Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Jan21

Ruy Castro: Bolsonaro rebaixou o Brasil ao nível de estrebaria de quartel

Talis Andrade

 

branco exercito trabalha trabalha trabalha.jpg

 

247 - Em sua coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo, o escritor Ruy Castro afirma que Jair Bolsonaro foi "quem rebaixou o Brasil ao nível de estrebaria de quartel, ao inundar os lares com um vídeo sobre golden shower, chamar um jornalista para a briga ('Minha vontade é encher a sua boca de porrada!') e ejacular mais palavrões numa reunião ministerial do que em todas as reuniões ministeriais somadas desde 1889".

No texto, Ruy Castro destaca que, "desde sua posse, Jair Bolsonaro já foi chamado de cretino, grosseiro, despreparado, irresponsável, omisso, analfabeto, homófobo, mentiroso, escatológico, cínico, arrogante, desequilibrado, demente, incendiário, torturador, golpista, racista, fascista, nazista, xenófobo, miliciano, criminoso, psicopata e genocida". 

"Nenhum outro governante brasileiro foi agraciado com tantos epítetos, a provar que a língua é rica o bastante para definir o pior presidente da história do país. Mas é inútil, porque nada ofende Bolsonaro. Ele se identifica com cada desaforo".

Image

leite condensado exercito.jpg

 

02
Jan21

Por que quem é bolsonarista precisa ser contra vacina?

Talis Andrade

Por que quem é bolsonarista precisa ser contra vacina?

Por que um bolsonarista precisa negar o número de mortos da pandemia ou ser contra a vacina? (Foto: Govesp)
por Wilson Gomes /Cult
- - -

Neste 17 de dezembro, a deputada Carla Zambelli despejou num tuíte a sua revolta contra quem defende alguma forma de obrigatoriedade da vacina. “Se as pessoas que defendem a vacina de fato acreditassem no poder que ela tem, não nos forçariam a vacinar nossos filhos, afinal se ela funciona, vocês estarão imunizados e não “pegarão” o vírus de quem não se vacinou”. Sim, 185 mil mortos depois, a deputada quer que os bolsonaristas tenham o direito de não vacinar os próprios filhos. 

Alguém sabe, por acaso, me explicar a razão pela qual se você é de extrema-direita e/ou bolsonarista precisa estar agora, ainda no meio de uma pandemia, em campanha para que as pessoas não se vacinem? Ou para que as autoridades não tenham o direito de vaciná-la? Alguém me diz por que um bolsonarista precisa negar o número de mortos da pandemia? Ou ser contra o uso de máscara? Ou atacar diuturnamente a credibilidade da Organização Mundial da Saúde, do jornalismo de qualidade, dos cientistas e até dos centros de pesquisa?

Alguém saberia me informar por que alguém de direita, ou conservador, ou patriota, ou cristão verdadeiro, ou pessoa de bem, ou qualquer das designações que queira utilizar para dar um verniz ao seu bolsonarismo, precisa continuar minimizando os efeitos da Covid-19? Qual é mesmo a correlação explícita entre a ideologia de direita e o ato de prescrever ou defender medicamentos contra vermes ou contra malária para curar uma doença que a pesquisa diz que não pode ser curada deste modo? 

No dia 15 de dezembro, Weintraub apareceu no Twitter para compartilhar com a malta uma deliciosa teoria da conspiração. “E se a pandemia foi artificial, feita em laboratório?”, sugeriu o nosso Dan Brown. “E se houve uma articulação para gerar enormes ganhos financeiros/políticos para alguns? E se os atuais ganhadores gostarem da “tese” e repetirem a experiência nos próximos anos?”. Alguém sabe me dizer por que ao ser bolsonarista você assume a obrigação de inventar e espalhar complôs sobre a pandemia? 

Sim, eu sei que Bolsonaro fez tudo errado nesta pandemia e um dia a conta chegará. Mas não é para construir um habeas corpus preventivo que ele age assim. Além da incompetência e da inépcia que lhe são próprias, acho que o fez por convicção. Provou-se parvo e insano o suficiente para acreditar nas próprias fake news e conduzir o país ao abismo. Contudo, resta ainda a pergunta: por que um governo e um movimento ideologicamente da direita ultraconservadora precisariam assumir, contra todas as evidências, as atitudes que tomaram? Se valores de direita estivessem minimamente implicados nas teses que defenderam, eu entenderia, mas o fato é que não há qualquer relação entre vermífugos e conservadorismo, pelo menos até onde a minha imaginação alcança. 

O problema, meus amigos, é que
quem olha para o bolsonarismo
e para a nova extrema-direita
apenas como ideologia, vê só
metade da questão. Trata-se de
um movimento identitário.
Neste caso, mais decisivo do
que estar certos é não estar sós.
Ou, invertendo, o importante é
estarmos juntos, não estarmos
certos.

Quem diz platitudes como, por exemplo, “fake news sempre houve e sempre haverá”, não entendeu da missa a metade. Fake news têm como propósito a manipulação política. Entendam de vez, fake news nada têm a ver com jornalismo, e sim com política. Por meio de fake news e de teorias da conspiração politiza-se tudo: questões sanitárias, ciência, economia, comportamento, jornalismo, decisões judiciais, futebol, religião, nada fica de fora. Mas não se falsificam fatos e notícias por esporte, mas para unir a facção, a seita, para demarcar a nossa posição ante os nossos adversários e para atacar os nossos inimigos. 

Se eles são pela ciência, admitem a pandemia e recomendam a vacina, já sabemos que nós seremos contra a ciência, negaremos a pandemia e atacaremos a vacina. É assim, didático e gráfico.

É por isso que fake news se explicam pelo surgimento da nova extrema-direita que a) é hiperidentitária (a identidade tribal é decisiva), b) baseada em conflito perpétuo e aguçado, c) está convencida de que tudo vale na disputa por narrativas e enquadramentos de fatos. 

Identidade é isso: fazemos um círculo ao nosso redor e cá estamos “nós” cercados por “eles” por todos os lados. Quem for bolsonarista tem que ser contra vacina (e inventar fatos que justifiquem essa posição), tem que ser contra urnas eletrônicas (e inventar teorias da conspiração que justifiquem isso), contra o comunismo que domina tudo, contra quem afirma que há uma pandemia mortal, contra o uso de máscaras etc. 

Por isso a necessidade de inimigos e da sensação de cerco e guerra: quem não está conosco está contra nós. Não há identitarismo sem vitimismo, sem um sentimento forte de perseguição, opressão e cerco. E sem a ideia de que os oprimidos e sitiados, enfim, vão começar a reagir contra o Mal. E absolutamente tudo vale na luta contra o Mal, até inventar histórias para disputar a interpretação dos fatos, para motivar a tribo e para aguçar a identidade tribal. 

A lista é incoerente e inconsistente, como disse, mas a mentalidade não. Os elementos todos estão aí:  identidade, conflito e vale-tudo

Muita gente implica por eu ser contra a guerra identitária da esquerda. Sou mesmo. A guerra identitária da extrema-direita ilustra muito bem o que significa um movimento baseado em identidade tribal, manutenção de inimizade e incentivo ao conflito, e vale-tudo no plano dos relatos e das narrativas. O resultado é isso, a insana tribalização que apaga a racionalidade e torna infernal a vida em sociedade. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub