Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

20
Fev22

Agricultores vinham denunciando violência na região onde criança foi executada em Pernambuco

Talis Andrade

Suspeitos de envolvimento na morte de menino de 9 anos, em Barreiros, são  presos | Local: Diario de Pernambuco

 

Jonathas Oliveira, filho de liderança rural do Engenho Roncadorzinho, em Barreiros, foi morto na sexta (11) escondido debaixo da cama. “Não queremos alimento com sangue na mesa das pessoas”, diz presidenta de Federação de Trabalhadores Rurais

 

por Raíssa Ebrahim /Marco Zero

Trabalhadores e trabalhadoras rurais de antigas usinas de cana-de-açúcar na Mata Sul de Pernambuco vêm reivindicando às autoridades proteção e soluções definitivas para os conflitos fundiários locais já há algum tempo. Esse movimento ganhou força no início de 2020, começo da pandemia, quando as ameaças e violências aumentaram, transformando engenhos de casas simples em palcos de roubos, queima e destruição de lavouras, contaminação de fontes de água e de cacimbas e também aplicação de veneno sobre casas e plantações.

Foi preciso que uma criança de apenas nove anos fosse brutalmente assassinada para que as famílias fossem ouvidas e o Programa Estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos (PEPDDH-PE) fosse acionado, no fim de semana, pela Secretaria Executiva de Direitos Humanos. 

A notícia da morte de Jonathas Oliveira, filho de uma liderança rural do Engenho Roncadorzinho, em Barreiros, chocou o Brasil na manhã da última sexta-feira, dia 11, quando a notícia do crime espalhou-se pelo país. O pai dele, Geovane da Silva Santos, presidente da Associação de agricultores(as) familiares do local, foi atingido de raspão no ombro e sobreviveu ao atentado na noite anterior, quando sete homens encapuzados e armados invadiram a residência da família. O menino estava escondido debaixo da cama com a mãe e foi alvejado deliberadamente.A dor que eu estou sentindo, não peço para ninguém, nem para o pior  inimigo', diz pai de menino morto a tiros dentro de casa em Barreiros por  encapuzados | Pernambuco | G1Criança é morta em ataque a família de líder | Direitos HumanosPE: Criança de 9 anos, filho de liderança camponesa, é assassinada por  pistoleiros - A Nova Democracia

Integrantes do Programa Estadual de Proteção realizaram uma visita à família da criança assassinada, no sábado, e fizeram uma escuta especializada com as vítimas sobreviventes. O PEPDDH-PE vai acompanhar as investigações junto à Polícia Civil de Pernambuco, que, nesta segunda-feira, dia 14, informou que “seguem as investigações. Mais informações não podem ser repassadas no momento para não atrapalhar as diligências”. 

Na manhã da próxima sexta-feira, dia 18, está sendo programado um ato em Barreiros que reunirá as famílias que moram em comunidades de engenhos da região para pedir por justiça e pelo fim dos conflitos por terra. No dia, as comissões de Direitos Humanos do Senado e da Câmara Federal estarão no local para diligências. Nas redes sociais, o senador Humberto Costa (PT), que preside a comissão no Senado, disse que irá cobrar do governador Paulo Câmara (PSB) o rápido aprofundamento das investigações.

A Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife publicou uma carta ao governador pedindo “empenho pessoal na rigorosa apuração do atentado”. “Esse crime bárbaro, perpetrado por sete homens encapuzados e fortemente armados, que não hesitaram em atirar no menino indefeso, escondido sob a cama com sua mãe, não pode ficar impune! V. Exa. não pode permitir que Pernambuco se transforme num estado dominado por milícias”, diz o texto.

 

CPT denunciou violência na Zona da Mata

Balanço da Questão Agrária no Brasil em 2021, da Comissão Pastoral da Terra Nordeste 2 (CPT NE2), chamou a atenção para o que vem acontecendo na Mata Sul pernambucana. Situações como as do Engenho Roncadorzinho se repetem também no Engenho Batateiras, no município de Maraial, e no Engenho Fervedouro, no município de Jaqueira. Os três engenhos já foram pauta de reportagens da Marco Zero nos últimos dois anos.

O que antes eram usinas de monocultura da cana para produção de álcool e açúcar hoje são imóveis com dívidas milionárias. Em crise, muitas usinas faliram e terminaram sendo repassadas a empresas do ramo imobiliário e da pecuária. “Esses empreendimentos estão sendo denunciados sob a acusação de invasão de terras e de promoverem práticas violentas contra centenas de famílias agricultoras que moram na região há décadas, sendo muitas, inclusive, credoras das antigas usinas falidas”, diz o relatório do balanço da CPT NE2.

 

A indiferença do governo estadual

“Não queremos alimento com sangue na mesa das pessoas”, crava a presidenta da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (Fetape), Cícera Nunes. “A gente já vem denunciando esse descaso, esse abandono do governo do Estado nessa região”, diz ela. Pelos cálculos da Cícera, o governador Paulo Câmara (PSB) já foi oficiado ao menos cinco vezes pela Fetape e CPT. Fora, segundo Cícera, os ofícios protocolados Fórum do Campo, que reúne em torno de 30 organizações.

No entanto, o governador nunca recebeu a comunidade nem as entidades representativas, diz a presidenta. Ela lembra ainda que, em Batateiras, um homem de 30 anos foi baleado e ficou com sequelas, mas a família nunca recebeu proteção. Secretarias de governo, Ministério Público e Tribunal de Justiça de Pernambuco também vinham sendo acionados.

Cícera lembra que Geovane já havia sofrido duas investidas com invasão à própria residência. Na primeira, levaram uma TV. Na segunda, no fim do ano passado, pularam a porta da casa e levaram um celular. 

“Temos um governo nacional com o qual não contamos, não contamos com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Então temos que recorrer ao Governo do Estado na questão da reforma agrária”, acrescenta Cícera, lembrando que os governos estaduais também podem cuidar de questões relativas a massas falidas de antigas usinas.

“Não é uma questão de falta de cobrança ao Estado”, reforça a presidenta, se referindo à quantidade de vezes que as famílias rurais da Mata Sul já solicitaram ajuda. “Queremos justiça, queremos que achem os assassinos de Jonathas, queremos paz no campo, produção de qualidade e vida na mesa nas pessoas”, reivindica. 

Nesta segunda (14), aconteceram, na Delegacia de Barreiros, as escutas do pai e da mãe de Jonathas. O irmão e irmã não foram ouvidas, como estava previsto, porque não deu tempo.

Em nota, as organizações sociais disseram que “estão acompanhando os desdobramentos do caso e seguem cobrando das autoridades uma rápida e contundente apuração do crime e de sua eventual relação com o conflito agrário instaurado no local, sendo certo que, independentemente da motivação, é inadmissível e repugnante a invasão da casa de uma família camponesa e a execução cruel de uma criança”.

 

02
Out21

Candidato a vereador arrasta e atropela advogada que participava do Fora Bolsonaro

Talis Andrade
Image
por Thiago Brasil
 
 
URGENTE!! Luciano Matias Soares (foto), o bolsominion que ATROPELOU e tentou matar uma pessoa na manifestação contra Bolsonaro em Recife tem sua prisão requerida pelo delegado! Ele foi candidato a vereador pelo PSC!! ELE ESTÁ FORAGIDO!! Ajude a encontrá-lo!

Motorista arrasta e atropela manifestante no centro do Recife

por Raíssa Ebrahim /MarcoZero

- - -

Um motorista dirigindo um Jeep Renegade preto (placas QYJ2E95), arrastou e depois atropelou uma manifestante do evento Fora Bolsonaro, no Centro do Recife, neste sábado (2). Após a finalização do ato, dezenas de manifestantes seguiram para o Armazém do Campo, espaço do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, próximo ao local de dispersão da manifestação. Nas proximidades, haveria, às 14h, o lançamento da Frente Popular de Luta por Moradia no Centro, na Ocupação Leonardo Cisneiros, no prédio do INSS.

Reunido, um grupo se organizou para bloquear o trânsito na avenida Martins de Barros, na altura da ponte Maurício de Nassau, para atravessar a via com segurança e continuar em direção ao local de lançamento da Frente. Nesse momento, o motorista estava com o carro em cima da faixa de pedestres e, segundo as testemunhas, revoltou-se porque queria passar. Uma discussão foi iniciada e ele empunhou uma arma contra o grupo, segundo relatos da Comissão de Advocacia Popular da OAB-PE. Algumas pessoas cercaram o veículo na tentativa de conter os ânimos. A confusão escalou e ele, então, avançou com o veículo para cima da vítima, que não teve tempo de sair.

Para se proteger, ela se agarrou ao capô do carro e conseguiu levantar as pernas para cima. O condutor arrastou a mulher por cerca de 100 metros e freou bruscamente. Foi quando ela caiu no chão e ele passou por cima com o Jeep, atropelando as pernas e machucando a cabeça dela, que bateu no chão. A ativista foi socorrida e levada a um hospital particular no Recife. O quadro dela é estável, ela está consciente e teve múltiplas fraturas, além da pancada forte na cabeça. O nome da vítima não será informado nesta reportagem para preservá-la.

Pouco depois, o grupo de advogados da comissão de Advocacia Popular da OAB, que presta assistência jurídica às manifestações Fora Bolsonaro, informou que o nome do motorista é Luciano Matias Soares, também proprietário de veículo. Ele consta no site oficial do TRE como candidato a vereador pelo Partido Social Cristão (PSC) em 2012, quando obteve apenas 419 votos. No registro de sua candidatura, porém, informou a data de nascimento de 10 de fevereiro de 1973, exatos dez anos a menos do que consta na documentação dos órgãos de trânsito. Após o atropelamento, ele se evadiu do local. O carro não tinha qualquer identificação política ou partidária.

Uma consulta da placa no site do Detran revela que carro está com o IPVA de 2021 atrasado e acumula quase R$ 3 mil em multas de ao menos oito infrações de trânsito. As multas são por transitar pela contramão, excesso de velocidade, avançar sinal vermelho, estacionar em local proibido, dirigir usando celular e transitar na faixa de ônibus.

Até às 16h15min, a equipe da Marco Zero fez ligações telefônicas e por whatsapp para 11 números de telefones disponibilizados pelas equipes de assessoria de imprensa tanto da Secretaria de Defesa Social quanto da Polícia Civil de Pernambuco. Nenhuma ligação foi atendida. Assim, foram enviados e-mails com o seguinte conteúdo:

“Estamos acompanhando o caso do atropelamento intencional na rua Martins de Barros, ocorrido pouco depois de meio deste sábado, ao final da manifestação Fora Bolsonaro. Gostaríamos de confirmar se o proprietário do veículos de placas QYJ2E9, Luciano Matias Soares, se apresentou à central de plantões e registrou boletim de ocorrência informando que a vítima se jogou no capô do seu carro? Por fim, gostaríamos de saber qual unidade da Polícia Civil ficará a cargo das investigações?”

22
Dez20

Médicos com patrocínio político e planos de saúde promovem uso da cloroquina

Talis Andrade

Deputada Clarissa Tércio promove e patrocina uso da hidroxicloroquina com o grupo “Doutores da Verdade”

 

Por Raíssa Ebrahim /Marco Zero

Enquanto estudos internacionais apontam para a não eficácia – e o pior, para os riscos colaterais – do uso da hidroxicloroquina no tratamento contra a Covid-19, um grupo de médicos do Recife, chamados “Doutores da Verdade”, vem receitando e distribuindo a medicação de graça em comunidades. 

A compra do remédio e a promessa de salvar vidas são patrocinadas por empresários e pela deputada estadual evangélica Clarissa Tércio (PSC), que anunciou a doação de metade do seu salário para a compra da hidroxicloroquina.

Planos de saúde também estão doando, com prescrição, a medicação, inclusive para o uso em domicílio. Sob o argumento da escassez da droga no mercado farmacêutico brasileiro, a Fundação Ana Lima, braço social do Sistema Hapvida, doou a hidroxicloroquina para as operadoras do Sistema Hapvida (Hapvida, São Francisco, América e RN Saúde).

Em Belém, a Unimed também está com uma ação desse tipo, distribuindo aos seus pacientes com prescrição, por drive thru, o coquetel cloroquina, azitromicina e ivermectina.

As ações políticas e do mercado de saúde estão alinhadas com o anúncio desta quarta-feira (13) do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele disse que vai discutir com o ministro da Saúde, Nelson Teich, a ampliação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina.

Mesmo ciente de que não há eficácia comprovada, Bolsonaro defende que o uso da medicação tem que ser pensado de forma emergencial e alega que existem médicos no Brasil e no exterior com o entendimento de que a utilização é adequada sobretudo se feita precocemente e em pacientes do grupo de risco.

“Se fosse minha mãe, com 93 anos, eu vou atrás dela, pego o médico… Claro que não vou forçar, mas tem muitos que concordam com esse tipo de medicamento e ela usaria. Enquanto não tiver medicamento comprovado no mundo, temos esse no Brasil que pode dar certo ou não, mas como não pode esperar quatro ou cinco dias, é melhor usar”, disse o presidente.

O anúncio de Bolsonaro, que também aproveitou para falar da necessidade de alinhamento com os ministros, acontece um dia depois de Teich ter feito alertas sobre o uso da cloroquina em sua conta no Twitter.

No início desta semana, um dos maiores estudos já feitos com hidroxicloroquina no combate à Covid-19 apontou que a droga não diminui a mortalidade, seja usada com ou sem associação à azitromicina. O estudo foi feito com 1.438 pessoas hospitalizadas em 25 hospitais da região metropolitana de Nova York e publicado no importante periódico médico Journal of the American Medical Association (Jama).

Além da não eficácia, a publicação aponta que o uso da hidroxicloroquina pode aumentar os riscos de problemas cardíacos.

Na semana passada, o The New England Journal of Medicine, outra publicação médica respeitada mundialmente, mostrou, após estudo com 1.376 pacientes, também em Nova York, que não houve evidências de queda no número de mortes e intubações após o uso da medicação.

No fim de abril, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (National Institute of Allergy and Infectious Diseases – Niaid), dos Estados Unidos, publicou que contraindicava o uso da hidroxicloroquina com azitromicina no combate ao coronavírus por conta do potencial de toxicidade.

Sobre o uso da cloroquina ou hidroxicloroquina individualmente, o instituto disse ainda não haver dados para indicar ou contraindicar.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) confirmou, nesta quarta (13), mais 592 novos casos da Covid-19 – 232 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e 360 são casos leves. Agora, Pernambuco totaliza 14.901 casos já confirmados, sendo 7.876 graves e 7.025 leves. Também foram confirmados laboratorialmente mais 67 óbitos, totalizando 1.224 mortes no estado.

Médicos defendem uso precoce da cloroquina

O grupo Doutores da Verdade atendeu cerca de 100 pessoas na noite da última segunda-feira (11) na Igreja Evangélica Ministério Labareda, no bairro de Casa Amarela, Zona Norte da capital, e está avaliando qual será a próxima comunidade atendida. A ideia é percorrer vários locais pobres com a ação.

Segundo o pneumologista e alergologista, com mestrado em medicina pela UFPE, Antônio Aguiar, cerca de 15 pacientes tiveram, na ocasião, após consulta e avaliação médica, a indicação do uso da cloroquina e levaram a medicação para casa mediante assinatura de um termo de consentimento e atestando que conhecem os riscos dos efeitos colaterais.

“Não podemos banalizar o uso, a maioria não irá precisar de tratamento”, disse ele em conversa com a Marco Zero Conteúdo por telefone nesta quarta (13). “A impressão que a imprensa passou é que todo mundo que tem coronavírus vai morrer. Tenho atendido muita gente com estresse, depressão e ansiedade achando que é uma pena de morte”, afirmou.

De acordo com Antônio, “existem muitas evidências apontando a eficácia (do remédio) em revistas sérias internacionais, mostrando que, quando usado precocemente, a gente diminui os números de internamento, a necessidade de UTI e os casos de óbitos”.

Porém, o médico não citou as fontes da informação quando questionado, detalhando, no entanto, que já há metanálise mostrando a eficácia do remédio, quando se reúnem vários trabalhos já publicados.

O especialista sustenta que o que está havendo é “uma confusão, inclusive entre médicos”, pois, na visão dele, muitos estudos importantes demonstraram que realmente não há eficácia no tratamento, mas em pacientes já hospitalizados. Antônio disse ter 180 pacientes em seu consultório, onde prescreve o remédio, e apenas um óbito até agora.

No início da epidemia no Brasil, o Conselho Federal de Medicina (CFM), por não haver tratamento para o novo coronavírus, autorizou que médicos prescrevessem a hidroxicloroquina, inclusive ambulatorialmente, desde que haja um consentimento do paciente de que é um tratamento experimental ou se for para fins de estudo científico.

Nesta terça (12) à noite, em live no Instagram com a deputada Clarissa Tércio (PSC), Antônio Aguiar, que disse saber que tem o apoio do Cremepe (Conselho Regional de Medicina de Pernambuco), declarou: “Não estou fazendo nada ilegal. Podem denunciar ao Cremepe. Estou apenas curando pacientes e, se não curar, estou diminuindo o sofrimento”.

“Não vão pelos dados da televisão, o coronavírus está desaparecendo, toda virose é limitada, ela faz seu ciclo. O vírus vem, causa seu estrago e vai passar. Vamos ter fé e esperança”, afirmou o pneumologista.

Em nota enviada à reportagem, o Cremepe informou que “instaurou expediente de apuração das informações referentes ao programa ‘Doutores da verdade’. O expediente corre em sigilo processual para não comprometer a investigação. Os expedientes são regidos pelo Código de Processo Ético – Profissional (CPEP) estabelecidos pela Resolução CFM Nº 2.145/2016”.

Clarissa Tércio prega o isolamento vertical

Clarissa Tércio (PSC) ao lado do marido, o pastor Júnior, em ação dos ” Doutores da Verdade”

Sempre alinhada às falas do presidente, a deputada Clarissa Tércio, financiadora de atos pró-Bolsonaro no Recife, defende o isolamento vertical, em que somente os grupos de risco, a exemplo de idosos e pessoas com comorbidades, precisam ficar isolados em casa. 

Especialistas no mundo inteiro já mostraram, desde o início da pandemia, que, num estágio de crescimento exponencial dos casos, situação que o Brasil vive hoje, é necessário ampliar as restrições de contato social. Países europeus se arrependeram de terem iniciado as ações com isolamentos seletivos porque os casos cresceram assustadoramente.

Confira algumas frases ditas pela deputada na live: 

“Vocês não devem se assustar com as más notícias propagadas pela grande mídia”

“Acho absurdo estar colocando o tempo todo fotos de covas e pessoas morrendo. Estamos atravessando um momento difícil, mas vai passar”

“Eu estou aí há um tempo, acho até que peguei esse negócio porque é o tempo todo entrando em UTI, em hospital e agora nessas ações”

“Em momento nenhum negamos a doença, sempre defendemos o isolamento vertical e o cuidado das pessoas que são grupo de risco. Elas, sim, expostas à doença é muito perigoso”

São essas as ideias que a deputada propaga também em seus canais de comunicação e na Rádio Ministério Novas de Paz, líder de audiência na Região Metropolitana do Recife e que pertence à Assembleia de Deus de mesmo nome, presidida pelo seu pai, o pastor Francisco Tércio. Seu marido, o pastor Júnior, também pertence à igreja, que possui mais de 20 mil fiéis.

A deputada também vem pedindo para que o governo de Pernambuco publicize onde estão as medicações recebidas via governo federal e como estão sendo distribuídas. Ela também requereu que o remédio seja usado nas UPAs . O protocolo do uso do medicamento cloroquina, para casos graves, é definido pelo Ministério da Saúde (MS) e seguido pelo estado.

Isto é, ele é disponibilizado para uso, “a critério médico, como terapia adjuvante no tratamento de formas graves, em pacientes hospitalizados, sem que outras medidas de suporte sejam preteridas em seu favor”.

A Marco Zero Conteúdo perguntou à SES-PE quantas unidades foram enviadas por Brasília: “O governo federal enviou duas remessas dessa medicação para Pernambuco, que foram encaminhadas às unidades hospitalares, totalizando 184 mil comprimidos. Além disso, a SES-PE adquiriu 86.200 comprimidos de hidroxicloroquina para atender pacientes da Covid-19, além de doentes com outras patologias que fazem uso do medicamento, por meio da Farmácia de Pernambuco, como lúpus e artrite reumatóide”, respondeu a secretaria em nota.

Clarissa Tércio também sustenta seus argumentos com base em declarações do mercado ao citar o presidente do Sistema Hapvida, Jorge Pinheiro. Em comunicado que a reportagem recebeu via assessoria de imprensa do Hapvida, Jorge diz que “a percepção clínica de nossos médicos é de que o uso da hidroxicloroquina, em associação com outras drogas, na fase inicial da doença, tem sido um elemento essencial para evitar a gravidade da Covid-19 em nossos pacientes. Dessa forma, para cuidar do nosso paciente e contribuir para que a sua situação não se agrave, vamos doar a medicação, desde que tenha prescrição médica. Quando ele se consultar com nosso médico em nossas unidades, e o médico entender que ele possui condições de ficar em casa e precisa da medicação, daremos acesso à hidroxicloroquina, já que muitos pacientes têm nos relatado dificuldades de encontrar a medicação na rede farmacêutica do país como um todo. Já temos, no momento, tratamento para 20 mil pessoas, mas estamos trabalhando para ampliar essa quantidade”.

Clarissa disse ontem na live, com pico de audiência de quase 800 pessoas simultaneamente, que acredita que “existe uma militância contra a droga”. “Pode denunciar na Polícia Federal, FBI, Interpol, o que for. Não somos criminosos, não estamos fazendo nada errado”, provocou. 

E aproveitou para alfinetar o Psol, partido opositor e para quem ela perdeu a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), presidida pelo mandato coletivo das Juntas: “Do Psol não podemos esperar aplausos. É bem provável que, se eu tivesse distribuindo maconha e pílula abortiva, eu estaria sendo aplaudida”.

O Psol, através da advogada e ex-candidata ao governo do estado, Dani Portela, protocolou denúncia no Ministério Público de Pernambuco (MPPE), no Cremepe e na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pedindo investigação das ações do grupo “ Doutores da Verdade” e a relação com a deputada evangélica na promoção do uso da hidroxicloroquina em bairros de periferia.

A promotora Ivana Botelho, do MPPE, informou à Marco Zero Conteúdo que o órgão decidiu distribuir a “notícia de fato” sobre o grupo “Doutores da Verdade” e vai iniciar uma investigação com o objetivo de verificar se há dano à saúde pública. O MPPE também oficiou o Cremepe para saber que providências o órgão tomou em relação ao fato.

Lives X artigos científicos

“Infelizmente estamos vivendo um momento em que lives são mais importante que artigos científicos”. A declaração é do médico clínico geral Pedro Alves, há mais de dois meses na linha de frente do combate à Covid-19 na enfermaria do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), referência em infectologia.

Ele avalia como natural, diante de uma pandemia, o medo e a necessidade de ir-se atrás de uma cura. Mas alerta que não há evidências robustas até o momento de que o uso da cloroquina é eficiente. “Na verdade, as evidências até agora não estão conseguindo demonstrar a eficácia. Hoje, à luz da ciência, não há vantagens e, para alguns pacientes, há até riscos maiores”, frisa.

Pedro também problematiza a a possibilidade de comprovação da eficácia da cloroquina a partir das ações de promoção do remédio: “Com um presidente que acha que é uma gripezinha, você vai lançar mão de uma droga que não tem efetividade comprovada num tratamento em massa para um percentual muito pequeno que terá complicações. Como você vai comprovar que a droga foi a solução? Porque já é evidente, do ponto de vista científico, que a maioria dos quadros são domiciliares e sem maiores complicações”.

O médico levanta outras questões: o fato de profissionais se colocarem numa posição de propagadores de uma verdade absoluta e prometerem uma solução, o que não é permitido pela ética médica. O código, no artigo 113, diz que não se pode “divulgar, fora do meio científico, processo de tratamento ou descoberta cujo valor ainda não esteja expressamente reconhecido cientificamente por órgão competente”.

Na avaliação do professor de farmacologia e coordenador do curso de farmácia da Unicap, Leando Medeiros, que vem acompanhando de perto as publicações científicas, as iniciativas de incentivo ao uso da medicação são uma tentativa política de forçar a barra, uma forma de mostrar serviço e mostrar que existe uma preocupação política com a saúde das pessoas.

“É mais um mecanismo de tentativa e erro para que as pessoas se recuperam rapidamente para voltar a estimular economia”, critica. A grande preocupação de Leandro é que, com esse tipo de iniciativa, vai se estar dando acesso a um medicamento muito útil para tratar outras doenças, como malária, lúpus e artrite reumatoide, desabastecendo pacientes que precisam.

Segundo ele, até farmácias de manipulação que fazem a hidroxicloroquina com prescrição médica estão com dificuldade de abastecer porque seus fornecedores também têm limitação.

“Fake news na ciência”

“É um fenômeno de fake news na ciência”, conclui Rafaela Pacheco, médica de família e comunidade, sanitarista, professora de medicina da UFPE Caruaru e presidente da Associação Pernambucana de Medicina de Família e Comunidade.

“Não é surpreendente perceber que as pessoas que não têm notadamente habilidade para ler e criticar de forma efetiva um artigo científico caiam nessas orientações travestidas de ciência. Assustador é ver a categoria médica ter esse tipo de comportamento. É compreensível a pressão e angústia dos profissionais de saúde e a sensação de impotência. Eu acolho esse sofrimento, mas desespero não é o melhor conselheiro”, sobe o tom da crítica.

Rafaela avalia que a mídia também tem uma responsabilidade nisso porque as publicações geram ansiedade e uma corrida pelos remédios. “Pode ser que amanhã isso mude, mas o que temos por enquanto são dados sérios publicados por revistas renomadas internacionalmente e não há comprovação de sucesso no tratamento (com hidroxicloroquina)”, aponta.

Outra preocupação de Rafaela, que atende em uma unidade de referência municipal para a Covid-19, é que as promessas de tratamento e cura terminem gerando um descuido no que de fato há comprovação de eficácia: o isolamento social e o uso de máscara. “O pouco que temos conseguido (de isolamento), com tanto esforço público e societário, pode ir de ralo abaixo”, alerta.

A médica prevê ainda outro problema na atenção primária: o comprometimento do vínculo na relação entre médico e paciente, “algo muito caro para quem trabalha com medicina de família e comunidade e cuidado longitudinal. Imagina a cobrança pela prescrição do medicamento e a necessidade de explicar tudo isso o tempo todo à população”, pondera. (Reportagem publicada em 13 de maio de 2020)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub