Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Out21

Um banqueiro e dois golpes

Talis Andrade

esteves.jpg

 

 

 

por Cristina Serra

O portal de notícias Brasil 247 publicou o áudio de animada conversa entre o banqueiro André Esteves e um grupo de clientes. É uma aula sobre os donos do poder no Brasil, entrecortada por risadas típicas de quem está ganhando muito dinheiro, ainda que o país esteja uma desgraça. 

O banqueiro faz questão de exibir sua influência junto às mais altas instâncias do poder político, com uma mistura de cinismo e boçalidade envernizada, própria de quem se acha educado só porque sabe usar os talheres. Esteves jacta-se de seu prestígio junto ao presidente da Câmara, Arthur Lira. Gaba-se do acesso ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a ponto deste tê-lo consultado sobre o nível da taxa de juros, atitude que é um escândalo de relações carnais entre o público e o privado. 

Vangloria-se de ter influenciado a decisão do STF favorável à independência do Banco Central, informando ter conversado com alguns ministros antes do julgamento. Só não revelou quais. E expõe o motivo de tanto empenho. Se Lula for eleito, “vamos ter dois anos de Roberto Campos”. Esteves considera que Bolsonaro, se “ficar calado” e trouxer “tranquilidade institucional para o establishment empresarial”, será o “favorito” em 2022. 

Em tortuosa análise sobre o Brasil, Esteves compara o impeachment de Dilma Rousseff ao golpe de 1964: “Dia 31 de março de 64 não teve nenhum tiro, ninguém foi preso, as crianças foram pra escola, o mercado funcionou. Foi [como] o impeachment da Dilma, com simbolismos, linguagens, personagens da época, mas a melhor analogia é o impeachment da Dilma.” 

A comparação é um insulto aos milhares de presos, perseguidos, torturados e assassinados na ditadura, mas o raciocínio de Esteves faz sentido ao aproximar (talvez sem querer) as duas datas infames: 1964 e 2016 foram golpes. A conversa desinibida do banqueiro desnuda, de maneira explícita, um país refém de meia dúzia de espertalhões do mercado financeiro. 

ditadura 1964.jpg

 

26
Out21

O áudio de Esteves e o impressionante relato do banqueiro que compra amizades nos poderes da república

Talis Andrade

banqueiro tubarão .jpeg

 

 

por Joaquim de Carvalho

O que André Esteves disse no áudio vazado que o 247 publicou com exclusividade não é um ponto fora da curva quando se trata da relação de banqueiros com os poderes da república.

Esteves afirmou que recebeu telefonema do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para dizer qual seria o piso ideal da taxa de juros no país.

Também comentou que recebeu telefonema do presidente da Câmara, Arthur Lira, que queria saber o que ele pensava do pedido de demissão de quatro secretários do Ministério da Economia, na semana passada.

"Arthur, vou dar uma palestra agora à tarde. Se quiser, dá um pulo aí”, teria respondido ele, segundo contou no áudio.

O mais grave é a influência que disse ter tido no julgamento da ação que declarava inconstitucional a lei que deu independência ao Banco Central.

"Teve essa discussão de Banco Central independente, foi importantíssimo conversar com ministros do Supremo, explicar. Pô, o cara não é obrigado a nascer sabendo”, disse.

Só Ricardo Lewandowski e Rosa Weber votaram contra o texto aprovado pelo Congresso Nacional. Oito ministros julgaram de acordo com o que Esteves considerava correto.

A influência decisiva dos banqueiros em temas de interesse público vem de longe, o que torna preciso o termo “plutocracia" para definir o regime político do Brasil.

O ex-deputado Pedro Corrêa, que presidiu o PP por muitos anos, contou em delação que viu o então controlador do Itaú comprar deputados para aprovação da emenda da reeleição de Fernando Henrique Cardoso, em 1997.

"Olavo Setubal dava bilhetes a parlamentares que acabavam de votar, para que se encaminhassem a um doleiro em Brasília e recebessem propinas em dólares americanos”, disse ele aos procuradores da Lava Jato, em 2016.

A denúncia nunca foi devidamente investigada.

Na época, FHC rebateu o relato, assim como o sucessor de Olavo Setúbal, Roberto. Mas o próprio Fernando Henrique contou, em seu livro de memórias que, no dia da votação da emenda da reeleição, Olavo Setúbal estava mobilizadíssimo.

“Olavo Setúbal e outros mais estavam bastante agradados pela maneira como fui ao Itamaraty, sem maiores preocupações, disseram que era espantoso eu não estar tenso nem estar só por conta da reeleição naquele dia.”

Ao que parece, FHC não precisava passar aquele dia “só por conta da reeleição”. A julgar pelo que disse Pedro Corrêa, outros trabalhavam por ele, entre eles o banqueiro.

Ou será que, no fundo, FHC é que trabalhava para ele? Parece que esta frase faz mais sentido.

E faz mesmo quando se lê a entrevista que o CEO de um banco deu ao sociólogo Jessé Souza, para o livro “A Classe Média no Espelho”. 

"Todo mundo tem um preço. Até hoje não conheci quem não tivesse. E para todo negócio é necessário uma informação privilegiada aqui, um amigo no Banco Central ali, uma sentença comprada ali ou a influência de um ministro em Brasília acolá”, afirmou ele.

Jessé preservou o nome do banqueiro — era a condição para que a entrevista fosse realizada, parte de um estudo científico.

Graças a essa entrevista, ficamos sabendo como o banqueiro opera. As conversas com autoridades e os chamados formadores de opinião não são inocentes ou desinteressadas.

"Além da compra direta, em dinheiro vivo ou depósito no exterior, a gente tem que paparicar constantemente os caras. Uma forma eficaz são os presentes constantes, sem a expectativa imediata de contrafavores. Isso gera simpatia. Às vezes você ganha até um ‘amigo’", revelou.

O resultado é a construção de um arcabouço legal para práticas que, em outros tempos, poderiam resultar até em cadeia.

Sonegação, por exemplo, não dá cadeia no Brasil, embora o Código Tributário Nacional, de 1966, admita apenas uma hipótese para a não aplicação da pena, a de que o débito seja quitado até a abertura do processo.

Julgamentos nos tribunais superiores mudaram esse entendimento. A pena é extinta a qualquer tempo antes da prolação da sentença. Com isso, sonegar virou um bom negócio no Brasil para grandes contribuintes.Image

Leia o que disse o banqueiro ao sociólogo que é autor do clássico “A Elite do Atraso”:

"Nosso lucro é legal, ou seja, legalizado, já que somos intocáveis e ninguém se mete conosco. Boa parte dos juízes e ministros de tribunais superiores, como todo mundo no meio sabe, advogam por interposta pessoa, e nós somos os principais clientes de alguns e de quem paga melhor. São os bancos que pagam as eleições do Congresso quase inteiro. Aí você pode legalizar qualquer coisa, qualquer papel sujo que a gente mande ao Congresso os caras assinam. Nesse contexto, onde se pode tudo, as operações abertamente ilegais são uma parte menor dos lucros, mas obviamente existem.”

Mais do que o bolsonarismo, o Brasil precisa enfrentar e vencer a plutocracia, porque aquele é, de certa forma, filho desta.

 

 

 

 

 

 

24
Out21

A revista 'Veja' e o antijornalismo de ódio

Talis Andrade

caso-veja-nassif-livro

 

por Rede Brasil Atual

Para o jornalista Luis Nassif, editor do site Jornal GGN as rede de fake news e de discursos de ódio, que vieram à tona com Jair Bolsonaro, têm raiz na maneira como a mídia comercial passou a se comportara partir de 2005, em especial, a revista Veja. Para Nassif, a publicação semanal é o principal responsável pelo “antijornalismo” que implementou uma lógica de intimidação, assassinato de reputações e de assédio judicial que hoje estão no cerne do bolsonarismo. 

A crítica histórica é explorada no livro Caso Veja: o naufrágio do jornalismo brasileiro, recém lançado pela Kotter Editorial. O obra retrata parte o apogeu seguido da crise da imprensa no Brasil, como detalhou o autor em entrevista a Glauco Faria, no Jornal Brasil Atual. 

“Eu conto essa história, mostro qual era a lógica desses grupos de mídia. Ou seja, os grupos que eram incumbidos de levar a palavra do povo na discussão política, um fator essencial da democracia. Mas mostro que esses eram grupos que tratavam a notícia como um produto comercial, então queriam vender mais. Se o povo quer sangue, dá-lhe sangue. Eles usavam a notícia como ‘chantagem’ para conseguir anunciantes. Isso no Brasil e em outros lugares do mundo. Vou contando essa história e depois me concentro em casos mais absurdos da revista Veja, as fake news mais absurdas, mostrando como chegamos hoje a Bolsonaro e essas redes de ódio”, observa Nassif. 

A fórmula importada

A investigação que levou ao seu novo livro teve início quando o próprio jornalista se viu alvo da “máquina de moer reputações da Veja“, como classifica. Nassif, então colunista de Economia da Folha de S. Paulo ,foi um dos primeiros alvos de uma fórmula implementada por Rupert Murdoch no grupo da Fox News, nos Estados Unidos, importada ao Brasil por Roberto Civita, ex-diretor editorial do Grupo Abril e editor da revista Veja. Essa lógica era incrustada nos discursos do campo da direita, que usava de ofensas contra adversários para vencer uma “guerra cultural”. 

“A ideia deles era de que com esse poder, eles iriam se tornam protagonistas políticos, comandantes de partidos. E a partir desse controle impediriam a entrada de novos grupos”, aponta Nassif. 

Essa caminho, segundo ele, era uma forma que essas empresas encontraram de seguir relevantes em meio a uma mudança radical no padrão de mídia, com a entrada da internet e suas redes sociais. O auge do setor dos anos 90, já estava em declínio com o acúmulo de dívidas, a quebra de empresas e a desvalorização do câmbio.

E o caminho de reeditar o discurso do inimigo externo por meio da retórica da ultradireita era tida como a grande aposta do grupo Abril. O que também ganhou a conivência das demais famílias que controlam os principais veículos de comunicação do Brasil.Image
 
O modelo de antijornalismo

A partir daí, Nassif destaca na obra que houve uma ofensiva para afastar jornalistas não alinhados e mais independentes à linha editorial. “E esse estilo veio simultaneamente com ataques da Veja, através do Diogo Mainardi”, afirma. 
“Eu percebi que estava tendo mudanças tectônicas no jornalismo brasileiro. Saio da Folha tempos depois, levo seis meses para entender o que estava acontecendo e começo a série ‘O Caso de Veja‘. E a partir daí, gradativamente, a gente vai desvendando a loucura. Eles contratam o Reinaldo Azevedo para tentar me desmoralizar através de seus ataques. Tenho 500 páginas de ataques terríveis dele e do Mainardi que, ao invés de me derrubarem, me incentivaram a continuar. E eu continuei a série contando todos os principais podres da Veja. Quando cheguei na ligação da revista com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, eles pararam de me atacar e entraram com cinco ações judiciais”, descreve o jornalista. 

Além de jogadas comerciais e partidárias, Nassif também revela a Glauco Faria o modelo de reportagem da revista, baseado inicialmente em dados verdadeiros e relevantes, mas que não precisavam ter relações com o contexto da denúncia. O principal, garante ele, era dar à notícia um aspecto cinematográfico, a despeito da veracidade, imparcialidade e da ética. O que levou a reportagens escabrosas, como uma entrevista inventada com o músico Marcelo Nova, e sobre fantasiosas contribuições das Farcs e de Cuba ao PT, entre outras. “E foi assim que eles perderam a guerra jornalística. O caso Veja ajudou a mostrar que eles não eram de ferro”, conclui Nassif.
 
 
19
Abr21

Jornalismo criminoso e safado: Leda Nagle espalha fake news sobre tratamento precoce da Covid-19 e conspiração para matar Bolsonaro

Talis Andrade

Image

O deputado federal Ivan Valente classificou nesta segunda-feira (19) em suas redes sociais como "deplorável” a postura de Leda Nagle. A bolsonarista compartilhou fake news de um suposto delegado que revelou os planos de Lula para matar Bolsonaro.

Leda Maria Linhares Nagle (Juiz de Fora, 5 de janeiro de 1951) é uma atriz e apresentadora do programa diário Sem Censura, durante 20 anos na TV Brasil. É mãe do ator Duda Nagle.

Com tom conspiratório, ela revela a postagem, e faz seu alerta. 

Nagle foi duramente criticada pelos internautas por disparar fake news de forma irresponsável.

JornalismoWando
Lembrando que a Leda Nagle é uma das principais disseminadoras de fake news sobre o coronavírus
Alexandre Garcia, Leda Nagle, Gazeta do Povo e Pingos nos Is da Jovem Pan são alguns dos que mais espalham fake news sobre coronavírus no YouTube.
Professor Glauco Silva
Leda Nagle, Pedro Bial, Alexandre Garcia, Allan dos Santos, Diogo Mainardi, Lacombe, Rodrigo Constantino, Danilo Gentile são todos do mesmo lixo fascista que assolou esse país! Precisamos de Lula para o povo Brasileiro recuperar sua sanidade.
Ivan Valente
@IvanValente
Que papel deplorável da Leda Nagle, espalhando Fake News como quem não quer nada. Esse é o método, alimentar a base bolsonarista com teoria da conspiração para desviar o foco da responsabilidade do Bolsonaro pelo genocídio. Não cola. Não tem fake que apague os crimes do genocida.

GovernaDino
Fiquem ligados! O que a Leda Nagle e eles estão fazendo é tentar criar um QAnon tupiniquim...cheio de teorias conspiratórias esdrúxulas...
Marcio Vaccari | Humor Político – Rir pra não chorar
11
Fev21

O gatinho de Mainard

Talis Andrade

 

lambidas.gif

"Tascado uns 18 beijos

no doutor Deltan Dallagnol,

teria dado umas lambidas"

 

Em um programa de propaganda marrom, com cenas de completa sabujices, bajulações, zumbaias, concupiscencias, libertinagem e homossexualidade, Diogo Mainardi chegou a dizer ao procurador Deltan Dallagnol que gostaria de lhe ‘tascar uns 18 beijos’ e também ‘umas lambidas’. “A minha babação de ovo se justifica”, declarou numa edição do programa Manhattan Connection, exibido em 11 de outubro de 2015, quando Deltan foi convidado do programa.

O vídeo foi resgatado e publicado pelo deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) no Twitter, um dia depois de Mainardi ter tomado uma invertida de Fernando Haddad no mesmo programa, na noite desta quarta-feira (10). O petista, que ouviu de Mainardi, que ele era um “poste de ladrão”, em referência a Lula, disse que o jornalista tem ‘problemas psicológicos’ , e alertou que seu herói, Sergio Moro, será “desmascarado”. Idem os procuradores que chefiava na autointitulada liga da justiça da autointitulada república de Curitiba.

No programa de 2015, Mainardi disse, de Veneza, onde mora: “Se eu estivesse no lugar do Ricardo [Amorim], eu já teria tascado uns 18 beijos no doutor Deltan Dallagnol, teria dado umas lambidas. A minha babação de ovo se justifica porque é uma turma extraordinária, o Ministério Público, a PF, o juiz Sergio Moro”.

O deputado Alencar comentou: Mainardi "é o maior lambe-botas da #LavaJato, promoveu os bandidos @SF_Moro @deltanmd e ajudou a eleger Bolsonaro contra @Haddad_Fernando , #Haddad2022 "

Almirante Negro
Mainardo é aquele fugitivo da justiça brasileira, Manhattan conection é aquele programa sustentado pela tv estatal onde os participantes foram chutados da iniciativa privada após passarem 30 anos defendendo estado mínimo
Deputado Alencar
“Eu vou chegar em casa amanhã, vou almoçar com oito netos e uma bisneta de seis meses. Eu posso olhar na cara dos meus filhos e dizer que eu vim a Curitiba prestar depoimento a um juiz imparcial?”. Luiz Inácio Lula da Silva, 13 de setembro de 2017.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub