Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

07
Jun23

‘Quero ficar aqui até a terra me comer’

Talis Andrade
 

“NÃO TENHO MAIS NADA”, CONTA A COZINHEIRA INDÍGENA ROSINEI PEDROSO, QUE VIVE ÀS MARGENS DA ESTRADA QUE FAZ DIVISA COM A ANTIGA SEDE DA RESERVA BIOLÓGICA ESTADUAL DO SASSAFRÁS. FOTO: DANIEL CONZI/SUMAÚMA

 

POR ÂNGELA BASTOS /SUMAÚMA

- - -

Rosinei Pedroso, 47 anos, a Rose, é a cozinheira de um acampamento às margens da estrada que faz divisa com a antiga sede da Reserva Biológica Estadual do Sassafrás. A indígena Kaingang é casada com o Xokleng Ndili Kopakã, que junto com outros homens trabalha no corte de pínus nos matos da região. Já são quase sete anos morando com filhas e netos em barraca de lona. A proximidade com terras em conflito tem um preço alto: algumas vezes suas panelas, louças e roupas foram jogadas ao chão. Pelo menos em uma delas teriam sido policiais. “Eu não tenho medo de mais nada. Não acho que esteja fazendo algo errado, a não ser lutar. Eu quero ficar aqui até a terra me comer”, diz Rose enquanto se esquenta ao redor do fogão a lenha tomando um chimarrão.

Por dez anos Natan Cuzon Crendo, 33 anos, foi operador de máquinas em uma das maiores fabricantes de produtos de cama, mesa e banho do polo têxtil do Vale do Itajaí. Como a maioria dos jovens, ele partiu em busca de emprego. Mas voltou para a aldeia Bugio, onde mora com a mulher, grávida do segundo filho. Conta ter sido movido por um sentimento comum a outros que partiram e retornaram: “Eu não posso deixar morrer o legado dos meus antepassados: eu acompanhei minha mãe acampada na Barragem Norte, uma obra que só fez mal ao nosso povo, onde ela adoeceu e morreu. Meu filho tem 1 ano, e sempre que pego ele no colo me vem à cabeça o sofrimento da nossa gente”.

A Bugio, diferentemente das outras aldeias da TI Ibirama-Laklãnõ, fica mil metros acima do nível do mar. Natan usa essa condição geográfica para fazer uma comparação com os desafios de um Xokleng: “Só Deus para me empurrar para baixo”.

Assim como Natan deseja que seu filho conheça a história de seus antepassados, a juventude Xokleng já se decidiu por um levante. Além da forte presença nas redes sociais, os jovens da Terra Indígena Ibirama-Laklãnõ assumiram o protagonismo da luta. Com danças, cantos, corpos pintados, rodas de conversa e protestos, eles têm levado o grito Xokleng a diferentes lugares. Já estiveram em protestos no Supremo Tribunal Federal, na Esplanada dos Ministérios, nas ruas de Florianópolis e na Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

 

NATAN CUZUN CRENDO, QUE PENSA NO SOFRIMENTO DE SEU POVO SEMPRE QUE OLHA PARA O FILHO, DE 1 ANO, E UMA PARENTE DA ALDEIA SE PREPARAM PARA A ASSEMBLEIA EM QUE DISCUTIRIAM O JULGAMENTO DO MARCO TEMPORAL. FOTO: DANIEL CONZI/SUMAÚMA

 

“Todos os anciãos esperaram pela demarcação do nosso território de forma integral. Nós queremos honrar nossos avós, nossos antepassados, todos aqueles que faleceram sem poder ver esse momento histórico se concretizar”, conta Kagdan Crendo, 16 anos, comunicador no grupo da juventude. O estudante do ensino médio da aldeia Plipatõl admite que mal consegue dormir esperando pela decisão do STF: “O marco temporal uniu o nosso povo. Anciãos e jovens, católicos e evangélicos. A gente tem diferenças, mas neste momento nada é maior do que a questão da terra”.


Revisão ortográfica (português): Elvira Gago
Tradução para o espanhol: Julieta Sueldo Boedo
Tradução para o inglês: Mark Murray
Edição de fotografia: Marcelo Aguilar, Mariana Greif e Pablo Albarenga
Montagem da página: Érica Saboya
 
 
O GRITO INDÍGENA À ESPERA DO JULGAMENTO DO SÉCULO: ‘SEM DEMARCAÇÃO NÃO HÁ DEMOCRACIA’

 

O slogan do Acampamento Terra Livre marca a proximidade da análise do marco temporal pelo Supremo Tribunal Federal e também o momento inédito em que lideranças consolidadas no ATL se tornaram também governo

A PLACA DE TERRA PROTEGIDA FOI DERRUBADA PELOS INVASORES NA TI IBIRAMA-LA KLÃNÕ, NO ALTO VALE DO ITAJAÍ, EM SANTA CATARINA. O JULGAMENTO SOBRE ESSE CASO, QUE SERÁ RETOMADO EM JUNHO, TERÁ REPERCUSSÃO GERAL NO DEBATE SOBRE O MARCO TEMPORAL. FOTO: LUCAS AMARELLI/AMAZÔNIA REAL

 
03
Jun23

Marco temporal: os indígenas contra o fim do mundo imposto pelos bandeirantes de terno

Talis Andrade

HELICÓPTEROS DA PM SEGUIAM OS MANIFESTANTES EM VOOS RASANTES, DERRUBANDO GALHOS DE ÁRVORES E COLOCANDO EM RISCO INDÍGENAS E PROFISSIONAIS DA IMPRENSA. FOTOS: FERNANDO MARTINHO/SUMAÚMA

 

DIÁRIO DE GUERRA

Movendo-se pela vida

 

- - - 

Em São Paulo, o principal protesto indígena foi organizado pelo povo Guarani, da aldeia Tekoa Pyau, na Rodovia dos Bandeirantes, uma das principais vias de acesso à capital da maior cidade do Brasil. Os Guarani se reuniram às 18h de segunda-feira para iniciar seus rituais de rexistência. Por volta de 5h30 de terça-feira, numa madrugada gélida, com os corpos pintados, bloquearam a rodovia com pneus e atearam fogo.

Por volta de 7h começou uma negociação com a Polícia Militar de São Paulo, estado hoje governado pelo bolsonarista Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP). Os indígenas concordaram em liberar uma pista para passagem de ambulâncias e casos emergenciais. Mas, às 8h30, com a chegada da Tropa de Choque da PM, o diálogo foi interrompido, sob forte tensão. Quatro indígenas restaram feridos, um por balas de borracha e três deles por bombas de gás de “efeito moral”.

Ao mesmo tempo, um helicóptero da PM perseguia num voo rasante os manifestantes que corriam de volta às aldeias, assustando crianças indígenas que estavam na escola pela manhã. Galhos caíam das árvores e colocavam em risco os manifestantes e jornalistas que acompanhavam o protesto. A PM alegou, em nota, que “após três horas de negociação, a Tropa de Choque precisou agir com técnicas de dispersão de multidões”. Na conta da polícia, “ninguém foi preso e não houve relato de feridos”.

“Não é legítimo nos subjugar, mais uma vez”, defendeu o indígena Karai Djekupe.  A ideia original dos manifestantes era caminhar até a Marginal Tietê, uma das principais vias expressas de São Paulo. Os sonhos, segundo Djekupe, aconselharam seu povo a rezar para o espírito adoecido do rio Tietê, que era mãe verdadeira e se tornou um símbolo da poluição.

Em Brasília, indígenas Kaingang, Terena, Guajajara, Pankararu, Tikuna, Kayapo, Xikrin, Potiguara, Tuxá, Tukano, Pankará, Kariri-xokó, Satere-mawe e Pataxó-hã-hã-hãe caminharam da Biblioteca Nacional/Museu da República até o gramado da Alameda dos Estados, em frente ao Congresso. Eram poucos, mas estavam lá.

Enquanto os indígenas tentavam ser escutados pelo país, os parlamentares defensores do marco temporal insistiam em se apresentar como os verdadeiros protetores dos povos originários, com rajadas de estupidez: os indígenas “não vivem de comer minhoca”, “têm mais terra que o tamanho de Portugal”, “são escravizados pela esquerda”. Segurança jurídica e “respeito à propriedade” eram as duas expressões mais ouvidas nos discursos dos parlamentares que querem ter o poder de demarcar – ou não demarcar nunca mais – as terras indígenas.

A deputada Célia Xakriabá (PSOL-MG) pintou as mãos com a pasta vermelha de urucum, para simbolizar que o voto pelo marco temporal era o voto não dos que tinham sangue indígena nas veias, como muitos deputados alegavam, mas daqueles que tinham sangue indígena nas mãos. Também afirmou que na Câmara se “negociava a mãe”, referindo-se à mãe Terra.

Ao passar por cima dos povos indígenas, os deputados passaram mais uma vez a boiada sobre a Amazônia e todos os enclaves de natureza que ainda resistem. Os homens de terno não tratoravam apenas o futuro, mas também a inteligência. A precariedade dos discursos, o negacionismo disfarçado de informação, a ignorância esgoelada com orgulho era também apocalíptica. Onipotentes, a maioria dos deputados parece sequer perceber que cava o abismo com seus sapatos de gabinete.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), no auge de seu poder, definiu com o cinismo habitual: “A maioria sempre vence a minoria”. A deputada Érica Kokay (PT-DF) resumiu a votação: “O absurdo, definitivamente, está perdendo a modéstia no Brasil”.


Revisão ortográfica (português): Elvira Gago
Tradução para o espanhol: Meritxell Almarza
Tradução para o inglês: Mark Murray
Edição de fotografia: Marcelo Aguilar, Mariana Greif e Pablo Albarenga
 

ARA POTY ACUSOU O GOVERNO DE SÃO PAULO DE INIMIGO DOS INDÍGENAS QUE, SEGUNDO ELA, FAZIAM UM PROTESTO PACÍFICO CONTRA O MARCO TEMPORAL. FOTO: FERNANDO MARTINHO/SUMAÚMA

CRIANÇAS DO POVO GUARANI TAMBÉM SE UNIRAM AOS PROTESTOS, NA RODOVIA DOS BANDEIRANTES, CONTRA O MARCO TEMPORAL. FOTO: FERNANDO MARTINHO/SUMAÚMA

A INTERRUPÇÃO DOS PROCESSOS DE DEMARCAÇÃO É UM DOS IMPACTOS MAIS IMPORTANTES DA TESE DO MARCO TEMPORAL PARA OS INDÍGENAS. FOTO: MATHEUS ALVES/SUMAÚMA

O MARCO TEMPORAL REPRESENTA UM RETROCESSO NA DEFESA DOS DIREITOS AOS TERRITÓRIOS DOS POVOS ORIGINÁRIOS. FOTO: MATHEUS ALVES/SUMAÚMA

JOVENS ACOMPANHAM, AO VIVO EM BRASÍLIA, PELO CELULAR, OS VOTOS DOS DEPUTADOS NO PL DO MARCO TEMPORAL. FOTO: MATHEUS ALVES/SUMAÚMA

A DEPUTADA CÉLIA XAKRIABÁ (AO CENTRO): O VERMELHO DO PROTESTO SIMBOLIZA O SANGUE INDÍGENA NAS MÃOS DOS QUE VOTAM NO MARCO TEMPORAL. FOTO: PABLO VALADARES/CÂMARA DOS DEPUTADOS

LIDERANÇAS INDÍGENAS, IMPEDIDAS DE SE APROXIMAR DO CONGRESSO, FIZERAM UMA VIGÍLIA EM FRENTE AO PRÉDIO, AGUARDANDO O RESULTADO DA VOTAÇÃO. FOTO: MATHEUS ALVES/SUMAÚMA

14
Mai23

Promessas de reformulação do programa Terra Nossa /Massacre de camponeses (vídeos)

Talis Andrade
 

FOTO ANTIGA DE UMA MULHER ANÔNIMA, PARTE DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO AOS DEFENSORES DOS DIREITOS HUMANOS E AMEAÇADA POR FACÇÃO CRIMINOSA, RETRATADA NA SUA CASA NO PARÁ. FOTO: ALESSANDRO FALCO/SUMAÚMA

 

Os defensores não defendidos VI
 
 

Casas que alagam, insegurança alimentar, falta de atendimento à saúde e nenhuma perspectiva de futuro – essa é a rotina das pessoas que protegem a Amazônia de inimigos poderosos. Ameaçadas de morte e sem a cobertura efetiva dos programas oficiais de proteção, elas vivem em situação de absoluta indignidade

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub