Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Abr21

É preciso tirar esse pulha do poder

Talis Andrade

cemitério.jpg

 

“Estamos desgovernados e precisamos encontrar uma forma de tirar esse pulha do poder. O presidente da República é um delinquente. Temos que dizer isso com todas as letras, com coragem. Ele é um delinquente. Delinquente é aquele que pratica crimes, e o número de crimes que ele praticou… ele e o seu bando. Quando eu falo ‘o seu bando’, eu me refiro aos companheiros de trabalho e a sua família. A família Bolsonaro é uma organização familiar criminosa que articula contra o Brasil todos esses desmandos que estamos vivenciando hoje. Tenho 55 anos de advocacia criminal. Defendi mais de 500 perseguidos políticos. Eu nunca vi um momento tão doloroso, tão difícil como este que estamos vivendo”.

O desabafo é de José Carlos Dias ao TUTAMÉIA. Ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, ele preside a Comissão Arns. “Estou assustado, sofrendo, com medo como vocês. Sou um cidadão que tem consciência de que vivemos talvez o pior momento da história brasileira, em razão do problema sanitário e do problema político. Temos hoje uma pandemia e um pandemônio que nos governam ou nos desgovernam. O presidente Bolsonaro exerce o poder com uma desfaçatez que revolta. A maneira como ele está se portando como presidente da República é uma coisa absolutamente inacreditável. O Brasil está desgovernado. Esse homem não pode continuar lá, ele não pode continuar dirigindo esse país. Isso tem que ser dito com clareza”, declara.

cpi cemitério .jpg

 

Nesta entrevista, ele trata da possibilidade de impeachment, da importância da CPI instalada no Senado, das mudanças no Supremo Tribunal Federal, do aparelhamento do Estado por bolsonaristas e da necessidade de união dos progressistas. Coordenador da Comissão Nacional da Verdade, ele rememora o atentado terrorista do Riocentro, que completa 40 anos nesta sexta, 30 de maio (acompanhe a íntegra no vídeo e se inscreva no TUTAMÉIA TV).

“A CPI tem uma importância muito grande. É o Senado que vai decifrar todos os desmandos praticados por este governo e que redundaram nessa situação catastrófica que estamos tendo agora. Espero que os senadores tenham a lucidez de enfrentar essa situação com bastante força. Temos que acreditar que todos estarão unidos para decifrar essa situação. É fundamental que tudo que esteja ocorrendo seja mostrado à nação, seja revelado pela CPI à nação. Não temos a possibilidade de ir à rua como deveríamos ir. Se não estivéssemos vivendo uma pandemia, estaríamos de mãos dadas caminhando e cantando os nossos gritos de guerra contra a violência. Mas não é possível”.

Para Dias, é “um absurdo” o fato de Rodrigo Maia e Arthur Lira não terem despachado os pedidos de impeachment para debate na Câmara. “Temos que cobrar isso. Há caminhos judiciais perante o Supremo para forçar o presidente da Câmara a dar seguimento a esses pedidos de impeachment. A Constituição dá esses elementos para que possamos cobrar do Supremo que o Supremo exija do presidente da Câmara que se manifeste a respeito desses pedidos de impeachment”, afirma.

SUPREMO ESTÁ SE RECONSTRUINDO

Na avaliação do ex-ministro da Justiça, “o Supremo está melhor do que esteve”.

“Passou uma fase muito ruim, em que o Supremo se silenciou completamente. A questão da suspeição do Moro e da decisão a partir do voto do [Edson] Fachin quanto à incompetência de Curitiba para julgar os processos. Isso é para ter sido apreciado há muito tempo. Quanto tempo o Lula permaneceu preso, quando isso era para ser apreciado pelo STF? De um jeito ou de outro, mas que tivesse uma definição clara. E ele permaneceu preso. É um cidadão preso. Não é porque é o Lula. É um cidadão que ficou preso enquanto não era proferida uma decisão, e o Supremo deveria ter dado essa decisão. Veio agora. Isso é um absurdo. Neste momento, temos uma posição do Supremo que está se reconstruindo. É o único caminho que nós temos que encontrar agora: a participação efetiva do Supremo para corrigir todos esses desmandos”.

 

30
Jan21

Ruy Castro: Bolsonaro rebaixou o Brasil ao nível de estrebaria de quartel

Talis Andrade

 

branco exercito trabalha trabalha trabalha.jpg

 

247 - Em sua coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo, o escritor Ruy Castro afirma que Jair Bolsonaro foi "quem rebaixou o Brasil ao nível de estrebaria de quartel, ao inundar os lares com um vídeo sobre golden shower, chamar um jornalista para a briga ('Minha vontade é encher a sua boca de porrada!') e ejacular mais palavrões numa reunião ministerial do que em todas as reuniões ministeriais somadas desde 1889".

No texto, Ruy Castro destaca que, "desde sua posse, Jair Bolsonaro já foi chamado de cretino, grosseiro, despreparado, irresponsável, omisso, analfabeto, homófobo, mentiroso, escatológico, cínico, arrogante, desequilibrado, demente, incendiário, torturador, golpista, racista, fascista, nazista, xenófobo, miliciano, criminoso, psicopata e genocida". 

"Nenhum outro governante brasileiro foi agraciado com tantos epítetos, a provar que a língua é rica o bastante para definir o pior presidente da história do país. Mas é inútil, porque nada ofende Bolsonaro. Ele se identifica com cada desaforo".

Image

leite condensado exercito.jpg

 

27
Abr20

Olha aí, general, mais notícias positivas!!

Talis Andrade

general ramos.jpg

 

 

Por Eric Nepomuceno

Jornalistas pela Democracia

 

Dia desses, o general Luís Eduardo Ramos, que ocupa o posto de ministro-chefe da Secretaria de Governo, pediu aos meios de comunicação que mostrassem notícias positivas para o Brasil. 

Ou melhor: para a opinião pública deste país sem norte nem rumo.

Pois vamos lá: de quinta-feira para cá, choveram notícias positivas.

Para começar, um sacripanta chamado Sergio Moro já não está no governo. A tendência é que daqui para a frente as hostes de bolsonaristas primatas corroam o que ele ainda tem de imagem. 

Livrar-se de um juizeco provinciano, de um caipira deslumbrado, que durante um ano e quatro meses manipulou à vontade os poderes que tinha (e que vinham sendo corroídos aos poucos por Jair Messias) para proteger quem o corroía, é uma notícia altamente positiva.

 

E vale recordar que antes o disso sacripanta manipulou à vontade um processo amplamente viciado, diante de um Supremo Tribunal Federal poltrão, que se acovardou luminosamente quando ameaçado pelo então poderoso general Villas Boas, que deu a voz final para impedir a candidatura de Lula da Silva.

Pois Foi ele, o já então ofegante general Villas Boas, que em última instância proibiu que Lula fosse candidato, e permitiu a vitória do descerebrado que agora trata de salvar.

Tudo isso não faz mais que tornar, aos olhos da história que alguma vez será escrita, uma notícia positiva: um pulha a menos (Moro) num governo de pulhas, do qual o senhor e seus colegas uniformados e empijamados fazem parte.

Resta saber quanto de lucidez sobrou na opinião pública para a partir de agora, quando se desatará uma batalha de acusações recíprocas entre duas pústulas – o próprio Moro e Jair Messias -, entender de quem se trata. 

Outra notícia positiva, sempre a depender do que resta de lucidez a uma opinião pública manipulada, ignorante e deformada: a saída de Moro, tal como se deu e tal como o que veio depois, expôs de maneira absolutamente clara a imundície que é este governo.

Mais notícias positivas?

Pois não, general.

Jair Messias acha a coisa mais natural do mundo, e com a qual os senhores, vale repetir, tanto os fardados quanto os empijamados, concordam, pensa nomear para o cargo de diretor geral da Polícia Federal um fulano que é amigote de seus três filhos investigados pela própria Polícia Federal. 

O nome da figura, aliás, abre espaço para um trocadilho tão infame quanto inevitável: nomear o delegado Ramagem seria a melhor maneira de quebrar todos os galhos dos envolvimentos do trio de filhos que não apenas são hidrófobos, mas também cometedores de crimes de calibres variados, diante das investigações da Polícia Federal.

Quer notícia mais positiva que essa, excelentíssimo senhor general que põe a farda que veste ao serviço desse tipo de falcatrua?

No meu caso pessoal, é como se eu determinasse que certos amigos não apenas do meu filho, mas da minha família, fossem nomeados para investigar denúncias contra meu filho e minha família.

Cá entre nós, e agora não me dirijo apenas ao general Ramos, mas à milicada inteira que cerca o psicopata: vocês não têm um pingo, uma gota, um vestígio de vergonha na cara?

Pois deixo aqui, general, cordiais saudações e toneladas de asco. 

Pelo senhor e por todos os fardados e empijamados que rodeiam esse boçal que atende pelo nome de Jair Messias.

E que, com a participação de vossas senhorias, afundam este país numa rara mescla de esgotos variados.

Sergio Moro e Jair Messias são pulhas da mesma laia. E os senhores?

fico de moro mico.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub