Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

21
Jul22

Presidente da Funai Marcelo Xavier acusado de genocídio em congresso de povos indígenas da América Latina e Caribe em Madri

Talis Andrade

Presidente da Funai genocida

 
 
 
Natália Bonavides 
O presidente bolsonarista da FUNAI, Marcelo Xavier, foi expulso aos gritos em evento da ONU, na cidade de Madri, na Espanha!

247 - O delegado da Polícia Federal Marcelo Xavier, presidente da Funai, foi expulso nesta quinta-feira (21) do III Encontro de Altas Autoridades da Ibero-América com Povos Indígenas, que acontece em Madri, após ato de protesto de Ricardo Rao, ex-funcionário da Funai, que o acusou de ser o responsável pelo genocídio dos povos indígenas e do indigenista Bruno Pereira. 

Logo após a denúncia do ativista, Xavier se retirou da sala e uma mulher gritou “fora Bolsonaro”. 

Xavier é acusado por ativistas de seguir a cartilha de Jair Bolsonaro e promover um desmonte e aparelhamento no órgão, acobertando garimpeiros e deixando vulneráveis povos originários e o meio-ambiente. 

Yahoo! - O momento foi gravado e, nas imagens, é possível ver Ricardo Rao, ex-funcionário da Funai, denunciando a presença de Marcelo Xavier. Rao afirmava que o presidente da instituição não tinha porque estar ali. Em seguida, Xavier deixa o local do evento.

“Ele não é digno de estar com vocês e o Itamaraty é uma vergonha”, disse Ricardo Rao sobre Xavier e sobre o Ministério de Relações Exteriores do Brasil.

“Marcelo Xavier é um miliciano. Esse homem é responsável pela morte de Bruno Pereira e Dom Phillips”, afirmou o ex-funcionário da Funai, em referência aos assassinatos do indigenista e do jornalista, em 5 de junho, no Vale do Javari.

O evento do qual Marcelo Xavier participava era o Filac, o Fundo de Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e o Caribe. Na gravação, não fica claro se Xavier volta para sala após o ocorrido.

Segundo o portal Uol, Ricardo Rao entrou na Funai em 2010, no mesmo período que Bruno Pereira, e deixou o Brasil após sofrer uma série de ameaças.

“A milícia controla hoje a Funai. Sempre recebemos ameaças. O Bruno recebeu, eu recebi, e até minha mãe recebeu. Agora, a diferença é que as ameaças se cumprem. Quem faz a ameaça acha que pode matar. Afinal, o Bolsonaro falou, não é?” declarou Rao ao Uol.Hoje tem atos contra o genocídio indígena por todo o Brasil - O Cafezinho

George Marques 
@GeorgMarques
Fora do Brasil eles não enganam ninguém. Em Madri, o presidente da Funai, Marcelo Xavier, foi expulso aos gritos de Fora milicianoPovos indígenas denunciam Bolsonaro por genocídio no Tribunal de Haia

 

O presidente da Funai, Marcelo Xavier mantem a incoerência típica de ministérios e órgãos do atual governo federal. Sua atuação, alinhadíssima ao discurso de Bolsonaro, não só nega o direito às demarcações, como também, persegue indígenas. A Folha de SP teve acesso a três solicitações feitas por ele à Polícia Federal e uma direcionada à Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Em 2020 ele apresentou uma notícia-crime contra a liderança indígena Almir Suruí. Xavier o acusava de estelionato e difamação, porque Almir fez uma campanha com objetivo de arrecadar contribuições para distribuir mantimentos às famílias dos Paiter Suruí, na pandemia.

Xavier considerou que Almir estava manipulando informações e que a sua campanha, na sua opinião, poderia prejudicar a imagem da Funai. Mas a Justiça Federal não viu provas e nem indícios de qualquer tipo de crime. Não satisfeito, solicitou à Abin o monitoramento do povo Paiter Suruí, por achar que foram divulgados dados inverídicos em relação ao enfrentamento da pandemia.

O presidente da Funai também apresentou uma notícia-crime à PF contra a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), em 2020. Ele ficou incomodado com a série de vídeos “Agora é a vez do maracá” e acusou os indígenas de calúnia e estelionato por que a produção estaria culpando o governo Bolsonaro por genocídio. A liderança indígena, Sonia Guajajara chegou a ser convocada para prestar depoimento. A Justiça Federal encerrou o inquérito.

A Folha indica que ele também já solicitou a abertura de um inquérito da PF contra o procurador Ciro de Lopes e Barbuda, por ele ter elaborado um parecer jurídico a favor dos indígenas. O procurador vinculado à Advocacia-Geral da União atua na Funai.

Tendo conhecimento da iniciativa o Ministério Público Federal reagiu, apontando crime de constrangimento ilegal e então, pediu à Justiça Federal o arquivamento do caso.

Segundo a reportagem, a Funai foi contatada para comentar as solicitações de Xavier contra indígenas e o defensor, mas não houve resposta.

Desde o início de sua gestão, lideranças indígenas relatam dificuldade de interlocução com Xavier. O assassinato do indigenista Bruno Pereira – crítico da administração e do jornalista Dom Phillips trouxeram ainda mais foco para a incompetência de Xavier. Servidores da Funai anunciaram que entrarão em greve. Uma das reivindicações é que Xavier deixe o cargo. Há três anos com presidente da Funai – antes, atuava como delegado da Polícia Federal – costuma receber elogios das bancadas ruralista e da bala por postura e discurso a favor da exploração de minérios em terras indígenas, por exemplo. Leia mais

Para as entidades é preciso dar uma resposta contundente – e urgente – aos ataques que mostram a tática a ser usada no período eleitoral deste ano pelo presidente e seus apoiadores.
E o Aras, ein?
Image
Central Eleitoral
@CentralEleicoes
Gilmar Mendes sobre urnas eletrônicas: "Até numa conversa com ele [Bolsonaro], brinquei, dizendo que tinha vontade de acreditar na fraude das urnas, porque, quando via nomes como Hélio Negão, Bia Kicis, ou coisas assim, pensava, poxa. Mas sei que eles foram eleitos".
 A bolsonarista Bia Kicis recebe, no Congresso Nacional, a líder nazista Beatrix von Storch, neta de ex-ministro de Hitler
A grande família Bolsonaro: candidato ganha "parentes" nas eleições
Fica a pergunta: Hélio Negão vai usar o sobrenome Bolsonaro nas eleições deste ano? Tudo indica que não... 
20
Nov21

Lula: fascismo no Brasil teve apoio de boa parte da elite brasileira, que hoje está arrependida

Talis Andrade
Lula no evento "Construir Futuro" em Madri
Lula no evento “Construir Futuro” em Madri

Em ato “Construir o futuro” em Madri (Espanha), o ex-presidente Lula (PT) abordou vários temas, como a eleição de Jair Bolsonaro, a perseguição política contra ele pela Lava Jato e a luta contra a desigualdade

 

247 - Em ato “Construir o futuro” em Madri (Espanha), neste sábado, 20, o ex-presidente Lula (PT) lembrou que o fascismo no Brasil, personalizado na figura de Jair Bolsonaro, teve apoio de boa parte da elite brasileira, que hoje está arrependida.

Lula lembrou que, mesmo ele estando na cadeia, censurado, e com a campanha de fake news de Jair Bolsonaro, Fernando Haddad (PT) foi bem nas eleições de 2018. “Bolsonaro adotou a política do [ex-presidente dos Estados Unidos] Donald Trump, de contar muitas mentiras por dia”, destacou o petista, que na Europa defendeu a regulação das redes sociais.

Lula se reúne com o primeiro-ministro da Espanha no Palácio de Moncloa |  Poder360

Perseguição política: imprensa, Lava Jato e EUA

O ex-presidente Lula ainda lembrou da perseguição política que ele sofreu, no processo que o prendeu injustamente por 580 dias. Segundo ele, houve uma “combinação” no processo jurídico contra ele. “Tinha o departamento de Justiça dos Estados Unidos, a imprensa brasileira, o Ministério Público e o juiz Moro”. 

“Tinham clareza que era necessário desestruturar as pessoas psicologicamente [...] Era preciso tentar construir a ideia de uma quadrilha de corrupção para tentar me desmoralizar”, disse o petista, que denunciou a perseguição da imprensa, do Jornal Nacional (Globo), das revistas e dos jornais.

“É muito difícil que possamos acreditar que, no século XXI, um juiz atue com base na opinião pública” e não de acordo com o devido processo legal, destacou. Ele ainda lembrou do caso do Mensalão, em que o Supremo Tribunal Federal (STF) “inventou uma lei, dos domínios dos fatos. Não precisa ter prova”.

“Fui condenado por ‘fato indeterminado’. Moro não sabia o crime que eu teria cometido. Era visível que queriam me tirar do processo eleitoral”, disse Lula, ressaltando ainda a rapidez do seu julgamento.

 

‘Mantive a dignidade e o povo me libertou’

Lula lembrou que, enquanto estava sendo perseguido, “poderia ter saído do Brasil, mas eu, depois de tanta briga e luta no Brasil para conquistar a democracia, não queria aparecer como fugitivo. Tomei a decisão de ir para a PF e tinha certeza que eu ia conseguir mudar o jogo”.

Segundo ele, depois da pressão da sociedade, no Brasil e no exterior, “começaram a cogitar em me libertar”. Lembrou que tentaram enviá-lo para prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica, mas ele negou pois não estava totalmente absolvido. “Não troco dignidade pela liberdade”, declarou.

Lula disse que o que lhe deu força foi o povo, principalmente a vigília de Curitiba, que ficou com ele durante os 580 dias em que ele esteve preso. De acordo com ele, essa gente toda, do Brasil inteiro e do exterior, indo visitá-lo “gerou movimentação política incômoda”.

 

Programa pelos direitos elementares do ser humano

O petista destacou que a esquerda precisa ter um programa com “os direitos elementares do ser humano”. “A questão da desigualdade tem que ser lastreada pela esquerda e pelos sindicatos”, destacou. “Temos a obrigação moral de estender a nossa mão” para que o faminto possa comer, continuou. 

“Como é possível o Brasil ser o maior exportador de carne animal do mundo, ter pessoas comendo osso?”, indagou o ex-presidente, que lembrou que o PT tirou o Brasil do Mapa da Fome da ONU, mas “a fome voltou e muito pesada” após o golpe de Estado de 2016. “A luta pela igualdade tem que ser uma luta nossa da esquerda”, disse. 

Lula ainda deu prioridade para a questão ambiental, em todos os âmbitos, além da Amazônia. Lembrou que a Amazônia é “território brasilerio, e o Brasil é soberano”, mas defendeu integração com o mundo, com compartilhamento de tecnologia, pesquisas, etc. Também destacou a importância do mundo digital atualmente.

Ele voltou a criticar a Lava Jato, que “teve muito a ver com a destruição da nossa indústria de óleo e gás e de engenharia”, lembrando que, quando o Brasil descobriu o petróleo, a elite brasileira dizia que o país nunca iria conseguir explorar a matéria prima, mas hoje os brasileiros têm tecnologia para isso.

“Quero ser candidato, pois estou convencido que podemos recuperar o Brasil”, destacou. “Se for para voltar e fazer menos, melhor não voltar”, disse o ex-presidente dizendo que quer fazer mais do que já fez.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub