Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

30
Abr23

O mal que nos habita

Talis Andrade
 
 
 
Filhos únicos: as histórias das crianças mortas em ataque a creche |  Metrópoles
 
 
 

por Gustavo Krause

- - -

Na quarta-feira, 05 do mês corrente, o Brasil amanheceu sob o impacto de mais uma tragédia devastadora: homem, estranho à creche, mata quatro crianças na cidade de Blumenau, em Santa Catarina. Petrificado, fui, aos poucos, despertando do que julgava um pesadelo até tomar conhecimento completo dos fatos.

A fuga do real, um frágil escudo da minha fraqueza interior, me fez mergulhar no silêncio absoluto e pensar sobre a perversidade sem limite. Mudo e triste, ia levando os dias na esperança da cura pelo remédio do tempo.

Recebi conselhos ajuizados: amigo, todo dia as tragédias se repetem; enfrente ou adoeça gravemente; reflita e tente compreender para se colocar ao lado dos que, solidários, não desfalecem diante das patologias individuais e sociais; contraponha a fé que ilumina e a força que transforma, abraçando o engajamento nas causas que se antepõem a todo tipo de violência.

Nada, porém, que aliviasse uma profunda inquietação: o que leva um ser humano a cometer crime tão hediondo? Cético em relação às certezas definitivas, restou-me assumir a consciência do mundo real em que habitam, dentro de cada um de nós, anjos e demônios em permanente conflito.

O primeiro impacto para retomada da consciência veio com a manchete do Estadão “Barbárie vai à escola”. Uma triste coincidência: a escola é (ou deveria ser) o berçário da civilização; espaço de acolhimento, cuidados em que são plantadas sementes civilizatórias de modo a separar o humano do não-humano. Ali, prevaleceram, no gesto destruidor, extrema crueldade e a negação dos afetos naturais que levam até os animais a protegerem seus semelhantes.

A história está repleta de exemplos em que civilizações, para além da guerra cometeram, com requintes inacreditáveis, crimes de genocídio.

Não faltaram notáveis pensadores que identificaram na violência traços sádicos culturalmente reprimidos e, na raiz, as pulsões de vida e de morte.

Neste sentido, as autoras do livro O mal que nos habita (Gwen Adsead, psiquiatra forense do Reino Unido e a escritora e dramaturga Eileen Horn – Companhia das Letras, SP, 2022), cujo título tomei emprestado para o artigo, após vasta experiência de psiquiatra e psicoterapeuta com criminosos violentos, escreveram: “Um fio condutor importante foi meu estudo de afeições na infância em relacionamentos e sua associação com a violência posterior”.

É o ponto de partida das monstruosidades que se alimentam de fatores culturais. socioeconômicos, relacionais e as mensagens políticas que, ostensiva ou sutilmente, fomentam impulsos de medo, ódio e vingança. A propósito, a famosa frase do então primeiro-ministro do Reino Unido, John Major, “A sociedade precisa condenar um pouco mais e compreender um pouco menos”, resultou em graves consequências, acirrando o apetite público por punição.

A violência é uma doença contagiosa e fatal para os sentimentos de solidariedade e esperança. E mais: nos retira a sensibilidade de olhar para as pessoas, sabendo que nós somos mais parecidos do que diferentes. No entanto, o mal que nos habita acende a capacidade de luta pela paz interior e a mobilização inspiradora para continuar abrindo portas e criando espaços que ofereçam um bem que transforma e não nos pode ser tirado: a educação.

A creche Cantinho Bom Pastor vive e viverá, cuidando um dos outros, educando a todos e oferecendo ao próximo o amor universal da comunhão.

 

08
Ago22

Canalhices contra Manuela

Talis Andrade

Canalhices contra Manuela

 

 

por Juremir Machado da Silva

 

Talvez o maior paradoxo da humanidade seja este: a tecnologia não para de avançar, o imaginário continua atrasado. Na era da internet – triunfo de séculos de saber acumulado pela ciência – racismo, homofobia e machismo continuam, para usar a linguagem das redes nem tão sociais assim, bombando. Basta ver o que aconteceu em Portugal com os filhos negros dos atores brasileiros Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank.

Image

Foram vítimas do racismo mais explícito possível. No programa global de Ana Maria Braga, que repercutia esse caso, entraram no ar, em lugar da reportagem prevista, imagens de macacos. A pessoa responsável foi devidamente demitida. Por aqui, nos pagos, a gaúcha Manuela D’Ávila é alvo permanente dos seres mais abjetos. Mais uma vez, um deles a ameaçou de estupro e referiu-se a filhinha dela em termos sexuais inomináveis. Por que esse ódio todo?

Ao longo dos muitos anos em que trabalhei em rádio sempre me impressionou o ódio das mensagens de ouvintes contra Manuela D’Ávila (PCdoB), Maria do Rosário (PT), Fernanda Melchionna (PSOL), Luciana Genro (PSOL) e Sofia Cavedon (PT). Era uma mistura de misoginia, machismo, reacionarismo, estupidez, ignorância e recalque, tudo isso embalado como anticomunismo. Na guinada da Rádio Guaíba para o bolsonarismo mais rasteiro, uma entrevista com Fernanda Melchionna, no Esfera Pública, que eu apresentava ao lado de Taline Oppitz, serviu de gota d’água. Ela provocava urticária na base bolsonarista no poder. Homens assinavam a grande maioria das mensagens mais brutais, patológicas e repugnantes.

 

 

Manuela é bem-sucedida, inteligente, famosa, competente, bonita, defende causas justas, tem uma linda família e um futuro político sempre promissor. É isso que enfurece os seres toscos que a atacam? Li nas redes antissociais que ela é ofendida por ser de classe média e comunista. Manuela é vítima constante de fake news sobre sua vida privada. Mesclam o ódio mais grosseiro contra o feminismo ao antiesquerdismo visceral, num pacote de infâmias no qual vale tudo para desqualificar alguém. Junta-se a isso a vulgata espalhada por liberais sem grandeza intelectual pela qual comunistas não poderiam se beneficiar da evolução tecnológica, ter um iPhone, por exemplo, nem viver confortavelmente. Não sou comunista, nunca fui, mas li bastante sobre o assunto. Entendi que comunistas não querem a pobreza para todos, mas o compartilhamento da riqueza, a elevação do nível da vida de todos, etc. Não foi nem é assim na prática? Ouso dizer que o capitalismo também não tem cumprido as suas promessas mais básicas.

O liberal raiz, individualista radical, julga a ideologia do outro pela sua, transformando uma proposta coletivista em ação individual. Assim, confunde uma proposta de transformação estrutural com atitudes individuais, como se o comunista devesse praticar uma espécie de filantropia, doando seus bens. Digo isso com a tranquilidade de quem se vê como anarquista de utopia e social-democrata na prática, encantado com a Suécia. A conversa aqui, porém, é outra. Manuela e as mulheres que citei são atacadas vilmente por serem mulheres. O fato de que argumentam bem, com veemência, firmeza e precisão, enfurece os machistas de plantão. 

O comunismo não ameaça o Brasil. O perigo é o bolsonarismo. A Carta em Defesa da Democracia, assinada por empresários, professores, artistas, intelectuais e profissionais dos mais diversos setores, mostra com que setores que não podem ser chamados de comunistas estão, de fato, preocupados. A ameaça mais sorrateira, contudo, é essa que atinge mulheres como Manuela, infiltrando-se no cotidiano, a ameaça da violência produzida pela estreiteza mental e pelo horror às transformações comportamentais que buscam eliminar o pior de um longo passado patriarcal e falocêntrico.

Somos todos Manuela e Giovana Ewbank.

ele nao diz mona .jpg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub