Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

02
Fev24

Canção atual - Jacinta Passos

Talis Andrade

Jacinta Passos, na década de 1940..jpg

 


Plantei meus pés foi aqui

amor, neste chão.

Não quero a rosa do tempo
aberta
nem o cavalo de nuvem
não quero
as tranças de Julieta.

Este chão já comeu coisa
tanta que eu mesma nem sei,
bicho
pedra
lixo
lume
muita cabeça de rei.

Muita cidade madura
e muito livro da lei.

Quanto deus caiu do céu
tanto riso neste chão,
fala de servo calado
pisado
soluço de multidão.

Coisas de nome trocado
– fome e guerra, amor e medo –

Tanta dor de solidão.

Muito segredo guardado
aqui dentro deste chão.

Coisa até que ninguém viu
ai! tanta ruminação
quanto sangue derramado
vai crescendo deste chão.

Não quero a sina de Deus
nem a que trago na mão.

Plantei meus pés foi aqui
amor, neste chão.

Ilustração Lasar Sagal, 1944 - Jacinta Passos


- Jacinta Passos, em "Poemas políticos". Rio de Janeiro: Livraria-Editora Casa do Estudante do Brasil, 1951.

Ilustração Lasar Sagal

02
Fev24

Jacinta Passos - serei poesia

Talis Andrade

jacinta passos.jpg

 

Poesia perdida


Ó! a poesia deste momento que passa,
a grande poesia vivida neste instante
por todos os seres da terra,
que palpita nas coisas mais simples
como um rastro luminoso da Beleza
e, sem uma voz humana para eternizá-la,
se perde para sempre, inutilmente...
Por que existo, Senhor, quando não posso cantar?


- Jacinta Passos (1933?), em  parte I “Momentos de Poesia”, do livro 'Nossos poemas'. Salvador: A Editora Bahiana, 1942.

 

30
Jan24

A LEI DO SILÊNCIO

Talis Andrade

English School - Censura anjo da.jpg

 

 

                        O temor de falar das cousas

                        que tocam o coração

                        De ser fichado como louco

                        preso em uma camisa-de-força

 

                        O temor de falar dos ideais                   

                        e dos pequenos devaneios

 

                        Todo mundo se fecha

                         a sete chaves

                         pelo receio

                         de perder a cabeça

 

- - -

                     

livro o enforcada rainha

imagem o anjo da censura final do século 13 (pintura de parede)

16
Jan24

AS FILHAS DA DIDATURA

Talis Andrade

militar _corruption__vladimir_kazanevsky.jpg

 

                       Primeiro ato

 

                       Nada acontece de novo

                       no reino da Dinamarca

                       As filhas da ditadura                   

                       depois de brincarem

                       de guerrilha urbana

                       esposam católica angelicamente

                       os filhos dos amigos do pai

                       convidam burguesa orgulhosamente

                       o marechal presidente

                       para padrinho de casamento

                     

                       Vestidas de branco

                       belas e joviais

                       as nobres murzelas

                       sobem o altar celestial

                       ao som marcial

                       da música de Wagner 

 

                        ( Segundo ato)

 

                         Nada acontece de novo

                         no reino da Dinamarca

                         Desfilando em carrões negros

                         guiados por motoristas negros

                         as filhas da ditadura

                         cruzam fortuita perigosa

                         atordoante passeata estudantil                       

                         recordando suspirando heróicas trepadas

                         quando freqüentavam a universidade

                         pichando muros panfletando

                         utópicos programas partidários  

 

                         As consciências leves

                         as jovens esposas

                         retornam à militância política               

                         patrocinando chás e bingos

                         de pública caridade

                         com fotos dominicais

                         de Sebastião Lucena

                         nas colunas sociais

 

                         (Terceiro ato)

 

                         Dona-patroa dispõe

                         desde menina-moça

                         das regalias de sangue

                         casa na praia

                         casa no campo

                         casa na corte

                         Em cada casa o conforto

                         a sujeição dos criados

                         para os serviços pesados

                         e secretos brinquedos

                         Em cada casa

                         o ritual preciso

                         para banquetear os amigos

                         encastelados no governo

                         Em cada casa

                         o ambiente propício

                         para as festas de santo

                         e feriados cívicos

        

                         No jogo do poder

                         dona-patroa se arma

                         de inatas inocentes

                         sedutoras artimanhas

                         para o esperto marido

                         colocar no pescoço

                         do convidado de honra

                         o macio mesurado

                         laço de lobista

 

                         Sendo preciso

                         o sacrifício

                         uma vítima

                         uma isca

                         dona-patroa

                         com muito jeito

                         máximo proveito

                         se enfeita

                         se perfuma

                         para dormir

                         com senadores e ministros

                         liberando o dinheiro                   

                         que o marido cobiça                    

 

                        (Quarto ato)

 

                       Uma ditadura

                       fatalmente dura

                       uma geração

                       não morre              

                       nem antes

                       nem depois

                       Morre de podre

                       morre de velha

                       pelas passarelas

                       dos palácios

                       e quartéis

 

                       As balas da guerra interna

                       ricocheteiam nos marechais

                       um a um eliminados

                       torturados pela artrite

                       sufocados pela angina

                       o coração explodindo enfartado

                       o peito coberto de medalhas

                       o corpo vestido                  

                       com a farda de gala                   

                       que bela mortalha

 

- - - 

livro o enforcado da rainha, talis andrade

imagem vladimir kazanevsky

16
Jan24

DISCURSO DE BAR

Talis Andrade

revoluçao.jpg

                      1

                       Sovaco ilustrado

                       o poeta desfila os sapatos

                       de sola furada

                       Gritando slogans carbonários

                       garbosamente marcha

                       ao lado de estudantes

                       funcionários públicos

                       camponeses e operários

                       levando no coração

                       os sonhos guerreiros

                       de um Brasil altaneiro

                       No sangue o ardor

                       da revolução temporizada

                       o calor dos costumeiros tragos             

                       nos botequins esfumaçados

 

                       2

                       Pelo escuro dos bares

                       melodramáticos travestis

                       bebendo valium com guaraná

                       destilam rímel e lágrimas

                       em invisíveis taças

                       Pelos escuros bares

                       os investigadores refazem

                       a ronda escura

                       da ditadura

 

                       No escuro dos bares

                       as moças ricas

                       bem nascidas

                       filhas de deputados

                       e ministros

                       pousam de esquerdistas

                       escondendo a idade

                       nome sobrenomes

                       e a perdida virgindade

        

                       Agitadas tardes

                       de correrias

                       gás lacrimogêneo

                       murros e cacetadas

                      Tardes de comícios

                      relâmpagos

                      maconha

                      sexo

                      e cachaça

 

                       Alegres noites

                       de gente que sai

                       gente que entra

                       Os bares não fecham nunca

                       os sonhos não mudam nunca

                       os garçons não mudam nunca

          

                       Dia e noite

                       noite e dia

                       os garçons

                       servem os petiscos

                       Dia e noite

                       noite e dia

                       sonolentos garçons

                       servem os copos               

                       de chope

 

                        Dia e noite

                        noite e dia

                        no agito dos bares

                        cofiando a barba à Che Guevara

                        o poeta vai adiando a(revolu)ção

                        e o secreto projeto de escrever

                        um livro

                        na solidão do cárcere

        

14
Jan24

PRÉDICA DO PERIGO VERMELHO

Talis Andrade

 

Imagem do livro 'Comunismo para crianças' — Foto: Divulgação

 

                       Cuidado menina

                       siga os conselhos

                       do senhor seu pai

                       leia o aviso

                       não pise na grama

                       nunca se arrisque

                       pelos ermos campos

                       mesmo que a noite

                       esteja estrelada

                       o chão pontilhado

                       de pirilampos

 

                       Siga os conselhos

                       da senhora sua mãe

                       não durma com a dama

                       a dama escarlate

                       nem vá por aí

                       menina que aí

                       tem tarado tem

                       comunista

 

                       Cuidado menina

                       faça tudo

                       conforme a lei

                       e não precisa ter medo

                       do que não vê

                       A polícia vê

                       a polícia vê

                       por você

 

- - -

poesia livro o enforcado da rainha, talis andrade 

imagem livro comunismo para crianças, bini adamczak

 

13
Jan24

NO DESCAMPADO UMA ÁRVORE

Talis Andrade

 



                     

                      Seca braba

                      no sertão

                      Os macacos

                      seguiam os passos                      

                      do Capitão

 

                      Seca braba

                      no sertão

                      Os macacos reviviam

                      os tempos de caça                       

                      a Lampião

 

                       Seca braba

                       no sertão

                       Os danados cercaram

                       os povoados

                       Os danados traziam o fogo

                       o enxofre

                       a fúria demoníaca

                       que derrubou os arruados

                       de Canudos

 

                       No rasto dos sonhos

                       encontraram Lamarca

                       descansando sob uma árvore

 

                       Era uma seca

                       braba

                       Um sol

                       de secar a alma

 

                       No descampado

                       do sertão

                       uma árvore

                       preservou-se verde

                       para oferecer

                       a amena sombra

   

                       Era uma seca

                       braba

                       Um homem

                       contra um exército de cabras

                       cegos de ódio e sangue

 

                      Um homem

                      na vastidão do sonho

                      Um homem

                      e uma árvore

                      Uma árvore

                      como escudo

                      e sombra

- - -

livro o enforcado da rainha, talis andrade

foto carlos lamarca

13
Jan24

CÃES DE CAÇA

Talis Andrade

                       No embalo

                       de ser jovem

                       Yara Iavelberg

                       com um revólver

                       sem bala

                       foi à procura                      

                       do Capitão

                      

                       Nos abrigos

                       que encontrava refúgio

                       o Capitão

                       havia se mudado              

                       de véspera

 

                       Encantada pelos sonhos

                       Yara não tinha malícia

                       e na busca do amante

                      não media

                      o poder da polícia

 

                      Escrevia cartas

                      vagou por cidades

                      e aldeias

                      esperando um encontro

                      de amor

 

                      Yara não sabia

                      a polícia tem espias

                      cães adestrados

                      cães fareja              

                      dores dos odores

                      da primeira menstruação

                      e do primeiro orgasmo

 

                      Os espias

                      cães de caça

                      treinados danados 

                      cães com raiva                 

                      nunca perdem um inimigo 

 

                       Encantada pelos sonhos

                       Yara apenas possuía

                       um revólver sem bala

                       um coração de menina

                       apaixonada pelo Homem  

 

- - -

livro o enforcado da rainha 

foto iara iavelberg

22
Out23

Bombardeio em Gaza mata a poeta Heba Abu Nada

Talis Andrade
 
 
 
 
 

 

 

A poeta e romancista palestina Heba Abu Nada, autora do romance Oxygen is Not for the Dead (2017) - obra sem tradução para o português - , morreu sob bombardeio em Khan Yunis, na Faixa de Gaza, na sexta-feira (20), anunciou o Ministério da Cultura palestino.

Nascida em Meca em 1991, Abu Nada estudou bioquímica na Universidade Islâmica de Gaza e concluiu um mestrado em nutrição clínica. Em 2017, ela ficou em segundo lugar no Prêmio Sharjah de Criatividade Árabe na categoria romance por sua estreia, Oxygen is Not for the Dead.

Nos últimos dias, ela usava a conta no Twitter para se referir ao conflito instalado na Faixa de Gaza desde o dia 7 de outubro.

 

"A noite da cidade é escura,

exceto pelo brilho dos mísseis,

silenciosa, exceto pelo som dos bombardeios,

assustadora, exceto pela garantia das súplicas....",

publicou a poetisa no dia 8 de outubro. 

Veja vídeo Abu Nada recitando um poema traduzido para o espanhol aqui.

 

La poeta palestina, Heba Abu Nada, murió ayer a los 32 años durante los bombardeos de Israel sobre la franja de Gaza.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub