Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

06
Dez21

Conversa com Jacque Parmigiani e Ana Júlia nesta quarta-feira 8

Talis Andrade

 

 

 
Image
 
Ana Júlia
A crise no setor de #Educação não para de piorar. Em menos de um mês, quase 90 servidores da #Capes, órgão responsável pela avaliação dos cursos de pós-graduação no país, pediram demissão coletiva.
A falta de respaldo da direção atual, corte no orçamento e bloqueio de bolsas de mestrado e doutorado pelo governo Bolsonaro são apenas alguns fatores que levaram aos pedidos de demissão.
Isso tudo acontecendo no mesmo mês em que 37 servidores do Inep se desligaram de seus cargos pouco antes das provas do #Enem. É lamentável ver que, por conta de tantas falhas do atual governo, milhares de estudantes continuando sendo prejudicados.
Curitiba é uma das poucas capitais que não tem cotas raciais nos serviços públicos municipais.
É urgente políticas de ações afirmativas para a população negra e indígena em Curitiba,
 
uma das capitais mais desiguais do Brasil. Precisamos de políticas de reparação histórica #AprovaJáCotasRaciais_
 
 
 
 
06
Dez21

Desgraça pouca é bobagem: os bastidores da corte (Episódio 5)

Talis Andrade

paulo guedes.jpeg

 

 

por Maura Montella

- - -

Se não havia competência do Bobo da Cavalaria para comandar o Reino do Sul, fofoca de bastidores era o que não faltava na corte.

Além dos maus modos e da falta de postura do rei, sua vida pessoal também dava o que falar. Bobo se casou com a Primeira Rainha e teve três criaturas marcadas, como gado, com as identificações: 01, 02 e 03. Zero Um era amigo do produtor de laranjas com um "Q" de algoz, que foi alçado ao cargo de carrasco real. Zero Dois era o que adorava brincar de guerra de espadas com seu primo, o Pavão Misterioso, e embora tivesse faltado às aulas de alfabetização, era o responsável por escrever e enviar todas as mensagens reais. Zero Três era o aficionado por armas que ganhou o apelido de Bananinha, não se sabe se por sua atuação pífia na Câmara dos Lordes ou se por outras razões, alardeadas pelas moçoilas do reino.

Como ninguém aguentava viver por muito tempo perto do Bobo, a Primeira Rainha também não aguentou e foi embora. Para não ficar sozinho, o asqueroso rei mandou Algoz aliciar a primeira aldeã que se dispusesse a passar por qualquer humilhação em troca de um lugar no trono ao lado do seu. Foi assim que a esperta e interesseira FulAna entrou na corte. Com a Segunda Rainha, Bobo teve o quarto filho, mas dizem as más línguas que Zero Quatro era filho do cavaleiro Ricardo Matafuegos, responsável pela guarda da rainha. Apavorado com essa possibilidade, Bobo expulsou a Segunda Rainha da corte e mandou Algoz cancelar o CPF de Ricardão, ou seja, "apagar" seu título de "C"avaleiro "P"alaciano do "F"ogo. Já entendeu, né?!

Pois bem... Sozinho e com sua masculinidade ferida (assim ele pensava), Bobo não tardou a se casar novamente. Desta vez pegou uma surda-muda, a única que conseguia ficar perto dele porque não ouvia as imbecilidades que ele dizia. Com carinha de bondosa, sempre ajudando a Igreja, a Terceira Rainha conquistou a todos num primeiro momento, mas ela foi também a prova viva de que as aparências enganam.

É que poucos meses depois do casamento, encontraram um baú nos aposentos da Terceira Rainha com 89 mil moedas de ouro. Isso deixou o Bobo numa situação muito complicada, pois ele não tinha como justificar o extravagante presente perante os membros da Câmara dos Lordes. Sem encontrar uma saída, Bobo chamou seu amigo e fiel escudeiro, o palaciano Algoz.

- Ô, ô, como qu'eu explico isso aí, ô Algoz?

- Xeque.

- O quê???

- Fala que a gente tava jogando xadrez e que eu coloquei o rei em xeque.

- Mas o baú tava nos aposentos da rainha!!

- Então, Chefia, xeque na rainha, copiou?

- Aêêê, copiei!

Bobo considerou que foi uma ótima solução para o caso. Contou essa história esfarrapada para os membros da Câmara dos Lordes, e ninguém mais falou do xeque da rainha.

Enquanto essas falcatruas corriam solto dentro do palácio, Jegues, o Conselheiro Financeiro, continuava dilacerando o tesouro real, acumulado à custa de muito sangue, suor e lágrima dos súditos que não tinham mais de onde tirar recursos para pagar tantas taxas e impostos. 

Pra falar a verdade, Jegues não batia bem da cabeça. Quando pequeno, tinha um amigo invisível que ele deu o nome de Mercado. Na época, ainda não existia a ciência da Psicologia, porque se existisse, todos saberiam que é comum crianças pequenas terem amigos imaginários. O que nem a Psicologia Moderna conseguiria explicar é por que Jegues cresceu e não largou aquele amiguinho, fruto da sua imaginação. Tanto assim que, já no cargo de mentor financeiro do Bobo, ao ser questionado sobre a miséria do povo e sem saber responder, ele recorria a seu amigo Mercado, que na cabeça de Jegues, sempre lhe atendia, oferecendo sua mão invisível.

Pior do que Jegues com seu amigo invisível era ver uns plebeus, pobres de marré deci, que se achavam ricos e amigos do rei. Geralmente eram os donos das tabernas que ficavam na rua à direita do castelo. Esses taberneiros eram dos poucos aldeões que conseguiam comprar uma carroça própria. Gostavam de um modelo que tinha um touro na frente (conhecido como Tourota Corolla) e só por isso se julgavam nobres da realeza. 

Como podiam ser tão iludidos os pobres da (rua à) direita?! Não passavam de pobres... pobres coitados!

Mas quero falar do Conselheiro de Finanças especificamente. 

Jegues era tão sórdido e sem noção que mesmo vendo a maioria dos plebeus catando osso e todo resto de comida descartado pelos nobres ao redor do palácio, ainda insistia que suas medidas econômicas eram um grande sucesso. Como símbolo dessa pujança (que só ele enxergava), Jegues mandou matar o maior touro do reino, depois mandou empalhar e pintar de amarelo.

bezerro de ouro o luxo o povo o lixo.jpeg

 

Era o seu Touro de Ouro, que foi colocado em frente aos portões do castelo, para que todos os súditos, ao irem catar lixo, tivessem consciência daquele momento de esplendor.

Ah, já ia me esquecendo de contar um detalhe: uma vez capturado, Jegues exigiu que cortassem uma das patas dianteiras do touro. Ninguém precisou perguntar o porquê daquela excentricidade; todos que conheciam as sandices do financista real sabiam que era uma alusão ao seu amigo imaginário de infância, o Mercado com a sua mão invisível (sem pata = sem mão = mão invisível, entendeu?!)

Pois é, e como desgraça pouca é bobagem, o infortúnio que pairava sobre o Reino do Sul não terminou aí. Eis que o Juizeco (juiz com voz de marreco), que tinha se bandeado para o Reino do Norte, voltara exigindo seu lugar. Só que isso, eu te conto no próximo episódio. Aguarde!

 

05
Dez21

Desgraça pouca é bobagem: o insuportável (Episódio 4)

Talis Andrade

rei_bobo_da_corte.jpg

 

 

por Maura Montella

- - -

Em todo o Reino do Sul, não tinha uma viva alma que tolerasse o Bobo, nem os animais do palácio suportavam o idiota que ocupava o trono real. Certa vez, o retardado do Bobo queria obrigar o casal de emas que ornava o jardim do castelo a tomar umas pílulas vendidas pelo curandeiro da aldeia. Como se fosse normal esse tipo de atitude, Bobo ainda ameaçou as aves, dizendo que se elas não tomassem as tais pílulas, virariam jacarés e iriam viver na vala ao redor do castelo com estes outros animais. As emas, que eram mais inteligentes do que o próprio rei, trataram de enxotá-lo com umas belas e merecidas bicadas.

Bobo era mesmo repulsivo. De todos os bichos, só o gado e alguns cavalos suportavam a sua presença. Talvez por isso, coices e chifres lhe fossem tão familiares, mas esse detalhe eu conto daqui a pouco.

De tão insuportável, a rainha - mãe do Zero Um, Zero Dois e Zero Três - também não aguentou o marido e abandonou o trono real. Como todo nobre decadente, dizem que ela tentou guarida no Reino do Norte, mas parece que não conseguiu. Não busquei mais informações sobre a primeira rainha, porque a rainha que a sucedeu deu muito mais pano pra manga.

Inseguro como era, Bobo não admitia ficar sozinho; precisava de uma companhia para provar sua masculinidade. Dominado por essa crença ridícula, Bobo mandou seu carrasco com um Q de Algoz aliciar a primeira aldeã que se dispusesse a passar por qualquer humilhação em troca de um lugar no trono ao lado do seu. Foi assim que Algoz introduziu uma fulana qualquer no palácio real. Esperta e interesseira, FulAna passou a ser a segunda rainha da Era Bobozoica.

Dizem as más línguas que nunca houve amor entre o rei e a segunda rainha. Por isso, mesmo depois do casamento, Bobo continuou sua rotina de passeios apalermados (ele nunca trabalhava), ficando o menor tempo possível dentro do palácio. Era comum ver Bobo liderando alguma "Cavalciata", uma cavalgada estilizada em que ele era seguido tão somente pelos animais que ainda o suportavam, ou seja, alguns cavalos e todo o gado.

Nessas saídas, Bobo sempre deixava FulAna, a segunda rainha, sob os cuidados de um de seus homens da guarda real, mais especificamente, do cavaleiro Ricardo Matafuegos. Ricardo era enorme, um verdadeiro Ricardão, e sua especialidade era apagar incêndios.

Foi escolhido justamente porque a segunda rainha estava sempre com o fogo aceso, já que toda vez que Bobo saía para cavalgar, ela acendia velas pedindo aos santos para protegê-lo. Bem, pelo menos era isso que ela contava ao marido. Ricardão, portanto, era o homem ideal para tomar conta do quarto da rainha e impedir, em caso de incêndio, que o fogo se alastrasse.

Exatos nove meses depois que Bobo intensificou sua presença nas cavalciatas, FulAna deu à luz o quarto herdeiro real, que recebeu o nome de Zero Quatro, mas que era mais conhecido como Bobo Júnior.

O bezerro, ops!, o menino foi crescendo e se mostrando o mais sem noção dentre os quatro filhos do rei. Desde pequeno, Zero Quatro se achava muito mais do que realmente era: mais bonito, mais esperto, mais inteligente, etc., mas não passava de um abestalhado idiota tal como o pai.

Aliás, depois do nascimento de Bobo Júnior, corria voz no povoado que Bobo Pai tinha sido feito realmente de bobo. Quem lhe contou foi Algoz, o carrasco palaciano, muito próximo a Zero Um e ao próprio rei.

Ao fazer as contas e cair em si, Bobo Pai enlouqueceu. Apesar de conviver muito bem com o gado, não queria ele mesmo ser conhecido como chifrudo. Desesperado, sem saber o que fazer para se vingar de Ricardão Matafuegos, Bobo, como sempre, recorreu a seu fiel escudeiro Algoz, que por sua vez, tranquilizou o rei puxando a responsabilidade para si: Já tá nos esquemas, chefia. Eu sô ou num sô palaciano? Tá com o Algozinho aqui, tá dominado! - teria dito Algoz.

Apesar da confiança que tinha no carrasco real, o rei mal dormiu aquela noite. Passou a madrugada em claro esperando que Algoz chegasse no dia seguinte com a boa-nova. E ele chegou! A boa-nova também! O carrasco palaciano contou que tinha resolvido o problema de uma forma muito simples, uma vez que bastou retirar o título de nobreza do enorme rapaz. Matafuegos não seria mais um "C"avaleiro "P"alaciano do "F"ogo, pois acabara de ter seu CPF cancelado pelo próprio carrasco com um Q de Algoz.

Bobo considerou que foi uma ótima solução para o caso e se sentiu devidamente vingado. Em seguida, expulsou a segunda rainha do reino, se aproximou de Jegues, seu conselheiro financeiro, e juntos continuaram a tocar a vida do jeito que eles mais gostavam de fazer: disseminando ódio e deixando um rastro de mortes. Mas isso, eu conto no próximo episódio. 

Você não perde por esperar!

 

05
Dez21

Desgraça pouca é bobagem: os filhos do rei (episódio 3)

Talis Andrade

pavão-misterioso.jpg

 

por Maura Montella

- - -

Como desgraça pouca é bobagem, o Bobo da Cavalaria, agora no trono real, não se contentou em fazer suas trapalhadas sozinho; cismou de dar continuidade à sua linhagem agressiva e nefasta. Tal como se faz com gado, Bobo marcou seus filhos com as identificações: 01, 02, 03 e 04 e, à medida que suas criaturas iam crescendo, Bobo os inseria, um a um, na Câmara dos Lordes do Reino do Sul.

Mas isso vocês já sabiam porque eu contei no episódio anterior. Contei, inclusive, que Zero Um era muito apegado a um colono que cultivava laranjas e que, a pedido do filho, Bobo empregou o tal agricultor, que tinha um "Q" de Algoz, como carrasco do palácio real. Algoz, além da perversidade, não possuía nenhuma qualificação para o cargo, mas Bobo não queria nem saber. Quem não estivesse satisfeito com seu jeito "democrático" de governar, que fosse viver no Reino "Ditatorial" do Oeste, uma pequena ilha à esquerda do Reino do Sul com altos índices de saúde e educação, ou viver no populoso Reino "Comunista" do Leste, uma verdadeira potência na produção de arroz e de diversos outros produtos, mas que Bobo fazia questão absoluta de menosprezar. 

E assim foi até que certo dia, o recém-contratado carrasco real perguntou a Zero Um se não tinha como empregar toda a sua família dentro do castelo também. Zero Um, muito apegado ao eterno dono do laranjal com um Q de Algoz, nem pensou duas vezes e foi logo falar com seu pai. Bobo, por sua vez, não se furtou a acolher o pedido de Zero Um, mas impôs uma condição: Algoz, além de trabalhar como carrasco real, teria que criar uma tropa extrapalaciana e acabar com todos aqueles que pensassem diferente do rei. Algoz não titubeou. Acostumado a fazer maldades, aplicou os meios mais sórdidos e cruéis para eliminar todos os que ousavam confrontar as ideias de Bobo, seu chefe empregador.

Dos casos de violência atribuídos à tropa de Algoz, o de maior repercussão foi o assassinato de uma jovem plebeia, conhecida por sua garra e persistência na luta em defesa dos plebeus e de outras minorias. Esse caso foi tão emblemático, que Bobo, o próprio rei, teve que se apresentar diante da Suma Corte Judicial do Reino do Sul. Todo mundo sabia que essa era uma atitude "pro forma", ou seja, só para manter as aparências, já que a Suma Corte também morria de medo de ser executada pelo palaciano Algoz e sua tropa. De todo modo, Bobo jurou de pés juntos e com a mão sobre a Bíblia que ele não tinha nada a ver com o caso da plebeia assassinada.

2.

Os juízes fizeram vista grossa; Algoz se escondeu numa casa no meio do mato; e os plebeus permaneceram indignados, chorando a falta de seu maior presente, a jovem aguerrida que deixou seu nome gravado para sempre na história do Reino do Sul: Mári L.

Ainda tem muita coisa para contar do Zero Um, mas como são quatro criaturas, vamos logo passar para o Zero Dois. Eu poderia dizer que este era o mais complicado e agressivo de todos, mas o páreo é duro e deixo para vocês decidirem. Bom, Zero Dois, desde muito novo, foi conduzido aos meandros do poder. Em vez de estudar, Bobo, seu pai, o inseriu na Câmara dos Lordes para provar que o trabalho infantil nas minas de carvão do Reino era legítimo e que qualquer reclamação não passava de mi-mi-mi de preguiçosos insubordinados. É claro que tudo deu errado: primeiro pela comparação absurda entre o trabalho de um jovem nobre mimado dentro de um palácio e o de uma criança plebeia mal-alimentada dentro de uma carvoaria. Segundo porque, mesmo sem o domínio da escrita, sabe qual foi o cargo destinado por Bobo ao seu filho Zero Dois? O de escriba, responsável por escrever e enviar todas as mensagens reais!! Mas sem dominar minimamente o léxico e sem ter ideia do que fosse interpretação de texto?! Pois é, vai vendo...

O desempenho de Zero Dois foi um desastre desde o início. 

Para começar, ele implicou com o sistema, implantado havia séculos, de usar pombo-correio para enviar mensagens. Fez pirraça, bateu pé, deu chilique e tudo mais, porque queria porque queria que suas mensagens fossem entregues não por pombos, mas por pavões reais. Os assessores do rei, na tentativa de aplacar tamanho faniquito, deram uma ideia para o espetaculoso rapaz: Zero Dois, mesmo tendo faltado às aulas de redação, mandaria as correspondências oficiais pelo pombo-correio, e as extraoficiais ficariam a cargo de seu Pavão Misterioso. E aqui, sou obrigada a fazer um adendo: Zero Dois e seu primo eram muito ligados um ao outro. Os súditos estavam cansados de vê-los correndo pelo palácio, brincando de carrinho de mão e pega-pega, se escondendo pelas inúmeras habitações do castelo e se abraçando efusivamente quando se encontravam. Contei isso porque até hoje não sabem se o tal Pavão Misterioso que fazia a entrega das mensagens falsas, ops! quer dizer, das mensagens extraoficiais, era realmente uma ave ou se era o primo ou mesmo o Zero Dois fantasiado com as plumas de seu animal favorito.

Enfim, história é o que não falta envolvendo o Zero Dois, seu primo e o gabinete que eles montaram para escrever as mensagens reais e irreais que saíam do palácio, mas vamos seguir porque ainda restam duas desgraças portadoras da odiosa genética do pai, que eu preciso apresentar a vocês. Então, vamos lá: Zero Três. Mais conhecido como Bananinha, nunca fez nada de útil em toda a sua vida dentro e fora da Câmara dos Lordes. Talvez por esse comportamento de banana mole, tenha recebido o tal apelido.

3.

As moçoilas do Reino, entretanto, diziam que o motivo era outro, mas como não posso comprovar, vou continuar dizendo que a alcunha vinha apenas do fato de ele ser um paspalho mesmo. Bananinha adorava armas, e a mais letal da época era a espada. Quanto maior fosse a espada que Bananinha empunhava, mais feliz ele ficava. Novamente entravam as más línguas dizendo que a preferência por espadas grandes era uma forma de compensação, e mais uma vez, eu, não tendo como comprovar, deixo o dito pelo não dito.

Além do apelido e das armas, Bananinha ganhou notoriedade quando foi passar uma temporada no Reino do Norte. No Reino do Sul, ele era filho do rei, mas no reino das pessoas de nariz empinado e fala enrolada, Bananinha não era ninguém. Para comer, ele mesmo assava sua carne nos braseiros de rua dos plebeus, mas quando voltou para o Reino do Sul, ele contou uma história completamente diferente da realidade. Disse que tinha feito todas as refeições no palácio real e que, por ser fluente no dialeto nórdico (falava duas ou três palavras), tinha virado amigo do rei Trunc, conhecido como "o truculento". Mais uma mentira deslavada, típica da família do Bobo. Aos olhos de Trunc, Bananinha era só mais um pária social, como tantos outros nobres do Reino do Sul, que "ousavam" visitar o Reino do Norte. 

E isso não é nada perto das coisas que eu tenho para contar sobre o Zero Três, mais ainda preciso apresentar o Zero Quatro, que, por ser filho de outra mãe, mudou completamente o rumo da história do Reino do Sul. Então, não percam o próximo episódio para saber o que aconteceu.

geuvar pavao misterioso.jpg

 

05
Dez21

Desgraça pouca é bobagem - a saga

Talis Andrade

quinho bolsonaro laranjal.jpg

 

 

por Maura Montella

- - -

O Reino do Sul, por anos e anos, foi governado por déspotas e tiranos, até que um jovem trabalhador da construção civil entrou na história. O rei da ocasião, querendo separar cada vez mais a pobreza da nobreza, mandava, de tempos em tempos, aumentarem o muro que cercava o castelo. Um dos rapazes encarregados do serviço perdeu o dedo mindinho imprensado nas pedras e jurou que nunca mais nada de mal aconteceria com alguém da sua classe.

Houve uma revolta dos trabalhadores, que colocaram seu novo líder, apelidado de Nove Dedos, no poder. O rei deposto morreu de desgosto. Bem feito! O Reino do Sul prosperou como nunca. Os trabalhadores passaram a ter comida, moradia e educação, coisa impensável em tempos anteriores. Os nobres da corte do antigo rei se refugiaram no Reino do Norte, onde eram discriminados constantemente e chamados de "latrinos". Como os moradores do Reino do Norte falavam um dialeto, muitas vezes incompreensível, os nobres do Reino do Sul achavam que aquilo era elogio e continuaram por lá, mesmo porque, eles não tinham para onde ir. Bem feito também! Depois de mais de dez anos com Nove Dedos no comando, um novo revés se abateu pelas bandas do Sul. A Louca, sobrinha do rei deposto, voltou casada com um juiz inescrupuloso, com voz de pato e subserviente ao rei do Norte. A missão do casal era retomar o poder no Sul. Marreco, o marido, gostaria, mas não tinha competência para assumir o trono. Então eles bolaram um plano: pegaram o ex-bobo da corte e atual bobo da Cavalaria Real para ser o rei de fachada. Marreco seria seu mentor, o grão-vizir. Aproveitando que Bobo era muito popular entre seu exército de cavaleiros, Louca e Marreco desferiram o golpe: prenderam Nove Dedos na masmorra e deram início a um novo ciclo de desgraças.

Isso tudo você já sabia porque eu contei no episódio anterior. O que você não sabia é que o imbecil do Bobo da Cavalaria, agora sentado no trono real, deu cria! Teve quatro criaturas. Como Bobo tinha vivido muito tempo entre cavalos e gado, ele também identificava seus bezerros (filhos) com números. Assim, marcou em seus corpos as identificações: 01, 02, 03 e 04. Embora Bobo já fosse o rei, seus herdeiros só se sentiam bem quando estavam nos estábulos, talvez por isso tenham aprendido, antes mesmo de falar, a dar coices. Bobo achava tudo lindo, e à medida que seus filhos iam crescendo, Bobo os inseria, um a um, no Conselho dos Lordes. Alguns conselheiros, muito estudados e preparados, questionavam como aqueles potros selvagens poderiam tomar assento em uma câmara tão renomada. Bobo não queria nem saber. Dizia que a Cavalaria Real estava sob seu comando e que não aceitaria que falassem mal das suas criaturas, "talquei?" (grunhido criado por Bobo para suprir sua falta de vocabulário).

2.

Quem não aceitasse suas determinações que fosse viver no reino à esquerda, o Reino do Oeste, uma pequena mas próspera ilha, com alto índice de educação tanto entre os nobres quanto entre os plebeus.

A essa altura, Marreco, quase sem espaço na corte, foi obrigado a fazer sua trouxa e voltar com Louca para o Reino do Norte.

Tudo ia perfeitamente mal, e como desgraça pouca é bobagem, ainda pioraram. Só Bobo, seus quatro bezerros e o resto do gado (nome que Bobo dava a seus apoiadores) não percebiam. Parece que viviam num mundo à parte, que os fazia acreditar que estavam acima de tudo e de todos.

À medida que o tempo ia passando, os bezerros de Bobo se infiltravam cada vez mais pelos meandros do castelo. Ainda pequeno, o primogênito Zero Um costumava brincar nas terras de um colono que cultivava laranjas. O colono era pobre e não tinha condições de frequentar a corte. Quando Zero Um cresceu, insistiu com o pai que desse uma ocupação para o colono, que então foi alçado ao cargo de carrasco real. Zero Um e o agricultor com um "Q" de Algoz estreitaram ainda mais a amizade; tornaram-se inseparáveis. Certo dia, cansado de viver só do cultivo do laranjal, Algoz perguntou a Zero Um se não tinha como empregar toda a sua família dentro do castelo. 

Zero Um, claro, aceitou, desde que... (continua)

laranjal_aziz.jpg

 

05
Dez21

Capital mais negra do Sul, Curitiba passou por branqueamento estratégico, aponta pesquisa

Talis Andrade
 

Pesquisa da geógrafa Glaucia Pereira mostra que, ao contrário do imaginário social que se criou de uma Curitiba branca e europeia, o número de pessoas declaradas negras (24%) é o maior entre as capitais sulistas

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub