Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

27
Out18

CAIXA 2 "Bolsonaro se esconde atrás de uma sigla oportunista. Financiada pelos bandidos Batista, da JBS"

Talis Andrade

Eleição regida e dominada pelo medo

 

voto militar ditadura bolsonaro.jpg

 

 

por Helio Fernandes

___

Imposto pelo candidato favorito, sem programa, sem ideias ou convicções. Suas convicções (que deviam estar entre aspas) lembram o nazismo-fascismo-racismo, que ele faz questão de exaltar até exageradamente. É retrogrado tudo o que ele prega. Realmente assustador. Não pelo fato de lembrar as piores fases de ditaduras militares. Equivoco, ele nem chegou a ser militar.

 

E até o Alto Comando tem restrições (publicas) a ele. Se dermos uma volta pelo passado, chegaremos a 1945, e a primeira eleição direta. E constataremos um fato inédito, que jamais aconteceu. Nem antes nem depois. A eleição presidencial foi disputada por dois militares, um general (Dutra) e um brigadeiro (Eduardo Gomes), totalmente civilistas.

 

Dutra, apesar de 8 anos ministro da Guerra da Ditadura, era candidato do PSD, (o maior partido do país), e do PTB. Os dois fundados por Getulio Vargas. Foi administrativamente um fracasso completo. Mas rigorosamente democrático. Ele chamava a Constituição de "livrinho". E toda iniciativa dele, dos ministros, de deputados e senadores, tinha que se enquadrar no "livrinho".

 

Eduardo Gomes foi derrotado, liderou a oposição, novamente derrotado pela volta de Vargas, encerrada com a tragédia, do "deixo a vida para entrar na Historia". Em 45 e 50, os candidatos representavam os 3 maiores partidos nacionais. Bolsonaro se esconde atrás de uma sigla oportunista. Financiada pelos bandidos Batista, da JBS.

 

E por outros empresários que financiaram com muito dinheiro, as mensagens que inundaram a Internet. Crime visível e punível, não fosse a omissão, também culposa, do TSE. Tudo comandado dos EUA, pelo "gênio da Internet", que tramou e executou o apoio de Putin a Trump. Custou mais de 1 bilhão de dólares, mas elegeu Trump.

 

PS - Aqui teria custado "apenas" 300 milhões de reais mas também valeu a vitoria.

PS2 - Que era o que interessava, dinheiro não é problema.

PS3 - A partir de segunda feira, que segundo se fala nos bastidores, ficará lembrado como 29 de outubro.

 

ANTES DA ELEIÇÃO, A GRANDE BATALHA PELA PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

 

quinho bolsonaro moro.jpg

 

 

Logo que um dos filhos de Bolsonaro se reelegeu deputado, com grande votação, o pai imaginou colocá-lo como presidente da Câmara. (E o outro filho, presidente do senado, revelei tudo com exclusividade).

 

Encontrou muita dificuldade, até entre os lideres da campanha. Não recuou, achou que superaria os obstáculos. Mas o próprio filho se encarregou de fortalecer a oposição, agredindo, desprezando e insultando o STF. Grande repercussão negativa.

 

A oposição se articulava, considerava que se Bolsonaro conseguisse o imaginado, seria acumular muito poder nas mãos de um homem só. Isso fortaleceu a candidatura de Rodrigo Maia, que já trabalhava a própria eleição. Pretendia ficar mais 2 anos no cargo. Não com o mesmo poder de agora, mas ainda com muita força. Excelente coordenador, já começa com o apoio do "centrão". 207 votos, muito mais que os 52 do PSL.

 

PS - Falam que dos 243 deputados, que disputaram a eleição, 5 ou 6 estariam dispostos a presidir a Câmara.

PS2 - Também existe o rumor: Bolsonaro não ficaria com um presidente da Câmara hostil.

PS3 - Nesse caso, apoiaria Rodrigo Maia, com quem tem bom diálogo.

 

BOLSONARO NA CONTRAMÃO

simanca bolsonaro deus.jpg

 

 

Ontem fez duas afirmações, nada a ver com ele.

 

1- "O Brasil precisa de dialogo e pacificação".

 

2- "Precisamos de segurança e confiança"

 

Só faltou garantir: "Eu sou a esperança"

 

HADDAD TENTA OS ÚLTIMOS APOIOS

democracia contra nazismo haddad.jpg

 

È muito tarde e são votos indefinidos. Conversou com FHC, que fingiu, como sempre: Alem do mais, não tem o que transferir. Seu potencial é inexistente, apenas tergiversa, que palavra.

 

Continua acreditando em Joaquim Barbosa, já mostrei a inutilidade.

 

Recebeu um apoio política e moralmente solido de Alberto Goldman, mas eleitoralmente, apenas sofrível. Ele foi governador de SP. No passado fiz criticas a ele, não por ser comunista, e sim estalinista.

 

Inacreditável, a posição de Ciro Gomes. Entre os candidatos foi o maior critico do capitão. Tem potencial para transferência de votos. No dia seguinte viajou para o exterior. Ha dias anunciou a volta, não voltou.

 

29
Jun18

A política “corrompida, carcomida e podre” de Datena

Talis Andrade

O apresentador candidato ao Senado, que quer se apresentar como “não político”, ganhou fama por seus programas sobre violência, apresentada com a morbidez do sangue e da crueza

datena temer.jpg

datena embevecido por temer.jpg

doria datena maia.jpg

 

 

 


por Juan Arias

El País/ Es

===

O apresentador José Luiz Datena, que anunciou sua candidatura ao Senado em São Paulo, o Estado mais importante do país, com uma população maior do que muitos países europeus, foi apresentado como o primeiro “não político” lançado na arena das eleições e já são feitas profecias sobre o enorme sucesso de sua candidatura.

 

Em sua primeira aparição pública como concorrente ao Senado alardeou seu desprezo pela chamada velha política que chamou de “corrompida, carcomida e podre”. Fiel a sua linguagem nada formal, defendeu que os que não estão de acordo com ele “se explodam”.

 

Datena, que quer se apresentar como “não político” ou “político novo”, se preferir, ganhou fama nos últimos anos de sua carreira na televisão por seus programas de cunho policial e populismo da violência apresentada com a morbidez do sangue e da crueza. Se alguns pré-candidatos à Presidência são acusados de ter peregrinado por até oito partidos, como Bolsonaro e Ciro Gomes, o novo político Datena também não pode apresentar credenciais de fidelidade profissional e política. Peregrinou como afiliado a partidos tão diferentes como o PT e o PP e agora é candidato pelo DEM. E viveu essa mesma peregrinação com as emissoras de televisão em que trabalhou, das locais às nacionais, Globo, Rede TV, Record e Bandeirantes. E nem sempre pacificamente.

 

O apresentador candidato ao Senado lembra por suas declarações aos que nessa mesma coluna chamamos de “magos de receitas simples para problemas complexos”, que é tudo o que o Brasil não precisa nesse momento de tensão social. Os problemas que assolam esse país, sua política, sua Justiça e suas instituições em geral, são complexos e com raízes em velhas práticas coloniais que acabaram criando um país de casta com graves feridas de desigualdade social.

 

Em um ímpeto de sinceridade populista, o guru televisivo iniciou sua carreira de político novo com essa confissão, publicada pela Folha de S. Paulo: “Não queria estar aqui, estou aqui a contragosto para caramba, mas estou aqui por um compromisso sagrado com o povo do Brasil”, e acrescentou: “Vocês podem ter um político de péssima qualidade, uma porcaria, mas terão um cara que vai ser uma coisa só: honesto com vocês”.

 

É inegável que o Brasil precisa de políticos honrados, pelo grau de corrupção que tantos deles demonstram, praticamente de todos os partidos. Acreditar, entretanto, que um “político de péssima qualidade, uma porcaria”, como Datena se define, pode governar um país império como o Brasil, com mais de duzentos milhões de habitantes, somente não aparecendo na lista dos corruptos, soa a demagogia.

 

Que a velha política brasileira, como em parte a mundial, precisa de sangue novo é indiscutível. O mundo de hoje decorre acelerado e tudo envelhece à grande velocidade. Está órfão de grandes estadistas capazes de captar ao mesmo tempo as ondas de desencanto e as ânsias de novidade que fermentam na sociedade. Capazes de interpretar os sonhos não fáceis das novas gerações que assassinaram o pai e lutam por uma nova identidade. Para isso não servem santos e demônios, heróis e redentores. A política é uma arte e uma ciência ao mesmo tempo, que exige de quem a exerce a capacidade de interpretar o melhor e mais complexo da nova sociedade e fidelidade a sua etimologia de entrega à “polis”, às pessoas. De serviço às necessidades da comunidade e não de trunfo para inconfessáveis sonhos de poder.

01
Out17

Capitania Hereditária do Rio de Janeiro

Talis Andrade

kings__vladimir_khakhanov..jpeg

                                               Ilustração Vladimir Khakhanov

 

 

 

Rodrigo, o Maia, promete cortar as aposentadorias do pobre povo pobre brasileiro. Coisa que Temer já faz pagando o mínimo do mínimo. 

 

Rodrigo devia cortar a aposentadoria do pai o ex-governador César Maia, podre de rico e pobre de nascença.


Devia cortar a aposentadoria do sogro ex-governador Moreira Franco, podre de rico e pobre de nascença.

 

king___alfredo_martirena..jpeg

 A coroa passa de pai para o filho. Um direito de sangue no violento e sangrento Rio de Janeiro. Ilustração de Alfredo Martirena

 


Dos dois, Maia herdou os votos para se eleger legislador, e preside hoje a Câmara dos Deputados. É o atual vice de Temer, e ambiciona a presidência do Brasil sem nenhum merecimento.

 

Dos dois, Maia vai herdar ricas botijas de ouro e prata de origens desconhecidas. Vai herdar como filho e genro. Também a sogra de Maia herdou uma grande fortuna de origem que só o diabo sabe.

 

kings_way__oleg_dergachov.jpeg

                                                           Ilustração de Oleg Dergachov 



Outro vivaldino o filho do ex-governador Sérgio Cabral, tão ladrão quanto Eduardo Cunha.


Outra herdeira, a filha do ex-governador Garotinho.

 

king__ricardo_bermdez..jpeg

 Essa mania do carioca vem dos tempos que no Rio de Janeiro reinava a rainha Maria I, "a piedosa", "a louca", sucedida pela ninfomaníaca Dona Carlota Joaquina, esposa do rei D. João VI. Carlota para arranjar um reino para governar com o amante, libertou o Uruguai, história que a vergonha esconde. Mas o carioca nem aí. Passou a nomear os bicheiros rei. E teve encantados reis encobertos chefes de milícias. Ou aventureiros como Eike Batista. Ilustração de Ricardo Bermdez


O Rio de Janeiro uma monarquia que, pela violência das milícias, lembra o mais atrasado país da África, tanto que governado hoje por dois bandidos: Pezão e Dornelles. 

 

Tanto faz ser governado por um Pezão ou pela botina de um ditador.

 

_king__yaser_abo_hamed..jpeg

                                                                Ilustração Yaser Abo Hamed

 

O Rio um estado de analfabetos políticos. Elege o militar Bolsonaro e filhos. Esse nepotismo eleitoral chegou ao extremo do golpista Bolsonaro eleger a primeira ou segunda esposa. Trocou por outra e, como vingança, tirou o mandato eletivo da mulher abandonada por ele.

Garotinho elegeu a esposa Rosinha governadora.


Edir Macedo elegeu o sobrinho Marcelo Crivella, também bispo, senador e prefeito do Rio, para fazer escada para ser presidente do Brasil.

 

Templo-de-Salomão-da-Igreja-Universal.jpeg

like_a_king___rafat_alkhateeb.jpeg

Edir Macedo pretende trocar seu salomânico palácio templo da Igreja Universal, de onde entra e sai de helicóptero, pelo palácio do Planalto ou Jaburu, por onde o pequeno ditador Michel Temer penetra pela garagem. Ilustração de Rafat Alkhateeb  

 

O caixão do defunto Tancredo elegeu o sobrinho Francisco Neves Dornelles para fazer dobradinha zumbi com Pezão. Temos um morto-carregando-o-vivo. Ou o vivo-carregando-o-morto.

 

Para a nobreza do Rio, nos palácios das cortes da Justiça com suas varas para o povo, no luxuoso e majestoso Clube Militar, tanto faz.

 

tour-palácio-guanabara.jpg

Salão nobre do Palácio da Guanabara

 

clube-militar-salao-nobre..jpg

Salão nobre do Clube Militar que o general Mourão ambiciona presidir e arquitetar uma intervenção militar para entregar a Amazônia 

 

O que importa para os cotersãos: que os muros do prefeito Eduardo Paes separem  as mil e cem favelas, colocando o negro no seu lugar, amarrado no Mourão. E que tudo continue como dantes no quartel de Abrantes.

king.jpg

O rei vai nu..jpg

rei nu 2 .png

 

 Nestes pudorosos patrióticos tempos da cura gay dos pastores evangélicos, da volta da fanática TFP católica, do falso puritanismo do MBL do pornô Alexandre Frota, preferível um rei nu que um fardado. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub