Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

13
Jan22

2,5 mil crianças morreram devido à Covid

Talis Andrade

vacinacao crianças.jpg

 

Diversos países do mundo começaram antes do Brasil a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos contra a Covid-19, como o Equador (foto). AP - Dolores Ochoa

 

"Vacinar crianças é crucial para combater a pandemia", afirma infectologista

 

por Raquel Miura /RFI

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos deve começar em breve no Brasil. O Ministério da Saúde ainda não fixou uma data, mas a expectativa é de que dia 13 de janeiro cheguem as primeiras doses pediátricas da Pfizer para a distribuição aos estados e municípios.

Vinte dias depois da autorização da Anvisa, o governo enfim incluiu crianças entre 5 e 11 anos na campanha de imunização contra a Covid-19, passo fundamental no combate à pandemia, disse à RFI o infectologista André Bon.

"A gente só vai conseguir acabar com a pandemia quando grande parte da população estiver vacinada. E hoje as crianças não estão imunizadas, representando um bolsão de transmissão, um risco a pessoas imunossuprimidas, e também um risco para o surgimento de novas variantes, como aconteceu em locais onde a vacinação era baixa", afirma o médico.

O governo disse que encomendou 20 milhões de doses da Pfizer destinadas ao público infantil, suficientes para a primeira etapa, mas este mês apenas 3,7 milhões devem chegar ao país.

Estados e municípios vão estabelecer os critérios, seguindo diretrizes do Ministério da Saúde, de começar a vacinação pelos mais velhos e com prioridade para crianças com deficiência ou comorbidade, indígenas e quilombolas.Image

2,5 mil crianças morreram devido à Covid

No Brasil, mais de 2,5 mil crianças e adolescentes morreram de Covid ao longo da pandemia. "Por não terem sido vacinadas até agora, as crianças são mais suscetíveis, no meio de uma pandemia e com uma nova variante mais transmissível. Com isso a gente vem observando, em vários países, um aumento na proporção de crianças entre o número de infectados, inclusive entre os casos mais graves", considera Bon.

O governador do Piauí Wellington Dias (PT), do Fórum Nacional dos governadores, disse que assim que as doses pediátricas estiverem disponíveis, os pequenos começarão a ser vacinados.

"Da parte dos governadores e prefeitos, assim que as doses chegarem, começaremos a imunizar as crianças. E, claro, continuaremos cobrando a autorização para avançar a campanha para menores de cinco anos", declarou o governador.

Após o resultado da consulta pública, o governo abandonou a ideia de exigir receita médica para vacinar menores de 12 anos, hipótese que tinha sido aventada pelo ministro da saúde, Marcelo Queiroga, em apoio ao posicionamento do presidente Jair Bolsonaro.

Os especialistas reforçam que se uma criança não tomar a primeira dose, mesmo assim ela deve ir para a escola porque, seguindo os protocolos de higiene, os colégios são locais seguros.Image

Image

12
Jan22

Elio Gaspari: "se Bolsonaro precisa parar de exercer ilegalmente a Medicina, todo mundo ganha"

Talis Andrade

bolsonaro por gilmar.jpeg

 

247 – “Parece que a nota do almirante da reserva Antônio Barra Torres, presidente da Anvisa, levou-o a baixar a bola também no ridículo conflito em torno da vacina das crianças”, escreve Elio Gaspari em sua coluna desta quarta-feira nos jornais Folha de S Paulo e O Globo depois de dizer que Jair Bolsonaro foi “regulado” por Michel Temer logo depois da tentativa de autogolpe de 7 de setembro de 2021. “Se disso resultar uma moratória de Bolsonaro diante da pandemia, o ano de 2022 terá começado melhor”.Para ele, que é um dos mais graduados analistas da cena política nacional desde os anos 1970, “desde que o coronavírus entrou na agenda mundial, o capitão errou rodas. A "gripezinha" matou mais de 600 mil pessoas e a cloroquina serviu para nada. A boa notícia veio do funcionamento do programa de imunização, área na qual o Brasil tinha um desempenho histórico louvável”.

Gaspari deixa claro que o reconhecimento da população aos programas públicos de vacinação, comandados pelo SUS, foi fundamental. Ele saúda o comportamento da população, que se vacinou. “Nem o declínio na qualidade da gestão do ministério da Saúde foi suficiente para anestesiar os brasileiros”, diz. E conclui: “Se Bolsonaro parar de exercer ilegalmente a medicina, deixando a pandemia para os médicos, todo mundo ganha”.Image

O jornalista condena duramente os blefes e a bazófia do presidente contra a Anvisa. “Ao atacar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, presidida por um almirante-médico da reserva, escolhido por ele, Bolsonaro atravessou o espelho”, escreve. “Ele jamais documentaria a insinuação de que a Agência tinha interesses na compra de vacinas. Esse tipo de malandragem rolou na máquina do ministério da Saúde e foi contida, como ficou demonstrado pela Comissão Parlamentar de Inquérito”. Para Gaspari, a briga com a Anvisa é apenas mais uma das tantas brigas inúteis de um governante que não governa. “O conflito com a Anvisa e com Barra Torres fez parte do acervo de brigas inúteis do governo Bolsonaro. Nessa prateleira estão as caneladas contra a China, a eleição de Joe Biden e o governo argentino de Alberto Fernández. Tudo para nada”, diz.
Leia aqui a íntegra da coluna na Folha de S Paulo.ImageImageImage

Image

Image

Image

09
Jan22

Meninas baleadas pela polícia assassina seguem internadas e têm quadro estável; um menino de 6 anos morreu

Talis Andrade

Kevin Lucas dos Santos Silva, de 6 anos: morto por bala perdida

Kevin Lucas dos Santos Silva, de 6 anos: morto por 'bala perdida'

 

As duas meninas baleadas na última quinta-feira, dia 6, em Queimados, continuam internadas, vítimas do excludente de ilicitude. Além de Gabriela Aristides, de 13 anos, e Ludmila Teles, de 9 anos, o menino Kevin Lucas dos Santos Silva, de 6 anos, também foi atingido. Apesar do socorro, ele não resistiu e acabou morrendo.

As balas perdidas atingiram Kevin no tórax. Já Gabriela, foi atingida na perna direita, na região da coxa, e deu entrada no Hospital Geral de Nova Iguaçu, onde passou por uma cirurgia de emergência. Ludmila, que também foi atingida na perna, foi encaminhada para o Hospital estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, onde foi operada.

Segundo moradores, não havia confronto ou operação policial na região no momento. Um grupo realizou um protesto na manhã da última sexta-feira, dia 7, pedindo justiça. Maria Claudia da Silva Medeiros, considerada avó de criação do menino Kevin, diz que os disparos foram feitos por policiais militares: 

— A gente estava no portão da minha vizinha ajudando porque ela está de mudança. Eu estava com minha filha de 3 anos, e meu filho de 8 anos. Todos estavam ajudando, pegando as coisas para colocar no caminhão. Não tinha bandido nenhum na favela. Tinha uma lona esticada porque teve um baile ontem (quinta). Viram a lona, a nossa movimentação e acharam que tinha bandido, mas eram crianças e moradores fazendo mudança.

'Ele tinha todo o direito de viver', diz avó de menino de 6 anos morto ao ser baleado em QueimadosParentes de Kevin Lucas, de 6 anos, que morreu após ter sido baleado, durante o velório

por Roberto Moreyra e Carolina Callegari /Extra

Foi enterrado na tarde desta sexta-feira o corpo de Kevin Lucas dos Santos Silva, de 6 anos. O menino morreu na tarde de ontem ao ser atingido no tórax por um tiro no Morro da Torre, no bairro Inconfidência, em Queimados, na Baixada Fluminense. Ele estava em meio a um grupo de moradores, entre adultos e crianças, ajudando na mudança de uma vizinha, quando foram feitos disparos de arma de fogo, o que também deixou feridas Ludmila Teles, de 9 anos, e Gabriela Aristides, de 13 anos. Durante o velório, Vanderleia Aparecida de Oliveira, avó de Kevin Lucas, falou sobre o luto da morte do neto:

— Ele tinha todo o direito de viver.

A mãe do menino, Ana Claudia Santos, teve uma crise na saída do caixão e teve que ser amparada por familiares. Ela gritava que queria ter o filho de volta. Pela manhã, quando esteve no Instituto Médico Legal (IML) de Nova Iguaçu, Ana Claudia questionava a perda da criança de 6 anos e pedia por justiça.

— Eu pago imposto para ver meu filho morto, meu filho morto. Ninguém sabe a dor que eu estou passando. Eu quero meu filho, quero justiça. Sou trabalhadora como qualquer um. Quero justiça, mais nada — disse Ana Claudia, ao "RJ TV", da TV Globo.

Moradores afirmam que os disparos foram realizados apenas por policiais que estavam na comunidade. Adultos e crianças estavam próximos de uma lona, que segundo contam, foi usada para a realização de um baile funk um dia antes. Policiais militares teriam atirado na direção do grupo.

— Não teve confronto. Não teve. Meu neto era muito querido ali. Ali tem gente trabalhadora. Muita gente pensa que morro só tem bandido. Não é. Trabalhador, inocente, criança inocente. Eles têm que pensar antes de fazer. Eles têm uma pessoa que comanda eles. Cadê o presidente que não faz nada? Agora botar a pessoa para ter arma dentro de casa ele sabe — afirmou Vanderleia.

Os tiros atingiram Kevin Lucas no tórax, Ludmila Teles, de 9 anos, na perna, e Gabriela Aristides, de 13 anos, na barriga. Os três foram levados inicialmente para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Queimados. Ludmila foi encaminhada para o Hospital estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, onde passou por cirurgia. Já Gabriela foi transferida para o Hospital Geral de Nova Iguaçu e foi operada. Ambas estão em estado estável no início desta tarde.

Em levantamento da plataforma Fogo Cruzado, Kevin Lucas é a primeira criança morta por disparo de arma de fogo este ano.

— A gente aqui está largado, a gente aqui não tem ninguém. A gente não tem uma polícia direita, não tem uma coisa boa para dar para as crianças. Porque as crianças que estão sendo criadas lá, não é criança largada não. Eu trabalho, sou trabalhadeira, saio de casa quatro horas da manhã, chego em casa quatro horas da tarde. Ninguém está lá jogado não. A gente está lá porque não tem para onde ir — afirmou Vanderleia, que completou: — Eu não tenho mais o que chorar.

A avó do menino lembrou que prometeu a ele consertar a bicicleta, um presente ganho no ano passado, para que ele pudesse brincar. O encontro estava marcado para acontecer amanhã.

— Eu peço a Deus para Deus fazer essa justiça. Eu quero que Deus faz essa justiça e quero que os homens daqui façam essa justiça. Porque eu vejo tanta coisa acontecendo, e a gente não tem ajuda de ninguém. A Baixada está largada. Não tem uma pessoa que vem aqui e ajuda. O meu neto era uma pessoa inocente, estava só ajudando trazendo a mudança — disse Vanderleia.

Por meio de nota, a PM disse que "de acordo com policiais militares do 24º BPM (Queimados), eles estavam em patrulhamento na Estrada do Riachão, um dos acessos à comunidade da Torre, no bairro Inconfidência, em Queimados, quando foram atacados por criminosos da região. A equipe relatou que desembarcou da viatura, buscou abrigo e não efetuou disparos. Após cessarem os tiros, os agentes foram procurados por moradores dizendo que uma criança havia sido ferida na Rua Colombo". Já as outras duas vítimas teriam dado entrada na mesma unidade. A corporação ainda afirma que "está acompanhando e colaborando com as investigações da Polícia Civil, inclusive, deixando à disposição, de forma voluntária, as armas dos policiais militares que estiveram envolvidos na ocorrência".

Segundo Maria Claudia da Silva Medeiros, que era babá de Kevin Lucas, as meninas que foram feridas estavam no portão da casa e ele no quintal da casa de onde acontecia a mudança. A comunidade não dispõe de área de lazer, como parque ou quadra, o que faz com que brinquem em casa ou na rua, diz.

O pai de uma das meninas feridas falou, em entrevista ao "RJTV" nesta sexta-feira, o que aconteceu na comunidade:

— Os policiais vieram por cima, e não tinha a visão de quem estava embaixo da tenda, e os marginais ficam sempre ali sempre embaixo da tenda. Eles atiraram achando que eram os marginais. Quando eles viram que atingiram as crianças, eles se preocuparam, se desesperaram, tentaram prestar socorro da maneira deles. Só que depois eles viram que tinham feito o erro deles, vieram até pedir desculpas, mas a gente não vai aceitar a desculpa deles — disse o pai de Ludmila, Wilson.

31
Dez21

Necropolítica: Bolsonaro veta passaporte de vacina em escolas e universidades

Talis Andrade

ze dassilva  jair bolsonaro vacina.jpg

O governo espera à Herodes, um massacre de inocentes para iniciar a vacinação de crianças. 

Leia nota da OAB sobre vacinação obrigatória de crianças.

A consulta pública sobre vacina da Covid 19, mais uma palhaçada mortal do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para agradar o negacionismo, o obscurantismo de Bolsonaro, o governo das Quatro Bestas do Apocalipse, a fome que mata, a morte pelas doenças do Terceiro Mundo - tuberculose, hanseníase, verminoses como a ancilostomíase e esquistossomose, malária, doença de Chagas, leishmaniose e tracoma são algumas das doenças da pobreza e estão associadas às más condições de higiene e saneamento-, o genocídio da pandemia da covid-19, a ameaça da epidemia da gripe H3N2, as chacinas nas favelas, zonas de guerra das milícias, do tráfico, da polícia que mata - a prática nazista de um militar morto vale a vida de dez civis. 

Outra puxa -saco é o ministro da Educação Milton Ribeiro, que decidiu proibir as Instituições Federais de Ensino de exigir a vacinação contra covid-19 como condicionante ao retorno das atividades educacionais presenciais.

jacaré vacina.jpg

Image

cade vacina.jpg

Nota pública sobre vacinação obrigatória de crianças (OAB/SP)

 

Diante das notícias largamente veiculadas na imprensa sobre a queda no índice de imunizações de crianças, do surto de doenças e da detecção do aparecimento de enfermidades que estavam erradicadas no Brasil como sarampo, poliomielite, dentre outras e ainda, considerando o teor das dúvidas apresentadas por pais, guardiães e educadores à Comissão Especial de Direitos Infantojuvenis da Seção Bandeirante da Ordem dos Advogados do Brasil vem a público prestar os seguintes esclarecimentos:

    • É dever de todos os pais (e/ou eventualmente guardiães) submeter os filhos menores ao calendário de imunização visando preservar a sua integridade física, a qual é indisponível, ou seja, não se trata de uma faculdade, mas sim de uma obrigação legal;
    • A Constituição Federal de 1.988 em seu Artigo 227 assevera de forma clara a fundamental importância do papel da família juntamente com a Sociedade e o Estado na preservação dos direitos dos infantes, sendo que em 1989, com a promulgação da Lei nº 8.069 (ECA) foi o legislador categórico ao acrescentar dentre os deveres inerentes ao poder familiar a obrigatoriedade de vacinação de crianças nos casos determinados pelas autoridades sanitárias, conforme o calendário de vacinação definido pelo Ministério da Saúde (art. 14, §1º);
    • A institucionalização de políticas públicas voltadas a imunização contra enfermidades ocorreu com o advento da Lei nº 6259/75 e tem por escopo, dentre outras nuances, disponibilizar gratuitamente à população brasileira acesso a vacinação preventiva de enfermidades, em sua grande maioria recomendadas pela Organização Mundial da Saúde;
    • A não submissão a determinação legal além de deixar a criança vulnerável a enfermidade, torna-a vetor de risco para proliferação de moléstias junto a sociedade;
      • Em caso de inobservância da norma existe a possibilidade de aplicação de multa aos pais (de 03 a 20 salários mínimos) que pode ser dobrada em caso de reincidência (Art. 249 ECA), não obstante podemos ter a decretação de reflexos restritivos no exercício do poder familiar, decretação de medidas de proteção e até mesmo a configuração de crimes previstos no código penal como abandono, tentativa de homicídio, homicídio, além de delitos contra a saúde pública;
      • O Poder Público tem o dever de manter campanhas de vacinação e manter todas as vacinas obrigatórias em postos de saúde. Na falta de atendimento na sua cidade, avise imediatamente ao Conselho Tutelar, ao Ministério Público ou a Subsecção mais próxima da Ordem dos Advogados do Brasil;
      • É dever de todos informar as autoridades públicas sobre a ocorrência de tais casos, em especial, o Conselho Tutelar de sua localidade para adoção das medidas cabíveis; e
      • Caso os pais desejem submeter o filho a um processo de imunização distinto da forma tradicional, tal pedido deverá ser submetido ao Poder Judiciário e, somente após a obtenção de uma manifestação favorável do Juízo competente, devidamente embasada em perícia e argumentos científicos, poderemos ter uma exceção à regra que assegure a manutenção de uma vida saudável ao infante.
      •  

      Ricardo de Moraes Cabezón
      Presidente da Comissão Especial de Direitos Infantojuvenis

    •  

25
Dez21

A vacinação de crianças virou uma questão religiosa

Talis Andrade

Duccio_di_Buoninsegna-Massacre_of_the_Innocents_-_

 

O pastor Silas Malafaia decidiu entrar de cabeça na cruzada bolsonarista contra a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos de idade. Em um dos seus perfis nas redes sociais, o religioso, que é apontado pelo clã Bolsonaro como principal conselheiro do presidente, fez 15 publicações seguidas nas últimas 24 horas criticando a aprovação da imunização infantil pela Anvisa.

Silas Malafaia
Vacinar crianças é um absurdo! O índice não possui nenhuma expressão para se preocupar em vaciná-las agora. O interesse bilionário de laboratórios para vacinar crianças.
 

Malafaia diz em suas publicações que há riscos para gerações futuras após a aplicação do imunizante da Pfizer. Nenhuma das afirmações do pastor tem sustentação no meio científico.

Para ele, a medida aprovada pela Anvisa de liberar a imunização de crianças atenderia a um interesse financeiro dos laboratórios. A medida, no entanto, é tida por especialistas ao redor do mundo como uma forma de conter o avanço da nova variante ômicron da Covid-19. Outros países já iniciaram a imunização da faixa etária infantojuvenil. 

O arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, defendeu a vacinação infantil no Brasil durante seu discurso na Missa do Galo, realizada na sexta-feira (24), véspera de Natal. Ele pediu ao Menino Jesus que dê “uma forcinha” para que a imunização das crianças brasileiras aconteça o quanto antes.

“Dai força para as crianças sem afeto, sem amor, sem colo dos pais por tantos motivos. E menino Jesus, dá uma forcinha para que a vacina das crianças do Brasil chegue o quanto antes. Um grande presente de Natal à saúde de nossos filhos, de nossas crianças e de nossos netos”, disse o arcebispo.

Na missa, Dom Orlando também lamentou as mortes ‘sentidas’ pelas crianças. Transcrição de frases:

“Nesta noite, olhando nos olhos do Menino Jesus, nós dizemos: console tantas crianças que perderam os avós, o pai e a mãe nesta pandemia.

Menino Jesus, consola esses órfãos. 

Menino Jesus, quantas crianças vítimas da bala perdida; traga-nos a paz, Menino Jesus.

Menino Jesus, em muitos países do mundo tem a criança soldado, a criança com fuzil para matar.

Menino Jesus, nos livre do abuso de crianças e do trabalho escravo”.

 

Image

24
Dez21

Herodes no Ministério da Saúde

Talis Andrade

La strage degli innocenti di Nicolas PoussinNicolas Poussin

 

por Antonio Carlos Prado /Istoé

 

Triste Brasil que tem Herodes no Ministério da Saúde.

Triste Brasil que tem Herodes como bajulador do capitão que preside o País.

Herodes age assim porque tem planos de se candidatar a governador da Paraíba ou senador. E precisa do apoio de um capitão.

Herodes despreza o fato de que dezesseis países já vacinam crianças entre cinco e onze anos.

Herodes desrespeita a recomendação da Anvisa e seus diretores.

Herodes não está nem aí para o número de crianças que já morreram de Covid no Brasil.

Herodes, em fato inédito, criou consulta pública sobre imunização infantil, como se leigos soubessem mais que especialistas.

Herodes montou uma comissão composta majoritariamente por técnicos e médicos que de antemão ele já sabe que são contra a vacinação, muitos indiciados pela CPI da Covid porque defendem a cloroquina.

Herodes é médico, sua obrigação é salvar vidas.

Mas é Herodes é Herodes. As crianças brasileiras lhe dirão francamente: o senhor não se importa com nossas vidas. Mas nós, crianças, somos mais fortes que Herodes. A história Biblíca já mostra isso.

Por isso nós temos Natal. O senhor, Herodes, não o tem. Herodes não tem Natal. Nem o merece.

24
Dez21

A médica chilena e o monstro infanticida brasileiro

Talis Andrade

quero vacina vaccari.jpeg

 

 

por Jeferson Miola

No dia 25 de novembro de 2021 a médica chilena Izkia Siches renunciou à presidência do Colégio de Médicos – uma instituição respeitadíssima e influente no Chile. O Colégio de Médicos equivale ao Conselho Federal de Medicina do Brasil; no entanto, com funções de representação sindical, além das de regulamentação profissional.

Izkia renunciou a este importante cargo porque, como cidadã consciente da ameaça representada pelo ultradireitista José Antonio Kast à democracia e à sociedade, sentiu-se convocada a atuar pela vitória de Gabriel Boric.

Na carta de renúncia publicada quatro dias depois do 1º turno da eleição presidencial no Chile, Izkia escreveu estar “convencida de que necessitamos nos dedicar a melhorar nosso país […] e esperançosa de que no futuro próximo todas as novas gerações possam gozar, sem importar sua condição social, de uma saúde que lhes permita desenvolver seus projetos de vida e de uma medicina que os cuide e os trate em função de suas necessidades”.

Isto temos sonhado desde nossa formação como médicos e esse também segue sendo hoje meu sonho como médica, cidadã e mãe”, ela concluiu.

No dia seguinte, 26/11, Izkia foi apresentada por Gabriel Boric como coordenadora da sua campanha. A atuação da médica chilena nas três semanas decisivas no 2º turno da eleição foi fundamental. O trabalho que desempenhou junto com o comando de campanha é apontado como um dos fatores determinantes da vitória de Boric.

Enquanto no Chile a jovem médica Izkia faz uma escolha humanitária em defesa da vida, no Brasil um médico abjeto atua como engrenagem da fábrica macabra de mortes de crianças.

A oposição de Marcelo Queiroga à vacinação infantil é criminosa. À luz do direito internacional, pode inclusive ser caracterizado como mais um crime bolsonarista contra a humanidade que, todavia, é tolerado pelos tribunais brasileiros.

Queiroga não é exclusividade no gênero de médicos que traem o juramento de Hipócrates e se convertem em colaboracionistas do fascismo, como acontece hoje no Brasil – vide os experimentos nazistas da empresa Prevent Júnior, bem como o endosso e a cumplicidade de dirigentes inescrupulosos de entidades médicas às práticas notoriamente criminosas, anticientíficas e negacionistas.

Esta linhagem de médicos associados ao terror de Estado e ao fascismo não é novidade no Brasil. Na ditadura [1964/1985], enquanto muitos médicos entregavam-se à resistência democrática, alguns deles forneciam atestados de óbito falsos para ocultar as causas de mortes decorrentes de brutal tortura nos porões do regime.

Estes últimos – facínoras que maculam a medicina – ficaram impunes na justiça e preservaram o registro profissional no Conselho Federal de Medicina.

O exemplo da médica chilena Izkia Siches é um contraste ético, moral e humano de proporções galácticas em relação ao ministro bolsonarista da Morte, o monstro infanticida.

Image
24
Dez21

O Natal de Herodes

Talis Andrade

quero vacina.jpeg

 

 

Massacre dos inocentes vítimas de Covid

 

Lula foi às redes e criticou a declaração "absurda, que parece de Herodes", de Marcelo Queiroga. Segundo o ex-presidente, o ministro da saúde de Bolsonaro "cria obstáculos para a vacinação de crianças". 

Queiroga vinculou a vacina pediátrica à prescrição médica, e disse que mortes de crianças por Covid não pedem "decisões emergenciais".

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, cobrou explicações do Ministério da Saúde pela demora e falou em um número “macabro” de mortes na faixa etária de 5 a 11 anos.

"O presidente da Anvisa tem razão ao querer proteger a instituição, a ciência e as crianças na pandemia, respeitando o bom senso", escreveu Lula.

Bolsonaro nega pressa para vacinar

“Não tá havendo morte de criança que justifique algo emergencial?”, indagou Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (24), quando ofereceu um almoço a jornalistas no Palácio da Alvorada.

A declaração reforça o que já havia dito o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga - que o número de óbitos de crianças na pandemia não pedia “decisões emergenciais”.

“Tá morrendo criança de 5 a 11 anos que justifique algo emergencial? É pai que decide, em primeiro lugar”, disse Bolsonaro.

Em seguida, tentando se esquivar, declarou que não quer determinar nada para o tema. “Se tem um problema na Saúde, vão me culpar. Quando quero dar uma opinião, estou interferindo. Situação minha é complicada”.

Anvisa cobra rapidez

O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, cobrou nesta quinta-feira (23) explicação do governo federal pela demora em vacinar crianças e falou - ao contrário de Queiroga e Bolsonaro - em um número “macabro” de mortes.

"Nós temos 301 crianças mortas na faixa de 5 a 11 anos desde que a covid-19 começou até o início de dezembro. Nestes 21 meses, numa matemática simples, nós temos um pouquinho mais de 14 mortes de crianças ao mês, praticamente uma a cada dois dias. Então acho que essa informação à sociedade se faz necessária", disse em entrevista ao jornal O Globo.

 
Image

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub