Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

10
Abr22

Marielle, o miliciano e o presidente

Talis Andrade

 

marielle por latuff.jpeg

 

por Cristina Serra

- - -

Como uma assombração renitente, o miliciano Adriano da Nóbrega, assassinado em fevereiro de 2020, na Bahia, com todas as características de queima de arquivo, reaparece agora na voz de uma de suas irmãs.

Reportagem de Ítalo Nogueira, nesta Folha, revela grampos telefônicos feitos pela polícia do Rio, em que Daniela da Nóbrega afirma que o irmão, chefe do Escritório do Crime, se considerava um “arquivo morto”. E, completa ela, “já tinham dado cargos comissionados no Planalto pela vida dele” e “fizeram uma reunião com o nome do Adriano no Planalto”.

Na distopia tropical em que assassinatos, corrupção, poder e política se misturam com espantosa naturalidade, Fabrício Queiroz, operador da rachadinha, tentou desmentir a irmã de Adriano, dizendo que ela quis se referir ao Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, não ao Planalto.

Foi a mesma versão adotada em seguida por seu amigo do peito, Bolsonaro. “Em vez de falar Palácio Laranjeiras [também do governo do Rio], falou Palácio do Planalto”, especulou. Ambos tentam empurrar a execução de Adriano para o ex-governador Wilson Witzel.

O mais grave, porém, é que em ato falho, Bolsonaro relacionou ele mesmo e Adriano da Nóbrega ao assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018, sem que esse vínculo tenha sido apontado pelos novos grampos. “Alguém me aponta um motivo que eu poderia ter pra matar Marielle Franco?” Quatro anos depois do crime, essa é uma das muitas perguntas ainda sem resposta.Image

Um ano atrás, o espectro de Adriano já havia aparecido num documento do MPRJ, revelado pelo The Intercept, que o relacionava ao “cara da casa de vidro”. Segundo a reportagem, seria uma referência à fachada do palácio da Alvorada.

O miliciano assassinado era peça chave para o esclarecimento de crimes que insistem em se aproximar do clã Bolsonaro. Não surpreende que se considerasse um homem marcado para morrer, que não tardaria a ser um “CPF cancelado”.

Image

02
Jan22

O Papa-Figo no Alvorada

Talis Andrade

user uploaded image

Dizem que no Palácio da Alvorada mora um lobisomem. Não acredita nos avanços da ciência. Nem precisa

 

por Gustavo Krause

- - -

Gilberto Freyre enxergou com insuperável acuidade os fatos sociais. No livro Assombrações do Recife velho, explorou personagens sobrenaturais que povoam a vocação mística da cidade e seus efeitos sobre o imaginário popular.

O Papa-Figo, figura tenebrosa, tratava a doença do soturno lobisomem com fígados de criancinhas. Dizem que, atualmente, o lobisomem mora no Palácio da Alvorada e o Papa-Figo é o mais eficiente formulador e executor dos programas de governo.

Controverso e polêmico é dizer quase nada de Gilberto Freyre e da obra monumental que mudou e segue influindo a perspectiva de pensar o Brasil. A atração dialética do autor pelos “antagonismos em equilíbrio”, permite que, sobre ele, tudo possa ser dito e sentido: a emoção dos afetos e desafetos; admiração dos discípulos e a ira dos contrários; etiquetas das demências ideológicas. Tudo, menos indiferença ao patrimônio que legou aos saberes universais.

Não cabe em rigores metodológicos: ao da prosa científica, aliviava com a leveza da construção poética; não se submetia a pré-conceitos: versátil e plural reinventava e religava conhecimentos, criando uma espécie de ecossabedoria. Confessadamente vaidoso, reconhecia, segundo testemunho de Edson Nery da Fonseca, que “a verdadeira ciência é humilde”.

Ninguém olhou e enxergou o fato social com tanta acuidade: desde descrever a relação do senhor do engenho com a rede, até lançar luzes sobre as possibilidades de uma civilização tropical mestiça.

Nada escapava à percepção e aos significados freyrianos: o poder do patriarca, o recato oprimido das sinhás, o odor sensual da mucama, a imponência da arquitetura e do mobiliário, a mancha melânica, o jenipapo na bunda dos meninos brancos, marca da ancestralidade negra, o hábito indígena dos banhos diários e a culinária com o sabor especial dos temperos raciais no reinado do açúcar.

Em Assombrações do Recife Velho (1955, várias edições, Global, 2012, formato ePup), reencontro meus primeiros medos. A matéria-prima vem do imaginário popular, contadores de histórias e cantigas de ninar (boi da cara preta). O sobrenatural assustador é um traço da vocação mística e histórica do Recife, repleta de revoluções, fantasmas de padres executados, casas e sobrados mal-assombrados (Teatro Santa Isabel) nome de bairros e ruas que guardavam relatos aterradores (Afogados, Chora-Menino, Encruzilhada, Encanta-Moça).

Dentre as 27 histórias, a que mais apavorava às crianças, era a lenda do Papa-Figo. Conta-se que um sujeito rico estava com uma doença desconhecida e incurável: à noite virava lobisomem de quem todo mundo tinha medo. Procurou um misterioso negro velho que receitou: “Ioiô, somente fica bom comendo “figo” (corruptela de Fígado) de menino corado e gordo”. O curandeiro pegava os meninos, enfiava num saco pendurado nas costas e servia ao “paciente”.

O homem ficou bom. A história ainda me dá arrepios. Dizem que no Palácio da Alvorada mora um lobisomem. Não acredita nos avanços da ciência. Nem precisa. O Papa-Figo é um consultor eclético que define as políticas do governo.Nenhuma descrição de foto disponível.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub