Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

28
Mai22

A CONDENAÇÃO

Talis Andrade

 

As fardas enlameadas

estandartes no chão

os carrascos ouvirão

da boca dos profetas

a cruel estatística

do morticínio de civis

 

9,5 milhões de russos

6 milhões de judeus

3 milhões de alemães

3 milhões de poloneses     

2,2 milhões de chineses

l,6 milhões de iugoslavos

1,5 milhões de japoneses

e 330 mil franceses

 

Para os cães e abutres

que governam o mundo

esquecidos números

 

Martírio que se nutre com flores

Guirlanda de flores no túmulo

do soldado desconhecido

 

 

- - -

O Juízo Final. A Condenação

Ilustração Y. Platonov. Anônimos

12
Jan22

LIMBO

Talis Andrade

por Talis Andradepintores mais famosos do mundo dali

 

Pelo tempo infinito

eu permaneça

protegido

das águas escumantes

que incharam o corpo

do poeta Shelley

das águas viscosas

venosas

que apodreceram

Tchaikovsky

 

Protegido permaneça

da sina de Pilatos

morto

afogado

em invisível taça

de vinho morno

com gosto

de chumbo

e posca

 

Protegido das chamas

que consomem as almas sebosas

dos possuídos por Lúcifer

os filhos da perversidade

os governantes corruptos

os legisladores vendidos

os juízes iníquos

os escravocratas

que submetem o povo

na fome e no afogo

os que transformam o mundo

em uma cavidade tenebrosa

- - -

Publicado in Palavras de Ateop, editado pelo jornalista, romancista e poeta Rafael Rocha. Ilustração O Sono, Dalí

 

19
Dez21

CENAS DO RECIFE ANTIGO

Talis Andrade

Por Talis AndradeCícero Dias - Moças na Janela – Serigrafia

 

Na Cidade Antiga o recifense

sentava na calçada

para ver o tempo passar

puxava uma cadeira

para uma confidência

parava um conhecido

para uma conversa amiga

 

Todos se davam as mãos

nas cirandas e passeatas

Os amantes cantavam nas ruas

românticas serenatas

O povo possuía a doçura no coração

como se todos fossem irmãos

2

Porque se cultivava a amizade

permanecia aberta

a porta das casas

- terno convite

para o fraterno

sagrado abrigo

 

Havia o quarto de hóspede

- a cama forrada

com colcha de rendas

Para festivos ágapes

brilhavam louças pratarias

brilhavam os olhos das meninas

que o mundo está nos olhos

 

Aceso o fogão de carvão aceso

o coração da casa

da cozinha emanavam

as conversas

as cantorias das pretas-velhas

mucamas sinhazinhas

o cheiro gostoso

de maravilhosas iguarias

 

Era tudo do bom

do melhor

Serviam compotas

e suculentos sucos

de saborosas frutas

fatias de macios bolos

a água friinha

dormida no pote

O café quentinho

coado na hora

biscoitos de manteiga

derretendo na boca

 

3

Os convivas conversavam nas varandas

as crianças corriam pelos jardins floridos

os namorados fugiam pelos terraços abertos

buscando escuros esconderijos nos quintais

 

Havia o médico da família e o padre confessor

os padrinhos de formatura e casamento

os compadres de batismo crisma e fogueira

Havia os vizinhos os amigos dos vizinhos

Ninguém vivia sozinho

todos tinham nomes

emprego e moradia

No Recife antigamente

compartilhava-se a dor

e o pão de cada dia

 

- - -

Talis Andrade. O Sonhador Adormecido. Livro Rápido. Recife, 2004

Ilustração Cícero Dias /Moças na janela /Serigrafia

22
Nov21

Zambi

Talis Andrade

 

 

zambi rei.jpg

 

A Segunda Morte

por Talis Andrade

 

Para que os negros

não sonhassem 

com o reino livre

dos quilombos

os negros

não semeassem 

nenhuma esperança

mudaram o nome

de Zambi

Pela farsa do nome

trocado

pairasse a dúvida da existência

de um reino encantado

rodeado de palmeiras

o sonhado oásis

no deserto afastado

 

Negro fica no teu canto

Zambi nunca existiu

Zambi alucinada assombração

de todo negro fujão

Zambi maculo de negro

gemendo de saudade

Zambi conversa de bebo

piração de quem vê

almas penadas

danação de quem vê zumbis

nas rodopiantes danças

dos pais de santo

 

Negro fica no teu canto

Zambi nunca existiu

 

- - -

Talis Andrade, Vinho Encantado p. 133, Livro Rápido, Olinda, 2004

Ilustração Zambi, Praça da Sé, Pelourinho, Salvador

22
Nov21

Bernardo Vence Zambi

Talis Andrade

Busto que inspirou a estátua de Zumbi.

por Talis Andrade

 

Para escapar

das correias no lombo

Zambi construiu

longe de Olinda

o Quilombo da Liberdade

 

O reino livre de Zambi

guerreou contra os espanhóis

os holandeses os portugueses

e Zambi voltou a Olinda

 

Zambi voltou a Olinda

a cabeça espetada

na ponta de uma lança

A cabeça salgada

uma orelha cortada

a pedido da rainha

uma incestuosa

louca rainha

A cabeça salgada

com sal grosso

o grosso sal

que espanta as almas

e enfiada na boca

a rola cortada

por satânico prazer

covarde humilhação

de um capitão-do-mato

 

Bernardo Vieira de Melo

cavalgou Olinda

com a empáfia vitoriosa

de caçador de negros

Bernardo Vieira de Melo

cavalgou Olinda

ostentando em uma lança

uma lança ornada de fitas

a cabeça de um rei

um rei coroado

numa guerra sem fim

 

- - -

Talis Andrade, Vinho Encantado p. 131, Livro Rápido, Olinda, 2004

Ilustração busto que inspirou estátua de Zambi

 

25
Mar21

A ÚLTIMA CEIA

Talis Andrade

www.acf-versailles.catholique.fr - exposition d'icônes coptes | Arte  católica, Arte de cristã, Imagens de jesus

 

por Talis Andrade

Jesus estará em agonia
até o fim do mundo
Blaise Pascal

Por que a avareza
de negar proteção
à pobre criança
de mão estendida

A discriminação
a recusa de sentar
em uma mesma mesa
e repartir o pão
com o irmão

Lembra a Última Ceia
Jesus depôs as vestes
cingiu-se com uma toalha
Ajoelhado como um servo
lavou os pés dos apóstolos
Lavou os pés de João o mais amado
e os de Judas Iscariotes

Lembra a Última Ceia
Jesus dançou com os discípulos
Todos de mãos dadas
formando um círculo
Jesus cantou
– Reconhece o que faço
Tua a paixão dos homens
a paixão que sofrerei

Jesus dançou e cantou
Depois caminhou
para o abandono
da suprema angústia
no Jardim de Getsêmani

17
Mar21

AMANHÃ É OUTRO DIA

Talis Andrade

por Talis Andrade

 

Dança macabra – Wikipédia, a enciclopédia livre

 

Do jornalista
o trabalho cotidiano
da colheita
De tarde a notícia
De noite o trevo

O jornalista vive
como em tempo de peste
Beber divertir-se
na dança macabra
da madrugada
a dança de São Vito
É tudo aqui-e-agora
que no meio da vida
seremos surpreendidos
pela morte

O jornalista vive
o presente finito
Tudo que escreve
tem a louvação
de um dia

O jornalista vive
o instante
a emoção
do amor
de uma noite

O jornalista vive
o pressentimento
Amanhã pode ser dia de desemprego
Amanhã pode ser dia de enterro

 
12
Jan21

ESQUIFE ENCARNADO

Talis Andrade

por Talis Andrade

1

Que cavaleiro reerguerá a bandeira
posto à prova nas batalhas
como apreendido o amor
no ventre ardente
a fornalha
em que se malha
o frio aço
da lâmina flamejante

Desde criança o vaticínio
trovejado pela espumante boca
do profeta
Montado em um cavalo branco
os pés nos estribos
na mão esquerda a bandeira
na mão direita a espada
para degolar os exércitos mercenários
os vendedores do Templo
os moedeiros falsos

Desde criança o sonho
vencer o ídolo de ouro
e o seu séqüito
O enlouquecido sonho
de mudar o mundo

2

Veio o demônio a morte
e tomou a espada
Os livros não ensinam
a espada
tem que ser fincada na pedra do sonho
de onde manarão fontes
cantantes símbolos do Verbo

Veio o demônio a morte
e tomou a bandeira
Os livros não ensinam
uma bandeira apenas um fetiche
de pano e haste
A bandeira tecida
para tremular ao vento
poderia ser pisoteada
pelas hostes inimigas

A bandeira da cor de papoula
cobre o caixão
A bandeira agitada nos estádios
saudada nas passarelas do samba
reverenciada nos terreiros de macumba e capoeira
a bandeira benzida nas procissões
a ensangüentada bandeira das passeatas e comícios
cobre o caixão

3

A vida poderia ter sido feita
de cousas rotineiras

O amor da namorada
no vestido encarnado
de mestra do pastoril
a cantar a vinda do Menino Jesus
que veio ao mundo
para nos salvar

O cuidado dos pais
que iam à missa
todos os domingos
as roupas engomadas
as consciências leves
dos pecados lavados
no confessionário

O romantismo dos camaradas
nas barricadas levantadas no ar
contra os daltônicos escribas da corte
O romantismo dos camaradas
nas barricadas cavadas no asfalto
contra os salários de fome

O dinheiro contado
da lista corrida
entre os companheiros
o dinheiro repartido
para comprar leite e pão
o dinheiro arrecadado para encomendar
as seis tábuas de um caixão
A vida teria sentido
o povo marchasse unido
para expulsar as quatro bestas espreitando
nas quatro esquinas do medo
a ganância do patronato
a covardia dos fura-greves
a brutalidade da polícia
a conivência da justiça
quatro bestas espreitando
coas presas sujas de sangue

4

Benfazeja realidade benfazeja
para quem vê os próprios interesses
E de crime em crime vai juntando
o precioso dinheiro
– o dinheiro indivisível e invisível
o dinheiro que não tem cor
o dinheiro que não tem cheiro
apenas o número secreto do dono

O povo coisa sem importância
As pistas dos latrocínios e pilhagens
desaparecem na lavagem do sangue dos inocentes
os cadáveres sob o peso do cimento
e do aço das obras públicas inacabadas
A lavagem do dinheiro nos bancos
clandestino batismo
dos adoradores do bezerro de ouro

5

Diante da glória passageira
o atordoante desespero
de não reconhecer as vermelhas nuances

Vermelhas a insígnia de fogo nos sambitos dos afogueados
a insígnia de seda dos filhos do Coração Sangrante de Jesus
a cruz da Ordem dos Templários
a cruz gamada dos soldados de Hitler
a bandeira dos operários de Lenine
a bandeira dos piratas
com a ampulheta a caveira e a espada

Vermelho o lenço amarrado
no pescoço dos revolucionários de Trinta
Vermelho o pedaço de pano
o sinal abominável
os leprosos carregavam
pendurado nas vestes brancas
Vermelho o laço de fita
no alto da cabeça da menina
para quem o poeta recitou
rimados versos de amor
em noites de serenatas 

Como espanta
o controverso oportunismo
todos quererem uma bandeira
quando sequer entendem
o que seja vermelho


In livro Esquife Encarnado. A Tribuna, Recife, 1957.
Este é o poema título do livro Esquife Encarnado.
Livro publicado em parceria com Djalma Tavares, e premiado em Goa, em um Festival de Poesia Internacional.
Djalma, além de excelente poeta, era pintor. Capa e ilustrações do livro são de Djalma Tavares. De uma família de poetas. Irmão de Odorico e Cláudio Tavares, primo de Deolindo Tavares, e tio de Gladstone Bello e Carlos Pena Filho.

23
Ago20

A LUA DE LORCA

Talis Andrade

 

poets.org — Six drawings by Federico García Lorca (1898-1936)


Federico:
- Que tem teu divino
coração de festa

A menina:
- Tenho uma rosa
uma linda rosa
amarela

Federico:
- Ai menina
não se faça
tão bela

A menina:
- O sol
me fez assim
hoje é manhã
de primavera

Federico:
- Ai menina
a noite
uma longa noite
me espera

A menina:
- Triste sina tua
querer a lua
que no céu
sorri distante

Federico:
- Ai menina                                                                                                                                                muito mais triste
não saber
se de verdade
desejo a lua
como amante

 

- - -

Talis Andrade, Vinho Encantado, p. 31, Livro Rápido, 2004, Recife

Ilustração Federico García Lorca

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub