Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

10
Ago23

O mundo ferve

Talis Andrade

 

 

por Gustavo Krause

A COP 27 – CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS (UNFCCC, sigla em inglês), realizada no Egito, em novembro de 2022, para enfrentar impactos e estabelecer estratégias sobre a questão climática, foi ratificada por 198 países e territórios.

Naquela ocasião, Antônio Guterres, Secretário-Geral da ONU, advertiu: “Estamos no caminho para o inferno climático. O tema do encontro “perdas e danos” não pode ser varrido para debaixo do tapete. É imperativo moral. É uma questão fundamental de solidariedade internacional e de justiça climática – e acrescentou – os que menos contribuem para a crise estão colhendo a desordem semeada por outros”.

Recentemente, 27 de julho do ano corrente, Guterres foi mais enfático: “O ar é irrespirável. Uma onda de calor avassaladora. A surpresa é a velocidade da mudança. O mundo passou do aquecimento para a era de ebulição”. E concluiu, cobrando “ações radicais e imediatas”.

Não faltaram vozes negacionistas, acusando os que assim pensam de “ecoterroristas”. Este alinhamento ideológico tem uma espessa venda nos olhos e uma couraça resistente dos adeptos ao fenômeno que mata a varejo, os mais vulneráveis, e pode assassinar por atacado os habitantes do planeta.

Esta conjuntura me traz à memória um fato doloroso. Em 1975, o Recife sofreu a maior e mais letal enchente dos rios Capibaribe e Beberibe. Mais de uma centena de vítimas fatais e uma devastação urbana na periferia, áreas ribeirinha e em bairros de todos os segmentos sociais.

Incontinenti (na época era Secretário da Fazenda), o Governador organizou um gabinete de crise para enfrentar as questões emergentes e iniciou gestões com o Governo Federal para adotar medidas estruturais a exemplo de barragens de contenção e obras que protegeram a cidade de recorrentes tragédias.

Diante do panorama desolador, me veio à lembrança a frase de duvidosa autoria e alvo certeiro: “Deus perdoa sempre, o homem, às vezes, a natureza, jamais”. Cidade anfíbia, Recife é “Metade roubada ao mar/ Metade à imaginação/ Pois é do sonho dos homens/que uma cidade se inventa” (Carlos Pena Filho). A Natureza perdoa a cidade poética, mas cobra um preço alto pelo valor da água.

Em dimensão planetária, “A terra dá, a terra quer” é o título de um precioso livro de autoria de Antonio Bispo dos Santos (Ubu Editora, 2023) ou, simplesmente, Nego Bispo, um semeador de palavras com a força e a longevidade do Jequitibá-Rosa, a beleza das orquídeas e a sabedoria da terra fértil onde brotam ideias que atravessam o tempo.

O Nego Bispo, nascido em 1959 no vale do rio Berlenga, formou-se na autêntica Universidade dos saberes de mestres e mestras do Quilombo Saco Cortume, município de São João do Piauí. Escritor, ensaísta, poeta da escrita e da sagrada oralidade que defende ideias com a força do ativismo da cosmofobia revolucionária, que cria e recria um mundo com a arma das palavras e dos “conceitos”, uma “guerra de denominações” que contraria o colonialismo acadêmico.

Mas, Bispo é de Paz. Se o “inimigo” adora dizer desenvolvimento, ele contrapõe a palavra boa envolvimento; se agrega sustentável, ele oferece biointeração; para o saber sintético, saber orgânico; transporte chama transfluência; transforma mentes porque nela joga uma cuia de sementes; e o dinheiro e a troca? Nego Bispo não hesita em responder compartilhamento.

Com 18 anos, foi para a cidade. É o contrário da mata. É um território artificializado, humanizado: onde as pessoas têm medo de gente. Voltou para o mundo que foi seu berço para pensar e viver um modo de vida no seu “cosmos”, o quilombo e assim se define: “Eu não sou humano, sou quilombola. Sou lavrador, pescador, sou um ente do cosmos [...] somos povos de trajetória, não somos povos da teoria. Somos da circularidade: começo, meio e começo. As nossas vidas não têm fim. A geração avó é o começo, a geração mãe é o meio e a geração neta é o começo de novo”. 

03
Mai18

Jussara Salazar FIA AO REVÉS: DA NASCENTE DO CAPIBARIBE NO SÍTIO ARAÇÁ

Talis Andrade

ao rio das capivaras

 

Jussara salazar olga suvorova.jpg

 com tema de olga suvorova

 

 

 


______oh santa rosa de todos os dias
as tuas paredes
teu chão de histórias e brisas
de folhas e da ferrugem dos barcos
os barcos todos que passam por teu horizonte
[e teu cais roçando leve
o cascalho das águas]
as tuas marcas
a tua pátina
e as vozes do tempo


______oh santa fia que costura a terra ao mar
teus mistérios gozosos
teus mistérios dolorosos
teus mistérios gloriosos
teus mistérios luminosos
teu cais hoje dilacerado
teu rosário antes de pretos e putas
cortado por ruas e estrelas
teu signo de salomão
tuas cinco pontas
tua linha de pedras árabes mouras
todas as linhas de teu horizonte
tapúia minha tapúia, tapúia de canindé


______oh santa dos homens e das mulheres
dos trens carregados de sementes negras
derramando seus unguentos
espalhando o ouro negro de teu melaço
escuta o lamento e as loas
e no teu próximo pôr-do-sol derramai versos
sobre o chão de pedras e mato
pois não queremos te deixar
quem tem dá?
areia no mar
e esse povo que tanto chora
é pankará que vai embora

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub