Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

29
Dez20

A OPOSIÇÃO NÃO FEZ ACORDO NA CÂMARA: ADERIU

Talis Andrade

Bolsonaro-e-Rodrigo-Maia.jpg

 

 

Por Vivaldo Barbosa

- - -

É usual, e às vezes recomendável, acordos entre bancadas parlamentares, sempre restritos ao âmbito parlamentar.

Mas não podem ficar muito distantes dos princípios e valores que defendem em suas ações políticas.

Pois o Congresso toma as decisões mais fundamentais na vida do País: dali emanam as leis que conferem direitos e até privilégios e vantagens.

Na escolha do Presidente da Câmara e do Senado, é natural que a oposição procure fazer alianças com outras forças políticas.

No caso da Câmara, a Oposição indicou que preferia se entender com o grupo articulado pelo Rodrigo Maia, MDB, DEM e outros, pois o outro grupo, liderado pelo Lira, tem o apoio ostensivo do Bolsonaro.

Embora os dois grupos se empenhem arduamente pela aprovação da política econômica neoliberal do Governo, o que agride diretamente a Oposição.

Aliás,  Rodrigo Maia esclareceu que articula a eleição de um novo Presidente da Câmara para aprovar integralmente os projetos do governo na área econômica, de desmonte do Estado e retirada de direitos dos trabalhadores, que as diatribes do Bolsonaro às vezes atrapalham.

A Oposição, com seus mais de 130 votos, é a maior força na escolha do novo Presidente da Câmara, bem mais que MDB ou DEM.

Sem o voto da Oposição, não ganham.

Mas o que a Oposição conseguiu arrancar do DEM/MDB para apoiá-los?

Se escolheu o lado que não tem o apoio ostensivo do Bolsonaro, deveria com ele fazer os acordos, listar as questões comuns que a nova direção da Câmara se comprometeria a seguir.

E escolher o nome do candidato a Presidente de comum acordo.

Com sua força, a oposição poderia ter exigido muita coisa, como paralização das privatizações e pôr um fim na retirada de direitos e participar da escolha do candidato a Presidente.

Mas não foi isso que se fez. A oposição aderiu ao candidato escolhido pelo Rodrigo Maia, decorrente das articulações que fez e do interesse estratégico do DEM.

No caso, foi vantajoso ser escolhido o candidato do MDB para facilitar a articulação do DEM para a presidência do Senado.

Na questão da luta política, a Oposição limitou-se a fazer uma nota acerca de suas questões, sem pedir nenhum compromisso com os parceiros no acordo.

Pois acordo, mesmo, não houve: tão somente adesão.

Boa oportunidade está sendo perdida.

12
Out20

Quem não está conosco ou não é como nós está contra nós?

Talis Andrade

diabo.jpg

 

 

por Wilson Gomes/ Cult

- - -

Nas primeiras semanas das minhas aulas de comunicação e política, ensino aos meus estudantes que, na ação e na comunicação estratégicas, há que se considerar sempre quatro categorias de destinatários de mensagens: “o nosso lado”, os aliados, o adversário (às vezes, inimigo) e os neutros. E que em hipótese alguma, na comunicação política, deve-se esquecer ou negligenciar as distinções entre os quatro grupos.

A construção do “nosso lado” é, certamente, importante. Primeiro, é preciso mobilizar as pessoas, e é fato que ninguém se envolve com um lado sem um combustível de indignação ética, um sentido de ultraje moral, um senso de urgência para mudar uma situação injusta. Em segundo lugar, as pessoas precisam admitir que é possível modificar a presente situação de decadência, injustiça, incompetência, corrupção. Sim, a gente pode fazer alguma diferença, as coisas estão ruins, mas isso não é imutável, podemos alterar essa história.

Por fim, há o essencial processo de definição deste “nós”, o sujeito desta história, normalmente construído em oposição a alguns “eles”, os adversários. Um antagonista é fundamental na narrativa política, uma vez que não dá para mobilizar as pessoas para que lutem contra meras abstrações como a epidemia, a fome, o caráter nacional, a pobreza ou a guerra; mas contra o grupo x ou a pessoa y, sim. 

O problema vem depois de estabelecido o “nós”. Os teóricos da propaganda ensinam que é preciso considerar que há pelos quatro tipos de interesse, sentimentos e prioridades políticas no campo, mas a ansiedade do ativismo manda simplificar tudo em dois: nós e eles. E aí começa a complicação. 

Na disputa política, “aliados” não são e nem precisam ser iguais a nós, em pensamento e caráter; são só pessoas ou grupos que partilham conscientemente conosco ao menos um objetivo, a derrota do nosso adversário. “Neutros” são tão somente pessoas que escolheram não lutar ou não escolher um lado, e que queremos ou como aliados ou que fiquem exatamente assim, neutros. 

Entretanto, neste momento, os gênios da militância política da esquerda, principalmente os petistas, convenceram-se de que na arena política há apenas “nós”, quer dizer, eles, que estão do lado de dentro do círculo, e os inimigos, do lado de fora. A equação é simples e se resume em duas proposições: 1) ninguém pode ser nosso aliado se não é exatamente igualzinho a nós; 2) não existem neutros, quem não está do nosso lado está contra nós, mesmo que não se considere inimigo e não nos tenha antipatia. Pois antipatia é coisa que pode ser providenciada.

A obra interminável de alienação de aliados e adversários, com que se gasta uma energia imensa na esquerda, serve a este propósito. E aí é um tal de “Tabata Amaral nunca foi de esquerda”, “Ciro foi do centro para Paris, e não veio em socorro quando mais precisávamos”, “Felipe Neto não tem Lula tatuado no braço”, “Reinaldo Azevedo inventou o termo ‘petralha'”, “Vera Magalhães pediu o impeachment”. Uma fileira de impugnações sem fim. Ora, se todas essas pessoas fossem petistas ou mesmo de esquerda, e se os petistas e a esquerda já tivessem votos suficientes para enfrentar a extrema-direita, o problema não existiria. O problema, contudo, existe, e ignorar que aliados e neutros, principalmente os mais influentes, são as peças-chaves na disputa política é de uma estupidez medonha. 

A este ponto do argumento, a pergunta surge, redonda, na cabeça de muita gente: Ora, estes que se dizem neutros e isentões, não podem ser boas pessoas considerando que estamos na deliciosa expressão de Sergio Moro, diante do monstro do pântano, não é?  Bem, como não se trada de uma história sentimental, mas de política, a resposta curta é que taticamente isso não é da sua conta. Estrategicamente, a razão de certas pessoas não estarem nem do nosso lado nem do lado do adversário é desimportante, considerando-se a premência de evitar que elas se bandeiem para o adversário.

Lembremo-nos que, em 2018, o oportunista Bolsonaro, com seus apenas 20 ou 30% de apoiadores, precisou somente convencer os não bolsonaristas que também não eram petistas de que a derrota do seu inimigo era um interesse comum. Com isso, bastou-lhe tão somente que uma fração dos neutros se aliasse a ele, quer dizer, votassem contra o PT, ao mesmo tempo em que conseguiu manter neutra a outra fração, que não apareceu para votar ou votou branco ou nulo. Tecnicamente, foram os neutros, os nem-Bolsonaro nem-PT, que decidiram o último campeonato eleitoral. E, pelo andar da carruagem, devem decidir o próximo. 

E hoje ainda, enquanto a esquerda se fragmenta e passa em obsessiva revista lealdades e mágoas, Bolsonaro, aparentemente, fala só para o bolsonarismo e contra os adversários. Mas não se importa com aliados, certo? Engano! O seu lado trabalha o tempo todo para manter a amizade com aliados, mesmo que isso implique em queimar florestas para satisfazer o agro ogro ou privatizar tudo para deixar contentes os “faria limers”. 

Sim, mas como ele fala apenas para os seus, não está nem aí para os neutros, não é? Falso! Ele aposta que os seus aliados lhe darão 30% e que conseguirá os outros 21% de que precisa dos neutros, simplesmente fazendo-os escolher entre ele e “a volta do PT”. Bolsonaro não precisa convencer os neutros a ficarem do seu lado, moderando o discurso ou oferecendo-lhes algum torrão de açúcar. Sua tática consiste em assustá-los com a demonização do outro lado. Sim, o neutro (esse sujeito que não é nem bolsonarista nem petista) que a esquerda escorraça. Bolsonaro precisa dele para fechar a sua conta. 

Assim, toda vez que uma petista pisa na ponta dos pés de um “desprezível” isentão ou ambivalente, o bolsonarismo faz “a festa do 21%”. Aliás, nem precisam fazer nada, pois a esquerda radical e os identitários se encarregam de enxotar quem não é 100% petista na direção do gado. Um belíssimo trabalho de autossabotagem. 

A esquerda petista parece que quer mesmo é o gozo da mágoa, o desfrute do martírio, não sair de debaixo da bota de Bolsonaro.

Há muitas alegorias para a política. Os bolsonaristas a pensam como guerra (inimigo, morte, ataque), os petistas a enxergam como um drama sentimental (traição, ressentimento, broken hearts, separação e rosário sem fim de mágoas). A política, contudo, nem é uma coisa nem a outra. 

CELULAR-PRESIDENCIAL.jpg

 

24
Set20

O sono da democracia produz monstros

Talis Andrade

bozo por ribs.jpg

 

 

Por Marcos Nobre

Acostumando-se a viver com fantasmas, por decisão deliberada ou não, o campo democrático prepara mais um pesadelo autoritário para o país Com a pandemia, uma janela para o afastamento de Bolsonaro se abriu no primeiro semestre de 2020. Mas não foi ocupada. Por que não?

Muitas respostas estão disponíveis, muitas são as razões. Mas talvez esteja faltando uma que é decisiva. Uma razão que explique por que não existe oposição e por que não se formou a frente ampla necessária para que o impeachment pudesse avançar. Acho que no primeiro semestre o debate público mainstream e o sistema político como um todo só confirmaram para si mesmos uma convicção que os faz girar em falso desde a eleição de 2018: tanto quem forma opinião quanto os partidos continuam agindo como se o governo Bolsonaro fosse mera continuidade do governo Temer.

A prioridade de quem se coloca no campo da democracia hoje não é derrotar o verdadeiro inimigo, que é Bolsonaro, mas seu adversário histórico. Um adversário que pertence a um passado que Bolsonaro já enterrou, aquele em que PT e PSDB representavam os dois polos organizadores da política. O adversário de um mundo que já não existe mais.

De maneira interessada ou não, democratas se encontram em estado de negação da realidade. A premissa da continuidade entre os governos de Temer e de Bolsonaro é irreal porque a magnitude da ameaça à democracia em cada um dos casos é incomparável. Ao mesmo tempo, a premissa é a mais real possível porque polariza de fato as disputas entre os campos democráticos da direita e da esquerda. As forças políticas que não partem dessa premissa, que querem evitar a polarização nesses termos, ficam sem lugar e sem espaço. O que acaba reforçando ainda mais a própria polarização, que se torna incontornável.

À direita, ataca-se no governo Bolsonaro tudo o que não é governo Temer. E, para ficar com a consciência democrática limpa, ataca-se também ministérios e órgãos de aparelhamento explícito da extrema direita e a pessoa e a atitude de Bolsonaro, como se fosse possível dissociar Bolsonaro do governo que dirige. Em todo o resto, continua-se a pensar e agir como se de governo Temer se tratasse.

À esquerda, Bolsonaro é apenas o resultado lógico da ação de uma direita golpista e, portanto, antidemocrática na sua essência. Para ficar com consciência democrática limpa, diz que o fascismo já se implantou no país desde o governo Temer e que a esquerda é o único campo verdadeiramente democrático ainda existente. Como a direita democrática, também a esquerda democrática continua a pensar e a agir como se de governo Temer se tratasse.

Nessa lógica de polarização, a premissa de uma continuidade entre Temer e Bolsonaro é entendida à esquerda como continuidade do “golpismo” que teria abatido a democracia já em 2016. À direita, entender o governo Bolsonaro como continuidade do governo Temer é entendê-lo como continuidade de um governo “reformista” liderado pelo Congresso Nacional. É essa concordância de fundo dos dois campos que permite a Bolsonaro manter vivas as condições para implantar seu projeto autoritário.

Tanto a esquerda como a direita democráticas se recusam a chamar o campo adversário de “democrático”, para começar. Consideram mais importante continuar a disputa de 2016 do que preservar a democracia. Porque, no fundo, acham que conseguirão derrotar ou conter Bolsonaro.

A direita democrática acha que conseguiu “conter” Bolsonaro. E acredita que conseguiu e conseguirá segurá-lo no projeto de destruir as instituições democráticas. A esquerda democrática continua no mesmo estado de desorientação em que se colocou desde a derrubada de Dilma Rousseff. Simplesmente não consegue fazer oposição. Espera que o fracasso, a seus olhos inevitável, do governo Bolsonaro faça com que o poder lhe caia no colo na eleição de 2022.

A inexistência de oposição e os obstáculos para a formação da frente ampla para afastar Bolsonaro têm a mesma raiz. E a raiz está na destruição mútua das forças políticas que culminou na parlamentada que afastou Dilma Rousseff. É o que elegeu Bolsonaro e o que o mantém no poder até hoje.

E, no entanto, no momento da chegada da pandemia ao país, Bolsonaro se viu ameaçado em grau máximo. Enxergou a ameaça e tentou adiantar seu cronograma de implantação do autoritarismo. Tentou dar um golpe clássico. As condições ainda não estavam prontas, não havia ainda um dispositivo paramilitar organizado, não conseguiu convencer as Forças Armadas de que seria o melhor caminho. E Fabrício Queiroz foi preso, com todas as consequências que essa ameaça traz para o presidente e para sua família.

“Bolsonaro inaugurou uma era em que não há mais situação e oposição. Mas a maior parte de nós continua pensando em termos do mundo político que deixou de existir, anterior à eleição de Bolsonaro”

Bolsonaro foi obrigado a fazer um recuo tático. Teve de se ocupar de aparelhar mais pesadamente a Polícia Federal e o Ministério Público. Teve de aceitar a saída que lhe foi oferecida pelo “partido militar”, que se impôs como força organizadora do governo e realizou a negociação com o centrão.

Passado o pânico inicial, Bolsonaro descobriu que se apavorou à toa, descobriu que tinha sido desnecessário mostrar todas as cartas que tinha na manga antes do tempo. Voltou a seu projeto original de destruir a democracia em duas etapas, sendo o primeiro mandato apenas a preparação para a consolidação do autoritarismo em um segundo mandato. Como escrevi em meu livro “Ponto-final: a guerra de Bolsonaro contra a democracia”, destruir “uma Constituição como a de 1988 e todo o lento trabalho de criação e consolidação das instituições democráticas leva tempo. O objetivo autoritário de Bolsonaro nunca foi para 4 anos”.

Mas o movimento atabalhoado e apressado de mostrar todas as cartas desnecessariamente teve dois resultados políticos imediatos de grande importância para o atual presidente. O discurso de elogio à ditadura militar está normalizado, tornou-se parte da paisagem. Não se vê agora nem mesmo as famosas e inócuas “notas de repúdio” de antes. Em seu discurso do 7 de setembro, Bolsonaro defendeu a ditadura militar em nome da defesa da democracia. Para ele, ditadura militar e democracia são sinônimos.

Bolsonaro conseguiu também fidelizar os 15% de apoio fanático, que se dispõem a ir com ele até o fim, seja lá como for, seja com Temer ou sem Temer, com ou sem centrão, seja com Renda Brasil ou sem Renda Brasil. Bolsonaro conseguiu essa fidelização não só porque encenou a céu aberto seu projeto autoritário. Também porque esses 15% não têm melhor opção do que Bolsonaro. Nem pretendem ter, aliás. Pela primeira vez desde a redemocratização, uma figura política conseguiu catalisar e concentrar a preferência do eleitorado autoritário, que andava disperso desde o fim da ditadura militar.

Mas teve mais. Bolsonaro também colheu desse momento outro resultado extremamente positivo para seu projeto autoritário: o fato de a janela que se abriu não ter sido ocupada mostrou que o atual presidente não tem adversários, que não precisa ter pressa nem mesmo diante de uma situação tão desfavorável quanto a da pandemia e da recessão econômica que a acompanha. Bolsonaro descobriu que não há alternativa a Bolsonaro.

Para o campo democrático, a lição a tirar da janela desperdiçada do impeachment no primeiro semestre foi que, sozinha, nenhuma candidatura ou força política conseguirá derrotar o atual presidente. Só o campo democrático organizado e unido pode derrotá-lo. E a chance de isso acontecer é baixa porque todo mundo acha que pode ganhar de Bolsonaro no mano a mano. E tudo o que Bolsonaro quer é produzir um mano a mano desse tipo.

Mais que isso, Bolsonaro entendeu que a manutenção da divisão no campo democrático depende da manutenção da crença de que seu governo é uma simples continuidade do governo Temer. E o que fez? Chamou o próprio Temer para seu governo! Passou a tratá-lo como conselheiro informal, fez dele enviado oficial do país ao Líbano devastado por uma trágica e altamente destrutiva explosão. E depois Bolsonaro é que é o burro e o tosco. Esse governo de recuo tático, com Temer e centrão, reforçou no debate público e na disputa partidária a divisão do campo democrático.

A vitória de Bolsonaro na eleição de 2018 e no teste da pandemia mostra claramente que foi o próprio jogo que mudou. Quem continuar jogando o jogo anterior, já perdeu. Quem tiver como única proposta política voltar ao jogo como foi jogado antes, já perdeu.

Só que é exatamente isso o que faz quem rejeita ou simplesmente não quer que Bolsonaro se reeleja: continua a achar que “o seu candidato” ou “a sua candidata”, seja lá quem for, derrotará o atual presidente em 2022 e magicamente curará fraturas estruturais das instituições democráticas do país. A grande maioria continua a fazer cálculos eleitorais em uma situação em que as próprias eleições correm o risco de já não significarem mais democracia.

Pode ser que uma nova janela para o impeachment se abra em 2021? Pode. É até bem provável que se abra, aliás. As pesquisas indicam que Bolsonaro só conseguiu manter (e mesmo aumentar em alguns pontos) sua base de apoio em cerca de um terço do eleitorado por causa do auxílio emergencial. E o auxílio emergencial terminará. Substituí-lo por um programa de renda básica e investimentos em obras não é tarefa evidente para um governo em dificuldade fiscal que nunca governou de fato. Sem contar as denúncias de corrupção que continuam surgindo contra Bolsonaro e sua família, hoje a fragilidade mais visível de seu governo de recuo tático.

E, no entanto, continua a não haver alternativa. Bolsonaro inaugurou uma era em que não há mais situação e oposição. Mas a maior parte de nós continua pensando em termos do mundo político que deixou de existir, do mundo político anterior à eleição de Bolsonaro.

A primeira versão da ilusão aconteceu sob o governo Temer, lustrado como se fosse uma volta dos tucanos ao poder. Ainda hoje, já sob Bolsonaro, economistas, por exemplo, continuam brigando pela política econômica como se o país ainda fosse governado por PT ou por PSDB. Como se as disputas que travam em papers e mídias sociais, de maneira não raro bruta e violenta, pudesse de fato definir a política econômica. Como se a política econômica ela mesma estivesse de fato em disputa. E como se pudesse ser definida em tuítes e brigas de jornal. É a ilusão máxima que Bolsonaro produz. Ilusão de que ele se aproveita eleitoralmente, sem dúvida.

“Não se trata aqui de igualar ações da direita e da esquerda nesse processo de destruição mútua. Os golpes não foram proporcionais, muito menos justos em termos democráticos. Só que isso agora é secundário”

Uma discussão de fato informada pela ameaça real de um governo autoritário começaria por uma conversa franca e aberta entre os dois campos sobre a atual correlação de forças na política brasileira. Seria já um começo importante. O campo da esquerda democrática poderia então reconhecer que a correlação de forças não lhe permite ascender ao poder com o afastamento de Bolsonaro. Que suas chances estão em 2022. Mas que essas chances dependem de um governo que não seja o de Bolsonaro.

Reconhecendo desde já que um processo bem-sucedido de impeachment de Bolsonaro levará a um governo de direita, a esquerda participaria da frente ampla para afastar o atual presidente, mas não do governo que vier a sucedê-lo. Com isso, a esquerda poderia negociar, dentro da frente ampla democrática, condições para garantir que poderá disputar de maneira justa as próximas eleições gerais. Poderia negociar condições para poder voltar a fazer oposição.

Esquerda e direita democráticas têm de se entender sobre a exigência de que o governo que vier a suceder o de Bolsonaro no caso de seu afastamento seja um governo que governe — o que Bolsonaro nunca fez —, que não seja um governo populista. Ao exigir que o governo que virá após o afastamento de Bolsonaro não seja um governo autoritário, em nenhum sentido possível, restabelecerá que é um governo que se pode apoiar e ao qual se pode fazer oposição. O que hoje é impossível porque governo não há — o que é exatamente a concepção de governo de Bolsonaro que desnorteia os partidos e a divisão entre situação e oposição.

O campo da direita democrática poderia reconhecer que a correlação de forças lhe permite suceder o atual presidente e afastar pelo menos a forma mais imediata da ameaça que representa seu autoritarismo de extrema direita. Mas não lhe permite aniquilar o adversário à esquerda. Teria de reconhecer que mesmo com o afastamento de Bolsonaro — o que não significa de maneira alguma a derrota do projeto autoritário no país, mas seria um passo decisivo nesse sentido —, nenhuma força política, mesmo que em aliança com outras forças políticas, conseguirá governar sem o reconhecimento de uma oposição organizada.

Em suma, a esquerda e a direita democráticas precisam se reorganizar como campos políticos. E, nessa reconstrução de seus respectivos campos, precisariam se ajudar, começando pelo reconhecimento do outro campo como democraticamente legítimo. Conseguir governar democraticamente exige que forças políticas de expressão aceitem ser oposição dentro das regras democráticas. Caberia aos dois campos democráticos reconhecer que esse mínimo democrático foi inviabilizado pela destruição mútua de anos recentes. Caberia reconhecer que essa destruição só vai parar se zerarem o jogo da culpabilização mútua.

Não se trata aqui, como se faz tão frequentemente, de igualar ações da direita e da esquerda nesse processo de destruição mútua de anos recentes. Os golpes não foram proporcionais, muito menos justos em termos democráticos. Só que isso agora é secundário. O fundamental neste momento é reconhecer que toda a destruição mútua realizada recentemente serviu e serve à perpetuação de Bolsonaro e à efetivação de seu projeto autoritário. E que essa constatação exige conceder prioridade absoluta às ações que possam dar um basta a esse processo de destruição mútua. Para que a institucionalidade democrática possa se estabilizar de alguma maneira e permitir o enfrentamento efetivo da ameaça autoritária.

Foi isso o que a janela não aproveitada da pandemia para o afastamento de Bolsonaro ensinou. Mas foi só Bolsonaro quem aprendeu essa lição. O sistema político continua a pensar e a agir como se a eleição de Bolsonaro ainda não tivesse acontecido. Como se ainda estivéssemos em pleno governo Temer. Acostumando-se a viver com fantasmas, por decisão deliberada ou não, o campo democrático prepara mais um pesadelo autoritário para o país.

bozo- bolsonaro fala imprensa.jpg

 

01
Ago19

Não houve eleição e não há presidente

Talis Andrade

Ficou claro que não houve nada parecido a eleições minimamente legítimas no ano de 2018

bolsonaro armado perigoso idiota.jpeg

 

 

 
EL PAÍS
 
 

[Parte 4] Há algumas semanas, o país viu a maior derrota da história da classe trabalhadora brasileira desde o início da ditadura militar. A reforma previdenciária aprovada em primeiro turno na Câmara não é mero ajuste, mas a mudança estrutural das relações trabalhistas no país. Apenas para ficar em um de seus pontos. Enquanto a idade mínima para homens aposentarem passou para 65 anos, estados como Maranhão, Piauí e Alagoas têm expectativa de vida masculina em torno de 67 anos. Nos bairros pobres da cidade de São Paulo, como Cidade Tiradentes, Jardim Ângela, Anhanguera, Grajaú, Iguatemi a expectativa de vida varia de 54 a 57 anos. Na verdade, 36 dos 96 distritos paulistanos têm expectativa de vida abaixo de 65 anos. Ou seja, essas pessoas simplesmente não irão se aposentar mais. Elas estão condenadas a parar de trabalhar apenas no momento em que se aprontarem para a morte.

aposentadoria escada.jpg

 

Mas a reforma passou, em seu primeiro embate, com um silêncio tumular vindo da oposição. É em relação a isto que devemos estar realmente preocupados. No momento em que foi necessário um processo comum (já que todos serão, de alguma forma, afetados), não havia nada capaz de produzi-lo. Onde estávamos e o que realmente nos mobiliza neste momento? Todos deveriam fazer uma autocrítica honesta, não apenas partidos e sindicatos, mas todos, isto se não quisermos ser tragados por movimentos desta natureza mais uma vez. Enquanto a capacidade de produção de força comum estiver fora de nosso alcance, continuaremos a perder.

previdencia _pelicano bolsonaro morte.jpg

 

Isto pode parecer com mais um chamado em nome da “unidade”. Mas valeria a pena precisar melhor esse ponto. Por mais paradoxal que isto possa parecer, talvez precisemos agora de divisão para unir, e não de união. É claro que essa operação parece um contrassenso para os que acham que a política anda na mesma via dos sinais matemáticos. Mas, a despeito de seu estranhamento, ela faz todo sentido.

Há certas situações nas quais é necessário dividir para crescer. A oposição brasileira até agora sonhou com uma união em cima do nada. Ela não definiu as rupturas que quer tomar para si, o horizonte de suas novas lutas. Tentará ela ser, mais uma vez, o “good cop” do capitalismo brasileiro ou estará enfim disposta a vocalizar rupturas até agora não tentadas? Será ela o arauto do retorno a uma democracia que nunca existiu entre nós ou assumirá enfim o desafio de romper e criar o que até agora não existiu? Pregará ela o evangelho da “integração para todos” e do respeito a uma emancipação de indivíduos proprietários ou estará disposta a ser a força de desintegração que nos levará para fora do universo de propriedades? Essas divisões podem criar novas alianças. Por isto, elas podem nos fazer crescer.

apatia eu cum isso.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub