Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

17
Jun22

Chico Buarque propõe um samba contra a estupidez e a destruição bolsonarista (escute)

Talis Andrade

Humor Político on Twitter: "Gestão motorizada! por Marcio Vaccari #Humor # charge #cartoon https://t.co/Rluy5H12e5" / Twitter

 

Batuque é o caminho para lidar com tempos de ignorância e violência

 

247 – O cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda lançou uma nova canção como remédio contra a estupidez bolsonarista, a violência e a destruição do Brasil. A música é a novidade da turnê pelo Brasil que o compositor inicia em setembro, por João Pessoa e, depois de percorrer Natal, Curitiba, Belo Horizonte, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Salvador e Brasília, chega ao Rio em janeiro e a São Paulo em março do ano que vem. 

Que Tal Um Samba?

Chico Buarque

Um samba
Que tal um samba?
Puxar um samba, que tal?
Para espantar o tempo feio
Para remediar o estrago
Que tal um trago?
Um desafogo, um devaneio

Um samba pra alegrar o dia
Pra zerar o jogo
Coração pegando fogo
E cabeça fria
Um samba com categoria, com calma

Cair no mar, lavar a alma
Tomar um banho de sal grosso, que tal?
Sair do fundo do poço
Andar de boa
Ver um batuque lá no cais do Valongo
Dançar o jongo lá na Pedra do Sal
Entrar na roda da Gamboa

Fazer um gol de bicicleta
Dar de goleada
Deitar na cama da amada
Despertar poeta
Achar a rima que completa o estribilho

Fazer um filho, que tal?
Pra ver crescer, criar um filho
Num bom lugar, numa cidade legal
Um filho com a pele escura
Com formosura
Bem brasileiro, que tal?
Não com dinheiro
Mas a cultura
 
Que tal uma beleza pura
No fim da borrasca?
Já depois de criar casca
E perder a ternura
Depois de muita bola fora da meta

De novo com a coluna ereta, que tal?
Juntar os cacos, ir à luta
Manter o rumo e a cadência
Esconjurar a ignorância, que tal?

Desmantelar a força bruta
Então que tal puxar um samba
Puxar um samba legal
Puxar um samba porreta
Depois de tanta mutreta
Depois de tanta cascata
Depois de tanta derrota
Depois de tanta demência
E uma dor filha da puta, que tal?
Puxar um samba
Que tal um samba?
Um samba
26
Mai22

Complexo da Penha: Como tudo começou

Talis Andrade

 

 

 

Foto: Reprodução/Internet

Ex-escravos encontraram acolhida no entorno da Igreja da Penha no século 19

Diferente da maioria das comunidades do estado, que foram crescendo populacionalmente nos anos 60 e 70, a história do Complexo da Penha começou muito antes, na época da escravidão. A comunidade era o endereço certo para a liberdade dos escravos foragidos, que se refugiavam nas encostas dos morros da Penha. A região era então administrada por um padre abolicionista e republicano que os abrigava e protegia.  Através da atuação desse padre, foi possível a formação de um quilombo. Para chegar ao quilombo, era necessário passar pelo Morro do Alemão, Morros da Fé e Juramento, até chegar ao Morro da Serrinha, onde ficava situado.

Crescendo em números, após a abolição da escravidão, o quilombo se tornou uma comunidade formalmente livre. Antes de virar favela, a Vila Cruzeiro era reconhecida como Quilombo da Penha. A comunidade contribuiu de forma significativa para a difusão do samba e do Carnaval. Como a primeira rádio só veio a ser criada em 1923, até então a Festa da Penha foi precursora das folias que atualmente caracterizam os festejos carnavalescos. O fato do primeiro samba gravado na história do Brasil – “Pelo telefone” – composto por Donga ter sido concretizado em uma dessas festas confirma a importância da comunidade na consolidação e popularização do gênero no país.

Com terras muitos férteis, excelentes para o plantio, fortes e ricas em produtividade, lagos artificiais, fartura de peixes de água doce, animais silvestres, nascentes de águas cristalinas que brotam das margens das rochas da Pedreira até hoje, o local atraiu outros povos. Em meados dos anos 60, nordestinos e portugueses desenvolveram o comércio local, conhecido anteriormente como “Bar Dourado”. Obra de um português chamado José Manoel Dourado, que implantou uma quitanda que hoje é conhecida como “mercearia”.

Com o crescimento populacional, nessa mesma época o manguezal que se estendia da Lobo Júnior até o mercado São Sebastião sofreu sucessivos aterros. Hoje essa região praieira da Penha pertence à Marinha do Brasil. O porto da Praia da Moreninha e a comunidade de pescadores ficou conhecido como favela Kelson’s, pertencente à Penha Circular. Alguns moradores antigos ainda sobrevivem do pescado.

Pouco a pouco, a comunidade foi atingindo as dimensões que apresenta na atualidade. Porém, muitos mitos e personalidades importantes não foram esquecidos. Os mestres Touro e Dentinho, que foram os primeiros a levar a capoeira para fora do Brasil, são alguns desses exemplos. Fortemente influenciada pela cultura africana, a capoeira foi desenvolvida e aperfeiçoada no Brasil. As famosas rodas de capoeira dos mestres Dentinho e Touro, que também eram irmãos, foram muito perseguidas pelas autoridades locais.

Foi nesse contexto que apareceu um certo Madame Satã, que se refugiava nessas rodas, pelo fato de também ser perseguido por ser homossexual e por se envolver em eventuais confusões. Madame Satã tinha uma profunda admiração pelo mestre Dentinho. Mestre Dentinho faleceu em 2011, aos 65 anos, vítima de um AVC, e se tornou um símbolo de cultura da Penha. Hoje, a capoeira, juntamente com o samba, são considerados patrimônios culturais brasileiros. Os mestres Touro e Dentinho têm uma parcela neste feito.

A cultura no Complexo da Penha não é só representada pela capoeira e pelo samba. A Folia de Reis predominava nas festas juninas. Na comunidade Merendiba, o xodó da amada e a caipira da tia Helena são tradicionais. Também tinha a maior fogueira do bairro do Grotão. A fogueira do Sr. Ananias, ou Cachimbinho, como era conhecida. As brasas ficavam acesas por mais de quatro dias.

Foi no Campo do Ordem e Progresso que Adriano Leite Ribeiro fez os seus primeiros gols. Adriano Imperador representou o Brasil em competições internacionais e foi fundamental na Copa América de 2004, e das Confederações em 2005, sendo artilheiro em ambos os torneios, e garantindo o Brasil na Copa do Mundo de 2006. Em 2009, a revista Época o elegeu como um dos brasileiros mais influentes do mundo.

O nome “Complexo da Penha” surgiu equivocadamente em 2010, quando houve a ocupação pelos militares na Vila Cruzeiro. A mídia chamou a região erroneamente de “Complexo da Penha”, comunidade que já era conhecida como Vila Cruzeiro.

Colaboração de Zen Ferreira

07
Mar22

tumtum

Talis Andrade

 
 

se tem um bagulho que não muda as violência do garrincha pra elza é eles terem morrido no mesmo dia. minha mãe diz que isso rola quando quem foi primeiro vem pra buscar

22
Jan22

Elza: a voz profunda do Brasil que se foi (vídeo)

Talis Andrade

www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

por Antonio Helio Junqueira

A voz do Brasil, a voz do Milênio, a voz do Planeta Fome, a voz das mulheres negras, a voz dos pobres e dos desvalidos desses tristes trópicos, a voz das pessoas de boa vontade que denunciam e lutam contra as injustiças e inequidades sociais, a nossa voz… A voz que canta uma linda canção, a voz que canta nessa escuridão…. Quantas vozes pode ter uma única mulher?

Elza Soares nos deixou na tarde de ontem, quinta-feira, 20 de janeiro, não por acaso ou mera coincidência, na mesma marca do calendário em que se deu, há 39 anos, a morte do seu (e nosso) grande amor, Mané Garrincha, falecido em 20 de janeiro de 1983. Aí tem…. Tem fé, tem garra, vontade de superar tudo e de finalmente poder repousar de tanta guerra nos braços e abraços de um verdadeiro amor.

A gente não queria que ela fosse…a gente, talvez mais do que nunca, precisava dela, de seu topete, de sua espinha dorsal inquebrantável, de sua inquietude, da sua louca vontade de viver…. Afinal, a vida tem ficado cada dia mais difícil, mais indócil, mais intolerante…mais dura de engolir. Precisamos de luz, luz, mais luz….

Mas, Elza precisava e merecia descansar, aos seus 91 bem-vividos anos, e no auge de sua glória. Vai, Elza…abrace e beije muito o Garrincha, por todos nós, que aqui ainda ficamos…. Temos certeza de que sua força, sua garra e determinação continuarão nos guiando, inspirando, animando…pelo menos aos mais bem-intencionados e justos de nós.

Falar da carreira, das músicas, dos discos, trajetória e sucessos de Elza, nesse momento, não é o que se faz mais necessário. Afinal, a maioria de nós teve, tem ou terá a presença dela atravessando seus dias, seu coração e o âmago de sua alma em algum momento.

Importa sim, dizermos de sua importância enquanto Voz…Voz assim mesmo, com maiúscula.

Voz pode ser um dom…. Voz pode ser resultado de treinos e lapidações, voz pode ser sorte, voz pode ser uma graça…Mas, dar a voz, não. Decididamente, não! Dar, doar a voz para o Outro, para o pobre, para o excluído, para o sem Voz, isso é amor…puro amor…amor que não se resigna, amor que luta, amor que espera…

Disse São Paulo apóstolo aos coríntios que ainda que nossa fala e nossa voz tivesse todos os dons, das profecias ao doce sabor da língua dos anjos…sem o amor, nenhum de nós, nada de nada seríamos…Elza disse aos corintianos e a todos nós que de pouco adiantaria uma linda, vibrante, potente e raríssima voz…sem o dar-se, pois, sem amor, sem doação, sem tomar o lugar de quem não pode falar, valemos muito, muito pouco…Por isso, Elza é imortal, Elza é a alma do Brasil desigual e profundo, Elza é raiz….Elza é um porvir …um possível.

Assumir e cantar, quantas e quantas vezes for necessário, as latas d’água na cabeça, as subidas e decidas do morro…os orgulhos dos guris favelados, marginalizados, desprivilegiados e condenados à própria sorte (ou morte)…Falar, denunciar abertamente a fome frente à qual são se deve deixar abater, mas, pelo contrário, reivindicar o direito à existência justa, humana, plena…Isso foi, isso é, isso sempre será Elza.

Levantar a cabeça e meter o dedo na cara da madame que tem preconceito de cor, valorizar e deleitar-se na língua própria e na cadência do autêntico samba…. Lutar pelo amor mais autêntico… Isso foi, isso é, isso sempre será Elza, a mulher do fim do mundo.

Elza sempre sonhou com as estrelas…, em morar naquelas luzes. Estrelas que ela via do morro da Vila Vintém. Agora ela foi para lá…como uma preta, pobre, favelada, como uma deusa, uma diva, uma mulher cheia de muitas mulheres, cada uma de uma cor, cada uma de uma força, cada uma de um lugar…mas todas, Elzas unidas pelo amor sincero que se dá e sem o qual nenhum de nós nunca nada será.

Que Elza viva em todas, todos e em cada um de nós!Image

 

22
Jan22

Adeus à deusa

Talis Andrade

por Lelê Teles

elza p.jpeg

 

Elza soou como ninguém, suou como ninguém zoou como ninguém.

O soar do timbre da voz de Elza, aliás, os soares, eram como uma digital acústica, uma marca única, genuína, original.

Oriunda do Planeta Fome, a menina regurgitava um grito de dor e fúria, numa ternura serena e trovejante, numa doçura repleta de inconformismo.

Porque Elza, era antes de tudo, uma inconformada.

Seu timbre, rasgante, luminoso como uma lâmina e cortante como uma espada, feria; porque o que ela cantava era pra doer.

Elza não cantava para ninar a Casa Grande.

Suou como muitas de suas manas, sofreu os dissabores do amor, sobreviveu à violência doméstica, foi mulher com voz e gritos num mundo que teima em sufocá-las.

Zuou como ninguém, na Itália, lembra Chico Buarque, encheu a rua de uma alegria algazarrante com seus filhos e agregados a jogar golzinho como se estivessem nas ruelas cariocas.

Seu mundo tava sempre consigo, enraizado.

Elza era atualíssima, por isso esteve sempre a encantar as gerações que lhe sucediam, sempre diva, sempre referenciada e reverenciada; entendeu o funk, o rap...

Prestou atenção no presente sem estar presa ao passado.

Embora soubesse que o seu passado sempre será um presente para a juventude que bebe na fonte rejuvenescente de sua arte.

Abraçou, no sentido de afago e afeto, todas as causas que traziam dores aos seus e às suas, bradou contra o racismo, a misoginia, a homo e a transfobia, era o eterno grito da fome.

E a fome das gentes não é só fome de comida.

O mundo soube da sua existência e da sua resistência.

Era a brasileira brasileiríssima.

Era não, Elza sempre será!

Inspiradora, Rainha, deusa, diva, exu...

Elza soará para sempre em nossas vidas.

Saravá!

Image

22
Jan22

Elza Soares morreu desejando que o Brasil recuperasse a dignidade e o respeito

Talis Andrade

elza roma.jpg

 

A rainha do samba Elza Soares, em um show nos anos 1970, em Roma. © AP/Gianni Foggia

 

A imensa sambista brasileira Elza Soares morreu nesta quinta-feira (20) em sua casa no Rio de Janeiro, anunciou sua assessoria. "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15h45 em sua casa no Rio de Janeiro, por causas naturais", informa o comunicado divulgado na conta do Instagram da cantora.

"Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora, eleita como a Voz do Milênio, teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, força e determinação", destaca o comunicado.

Em junho de 2020, poucos dias antes de completar seu aniversário de 90 anos, Elza Soares deu uma entrevista exclusiva à RFI. Ela falou sobre temas como o racismo, o passar do tempo, o Brasil e sobre ser mulher num mundo machista.

Questionada sobre o que aprendeu na vida e que gostaria de transmitir aos mais jovens – aos seus sobrinhos e netos –, ela respondeu: educação, respeito e dignidade, acrescentando que o Brasil também precisava disso.

Clique aqui para ler e ouvir a entrevista.www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

A imprensa brasileira se despede da artista com homenagens calorosas à "deusa de Padre Miguel" e recorda que ela morreu no mesmo dia do ex-jogador Manoel Garrincha, com quem teve um relacionamento por 17 anos. O craque do Botafogo também morreu no dia 20 de janeiro, mas quase 40 anos antes da musa, em 1983.

Com uma carreira eclética, que começou na década de 1960 e inclui mais de 30 álbuns, Elza Soares, uma diva negra de voz rouca e inconfundível, era considerada uma das maiores vozes da música brasileira.

A vida golpeou Elza Gomes da Conceição repetidas vezes, mas também fez dela um símbolo de resistência e coragem e, em seus últimos anos, uma figura de culto.

Filha de um operário e uma lavadeira, Elza nasceu em junho de 1930, no Rio de Janeiro, e cresceu na favela de Moça Bonita. Seu pai a obrigou a se casar aos 12 anos, e, um ano depois, nasceu seu primeiro filho. Com o primeiro marido, Elza teve sete filhos, mas os dois primeiros, prematuros e desnutridos, morreram muito pequenos. Ela confessou que chegou a roubar comida para alimentá-los. Aos 21 anos, já era viúva.

"A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e no dos milhares de fãs por todo o mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim", conclui o comunicado.

www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

22
Jan22

ELZA SOARES: a mulher que cantou até o fim

Talis Andrade

Foto de Elza Soares é estendida na escadaria do Theatro Municipal para o velório da cantora — Foto: Beth Santos/Prefeitura do Rio

Foto de Elza Soares é estendida na escadaria do Theatro Municipal para o velório da cantora — Foto: Beth Santos/Prefeitura do Rio

‘Vim do Planeta Fome’

Desde o começo, a música foi uma questão de sobrevivência para Elza Soares. Ela procurou o programa de calouros de Ary Barroso, em 1953, para ganhar dinheiro para cuidar de Carlinhos, seu terceiro filho, que estava doente. Ela já tinha perdido outros dois para a fome.

Logo na primeira interação, público e apresentador constrangeram aquela menina negra, magra e pequena. Ela estava no palco com uma roupa emprestada da mãe. Um vestido muito maior do que ela.

Quando Barroso perguntou “de que planeta você veio, menina?”, Elza foi certeira, potente e não abaixou a cabeça. Essas características se mantiveram firmes em sua personalidade até os 91 anos.

Do mesmo planeta que o senhor, Seu Ary. Do planeta fome

Elza saiu do palco com todos aplaudindo de pé tamanha a expressividade e potência da apresentação. “Nasce uma estrela”, bradou o apresentador.Era o começo de uma carreira de altos e baixos, pautada pelo suingue, ousadia, revolução, ativismo e, o mais importante, pela meta de cantar até o fim. Leia reportagem especial por Ruy Castro

 

09
Jan22

O Canto Livre de Nara

Talis Andrade

www.brasil247.com -

 

Por Miguel Paiva /Jornalistas pela Democracia

Confesso que fui um dos que achava que Nara Leão cantava mal, que era desafinada. Depois de um tempo refiz meu julgamento e passei a curtir a Nara como ela era. Forte, apesar de parecer frágil, potente, apesar de insegura e militante, apesar de vir da classe média de Copacabana. O documentário O Canto Livre de Nara, da Globoplay ajuda a entender esse fenômeno. Nele vemos, por exemplo, o quanto a Nara passou pelos diversos movimentos da nossa música. Começou antes da bossa-nova, mudou para o samba, inaugurou a MPB e acabou naquele lugar onde o que você cantar está legal. Além disso mostra um Rio meio mágico, moderno, vivendo uma era de crescimento, de afirmação democrática e de grande criatividade.

Na época em que criticava Nara ainda não havia desenvolvido em mim o chamado senso crítico alternativo. Era um purista que jamais aceitaria, por exemplo, Nara gravar Roberto e Erasmo num lindo disco. Mas que bom que isso acontece e passa. A Nara política do show opinião, do Zé Kéti, do João do Vale é a Nara que cabia perfeitamente nela, naquele momento da nossa história. Com isso ela desloca aquela classe média pequeno burguesa para a realidade das favelas e do interior do Brasil.

O documentário nos mostra uma Nara sempre avançada, sempre moderna e muita vezes segregada por conta disso. Ela não ligava muito, mas era evidente o que acontecia. A Nara do samba também me faz tentar entender o que houve com o Rio de Janeiro.

Naqueles anos 60 o Rio era a Zona Sul que dividia o espaço de cidade com o subúrbio e a zona norte. Isso incluía a Mangueira, as favelas e o resto da cidade de origem pobre que convivia com a dita cidade rica. O que acontecia de fato? Não tínhamos informação sobre a zona norte? A zona norte e as favelas faziam parte de um folclore que esses artistas fizeram existir? A grande imprensa filtrava as informações e só líamos sobre o lado bom de tudo.

Nara e o espetáculo Opinião, além de terem sido politicamente importantes, abriram uma espécie de Túnel Rebouças, antes mesmo do túnel em si, para o que acontecia do outro lado do Corcovado. E mais, abriu a estrada para o resto do Brasil, completamente ignorado pela burguesia dominante, seja ela autoritária e fechada com o regime militar, ou bem pensante, morando na zona sul e cantando João Gilberto.

Mas o que aconteceu com o Rio é o que mais me intriga. Essa divisão ficou mais acentuada justamente depois do regime militar. Os pobres foram recolocados nos seus lugares de origem e o país foi preparado para ser conduzido e saboreado pelos ricos.

As favelas já delimitavam essa diferença e passaram a ser, depois de conduzidas e estabelecidas bem longe da zona sul, como uma espécie de campo de concentração da classe trabalhadora. Mas a arte acabou sendo mais forte e quebrando essa barreira. O Rio meio que se entregou a esse comando miliciano, mas a arte resistiu nas favelas, nas escolas de samba e hoje nas periferias.

A internet instrumentalizada ajudou a divulgar e ao mesmo tempo demonizar o que vinha de lá. O funk é o retrato de um Brasil pobre e orgulhoso. O samba resiste sempre ameaçado pela institucionalização e a nossa história vai sendo contada, e ainda bem, para que possamos ter na memória o que de fato aconteceu.

Numa época que o documentário Get Back sobre os Beatles vira fenômeno de audiência e nos ajudar e recompor essa memória, assistir O Canto Livre de Nara também ajuda. Eu, na época me aventurando com meu amigo e parceiro Zé Rodrix na carreira de compositor, fiquei extremamente feliz ao saber que uma versão que havíamos feito para um sucesso dos irmãos Gerswhin, Someone to Watch Over me, seria gravado por Nara no que acabou sendo seu último disco, My Foolish Heart, onde ela só cantava versões para grandes sucessos americanos. Eu e Zé estamos lá com “Alguém que Olhe Por Mim”. Muita alegria que até hoje me emociona.

22
Dez21

NOEL EM DEZEMBRO

Talis Andrade

 

por Urariano Mota /Vermelho

- - -

Em todo o mundo, quem abriu o google em 11 de dezembro de 2019,  encontrou um desenho que chamam de doodle. Nele se achava um indivíduo de chapéu e violão em um bar. Com um clique na figura, abria-se o espaço para Noel Rosa com 64 milhões de resultados. Era uma homenagem para o dia do seu nascimento, em 11 de dezembro de 1910. Então, como fugir ao  irrecusável convite desse dia? Por isso a um artigo anterior retorno.

Publiquei uma vez que maio deveria ser o mês mais triste para os brasileiros. Pois quem daria mais por um artista feito no rigor da arte, sem introdução e sem segunda parte, que expressasse três terços de todo brasileiro?  Porque eu queria simplesmente dizer: maio deveria ser o mais triste dos meses, porque nesse mês faleceu Noel Rosa. E ninguém mais notava. E ninguém dava mais por isso, ninguém dava mais um mil réis por isso, o que era um cômico que zomba, porque Noel foi e é o maior compositor da música popular brasileira.

Pela décima vez

Jurei não mais amar

Pela décima vez

Jurei não perdoar

O que ela me fez

O costume é a força

Que fala mais alto

Do que a natureza

E nos faz dar prova de fraqueza.....

Ou porque

Gago apaixonado

Mu-mu-mu mulher

Em mim fi...fizeste um estrago

Eu de nervoso

Estou fi-fi... ficando gago...

Se ainda não consegui me fazer entender, procurarei ser mais claro: Noel é um compositor tão rico quanto a vida, e quanto mais a gente procura apanhá-lo, pegá-lo, nem que seja para um riscado de caricatura, mais ele nos foge, escapole, por entre os dedos. Ele fica a sorrir de nossa vã pretensão. Por onde tentemos pegar Noel, ele se furta à nossa frente. Vejam por quê. Se tentamos agarrá-lo pelos dados biográficos, a nossa tendência é situá-lo como o personagem ideal de um dramalhão de circo.

Ao nascer, foi arrancado a fórceps, o que lhe afundou o maxilar inferior e lhe deixou paralisado o lado direito do rosto. Esse foi um defeito que se tornou pior ao longo dos anos, porque se agravou depois de duas cirurgias. Na escola, a crueldade das outras crianças o apelidou de “Queixinho”. Isso ocorreu até o dia em que descobriu o bandolim: “A menina do lado cravava em mim uns olhos rasgados de assombro. Então eu me sentia completamente importante. Ao bandolim confiava, sem reservas, os meus desencantos e sonhos de garoto que começava a espiar a vida”. Naturalmente, o escudo do bandolim, e do violão depois, era pouco. Quando o queriam elevar, além do plano puramente físico, diziam que apesar de feio, baixinho e magro, a sua inteligência e sambas conquistavam mulheres. Se alguma vez ouviu semelhante elevação, Noel deve ter sorrido com amargura. Porque

Dama do cabaré

Foi num cabaré da Lapa, que eu conheci você

Fumando cigarro, entornando champanha no seu soirée

Dançamos um samba, trocamos um tango por uma palestra

Só saímos de lá meia hora depois de descer a orquestra.

 

Em frente à porta um bom carro nos esperava

Mas você se despediu e foi pra casa a pé

No outro dia lá nos Arcos eu andava

À procura da dama do cabaré

 

Eu não sei bem se chorei no momento em que lia

A carta que recebi, não me lembro de quem

Você nela me dizia que quem é da boemia

Usa e abusa de diplomacia, mas não gosta de ninguém.

O compositor carioca Noel Rosa (1910-1937) 

 

Pois sim. Em outra elevação se diz que Noel transformava a sua vida em samba. Coisa que consola. Nós, como todo filisteu, como todo bom pequeno-burguês, adoramos um artista sofrido, machucado, que cante para nós a sua dor. (Em sua biografia, há uma foto de mulher, há uma foto de uma feiticeira, há uma foto da Dama do Cabaré que deve ter tantalizado Noel. Imaginamos o que ela escreveu no verso da própria imagem, se alguma vez deixou para Noel alguma foto: “Como prova de amizade, Ceci”. De amizade... Amizade para quem ama ) Então se diz que ele transformava a vida em samba, mas se esquece que nos intervalos da arte Noel evitava comer, simples comer à mesa, na frente dos admiradores. O queixo danificado mortificava-o, o seu mastigar era um espetáculo de animal de zoo. E por isso nas noites em claro, de brutas farras, alimentava-se apenas de caldos, de comidas leves, e comia mais cigarros, muitos e muitos cigarros, que deviam torná-lo um homem, acreditava-se então, de aparência bonita. Ele, que já havia sido chamado, num duelo de sambas, de O Frankestein da Vila. Mas com um cigarro permanentemente nos lábios até um monstro se recompunha, naqueles idos mal vividos. Acreditava-se. Não riam, porque dessa dieta alimentar, estilo de vida e hábito sobrevieram ao nobre artista: febre, hemoptise, pulmões podres. Um gênio arrebentado em plena criação e juventude. Que se foi, aos 26 anos, em 4 de maio de 1937.

Meio trágico, não? Pois sim, esse mesmo Noel que foi chamado de Frankestein pelo sambista Wilson Batista num momento de raiva (e como são sinceros esses momentos de raiva!), esse mesmo Noel tuberculoso, raquítico, é o homem que diz em uma entrevista à revista O Cruzeiro, ao lhe ser perguntado que relação existiria entre o amor e a música:

“Romeu e Julieta morreram ignorando essa relação. Acho, porém, que a relação seja a mesma que existe entre a casca de banana e o tombo, num escorregão”.

É esse homem que tosse e escarra sangue o mesmo humorista que numa madrugada, ao nascer o dia, é reconhecido por amigos músicos que voltavam de automóvel, de uma festa. Conta-se que seu perfil, em um poste à espera do bonde, se destacava pela negação: terno branco à procura de um corpo, rosto que descia à procura de um queixo. Então os amigos param o carro e mandam-no embarcar. Ele entra e vai pedindo:

- Me sirvam um conhaque.

- Por que isso, Noel?

- Por quê?! Eu estava esperando um bar, quando vocês passaram.

 

Ele é o mesmo homem que à sua magreza de doente assim se referiu:

Tarzan, o filho do alfaiate

Quem foi que disse que eu era forte?

Nunca pratiquei esporte

Nem conheço futebol

O meu parceiro sempre foi o travesseiro

E eu passo o ano inteiro

Sem ver um raio de sol

A minha força bruta reside

Em um clássico cabide

Já cansado de sofrer

Minha armadura é de casimira dura

Que me dá musculatura

Mas que pesa e faz doer

 

Eu poso pros fotógrafos

E distribuo autógrafos

A todas as pequenas lá da praia de manhã

Um argentino disse

Me vendo em Copacabana

No hay fuerza sobre-humana

Que detenga este Tarzan!

 

De lutas não entendo abacate

Pois o meu grande alfaiate

Não faz roupa pra brigar

Sou incapaz de machucar uma formiga

Não há homem que consiga

Nos meus músculos pegar

Cheguei até a ser contratado

Pra subir em um tablado

Pra vencer um campeão

Mas a empresa pra evitar assassinato

Rasgou logo o meu contrato

Quando me viu sem roupão.

No entanto, se tentamos apanhar Noel a partir da maioria de suas letras, que diríamos, sem erro, quase sublimes, no limite da oração, da queixa de um homem a Deus,

Último desejo

Nosso amor que eu não esqueço

E que teve o seu começo

Numa festa de São João

Morre hoje sem foguete

Sem retrato e sem bilhete

Sem luar, sem violão

Perto de você me calo

Tudo penso e nada falo

Tenho medo de chorar

Nunca mais quero o seu beijo

Mas meu último desejo

Você não pode negar

 

Se alguma pessoa amiga

Pedir que você lhe diga

Se você me quer ou não,

Diga que você me adora

Que você lamenta e chora

A nossa separação.

Às pessoas que eu detesto

Diga sempre que eu não presto

Que meu lar é o botequim

Que eu arruinei sua vida

Que eu não mereço a comida

Que você pagou pra mim

Diante de uma letra assim, diante de uma melodia que não podemos expressar em palavras de prosa, diante da expressão de tal sentimento, sempre novo, tão vivo e primordial que nos faz penetrar um cheiro de sal e mar pelo nariz, diríamos, que dor, que felicidade trágica na expressão! A impressão que Noel nos deixa, em seus versos mais cruéis, é que ele compõe epitáfios. Mas ele não compõe como um indivíduo póstumo. Devíamos dizer com mais precisão que ele pinta e canta enternecedores testamentos. O dicionário dirá que testamento é um “ato personalíssimo, unilateral, gratuito, solene e revogável, pelo qual alguém, com observância da lei, dispõe de seu patrimônio, total ou parcialmente, para depois de sua morte”. Ora, unilaterais, solenes e limitados por vezes são os dicionários! Último Desejo é uma expressão de última vontade bem ambígua. Para as pessoas amigas, a mulher deverá dizer que o adora, e lamenta e chora a separação. Mas para os inimigos ela deverá dizer que o seu lar foi um botequim, que ele arruinou a sua vida, e que é indigno do pão que ela pagou para ele. E cabem aqui duas observações. A primeira delas é que na canção o patrimônio do poeta se faz em torno de coisas, como diríamos, intangíveis: bares que jamais possuiu, álcool bebido e sumido, amor que se foi, se alguma vez houve. Visto de um modo mais geral, as letras de Noel sempre exibem uma miséria material que não atinge o seu espírito. A miséria de bens tangíveis, materiais, não atinge a miséria humana. A outra observação fala da ambiguidade dos seus rompimentos amorosos. Ações típicas de quem rompe pelo afastamento físico, mas não rompe no sentimento:

Jurei não mais amar

Pela décima vez

Jurei não perdoar

O que ela me fez...

E nesta altura acrescentamos, ou melhor, o gênio de Noel acrescenta um precioso dado: em uma linha de um verso ele exprime uma vivência, uma observação fina. Por exemplo, quando ele compõe em Dama do Cabaré o verso “Você nela me dizia que quem é da boemia”, ele nos diz, para todos que já passamos noites e mais noites a beber: a gente dessas noitadas, pelo estilo de vida ou por vício, é leviana, dispersa, mentirosa, tão egoísta por fim quanto animais mimados, e por isto, “não gosta de ninguém”. Ele é capaz de em linhas de versos impor uma reflexão que causa espanto aos preconceitos que acham alturas somente na tradição acadêmica, nas glórias institucionalizadas. Em dúvida?

“O costume é a força

Que fala mais alto

Do que a natureza”

Ou

“Quem acha vive se perdendo” ou

“Não posso mudar minha massa de sangue”, para dizer que é suburbano, do lado marginalizado, por vocação, gosto, alma e destino.

Não tenho exata certeza se a partir de Noel, mas com certeza ele é um dos responsáveis pelo destaque, pela individualização da letra na canção do Brasil. Com ele ganha corpo autônomo uma letra que só existia tão só e somente na música. Aquele fenômeno destacado por Hesse num conto, quando observa: “Era surpreendente constatar como um verso cantado soava completamente distinto do lido ou recitado. Na leitura, um verso era um todo, tinha um sentido, constava de frases. No canto constava só de palavras, não havia frases, não havia sentido; mas em troca as palavras soltas cantadas, arrastadas, adquiriam uma estranha vida independente, às vezes eram até sílabas, em si totalmente carentes de sentido, que se tornavam independentes no canto e ganhavam uma imagem”. Se isso é verdade na canção em geral, e mais particularmente no canto religioso, em Noel ganha outro sentido. A sua letra é capaz de nos elevar a um sentimento de beleza, mesmo que não conheçamos a sua melodia. Os estrangeiros, os não-brasileiros, que não têm a felicidade de conhecer a música de Noel, poderão com mais justiça dizer se há razão no que digo. Leiam isto:

Três apitos

Quando o apito

Da fábrica de tecidos

Vem ferir os meus ouvidos

Eu me lembro de você.

Mas você anda

Sem dúvida bem zangada

Ou está interessada

Em fingir que não me vê

 

Você que atende ao apito

De uma chaminé de barro

Por que não atende ao grito tão aflito

Da buzina do meu carro?

 

Você no inverno

Sem meias vai pro trabalho

Não faz fé com agasalho

Nem no frio você crê

Mas você é mesmo

Artigo que não se imita

Quando a fábrica apita

Faz reclame de você

 

Nos meus olhos você lê

Como sofro cruelmente

Com ciúmes do gerente impertinente

Que dá ordens a você

 

Sou do sereno

Poeta muito soturno

Vou virar guarda-noturno

E você sabe por quê.

Mas você não sabe

Que enquanto você faz pano

Faço junto do piano

Estes versos pra você.

Será que foi possível sentir, somente com a letra, somente no silêncio, o perfume dessa delicada flor? No romance Os Corações Futuristas essa composição fala: “Cai um silêncio, a agulha fica raspando. Até o ponto em que Canhoto se levanta e põe Três Apitos, de Noel. Isso dói no peito e faz aumentar a sede. O uísque jorra, parece. Os copos com gelo ficam a meio, com aquele uísque safado, estragado, distribuído com uma fraternidade que a comunhão da santa hóstia da santa missa jamais conseguiu. Bebem, calados, amando a vida amarga e ruim. ‘Com ciúmes do gerente impertinente que dá ordens a você’ ...”.

O X do problema em Noel é que ele é um compositor popular com um pensamento, uma reflexão, que passa por cima de toda folclorização, de todo exotismo. Ele responde insofismável à superioridade com que a gente culta, educada, trata os estranhos a seu meio. E não se diga por favor que Noel é um homem educado porque estudou Medicina, como se esse curso desse educação estética e humana a alguém. Não se fale tal bobagem, ainda que se aceite essa ilusão, porque Noel apenas começou Medicina, uma quase humanidade de anatomia. Nem se diga que ele viveu e transitou em meios mais sofisticados: se por esses ambientes passou, ele gostava mais e era querido nos ambientes marginalizados, dos malandros, e da negrada. (Há um depoimento de Dona Zica, de Cartola, sobre isso, da sua amizade e porres com Cartola, acordando no morro.) Talvez com mais propriedade se diga que tendo todos os motivos para escrever os versos mais tristes, e tão-somente estes, ele não só os escreveu, como da tristeza e desgraça zombou. Ele, à sua maneira, bem fez o que recomendava Sartre: “Na vida importa mais o que fazemos do que nos fazem”.

Com Noel, o X do problema, que se não o resolve, pelo menos o escreve, é que ele é um artista de excepcional talento, diria, até, e nos perdoem o capricho livresco: Noel é um artista total, aquele artista que todos sonhamos, ou deliramos em noites de febre e loucura, algum dia numa felicidade ou maldição ser. Ele é trágico, satírico, lírico, humano, cômico, alto, verdadeiro.

No dia 5 de maio de 1937, um jornal do Rio pôs em manchete: “A morte prematura de Noel Rosa”. Hoje percebemos melhor que o mais prematuro da morte, aos 26 anos de idade, foi a sua vida entre os brasileiros. Pior: o Brasil, nesta descida de ladeira que se aprofunda, não sabe o que fazer diante da  humanidade de Noel. O seu patrimônio imaterial, que não havia sido sequer assimilado, recebe um perseguidor da cultura na presidência da república. Menos mal que depois  de 109 anos ele receba homenagem do google. O que não deixa de ter lá sua ironia. Tudo que é virtual é de Noel Rosa.

 

04
Nov21

O que é racismo estrutural?

Talis Andrade

calos latuff consciencia negra.jpg

 

 

Entenda o termo e como combater o problema na prática

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub