Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

16
Mai21

Violência policial no Brasil

Talis Andrade

jacarezinho missa.jpg

Moradores da favela do Jacarezinho participam de missa em homenagem às vítimas da operação policial, no dia 12 de maio, no Rio de Janeiro. SILVIA IZQUIERDO / AP

 

As autoridades brasileiras precisam investigar com rigor possíveis casos de abusos por parte das forças de segurança

EDITORIAL /El País

 

Na quinta-feira, 6 de maio, a Polícia Civil lançou uma ampla operação contra o narcotráfico na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. Os policiais foram recebidos com tiros, que mataram um agente. A operação, que durou mais de seis horas, terminou com a morte de 28 pessoas, tornando-se a ação policial mais sangrenta da história do Rio de Janeiro, cidade e Estado que há anos se destacam nas estatísticas brasileiras pela letalidade de suas forças de segurança. Mas é um problema generalizado. Os dados são eloquentes. No Brasil, um dos países mais violentos do mundo, as forças policiais são responsáveis por parte significativa das mortes violentas. Dos 47.000 assassinados em 2019, 13% morreram durante uma intervenção policial.

Uma operação contra o tráfico de drogas que termina com esse número de vítimas representa um fracasso operacional para qualquer força policial. É lamentável que o presidente Jair Bolsonaro, de extrema direita, parabenize os responsáveis pela operação, em linha com seu discurso intolerável de normalizar a morte de suspeitos nas mãos das forças de segurança. Um dos fundamentos do Estado de Direito é que todo acusado tem direito à presunção de inocência e a um julgamento justo.

A escassa presença do Estado em favelas como a do Jacarezinho abriu caminho para que o poder do crime organizado adquirisse as proporções atuais, com amplos territórios onde grupos do tráfico de drogas ou paramilitares que extorquem estão no controle de modo ostensivo. Bairros onde vivem milhões de brasileiros, enredados no fogo cruzado, reféns de uma violência diária e sem serviços essenciais para uma vida digna. O combate ao narcotráfico é complexo. Requer trabalho policial, sem dúvida, mas também implica lutar contra a desigualdade, oferecendo alternativas e oportunidades aos jovens. As 28 mortes do Jacarezinho precisam ser investigadas com rigor. Uma democracia deve lançar luz sobre qualquer suspeita de uso abusivo da força pelas corporações policiais. E, se houver, punir.

07
Mai21

Operação sangrenta em favela do Rio repercute no exterior, e ONU pede investigação independente

Talis Andrade

ONU pede investigação 'independente' após operação policial em favela no Rio que matou 25 pessoas.

ONU pede investigação 'independente' após operação policial em favela no Rio que matou 25 pessoas. AP - Silvia Izquierdo

A operação contra o narcotráfico que deixou pelo menos 25 mortos na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, repercutiu dentro e fora do Brasil. Jornais no exterior relatam o episódio, enquanto ONGs e órgãos das Nações Unidas pedem uma investigação independente sobre a ação policial. 

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos denunciou o uso desproporcional da força policial nas favelas brasileiras, uma situação que, frisou o porta-voz da instituição, Rupert Colville, já vem de muito tempo.

O órgão da ONU pediu, durante uma coletiva de imprensa em Genebra, que o Ministério Público brasileiro “conduza uma investigação independente e imparcial sobre o assunto, seguindo as normas internacionais. Além disso, pedimos um debate amplo e inclusivo no Brasil sobre o modelo de manutenção da ordem aplicado nas favelas", completou o porta-voz.

"Lembramos às autoridades brasileiras que se deve recorrer à força apenas em casos estritamente necessários e que devem sempre respeitar os princípios de legalidade, precaução, necessidade e proporcionalidade da força letal", insistiu.

O Alto Comissariado se disse ainda "profundamente preocupado", principalmente depois de ter sido informado que, após a operação, “a polícia não tomou as medidas necessárias para preservar as provas na cena do crime, o que pode dificultar a investigação".

A organização humanitária Human Rights Watch também se exprimiu sobre o caso e pediu que a polícia “não toque nos corpos [das vítimas] até o final das investigações”. A entidade lembra que “graves falhas” foram cometidas no passado durante inquéritos de homicídios envolvendo a polícia no Rio de Janeiro.

Os jornais internacionais, como o português, Público, relatam o ataque como sendo a operação “mais letal da história do Rio de Janeiro”. A imprensa francesa também repercutiu o caso, e o jornal Le Monde chamou a operação policial de “banho de sangue”

O jornal Italiano La Repubblica relata que, segundo a polícia, o tráfico de drogas no Brasil usa táticas dignas de guerrilhas. No entanto, “as forças de segurança brasileiras também são frequentemente acusadas de uso excessivo da força contra a população civil durante operações realizadas nas principais cidades do país”.  

O canal de televisão em língua árabe Al Jazeera descreve a operação em uma de suas manchetes como ‘Carnificina’, enquanto a emissora norte-americano CNN, em seu site em inglês, fala das reações no Brasil, com “protestos generalizados da sociedade civil” e uma mobilização nas redes sociais, que já criaram o hashtag #TheJacarezinhoMassacre.

Ações policiais estavam suspensas por causa da pandemia

A operação foi realizada apesar de uma decisão do STF, proibindo a polícia de fazer esse tipo de operação em favelas brasileiras durante a pandemia do coronavírus - salvo em circunstâncias "absolutamente excepcionais".

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública, a polícia do Rio de Janeiro foi responsável pela morte de 453 pessoas entre janeiro e março deste ano, e de 1.245, no ano passado.

(Com informações da AFP)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub