Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

14
Abr23

Governar é sofrer

Talis Andrade
 
 
 
Il Matto - O Louco - Clube do Tarô - Tarot
Carta de tarô
 
 

 

Governar é um constante aprendizado com uma precisa noção de tempo, com a paciência da escuta e com a força das virtudes

 

por Gustavo Krause

- - -

O título não é de minha autoria. Tampouco de um pensador com inclinações masoquistas, até porque governar, seja lá o que for, é a maior aspiração de quem envereda pelo caminho da Política. Tem o peso enorme de encargos e a feliz sensação do reconhecimento público quando o governante cumpre com dignidade a tarefa que lhe é delegada.

O autor é Mocidade, João da Costa e Silva, personagem famoso do folclore político da Paraíba, Estado-berço de brilhantes inteligências, grandes e eloquentes oradores. Mocidade, intitulava-se o Grande Tribuno das Calçadas e, com ou sem efeito do álcool, percorria a cidade, proferindo improvisos emocionantes para destilar impropérios contra o governo do Estado e, em especial, contra os governos militares.

Pois bem, médico e cronista José Mário Espínola (Blog do Rubão, em “Não me TOCs), ao registrar que o governador João Agripino se divertia com essas figuras folclóricas, relata o seguinte episódio: “Certa noite, João Agripino chegou à residência oficial do Governador, então no Cabo Branco, e ao passar pela cozinha encontrou ninguém mais, ninguém menos que Mocidade tomando uma sopa. Não conseguiu resistir: – Muito bem, seu Mocidade: passou a tarde discursando contra mim, e agora está aí tomando da minha sopa! Mocidade fez uma pausa segurando a colher, olhou blasé de soslaio, dizendo: – Ora governador: governo foi feito para sofrer! E voltou a se dedicar à sopa”.

“O sofrer” de Mocidade equivale para os doutos da ciência política ao grau de complexidade e exigências, impondo, a cada dia, mais dificuldades ao exercício da governança: demandas e expectativas crescentes frente a meios insuficientes; cobranças amplificadas pela unidade assustadora da palavra, da escrita, da imagem, tudo junto e misturado no impacto instantâneo das mídias sem se saber exatamente o que é o mundo real ou o mundo paralelo; o falso ou o verdadeiro; incertezas, cisnes negros e o aleatório seguem como ameaças permanentes aos que detém o leme do governo. No mínimo, acentuam-se rugas precoces como o retrato das responsabilidades.

O mais relevante: governar não se aprende na escola, melhor dizendo, é um aprendizado constante, iluminado pela noção de tempo, pela paciência da escuta e pela força das virtudes.

Tempo pode ser aliado ou inimigo: é um recurso perecível, deve ser compreendido na sua amplitude de que “há tempo para tudo” e acertar o passo para semear e colher, rápido, porém, devagar. Não perdoa quem não sabe trabalhar com ele.

Escuta exige atenção e respeito; ouvir e enxergar o outro; antes persuadir do que convencer, porque persuadir levam as pessoas a fazerem o que deveriam fazer sem ser persuadidas o que é mais leve do que conquistar (con)vencendo.

Virtude, a disposição adquirida para fazer o bem. É o que afirma a excelência de ser e agir humanamente. E aí se somam aos atributos supostamente viris (força, coragem, energia, dinamismo, ordem) à prática da “política do feminino” que é a política do afeto, da sensibilidade, da imaginação e do cuidado.

Mocidade não tinha pretensões de ingressar na galeria dos filósofos. Apenas externava o saboroso passatempo de falar mal do governo. A Democracia assegura este direito fundamental à oposição no exercício do contraditório e à liberdade de expressão dos cidadãos.

Por sua vez, uma das artes da Política, que é governar, oferece aos detentores do poder a vacina contra o que lhe pode causar sofrimento: a dimensão política da paixão que é o compromisso com valores, princípios e causas capazes de transformar a vida das pessoas; a perspectiva que é a dimensão histórica da esperança renovada no futuro.

A façanha de Mocidade, um ser pensante da sabedoria popular, aproximou-se do notável Millôr Fernandes que, com refinado humor, nos legou uma frase demolidora: “Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados”.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub