Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

08
Dez19

A elite nunca abrirá as portas da mansão senhorial à ralé lulopetista

Talis Andrade

Lula está convencido de que, num país dominado pela demência, a negociação com o bolsonarismo é impossível

lula livre babaca.jpeg

por Nino Carta

E Lula continua no centro deste enredo. O general Paulo Guedes, perdão, o ministro, em revide ao discurso do ex-presidente no congresso do PT, sexta-feira 22, avisa que o AI-5 aí está amoitado atrás da esquina para reagir a qualquer propósito de revolta popular. Lula de fato apontou as manifestações que hoje fervilham praticamente em quase a totalidade dos países da América Latina como um exemplo ao povo brasileiro, sempre espezinhado no país mais desigual do mundo e inerte diante da prepotência da minoria abastada, disposta a agarrar em fio desencapado, conforme se dá neste exato instante.

Senão, vejamos: a Fiesp, dirigida por Paulo Skaf, empenha-se a favor do partido de Bolsonaro sem hesitações. Muito pelo contrário, a Fiesp é um excelente exemplo da ideologia da casa-grande. Antes do pronunciamento do ministro da Fazenda, o próprio Bolsonaro já dissera que o projeto de lei que trata de excludente de ilicitude, já submetido à análise do Congresso, seria o bastante para coibir qualquer tentativa de subversão. Falamos da licença para matar conferida à Polícia Federal, ou seja, a perspectiva de chacinas impunes se o Brasil, subitamente, se igualasse à Bolívia, ao Chile, até à Colômbia e países da Centro-América.

Lula mantém impavidamente a postura definida ao deixar a prisão. Ele entendeu que a negociação com o bolsonarismo é impossível, daí o repúdio da ideia da conciliação que no Brasil só diz respeito aos senhores da elite, que nunca se disporão a abrir as portas da mansão senhorial à ralé lulopetista. O País está infinitamente longe das condições que na Espanha pós-Franco propiciaram os Pactos de La Moncloa, acordo nacional entre capital e trabalho. Menos ainda está da situação que em Portugal precipitou a Revolução dos Cravos. Por aqui, o ministro Guedes sugere o retorno à ditadura que nos infelicitou por 21 anos.

A ameaça é repelida em todos os cantos deste nosso deplorável cenário, mas o poder continua nas mãos de um governo demente, único no mundo por sua prepotência e insensatez. Um golpe desferido pelo exército de ocupação para garantir a permanência do bolsonarismo que efeitos teria do ponto de vista internacional? Guedes ainda não percebeu que os tempos de Pinochet estão encerrados e, tudo indica, não vislumbra a condenação, talvez fatal, da China, da Rússia de Putin, da Europa, até dos próprios Estados Unidos livres de Trump. Fatais realmente seriam as consequências do isolamento do País.

 

     O TRF4 aumenta a pena de reclusão do ex-presidente para 17 anos, mas o STF tem boas razões para anular a sentença

 

O desmemoriado ministro da Economia é incapaz também de perceber o que representou a ditadura militar e civil, ao longo de 21 anos, de 1964 a 1985. Era outro Brasil e resistência houve de duas formas que se completaram. Primeiro, por obra da frente ampla a representá-la pelo MDB do doutor Ulysses. Reuniu debaixo do seu extenso telhado todas as forças de oposição. O segundo momento se dá com as greves do ABC de 1978, 79 e 80, esta a mais aguerrida, de sorte a precipitar a maciça reação militar com tanques, brucutus, helicópteros de guerra para atacar os grevistas que Lula reunia no gramado do Estádio de Vila Euclydes, em São Bernardo, na cercania do Paço Municipal.

Os oposicionistas dos partidos resistentes não hesitaram em entrar na liça. Recordo dois momentos diversos. Primeiro, o instante em que uma bomba de gás cai aos pés do doutor Ulysses, e André Franco Montoro, a segui-lo de perto, grita “chuta, chuta”. Segunda ocasião: na casa de Lula, onde um Dom Quixote de madeira campeava sobre uma estante, reuniram-se os líderes da resistência. Era noite, cogitava-se de uma estratégia para o dia seguinte na Vila Euclydes e o cachorro de Lula, vira-lata imprudente, apareceu para lamber os sapatos de mais de um político graúdo.
 

Foi um período muito áspero de morte e sangue, de tortura e censura. Havia ali, porém, quem nunca perdeu a esperança. No meu caso foi um período de formação para me levar a entender a serventia do jornalismo fiel à verdade factual: mesmo breves referências a tudo quanto acontecia acabariam por funcionar para os historiadores futuros. Hoje reencontro Lula sempre protagonista, reconhecido pelos seus inimigos como o maior entrave à vida fácil da casa-grande. Enquanto escrevo, o TRF4 de Porto Alegre renova a condenação de Lula por causa do sítio de Atibaia, aquele do barco de lata a singrar seu laguinho com vista para a favela. Não consigo esquecer que o tal brinquedo destinado aos netos por vovó Marisa ao preço de 4 mil reais mereceu um título de bom tamanho na primeira página da Folha de S.Paulo. O tribunal gaúcho consegue superar a determinação vingativa de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol e impõe o aumento da pena para 17 anos, ou seja, até os 90 anos do ex-presidente. Caberia ao STF anular a sentença.

De todo modo, as agruras do condenado sem provas também se espalham em relação à tarefa de reafirmar a sua liderança até as eleições de 2022. Um ditado italiano lamenta as dificuldades daquele que vive entre a bigorna e o martelo, no caso a bigorna da situação brasileira e o martelo de um PT necessitado de renovação e de exame de consciência. Nele um perigoso espaço sobra para um núcleo de iludidos, não sei se em boa ou má-fé, com as chances de uma negociação com o poder atual. Lula, contudo, não entrega os pontos, como ficou provado pelo seu discurso no congresso petista. Com determinação mais firme do que possa parecer à primeira vista, cuida de se afastar de Fernando Haddad, inadequado ao papel previsto para ele inicialmente, conforme demonstra a insistência do ex-presidente em apontá-lo como candidato à prefeitura de São Paulo. Consta que Haddad anda ressabiado.

 
02
Set18

As relações perigosas dos camisas pretas da lava jato

Talis Andrade

A Istoé desta semana faz retrospectiva dos tempos de chumbo, e revela que candidatos hoje da direita eram espionados pelas polícias estaduais, federal, serviços de inteligência das forças armadas e SNI.

 

Jair Bolsonaro, nunca passou de capitão, foi expulso do Exército como terrorista. Publicou Istoé sobre Bolsonaro:

A ameaça totalitária. O candidato que reverencia torturadores, chama os direitos humanos de “esterco da vagabundagem”, diz que só quem “fraqueja” gera filha mulher e que preferiria um filho morto a ser homossexual ostenta quase 20% nas pesquisas. Agora, finge ser liberal para encantar o mercado. Ele pode ser presidente. E o perigo é exatamente esse

 

ditadura monitorados.jpg

 

 

Nos tempos atuais de exceção, do golpe de 2016 que derrubou Dilma Rousseff para entregar o poder à turma de Michel Temer, os serviços de espionagem são realizados pela Liga da Justiça de Sergio Moro/ Dallas Dallagnol, que tem como agitadores o MBL, Movimento Brasil Livre, e como agentes, o Japonês Bonzinho, ex-agente da didatura militar de 1964.

 

Sergio Moro criou uma rede de espionagem, possivelmente com agentes da CIA e/ou do FBI, que espionou Dilma Roussef quando presidenta do Brasil.

 

carcereiro-japones-federal.jpeg

 

 

O Japonês da Federal, Newton Hidenori Ishii, suspeito de vender informações secretas, continua realizando para Moro, os mesmo ser√iços sujos dos tempos da ditadura militar de 1964, quando atuava como espião.   

 

Newton Ishii, que entregava os estudantes para a tortura e morte, continua a trabalhar como torturador na Lava Jato. Comenta Pedro Canário no importante portal ConJur: 

 

Agente da PF durante mais de 20 anos, ele ficou famoso por conduzir os presos de suas casas aos carros da corporação, ou dos veículos à carceragem. Mas também era o chefe da carceragem e tinha contato diário com os presos (...) 'Com o talento para induzir pessoas a pensarem que chegaram por conta própria a uma conclusão sugerida, o agente poderia ser um instrumento valioso. Não foram poucas as vezes que os jovens delegados, de barba cerrada e cara de mau, recorreram a ele', segundo a versão contada no livro O Carceiro. O primeiro dilema descrito por Ishii entre os presos da operação é o do medo. Os presos da lava jato ficam presos num setor separado da carceragem da PF em Curitiba (...) Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, e o lobista Fernando Baiano, operador do PMDB, são apontados como dois casos que optaram por falar para se proteger de um medo descrito como irracional pelo Japonês.

 

liga da justiça procurador--camiseta-da-republica

liga da justiça lava.jpeg

O suspeito procurador Santos Lima do BanEstado e da lava jato faz propaganda da Liga da Justiça

 

A Liga da Justiça, para a agitação das ruas, conta com o MBL, o nazi-fascista Movimento Brasil Livre. Propaga a Wikipédia:

 

O MBL, em 2016, combinou forças com as bancadas evangélica e ruralista do Congresso por uma agenda de Estado mínimoreforma trabalhista, ajuste fiscal e redução da maioridade penal. Com sede nacional em São Paulo, o movimento realizou frequentes protestos a favor do impeachment de Dilma Rousseff e ações políticas em todo país. Inicialmente, a estratégia política do MBL foi pela convocação das manifestações dos dias 15 de março e 12 de abril de 2015, embora esse aspecto tenha sido posteriormente minimizado, a fim de auxiliar o governo na promoção de estratégias impopulares relacionadas às reformas trabalhistas e previdenciárias. Formado em sua maioria por jovens com menos de trinta anos, seus integrantes são conhecidos por seus discursos incisivos, sendo comparados pela revista Exame a uma startup que nasceu para fazer protestos. Segundo a revista Época, nos protestos de 16 de agosto de 2015, Kim Kataguiri e Fernando Holiday, duas lideranças do movimento, foram recebidos pela população participante como estrelas da política brasileira.

 

camisas pretas liga mbl.jpg

 Agitadores do MBL com as camisas pretas de apoio ao procurador Dallas Dallagnol, acusado de ser o DD da propina de cinco milhões de dólares cobrada de Tacla Duran 

 

O MBL promovia a agitação e uma onda de terror e intimidação, financiado pela Fiesp, na pessoa de Paulo Skaf, e milionários paulistas do grupo de João Doria, candidatos a governador de São Paulo, respectivamente, pelo MDB e PSDB, e principais fortunas da ditadura militar de 64, dos leilões da privataria tucana e do tráfico de dinheiro do Banco do Estado do Paraná - BanEstado. Outro patrocinador, o homem mais rico do Brasil, e segunda maior fortuna da Suíça onde reside, Jorge Paulo Lemann vende nas suas Lojas Americanas, com apoio do TSE, camisas de propaganda do "mito" Bolsonaro, e de Lula como ladrão ou "five", conforme alcunha de Moro.

 

americanas- bolsonaro - lula.png

 

Sergio Moro costumava pousar ao lado de políticos nos tempos da popularidade da lava jato, e a mosca azul de uma candidatura presidencial animava a corriola de Curitiba, tendo Rosangela Moro uma coluna nas redes sociais com o título "Eu Moro Com Ele". A coluna desapareceu com Roseana acusada de corrupção: caso da Apae e caso Tacla Durán de venda de delações premiadas.

 

casal doria casal moro.jpg

moro-aécio-temer-alckmin.jpg 

A lava jato politicamente podia tudo, e Moro candidato a presidente promovia alianças políticas

 

26
Ago18

Skaf e Doria candidatos a governador de Temer golpista e traidor

Talis Andrade

aroeira raposas golpe temer.jpg

 

 

O debate para governador de São Paulo teve dois candidatos de Michel Temer: Paulo Skaf, que é também do MDB e usou a Fiesp para patrocinar o golpe que derrubou Dilma Roussef, empreitada que teve João Doria, do PSDB, como aliado.

 

Jornalistas empregados sempre representam o pensamento dos patrões, e assim sendo estão em campanha eleitoral. Em um debate entre candidatos, tais servidores da máxima confiança deviam evitar opiniões. Como são viciados de outras empreitadas, Boris Casoy e Mariana Godoy partiram para grosserias.

 

Mariana que disse "lamentaria" agir de tal forma, mas que poderia chamar os seguranças presentes no estúdio para identificar quem entre os presentes estava incentivando os gritos, palmas e assobios...  A platéia é para isso mesmo. Para passar emoções nos frios e insossos debates. Razão dos auditórios nos programas de tv em geral, ou o uso de palmas e risos enlatados.

 

É isso aí. Não se faz golpe sem prisões, sem tortura, sem mortes. Fica explicada a ameaça de Mariana.

 

Boris Casoy, um velho militante da ditadura de 64, fez parte da trama do golpe de Temer que tem candidatos de sobra para presidente, e todos, somados, perdem para Lula da Silva logo no primeiro turno.

 

Veja que jornalista da direita volver considera que Temer impopular, corrupto, traidor, arrasou com as candidaturas de Geraldo Alckmin do PSDB e Henrique Meirelles do MDB para presidente, e também vai destruir, efeito cascata, os candidatos Doria e Skaf. Confira    

 

Zumbi temer pesquisa morto.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub