Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

02
Dez22

Comando militar

Talis Andrade

Militares-no-Poder-com-Jair-Bolsonaro.jpg

 

Militares aprendem a obedecer. Se não recebem ordens, desnorteiam-se. Em surto, como no caso brasileiro, outorgam-se um “poder moderador”

 

por Manuel Domingos Neto /A Terra É Redonda

 

A chefia-de-Estado, não comandando os militares, será por eles comandada. Foi assim desde sempre e em todo canto. Organizações armadas veem a sociedade, às vezes chamada “pátria”, como dádiva das fileiras. Não sendo comandadas, conduzirão sua pretensa cria.

À chefia-de-Estado cabe determinar como as tropas devem ser preparadas. Comandantes supremos que atendem demandas corporativas invertem a hierarquia e se anulam: corporações devem atender ao chefe-de-Estado, não o contrário. Ao comando supremo cumpre estabelecer diretrizes claras, objetivos precisos, missões circunscritas e meios adequados. Extrapolações da autonomia corporativa são inadmissíveis.

Militares aprendem a obedecer. Se não recebem ordens, desnorteiam-se. Em surto, como no caso brasileiro, outorgam-se um “poder moderador”! Garroteiam as instituições e a cidadania. De armas na mão, inventam “sinergias” desarrazoadas com juízes e parlamentares. Danam-se a “dialogar” com poderes desarmados. Nem na guerra o militar pode sobrepujar o político!

No Brasil, o desinteresse, o despreparo e a inaptidão de chefes-de-Estado para comandar as Forças Armadas lesou a democracia. Generais usurparam o poder e contingenciaram governantes. Não há exemplo de presidente da república que tenha assumido efetivamente o comando supremo das Forças. Só ditadores da estirpe de Floriano e Geisel, acumularam simultaneamente o poder político e o comando militar. Os demais governaram acossados pelas fileiras de forma explícita ou encoberta.

A defesa nacional é tarefa de gravidade e amplo espectro. Envolve todos os domínios do Estado e da sociedade. Transcende os instrumentos de força. Demanda planejamento especializado. Não comporta improvisações, humores momentâneos, vontades paroquiais e ditames de fileiras.

Ao escolher o titular da Defesa no intuito de apascentar corporações, a chefia-de-Estado declina do comando supremo. Ministros devem encarnar o poder político sufragado. Se sua escolha é para agradar a tropa, a corrupção institucional é promovida.

Comandantes militares são preparados para exercer a força em última instância. Caso se dediquem ao ordenamento social e a administração pública, o farão ao seu modo, tomando os cidadãos divergentes como dignos de abate. Além disso, sujeitarão a Defesa aos conflitos corporativos.

A chefia-de-Estado deve respeitar regras hierárquicas na escolha de comandantes sem anular-se como topo da cadeia. Regras de promoção corporativas não se sobrepõem à determinação constitucional. Comandantes virtuosos admitem a condição de auxiliares do chefe supremo.

No Brasil de hoje não há clivagens relevantes no preparo técnico e na formação doutrinária dos generais. Todos passaram pelas mesmas escolas, tiveram acesso a mesma literatura especializada e à mesma pregação ideológica. As diferenças entre suas capacidades profissionais é pouco relevante. Todos provaram qualidades de liderança e chefia.

As diferenças que importam dizem respeito ao preparo intelectual, ao caráter e à sensibilidade para enfrentar os desafios das mudanças impostas pela realidade internacional. Vivemos na iminência de conflagração mundial. Precisamos amparar pelas armas nossa política externa. Comandantes de verdade preocupam-se em mostrar força aos candidatos a dono do mundo. Não terão gosto nem tempo para tratar de urnas eletrônicas, furar poços artesianos e buscar sinecuras.

Oficiais precisam ser sabatinados para aferição de sua afinidade com as proposições do comandante supremo para a defesa nacional. Não sei como Lula pensa a defesa do Brasil, mas sei que está atento à coesão nacional, a primeira pilastra do sistema defensivo. Sociedade fragmentada se expõe à cobiça estrangeira. Sociedade coesa se defende melhor.

A base da coesão nacional é dignidade da cidadania. Não há defesa sólida às expensas dos mais fragilizados. A eliminação de iniquidades sociais e disparidades regionais explosivas é fundamental. Racismo, xenofobia, misoginia, fanatismo religioso e preconceitos regionais enfraquecem a Defesa. Reformas socioeconômicas que superem o legado colonial são impostergáveis. Sem crença em futuro promissor para todos, sem comunhão de destino, sem orgulho de ser brasileiro não haverá defesa que preste.

A segunda pilastra da defesa é o cultivo de amizades. Nisso, o próximo presidente é mestre. País com sólidas parcerias internacionais se protege melhor de agressões. Amizades são consolidadas através de acordos promotores do desenvolvimento econômico e científico, da proteção sanitária e ambiental. Amigos de verdade compartilham a vontade de bem-estar coletivo.

A soberania nacional é incompatível com a integração subalterna aos blocos de poder em disputa pela hegemonia mundial. O estreitamento de laços com a vizinhança é indispensável e prioritária para a Defesa. Precisamos impulsionar a inserção mundial da América do Sul e da África.

Países dependentes de importações de alimentos, energia, matérias primas, máquinas e remédios são vulneráveis. Assim, a terceira pilastra da defesa é mobilização das capacidades nacionais em vista do máximo de autonomia. Países que não produzem suas próprias armas e equipamentos de guerra são obrigados à integração subalterna a Estados poderosos. A atual capacidade de dissuasão do Brasil não corresponde às suas potencialidades e necessidades. A defesa precisa estar em sintonia com ampliação da comunidade científica e dos setores técnicos-industriais. Até o presente, tal sintonia foi quimérica.

Finalmente, a defesa deve contar com instrumentos de força para cumprir missões especializadas. Hoje prevalece a confusão de atribuições desses instrumentos, distribuídos entre as diversas alçadas da Federação. O Exército, sobretudo, dá exemplo negativo ao se meter em tudo. Não admite que a dissuasão de agressores estrangeiros e a segurança pública garantidora da cidadania são missões distintas.

Resultado: temos fragilidade na vigilância de fronteiras terrestres, na proteção do espaço cibernético, na segurança da navegação costeira e fluvial, na segurança do tráfego rodoviário, na repressão à criminalidade, na proteção à cidadania, na contenção de distúrbios e de grandes comoções, na efetividade da guarda patrimonial e da proteção do patrimônio ambiental.

A atribuição de preservar a “lei e a ordem” conferida ao Exército, à Marinha e à Aeronáutica conturba a definição de papeis dos instrumentos de força do Estado. Funções militares e policiais precisam ser diferenciadas. Enquanto persistirem indefinições sobre a natureza das corporações armadas, tanto a defesa como a proteção da cidadania serão débeis ou inexistentes.

Ao escolher os comandantes, cabe à chefia-de-Estado dirigir perguntas iniciais aos mais graduados: (i) As Forças Armadas têm poder moderador? (ii) Os que não observam os regulamentos disciplinares e as leis devem ser punidos? (iii) Vamos trabalhar para defender os brasileiros neste mundo tumultuado? (iv) Que tal fechar os escritórios militares em Washington? Daí escolherá os que revelarem mais afinidade com sua concepção de defesa nacional. Trata-se de escolha avisada, mas solitária. A defesa não cabe em rateios de coligação partidária.

De outro modo, o chefe-de-Estado não poderá dizer: pela primeira vez na história deste país um presidente da república assumiu o comando supremo das Forças Armadas e risca ser tragado por desordeiros uniformizados.

violencia-poderes.jpg

27
Nov22

A caminho de um ‘Jim Jones’?

Talis Andrade

pedra-no-sapato exército.jpg

 

por Fernando Brito

- - -

O deputado bolsonarista Major Victor Hugo apresentou um inédito pedido de “anistia” para os bloqueadores de estradas que infernizam o país – e esta manhã a vez foi de quem se viu impedido de chegar ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas.

Aliás, para eles e também para os responsáveis pelo “ financiamento, a organização e o apoio de qualquer natureza, além das falas, comentários ou publicações em redes sociais ou em qualquer plataforma na rede mundial de computadores (internet)”. Só excetua -vejam só – “crimes contra a vida, contra a integridade corporal, de sequestro ou de cárcere privado”. Falava incluir isso, não é? Ou melhor, nem falta, porque o episódio do motorista aprisionado por golpistas e o caso do menino que tinha de operar-se e foi bloqueado já são transgressão mais que provada.

O fato é que estamos assistindo um patrocínio aberto do golpismo, que não vai parar sozinho, porque já há praticamente um mês ele segue não apenas tolerado, mas insuflado pelo governo, pelos militares e pelos partidários de Jair Bolsonaro.

O tempo de pedir que voltem para casa já passou e até isso era um exercício de tolerância e pacificação.

A violação da lei que estão praticando está mais que clara e condenada pela sociedade. Mas não pelas instituições que deveriam estar agindo: as polícias, o Ministério Público e o próprio Judiciário, que – por evidente traço corporativo – tem deixado só o ministro Alexandre de Moraes e o Supremo Tribunal Federal, que o respaldou ate agora.

Todas as autoridades estaduais e mesmo os procuradores federais nos estados e chefes das forças de segurança têm toda a autoridade para agir, mas se mostram de uma “brandura” que jamais se viu na história.

Mas continuamos a assistir cenas insólitas, como a de um policial federal dizendo que, “como todos ali são pessoas de bem”, uma estrada pode ser bloqueadas por duas horas e liberadas por uma.

A impunidade é a escada pela qual sobem a arruaça e a insânia e, do jeito que as coisas vão, logo sairemos das situações ridículas para acontecimentos trágicos. Alguém divida que os tiros e granadas de Roberto Jefferson são frutos do precedente de indulto a Daniel Silveira?

Os fanáticos já temos, basta apenas que lhe surja um Jim Jones .

exercito_na_esplanada bolsonaro povo.jpg

18
Nov22

Veja quem financia atos antidemocráticos pelo país, segundo investigações

Talis Andrade

Image

 

por Yahoo!

Relatórios enviados ao STF (Supremo Tribunal Federal) revelaram o perfil dos líderes e financiadores de manifestações e bloqueios antidemocráticos realizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que não aceitam a derrota e questionam o resultado das urnas.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, os documentos foram encaminhados pelas Polícias Militar, Civil e Federal e pelo Ministério Público, e produzidos a pedido do ministro Alexandre de Moraes. O veículo teve acesso aos documentos.

Image

No Acre, relatório de inteligência aponta que dois fazendeiros locais estariam entre os financiadores dos protestos em defesa de uma intervenção militar: Jorge José de Moura, conhecido como “rei da soja”, e Henrique Neto. Danilo Lovisaro do Nascimento, procurador-geral de Justiça do estado, afirmou que STF que tem “certeza de que os atos antidemocráticos estão sendo financiados pelos fazendeiros do agronegócio”.

Em Goiás, de acordo com o Estadão, os empresários Tales Cardoso Machado, dono de uma panificadora, e Pedro Sanches Roja Neto; o ex-vereador de São Miguel do Araguaia Leonardo Rodrigues de Jesus Soares; o corretor e candidato derrotado a prefeito da cidade em 2020 Sandro Lopes (PRTB); e o ruralista Hernani José Alves são citados pela Polícia Civil de Goiás como lideranças dos bloqueios na zona rural de São Miguel do Araguaia, onde uma das rodovias chegou a ser fechada com pneus incendiados.

Em Goianésia (GO), o relatório mostra que caminhoneiros e moradores “que atuam principalmente no agronegócio” mobilizaram os bloqueios, e dois nomes foram apontados pela polícia: Jamil El Hosni e Rafael Luiz Ottoni Peixoto.

Image

Golpista Jamil El Hosni

 

No Maranhão, o investigador de polícia Marcelo Thadeu Penha Cardoso e candidato a deputado estadual em 2022 Claudio Rogerio Silva Raposo (PTB) foram apontados pela polícia como responsáveis pelos atos que ocorreram em frente ao quartel do 24º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), em São Luís.

Em Mato Grosso do Sul, a médica Sirlei Faustino Ratier, a servidora da Câmara Municipal de Campo Grande Juliana Caloso Pontes, o comerciante Julio Augusto Gomes Nunes, o agricultor Germano Francisco Bellan, o ex-prefeito de Costa Rica Waldeli dos Santos Rosa e os pecuaristas Rene Miranda Alves e Renato Nascimento Oliveira, conhecido como Renato Merem, foram identificados pela Secretaria de Segurança Pública do estado.

No Paraná, o empresário Valmor Geronimo Ferro foi apontado pela PM como uma das lideranças dos protestos em Curitiba. Ele teria sido responsável por levar água e comida para os manifestantes. Já os empresários José Antonio Rosolen e Robson Leandro Calistro teriam “ascendência sobre as decisões” dos manifestantes em Cianorte.

Em Santa Catarina, a Polícia Civil nomeou ao menos onze lideranças autodeclaradas dos atos, incluindo empresários.ImageImage

 

Image

Neonazistas presos em SC são suspeitos e condenados por outros crimes; veja quais

Leonel Camasão 
@camasao50
Esses são 2 dos 8 neonazis presos em SC Laureano Vieira Toscani, condenado a 13 anos após espancar 3 judeus. Já foi preso por tentativa de homicídio motivada por racismo João Guilherme Correa, denunciado por duplo homicídio em disputa de lideranças de células neonazis no PRImage

cau nazismo .jpg

nazismo livro _lane.jpg

nani- nazismo brasil.jpg

nazismo esquerda.jpg

nazismo unai.jpg

 
Golpistas das grandes transportadoras devedoras do fisco e bancos oficiais precisam sentir o gosto do cárcere que ameaçam para estudantes, jornalistas, cientistas, intelectuais, artistas, lideranças comunitárias, defensores dos direitos humanos, populações indígenas e quilombolas
Sâmia Bomfim
@samiabomfim
 
O ministro Alexandre de Moraes determinou ao Banco Central o bloqueio de contas bancárias de 43 suspeitos de financiar atos golpistas. Pedido de intervenção militar é crime, e todos os responsáveis pelos atos antidemocráticos precisam ser punidos.Image
13
Nov22

Janio de Freitas: "Lula não foi eleito para servir à camadinha especulativa"

Talis Andrade

Benett on Twitter: "Charge de hoje na @folha https://t.co/UvDg7f69yd" /  Twitter

 

247 - O jornalista Janio de Freitas comentou a reação do chamado "mercado" as declarações do presidente eleito Lula (PT) sobre o teto de gastos. Em artigo no jornal Folha de S.Paulo, o jornalista destaca que "falta ao mercado saber que Lula não foi eleito para servir à camadinha especulativa".

"Vozes do mercadinho reagem com 'horror' ao ouvir que prioridade é acabar com fome", destaca Janio, que aponta a reação da mídia que classificou como "mau passo" de Lula. "Todos sempre reforçando a exigência reiterada pelo mercado: "Lula tem que indicar logo o novo ministro da Economia", frisa.

E acrecenta: "Ainda falta ao mercado a informação de que Lula foi eleito para presidir um país de mais de 215 milhões de habitantes, não para servir à camadinha especulativa. A decisão eleitoral completa neste domingo duas semanas, apenas. Nas quais o mercado se fez de inquieto porque este é um método eficaz para acionar o sobe-desce lucrativo da especulação financeira. E de quebra dizer quem manda, para ver no que isso dá. Nenhuma empresa séria depende da urgência de um nome de ministro".

Janio destaca ainda que a  "complacência utilitária do mercado com Bolsonaro e Paulo Guedes sufocou as reações a desatinos como a PEC Kamikaze, "a coisa mais populista e gastadora" (de Bolle), o orçamento secreto ainda vigente, o gasto eleitoreiro pró-reeleição". 

"O que deveria inquietar o mercado e o empresariado bolsonarista é o risco decorrente de esperáveis investigações sobre os pagadores de atos golpistas contra o resultado eleitoral", completa.

GDPAPE: Notícias

 

22
Out22

A ditadura sonhada pelos marechais de contracheque (galeria de charges)

Talis Andrade
 

claudio foda-se.jpg

clayton foda-se .jpg

foda-se _cellus.jpg

foda-se 15m bolsonaro governo.jpeg

heleno povo na rua foda-se.jpg

schroder foda-se .jpeg

Candidatos a führer. Duce serve
 
 
Carlos Alberto Jr.
@cajr1569
22
Out22

Guedes mira no salário mínimo e aposentadoria

Talis Andrade

por Altamiro Borges

Caiu como uma bomba no comando da campanha de Jair Bolsonaro a revelação da Folha de que “Plano de Guedes prevê salário mínimo e aposentadoria sem correção pela inflação passada”. Após a reportagem, os ministros do covil fascista saíram desesperados para abafá-la, mas não conseguiram conter o estrago. Fica evidente o estelionato eleitoral praticado pelo governo com seu “pacote de bondades”, que será enterrado logo após o segundo turno com duras medidas de arrocho contra os aposentados e os trabalhadores. 

Segundo a matéria, “o ministro Paulo Guedes (Economia) trabalha em um ambicioso plano para refundar a legislação sobre as contas públicas do país. A intenção é reformular o teto de gastos e ‘quebrar o piso’, ou seja, frear o crescimento de despesas que hoje pressionam o Orçamento – entre elas os benefícios previdenciários ou atrelados ao salário mínimo”. A Proposta de Emenda à Constituição, a PEC do arrocho, inclusive já estaria pronta, mas só seria apresentada após a eleição de 30 de outubro. 

“Uma das principais medidas é a desindexação do salário mínimo e dos benefícios previdenciários. Hoje, eles são corrigidos pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do ano anterior, o que garante ao menos a reposição da perda pelo aumento de preços observado entre famílias com renda de até cinco salários mínimos. Trechos da proposta obtidos pela Folha afirmam que ‘o salário mínimo deixa de ser vinculado à inflação passada’... O gasto com benefícios previdenciários ‘também deixa de ser vinculado à inflação passada’”.

Ou seja, em caso de vitória do fascista, a correção do salário mínimo de milhões de trabalhadores na ativa, do valor da aposentadoria de milhões de brasileiros e até do seguro-desemprego ficará abaixo da inflação. Ciente desse risco real será que ainda tem assalariado que votará em Jair Bolsonaro. Só se for muito otário ou masoquista!

Bolsonaro tenta comprar voto dos mais pobres

 
 
15
Out22

Desmonte do Brasil

Talis Andrade

desmonte governo.jpg

 

1. CORTE DE INVESTIMENTOS EM CIÊNCIA E EDUCAÇÃO

Benett Educacao bolsonaro.jpg

benett educacao futuro brasil.jpg

 

    1. Abraham Weintraub anuncia que MEC cortará verba de universidade por 'balbúrdia' e já mira UnB, UFF e UFBA (UOL, abril de 2019)
    2. MEC diz que bloqueio de 30% na verba vale para todas as universidades e institutos federais (G1, abril de 2019)
    3. Capes anuncia corte de mais 5.613 bolsas de mestrado e doutorado (Estado de Minas, setembro de 2019)
    4. Sem provas, Weintraub diz que federais têm plantações extensivas de maconha (UOL, novembro de 2019)
    5. Bloqueio do MEC à contratação de professores afeta o funcionamento das universidades (Brasil de Fato, janeiro de 2020)
    6. Corte de novos professores, de auxílios e aulas ameaçadas: os impactos nas universidades e institutos federais após MEC vedar gastos com pessoal (G1, fevereiro de 2020)
    7. Centrão passa a controlar R$ 110,5 bilhões em recursos do governo. (Poder360, junho de 2020)
    8. Ex-ministro Weintraub é condenado pela Justiça em MG por dizer que universidades fabricam drogas e cultivam maconha (G1, março de 2021)
    9. Orçamento secreto bilionário de Bolsonaro banca trator superfaturado em troca de apoio no Congresso (Estadão, maio de 2021)
    10. Governo Bolsonaro corta 87% da verba para Ciência e Tecnologia. Verba cai de R$ 690 milhões para apenas R$ 89 milhões (Correio Braziliense, outubro de 2021)
    11. Corte de verba na ciência asfixia até o Sirius, programa mais inovador em que o Brasil já investiu (El País, novembro de 2021)
    12. Governo Bolsonaro pagou R$ 5,5 bi do orçamento secreto em 2021 (Metrópoles, dezembro de 2021)
    13. Orçamento secreto foi de R$ 16 bilhões em 2021. Apenas na última semana do ano, os empenhos de emendas de relator atingiram R$ 3,7 bilhões (Metrópoles, janeiro de 2022)
    14. Centro nacional que monitora desastres naturais teve menor orçamento da história em 2021, diz diretor (BBC News, fevereiro de 2022)
    15. Orçamentos para investir em educação e ciência volta aos níveis dos anos 2000 (Uol Notícias, fevereiro de 2022)
    16. Governo abandona obras paradas e monta um esquema de “escolas fake” (Estadão, abril de 2022)
    17. Gasto com educação recua pelo 5º ano consecutivo e é o menor em dez anos, mostra levantamento (G1, abril de 2022)
    18. Gestão Bolsonaro na educação é a pior da história (Uol Educação, maio de 2022)
    19. Políticas da educação de Bolsonaro são retrocessos, diz movimento com 18 organizações (Folha de S. Paulo, maio de 2022)
    20. Bolsonaro bloqueia R$ 8,2 bilhões do Orçamento e afeta Educação, Saúde e Ciência (Band, maio de 2022)
    21. Governo Bolsonaro corta R$ 3,2 bilhões do MEC (Poder 360, maio de 2022)
    22. Governo federal bloqueia R$ 2,5 bilhões do financiamento da ciência (Folha, junho de 2022)
    23. Fundo do Ministério da Ciência perderá 44% dos recursos, diz entidade (Uol, junho de 2022)
    24. No Brasil, corte de investimento nas universidades foi de 96% em 5 anos (Globo News, julho de 2022)
    25. Em novo corte, MEC retira R$ 220 milhões das universidades federais: “insustentável”, diz reitor (O Globo, junho de 2022)
    26. Corte de R$ 1 bi em verbas do MEC afeta reformas de escolas e o ENEM (Metrópoles, junho de 2022)
    27. TCU vê desvio de R$ 12,2 bi da seguridade social para Educação no governo Bolsonaro (Folha de S. Paulo, junho de 2022)
    28. Governo liberou R$ 3,3 bilhões do orçamento secreto após prisão de Milton Ribeiro (Exame, junho de 2022)
    29. Cortes deixam 17 universidades federais sob risco de parar em 2022 (O Globo, agosto de 2022)
    30. Governo empenhou 90% do orçamento secreto (R$ 7,4 bilhões) entre os dias 13 de junho e 1º de julho, às vésperas do prazo limite da legislação eleitoral (UOL, agosto de 2022)

LDO: Bolsonaro mantém reserva de R$ 19 bilhões para orçamento secreto em 2023 (iG, agosto de 2022)

2. DESMONTE DE ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL

bolsonaro amazonia.jpg

grilagem amazonia.jpg

gilmar amazonia fogo brumadinho lama.jpg

 

 


2019

    1. IBAMA – Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles exonera 21 dos 27 superintendentes regionais do Ibama (O Globo, março de 2019)
    2. INPE – Bolsonaro demite responsável no INPE pelo monitoramento do desmatamento. A demissão ocorreu após a divulgação pelo órgão de dados sobre o aumento do desmatamento da Amazônia. (Correio Braziliense, agosto de 2019)
    3. IBAMA – Novo chefe do Ibama no Ceará é dono de fazenda de madeira (pegou mal, e foi demitido um dia depois) (VEJA, setembro de 2019)
    4. FUNAI – Após desmontar esquema de garimpo ilegal em Terras Indígenas, Bruno Pereira é demitido do cargo de coordenador da Funai (e viria a ser assassinado em 2022 por atuar em defesa dos povos indígenas) (Brasil de Fato, outubro de 2019)

 

2020

    1. IBAMA – Salles demite diretor do IBAMA após operação contra garimpeiros ilegais (Congresso em Foco, abril de 2020)
    2. INPE – Governo demite coordenadora do Inpe responsável por monitorar desmatamento. Dados do instituto têm apontado aumento de devastação ambiental na Amazônia (Folha, julho de 2020)
    3. Bolsonaro tem 99 militares na gestão de órgãos socioambientais (Estadão, outubro de 2020)
    4. IBAMA e ICMBio – Militares ligados a Salles dominam reuniões de fusão de Ibama e ICMBio. Com atas genéricas, encontros tiveram até 100% de presença militar (O Globo, dezembro de 2020)

2021

    1. IBAMA e ICMBio – Ministério Público investiga 'reuniões secretas' para fundir órgãos que monitoram desmatamento. Ministério do Meio Ambiente pretende fundir dois órgãos de proteção ambiental com características bastante distintas — o Ibama e o ICMBio (Correio Braziliense, maio de 2021)
    2. FUNAI – Após pedido da Funai, PF convoca Sônia Guajajara por criticar o governo federal (Brasil de Fato, abril de 2021)
    3. IBAMA – Servidores do Ibama denunciam paralisação na fiscalização após Salles mudar regras para multas (Extra, abril de 2021)
    4. IBAMA – PF diz que Salles nomeou agente da Abin para interferir na fiscalização do Ibama (Extra, maio de 2021)
    5. IBAMA – Governo nomeia como diretor do Ibama militar sem formação ambiental (Metrópoles, julho de 2021)
    6. INPE – Governo Bolsonaro enfraquece o INPE e retira do órgão divulgação sobre dados de queimadas (El País, julho de 2021)
    7. INPE – Governo Bolsonaro segurou divulgação de dados de desmatamento antes da COP26, Conferência da ONU sobre mudanças climáticas. Relatório do Inpe mostra avanço de 22%, índice mais elevado desde 2006 (Folha de S. Paulo, novembro de 2021)
    8. INPE – Na era Bolsonaro, Inpe chega ao maior estágio de penúria de sua história (Veja, dezembro de 2021)

2022

    1. FUNAI – Presidente da Funai articulou com senador bolsonarista para abrir terra de indígenas isolados (Survival, janeiro de 2022)
    2. IBAMA – Ibama age em apenas 1% dos alertas de desmatamento, diz estudo (IstoÉ, fevereiro de 2022)
    3. BNDES empresta R$ 29 mi para desmatadores da Amazônia financiarem tratores (Uol Notícias, fevereiro de 2022)
    4. IBAMA – Nova “boiada ambiental”: canetada do Ibama põe em risco o paraíso de Abrolhos (Crusoé, março de 2022)
    5. IBAMA – Presidente do Ibama pressionou subalterno para liberar mineradora de ouro embargada (The Intercept Brasil, março de 2022)
    6. ICMBio – Ex-presidente do ICMBio dirige grupo de garimpeiros junto a investigado por garimpo ilegal (Agência Pública, março de 2022)
    7. IBAMA – Mais de 37 mil multas ambientais vão expirar em 2024 (Congresso em Foco, abril de 2022)
    8. FUNAI – Despacho da Funai indica assédio e possível tentativa de retaliação a servidores (Folha de S. Paulo, abril de 2022)
    9. ICMBio – Associação afirma que servidores do ICMBio e Ibama não fiscalizam Terra Yanomami há 5 meses (G1, maio de 2022)
    10. FUNAI – Governo Bolsonaro barra concursos e Funai chega ao menor número de funcionários desde 2008 (Folha de S. Paulo, junho de 2022)
    11. FUNAI – Desmonte da Funai em números: Das 39 Coordenações Regionais apenas 2 têm à frente servidores concursados. 19 são chefiadas por oficiais das Forças Armadas, 3 por PMs e 2 por policiais federais (G1, junho de 2022)
    12. FUNAI – Presidente da Funai acumula pedidos de investigação contra indígenas. Marcelo Xavier da Silva solicitou à Abin e à PF investigação sobre defensores da pauta ambiental (Folha de S. Paulo, junho de 2022)
    13. FUNAI – Justiça condenou União a reforçar bases no Vale do Javari, mas foi ignorada (Uol Notícias, junho de 2022)
    14. FUNAI – Agenda do presidente da Funai registra só 2 encontros com indígenas em 2022 (BBC News, junho de 2022)
    15. FUNAI – ‘A Abin foi na Funai atrás de mim’, conta indigenista que deixou o país para não morrer. Após denunciar crimes cometidos contra povos indígenas no Maranhão, Ricardo Henrique Rao pediu asilo diplomático na Noruega, em 2019 (Sul 21, junho de 2022)
    16. FUNAI – Funai ignora alerta sobre indígenas isolados (Folha de S. Paulo, julho de 2022)
    17. Após 1 ano à frente do Ministério do Meio Ambiente, Joaquim Leite acumula números piores que os de Ricardo Salles (Folha de S. Paulo, julho de 2022)

Outros tópicos do site também abordam o desmonte ambiental:

Desmatamento e tráfico de madeira ilegal

3. APAGÃO CULTURAL

seja-franco bolsonaro cultura.jpg

cultura morte à por gilmar.jpg


 

    1. Diretor da Funarte chama Fernanda Montenegro de 'sórdida' e 'mentirosa'. Roberto Alvim reagiu ao ver a atriz posando como bruxa prestes a ser queimada em meio a livros para a capa de uma revista (Estadão, setembro de 2019)
    2. Roberto Alvim, que atacou Fernanda Montenegro, é nomeado novo secretário de Cultura (Estado de Minas, novembro de 2019)
    3. Beatles surgiram para implantar o comunismo, diz novo presidente da Funarte. Dante Mantovani também diz que o rock incentiva as drogas, o sexo, a 'indústria do aborto' e o satanismo (Folha, dezembro de 2019)
    4. Novo presidente da Funarte, que relacionou rock a satanismo, acredita que a Terra é plana (Globo News, dezembro de 2019)
    5. Roberto Alvim, Secretário da Cultura de Bolsonaro, imita fala de nazista Goebbels e é demitido (El País, janeiro de 2020)
    6. Regina Duarte aceita convite e assume Secretaria da Cultura (Terra, janeiro de 2020)
    7. Regina Duarte canta música da ditadura e relativiza tortura e mortes (Poder 360, maio de 2020)
    8. Regina Duarte deixa a secretaria da Cultura (BBC, maio de 2020)
    9. Ator Mário Frias é nomeado e sucederá Regina Duarte como secretário de Cultura (G1, junho de 2020)
    10. Mário Frias é denunciado à PGR e ao TCU por incentivar uso da Rouanet para eventos pró-arma (Folha, abril de 2021)
    11. Mário Frias anda armado e protagoniza “escândalos e ofensas” na Secretaria de Cultura (Yahoo Notícias, maio de 2021)
    12. Gestão da cultura do governo Bolsonaro é considerada a pior das últimas décadas, dizem artistas (Brasil de Fato, setembro de 2021)
    13. Mário Frias veta exigência de passaporte sanitário em projetos da Lei Rouanet. Secretário de Cultura faz coro com o negacionismo de Bolsonaro e classifica exigência de comprovante de vacinação como “discriminação” (Rede Brasil Atual, novembro de 2021)
    14. Governo Bolsonaro é marcado por “apagão” na cultura (Terra, abril de 2022)
    15. Governo ataca a Rouanet, mas quer usar lei para financiar livro sobre armas (Rede Brasil Atual, abril de 2022)
    16. Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc 2, de apoio à cultura (Senado Notícias, maio de 2022)

Mário Frias, ex-secretário de cultura, vai responder por injúria e difamação contra Marcelo Adnet (Estadão, agosto de 2022)


4. FUNAI E FUNDAÇÃO PALMARES
 

arma negro violencia .jpg

bandeira sao paulo paraiso .jpeg

bandeira sao paulo paraiso arma negro.png

mito kkk negro bolsonaro.jpg

genildo- índio moro.jpg

indio moro _jbosco.jpg

 

 

    1. "Negro de esquerda é escravo", diz novo presidente da Fundação Palmares. Sérgio Camargo foi nomeado por Roberto Alvim (Congresso em Foco, novembro de 2019)
    2. Roberto Alvim, Secretário da Cultura de Bolsonaro, imita fala de nazista Goebbels e é demitido (El País, janeiro de 2020)
    3. Sérgio Camargo demite por telefone diretoria negra da Fundação Palmares. Ele argumentou que precisaria “montar uma nova equipe de extrema direita” e que iria “seguir a linha do secretário Alvim” (Correio Braziliense, fevereiro de 2020)
    4. Fundação Palmares anuncia selo não racista. Presidente da fundação diz que o selo é reservado a quem, em suas palavras, é "injustamente tachado de discriminação racial" no país (Folha, maio de 2020)
    5. MPF notifica presidente da Fundação Palmares sobre selo 'não é racista' e conteúdo de site (G1, junho de 2020)
    6. Presidente da Fundação Palmares chama movimento negro de “escória maldita” (Estado de Minas, junho de 2020)
    7. Fundação Palmares censura biografias de lideranças negras históricas em seu site (Folha de S. Paulo, junho de 2020)
    8. Mãe de santo presta queixa na polícia após ser xingada por presidente da Fundação Palmares. Chamada de 'macumbeira' e 'miserável' por Sérgio Camargo, Mãe Baiana registrou ocorrência por discriminação racial e religiosa (O Globo, junho de 2020)
    9. Fundação Palmares exclui 27 negros de lista de personalidades homenageadas (Folha de S. Paulo, dezembro de 2020)
    10. Ex-assessor de secretário demitido por apologia ao nazismo atuará na Fundação Palmares (Folha, março de 2021)
    11. Após pedido da Funai, PF convoca Sônia Guajajara por criticar o governo federal (Brasil de Fato, abril de 2021)
    12. Presidente da Fundação Palmares tem afastamento pedido por assédio moral (Folha de S. Paulo, agosto de 2021)
    13. Como Bolsonaro dinamita as instituições: o caso da Fundação Palmares (El País, setembro de 2021)
    14. Presidente da Fundação Palmares ironiza Dia da Consciência Negra (Veja, novembro de 2021)
    15. Camargo comemora 2 anos sem receber movimentos negros: "Não dialogo com escravos" (Correio Braziliense, novembro de 2021)
    16. Sérgio Camargo quer mudar o nome da Fundação Palmares para Princesa Isabel (Folha de S. Paulo, janeiro de 2022)
    17. Presidente da Fundação Palmares ataca congolês assassinado: “vagabundo”. Bolsonarista, Sérgio Camargo disse que morte brutal de Moïse Kabagambe em quiosque no Rio teve relação com "selvageria no qual vivia e transitava" (VEJA, fevereiro de 2022)
    18. De censura a assédio moral, relembre a gestão de Sérgio Camargo na Palmares (Folha de S. Paulo, março de 2022)
    19. Presidente da Funai acumula pedidos de investigação contra indígenas. Marcelo Xavier da Silva solicitou à Abin e à PF investigação sobre defensores da pauta ambiental (Folha de S. Paulo, junho de 2022)
    20. Agenda do presidente da Funai registra só 2 encontros com indígenas em 2022 (BBC News, junho de 2022)



      5. PGR

O Popular - Confira a charge do cartunista Jorge Braga desta quinta-feira  (30) ⁣ #OPopular #Charge #JorgeBraga | Facebook Jornalistas Livres på Twitter: "Por Duke #aras #PGR  #ForaBolsonaroGenocidaeCorrupto https://t.co/u8lV4INIs8" / Twitter

 

    1. PGR defende arquivamento de inquérito contra “gabinete do ódio” (GGN, maio de 2020)
    2. PGR quer arquivamento de ação em que Bolsonaro compara Dilma a cafetina (Veja, agosto de 2020)
    3. PGR arquiva pedido de deputada para investigar Bolsonaro e filhos no inquérito das fake news (O Globo, setembro de 2020)
    4. PGR recua em denúncia contra Arthur Lira, aliado de Bolsonaro, e agora pede arquivamento (O Globo, setembro de 2020)
    5. PGR pede de novo arquivamento de apuração de Bolsonaro por não usar máscara (UOL, outubro de 2021)
    6. Aras pede arquivamento de inquérito sobre suspeita de prevaricação de Bolsonaro em compra de vacina indiana (O Globo, fevereiro de 2022)
    7. Aras volta a pedir ao STF arquivamento de inquérito contra Bolsonaro (Conjur, abril de 2022)
    8. Bolsonaro não cometeu crime ao dizer que negro é pesado em arrobas, diz PGR (Folha, maio de 2022)
    9. Com ação rejeitada pelo STF, Bolsonaro pede à PGR para investigar Alexandre de Moraes (O Globo, maio de 2022)
    10. PGR pede que STF rejeite pedido para investigar Bolsonaro por falar sobre eleições. Bolsonaro atacou o as urnas e sugeriu a suspensão das eleições e do processo eleitoral deste ano (CNN, junho de 2022)
    11. PGR pede arquivamento de investigação sobre Ricardo Barros no STF (Metrópoles, junho de 2022)
    12. PGR arquiva apuração preliminar sobre atraso do governo na vacinação de crianças contra Covid (G1, julho de 2022)
    13. Bolsonaro mantém encontros secretos com Lindôra, a quem prometeu PGR (Metrópoles, julho de 2022)
    14. PGR pede que STF arquive ações contra Bolsonaro e aliados do governo em apuração da CPI da Pandemia (CNN Brasil, julho de 2022)
    15. PGR esvazia ofensiva da CPI da Covid e mantém só 2 ações contra Bolsonaro (Uol, julho de 2022)
    16. PGR já arquivou 104 pedidos de investigação contra Bolsonaro vindos do STF (UOL, julho de 2022)
    17. PGR quer levar ao plenário do STF pedido para arquivar inquérito contra Bolsonaro (Cultura, agosto de 2022)

PGR faz novo pedido de arquivamento ao STF de investigações contra Bolsonaro na CPI da Covid (Uol, agosto de 2022)

6. NEGACIONISMO 

Charge do Zé Dassilva: negacionismo | NSC Total

    1. “Nazismo de esquerda”: o absurdo virou discurso oficial. Chanceler Ernesto Araújo repete tese, propagada nas mídias sociais, considerada desonesta e sem sentido por acadêmicos e diplomatas. Historiadores europeus se impressionam: "Uma asneira e um disparate" (DW, março de 2019)
    2. Chanceler nega aquecimento global: ''Fui a Roma em maio e havia frio''. A fala retumbante do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante uma reunião deixou espantados colegas diplomatas ao dizer durante reunião que "não acredita" no fenômeno (Correio Braziliense, agosto de 2019)
    3. Peixe é um bicho inteligente, foge quando vê óleo, diz secretário da Pesca (Exame, novembro de 2019)
    4. Beatles surgiram para implantar o comunismo, diz novo presidente da Funarte. Dante Mantovani também diz que o rock incentiva as drogas, o sexo, a 'indústria do aborto' e o satanismo (Folha, dezembro de 2019)
    5. Novo presidente da Funarte, que relacionou rock a satanismo, acredita que a Terra é plana (Globo News, dezembro de 2019)
    6. Covid-19: Ernesto Araújo denúncia “comunavírus” e ataca OMS (O Globo, abril de 2020)
    7. Fundação de pesquisa do Itamaraty vira think tank olavista durante a pandemia (O Globo, maio de 2020)
    8. Olavista é nomeado secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde (IstoÉ, junho de 2020)
    9. Fundação do Itamaraty publica vídeo alegando 'nocividade' do uso de máscaras. Conteúdo compartilhado pelo órgão do Ministério das Relações Exteriores é falso (O Globo, setembro de 2020)
    10. YouTube remove vídeo do Itamaraty contra uso de máscaras (Congresso em Foco, outubro de 2020)
    11. Salles posta vídeo com animal da Mata Atlântica para defender que não há queimadas na Amazônia. Vídeo foi produzido por pecuaristas do Pará (O Globo, setembro de 2020)
    12. Inpe mostra maior número de queimadas na Amazônia desde 2010 e contradiz vídeo divulgado por Salles e Mourão (O Globo, setembro de 2020)
    13. Governo divulga informação falsa de que queimada no Brasil é a menor em 18 anos. Secretaria de Comunicação comparou 8 meses de 2020 com dados de 12 meses de anos anteriores (Folha, setembro de 2020)
    14. "Lockdown de insetos": Sem evidências, Onyx diz que lockdown não funciona porque insetos podem transportar o vírus (G1, março de 2021)
    15. Ministério da Saúde defende hidroxicloroquina e diz que vacina não funciona. Manifestação antivacina é assinada por secretário de Ciência e Tecnologia; diretora da Anvisa e especialistas reagem (Folha, janeiro de 2022)
    16. Cai o diplomata que transformou a principal fundação do Itamaraty em um bunker olavista (Carta Capital, julho de 2021)

Youtube remove canal de fundação do Itamaraty que já divulgou fake news (UOL, junho de 2022)



7. PROJETOS DE POLÍTICOS BOLSONARISTAS
 

bolsonado governo gilmar.jpg

ajuda do governo.jpg

bife governo arma .jpg

BNDES banco ajunda governo pirata.jpg

fausto BNDES.jpg

caixa preta bndes.jpg

iotti governo.jpg

invejas governo bolsonaro.jpg

 

 

 

24
Set22

(Vídeo) Caso Queiroz joga luz sobre o passado oculto de Jair Bolsonaro

Talis Andrade

 

 

queiroz motorista aroeira.jpg

 

 

(Continuação) No relatório que mostrou a movimentação financeira do Queiroz, apareciam 6 cheques de 4 mil.

Junto com essa informação, também apareciam vários repasses de oito assessores do Flávio para a conta do Queiroz.

Então, pra ficar bem claro: oito assessores do Flávio Bolsonaro davam dinheiro pro Queiroz. E qual o motivo disso?

Todos esses depósitos e transferências sugeriam que as pessoas davam para ele, sistematicamente, quase todo o salário deles.

Aquela situação levantou um alerta. Porque ao mesmo tempo o Queiroz também fazia vários saques em dinheiro vivo.

Ele tirava tudo da conta dele para levar para outro lugar.

Estava surgindo aí um indício muito forte da famosa "rachadinha".

É uma prática das mais velhas no serviço público. E como que ela funciona? É quando o assessor entrega parte ou todo o salário para o deputado, vereador, senador?

Só que essa prática é um crime. É ilegal. O mau uso do dinheiro público chama crime de peculato.

Se alguém ajudar a ocultar a origem de onde veio esse dinheiro sujo, o crime é de lavagem de dinheiro.

Mais ainda, se é organizado e tem uma liderança, então o criminoso pode fazer parte de uma quadrilha, que também é outro crime.

O nome "rachadinha" é só um apelido para um esquema criminoso.

Mas depois de ouvir tudo isso, na nossa história, você entendeu o que estava faltando?

Faltava alguém explicar os tais repasses ou admitir a rachadinha.

Naquela época, eu ainda trabalhava no jornal O Globo e comecei a gastar sola de sapato atrás do Queiroz e dos outros assessores.

Num calor de 50 graus do RJ, eu fiz várias tentativas. Dias diferentes, horários distintos.

Nunca achei ninguém e também fui despistada.

Em um domingo daquele dezembro de 2018, eu fui em Oswaldo Cruz, um bairro na zona norte do Rio, atrás de uma moça chamada Luiza Paes.

Ela é uma das pessoas citadas no relatório que mostrou a movimentação milionária do Queiroz.

Antes deixa só eu chamar a Gabi para contar para você um pouco sobre quem é a Luiza

GABRIELA SÁ PESSOA: Luiza Paes começou a trabalhar na Assembleia em 2011, no gabinete do Flávio Bolsonaro. Trabalhando diretamente com o Flávio, ela ficou até 2012. Depois disso, ela teve outros cargos na Assembleia Legislativa do Rio. A investigação do Ministério Público do Rio apontou ela como uma das funcionárias fantasmas que participavam do esquema de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio. De acordo com a investigação, ela entregou para o Queiroz um total de 160 mil reais. Ela é filha de um amigo do Queiroz, e aí que ela se aproxima da família.

fantasmas bolsonaro emprega.jpg

 

JULIANA DAL PIVA: Eu cheguei de mansinho, bati no portão em frente da casa, numa rua chamada Felizardo Gomes, mas não achei ninguém.

JULIANA DAL PIVA: Não, a Luiza.

HOMEM: A filha dela, né?

JULIANA DAL PIVA: Isso.

HOMEM: ...

JULIANA DAL PIVA: Tá ok, o senhor viu elas hoje, estão em casa?

HOMEM: ...

JULIANA DAL PIVA: No bar? Tá bom, obrigada.

JULIANA DAL PIVA: E eu fui no bar e chamei a dona Leonora, que é mãe da Luiza, e tentei conversar com ela.

LEONORA PAES: Absoluta, ela é minha filha sim. Tá dando a maior confusão na vida dela por causa disso.

JULIANA DAL PIVA: ...

LEONORA PAES: Eu não sei, inclusive veio uma outra pessoa aqui em casa também, e não tem nada a ver.

JULIANA DAL PIVA: A gente começou a conversar e ela falou que a filha não tinha nada a ver com a história.

Chegou a dizer que estavam confundindo a filha dela com algum nome homônimo.

Eu sabia que ela estava mentindo para mim, mas dei corda e ela acabou contando que conhecia o Queiroz.

JULIANA DAL PIVA: Na verdade, justamente na tentativa de esclarecer, não ter nenhum erro, é importante a gente conversar com as pessoas, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: Eu entendo. Não tô aqui pra acusar sua filha de nada. Na verdade?

LEONORA PAES: Essa minha filha não tem de ter acusação nenhuma.

JULIANA DAL PIVA: Mas eu quero deixar claro isso. Não é nenhuma acusação à sua filha. Quem trabalhava lá no gabinete, quem fez alguma coisa errada, foi aquele rapaz que estão falando, o tal de Queiroz.

LEONORA PAES: Que era morador da rua.

JULIANA DAL PIVA: Era morador da rua, é?

LEONORA PAES: É, há muitos anos atrás, a gente se conhece e uma coisa não tem nada a ver com a outra, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: E conforme eu ia tentando conversar com ela, a Leonora foi ficando mais e mais irritada.

LEONORA PAES: Vocês ficam insistindo, ficam ligando na minha casa, toda hora essa perturbação, já virou uma perturbação, e eu até falei pro meu ex-marido, que eu vou começar a xingar todo mundo. Isso já tá dando no saco, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: Tá bom então. Dona Leonora, a senhora quer ficar com meu telefone? Se em algum momento?

LEONORA PAES: Não.

JULIANA DAL PIVA: Tem certeza?

LEONORA PAES: Absoluta.

JULIANA DAL PIVA: Eu não tô aqui acusando a senhora de nada.

LEONORA PAES: Não, você não tá acusando, você tá me perturbando, eu tô em um dia de lazer e você tá me perturbando.

JULIANA DAL PIVA: Para não piorar a situação, eu resolvi ir embora.

Sem matéria nenhuma, porque tudo que ela fez foi dizer que a filha dela não era a pessoa que eu estava procurando.

Só que sabia que ela não estava falando a verdade. E guardei na memória quando ela disse que conhecia o Queiroz.

Quem sabe outro dia, né?

Dois anos depois, a filha da Leonora, a Luiza, vai se tornar uma pessoa superimportante nesse caso.

Muito tempo depois desse dia, a Luiza vai admitir o esquema todo. Só que essa parte eu vou contar pra você depois.

E, claro, eu também fui atrás do próprio, do Queiroz. Várias vezes. Fui em três endereços que apareciam no nome dele. Todos na zona oeste do Rio.

Mas onde ele morava mesmo era numa casa simples, que fica num beco, de uma vila, no bairro da Taquara, também na zona oeste do Rio.

O que deixava ainda mais curioso saber que ele movimentou mais de um milhão em um ano. Não parecia que o dinheiro tinha ficado com ele.

Como o Queiroz estava muito visado, eu cheguei no beco onde ficava a antiga casa dele e perguntei pros vizinhos sobre a Márcia Aguiar, a mulher dele.

Antes de continuar, deixa eu explicar para vocês quem é Márcia. Gabi, vem cá.

GABRIELA SÁ PESSOA: Ju, a Marcia Aguiar é companheira do Queiroz desde 2000. E é mãe do filho caçula dele. A Márcia também foi assessora do Flávio Bolsonaro no mesmo período que o Queiroz, entre 2007 e 2017. Só que, nessa mesma época, ela não se apresentava pras pessoas como assessora na Assembleia do Rio, ou como alguém ligada ao Flávio. Ela dizia que era cabeleireira, alguém que trabalhava com estética. Anota aí quanto que ela devolveu pro Queiroz: no total, de acordo com as investigações, foram oitocentos e sessenta e oito mil e quatrocentos reais.

JULIANA DAL PIVA: Os vizinhos do Queiroz e da Márcia também não falavam muita coisa.

JULIANA DAL PIVA: Você conhece alguma moça chamada Márcia?

MULHER: Márcia?

JULIANA DAL PIVA: É

MULHER: Você conhece alguma moça chamada Márcia?

JULIANA: Vizinha aqui da esquina.

MULHER: Conheço não.

JULIANA DAL PIVA: Eu cheguei a deixar uns bilhetes pedindo entrevista. Escrevi uma mensagem dizendo que queria falar com ele. Coloquei meu número de telefone.

Mas o Queiroz nunca retornou. Muita gente também tentou. E ninguém encontrou o Queiroz naqueles dias.

E se ninguém achou o Queiroz, é porque ele estava bem escondido, o que aumentava o suspense no ar.

queiroz .jpg

 

Anos depois, também na cadeia, ele contou em um depoimento como foi que ele viveu aqueles dias, lá em dezembro de 2018.

FABRÍCIO QUEIROZ, em depoimento ao Ministério Público: "Aí houve esse problema, a mídia começou a bater? começou a fazer? aconteceu o problema num dia, tinha 10 repórter na porta da minha casa. Eu tinha separado da minha mulher, tava na casa da minha filha. Eu liguei pro MP, falei que meu endereço era outro. Eu fiquei isolado né, eu não lembro ao certo se foi esse dia. Eu fiquei de cama. Eu não conseguia comer. Eu não entendia nada. Eu não sabia que ia acontecer esse problema todo. Eu não me recordo. Eu fiquei mais dentro de casa por causa disso."

JULIANA DAL PIVA: O que soava muito estranho é esse mistério todo. Se não tinha nada ilegal, por que ninguém explicava tudo de uma vez?

Era no mínimo esquisito.

Desde lá, eu já entrevistei umas 50 pessoas sobre esse caso. Algumas mais de uma vez. E só um grupo pequeno aceita se identificar.

De um modo geral, todo mundo diz que tem medo de falar o que sabe.

E não era só o Flávio, o Queiroz e os assessores que fugiam da imprensa.

O próprio Ministério Público não explicava muita coisa.

Aliás, esse é um detalhe que muita gente desconhece.

Esse relatório sobre Queiroz foi feito por um órgão chamado COAF, que é o Conselho de Controle de Atividades Financeiras.

Eles monitoram negociações suspeitas de lavagem de dinheiro.

E o relatório sobre o Queiroz existia desde janeiro de 2018, mas a gente só soube desse documento no fim daquele ano.

E por que foi assim?

Os procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato estavam investigando deputados da Alerj para preparar uma Operação que ia chamar Furna da Onça. E essa operação só ia acontecer em novembro daquele ano.

No meio da papelada, tinha um relatório de movimentação financeira suspeita de vários assessores da Alerj.

E foi lá na página 325, quase no final, que surgiu o nome do Queiroz.

Só que quando bateu na Lava-Jato, ainda no início de janeiro de 2018, os procuradores viram que não podiam atuar naquele tipo de investigação.

Não era um caso federal.

Aquele calhamaço foi enviado então para a avenida Marechal Câmara, número 370. A sede do Ministério Público do estado do Rio de Janeiro.

Quando chegou por lá, o documento foi parar no 8º andar.

Ali, em alguma mesa, daquele imenso prédio, o documento ficou durante grande parte do ano de 2018.

É lá que fica o escritório do procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro.

Naquela época, o cargo era do procurador José Eduardo Gussem, e ele era o responsável pelo caso.

E o Gussem não falava publicamente sobre o assunto.

Eu lembro até de uma ocasião que eu tava com alguns colegas na calçada, em frente ao Ministério Público, esperando para ver se o Queiroz ia aparecer para depor.

Ele foi chamado 4 vezes naquele dezembro e nunca foi.

Enquanto a gente estava esperando, o deputado Marcelo Freixo apareceu no Ministério Público. Ele queria cobrar investigações da morte da vereadora Marielle Franco e começou a falar com a imprensa.

Bem nessa hora, o procurador chegou de carro e começou a caminhar em direção à portaria do prédio, a poucos metros de onde a gente estava.

Eu e uma boa parte dos repórteres fomos até o Gussem para tentar falar com ele, mas não deu certo. O procurador correu para a porta da entrada privativa do MP.

JULIANA DAL PIVA: Ele não falou absolutamente nada, né?

MULHER: Não, não falou nada.

JULIANA DAL PIVA: Em janeiro de 2019, um mês depois desse dia, o procurador José Eduardo Gussem tomou posse para um segundo mandato na Procuradoria Geral.

Nesse dia, ele finalmente falou do assunto.

Mas deixou mais dúvidas do que respostas.

JOSÉ EDUARDO GUSSEM, em entrevista a jornalistas: "Chegaram ao Ministério Público, inicialmente, no mês de janeiro de 2018. Foram para o laboratório de combate à lavagem de dinheiro. Nele ficaram até julho de 2018, quando nós abrimos as primeiras portarias que os senhores estão recebendo aí, sem identificar esses deputados estaduais. Por quê? Repito: nem sempre o fato do servidor público, o servidor da Alerj, estar vinculado ao gabinete de determinado deputado significa que aquele deputado esteja envolvido naquela operação financeira suspeita.

JULIANA DAL PIVA: Uma pergunta que ficou mal explicada é o que foi feito de julho até dezembro de 2018? Quase nada.

Quando eu estava preparando esse podcast, eu tentei uma nova entrevista e ele não quis. O procurador se aposentou no início deste ano.

Depois eu vou contar para você quando o Ministério Público finalmente vai avançar na investigação do caso.

Agora, eu vou voltar para dezembro de 2018. Eu já te contei sobre o relatório do Queiroz e que o Flávio tentou se explicar e o Bolsonaro fez o mesmo.

Mas ninguém contou a origem do dinheiro do Queiroz ou o motivo dos assessores depositarem para ele.

Como já contei, o Ministério Público tinha chamado o Queiroz e a família para depor e ninguém apareceu.

Ao mesmo tempo, o que estava acontecendo nos bastidores?

O Flávio já estava montando uma defesa jurídica.

A gente não sabia, mas o Flávio Bolsonaro foi pedir ajuda para o empresário Paulo Marinho.

Antes de eu falar disso, deixa eu chamar a Gabi para explicar quem é o Paulo Marinho.

GABRIELA SÁ PESSOA: Hoje, o Paulo Marinho é um adversário político do Jair e do Flávio Bolsonaro. Mas em 2018 essa história era bem diferente. Ele era um empresário do Rio de Janeiro, e muito próximo do Gustavo Bebianno, que coordenava a campanha presidencial. E a casa do Paulo Marinho, no Rio, funcionou como uma espécie de QG, onde o Bolsonaro gravava os programas de TV, recebia interlocutores, e onde parte da campanha presidencial acontecia. Bom, depois da eleição, o Paulo Marinho rompeu com a família Bolsonaro e hoje eles estão aí em polos opostos.

JULIANA DAL PIVA: Agora, eu vou te contar sobre o pedido de ajuda do Flávio para o empresário. O senador queria contratar um advogado e esse movimento envolveu algumas pessoas.

Eu pedi entrevistas a todos os envolvidos, mas ninguém quis falar. Aliás, isso é uma coisa muito comum nessa história. Ninguém quer dar explicação alguma.

Então vou reconstituir o que aconteceu a partir de uma série de depoimentos tomados pelo Ministério Público Federal.

Tem uma investigação em andamento sobre o vazamento desse relatório com a movimentação milionária do Queiroz.

nani1- queiroz.jpg

 

Não estranhem se as vozes aparecem abafadas, todos eles falaram usando máscaras por causa da pandemia de covid-19.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "No dia 12 de dezembro, eu recebo na parte da tarde, não sei precisar o horário, um telefonema do senador Flávio Bolsonaro, que me dizia o seguinte: meu pai pediu para que eu lhe procurasse, para que você me ajudasse numa questão jurídica, eu tô precisando de um advogado. E eu gostaria de te encontrar amanhã, você pode? Eu disse: posso. Que horas você gostaria? Você pode me receber amanhã às 8h30? Eu digo: está marcado amanhã às 8h30."

JULIANA DAL PIVA: Esse que vocês estão ouvindo é o Paulo Marinho.

Parte dessa história do empresário, o próprio Flávio admitiu.

FLÁVIO BOLSONARO, em depoimento ao Ministério Público: "Dia 6 de dezembro, eu estava em Brasília. Foi tudo acontecendo, como todo mundo acompanhou. Eu precisava de um advogado. Como eu não tinha recurso para pagar advogado, que é uma causa que advogado cobraria muito dinheiro, eu conversei com meu pai, que você acha de pedir para o Paulo Marinho, que é uma pessoa bem relacionada no mundo jurídico. Meu pai falou, ó, procura o Paulo Marinho e veja se ele pode te ajudar com advogado. Foi isso que eu fiz, eu liguei para ele, e pedi que me recebesse para ele tratar de advogado pra mim."

JULIANA DAL PIVA: É curioso ouvir o Flávio dizer que precisava de um advogado, mas que não tinha dinheiro para pagar.

Naquela época, ele vivia num apartamento de quase R$ 3 milhões. E, nesse ano, como você deve ter ouvido, ele comprou uma mansão de outros 6 milhões. É muito dinheiro.

Mas vamos lá. Continuando a história, o Paulo Marinho disse que, no mesmo dia, ele foi atrás de um advogado para atender o Flávio.

Na manhã seguinte, o advogado Christiano Fragoso chegou cedinho, às 8 horas da manhã, na antiga mansão do Paulo Marinho, no Jardim Botânico.

Essa mesma mansão serviu de comitê de campanha para o Bolsonaro no segundo turno de 2018.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "8h30 chega na minha casa Flávio Bolsonaro acompanhado do senhor Victor Granado Alves, assessor dele. Eu não sabia que o Victor viria. Victor chegou, a gente se cumprimentou, sentamos numa mesa de reunião no meu escritório, na minha casa, uma mesa como essa. E aí ficou naquela cadeira ali o Victor, nessa cadeira aqui o Flávio, eu fiquei nessa cadeira aqui e o Cristiano ficou nessa cadeira aqui. O Cristiano estava em frente ao Victor e eu em frente ao Flávio."

JULIANA DAL PIVA: O Victor é aquele mesmo que estava com o Flávio no início desse episódio na frente da casa do Bolsonaro.

Agora, vamos ouvir sobre o que eles estavam falando e a importância dessa reunião.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Chegamos, sentamos aqui nessa posição. O Flávio começa. Eu fiz a apresentação, tá aqui o Cristiano, Flávio, Victor, o Cristiano foi indicado. Eu pedi ao Cristiano para vir aqui, que é um grande advogado criminalista, para você relatar pra ele tudo o que você quer contar. Ele vira pra gente e diz: olha, eu tô muito preocupado, porque o Victor procurou o Queiroz. E estamos muito preocupados com a loucura que o Queiroz fez, essa traição que o Queiroz fez, e eu estou muito preocupado com as consequências desse fato do Queiroz em relação ao governo do meu pai, que ainda nem começou. E eu percebo que nesse momento, quando ele começa a falar do pai, do governo do pai, eu estava de frente pra ele, ele começa a lacrimejar, ele ficou emocionado. Eu disse: Flávio, calma, você está aqui com um grande advogado, você não tem culpa, conforme você está me dizendo, isso aí foi o Queiroz que traiu a tua confiança, você tá me dizendo aqui que você não tem nenhum envolvimento com isso, com os fatos. Então fica tranquilo, não fica desse jeito, não é bom, isso não ajuda. Ele parou e o Victor começou a falar. Ele disse: ontem estive com o Queiroz e obriguei o Queiroz a me repassar todas as senhas das contas bancárias dele, e eu passei essa madrugada toda entrando nas contas do Queiroz, e os montantes que eu descobri, e que eu informei agora para o Flávio, são muito superiores a esses que a imprensa está noticiando, inclusive porque ele se refere a anos anteriores a esses que a imprensa está noticiando."

nando arquivo queiroz.jpg

 

JULIANA DAL PIVA: Pelo que o Paulo Marinho contou, diferente daquela tranquilidade que o Flávio tentava transparecer na frente da casa do Bolsonaro, ele estava era muito nervoso.

A partir disso é que foi possível saber que há muito tempo a família Bolsonaro sabia de algo que podia explodir com os planos políticos deles.

Depois, o Paulo Marinho contou que perguntou como isso aconteceu.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Ô Victor, como esse troço aconteceu? Ele disse, porra, um dia o Braga recebe um telefonema de uma pessoa, lá na assembleia, de uma pessoa supostamente se intitulando um delegado da Polícia Federal, querendo falar com o Flávio. O Braga disse a essa pessoa que o Flávio estava ocupado e não costumava falar com quem não conhecesse. Aí ele disse: é o seguinte, é um assunto de interesse do senador. Provavelmente deve ter deixado o telefone dele, fala com o senador, depois voltamos a falar. Os detalhes eu não sei, eu tô repetindo o que eu ouvi. O Braga fala com o Flávio, o Flávio designa que o Braga, o Victor e a Val fossem ao encontro dessa pessoa para saber do que se tratava. E aí fizeram contato e marcaram um encontro na porta da Polícia Federal. Este suposto delegado disse aos três, ou disse ao Braga, vocês quando chegarem me telefonem que eu vou sair de dentro da superintendência, até pra você ver que eu sou um policial que tô lá dentro, e lá fora a gente conversa."

JULIANA DAL PIVA: Antes de a gente continuar. Gabi, vem cá, me ajuda.

Conta para gente quem é o Braga e quem é a Val Me Liga.

GABRIELA SÁ PESSOA: O Braga é o chefe de gabinete do Flávio Bolsonaro. A Val Me Liga é uma assessora do Flávio também, e ela tinha cargos no diretório estadual do PSL do Rio de Janeiro, Partido pelo qual o Flávio Bolsonaro e o Jair Bolsonaro se elegeram em 2018.

JULIANA DAL PIVA: Tá certo. Vamos ouvir agora o resto da história do Paulo Marinho.

O empresário contou que ouviu a seguinte história: esse suposto delegado da PF teria alertado para os assessores do Flávio sobre a existência de informações que poderiam atrapalhar o futuro da família Bolsonaro.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Aí esse delegado disse a eles: esta operação vai alcançar o Queiroz e a filha dele, estão no seu gabinete e no gabinete do seu pai. Tem movimentação bancária e financeira suspeita. Eu sou simpatizante do seu pai, do Bolsonaro, e vamos tentar não fazer essa operação agora, entre o primeiro e o segundo turno, pra não criar nenhum embaraço durante a campanha."

 

queiroz arquivo vivo.jpeg

 

JULIANA DAL PIVA: A reunião com o Flávio na casa do Paulo Marinho terminou naquela manhã de 13 de dezembro de 2018 com algumas definições.

A avaliação final daquela conversa é que o primeiro que precisava de um advogado não era o Flávio, mas o Queiroz.

Ficou acertado o seguinte. O Victor ficou responsável de levar o Queiroz em um advogado que eles ainda iam escolher.

Ao mesmo tempo, um grupo de advogados que se preparava para entrar na causa do Flávio combinou um novo encontro em SP para discutir mais estratégias.

Essa segunda reunião dos advogados ficou para o dia 14 de dezembro. E o que soube depois é que um ponto central já estava definido por eles.

O Queiroz precisava depor logo. Na avaliação de assessores do presidente Jair Bolsonaro, isso podia evitar que a história do relatório contaminasse toda a família Bolsonaro.

O tempo passou, e no ano passado, os advogados envolvidos nessas reuniões foram chamados pra depor, mas alegaram sigilo profissional para não falar.

O primeiro que alegou direito ao silêncio foi justamente o Victor Granado.

VICTOR GRANADO, em depoimento ao Ministério Público: "Eu fui na casa do seu Paulo Marinho? Eu fui à casa dele. Porque lá era o comitê de campanha do então candidato Jair Bolsonaro. O Flávio já tinha sido eleito, mas não tinha sido diplomado, que a diplomação foi no final do ano, salvo engano. Então lá era o comitê de campanha. Todo mundo que participou da campanha foi na casa do senhor Paulo Marinho. Eu não posso negar um fato que é público, de conhecimento de todo mundo. Só que da casa dele para o que foi discutido naquele dia, eu não posso falar, porque eu tenho uma proibição, e minha reputação enquanto advogado pode ser colocada no lixo, se eu descumpro uma proibição que eu tenho. A querer que eu fale uma coisa que eu sou proibido de falar, automaticamente estão querendo que eu cometa um suposto crime que um agente federal, que tinha obrigação de não falar, falou."

JULIANA DAL PIVA: O Victor ficou muito irritado por ser questionado sobre a reunião.

Quando ele foi prestar depoimento, o Victor disse que ele estava representando o Flávio, e que por isso ele não podia falar nada sobre aquelas reuniões.

Mas vamos voltar lá em 2018, depois dessas reuniões aconteceu algo inesperado.

O Flávio simplesmente desistiu de tudo a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

FLÁVIO BOLSONARO, em depoimento ao Ministério Público: "Fui conhecer, fiquei de dar resposta depois pro Paulo Marinho. Passaram-se alguns dias, não lembro quantos. Eu fui agradecendo, dizendo que eu não queria, não precisava de advogado, que eu ia escolher outra pessoa e morreu ali."

JULIANA DAL PIVA: Essa história da reunião o Paulo Marinho contou em uma entrevista para a jornalista Mônica Bergamo.

Mas ele só revelou isso em maio de 2020, ou seja, um ano e meio depois.

E agora existe uma investigação para tentar descobrir quem é o delegado que teria vazado a informação para os assessores do Flávio.

Tudo ainda parece longe de uma conclusão.

Mas um dado é preciso e suspeito.

O Queiroz e a filha, a personal trainer Nathália, foram exonerados em 15 de outubro de 2018, do gabinete do Flávio e do gabinete do Jair Bolsonaro. Bem no meio do segundo turno.

Ninguém admite o vazamento e as justificativas convencem pouco.

Na versão do Queiroz, ele disse que estava doente, mas também fazia planos de viajar para a Disney.

FABRÍCIO QUEIROZ, em depoimento ao Ministério Público: "Eu viajei para Aparecida e fui cuidar da minha vida. Eu tinha um contato bom com eles. Eu fui em Aparecida, dia 12, aquela coisa toda. Resolvi, quando eu voltei, não sei se foi antes ou depois, peguei um ofício meu na Alerj, dei entrada na minha reforma (...) Me apresentou, poxa, nós estamos bem, aquela carreata imensa, pô, ganhamos. Eu pretendia ir para os Estados Unidos, tirei meu visto, no meu passaporte, tava combinando com minha filha de ir, a minha outra filha, a pequenininha."

JULIANA DAL PIVA: Não sei você. Eu não consigo deixar de pensar como seria aquela eleição de 2018 se o Brasil soubesse dessa história toda.

Mas depois das idas e vindas com o Paulo Marinho, o Flávio e o Queiroz optaram por um novo "esquema jurídico".

E ele tinha um nome central: o advogado paulista Frederick Wassef.

No mesmo fim de semana que o grupo do Paulo Marinho se organizava para entrar no caso do Flávio, o Wassef desembarcou no Rio de Janeiro.

Não é fácil descrever o Wassef.

Mas tem um áudio divulgado pelo site Intercept no ano passado em que ele próprio se resume bem.

FREDERICK WASSEF, em entrevista ao site The Intercept: "Sou advogado criminalista desde 92 e ajudo o Bolsonaro há alguns anos aí, sou parceiro dele e advogado em off."

JULIANA DAL PIVA: Vocês já devem ter ouvido essa expressão, "off the record". Jornalista quando assume compromisso de guardar sigilo da fonte faz entrevista em off.

Agora, advogado em off, eu nunca tinha ouvido falar. Aliás, nessa época, pouquíssima gente sequer admitia conhecer o próprio Wassef.

O advogado ficou uns seis meses atuando no caso do Flávio sem que ninguém soubesse direito disso. Mas uma hora não deu para esconder mais.

Eu fiz uma entrevista com ele pra minha coluna há pouco tempo e perguntei porque ele não se apresentava desde o início como o advogado do Flávio. E o Wassef respondeu, bem do jeito dele.

JULIANA DAL PIVA: Naquela época, quem representou formalmente foi um advogado que chama Hugo Plutarco. O senhor não aparecia. Por que o senhor naquele momento não se identificava como advogado do senador,

FREDERICK WASSEF: Eu sou advogado do Flávio e da família desde 2014. Eu nunca gostei e nem nunca quis aparecer em nenhum processo. Atuei em vários processos, inclusive de toda a família, só que eu nunca quis aparecer por vários motivos, dentre eles porque eu, diferente de certas pessoas, eu nunca gostei de holofotes, gostei de ser discreto, e meu trabalho é assim. Mas, infelizmente, me transformei em uma pessoa pública, não foi interesse meu, nem desejo meu.

JULIANA DAL PIVA: Eu ainda vou falar muito de Wassef nesse podcast, porque ele se tornou não só o advogado do Flávio e do Bolsonaro, mas parte intrínseca da própria história.

A versão oficial do Queiroz é que ele pediu demissão do gabinete para cuidar da saúde e da aposentadoria.

Mas o que alguns amigos dele me contaram é outra coisa.

O Queiroz tinha sido chamado para depor no Ministério Público e estava tentando arrumar um jeito de adiar.

Então, ele foi num hospital aqui no Rio de Janeiro fazer uns exames, para pegar um atestado médico que justificasse a falta.

Onde-ta-o-queiroz.jpg

 

Só que o exame de sangue do Queiroz veio com uma alteração. E isso levou a uma série de outros testes.

Foi a partir desse momento que o Wassef entrou de vez na história do Queiroz.

O que me contaram é que o advogado falou pro Queiroz ir a São Paulo fazer uma consulta com um médico da confiança do Wassef, no hospital Albert Einstein.

O Queiroz se consultou com o mesmo urologista que atendia o próprio Wassef. E essa consulta foi no dia 19 de dezembro.

A unidade também é a mesma que cuidou do presidente Jair Bolsonaro depois da facada durante a eleição.

Foi lá no Einstein que descobriram o câncer do Queiroz.

Por isso, tem amigos dele que ainda dizem que o escândalo ainda salvou a vida dele.

E, a partir disso, o policial e a família não compareceram mais aos depoimentos no Ministério Público. A estratégia jurídica mudou.

Só que, isso que eu estou contando para você, ninguém sabia naquela época. Porque o Wassef era um "advogado em off", como ele mesmo disse.

Os dias passaram e a imprensa seguia atrás do Queiroz.

Só que depois que a doença foi diagnosticada, os advogados tinham um jeito de explicar o sumiço e marcaram uma entrevista com o SBT.

FABRÍCIO QUEIROZ, em entrevista ao SBT: "Em momento algum eu estou fugindo. Quero muito esclarecer. E depor na frente do promotor. Agradecê-lo por acatar, por não pedir minha prisão. Pensei, vou ser preso. No terceiro depoimento, eu estava sendo atendido, eu tenho aí em mãos, eu faço questão de entregar para depois você ler, tirar foto, mostrar para a imprensa, para o Brasil, eu sendo atendido aí por um dos melhores? doutor Vladimir. Foi constatado um câncer. Eu perguntei: é maligno ou benigno. Ele disse: maligno. O deputado tinha sido eleito senador, eu já tinha combinado com ele que eu ia pedir minha exoneração, uma vez que eu sendo funcionário público eu não poderia acompanhá-lo. E para tratamento da minha saúde. Eu levei a campanha toda com muitas dores nesse ombro. Eu tenho uma cirurgia marcada para fazer nesse ombro aqui. Tô esperando marcar. Um problema na urina. Uma forte tosse. Eu ficava tossindo o tempo todo no carro, ficava até constrangedor."

JULIANA DAL PIVA: Essa entrevista foi gravada em São Paulo.

O que eu fiquei sabendo há pouco tempo é que a casa onde tudo aconteceu ficava em Atibaia, uma cidade que fica a pouco mais de uma hora de SP.

O local foi arrumado por um outro advogado, amigo do Wassef.

Como você sabe, o Queiroz foi preso justamente em uma casa do Wassef, também em Atibaia, em junho do ano passado. E foi preso depois de ficar um ano e meio sumido.

Mas nesse tempo, antes da prisão, para o Queiroz e para a família dele, o Wassef se tornou um "Anjo".

É uma referência à ideia de que ele protegia a família. E também um jeito de criar uma espécie de codinome.Mas essa proteção do Wassef era assim mais ou menos. A Márcia Aguiar, mulher do Queiroz, desabafava muito com uma amiga sobre o que significava ficar sob as asas do Anjo.

MÁRCIA QUEIROZ, em áudio: "Só que eu também não tô aguentando. Tá entendendo? Eu tô muito preocupada com ele. A minha saúde também está abalada, tá entendendo? A gente não pode mais viver sendo marionete do 'Anjo'. Ah, você tem que ficar aqui, traz a família. Esquece cara, deixa a gente viver a nossa vida! Qual o poblema (sic)? Vão matar? Ninguém vai matar ninguém, se tivesse que matar já tinha pego um filho meu aqui, você tá entendendo? Então deixa a gente viver a nossa vida aqui com a nossa família."

JULIANA DAL PIVA: O Wassef nega que fosse chamado assim, mas adiante vou te mostrar que ele era mesmo.

E esse dilema da família do Queiroz, também vai ter que ficar para depois, porque eu preciso te falar sobre outra ponta solta nessa história.

Enquanto o Frederick Wassef tentava tomar conta do Queiroz, um fio que envolve a própria família do presidente Jair Bolsonaro e as "rachadinhas" começava a aparecer.

E o problema nem ficava muito longe de São Paulo. Estava em Resende, uma cidade do Sul do estado do Rio, onde tem a Aman, que é Academia Militar das Agulhas Negras.

Lá, o Bolsonaro estudou e casou pela primeira vez com a Rogéria. Ela é mãe dos três filhos mais velhos do presidente: o Flávio, o Carlos e o Eduardo.

Mas é em Resende que também mora a família da advogada Ana Cristina Siqueira Valle, a segunda mulher do presidente. Juntos, eles tiveram o Jair Renan, que o Bolsonaro chama de 04.

Em 2018, nesse núcleo de pessoas da própria família do Bolsonaro, muita gente falava abertamente sobre o que acontecia nos gabinetes.

Em outubro daquele ano, um casamento de um dos membros da família Siqueira Valle ia expor todo esse problema.

Uma das ex-cunhadas do presidente, a Andrea Siqueira Valle, começou a falar para quem quisesse ouvir naquela festa, que ela estava muito preocupada com o que ia acontecer depois da eleição do Bolsonaro.

Ao menos duas pessoas ouviram esse relato dela. E uma delas me enviou gravações da Andrea admitindo o esquema.

A Andrea foi funcionária fantasma do Bolsonaro e dos filhos por 20 anos.

ANDREA SIQUEIRA VALLE, em gravação: Na hora que eu estava aí fornecendo também, e ele estava me ajudando, lógico, porque eu ficava com mil e pouco e ele ficava com sete mil reais. Então assim, não vem caso, eu ajudei, ele ajudou, beleza, certo ou errado, isso já foi, não tem jeito de voltar atrás."

JULIANA DAL PIVA: A Andrea tem razão. Agora não tem como voltar atrás. Quando eu ouvi essa gravação, eu lembrei do Bolsonaro reclamando do governo cubano anos atrás. Os médicos daquele país também ficavam só com mil reais do próprio salário.

JAIR BOLSONARO, em sessão na Câmara dos Deputados, em 2013:

"O repórter perguntou pro médico cubano quanto ele ganhava. Sr. Presidente, ele respondeu: 'Mil reais'. Ou seja, a dupla dos irmãos Castro pega 90% do salário dos cubanos. Nem um rufião faz isso."

JULIANA DAL PIVA: A história completa dessa gravação da Andrea eu vou contar para você no próximo episódio. E olha, não perde, de onde veio esse áudio, tem muito mais.

[CRÉDITOS]

Esse episódio usou áudios do programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes; do jornal RJTV 2a Edição, da TV Globo; do programa SBT Brasil, do canal SBT; do Jornal Folha de São Paulo; do site Intercept; dos depoimentos obtidos pelo Ministério Público Federal na investigação sobre vazamento sobre relatório do COAF; do arquivo da Câmara dos Deputados; do arquivo do Ministério Público do Rio de Janeiro dos autos sobre investigação sobre rachadinha na Alerj.

O podcast UOL Investiga - A Vida Secreta de Jair é apresentado por Juliana Dal Piva e pela jornalista Gabriela Sá Pessoa. A reportagem, pesquisa e roteiro foram feitos por Juliana Dal Piva e também tiveram o trabalho da Amanda Rossi e da Gabriela Sá Pessoa. A edição de áudio é do João Pedro Pinheiro. A coordenação foi da Juliana Carpanez, do Flávio Costa e de Marcos Sérgio Silva. O design é do Eric Fiori. O vídeo de apresentação tem motion design do Santhiago Lopes, roteiro da Juliana Dal Piva e da Natália Mota. A direção de arte é da Gisele Pungan e do René Cardillo. O projeto também contou com Alexandre Gimenez e Antoine Morel, gerentes de conteúdo, e Murilo Garavello, diretor de conteúdo do UOL. Agradecimentos a Cláudia Cotes.

 

24
Set22

Censura (galeria de charges) Justiça manda UOL apagar matérias sobre os imóveis dos Bolsonaros

Talis Andrade

Image

Mansão de R$ 6 milhões de Flávio Bolsonaro autor do pedido de censura 

 

Demetrius Gomes Cavalcanti, desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, mandou o UOL retirar imediatamente as matérias sobre os 51 imóveis da família Bolsonaro comprados com dinheiro vivo. O nome disso é censura.

Blog-do-Mesquita-Censura.jpg

camelo censura .jpg

censura _censorship___raoui.jpg

censor censura.jpg

censura free press Cau Gomez.jpg

censura opinião controle Sergei Tunin.jpg

censura nani.jpg

 

O desembargador aceitou as alegações dos advogados de Flávio Bolsonaro (PL), em decisão liminar, revogou a decisão anterior do juiz Aimar Neres de Matos da 4ª Vara Criminal de Brasília, que tinha autorizado o UOL a manter a matéria no site, uma vez que não havia motivos para sua suspensão. Cavalcanti, por sua vez, afirmou que a reportagem “excedia o direito de livre informar”, por usar informações sigilosas, de um processo também sigiloso, que já tinha sido anulado pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Trata-se de um absurdo porque uma das tarefas da imprensa é exatamente revelar ilícitos mantidos em sigilo. Não há na decisão do desembargador nenhuma contestação aos fatos narrados na reportagem.

Outra justificativa dada para retirar as matérias do ar é de que ela continha suposições indevidas sobre a origem do dinheiro vivo usado para comprar os imóveis, dando a entender que era proveniente de operações ilícitas, como as “rachadinhas”.

O UOL se posicionou nessa sexta (23), e afirmou ter sofrido censura, mas ainda assim acatou a decisão. Mas irá recorrer. A Folha de S.Paulo, que faz parte do mesmo grupo que o portal UOL, publicou uma coluna humorística criticando a liminar da justiça. O texto assinado por Renato Terra afirma ser “uma coluna contendo apenas informações” citando diversos episódios de corrupção envolvendo a família Bolsonaro.

No final, a coluna adiciona um parágrafo com uma receita, uma clara referência ao período da ditadura militar no Brasil, quando havia censores a serviço do governo para impedir a publicação de textos críticos. O jornal “O Estado de S.Paulo”, toda vez que era censurado, substituía a reportagem cortada por receitas culinárias e versos de Camões.

censura boca costurada.jpg

censura1.jpg

22
Set22

Governo Cláudio Castro RJ usou código para esconder gastos de R$ 284 milhões com cargos secretos

Talis Andrade

Bolsonaro deve se filiar ao partido de Claudio Castro - Diário do Rio de  Janeiro

 

 

por Ruben Berta e Igor Mello /UOL

- - -

A Fundação Ceperj, que está criando ao menos 18 mil cargos secretos —sem qualquer transparência—, usou um código genérico no sistema orçamentário do Rio de Janeiro para esconder R$ 284 milhões em pagamentos a funcionários que participaram neste ano de projetos do órgão.

A estratégia do governo fluminense para a remuneração dos cargos secretos lembra o orçamento secreto federal, em que as emendas de relator, com o código técnico RP-9, escondem os autores.

O levantamento dos pagamentos com o código CG (credor genérico) no Siafe-Rio (Sistema Integrado de Gestão Orçamentária, Financeira e Contábil do Rio de Janeiro) —principal instrumento de registro, acompanhamento e controle dos gastos do governo estadual, Legislativo e Judiciário— foi realizado, a pedido do UOL, pelo gabinete do deputado estadual Eliomar Coelho (PSB).

A análise foi feita em 13 projetos da Ceperj (Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio), realizados com recursos de diversas secretarias.

A tática de uso do código pela Ceperj foi detectada por técnicos do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio) em um processo iniciado após reportagem do UOL, em maio, que analisa o Esporte Presente RJ, projeto de criação de núcleos que oferecem aulas de diversas modalidades.

Procurada, a Ceperj afirmou que a "inscrição genérica é utilizada para pagamento de mais de um credor, utilizando-se somente uma única ordem bancária".

"Isso se faz necessário para maior agilidade do processo interno. Não há irregularidade nessa forma de pagamento que, inclusive, consta no Manual da Secretaria Estadual de Fazenda do Rio. No entanto, para que haja melhor fluxo, houve um ajuste no sistema de pagamentos, que somente serão efetuados através de conta corrente", disse a fundação, em nota.

DINHEIRO_P_BLICO_nani.jpg

fundão dinheiro.jpg

lavadam dinheiro _adnael.jpg

meme dinheiro.png

queima de dinheiro da petrobras.gif

 

'Credor Genérico'

 

O relatório do TCE-RJ, de 24 de junho, afirma que "foi constatado, em consulta ao Siafe-Rio, que a fundação vem realizando os pagamentos por meio de um Credor Genérico CG0012957".

Só no Esporte Presente RJ foram gastos cerca de R$ 115,5 milhões por meio desse método para bancar os cargos secretos.

"Fica patente o embaraço que as referidas transações geram ao controle, já que os relatórios do Siafe-Rio não apresentam os CPFs das pessoas que recebem os pagamentos, mas, sim, o código do Credor Genérico apontado. Prejudicam, ainda, a fiscalização acerca do acúmulo indevido de vínculos diretos e indiretos com a Administração Pública", diz o relatório do TCE-RJ.

Outros programas com cargos secretos também tiveram pagamentos significativos por meio do mesmo tipo de código.

O Casa do Trabalhador —com ao menos 9.000 cargos secretos— gastou neste ano quase R$ 66,9 milhões classificados como credor genérico. Já o Observatório do Pacto RJ teve gastos de cerca de R$ 47,9 milhões nessa modalidade. Com o RJ para Todos, por sua vez, o desembolso foi de R$ 26 milhões.

 

O que estamos vendo, mais uma vez, é o governo Cláudio Castro gastando dinheiro a rodo, boa parte proveniente da venda da Cedae sem qualquer compromisso com a correta aplicação de recursos públicos. Sem a publicidade de seus atos, transparência zero." Eliomar Coelho, deputado estadual

 

Segundo o parlamentar, "na área da cultura, nos deparamos com mais de R$ 30 milhões em um projeto em que não se sabe onde os núcleos foram implantados e como as pessoas foram contratadas".

 

 

TCE-RJ cobra transparência

 

O relatório de técnicos do TCE-RJ embasou decisão do plenário do Tribunal que ordenou uma série de determinações à Ceperj para que o órgão dê transparência às suas ações. A fundação tem até o fim do mês para cumprir o que mandou o Tribunal.

O TCE-RJ quer que a fundação envie à Corte a relação completa dos funcionários admitidos pelo órgão no projeto Esporte Presente RJ, "assim como documentos referentes ao processo seletivo, folhas de pagamento, relação dos locais de atuação dos contratados, das atividades desenvolvidas e da carga horária trabalhada".

O governo fluminense negou ao UOL acesso à lista de contratados, pedido por meio de LAI (Lei de Acesso à Informação).

O TCE-RJ exigiu ainda que haja a divulgação de relatório "contendo todos os Núcleos Sociais Esportivos implantados, com locais e horários das aulas, profissionais alocados e atividades desenvolvidas, bem como relatório mensal de presença e evasão dos alunos".

 

A permanência da situação relatada gera profunda inobservância aos princípios da transparência, da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, e da economicidade (...) tudo a desaguar em dano ao erário, cuja recomposição é incerta." Trecho de relatório do TCE-RJ

 

Em seguida, o documento cita a reportagem do UOL: "Avulta a compreensão acima a denúncia jornalística acerca do 'projeto esportivo secreto', divulgada com notória repercussão pela sociedade".

A reportagem, publicada em maio, já apontava que sequer há divulgação dos locais de núcleos do projeto. Em comparação com outra iniciativa semelhante, da Secretaria Estadual de Esportes, havia indícios de superfaturamento de R$ 39 milhões.

A Ceperj afirmou que "todas as informações solicitadas estarão disponíveis dentro do prazo determinado pelo TCE-RJ".

 

Criação de novo código

 

Em 28 de junho, a Fundação Ceperj solicitou que a Seplag (Secretaria Estadual de Planejamento) alterasse um decreto de 2020 para criar uma nova natureza de despesa —classificação orçamentária onde os gastos públicos são registrados.

Para dar conta dos pagamentos das folhas de pagamento secretas, até então computados como credores genéricos, o órgão solicitou a criação do código "Outros serviços de terceiros - Pessoa Física".

No mesmo dia 28, às 14h32, o UOL havia encaminhado um e-mail para a assessoria de imprensa da Ceperj pedindo informações a respeito dos cargos secretos para reportagem publicada no dia 30, com estimativa de ao menos 18 mil funcionários contratados dessa forma.

Duas horas depois, uma servidora da Ceperj enviou à Seplag e-mail intitulado "Criação de Natureza de Despesas".

Na mensagem, ela menciona uma nota técnica da Secretaria Estadual de Fazenda, de 24 de junho, que orienta o registro de despesas com credores genéricos, mas demonstra preocupação com a classificação dos gastos para pagamento de funcionários.

"Esta pasta também utiliza recursos descentralizados para pagamento de pessoas físicas", diz ela. "Questionamos então a SUNOT [Superintendência de Normas Técnicas] quanto ao procedimento que deveria ser adotado e nos foi orientado entrar em contato com esta SEPLAG para criação de NDs [naturezas de despesa] que suprissem nossas necessidades", completa.

O processo teve rápida movimentação: em 7 de julho, nove dias depois da solicitação, a Seplag encaminhou para publicação resolução fazendo a alteração. Ela foi publicada no Diário Oficial em 11 de julho.

 

Cargos secretos

 

 

 

Criada em 2009 com o objetivo de ser uma referência na produção de estatísticas que serviriam de base para a elaboração de políticas públicas, a Fundação Ceperj se tornou uma verdadeira máquina de contratação de funcionários sem qualquer transparência.

O UOL localizou referência à criação de ao menos 18 mil cargos do órgão em documentos que tratam do planejamento de oito projetos em áreas como esporte, apoio profissional e atendimento à população de rua.

Nenhum dos nomes de contratados é publicado em Diário Oficial ou aparece em qualquer documento público. Os pagamentos de salários ocorrem na boca do caixa do banco Bradesco —que paga servidores do RJ— sem sequer um contracheque.

 

O que o UOL já revelou

 

O escândalo dos cargos secretos foi revelado no fim de junho. Em reportagem exclusiva, o UOL mostrou que o governo do Rio mantém ao menos 18 mil vagas de trabalho na Ceperj sem nenhuma transparência.

Um dos projetos com cargos secretos recebeu transferência relâmpago de R$ 58 milhões com verbas da educação.

Levantamento feito com dados da Secretaria Estadual de Fazenda mostrou que Cláudio Castro aumentou em 25 vezes o orçamento da fundação desde que assumiu o cargo. Somente neste ano, o incremento chegou a R$ 300 milhões até junho.

Uma planilha elaborada pela Secretaria de Trabalho implica diretamente Castro no escândalo. O documento recebeu o nome de "governador" e tratava do orçamento para 9.000 cargos secretos. Procurada, a Secretaria de Trabalho afirmou que iria apurar se houve "um erro na confecção da planilha".

Após a revelação do UOL, o governo chegou a colocar o documento sob sigilo, mas voltou atrás.

Reportagem exclusiva também mostrou que polos do programa Casa do Trabalhador, o maior dentre os que têm folhas de pagamento secretas, estão sendo controlados por pré-candidatos do Podemos, partido presidido pelo secretário de Trabalho e Renda, Patrique Welber. A pasta afirmou que "as unidades do projeto são equipamentos públicos e não têm finalidade político-partidária".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub