Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

21
Jun21

Aumento de ataques a jornalistas acende alerta sobre estratégia de segurança

Talis Andrade

Repórter da CNN atacado por bolsonaristas honra o jornalismoJornalista da CNN Brasil é expulso de aglomeração bolsonarista aos gritos  de "CNN lixo"Pedro Duran (@pedromeletti) | Twitter

 

por Vanessa da Rocha /Objethos

- - -

Era um dia normal na rotina do repórter Pedro Duran, da CNN Brasil. Na pauta, a cobertura de um ato pró-Bolsonaro, no sábado, 22 de maio. Coberturas de manifestações sempre exigem cautela, mas a CNN Brasil não costuma estar no rol dos veículos de imprensa que são alvo de ataques do presidente, então a possibilidade de ser hostilizado não estava no horizonte. Só que na contramão das probabilidades, um grupo cercou o jornalista. As vozes gritavam “lixo” em coro contra o repórter, que foi escoltado pela PM até o carro.

Os ataques aos jornalistas em manifestações são reincidentes e independem se o movimento é de esquerda ou de direita. Não é de hoje que manifestantes atacam os mensageiros. Nos protestos de 2013, levantamento da Abraji mostra o registro de pelo menos 171 casos de violações cometidas contra profissionais da imprensa que cobriam os atos nas ruas do país. Além dos ataques direcionados, há o risco da cobertura quando ocorrem conflitos entre manifestantes e polícia. Os operadores da mídia, concentrados na apuração ou no registro de imagens ficam vulneráveis. 

É sabido que no Governo Bolsonaro esses episódios aumentaram. Relatório da Fenaj mostra aumento de 105,7% em 2020 em relação a 2019 e, em 2021, o Brasil entrou para a lista vermelha da liberdade de imprensa pela primeira vez (e esperamos que seja a última!), no levantamento da ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), que contabilizou 580 ataques à imprensa no ano passado. 

Em quase todas as semanas, entidades que defendem o Jornalismo publicam notas repudiando as agressões a jornalistas, enquanto as instituições públicas silenciam. O ideal seria que o Palácio do Planalto se manifestasse e repudiasse os atos de violência e agisse pela defesa do trabalho da imprensa, além de elaborar políticas públicas para a segurança profissional, mas estamos muito longe do “mundo ideal”. Infelizmente, o presidente Jair Bolsonaro acaba incentivando esse tipo de conduta ao instigar o ódio contra a imprensa. 

Feito esse breve resumo do panorama dos ataques, é necessário registrar que há algo que é pouco falado dentro da temática que envolve a labuta diária do repórter: como o jornalista deve agir quando é alvo de ataques assim, na rua, de surpresa, enquanto exerce o ofício de reportar. O assunto é delicado, pois o que se espera é que os ataques não ocorram e não se deve naturalizar esses comportamentos. No entanto, diante do crescimento do número e intensidade dos episódios de hostilização, é necessário estabelecer parâmetros para o profissional ter como guia.

As ruas são inseguras e trazem desafios diários ao repórter. Os xingamentos e tentativas de intimidação fazem parte da rotina e não há um manual definitivo sobre como lidar com isso. A maioria dos guias versam sobre comportamento profissional voltado para protestos e conflitos armados. Nesses casos, os manuais do Brasil e do Exterior demonstram consenso de que a segurança fica em primeiro lugar. O jornalista deve mensurar os riscos previamente, levar equipamentos de proteção, fazer leitura do local e se posicionar de forma segura, geralmente nas laterais, nunca no centro do conflito. Há a possibilidade do jornalista ir com identificação do veículo ou ir com roupa neutra e se infiltrar. A definição de onde se posicionar depende das características do protesto e geográficas. Cada local e situação demandam decisões específicas.

Bem, e como se comportar diante de xingamentos? É adequado o jornalista revidar? Em geral, não. Isso infla os ânimos e pode fazer o conflito evoluir para uma discussão e violência física. Por mais injusto e desproporcional que sejam os ataques, o ideal é que o jornalista assuma uma posição profissional de neutralidade. A conduta do repórter da CNN diante do ataque é um exemplo. Ele se manteve calmo, não revidou e buscou fazer o registro dos ataques através do celular, como forma de proteção. Só que nem sempre o jornalista sabe se irá manter o controle emocional diante de uma agressão inesperada na rua. É por isso que é importante que ocorra treinamento e capacitação. Saber reagir a xingamentos faz parte de uma estratégia de segurança profissional.

Ainda faltam balizadores de comportamento nessas situações, mas eles serão necessários diante do crescente nível de intolerância. 

No Manual de Segurança para Cobertura de Protestos da Abraji, há algumas instruções sobre comportamento para casos de agressões. Se o jornalista ou equipamento profissional for atingido, o que é comum nesses ataques, o jornalista deve demonstrar a inconformidade com o ocorrido, mas de forma calma. A discussão deve ficar no campo profissional com a explicação de que o ataque representa uma violação à atividade de imprensa. Em determinadas situações, o silêncio é a melhor resposta. O jornalista deve observar a linguagem corporal e estudar como reagir. O foco não deve ser revidar os insultos e sim em sair da situação que é considerada atípica. 

Vivemos tempos sombrios no Jornalismo com o crescente número de episódios de hostilização de profissionais da imprensa. Impedir o exercício do jornalismo é atentar contra a liberdade de expressão. 

A crítica ao exercício profissional é valiosa para o aprimoramento da atividade jornalística, no entanto, ela deve ser realizada de forma técnica. Mas o que se vê são tribunais odiosos da internet que promovem falta de entendimento geral do papel do repórter e se espraiam pelas ruas – o que culmina em situações de risco para jornalistas. Enquanto esse cenário não é revertido, jornalistas devem se unir aos colegas e entidades para publicizar o repúdio a essas situações, além de trabalhar pelo aprimoramento e capacitação profissional para a elaboração e consolidação de uma estratégia de segurança dos profissionais da imprensa.

 

20
Out20

Repórteres sem Fronteiras denuncia censura indireta no Brasil

Talis Andrade

Maju-coutinho.jpg

 

 

ONG que defende liberdade de imprensa aponta que Bolsonaro continua a promover ataques a repórteres e dificultar trabalho de veículos críticos. Relatório destaca assédio judicial contra jornalistas e ingerência na EBC.

 

DW - O governo de Jair Bolsonaro vem operando uma série de mecanismos de censura indireta ao livre exercício do jornalismo. As táticas incluem intimidação, desinformação, restrição de acesso a dados governamentais, politização de órgãos oficiais de comunicação. A conclusão consta no novo relatório trimestral da ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), divulgado nesta terça-feira (20/10).

Segundo a ONG, Bolsonaro e sua família continuam a distribuir ataques contra jornalistas e a imprensa. Nos últimos três meses, o presidente e sua família foram responsáveis por pelo menos 105 ataques.

A RSF cita entre os ataques o episódio registrado em agosto em que Bolsonaro reagiu agressivamente a um repórter do jornal O Globo que perguntou sobre os depósitos de Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama, Michelle. "Minha vontade é encher tua boca com uma porrada", disse o presidente na ocasião.

Ainda em agosto, o presidente chamou jornalistas de "bundões" e afirmou que, se eles contraíssem o novo coronavírus, teriam menos chance de sobreviver. Ele ainda usou o Twitter para acusar a jornalista Maju Coutinho, da TV Globo, de ser mentirosa.

"Diante das centenas de ataques proferidos não só pelo próprio presidente, mas também pelos seus aliados mais próximos somente neste ano, é seguro afirmar que a postura abertamente hostil à imprensa se tornou marca registrada do governo Bolsonaro", aponta o relatório.

A ONG ainda lista diversos ataques protagonizados por ministros de Bolsonaro, com Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), liderando o ranking. 

Limitação ao acesso de informações

A RSF aponta que as dificuldades da imprensa em obter informações das autoridades também estão aumentando, citando que o governo Bolsonaro tomou pelo menos 13 medidas para reduzir o acesso à informação no país desde janeiro de 2019. Agentes do governo também continuam a bloquear jornalistas nas redes sociais, com algumas autoridades até se gabando do feito.

"A crise sanitária da covid-19 apenas reforçou essa opacidade na gestão governamental", aponta a RSF. Ao longo do ano, o governo protagonizou vários episódios para dificultar o trabalho de jornalistas no campo da pandemia, sendo o mais notório deles a tentativa do Ministério da Saúde de esconder dadossobre casos totais e mortos em junho.

Paralelamente, a RSF cita, no âmbito da gestão da saúde, o caso envolvendo o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e seus "guardiões do Crivella". O caso, denunciando pela TV Globo, revelou que o prefeito, um aliado de Bolsonaro, havia montando uma gangue de assessores para impedir o trabalho de jornalistas e intimidar entrevistados em frente a hospitais da cidade.

Politização de órgãos oficiais de comunicação

No relatório, a ONG destaca que órgãos como a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) vêm agindo cada vez mais como um instrumento de propaganda para o governo. A RSF cita um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que denunciou a falta de transparência e de critérios técnicos na distribuição da publicidade oficial do governo federal, além do favoritismo que alguns veículos alinhados com Bolsonaro, como as TVs Record e SBT, vêm gozando na distribuição de verbas.

Além disso, a própria Secom tem sido responsável por distribuir ataques à imprensa crítica ao governo, com a publicação de mensagem como "imprensa podre" e acusações infundadas de "fake news" contra veículos, aponta a RSF.

A ONG ainda cita a ingerência do governo Bolsonaro na gestão da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). "Em setembro, uma comissão de funcionários da EBC e representantes de sindicatos de jornalistas e radialistas de diversos estados divulgaram um levantamento que trazia 138 denúncias de 'censura ou governismo' em pautas e matérias da empresa realizadas de janeiro de 2019 a julho de 2020. O relatório aponta que as editorias mais censuradas foram Política e Direitos Humanos, com supressão de coberturas como as repercussões do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes e violação dos direitos indígenas, interdição de usar como fonte para matérias entidades como Anistia Internacional e Human Rights Watch", cita a RSF.

Assédio judicial

A análise da RSF também denuncia um aumento do assédio judicial como mecanismo de censura, citando casos que envolveram jornalistas vítimas de processos de ameaças de processos por parte de representantes do Estado ou pessoas próximas à Presidência.

Um dos casos envolve a decisão judicial que proibiu a rede Globo de divulgar documentos do processo contra o senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente e pivô do escândalo das rachadinhas.

Outro, envolve uma ameaça de processo judicial da ministra Damares contra o jornal Folha de S. Paulo e ao portal de notícias UOL, que revelaram que ela atuou de maneira ativa (e possivelmente ilegal) para impedir que uma menina de dez anos fosse submetida a um aborto. 

A RSF também aponta como significativo um caso registrado em agosto envolvendo o jornalista Luís Nassif, do Jornal GGN, que teve que retirar do seu site, por ordem da Justiça, 11 artigos sobre negócios do banco BTG Pactual – do qual o ministro da Economia, Paulo Guedes, é um dos fundadores.

O relatório ainda cita a condenação sofrida pelo jornalista Reinaldo Azevedo, colunista da Folha e apresentador de rádio na BandNews FM, que teve que pagar uma indenização de R$ 35 mil ao procurador Deltan Dallagnol, ex-chefe da força-tarefa da Lava Jato. 

Diante desse quadro, a RSF vem classificando o Brasil na 107º posição no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa de 2020 –espremido entre as nações africanas de Angola e Mali. Em 2019, o país ocupava a 105ª e, em 2018, a 102ª posição da lista, que inclui 180 países.

"Nesse contexto, diante dessas novas formas de censura indireta, alimentadas por um clima extremamente marcado de polarização política, a imprensa brasileira tem muito a fazer e deve se reinventar para reconquistar a confiança da população. O desafio é imenso e não começou ontem. Certamente, será necessário responder a ele com mais jornalismo, e com mais jornalismo de qualidade, fortalecendo a independência e o pluralismo no país", conclui o relatório.

25
Ago20

Entidades condenam novo ataque de Bolsonaro à imprensa

Talis Andrade

 

bolsonaro assédio.jpg

Abraji: "O discurso hostil de Bolsonaro contra a imprensa vem incentivando sua militância a assediar jornalistas"

 

Abraji, ANJ, RSF e OAB classificam de lamentável, incompatível e "própria de ditaduras" fala do presidente de que sua vontade era "encher de porrada" repórter que o questionou sobre depósitos de Queiroz à primeira-dama.

por Deutsche Welle

Entidades de defesa da liberdade de expressão e de imprensa condenaram o ataque feito neste domingo (23/08) pelo presidente Jair Bolsonaro a um repórter do jornal O Globo que o questionou sobre depósitos feitos pelo ex-policial militar Fabrício Queiroz na conta bancária da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

O jornalista, que acompanhava Bolsonaro numa visita aos arredores da Catedral de Brasília, perguntou ao presidente sobre os motivos para Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio Bolsonaro, e a esposa dele terem depositado 89 mil reais na conta da primeira-dama. Diante da insistência do repórter, o presidente respondeu: "A vontade é encher tua boca com uma porrada."

Em reação à ameaça de agressão por parte do presidente, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou uma nota conjunta com as entidades Artigo 19, Conectas Direitos Humanos, Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB e Repórteres sem Fronteiras (RSF) na qual afirmam se solidarizar com o repórter e condenar "mais um episódio violento" protagonizado pelo presidente.

A reação de Bolsonaro "foi não apenas incompatível com sua posição no mais alto cargo da República, mas até mesmo com as regras de convivência em uma sociedade democrática", diz a nota.

A Abraji afirma que, desde que Bolsonaro tomou posse, jornalistas vêm sendo alvo de agressões verbais e que a segurança dos repórteres que cobrem a Presidência da República preocupa. A associação lembrou que em junho alguns veículos de comunicação – incluindo o grupo Globo e o jornal Folha de S. Paulo – decidiram suspender temporariamente a cobertura jornalística na porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, devido à hostilidade enfrentada pelos repórteres por parte de apoiadores de Bolsonaro.

"O discurso hostil e intimidatório de Bolsonaro contra a imprensa vem incentivando sua militância a assediar jornalistas nas redes sociais nos últimos meses, inclusive com ameaças de morte e agressões aos profissionais e a seus familiares", diz a nota conjunta divulgada pela Abraji. "A frase 'minha vontade é encher tua boca com uma porrada' pode ser entendida como uma legitimação do cometimento de crimes como esses."

Ao repercutir a nota da Abraji no Twitter, a organização Repórteres sem Fronteiras destacou trecho que diz que "um presidente ameaçar ou agredir fisicamente um jornalista é próprio de ditaduras, não de democracias".

Citado pela imprensa brasileira, o presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Marcelo Rech, também condenou a atitude de Bolsonaro. "É lamentável que mais uma vez o presidente reaja de forma agressiva e destemperada a uma pergunta de jornalista. Essa atitude em nada contribui com o ambiente democrático e de liberdade de imprensa previstos pela Constituição", afirmou.

Em sua conta no Twitter, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, lamentou o fim da moderação por parte de Bolsonaro vista nas últimas semanas. "Lamentável ver a volta do perfil autoritário que tanta apreensão causa nos democratas. Nossa solidariedade ao jornalista ofendido e ao jornal O Globo."

OS DEPÓSITOS

michele 89 queiroz_fernandes.jpg

 

No início de agosto, uma reportagem da revista Crusoé apontou que Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, depositou 72 mil reais na conta de Michelle Bolsonaro entre 2011 e 2018. Os repasses foram descobertos com a quebra de sigilo bancário do ex-policial militar e contrariaram a versão sobre o caso apresentada pelo presidente.

A quebra do sigilo bancário de Queiroz foi autorizada pela Justiça no âmbito da investigação sobre um esquema de "rachadinha"  – prática ilegal através da qual os funcionários de parlamentares são coagidos a devolver parte de seus salários – no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O filho do presidente foi deputado estadual entre 2003 e janeiro de 2019, e Queiroz foi seu assessor entre 2007 e 2018.

Segundo a reportagem, Queiroz depositou ao menos 21 cheques na conta de Michelle entre 2011 e 2018, em valores que somam 72 mil reais. Até então, era conhecido apenas um repasse de 24 mil reais do ex-assessor para a esposa do presidente.

Quando o caso veio à tona, no final de 2018, Bolsonaro afirmou que os repasses feitos por Queiroz a Michelle eram referentes a uma dívida de 40 mil reais que o ex-assessor tinha com o presidente. Bolsonaro alegou que os valores haviam sido depositados na conta de sua esposa por ele não ter tempo de ir ao banco.

Os depósitos de Queiroz a Michelle divulgados pela Crusoé foram confirmados pelo jornal Folha de S. Paulo, que noticiou ainda que a esposa de Queiroz, Marcia Aguiar, também repassou dinheiro em 2011 para a primeira-dama, por meio de seis cheques que somaram 17 mil reais.

Com isso, os valores repassados para a primeira-dama somariam 89 mil reais, bem acima do suposto empréstimo de 40 mil reais que Bolsonaro mencionou.

Desde as recentes revelações, o presidente não se manifestou sobre os depósitos à sua esposa.

 

 

grana miche michele _sponholz.jpg

 

24
Jun20

Aroeira não desiste de combater a censura e recebe apoio de 150 chargistas

Talis Andrade

 

Agora não é mais um, mas sim 150 chargistas para processar. Desde que o ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, pediu à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República para investigar um desenho de Renato Aroeira, que associava o presidente Jair Bolsonaro à suástica nazista, dezenas de profissionais publicaram suas versões da charge, em solidariedade a Aroeira. "O chargista não desiste”, diz ele, em entrevista à RFI.

"A rapidez da reação significa que não estamos perdidos. Pelo contrário, acho que a gente está reagindo para retomar o nosso espaço – nós todos, que estamos debaixo dessas botas", avalia um dos mais conhecidos cartunistas do Brasil.
 
Não é a primeira vez que Bolsonaro se irrita com uma charge de Aroeira – que já uniu o presidente à cruz gamada em outras nove ocasiões. A penúltima havia sido há dois anos, quando o ultraconservador ainda era candidato. Meses depois, já ocupando o Planalto, levou adiante um processo contra Aroeira, perdido na primeira instância.
 

Aumento de processos contra chargistas ilustra queda da liberdade de expressão

A liberdade de expressão vem diminuindo no Brasil, conforme apontam levantamentos internacionais como o da organização Repórteres Sem Fronteiras. Aroeira se considera uma prova dessa regressão: em quase 50 anos de carreira, três dos cinco processos que teve de enfrentar por seus desenhos ocorreram nos últimos anos.

"Isso é muito similar a tudo aquilo que ele disse que ele não é e eu desenhei”, afirma o chargista, lembrando ainda da estética nazista utilizada pelo ex-secretário da Cultura Roberto Alvim, em um discurso no qual se inspirou em Joseph Goebbels.

Aroeira ressalta que a intimidação aos cartunistas se acentuou nas últimas semanas, com ameaças ou processos movidos no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Rio Grande do Sul, em reação a uma charge que desagradou. Mas as tentativas de cerceamento, garante, não o levam a “aliviar" seus desenhos. "A cada vez que a opressão pisa, a reação está mais rápida."

Caso Charlie simboliza resiliência de cartunistas

Aroeira relembra o caso mais grave de tentativa de intimidação já visto, os atentados contra o jornal francês Charlie Hebdo. Os ataques, ocorridos em Paris, em 2015, deixaram 12 mortos, dos quais oito eram integrantes da redação da publicação.

"É horrível o que está acontecendo. É muito chato, me enche a paciência. Mas quando o pessoal entrou no Charlie Hebdo e fez aquilo [atentados terroristas de 2015, em Paris], a ideia era intimidar e impedir. No dia seguinte, o mundo todo fazia charges sobre os assassinos”, recorda-se. "Os próprios sobreviventes do Charlie, com toda a dor, toda a angústia, a terapia, não desistiram.”

23
Jun20

O poder de uma charge

Talis Andrade

 

Deputados da bancada da bala, obedientes a Bolsonaro, iniciaram um movimento criminoso de invasão de hospitais.

Porque são militares da ativa licenciados ou aposentados praticaram crime de motim. E principalmente crimes de epidemia e de contagio contra o povo em geral vítima da pandemia do coronavírus.

Iniciaram as invasões anarquistas, inconsequentes, escandalosas e exibicionistas no Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Espírito Santo.

Antes que a bravata bolsonarista contaminasse outros estados, uma charge de Renato Aroeira parou o movimento fascista e covarde.

Cartunistas brasileiros e da imprensa internacional seguiram Aroeira. Escreve Lúcia Müzell para a RFI - Rádio Frana Internacional:

Associação internacional de cartunistas denuncia intimidações a Aroeira, Laerte e outros brasileiros

por Lúcia Müzell

Image

Image

A associação internacional Cartooning for Peace, que defende a liberdade de expressão de cartunistas do mundo inteiro, denunciou nesta quarta-feira (17) as “intimidações" que atingem cinco profissionais brasileiros: Renato Aroeira, Laerte, Montanaro, Alberto Benett e Claudio Mor. A entidade também se uniu a uma petição de apoio a Aroeira, contra quem o ministro da Justiça do Brasil, André Luiz Mendonça, ameaçou instaurar inquérito depois da publicação de uma charge do cartunista.

O desenho mostra o presidente Jair Bolsonaro vandalizando uma cruz vermelha de hospital para transformá-la em suástica nazista, ao mesmo tempo em que diz “Bora invadir outro?". A frase se refere ao vídeo no qual o presidente estimula sua militância a entrar nos hospitais e filmar os leitos reservados para pacientes com a Covid-19.

"Ao dizer que um desenho de humor leva perigo à integridade do Estado, o ministro expressa um delírio fanático e alimenta as fantasias totalitárias dos criminosos que promovem ataques crescentes contra a democracia no Brasil”, afirma o abaixo-assinado, que contava com mais de 55 mil assinaturas nesta manhã. "Não aceitamos mais delírios obscurantistas. Não aceitamos intimidações. Abaixo o autoritarismo”, complementa o texto.

Dois casos em poucos dias 

A Cartooning for Peace explica que, dias antes do caso Aroeira, o jornal Folha de S. Paulo e os cartunistas Laerte, Montanaro, Alberto Benett e Claudio Mor foram interpelados na Justiça pela publicação de desenhos críticos à violência policial em uma operação em um baile funk em Paraisópolis, em dezembro de 2019. Na ocasião, nove pessoas morreram e 12 ficaram feridas.

A Associação de Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar (Defenda PM) pede "esclarecimento criminal” a respeito das publicações, que considera  constrangedoras” para os policiais. A entidade “é conhecida pelo seu conservadorismo e a proximidade com o presidente Jair Bolsonaro”, ressalta o texto da organização internacional de cartunistas.

Cartooning for Peace se compromete a acompanhar de perto a evolução da situação no Brasil e relembra a importância fundamental da liberdade de expressão e do desenho de imprensa, principalmente em tempos de crise”, diz o comunicado divulgado nesta manhã, assinado também com a The Cartoon Movement e a Cartoonists Rights Network International.

Brasil cai em ranking de liberdade de imprensa

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que defende jornalistas ameaçados, já havia declarado que a ação judicial contra os cartunistas e a Folha “é uma tentativa clara de intimidação” dos desenhistas brasileiros. Em seu último ranking mundial da liberdade de imprensa, divulgado em abril, o Brasil aparece em 107o lugar, de um total de 180 países. Foi o segundo ano consecutivo em que a posição do Brasil na lista caiu. Países como Angola e Montenegro aparecem na frente do Brasil.

"Com ameaças e ataques físicos, o Brasil continua sendo um país especialmente violento para a mídia, e muitos jornalistas foram mortos em conexão com seu trabalho. Na maioria dos casos, esses repórteres, apresentadores de rádio, blogueiros ou provedores de informações de outros tipos estavam cobrindo histórias relacionadas à corrupção, a políticas públicas ou ao crime organizado em cidades pequenas ou médias, onde são mais vulneráveis", afirmou a RSF no relatório.

 

26
Jul19

"Os ataques contra Glenn têm um único objetivo: desviar a atenção do público sobre a gravidade da Vaza Jato”

Talis Andrade

Para a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), está cada vez mais complicado trabalhar como jornalista no Brasil

clovis imprensa rabo.jpg

Enquanto o governo Bolsonaro se levanta contra o The Intercept Brasil, o governo Macron mira no Mediapart. Em comum entre os dois países, um jornalismo independente e de investigação que revela irregularidades de seus representantes, chacoalhando as altas cúpulas do poder.

Desde meados de junho, o Mediapart trouxe à tona supostas irregularidades envolvendo o ex-ministro francês François de Rugy, desde a época em que era presidente da Assembleia Francesa, cargo que passou a exercer em junho de 2017 e deixou em setembro de 2018, para assumir o Ministério da Transição Ecológica. Entre as várias falhas cometidas pelo ex-ministro, estão jantares suntuosos com lagostas e champanhe, oferecidos a amigos, e reformas luxuosas em seu apartamento de função - gastos astronômicos bancados com o dinheiro público.

 Em coluna publicada na terça-feira, o confundador e presidente do site, Edwy Plenel, questiona: “Para que serve o jornalismo? Para divulgar a palavra do governo, seus comunicados e propaganda? Ou para revelar informações de interesse público, abafadas ou escondidas? Para acreditar sem verificação em promessas, declarações e defesas oficiais? Ou para confrontar a realidade dos atos, decisões e comportamentos? Para se satisfazer com a perda de confiança do público sobre as instituições e políticos? Ou para fazer evoluir a democracia, levando a sério a promessa original: igualdade de direitos?”.

Mediapart é financiado unicamente por assinantes. O site não aceita nenhum tipo de publicidade.

Em entrevista à RFI, o historiador Christian Delporte, especialista em História das Mídias e da Comunicação Política da Universidade de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines, avalia que o governo francês enfrenta uma nova situação ao lidar com uma mídia independente, que não é bancada por grandes grupos e, portanto, não pode ser pressionada como a grande imprensa. Por isso, Macron utiliza a estratégia de descredibilização do trabalho jornalístico.

Confiança das mídias caiu após eleições

vaza-jato de rabo preso vaza.jpg

 

De acordo com uma pesquisa recente divulgada pelo Instituto Reuters, intitulada de "Digital News Report", apenas 24% dos franceses acreditam na imprensa nacional. O índice de confiança baixou 11 pontos no período de apenas um ano. O principal motivo: a cobertura da crise dos coletes amarelos pela grande mídia, considerada duvidosa por boa parte do público do país.

No Brasil, apesar de toda a campanha de desinformação no WhatsApp durante as últimas eleições para presidente, o índice de confiança do público brasileiro é considerado alto, na avaliação do Instituto Reuters. De acordo com o "Digital News Report", 48% do público no Brasil acredita nas notícias. No entanto, a polarização política durante a campanha eleitoralfoi responsável por uma queda de 11% em apenas um ano na credibilidade dos brasileiros na imprensa.

Contraditoriamente, a professora da USP Roseli Fígaro, coordenadora do Centro de Pesquisa em Comunicação e Trabalho, observa que os próprios governos de países como o Brasil, a França e os Estados Unidos são principais difusores de fake news. A especialista lembra que a manipulação de massa sempre fez parte das estratégias de certos governos.

“Os ataques contra a imprensa que estamos assistindo nada mais é do que um reflexo de uma estrutura neoliberal que se impõe, retirando direitos sociais e políticos. Esses governos não podem atuar de outra maneira para implementar seus programas. Essa atitude contra a imprensa é apenas um títere de um processo maior”, afirma.

Para ela, não há dúvidas que essa tentativa de descredibilizar o trabalho jornalístico é uma espécie de censura dos governos. Por isso, acredita que a melhor forma de lutar contra esse problema é a persistência dos profissionais de mídia em continuar executando suas atividades.

“Não é apenas o jornalismo independente que vem sendo atacado. Aqui no Brasil, até mesmo a mídia tradicional é tratada desta forma. Ou seja, são questionados todos os que se contrapõem ao governo. Isso só acontece porque os jornalistas estão fazendo o seu trabalho de apurar os fatos e apontar as irregularidades. Por isso, é importante que os jornalistas continuem executando o seu trabalho, doa a quem doer”, reitera.

Polêmicas e Vaza Jato

Dar sequência ao trabalho que vem realizando é o que promete o editor executivo do The Intercept Brasil, Leandro Demori. O site é responsável por uma bombástica série de reportagens - apelidada de Vaza Jato - que revela conversas privadas entre procuradores do Ministério Público Federal e o então juiz Sérgio Moro, que atuavam na operação Lava Jato.

“Não vamos parar de publicar”, promete Demori. “O trabalho do The Intercept é o jornalismo investigativo. Nosso objetivo é levar ao conhecimento da população tudo o que os poderosos querem esconder”, declarou, em entrevista à RFI.

Desde o início de junho, a equipe liderada pelo jornalista americano Glenn Greenwald fez diversas revelações que demonstram a falta de ética e a parcialidade no sistema político e jurídico do Brasil. Também ressaltam o conluio para a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2018, e até mesmo a proteção do senador Flávio Bolsonaro, no “Caso Queiroz”, suposto esquema de corrupção dentro de seu gabinete, na época em que era deputado estadual do Rio de Janeiro.

As revelações da Vaza Jato resultaram no aumento de violências contra jornalistas. Glenn Greenwald e o marido, o deputado federal David Miranda (PSOL), chegaram a ser ameaçados de morte. Para Demori, os ataques contra a imprensa estão cada vez mais pessoais no Brasil.

“Os poderosos nunca gostaram de jornalistas. A diferença é que agora os ataques são muito mais direcionados aos jornalistas como pessoas físicas. Hoje vemos políticos no Brasil espalhando mentiras e criando histórias sobre jornalistas, sem nenhum compromisso com a veracidade dos fatos. E isso incita a violência do público também. A partir do momento que você tem o establishment falando mal do jornalismo, as pessoas que acreditam nesses políticos acabam tendo liberdade para serem agressivas também”, salienta.

Por outro lado, Demori percebe um forte apoio do público brasileiro ao trabalho que vem realizando o The Intercept. “Mesmo as pessoas que votaram no Bolsonaro, mesmo as pessoas conservadoras e que se consideram de direita no Brasil reconhecem que esses arquivos da Vaza Jato são autênticos e merecem atenção. É uma parte pequena da população que está veementemente contra a divulgação desse material. Só que é uma pequena parte barulhenta e parece mais volumosa do que realmente é”, observa.

Repressão e autocensura

lula moro rabo preso.jpg

 

Os especialistas divergem quanto às possíveis consequências desta estratégia dos governos contra a imprensa. Roseli Fígaro teme uma possível repressão aos jornalistas no Brasil.

“Como nosso poder judiciário está completamente comprometido com o que levou esse governo ao poder, é muito provável que ele também abaixe a cabeça quando alguma denúncia mais séria acontecer e o governo comece a tomar medidas repressoras contra essas mídias”, diz.

Já Christian Delporte cogita a possibilidade do início de uma autocensura por parte dos jornalistas na França. Para ele, o fenômeno é mais grave do que a censura em si.

“É o medo de escrever, de veicular. A estratégia do governo francês é justamente essa, quando jornalistas são convocados para depor na Direção Geral de Segurança Interior, por exemplo. Trata-se de fazer pressão nas redações para que os profissionais passem a recorrer, por conta própria, à autocensura”, analisa.

No Brasil, diversas organizações de defesa da liberdade de imprensa, ONGs de defesa de direitos humanos e até mesmo a sociedade civil vem denunciando os ataques contra os profissionais das mídias. Para a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), está cada vez mais complicado trabalhar como jornalista no país.

“É importante lembrar a importância para qualquer democracia de uma imprensa livre e independente que possa fazer seu trabalho investigativo e publicar informações de interesse público, sem perseguição, ameaças ou alvo de qualquer campanha de linchamento e desprestígio”, afirma Emmanuel Colombié, diretor do escritório América Latina da RSF.

Em entrevista à RFI, a RSF manifestou seu apoio ao The Intercept, mas também a todos os jornalistas e comunicadores que querem trabalhar de maneira livre e independente. Colombié também rebateu os ataques contra Glenn Greenwald.

“Sabemos que ele está fazendo um trabalho profissional, ético e muito sério. Glenn já foi premiado com um Pulitzer, que é o maior prêmio do jornalismo internacional. As críticas sobre possíveis influências políticas por trás não são absolutamente críveis. Os ataques contra Glenn têm um único objetivo: desviar a atenção do público sobre a gravidade da Vaza Jato”, conclui. [Transcrevi trechos de reportagem de Daniella Franco na RFI]

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub