Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

17
Abr22

Violentos com vulneráveis e opositores, bolsonaristas poupam o governo até de dar explicações

Talis Andrade

A vereadora Jessi cão Opressora, de Londrina, acaricia imagem de Jair Bolsonaro durante a eleição de 2018

 

Apoiadores do presidente estimulam atos violentos contra os mais fracos ou adversários políticos. Para suspeitas envolvendo a administração federal, não cobram nem as investigações previstas em lei

08
Mar22

“É um dia mais de luta do que de celebração”, dizem ativistas brasileiras em Paris, neste 8 de março

Talis Andrade

Esquerda: Taciana Brito, psicóloga, direita: Ana Estrella Philippe, jurista © RFI

Neste 8 de março, dia Internacional da Mulher, a RFI convida duas brasileiras que trabalham como voluntárias em Paris na Associação Mulheres da Resistência. Desde 2017, o grupo dá apoio às mulheres lusófonas vítimas de violência e em situação precária.

A psicóloga Taciana Brito e a jurista Ana Estrella Philippe explicam que, embora a data seja uma celebração das conquistas sociais, políticas e econômicas femininas ao longo dos anos, ela também marca os muitos desafios ainda à frente.

“É um dia mais de luta do que de celebração. Eu gostaria muito de estar aqui falando de conquistas e de promoção de direitos e garantias, mas, por hora, estamos ainda mais no campo da luta”, diz Ana Estrella.

As ativistas participam, nesta terça-feira (8), em Paris, da Journée pour les droits de femmes (dia de luta pelos direitos das mulheres). Além do caráter festivo, a programação alerta sobre a conscientização necessária para evitar as desigualdades de gênero e a violência doméstica em todas as sociedades.

“Normalmente, as mulheres entram em contato com a gente através da nossa página do Instagram no momento em que já houve uma agressão física”, explica Taciana Brito. “Poucas conseguem identificar a violência psicológica ou patrimonial [quando se usa dinheiro ou documentos como forma de coerção]. Elas nos procuram quando se veem afastadas dos filhos, sem dinheiro ou na rua porque tiveram de sair correndo para não morrer”, completa. “A gente faz um acolhimento, eu dou apoio psicológico, mas temos juristas, pessoas que podem acompanhá-las à delegacia”, afirma.

 

Agenda com a prefeita de Paris

Na manhã desta terça-feira, o grupo Mulheres da Resistência tem um encontro com a prefeita de Paris, a socialista Anne Hidalgo – uma das três candidatas mulheres à presidência da França - para tratar sobre o tema. “Eu quero ouvir de Anne Hidalgo o que ela tem como proposta efetiva e plano de governo sobre isso. Não só por ela ser mulher, mas isso deve ser uma pauta de todo o candidato a presidente”, diz Anna Estrella.

Depois, às 14 horas, elas se juntam à manifestação “greve des femmes” (greve das mulheres), que acontece na capital francesa. O ponto de encontro é 31-33, rue Saint Quentin, nas proximidades da estação de trem Gare du Nord, no 10° distrito de Paris. E o dia termina com apresentação de grupos de samba e encontro com psicólogos e juristas. “Eu convido todas as mulheres brasileiras e latino-americanas, todas as mulheres lusófonas para nos encontrarmos e falarmos sobre isso, para a gente entender a situação de cada uma.  O acolhimento é muito bonito, e a gente convida vocês a não passarem por essa situação complicada sozinhas”, convida Taciana.

Estatísticas defasadas

As ativistas explicam que a violência contra a mulher e, mais especificamente, o feminicídio passaram a ser as grandes causas do feminismo atual. “Se não é a mais importante deveria ser, porque o feminicídio existe, os números são alarmantes”, alerta Ana Estrella. “Em 2020, 102 mulheres foram assassinadas por seus companheiros na França. Em 2021, subiu para 113. Porém, acho que estes números não estão nem perto da realidade”, observa.  

“Este número deve estar defasado porque a quantidade de mulheres agredidas e assassinadas por causa do confinamento durante a epidemia de Covid-19 aumentou. Elas foram obrigadas a ficar dentro de casa, mas uma mulher que já sofre violência, com o lockdown isso aumentou drasticamente”, acrescenta Taciana Brito

As ativistas explicam que, apesar de a França ser um país de primeiro mundo, o tipo de violência que acomete as mulheres aqui é a mesma que se vê em outros países, inclusive no Brasil. “É necessário comparar porque estamos num país mais avançado em termos de leis, onde o aborto é garantido e a gente acha que a luta acabou. No Brasil, em números absolutos temos mais casos porque a população é maior, mas a violência é a mesma. É uma violência patrimonial, psicológica - o ciclo da violência é o mesmo”, observa a psicóloga.

“Hoje a associação Mulheres da Resistência acompanha 30 vítimas. Somos 11 voluntárias e cada uma dessas 30 mulheres sofreu ou sofre um tipo diferente de violência, seja econômica, ou de ameaça de ter que voltar para o seu país de origem”, cita Ana Estrella, que começou a sua trajetória de ativista dos direitos das mulheres ainda no Brasil. “Eu sou advogada, mas tenho formação em filosofia na área da ética. E quando eu cheguei aqui, senti necessidade de me conectar com as minhas compatriotas e trabalhar pela comunidade brasileira na França”, diz   

A motivação de Taciana foi parecida. “Quando eu clinicava em Salvador, eu tinha este olhar feminista. E quando eu vim fazer doutorado aqui, acabei encontrando mulheres que têm a mesma luta e acredito que é falando que a gente vai mudar essa situação”, afirma. “Comecei fazendo parte do coletivo Marielle Franco (1979-2018), e fui convidada para fazer parte do coletivo Mulheres da Resistência, conta. “A luta é todo dia, a luta é política, é criar arenas, novos discursos e com muito amor sempre”, conclui.

Na França, mulheres que precisarem de assistência policial em casos de violência doméstica podem ligar para o telefone 3919, da rede Solidarité Femmes, da qual a Mulheres da Resisência faz parte.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub