Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

27
Jul20

ESCÂNDALO: Banco do Brasil é assaltado em operação com BTG Pactual

Talis Andrade

 

governo-bipolar paulo guedes assalto ao BB.jpg

 

Banco criado por Paulo Guedes comprou por R$ 370 milhões carteira de crédito do Banco do Brasil que vale R$ 3 bi...

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, entregou seu pedido de renúncia ao cargo alegando cansaço  —  sabe lá de quê —  e disse a amigos que queria estar mais próximos dos netos. Antes da demissão, há duas semanas, Novaes aproveitou seu poder para “passar a boiada”, enquanto a imprensa se preocupava com a Covid-19.

 

Por Dacio Malta /Jornalistas Livres 

= = =

Ele vendeu, por míseros R$ 370 milhões, uma carteira de crédito do Banco do Brasil no valor de R$ 3 bilhões ao BTG Pactual  —  banco criado por Paulo Guedes.

Sabem qual foi a última vez que o Banco do Brasil fez operação parecida?

Nunca.

Tudo foi feito sem licitação, sem concorrência, sem absolutamente nada.

Por que só R$ 370 milhões também é um mistério.

Para João Fukunaga, diretor executivo do Sindicato dos Bancários de São Paulo e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), “a venda da carteira de crédito para o BTG Pactual, dita de vanguarda, é bastante suspeita ao beneficiar, pela primeira vez, um banco fora do conglomerado e que justamente foi criado pelo ministro bolsonarista. Como saber se o BB não está sendo usado para interesses escusos do Paulo Guedes?”.

Como quem entende de economia é o Posto Ipiranga, ele faz o que bem entende, já que o capitão não entende nada de nada.

E, mais pra frente, quem sabe se torne também beneficiário dessa transação. Ou assalto, se preferirem.

Há quem acredite que a mamata acabou.

 

 

03
Dez19

Doria e o pancadão de Paraisópolis

Talis Andrade

doria paraisopolis chacina favela pancadao.jpeg

 

 

por Helena Chagas

Com pretensões presidenciais, o governador de São Paulo, João Doria, vem tentando se distinguir de Jair Bolsonaro e sua turma como uma opção conservadora mais palatável e civilizada. Uma direita limpinha e cheirosa, mais liberal nos costumes, politicamente correta em temas como o repúdio à ditadura e a defesa de valores democráticos. Mas Doria vive agora um teste decisivo com a ação troglodita da PM de São Paulo que resultou na morte de nove jovens num baile funk em Paraisópolis.

Todos os indícios — e não há como negar vídeos, esconder ferimentos e calar depoimentos — mostram que a operação Pancadão foi mais uma lamentável demonstração do retrocesso civilizatório que atingiu o país depois das eleições de 2018. A violência policial, os abusos das autoridades que têm a força e o desrespeito em relação a direitos humanos estão, aos poucos, sendo naturalizados. Discute-se o excludente de ilicitude — na verdade, uma licença policial para matar — como se fosse banalidade.

Não é. Mas a brutalidade, estimulada pelo poder público, passou a ser aceita por alguns, na ilusão de que ela só atinge os “bandidos” nas periferias, e que eles merecem. Nao é assim. Um dia, o seu filho pode estar no baile. E, se não houver um freio a essa onda por parte de quem foi eleito para governar para todos, um dia ela vai engoli-los também.

Doria cobrou investigações rigorosas e responsabilização dos culpados — o discurso praxe dos governantes nesses momentos. É muito pouco. A morte brutal dos jovens de Paraisópolis em razão da violência policial exige demissões, corte de cabeças e intervenção profunda na PM de São Paulo.

gilmar polícia mata racismo .jpg

 

 

 
16
Nov19

Bateu no mendigo e foi pra suruba

Talis Andrade

por Nêggo Tom

cass principe bolsonaro mourão.jpg

 






O principal dilema que enfrentei ao começar a escrever este artigo, foi com relação ao título a ser dado ao mesmo. “O príncipe que batia em mendigos e fazia suruba”, “Suruba imperial”, “Suruba gay conservadora”, “Suruba real” ou “Bateu no mendigo e foi pra suruba”. Taí! Gostei do último. Soa meio “Rodriguiano”, no maior estilo “A vida como ela é”.

De fato, a vida real (sem trocadilhos) costuma trazer problemas para algumas pessoas. Sejam elas nobres ou plebeias. Escondê-los não é uma tarefa das mais fáceis. Principalmente, para um defensor da moral e dos bons costumes. Para começo de conversa, eu me recuso a chamar alguém de príncipe, num pais onde a monarquia já caiu faz tempo. Somos uma república presidencialista, ainda que o atual presidente não esteja a sua altura.

Falando em vossa excelência, ele deixou escapar que o Deputado federal Luiz Phillipe Orleans e Bragança, do PSL-RJ, deixou de ser o vice em sua chapa, em função de um dossiê que lhe fora apresentado por Gustavo Bebianno, no qual haviam acusações comprometedoras contra o membro da coroa real portuguesa. Entre elas, a de que o nobre parlamentar costuma bater em mendigos e que já participou de uma suruba gay.

Segundo o Deputado, há controvérsias. “Eu não sou gay e nem sei onde é que faz suruba”, defendeu-se o parlamentar. Se ele é ou não gay, pouco importa. Não é da conta de ninguém e nem há demérito algum nisso. Agora, dizer que não sabe onde se faz uma suruba, sendo parente de Dona Carlota Joaquina, é muita distração. De qualquer forma, a honra de um dos herdeiros do trono português, foi jogada pra rolo.

O tal dossiê, se existe mesmo, demonstra o baixo nível que pontua os bastidores da nossa política. Tanto no que se refere a artimanha utilizada para excluir o nobre Deputado do posto de vice-presidente, quanto pelos critérios adotados pelo atual presidente, na escolha de seus pares. Homofóbico declarado, é óbvio que ele não colocaria um gay no seu governo. A não ser que não soubesse da orientação sexual do indivíduo. Quanto a bater em mendigo, acredito que isso não tenha sido o que mais constrangeu o presidente, em aceitar o “príncipe” como vice em sua chapa.

A pergunta que não me cala é: Por que o nobre Deputado não processou Gustavo Bebianno? Sua privacidade teria sido invadida, seu bom caráter teria ficado sob suspeita e ele perdeu a chance de presidir o país em breve. Fazer suruba não é lá muito bem visto, do ponto de vista dos bons costumes e tal, mas não é mais imoral do que bater em pessoas em situação de rua. Caso tal acusação seja realmente seja verdadeira. Isto sim, teria sido a grande putaria praticada pelo “príncipe”.

No mais, este escândalo é só mais um que está dentro dos padrões normativos do atual governo. Onde tem muita gente puritana, moralista e conservadora reunida, tem sujeira debaixo do carpete. O que eu não entendo, é o porquê de acharem que quem faz suruba e bate em mendigo, não poderia ser vice, de um presidente que apoia a tortura, que já comparou os Indígenas a animais no zoológico, que já disse que afrodescendentes pesavam arrobas, que mulheres tem que ganhar menos e que confessou ter conhecido uma galinha, biblicamente falando, quando era adolescente.

Tudo é bem contraditório e não justificaria a recusa pelo nome do “príncipe” como vice da chapa. A não ser que ele estivesse fazendo suruba com os mendigos. Aí, não! Quem gosta de pobre é o PT e a esquerda. Sai pra lá! Chama o Mourão!

 

pantera bolsonaro príncipe.jpg

 


 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub