E, na semana seguinte, denuncia que os TREs são tribunais contaminados pelos interesses privados – mas não volta atrás em sua decisão.

 

No Palácio do Planalto, o país continua sob o comando de um presidente que o país inteiro aguarda que seja preso assim que deixar o poder. E ele continua planejando as maiores tacadas da história, à luz do dia, e no escurinho da noite, como se tudo transcorresse dentro da normalidade.

 

Ao mesmo tempo, o PCC amplia seu poder econômico e seu domínio sobre as periferias das metrópoles, estendendo sua influência sobre o interior. E ninguém tem dúvida de que o próximo Congresso terá uma bancada eleita pelo crime organizado, outra pelas igrejas, outra por policiais. E outra, obviamente, pelos filhos de Eduardo Cunha e Michel Temer.

 

O Ministro Luis Roberto Barroso, que tornou-se Ministro devido à sua atuação pública pro bono em causas humanitárias, enquanto elaborava pareceres discretos (e caros) em favor do amianto, da CBF e da Globo, diz que o Brasil encontrou o caminho do futuro.

 

Há um cheiro de podre no ar com o caráter do brasileiro. E, por brasileiro, não se entenda a empregada do amigo de Barroso, que acumulava o salário de doméstica com o Bolsa Família.

03
Jun18

POR QUE MORO SOLTOU O HOMEM-CHAVE DA OPERAÇÃO DA PETROBRAS EM CONTRATOS INTERNACIONAIS? / O Rei das Delações Premiadas Abre Portas

Talis Andrade

mário miranda.jpg

 

 

 

 

 

 

Mário Miranda 

 

por Carlos Henrique Machado

 

Mario Miranda, solto por Moro nessa última sexta, é homem chave do MDB.

 

Miranda é operador de propina do partido de Temer, Jucá, Eduardo Cunha e outros bichos soltos da corrupção nacional.

 

Mas o que envolve o universo de propinas de Miranda segue para uma linha perigosíssima.

 

Miranda e outro operador, Sérgio Bocaletti, são suspeitos de receber US$ 31 milhões por meio de contas mantidas por operadores financeiros no exterior e supostamente representavam políticos do MDB.

 

O dinheiro, segundo ele próprio, teve origem em ‘práticas ilícitas em contratos da Petrobrás’.

 

A investigação, imagina isso, está relacionada a um contrato da área Internacional da Petrobras no valor de US$ 825 milhões que teria rendido propinas de US$ 40 milhões ao MDB, em suposto encontro entre delatores da Odebrecht, os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha e Temer, em 2010.

 

É estranho que, numa hora dessas em que o Brasil toma consciência da natureza bruta das transações entre Pedro Parente e as refinarias internacionais, Moro mande soltar, do nada, um sujeito que, certamente, tem muitas informações sobre tudo o que está relacionado ao fluxo de interesses entre a turma que hoje comanda a Petrobras e as refinarias dos EUA.

 

repatriação mario miranda.png

 P.S. deste correspondente: Mais um acordo via Antonio Figueiredo Basto, rei das delações premiadas. Veja que Mário Miranda assinou a procuração no dia 17 último, e só entregue a Moro no dia 21, e neste mesmo dia 21 divulgado pela tv oficial da república de Curitiba, a Globo. Miranda foi rapidamente solto. Não deu tempo para as autoridades confirmarem a existência das referidas contas. E mais: Miranda não cita os valores. Não é estranho? É muita confiança da justiça na palavra de um preso. Será que essa pressa faz parte de alguma trama? 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D