Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

03
Jul22

A ameaça da reeleição

Talis Andrade

bolsonaro caneta arma.jpg

 

Bolsonaro escancarou o uso do “poder da caneta”

 
por Gustavo Krause
- - -
No Brasil, a experiência da reeleição foi um erro. O Presidente Fernando Henrique reconheceu num gesto de grandeza humana e política. O que se imaginava uma avaliação democrática de aprovação ou desaprovação da gestão governamental, permitiu “fazer o diabo quando é a hora da eleição”, expressão sincera da Presidente Dilma Rousseff.
 

E quando é a “hora da eleição”? Está fixada no calendário eleitoral, mas começa exatamente no dia da posse do candidato(a) eleito(a), o(a) incumbente, que tem a força do “poder da caneta” e estimula o apetite insaciável por mais poder: todos passam a pensar na próxima eleição e a próxima geração que se vire a seu tempo.

Bolsonaro escancarou o uso da “caneta”. Por quê? Porque as eleições de 2018 foram, na expressão de Sergio Abranches, “disruptiva”, ou seja, rompeu com todos os padrões tradicionais e fatores capazes de explicar o êxito eleitoral de um candidato sem estrutura partidária, recursos financeiros e, apenas, 8 segundos de tempo no horário eleitoral.

Um fenômeno. Fez o percurso eleitoral sem debates e vitimizado por um grave atentado. Cresceu eleitoralmente. Venceu as eleições com ideias ancoradas no posto “Ipiranga”, supostamente, liberais. Mas não chegou a ser um enigma. A cada dia, emitia os sinais de que o discurso antipolítico, moralista, era uma cortina de fumaça para encobrir a absoluta inapetência para governar e, muito menos, para enfrentar os problemas globais decorrentes da pandemia e da emergência climática.

O Palácio do Planalto é uma fábrica de crise. Instituições sob suspeitas. Violências e ódios vicejam numa sociedade partida, como se a crise fosse a própria essência do governante inspirado no que os ideólogos dos extremismos denominam política da eternidade.

Na era digital, o uso intensivo das redes sociais, decisivas na eleição de 2018, é o mecanismo eficaz para a adesão irracional das mensagens e o meio mais rápido no alcance da mentira do que na disseminação da verdade. É o território adequado para o funcionamento das autocracias.

O ambiente eleitoral é ameaçador. O que deveria ser um momento de vigor democrático e renovação da esperança é a arena radicalizada entre “nós” e “eles”. Não é um preâmbulo saudável para a pacificação dos exaltados.

A propósito, o professor da Universidade de Yale, Timothy Snyder, estudioso das autocracias, criou e definiu o “sadopopulismo como políticas implementadas que prejudicam as pessoas… é sadismo, a administração deliberada da dor”.

Espero que o voto seja a vacina contra esta cepa do populismo.

Está faltando tinta na Bic do Bolsonaro | Ruth de Aquino - O Globo

Bolsonaro disputa maratona de insensatez com ele próprio, aponta Folha -  Brasil 247

Caneta-Vermelha-Meme lula.jpg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub