Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

17
Ago21

Paulo Pimenta cobra Sérgio Reis sobre suposta prótese peniana feita com dinheiro público

Talis Andrade
 
O deputado federal Paulo Pimenta questionou o cantor pecuarista Sérgio Reis quanto ao procedimento de uma prótese peniana feita com R$ 55 mil em dinheiro público.
Pimenta postou no Twitter: "Deputado Sérgio Reis, tenho uma informação e preciso da sua ajuda para apurar a veracidade ou se é Fake. Um dep. pediu ressarcimento para Câmara de despesa 55 mil reais para substituição de 'prótese peniana'. Parece que ele recebeu! Dinheiro público. Toca o berrante e vamos descobrir".
 
Paulo Pimenta acrescentou: "HIPÓCRITA COMO TODO BOLSONARISTA: Sérgio Reis, que pede golpe no país, deve R$ 640 mil à União. O cantor bolsonarista deixou de pagar impostos federais, multas trabalhistas e FGTS"
 
Diante do silêncio de Sérgio Reis, que voltou à cena política com a divulgação de uma convocação golpista - uma concentração no Dia da Independência - Sete de Setembro próximo, e a greve e marcha de caminhoneiros para Brasília, parando o Brasil, escreve Paulo Pimenta: "Sérgio Reis, aguardo contato para esclarecimentos sobre assunto de seu interesse. Além de parlamentar, sou jornalista, e gostaria de ouvir sua versão, sobre assunto relativo a ressarcimento de despesa de saúde na Câmara. Atenciosamente"Charge mostra o cantor Sérgio Reis assoprando um berrante que está "brochado". Charge faz referência à notícia de que os caminhoneiros rejeitaram a convocação de manifestação do cantor a favor de Bolsonaro.

 

31
Mai20

Bolsonaristas promovem marcha com tochas na noite de Brasília contra STF

Talis Andrade

os 300.png

Os 300 de Sara Winter fazem protesto chupado dos neonazistas de Charlottesville

 

Protesto neonazista copiado de Charlottesville

por Kiko Nogueira

Membros do acampamento de Sara Winter em Brasília, o famoso “300″, fizeram uma performance macabra em frente ao Supremo Tribunal Federal na noite deste sábado.

Carregando tochas, mascarados, eles marcharam até a Corte.

Chegando lá, uma música tirada de um filme de terror B soou.

Gritavam: “Viemos cobrar, o STF não vai nos calar”

e “Careca togado, Alexandre descarado”(!?!).

tiki-charlottesville.jpeg

Fascistas em Charlottesville (EUA) com as tochas tiki

 

É uma cópia vagabunda da marcha neonazista de Charlottesville, nos EUA, ocorrida em agosto de 2017.

Na ocasião, centenas de supremacistas brancos reuniram-se na Universidade da Virgínia com “tochas tiki”, as mesmas que o bando de Sara usa agora.

A evocação era dos rituais da Ku Klux Klan. O protesto era um aquecimento para o evento “Unir a Direita” (“Unite the Right”).

“Sim, eu sou nazista, eu sou nazista, sim”, afirmava um sujeito. Entre as palavras de ordem, “judeus não vão nos substituir”.

Como no caso do brinde com leite, marca registrada da extrema direita americana, os simulacros nacionais capricham na capacidade de não surpreender ninguém.

 

27
Dez18

Ensaio geral sobre o saco V

Talis Andrade

Do Música em Prosa

O cordão dos puxa-saco

por Sebastianbam

 

Em 1945, fazia sucesso no Brasil uma marchinha de carnaval, de autoria de Roberto Martins e Erastótenes Frazão e gravada pelo conjunto “Anjos do Inferno”. A música se chamava “O cordão dos puxa-saco”. No início da letra, chegam a mencionar uma música de 1909, chamada “No bico da chaleira”, também em homenagem ao tema “puxa-saquismo”.

 

Vamos voltar no tempo e analisar esta crônica que parece eterna dos costumes brasileiros. O hábito de bajular os poderosos já era uma realidade no Brasil. Segundo o sítio digital recanto das letras, o general José Gomes Pinheiro Machado, senador pelo Rio Grande do Sul, presidente do Partido Republicano Conservador, era um homem forte do Legislativo brasileiro e por 20 anos, entre 1895 e 1915, exercendo grande influência sobretudo no governo de Afonso Pena (1906-1909), Nilo Peçanha (1909-1910) e Hermes da Fonseca (1910-1914).

Consta que o senador mantinha no seu gabinete  uma pequena chaleira com água quente para alimentar sua bomba do chimarrão. Quando políticos iam visitá-lo, disputavam o privilégio de segurar a chaleira para o chimarrão que o caudilho tomava, poupando ao senador o trabalho de preparar ou servir sua bebida preferida.

 

Na ânsia de serem os primeiros, seguravam a chaleira por onde melhor calhasse: pelo cabo, pelo bojo e até pelo bico – amiúde queimavam os dedos. Tudo para cair nos favores do senador.

 

O hábito acabou gerando o verbo chaleirar, praticado pelo chaleirador, o adulador, puxa-saco, etc. Isto dito da moda deu ensejo ao surgimento de uma canção carnavalesca da autoria de um famoso mestre de bandas que se ocultava sob o pseudônimo de Juca Storoni e foi o maior sucesso do Carnaval de 1909.

Pinheiromachado.jpg

Senador José Gomes Pinheiro Machado

Iaiá me deixe subir esta ladeira,
Que eu sou do grupo do pega na chaleira,
Iaiá me deixe subir esta ladeira,
Que eu sou do grupo do pega na chaleira.

Na casa do Seu Tomaz/Quem grita é que manda mais

Que vem de lá,
Bela Iaiá,
Ó abre alas,
Que eu quero passar,
Sou Democrata,
Águia de Prata,
Vem cá mulata,
Que me faz chorar…

 

Já em 1945,  depois do fim da ditadura e do Estado Novo, houve uma maior abertura em relação às letras de músicas, controladas e censuradas pelo então departamento de censura da época, o DIP.

 

O Cordão dos Puxa-saco, então, fazendo expressa referência à canção de 1909, tem como mote a crítica àqueles que bajulam os homens políticos e públicos, ou seja, os famosos puxa-sacos.

 

“Vossa Excelência / Vossa Eminência /Quanta referência nos cordões eleitorais!”.

 

E fica bem clara a hipocrisia quando se diz: “Mas se o “Doutor” cai do galho e vai pro chão/ A turma logo evolui de opinião”, mostrando que os bajuladores mudam logo de opinião a cada pleito eleitoral.

 

Na letra, conta-se e critica-se as homenagens e as circunstâncias, o apego ao poder e não ás pessoas, e o caráter volátil dos “puxa-saco” que evoluem de opinião sempre que há uma mudança do poder. Continua … muito atual…Segue a letra.

 

puxa-saco.jpeg

Iaiá me deixa subir essa ladeira

Que eu sou do bloco

Mas não pego na chaleira

Lá vem

O cordão dos puxa-saco

Dando vivas aos seus maiorais

Quem está na frente

É passado pra trás

E o cordão dos puxa-saco

Cada vez aumenta mais

Vossa Excelência

Vossa Eminência

Quanta reverência

Nos cordões eleitorais

Mas se o “doutor”

Cai do galho e vai ao chão

A turma toda evolui de opinião

E o cordão dos puxa-saco

Cada vez aumenta mais

 

Fontes: http://br.oocities.com/musicaschiado/Nobicodachaleira.htm;

Dicionário Houaiss Ilustrado da Música Popular Brasileira. Ed. Paracatu, 2006.

http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/4575532

In Clássicos da Música Brasileira

 

14
Ago18

DILMA: MARCHA EM DEFESA DE LULA É UM ATO DE BRAVURA

Talis Andrade

 

dilma marcha.jpg

 

 

A presidente deposta e candidato a senadora, Dilma Rousseff, elogiou nesta terça-feira, 14, a Marcha Lula Livre, que está reunindo milhares de pessoas que participarão do registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 15.

 

"Lula é capaz de barrar o golpe, de fazer o Brasil novamente avançar e ser respeitado internacionalmente. E ao mesmo tempo para protestar e exigir Lula Livre, Lula presidente", disse Dilma. "É um ato de bravura, de coragem de brasileiros e brasileiras de pé, pelo presidente Lula".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub