Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

01
Abr20

Bolsonaro e Guedes cometem crime ao não liberar dinheiro para famílias

Talis Andrade

as- fomes.jpg

 

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, usou suas redes sociais nesta quarta-feira (1) para exigir a liberação do dinheiro do governo para o pagamento do “seguro quarentena”. 

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes negociam com o poder legislativo a liberação do dinheiro para as famílias necessitadas. A condição é a aprovação da PEC emergencial conhecida como “orçamento de guerra”, informa o ministro da Economia. 

Com a hashtag “PagaLogoBolsonaro”, Gleisi declarou que “o presidente e Guedes cometem crime ao não liberar o dinheiro para o pagamento do seguro quarentena! Famílias estão passando fome! Essa história da PEC emergencial é absurda. Não é hora de negociar vidas. O governo tem de liberar o dinheiro já”.

 

fome.jpg

 

25
Mar20

Seguro Quarentena: “É preciso garantir a sobrevivência e proteger a saúde da população mais pobre”, defendem petistas

Talis Andrade

salário bolsonaro  _zedassilva.jpg

 

por Héber Carvalho

Os deputados federais Célio Moura (PT-TO) e Paulo Guedes (PT-MG) manifestaram nesta quarta-feira (25) apoio incondicional à proposta da Bancada do PT na Câmara que cria o Seguro Emergencial de Renda, o Seguro Quarentena. Protocolado nessa terça-feira (24), o projeto de lei estabelece um seguro no valor de um salário mínimo (R$ 1.045) às famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, inscritas no Cadastro Único de programas sociais do governo federal, e a todos os trabalhadores informais e de baixa renda enquanto durar o período de quarentena desencadeada pela pandemia do coronavírus.

A expectativa é que a ação alcance cerca de 100 milhões de brasileiros. O valor proposto pela Bancada do PT é cinco vezes maior do que o oferecido pelo governo Bolsonaro (R$ 200) às pessoas incluídas no Cadastro Único dos programas sociais. Para Célio Moura, a ação da Bancada do PT é uma demonstração de responsabilidade com o bem-estar do povo brasileiro.

“É preciso cuidar das pessoas, em especial, dos mais economicamente vulneráveis. E nosso Projeto de Lei, vai no ponto. Ações que contribuirão muito para minimizar o desamparo social e econômico imposto pela ausência de atitudes solidárias e responsáveis da parte do antipresidente. É com ação responsável e dever público que superaremos esse duro momento de pandemia”, destacou.

Já o deputado petista Paulo Guedes (MG) disse que a proposta do PT é um alento para as pessoas vulneráveis socialmente que precisam se proteger do contágio e, ao mesmo tempo, garantir a própria sobrevivência e de suas famílias.

“Nesse momento de crise, o Estado brasileiro precisa agir rapidamente para proteger os mais vulneráveis, e é essa a proposta do seguro básico emergencial. Ao amparar as famílias que estão na base da pirâmide social, o projeto não só garante o sustento de 100 milhões de brasileiros como também assegura que essas pessoas possam se manter seguras em isolamento, minimizando os riscos de contágio e de propagação devastadora da Covid-19”, explicou.

A deputada Marília Arraes (PT-PE) também também ressaltou que ao invés de tirar quatro meses de salário, como tentou, o governo federal tem a obrigação de oferecer as condições para que as famílias dos trabalhadores brasileiros consigam sobreviver. “É essa renda mínima que vai garantir a compra de alimentos, de produtos de higiene e até de remédios, além de movimentar o pequeno comércio nos bairros. Nós do PT não vamos admitir que o Governo seja parte do problema. Vamos exigir que ele dê a solução”, frisou.

Entenda como funciona o Seguro Emergencial de Renda (Seguro Quarentena):

Objetivo: Dinheiro para o povo enfrentar a emergência sanitária do coronavírus
Quem tem direito ao benefício: Todas as famílias em risco social descritas abaixo passam a ter o direito de receber o valor de um salário mínimo – R$ 1.045 – por mês.

1- Famílias do Bolsa Família – beneficiários receberão complemento ao benefício para que nenhuma família receba menos que R$ 1.045; Pessoas inscritas no Cadastro Único; Famílias com trabalhadores informais não inscritos no Cadastro Único, mas que devido à crise tenham perfil de renda compatível.

2 – Recursos deverão ser repassados imediatamente ao público do Bolsa Família

3 – Para viabilizar o repasse aos demais públicos, o governo implantará aplicativo ou usará cartão para viabilizar o acesso aos recursos:

Famílias no Cadastro Único poderão informar conta bancária do chefe de família
Famílias não inscritas poderão fazer o cadastramento remoto para futura conferência.

Governo implantará procedimento simplificado via aplicativo para que as famílias se cadastrem ou atualizem seus cadastros de forma a viabilizar os pagamentos imediatamente.

4 – Os recursos serão repassados mensalmente pelo período que durar a emergência sanitária

verme Bolsonaro Haddad.jpeg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub