Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

28
Nov22

Anúncios pagos no Facebook e Instagram chamam para atos golpistas e mentem sobre eleições

Talis Andrade

ImageImageImageImageImage


Publicações seguem no ar apesar de irem contra políticas de moderação da Meta e foram vistas mais de 414 mil vezes


por Laura Scofield /Agência Pública


* Vídeo com mentiras sobre fraude nas urnas foi visto mais de 125 mil vezes
* Facebook só removeu 4 dos 66 conteúdos considerados golpistas


“Nós não vamos deixar um ladrão assumir nossa nação, e as Forças Armadas têm a obrigação de nos defender. Nós não estamos pedindo pra eles, nós estamos exigindo deles que nos dêem amparo”, escreveu Sergio Bolsi na página Desperta Brasil Sergio Bolsi. O post foi veiculado por uma semana, entre 15 e 22 de novembro, no Facebook, Instagram e Messenger e foi visto entre 40 mil e 45 mil vezes. Impulsionado, custou menos de R$ 100 para o anunciante. 

Assim como ele, a Agência Pública identificou ao menos outros 65 anúncios publicados no Facebook e Instagram por apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) que não aceitam a derrota do líder nas urnas. Os textos divulgam protestos antidemocráticos e defendem um golpe para impedir a posse do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e já foram vistos no mínimo 414 mil vezes desde o início de novembro. Anúncios com teor golpista e que propagam desinformação sobre as eleições não são permitidos pelas políticas da Meta. Ainda assim, apenas 4 das publicações analisadas foram removidas pela plataforma até a publicação desta reportagem.

Os anúncios também foram usados para propagar a narrativa falsa de que as eleições foram fraudadas, como no conteúdo postado pela página Robô Reacionário. Em um vídeo de 4 minutos, a página diz apresentar 10 fatos sobre as eleições, mas se detém em disseminar dúvidas sobre a segurança do sistema eleitoral e apresentar uma série de argumentos já desmentidos por agências de checagem e pelo próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

O vídeo afirma, por exemplo, que o TSE retirou seu site do ar após receber denúncias de fraude, o que é mentira. Ao final do vídeo, os autores pedem que as pessoas que duvidam do resultado eleitoral se manifestem: “o futuro de sua família e do Brasil dependem disso”. O conteúdo gerou de 100 mil a 125 mil impressões e custou entre R$200 a R$299. 

Ao menos outros 3 dos 20 anúncios veiculados pela Robô Reacionário em novembro chamaram as urnas de “inauditáveis” e atribuíram a eleição de Lula a uma suposta fraude. A página já gastou mais de R$ 1,7 mil com anúncios entre agosto e 20 de novembro, dos quais R$ 666 foram investidos a partir do dia 14 de novembro, véspera do feriado da Proclamação da República e de uma série de atos antidemocráticos que pedem a manutenção de Bolsonaro no poder na frente dos quarteis. 

A segunda semana de novembro respondeu pelo maior número de publicações impulsionadas. Entre os anúncios que buscavam chamar mais gente para os atos de 15 de novembro, um deles divulgava um ônibus gratuito entre a capital paulista e Brasília (DF): “olá amigos patriotas de #saopaulo vamos marchar rumo a #brasilia defender nosso país”. A passagem gratuita era só de ida, sem data de retorno. O conteúdo foi postado pela página Nahand, que diz ser de uma loja online, mas não tem seguidores, curtidas e nem apresenta produtos a serem vendidos. Os únicos dois posts feitos pela página são sobre política e pró-Bolsonaro.

“SE QUALQUER AGENTE DE GUARDA MUNICIPAL, POLICIAIS ESTADUAIS OU FEDERAIS, TENTAREM RETIRAR AS PESSOAS DE FRENTE DOS QUARTÉIS, PROCUREM O OFICIAL DE DIA NO QUARTEL IMEDIATAMENTE! OS 3 COMANDANTES DAS FORÇAS JÁ EMITIRAM NOTA PERMITINDO AS MANIFESTAÇÕES”, orientou outra mensagem, em caixa alta no original. O anúncio foi veiculado no Instagram entre 13 e 14 de novembro e foi visto entre mil e 2 mil vezes. 

Ao menos outros 4 conteúdos impulsionados citaram uma nota emitida pelos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica como prova de que os manifestantes teriam o apoio das Forças Armadas na empreitada golpista. A nota defendeu a existência das manifestações, mas, como mostra reportagem da Pública, a Alta Cúpula do Exército não pretende colocar tanques na rua.

golpe 1 .png

 

Diversas publicações pediram ainda que as pessoas compartilhassem as postagens sobre as manifestações —  um dos anúncios chegou a defender que mais gente pagasse por alcance na Meta, ou seja, anunciasse na plataforma.

“PARTICIPE E AJUDE OS ACAMPAMENTOS NOS QUARTÉIS, OS CAMINHONEIROS, E FECHEM AS EMPRESAS, CASO CONTRÁRIO, O PREJUÍZO SERÁ MUITO MAIOR, POR 4 ANOS NO MÍNIMO! COMPARTILHE, ANUNCIE, É BARATO”, dizia o conteúdo, também escrito em caixa alta. O anúncio foi publicado pela página 15 Dias de Saúde, que diz vender suplementos com desconto. Como o conteúdo não foi classificado pelo Facebook como de “temas sociais, eleições ou política”, única categoria que permite transparência com acesso aos dados de impressões e valor gasto, não há como saber quantas pessoas viram a publicação nem quem pagou por ela. 

A maior parte dos anunciantes pagou menos de R$ 100 para levar seu conteúdo a mais gente, mas alguns anunciantes chegaram a desembolsar entre R$ 200 e R$ 300. 

Em retorno à reportagem, a Meta afirmou em nota que “diante da escala de nossos serviços, proibir determinados conteúdos não significa incidência zero” e ressaltoou que, do início da campanha eleitoral até o 1º turno, rejeitou “cerca de 135 mil conteúdos impulsionados direcionados ao Brasil de anunciantes que não haviam concluído o processo de autorização ou de posts que não continham o rótulo ‘Pago por’ ou ‘Propaganda Eleitoral’”.

“Proibimos anúncios questionando a legitimidade da eleição brasileira e removemos publicações com pedidos de intervenção militar no país”, acrescentou a empresa. A Meta também afirmou que se preparou “extensivamente para as eleições brasileiras de 2022” e está comprometida em “seguir aprimorando a aplicação” de suas políticas.

 

Políticos, lideranças religiosas e empresários do agronegócio

 

“O agro é nosso! O agro é nosso! O agro é nosso!”, gritavam as pessoas em um dos seis vídeos impulsionados por Raijan Mascarello, que se define como um agricultor mato grossense em sua descrição no Instagram. “Não podemos deixar essa quadrilha comunista voltar a roubar nosso Brasil! Vamos lutar até o fim, mas com certeza sairemos vencedores!!!” escreveu ao compartilhar o conteúdo. Ele gastou entre R$200 e R$299 e seu conteúdo foi visto entre 50 mil e 60 mil vezes durante quatro dias de novembro (16, 17, 18 e 19).

O agricultor também veiculou um anúncio com um vídeo de um suposto bloqueio de rodovia na cidade de Sapezal (MT). “Em SAPEZAL-MT tudo parado! O povo de Sapezal está de parabéns pela resiliência que está tendo!!!! Por isso que gosto dessa cidade! Tem alguns Petistas que não valem o que comem, mas a grande maioria são pessoas fantásticas!!”, escreveu. Também não foi possível identificar o alcance do conteúdo impulsionado.

Além dele, uma página em nome de Lucas Vincensi, que tem apenas 1 seguidor, impulsionou no Instagram fotos de um homem segurando uma bandeira do Brasil em uma lavoura e escreveu “quando você não respeita a bandeira do seu país, o que esperar desta nação. S.O.S FFAA” (sic). O termo “SOS FFAA” (que significa socorro Forças Armadas) tem sido um dos motes dos movimentos golpistas e aparece nos anúncios, junto a outros, como “intervenção federal”, que foi citado 11 vezes. Também não foram disponibilizados dados sobre o alcance do conteúdo publicado por Vincensi. 

golpe 2.png

 

Edmar Park também se descreve como agropecuarista e pagou entre R$300 a R$399 para a Meta a fim de impulsionar vídeos que mostram os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) sendo hostilizados em evento em Nova York. O vídeo foi visto entre 125 mil e 150 mil vezes. A reportagem identificou ao menos outros 5 vídeos impulsionados que mostraram pessoas xingando os ministros em sua passagem pelos Estados Unidos.

Outro conteúdo impulsionados mostra um homem que se identifica como padre dizendo que os ministros do TSE “não vão abrir os computadores para que as Forças Armadas possam ver se tem corrupção”, o que fará com que as eleições sejam anuladas. O anúncio também não foi rotulado como de temas políticos e não é possível acessar dados sobre sua dispersão. Foi publicado pela página Bolsonsristas Patriotas, que não está mais disponível.

Entre os políticos, o nome de maior destaque é o do Tenente Coronel Zucco (Republicanos), deputado federal eleito em 2022 pelo Rio Grande do Sul. Ele fez ao menos três anúncios nos quais defende as manifestações e diz que as Forças Armadas “permanecerão, como sempre fizeram, ao lado do povo brasileiro”. De acordo com o Divulgacand, plataforma de prestação de contas do TSE, Zucco gastou R$167.505,00 com impulsionamento de conteúdo durante a campanha, dos quais R$163.505,00 foram pagos ao Facebook. 

“A mídia tradicional [está] buscando ali influenciar a grande massa contra esses manifestantes, mas o mais interessante: eles estão tentando ignorar o que aconteceu hoje no Brasil, que foi um momento histórico. Milhões de pessoas foram para a frente dos quartéis pedindo intervenção federal”, disse Eder Borges (Progressistas), vereador de Curitiba (PR) e ex-candidato a deputado federal pelo Paraná. “A única coisa certa nesse momento é que esse é o prelúdio de um Brasil em chamas”, finalizou no anúncio.

Borges gastou R$34.000,00 em sua campanha em despesas com impulsionamento de conteúdo no Facebook, mas obteve apenas 9.290 votos nas últimas eleições.

 

Anúncios golpistas ferem políticas da Meta

 

Coordenadora de informação e política no Internet Lab, Ester Borges diz que a Meta legitima o discurso golpista ao aprovar posts pagos com esses conteúdos. “Os anúncios usam todas as ferramentas daquela plataforma para alcançar um número cada vez maior de pessoas, então, de alguma forma, a Meta está legitimando esse discurso ao aprovar um anúncio como esse”, afirma. 

Para João Guilherme Bastos, pesquisador de internet e política do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD), esse tipo de anúncio é mais problemático do que um post comum, porque chega em mais pessoas. 

“Eles não simplesmente falam ‘ah, não gostei do resultado da eleição’, eles dizem que existem provas que as urnas foram fraudadas, eles dizem que teve interferência externa. Essa difusão de informações falsas impulsionada pelas ferramentas da plataforma é algo totalmente incompatível com o que em tese seria permitido”, diz. 

golpe 3.png

1 dos 4 anúncios removidos pela moderação da Meta pedia “intervenção federal”. Foi visto entre 4 mil e 5 mil vezes antes de ser retirado de circulação

 

O pesquisador aponta ainda que os anúncios nas redes são feitos de modo a atingir justamente as pessoas mais propensas a acreditar naqueles conteúdos. “Mesmo um grupo sendo minoritário, a partir do momento que você consegue atingir ele de modo direcionado e rápido, se você focar nos grupos certos você consegue perturbar um processo eleitoral”, explica. “Não é aceitável que a gente deixe isso passar”. 

A reportagem perguntou à Meta quantas pessoas que falam português estão dedicadas à moderação dos anúncios e quantas horas diárias elas dedicam à função, mas a plataforma não respondeu. Um porta-voz da empresa acrescentou que esses números não refletem a complexidade do trabalho da equipe de moderação, que monitora 2 milhões de publicações por dia mundialmente.

 

 

 

03
Nov22

O neolumpesinato 4.0 e as urnas “fraldadas”

Talis Andrade

Image

Bolsonaristas cantam o hino nacional para pneu durante bloqueio de rodovia

 

Por Lenio Luiz Streck

“E disse o pastor (depois de pedir o pix), invocando a palavra sagrada: “as urnas foram ‘fraldadas'”.

Cena inesquecível: tarde de terça-feira, dois dias após a eleição, 16 horas. A estética da loucura e/ou de uma ópera bufa mostra o buraco em que o país se meteu. Aconteceu em Porto Alegre. Um grupo de cerca de 100 vivandeiras estavam à frente do quartel da cidade bulindo com os granadeiros pedindo intervenção militar. O espetáculo do absurdo já poderia estar só nisso. Fim da coluna.

Mas piora.

Eis que, de repente, um deles pede silêncio às vivandeiras agitadas. Ele carregava uma notícia bomba que acabara de receber na neocaverna: “Alexandre de Moraes havia sido preso”. Choro, gritos, gente agradecendo aos céus, outros se abraçavam… Histeria. Catarse. Minutos depois, a realidade. A choldra fora vitimada pelo próprio veneno: fake da fake. Mentira da mentira. Já nem eles distinguem fake de fake de fake de fake. Meta-fake-news. As sombras da neocaverna já eram sombras das sombras. E a malta comemorando. Pão e circo. Sem nem ter pão ou picadeiro. Agora, palhaço… ah, tem.

Se esse tipo de episódio, aliado a Bob Jeff, Zambelli, fechamento de estrada por vivandeiras bulideiras e embandeirados sediciosos não servir para acender a luz amarela da falta de lucidez, nada mais conseguirá. O buraco parece que é sempre mais fundo. Sempre há mais espaço para a insanidade.

O que aconteceu? Onde foi que se deu o gatilho dessa explosão de insensatez?

Tentarei explicar.

O Brasil foi tomado por uma nova categoria: o neolumpesinato 4.0, produto da insensatez das redes sociais, como o exemplo de Porto Alegre demonstra muito bem.

O que é lumpesinato? Bom, lúmpen é… lúmpen. Bom, muito já se escreveu sobre esse conceito. Não tem projeto coletivo. Não forma grupos, a não ser de whatsapp. Individualismo ao máximo, empatia zero. Enfim, lúmpen não é classe social. É algo tipo… complemente. Você conhece vários lumpens na sua própria família.

Lumpesinato já é o paradoxo em si, porque é um rebanho que não é nem capaz de ser grupo (a não ser whatsapp!!!). Descrentes que precisam de um salvador, céticos que duvidam de tudo menos de fake news de Whatsapp.

Negacionistas que negam tudo, menos as mentiras nas quais estão inseridos.

As redes sociais deram vazão a esse neolumpesinato 4.0. Neolumpesinato líquido. Apostam no estado de natureza, da guerra de todos contra todos. Gostam do poder autoritário. Estão sempre à procura do messias. Misturam religião e política. Eternas vivandeiras alvoroçadas que vêm aos bivaques bulir com os granadeiros e pedir extravagâncias ao poder militar, como já dissera Castelo Branco, o general.

Os lúmpens simplificam tudo, porque nada leem. Orgulham-se do negacionismo. E da burrice. Alimentam-se de drops. Xingam todo mundo. Fazem memes. Vivem disso. Só vivem disso. Um deputado se elegeu espalhando a notícia de que, ganhando Lula, os brasileiros comeriam seus próprios cães. E o que dizer de radialistas alvoraçados, bulindo e bivaquiando, falando “agora o comunismo será instalado” (bom, pelo que ouvi até poucos dias, achei que já estávamos no comunismo, uma vez que, para esses néscios de todas as espécies e querências, o STF era uma fração do partido comunista chinês). Cada coisa…

Mas, é claro: tudo em nome de Deus e da família. E da pátria, evidentemente. Fico pensando, como cristão: se Deus apoia esse tipo de coisa, esse Deus precisa ir para um divã. Ou está nos castigando. Testando.

E já invadiram o direito. Tomaram boa parte do direito. Vi vídeo de advogado meia-boca pregando AI-5. Outro falava de socialismo na California (EUA). É de rir. Ou de chorar. (Ch)oremos. Para termos uma ideia, vejam esse vídeo. Trata de habeas preventivo no TSE (sic) contra, acho, decisão do STF. Tudo com base no art. 120 da Constituição. Deve ser a nova Constituição.

Miguel Baia Bargas 
@MiguelBBargas
ALÔ XANDÃO, OLHA ISSO. Além de pintar árvores e calçadas, os vagabundos do Exército arrumaram outra atividade: usar seus caminhões pra distribuir pneus pros terroristas atearem fogo e obstruir as estradas. Vem logo, Galoucura? 
Image

Image

A golpista PRF da câmara de gás

Veja vídeos: Aconteceram várias marchas de soldados cabeça de papel e transes de rezadeiras evagélicas tranca ruas, que na língua dos anjos pediram um golpe sangrento. Que todo golpe tem listas de presos estaduais e lista de lideranças marcadas para morrer.

 

E para completar as ameaças de morte, as mungangas, os atos marciais,

Bolsonaristas cantam o hino nacional para pneu durante bloqueio de rodovia

Ou partem do histérismo religioso para a saudação nazista

27
Out22

Quem mandou matar Felipe Silva de Lima cadáver propaganda do excludente de ilícitude da polícia de Bolsonaro sem câmera no fardamento? 

Talis Andrade

Folha de S.Paulo on Twitter: "#Eleições2022 | Cinegrafista relata pressão  de equipe de Tarcísio e diz que filmou pessoas à paisana atirando.  Repórter-cinematográfico afirma que emissora pediu que ele gravasse vídeo  para

 

Qual general ou marechal de contracheque comandou a matança de Paraisópolis: Tarcísio de Freitas ou Augusto Heleno?

 

O kit flagrante. Como sempre acontece nas costumeiras chacinas: a polícia tece uma extensa folha corrida do morto. Que passa ser bandido, um fora da lei que, no Brasil, anda de chinelo e reside em uma favela sem mando das milícias. Quando não é traficante é ladrão. Ladrão e assassino. Traficante ser ladrão sinal de que o tráfico não rende. Coisa sem lucro e, principalmente, sem dinheiro: traficar drogas, armas, ouro, pedras preciosas, órgãos, produtos florestais, minérios estratégicos, madeira de lei, dinheiro, coisitas mais desse Brasil sem governo e lei. O tráfico no Brasil não rende. Alguém conseguiu prender algum traficante com malas de dinheiro? 

Cadáver em sepulto, desarmado, e mesmo assim morto com tiros nas costas, para ser usado como garoto propaganda do governo policial-miliciano de Bolsonaro. Denunciada a farsa por um jornalista cinegrafista, que Mônica Bergamo chama de corajoso, Felipe Silva de Lima, de 28 anos, passou a ter uma vida de crimes, centenas de crimes, milhares, e só agora, os incompentes conseguiram matar. Cadáver rende votos no Brasil cordial. E Felipe Silva de Lima precisava ser morto antes do dia 30, domingo próximo, dia das eleições do segundo turno. Possivelmente outras vítimas estão marcadas para morrer. 

De mortes anunciadas vive este governo que ameaça um golpe. E todo golpe tem listas estaduais de presos, lista de lideranças marcadas para morrer. E todo golpe arrisca uma guerra civil.Dois suspeitos de participarem de tiroteio em Paraisópolis são  identificados pela polícia - Portal Mídia

 

Mônica Bergamo destaca coragem do cinegrafista da Jovem Pan que denunciou a farsa de Tarcísio em Paraisópolis

 

Marcos Andrade detalhou a cena montada pela campanha de Tarcísio para vender o candidato como vítima de um atentado

 

 

247 - A jornalista Mônica Bergamo destacou pelo Twitter nesta quinta-feira (27) a coragem do cinegrafista da Jovem Pan Marcos Andrade, que, em entrevista à Folha de S. Paulo, entregou a farsa montada pela campanha de Tarcísio de Freitas (Republicanos), candidato a governador de São Paulo, em Paraisópolis.

"A entrevista de Marcos Andrade revela fatos escandalosos. Mais que isso: revela um homem corajoso. Que enfrenta o medo e filma o tiroteio de Paraisópolis. Que enfrenta de novo o medo e revela a pressão por sumiço de provas da equipe de Tarcísio de Freitas", escreveu a jornalista.

Na entrevista, Andrade denunciou a campanha de Tarcísio, que preparou uma farsa em Paraisópolis para que o candidato vendesse a falsa narrativa de que teria sido vítima de um atentado quando fez campanha na região. 

Ele conta que filmou um agente da Abin ( Agência Brasileira de Inteligência) e policiais à paisana, da equipe do próprio Tarcísio, disparando tiros em Paraisópolis, numa ação que matou um jovem desarmado chamado Felipe Silva de Lima, de 28 anos.
 
O cinegrafista também afirmou que a campanha de Tarcísio pediu sua cabeça, cobrando a sua demissão da Jovem Pan, ou Jovem Klan, emissora de propaganda do fascismo bolsonarista. Tarcísio relatou pressões da própria emissora, que teria pedido que ele gravasse um vídeo em apoio ao candidato. Talvez um serviço de risco. Risco de morte. 
 

 

24
Set22

(Vídeo) Caso Queiroz joga luz sobre o passado oculto de Jair Bolsonaro

Talis Andrade

 

 

queiroz motorista aroeira.jpg

 

 

(Continuação) No relatório que mostrou a movimentação financeira do Queiroz, apareciam 6 cheques de 4 mil.

Junto com essa informação, também apareciam vários repasses de oito assessores do Flávio para a conta do Queiroz.

Então, pra ficar bem claro: oito assessores do Flávio Bolsonaro davam dinheiro pro Queiroz. E qual o motivo disso?

Todos esses depósitos e transferências sugeriam que as pessoas davam para ele, sistematicamente, quase todo o salário deles.

Aquela situação levantou um alerta. Porque ao mesmo tempo o Queiroz também fazia vários saques em dinheiro vivo.

Ele tirava tudo da conta dele para levar para outro lugar.

Estava surgindo aí um indício muito forte da famosa "rachadinha".

É uma prática das mais velhas no serviço público. E como que ela funciona? É quando o assessor entrega parte ou todo o salário para o deputado, vereador, senador?

Só que essa prática é um crime. É ilegal. O mau uso do dinheiro público chama crime de peculato.

Se alguém ajudar a ocultar a origem de onde veio esse dinheiro sujo, o crime é de lavagem de dinheiro.

Mais ainda, se é organizado e tem uma liderança, então o criminoso pode fazer parte de uma quadrilha, que também é outro crime.

O nome "rachadinha" é só um apelido para um esquema criminoso.

Mas depois de ouvir tudo isso, na nossa história, você entendeu o que estava faltando?

Faltava alguém explicar os tais repasses ou admitir a rachadinha.

Naquela época, eu ainda trabalhava no jornal O Globo e comecei a gastar sola de sapato atrás do Queiroz e dos outros assessores.

Num calor de 50 graus do RJ, eu fiz várias tentativas. Dias diferentes, horários distintos.

Nunca achei ninguém e também fui despistada.

Em um domingo daquele dezembro de 2018, eu fui em Oswaldo Cruz, um bairro na zona norte do Rio, atrás de uma moça chamada Luiza Paes.

Ela é uma das pessoas citadas no relatório que mostrou a movimentação milionária do Queiroz.

Antes deixa só eu chamar a Gabi para contar para você um pouco sobre quem é a Luiza

GABRIELA SÁ PESSOA: Luiza Paes começou a trabalhar na Assembleia em 2011, no gabinete do Flávio Bolsonaro. Trabalhando diretamente com o Flávio, ela ficou até 2012. Depois disso, ela teve outros cargos na Assembleia Legislativa do Rio. A investigação do Ministério Público do Rio apontou ela como uma das funcionárias fantasmas que participavam do esquema de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio. De acordo com a investigação, ela entregou para o Queiroz um total de 160 mil reais. Ela é filha de um amigo do Queiroz, e aí que ela se aproxima da família.

fantasmas bolsonaro emprega.jpg

 

JULIANA DAL PIVA: Eu cheguei de mansinho, bati no portão em frente da casa, numa rua chamada Felizardo Gomes, mas não achei ninguém.

JULIANA DAL PIVA: Não, a Luiza.

HOMEM: A filha dela, né?

JULIANA DAL PIVA: Isso.

HOMEM: ...

JULIANA DAL PIVA: Tá ok, o senhor viu elas hoje, estão em casa?

HOMEM: ...

JULIANA DAL PIVA: No bar? Tá bom, obrigada.

JULIANA DAL PIVA: E eu fui no bar e chamei a dona Leonora, que é mãe da Luiza, e tentei conversar com ela.

LEONORA PAES: Absoluta, ela é minha filha sim. Tá dando a maior confusão na vida dela por causa disso.

JULIANA DAL PIVA: ...

LEONORA PAES: Eu não sei, inclusive veio uma outra pessoa aqui em casa também, e não tem nada a ver.

JULIANA DAL PIVA: A gente começou a conversar e ela falou que a filha não tinha nada a ver com a história.

Chegou a dizer que estavam confundindo a filha dela com algum nome homônimo.

Eu sabia que ela estava mentindo para mim, mas dei corda e ela acabou contando que conhecia o Queiroz.

JULIANA DAL PIVA: Na verdade, justamente na tentativa de esclarecer, não ter nenhum erro, é importante a gente conversar com as pessoas, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: Eu entendo. Não tô aqui pra acusar sua filha de nada. Na verdade?

LEONORA PAES: Essa minha filha não tem de ter acusação nenhuma.

JULIANA DAL PIVA: Mas eu quero deixar claro isso. Não é nenhuma acusação à sua filha. Quem trabalhava lá no gabinete, quem fez alguma coisa errada, foi aquele rapaz que estão falando, o tal de Queiroz.

LEONORA PAES: Que era morador da rua.

JULIANA DAL PIVA: Era morador da rua, é?

LEONORA PAES: É, há muitos anos atrás, a gente se conhece e uma coisa não tem nada a ver com a outra, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: E conforme eu ia tentando conversar com ela, a Leonora foi ficando mais e mais irritada.

LEONORA PAES: Vocês ficam insistindo, ficam ligando na minha casa, toda hora essa perturbação, já virou uma perturbação, e eu até falei pro meu ex-marido, que eu vou começar a xingar todo mundo. Isso já tá dando no saco, entendeu?

JULIANA DAL PIVA: Tá bom então. Dona Leonora, a senhora quer ficar com meu telefone? Se em algum momento?

LEONORA PAES: Não.

JULIANA DAL PIVA: Tem certeza?

LEONORA PAES: Absoluta.

JULIANA DAL PIVA: Eu não tô aqui acusando a senhora de nada.

LEONORA PAES: Não, você não tá acusando, você tá me perturbando, eu tô em um dia de lazer e você tá me perturbando.

JULIANA DAL PIVA: Para não piorar a situação, eu resolvi ir embora.

Sem matéria nenhuma, porque tudo que ela fez foi dizer que a filha dela não era a pessoa que eu estava procurando.

Só que sabia que ela não estava falando a verdade. E guardei na memória quando ela disse que conhecia o Queiroz.

Quem sabe outro dia, né?

Dois anos depois, a filha da Leonora, a Luiza, vai se tornar uma pessoa superimportante nesse caso.

Muito tempo depois desse dia, a Luiza vai admitir o esquema todo. Só que essa parte eu vou contar pra você depois.

E, claro, eu também fui atrás do próprio, do Queiroz. Várias vezes. Fui em três endereços que apareciam no nome dele. Todos na zona oeste do Rio.

Mas onde ele morava mesmo era numa casa simples, que fica num beco, de uma vila, no bairro da Taquara, também na zona oeste do Rio.

O que deixava ainda mais curioso saber que ele movimentou mais de um milhão em um ano. Não parecia que o dinheiro tinha ficado com ele.

Como o Queiroz estava muito visado, eu cheguei no beco onde ficava a antiga casa dele e perguntei pros vizinhos sobre a Márcia Aguiar, a mulher dele.

Antes de continuar, deixa eu explicar para vocês quem é Márcia. Gabi, vem cá.

GABRIELA SÁ PESSOA: Ju, a Marcia Aguiar é companheira do Queiroz desde 2000. E é mãe do filho caçula dele. A Márcia também foi assessora do Flávio Bolsonaro no mesmo período que o Queiroz, entre 2007 e 2017. Só que, nessa mesma época, ela não se apresentava pras pessoas como assessora na Assembleia do Rio, ou como alguém ligada ao Flávio. Ela dizia que era cabeleireira, alguém que trabalhava com estética. Anota aí quanto que ela devolveu pro Queiroz: no total, de acordo com as investigações, foram oitocentos e sessenta e oito mil e quatrocentos reais.

JULIANA DAL PIVA: Os vizinhos do Queiroz e da Márcia também não falavam muita coisa.

JULIANA DAL PIVA: Você conhece alguma moça chamada Márcia?

MULHER: Márcia?

JULIANA DAL PIVA: É

MULHER: Você conhece alguma moça chamada Márcia?

JULIANA: Vizinha aqui da esquina.

MULHER: Conheço não.

JULIANA DAL PIVA: Eu cheguei a deixar uns bilhetes pedindo entrevista. Escrevi uma mensagem dizendo que queria falar com ele. Coloquei meu número de telefone.

Mas o Queiroz nunca retornou. Muita gente também tentou. E ninguém encontrou o Queiroz naqueles dias.

E se ninguém achou o Queiroz, é porque ele estava bem escondido, o que aumentava o suspense no ar.

queiroz .jpg

 

Anos depois, também na cadeia, ele contou em um depoimento como foi que ele viveu aqueles dias, lá em dezembro de 2018.

FABRÍCIO QUEIROZ, em depoimento ao Ministério Público: "Aí houve esse problema, a mídia começou a bater? começou a fazer? aconteceu o problema num dia, tinha 10 repórter na porta da minha casa. Eu tinha separado da minha mulher, tava na casa da minha filha. Eu liguei pro MP, falei que meu endereço era outro. Eu fiquei isolado né, eu não lembro ao certo se foi esse dia. Eu fiquei de cama. Eu não conseguia comer. Eu não entendia nada. Eu não sabia que ia acontecer esse problema todo. Eu não me recordo. Eu fiquei mais dentro de casa por causa disso."

JULIANA DAL PIVA: O que soava muito estranho é esse mistério todo. Se não tinha nada ilegal, por que ninguém explicava tudo de uma vez?

Era no mínimo esquisito.

Desde lá, eu já entrevistei umas 50 pessoas sobre esse caso. Algumas mais de uma vez. E só um grupo pequeno aceita se identificar.

De um modo geral, todo mundo diz que tem medo de falar o que sabe.

E não era só o Flávio, o Queiroz e os assessores que fugiam da imprensa.

O próprio Ministério Público não explicava muita coisa.

Aliás, esse é um detalhe que muita gente desconhece.

Esse relatório sobre Queiroz foi feito por um órgão chamado COAF, que é o Conselho de Controle de Atividades Financeiras.

Eles monitoram negociações suspeitas de lavagem de dinheiro.

E o relatório sobre o Queiroz existia desde janeiro de 2018, mas a gente só soube desse documento no fim daquele ano.

E por que foi assim?

Os procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato estavam investigando deputados da Alerj para preparar uma Operação que ia chamar Furna da Onça. E essa operação só ia acontecer em novembro daquele ano.

No meio da papelada, tinha um relatório de movimentação financeira suspeita de vários assessores da Alerj.

E foi lá na página 325, quase no final, que surgiu o nome do Queiroz.

Só que quando bateu na Lava-Jato, ainda no início de janeiro de 2018, os procuradores viram que não podiam atuar naquele tipo de investigação.

Não era um caso federal.

Aquele calhamaço foi enviado então para a avenida Marechal Câmara, número 370. A sede do Ministério Público do estado do Rio de Janeiro.

Quando chegou por lá, o documento foi parar no 8º andar.

Ali, em alguma mesa, daquele imenso prédio, o documento ficou durante grande parte do ano de 2018.

É lá que fica o escritório do procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro.

Naquela época, o cargo era do procurador José Eduardo Gussem, e ele era o responsável pelo caso.

E o Gussem não falava publicamente sobre o assunto.

Eu lembro até de uma ocasião que eu tava com alguns colegas na calçada, em frente ao Ministério Público, esperando para ver se o Queiroz ia aparecer para depor.

Ele foi chamado 4 vezes naquele dezembro e nunca foi.

Enquanto a gente estava esperando, o deputado Marcelo Freixo apareceu no Ministério Público. Ele queria cobrar investigações da morte da vereadora Marielle Franco e começou a falar com a imprensa.

Bem nessa hora, o procurador chegou de carro e começou a caminhar em direção à portaria do prédio, a poucos metros de onde a gente estava.

Eu e uma boa parte dos repórteres fomos até o Gussem para tentar falar com ele, mas não deu certo. O procurador correu para a porta da entrada privativa do MP.

JULIANA DAL PIVA: Ele não falou absolutamente nada, né?

MULHER: Não, não falou nada.

JULIANA DAL PIVA: Em janeiro de 2019, um mês depois desse dia, o procurador José Eduardo Gussem tomou posse para um segundo mandato na Procuradoria Geral.

Nesse dia, ele finalmente falou do assunto.

Mas deixou mais dúvidas do que respostas.

JOSÉ EDUARDO GUSSEM, em entrevista a jornalistas: "Chegaram ao Ministério Público, inicialmente, no mês de janeiro de 2018. Foram para o laboratório de combate à lavagem de dinheiro. Nele ficaram até julho de 2018, quando nós abrimos as primeiras portarias que os senhores estão recebendo aí, sem identificar esses deputados estaduais. Por quê? Repito: nem sempre o fato do servidor público, o servidor da Alerj, estar vinculado ao gabinete de determinado deputado significa que aquele deputado esteja envolvido naquela operação financeira suspeita.

JULIANA DAL PIVA: Uma pergunta que ficou mal explicada é o que foi feito de julho até dezembro de 2018? Quase nada.

Quando eu estava preparando esse podcast, eu tentei uma nova entrevista e ele não quis. O procurador se aposentou no início deste ano.

Depois eu vou contar para você quando o Ministério Público finalmente vai avançar na investigação do caso.

Agora, eu vou voltar para dezembro de 2018. Eu já te contei sobre o relatório do Queiroz e que o Flávio tentou se explicar e o Bolsonaro fez o mesmo.

Mas ninguém contou a origem do dinheiro do Queiroz ou o motivo dos assessores depositarem para ele.

Como já contei, o Ministério Público tinha chamado o Queiroz e a família para depor e ninguém apareceu.

Ao mesmo tempo, o que estava acontecendo nos bastidores?

O Flávio já estava montando uma defesa jurídica.

A gente não sabia, mas o Flávio Bolsonaro foi pedir ajuda para o empresário Paulo Marinho.

Antes de eu falar disso, deixa eu chamar a Gabi para explicar quem é o Paulo Marinho.

GABRIELA SÁ PESSOA: Hoje, o Paulo Marinho é um adversário político do Jair e do Flávio Bolsonaro. Mas em 2018 essa história era bem diferente. Ele era um empresário do Rio de Janeiro, e muito próximo do Gustavo Bebianno, que coordenava a campanha presidencial. E a casa do Paulo Marinho, no Rio, funcionou como uma espécie de QG, onde o Bolsonaro gravava os programas de TV, recebia interlocutores, e onde parte da campanha presidencial acontecia. Bom, depois da eleição, o Paulo Marinho rompeu com a família Bolsonaro e hoje eles estão aí em polos opostos.

JULIANA DAL PIVA: Agora, eu vou te contar sobre o pedido de ajuda do Flávio para o empresário. O senador queria contratar um advogado e esse movimento envolveu algumas pessoas.

Eu pedi entrevistas a todos os envolvidos, mas ninguém quis falar. Aliás, isso é uma coisa muito comum nessa história. Ninguém quer dar explicação alguma.

Então vou reconstituir o que aconteceu a partir de uma série de depoimentos tomados pelo Ministério Público Federal.

Tem uma investigação em andamento sobre o vazamento desse relatório com a movimentação milionária do Queiroz.

nani1- queiroz.jpg

 

Não estranhem se as vozes aparecem abafadas, todos eles falaram usando máscaras por causa da pandemia de covid-19.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "No dia 12 de dezembro, eu recebo na parte da tarde, não sei precisar o horário, um telefonema do senador Flávio Bolsonaro, que me dizia o seguinte: meu pai pediu para que eu lhe procurasse, para que você me ajudasse numa questão jurídica, eu tô precisando de um advogado. E eu gostaria de te encontrar amanhã, você pode? Eu disse: posso. Que horas você gostaria? Você pode me receber amanhã às 8h30? Eu digo: está marcado amanhã às 8h30."

JULIANA DAL PIVA: Esse que vocês estão ouvindo é o Paulo Marinho.

Parte dessa história do empresário, o próprio Flávio admitiu.

FLÁVIO BOLSONARO, em depoimento ao Ministério Público: "Dia 6 de dezembro, eu estava em Brasília. Foi tudo acontecendo, como todo mundo acompanhou. Eu precisava de um advogado. Como eu não tinha recurso para pagar advogado, que é uma causa que advogado cobraria muito dinheiro, eu conversei com meu pai, que você acha de pedir para o Paulo Marinho, que é uma pessoa bem relacionada no mundo jurídico. Meu pai falou, ó, procura o Paulo Marinho e veja se ele pode te ajudar com advogado. Foi isso que eu fiz, eu liguei para ele, e pedi que me recebesse para ele tratar de advogado pra mim."

JULIANA DAL PIVA: É curioso ouvir o Flávio dizer que precisava de um advogado, mas que não tinha dinheiro para pagar.

Naquela época, ele vivia num apartamento de quase R$ 3 milhões. E, nesse ano, como você deve ter ouvido, ele comprou uma mansão de outros 6 milhões. É muito dinheiro.

Mas vamos lá. Continuando a história, o Paulo Marinho disse que, no mesmo dia, ele foi atrás de um advogado para atender o Flávio.

Na manhã seguinte, o advogado Christiano Fragoso chegou cedinho, às 8 horas da manhã, na antiga mansão do Paulo Marinho, no Jardim Botânico.

Essa mesma mansão serviu de comitê de campanha para o Bolsonaro no segundo turno de 2018.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "8h30 chega na minha casa Flávio Bolsonaro acompanhado do senhor Victor Granado Alves, assessor dele. Eu não sabia que o Victor viria. Victor chegou, a gente se cumprimentou, sentamos numa mesa de reunião no meu escritório, na minha casa, uma mesa como essa. E aí ficou naquela cadeira ali o Victor, nessa cadeira aqui o Flávio, eu fiquei nessa cadeira aqui e o Cristiano ficou nessa cadeira aqui. O Cristiano estava em frente ao Victor e eu em frente ao Flávio."

JULIANA DAL PIVA: O Victor é aquele mesmo que estava com o Flávio no início desse episódio na frente da casa do Bolsonaro.

Agora, vamos ouvir sobre o que eles estavam falando e a importância dessa reunião.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Chegamos, sentamos aqui nessa posição. O Flávio começa. Eu fiz a apresentação, tá aqui o Cristiano, Flávio, Victor, o Cristiano foi indicado. Eu pedi ao Cristiano para vir aqui, que é um grande advogado criminalista, para você relatar pra ele tudo o que você quer contar. Ele vira pra gente e diz: olha, eu tô muito preocupado, porque o Victor procurou o Queiroz. E estamos muito preocupados com a loucura que o Queiroz fez, essa traição que o Queiroz fez, e eu estou muito preocupado com as consequências desse fato do Queiroz em relação ao governo do meu pai, que ainda nem começou. E eu percebo que nesse momento, quando ele começa a falar do pai, do governo do pai, eu estava de frente pra ele, ele começa a lacrimejar, ele ficou emocionado. Eu disse: Flávio, calma, você está aqui com um grande advogado, você não tem culpa, conforme você está me dizendo, isso aí foi o Queiroz que traiu a tua confiança, você tá me dizendo aqui que você não tem nenhum envolvimento com isso, com os fatos. Então fica tranquilo, não fica desse jeito, não é bom, isso não ajuda. Ele parou e o Victor começou a falar. Ele disse: ontem estive com o Queiroz e obriguei o Queiroz a me repassar todas as senhas das contas bancárias dele, e eu passei essa madrugada toda entrando nas contas do Queiroz, e os montantes que eu descobri, e que eu informei agora para o Flávio, são muito superiores a esses que a imprensa está noticiando, inclusive porque ele se refere a anos anteriores a esses que a imprensa está noticiando."

nando arquivo queiroz.jpg

 

JULIANA DAL PIVA: Pelo que o Paulo Marinho contou, diferente daquela tranquilidade que o Flávio tentava transparecer na frente da casa do Bolsonaro, ele estava era muito nervoso.

A partir disso é que foi possível saber que há muito tempo a família Bolsonaro sabia de algo que podia explodir com os planos políticos deles.

Depois, o Paulo Marinho contou que perguntou como isso aconteceu.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Ô Victor, como esse troço aconteceu? Ele disse, porra, um dia o Braga recebe um telefonema de uma pessoa, lá na assembleia, de uma pessoa supostamente se intitulando um delegado da Polícia Federal, querendo falar com o Flávio. O Braga disse a essa pessoa que o Flávio estava ocupado e não costumava falar com quem não conhecesse. Aí ele disse: é o seguinte, é um assunto de interesse do senador. Provavelmente deve ter deixado o telefone dele, fala com o senador, depois voltamos a falar. Os detalhes eu não sei, eu tô repetindo o que eu ouvi. O Braga fala com o Flávio, o Flávio designa que o Braga, o Victor e a Val fossem ao encontro dessa pessoa para saber do que se tratava. E aí fizeram contato e marcaram um encontro na porta da Polícia Federal. Este suposto delegado disse aos três, ou disse ao Braga, vocês quando chegarem me telefonem que eu vou sair de dentro da superintendência, até pra você ver que eu sou um policial que tô lá dentro, e lá fora a gente conversa."

JULIANA DAL PIVA: Antes de a gente continuar. Gabi, vem cá, me ajuda.

Conta para gente quem é o Braga e quem é a Val Me Liga.

GABRIELA SÁ PESSOA: O Braga é o chefe de gabinete do Flávio Bolsonaro. A Val Me Liga é uma assessora do Flávio também, e ela tinha cargos no diretório estadual do PSL do Rio de Janeiro, Partido pelo qual o Flávio Bolsonaro e o Jair Bolsonaro se elegeram em 2018.

JULIANA DAL PIVA: Tá certo. Vamos ouvir agora o resto da história do Paulo Marinho.

O empresário contou que ouviu a seguinte história: esse suposto delegado da PF teria alertado para os assessores do Flávio sobre a existência de informações que poderiam atrapalhar o futuro da família Bolsonaro.

PAULO MARINHO, em depoimento ao Ministério Público: "Aí esse delegado disse a eles: esta operação vai alcançar o Queiroz e a filha dele, estão no seu gabinete e no gabinete do seu pai. Tem movimentação bancária e financeira suspeita. Eu sou simpatizante do seu pai, do Bolsonaro, e vamos tentar não fazer essa operação agora, entre o primeiro e o segundo turno, pra não criar nenhum embaraço durante a campanha."

 

queiroz arquivo vivo.jpeg

 

JULIANA DAL PIVA: A reunião com o Flávio na casa do Paulo Marinho terminou naquela manhã de 13 de dezembro de 2018 com algumas definições.

A avaliação final daquela conversa é que o primeiro que precisava de um advogado não era o Flávio, mas o Queiroz.

Ficou acertado o seguinte. O Victor ficou responsável de levar o Queiroz em um advogado que eles ainda iam escolher.

Ao mesmo tempo, um grupo de advogados que se preparava para entrar na causa do Flávio combinou um novo encontro em SP para discutir mais estratégias.

Essa segunda reunião dos advogados ficou para o dia 14 de dezembro. E o que soube depois é que um ponto central já estava definido por eles.

O Queiroz precisava depor logo. Na avaliação de assessores do presidente Jair Bolsonaro, isso podia evitar que a história do relatório contaminasse toda a família Bolsonaro.

O tempo passou, e no ano passado, os advogados envolvidos nessas reuniões foram chamados pra depor, mas alegaram sigilo profissional para não falar.

O primeiro que alegou direito ao silêncio foi justamente o Victor Granado.

VICTOR GRANADO, em depoimento ao Ministério Público: "Eu fui na casa do seu Paulo Marinho? Eu fui à casa dele. Porque lá era o comitê de campanha do então candidato Jair Bolsonaro. O Flávio já tinha sido eleito, mas não tinha sido diplomado, que a diplomação foi no final do ano, salvo engano. Então lá era o comitê de campanha. Todo mundo que participou da campanha foi na casa do senhor Paulo Marinho. Eu não posso negar um fato que é público, de conhecimento de todo mundo. Só que da casa dele para o que foi discutido naquele dia, eu não posso falar, porque eu tenho uma proibição, e minha reputação enquanto advogado pode ser colocada no lixo, se eu descumpro uma proibição que eu tenho. A querer que eu fale uma coisa que eu sou proibido de falar, automaticamente estão querendo que eu cometa um suposto crime que um agente federal, que tinha obrigação de não falar, falou."

JULIANA DAL PIVA: O Victor ficou muito irritado por ser questionado sobre a reunião.

Quando ele foi prestar depoimento, o Victor disse que ele estava representando o Flávio, e que por isso ele não podia falar nada sobre aquelas reuniões.

Mas vamos voltar lá em 2018, depois dessas reuniões aconteceu algo inesperado.

O Flávio simplesmente desistiu de tudo a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

FLÁVIO BOLSONARO, em depoimento ao Ministério Público: "Fui conhecer, fiquei de dar resposta depois pro Paulo Marinho. Passaram-se alguns dias, não lembro quantos. Eu fui agradecendo, dizendo que eu não queria, não precisava de advogado, que eu ia escolher outra pessoa e morreu ali."

JULIANA DAL PIVA: Essa história da reunião o Paulo Marinho contou em uma entrevista para a jornalista Mônica Bergamo.

Mas ele só revelou isso em maio de 2020, ou seja, um ano e meio depois.

E agora existe uma investigação para tentar descobrir quem é o delegado que teria vazado a informação para os assessores do Flávio.

Tudo ainda parece longe de uma conclusão.

Mas um dado é preciso e suspeito.

O Queiroz e a filha, a personal trainer Nathália, foram exonerados em 15 de outubro de 2018, do gabinete do Flávio e do gabinete do Jair Bolsonaro. Bem no meio do segundo turno.

Ninguém admite o vazamento e as justificativas convencem pouco.

Na versão do Queiroz, ele disse que estava doente, mas também fazia planos de viajar para a Disney.

FABRÍCIO QUEIROZ, em depoimento ao Ministério Público: "Eu viajei para Aparecida e fui cuidar da minha vida. Eu tinha um contato bom com eles. Eu fui em Aparecida, dia 12, aquela coisa toda. Resolvi, quando eu voltei, não sei se foi antes ou depois, peguei um ofício meu na Alerj, dei entrada na minha reforma (...) Me apresentou, poxa, nós estamos bem, aquela carreata imensa, pô, ganhamos. Eu pretendia ir para os Estados Unidos, tirei meu visto, no meu passaporte, tava combinando com minha filha de ir, a minha outra filha, a pequenininha."

JULIANA DAL PIVA: Não sei você. Eu não consigo deixar de pensar como seria aquela eleição de 2018 se o Brasil soubesse dessa história toda.

Mas depois das idas e vindas com o Paulo Marinho, o Flávio e o Queiroz optaram por um novo "esquema jurídico".

E ele tinha um nome central: o advogado paulista Frederick Wassef.

No mesmo fim de semana que o grupo do Paulo Marinho se organizava para entrar no caso do Flávio, o Wassef desembarcou no Rio de Janeiro.

Não é fácil descrever o Wassef.

Mas tem um áudio divulgado pelo site Intercept no ano passado em que ele próprio se resume bem.

FREDERICK WASSEF, em entrevista ao site The Intercept: "Sou advogado criminalista desde 92 e ajudo o Bolsonaro há alguns anos aí, sou parceiro dele e advogado em off."

JULIANA DAL PIVA: Vocês já devem ter ouvido essa expressão, "off the record". Jornalista quando assume compromisso de guardar sigilo da fonte faz entrevista em off.

Agora, advogado em off, eu nunca tinha ouvido falar. Aliás, nessa época, pouquíssima gente sequer admitia conhecer o próprio Wassef.

O advogado ficou uns seis meses atuando no caso do Flávio sem que ninguém soubesse direito disso. Mas uma hora não deu para esconder mais.

Eu fiz uma entrevista com ele pra minha coluna há pouco tempo e perguntei porque ele não se apresentava desde o início como o advogado do Flávio. E o Wassef respondeu, bem do jeito dele.

JULIANA DAL PIVA: Naquela época, quem representou formalmente foi um advogado que chama Hugo Plutarco. O senhor não aparecia. Por que o senhor naquele momento não se identificava como advogado do senador,

FREDERICK WASSEF: Eu sou advogado do Flávio e da família desde 2014. Eu nunca gostei e nem nunca quis aparecer em nenhum processo. Atuei em vários processos, inclusive de toda a família, só que eu nunca quis aparecer por vários motivos, dentre eles porque eu, diferente de certas pessoas, eu nunca gostei de holofotes, gostei de ser discreto, e meu trabalho é assim. Mas, infelizmente, me transformei em uma pessoa pública, não foi interesse meu, nem desejo meu.

JULIANA DAL PIVA: Eu ainda vou falar muito de Wassef nesse podcast, porque ele se tornou não só o advogado do Flávio e do Bolsonaro, mas parte intrínseca da própria história.

A versão oficial do Queiroz é que ele pediu demissão do gabinete para cuidar da saúde e da aposentadoria.

Mas o que alguns amigos dele me contaram é outra coisa.

O Queiroz tinha sido chamado para depor no Ministério Público e estava tentando arrumar um jeito de adiar.

Então, ele foi num hospital aqui no Rio de Janeiro fazer uns exames, para pegar um atestado médico que justificasse a falta.

Onde-ta-o-queiroz.jpg

 

Só que o exame de sangue do Queiroz veio com uma alteração. E isso levou a uma série de outros testes.

Foi a partir desse momento que o Wassef entrou de vez na história do Queiroz.

O que me contaram é que o advogado falou pro Queiroz ir a São Paulo fazer uma consulta com um médico da confiança do Wassef, no hospital Albert Einstein.

O Queiroz se consultou com o mesmo urologista que atendia o próprio Wassef. E essa consulta foi no dia 19 de dezembro.

A unidade também é a mesma que cuidou do presidente Jair Bolsonaro depois da facada durante a eleição.

Foi lá no Einstein que descobriram o câncer do Queiroz.

Por isso, tem amigos dele que ainda dizem que o escândalo ainda salvou a vida dele.

E, a partir disso, o policial e a família não compareceram mais aos depoimentos no Ministério Público. A estratégia jurídica mudou.

Só que, isso que eu estou contando para você, ninguém sabia naquela época. Porque o Wassef era um "advogado em off", como ele mesmo disse.

Os dias passaram e a imprensa seguia atrás do Queiroz.

Só que depois que a doença foi diagnosticada, os advogados tinham um jeito de explicar o sumiço e marcaram uma entrevista com o SBT.

FABRÍCIO QUEIROZ, em entrevista ao SBT: "Em momento algum eu estou fugindo. Quero muito esclarecer. E depor na frente do promotor. Agradecê-lo por acatar, por não pedir minha prisão. Pensei, vou ser preso. No terceiro depoimento, eu estava sendo atendido, eu tenho aí em mãos, eu faço questão de entregar para depois você ler, tirar foto, mostrar para a imprensa, para o Brasil, eu sendo atendido aí por um dos melhores? doutor Vladimir. Foi constatado um câncer. Eu perguntei: é maligno ou benigno. Ele disse: maligno. O deputado tinha sido eleito senador, eu já tinha combinado com ele que eu ia pedir minha exoneração, uma vez que eu sendo funcionário público eu não poderia acompanhá-lo. E para tratamento da minha saúde. Eu levei a campanha toda com muitas dores nesse ombro. Eu tenho uma cirurgia marcada para fazer nesse ombro aqui. Tô esperando marcar. Um problema na urina. Uma forte tosse. Eu ficava tossindo o tempo todo no carro, ficava até constrangedor."

JULIANA DAL PIVA: Essa entrevista foi gravada em São Paulo.

O que eu fiquei sabendo há pouco tempo é que a casa onde tudo aconteceu ficava em Atibaia, uma cidade que fica a pouco mais de uma hora de SP.

O local foi arrumado por um outro advogado, amigo do Wassef.

Como você sabe, o Queiroz foi preso justamente em uma casa do Wassef, também em Atibaia, em junho do ano passado. E foi preso depois de ficar um ano e meio sumido.

Mas nesse tempo, antes da prisão, para o Queiroz e para a família dele, o Wassef se tornou um "Anjo".

É uma referência à ideia de que ele protegia a família. E também um jeito de criar uma espécie de codinome.Mas essa proteção do Wassef era assim mais ou menos. A Márcia Aguiar, mulher do Queiroz, desabafava muito com uma amiga sobre o que significava ficar sob as asas do Anjo.

MÁRCIA QUEIROZ, em áudio: "Só que eu também não tô aguentando. Tá entendendo? Eu tô muito preocupada com ele. A minha saúde também está abalada, tá entendendo? A gente não pode mais viver sendo marionete do 'Anjo'. Ah, você tem que ficar aqui, traz a família. Esquece cara, deixa a gente viver a nossa vida! Qual o poblema (sic)? Vão matar? Ninguém vai matar ninguém, se tivesse que matar já tinha pego um filho meu aqui, você tá entendendo? Então deixa a gente viver a nossa vida aqui com a nossa família."

JULIANA DAL PIVA: O Wassef nega que fosse chamado assim, mas adiante vou te mostrar que ele era mesmo.

E esse dilema da família do Queiroz, também vai ter que ficar para depois, porque eu preciso te falar sobre outra ponta solta nessa história.

Enquanto o Frederick Wassef tentava tomar conta do Queiroz, um fio que envolve a própria família do presidente Jair Bolsonaro e as "rachadinhas" começava a aparecer.

E o problema nem ficava muito longe de São Paulo. Estava em Resende, uma cidade do Sul do estado do Rio, onde tem a Aman, que é Academia Militar das Agulhas Negras.

Lá, o Bolsonaro estudou e casou pela primeira vez com a Rogéria. Ela é mãe dos três filhos mais velhos do presidente: o Flávio, o Carlos e o Eduardo.

Mas é em Resende que também mora a família da advogada Ana Cristina Siqueira Valle, a segunda mulher do presidente. Juntos, eles tiveram o Jair Renan, que o Bolsonaro chama de 04.

Em 2018, nesse núcleo de pessoas da própria família do Bolsonaro, muita gente falava abertamente sobre o que acontecia nos gabinetes.

Em outubro daquele ano, um casamento de um dos membros da família Siqueira Valle ia expor todo esse problema.

Uma das ex-cunhadas do presidente, a Andrea Siqueira Valle, começou a falar para quem quisesse ouvir naquela festa, que ela estava muito preocupada com o que ia acontecer depois da eleição do Bolsonaro.

Ao menos duas pessoas ouviram esse relato dela. E uma delas me enviou gravações da Andrea admitindo o esquema.

A Andrea foi funcionária fantasma do Bolsonaro e dos filhos por 20 anos.

ANDREA SIQUEIRA VALLE, em gravação: Na hora que eu estava aí fornecendo também, e ele estava me ajudando, lógico, porque eu ficava com mil e pouco e ele ficava com sete mil reais. Então assim, não vem caso, eu ajudei, ele ajudou, beleza, certo ou errado, isso já foi, não tem jeito de voltar atrás."

JULIANA DAL PIVA: A Andrea tem razão. Agora não tem como voltar atrás. Quando eu ouvi essa gravação, eu lembrei do Bolsonaro reclamando do governo cubano anos atrás. Os médicos daquele país também ficavam só com mil reais do próprio salário.

JAIR BOLSONARO, em sessão na Câmara dos Deputados, em 2013:

"O repórter perguntou pro médico cubano quanto ele ganhava. Sr. Presidente, ele respondeu: 'Mil reais'. Ou seja, a dupla dos irmãos Castro pega 90% do salário dos cubanos. Nem um rufião faz isso."

JULIANA DAL PIVA: A história completa dessa gravação da Andrea eu vou contar para você no próximo episódio. E olha, não perde, de onde veio esse áudio, tem muito mais.

[CRÉDITOS]

Esse episódio usou áudios do programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes; do jornal RJTV 2a Edição, da TV Globo; do programa SBT Brasil, do canal SBT; do Jornal Folha de São Paulo; do site Intercept; dos depoimentos obtidos pelo Ministério Público Federal na investigação sobre vazamento sobre relatório do COAF; do arquivo da Câmara dos Deputados; do arquivo do Ministério Público do Rio de Janeiro dos autos sobre investigação sobre rachadinha na Alerj.

O podcast UOL Investiga - A Vida Secreta de Jair é apresentado por Juliana Dal Piva e pela jornalista Gabriela Sá Pessoa. A reportagem, pesquisa e roteiro foram feitos por Juliana Dal Piva e também tiveram o trabalho da Amanda Rossi e da Gabriela Sá Pessoa. A edição de áudio é do João Pedro Pinheiro. A coordenação foi da Juliana Carpanez, do Flávio Costa e de Marcos Sérgio Silva. O design é do Eric Fiori. O vídeo de apresentação tem motion design do Santhiago Lopes, roteiro da Juliana Dal Piva e da Natália Mota. A direção de arte é da Gisele Pungan e do René Cardillo. O projeto também contou com Alexandre Gimenez e Antoine Morel, gerentes de conteúdo, e Murilo Garavello, diretor de conteúdo do UOL. Agradecimentos a Cláudia Cotes.

 

14
Set22

Vera Magalhães é hostilizada por deputado bolsonarista após debate

Talis Andrade

 (crédito: Reprodução/Twitter @veramagalhaes)

O covarde agressor

Cena foi registrada em vídeo pela própria jornalista durante o debate para o governo de São Paulo

 

jornalista Vera Magalhães foi hostilizada pelo deputado estadual paulista Douglas Garcia (Republicanos), apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), durante o debate para o governo de São Paulo na noite desta terça-feira, 13. Usando um celular para gravar o ato, o parlamentar foi até ela e reiterou os ataques feitos pelo chefe do Executivo há duas semanas a chamando de "vergonha para o jornalismo brasileiro", em seguida, reproduziu uma falsa notícia sobre a remuneração anual dela na TV Cultura.

"Não tenho medo de homem que ameaça e intimida mulher", escreveu Vera Magalhães, no Twitter. Ela afirmou que precisou sair escoltada por seguranças do Memorial da América Latina - local onde aconteceu o debate - e adicionou que irá registrar um boletim de ocorrência pela ameaça sofrida. "Um país que condescendendo com esse tipo de ameaça à imprensa não é uma democracia plena. Basta!", adicionou a jornalista.

Vera Magalhães
Aqui o deputado me agredindo. Mentindo que meu contrato é de 500 mil reais. Respondi no vídeo dele. Não tenho medo de homem que ameaça e intimida mulher. Não tenho medo de homem público que usa o cargo para acossar a imprensa

12
Set22

Em entrevista, Dona Ilza, humilhada por bolsonarista, explica o que realmente aconteceu em vídeo que viralizou na internet

Talis Andrade

Image

 

Diarista ficou assustada com a repercussão, mas garantiu que não foi brincadeira e se sentiu muito "mal" após episódio

 

por Carlos Nathan Sampaio

- - -

A diarista Ilza Ramos Rodrigues, 52, que foi humilhada pelo bolsonarista Cassio Cenali em vídeo que viralizou na internet neste fim de semana, foi encontrada e concedeu entrevistas neste domingo (11). A mulher afirmou que entrou ficou assustada com a repercussão, após o apoiador de Jair Bolsonaro (PL) negar marmita por ela dizer que votaria no presidenciável Lula (PT), na cidade de Itapeva, no interior de São Paulo.

No novo vídeo, divulgado no perfil Jornalistas Livres, do Twitter, ela aparece contando que não foi uma brincadeira. “Eu realmente fiquei mal. Liguei pra minha irmã e contei que fiquei com medo. Foi ruim, [me senti] humilhada. Uma pessoa que tem dinheiro e tem o carro que tem não tem o direito de fazer isso […] essa marmita me ajudava e ajudava outras pessoas”. Veja o vídeo:

Dona Ilza Ramos explica como aconteceu a abordagem do bolsonarista, que depois do episódio realmente não entregou mais marmitas para ela e as outras duas famílias que também recebiam a ajuda.

 

Vídeo: Quilombagem Urbana @quilombagemurbana pic.twitter.com/20zXZBGARI

 

Dona Ilza também confirmou que não recebeu mais ajuda depois do episódio. Em entrevista à Folha de S.Paulo, porém, ela garantiu que “Deus transformou o mal que ele fez em bênção”. “Fiquei sem ação. O jeito que ele falou mexeu com a minha mente, não é brincadeira. O que ele fez foi me humilhar. Só porque ele tem dinheiro, tem o carrinho dele, ele quis me humilhar com essa ação. Eu não posso nem ver [o vídeo]”, disse ela à coluna da Mônica Bergamo.

Vale lembrar que o vídeo viralizou no Twitter também pela publicação do Jornalistas Livres, porém o vídeo viralizar, porém a identidade de Ilza foi revelada pela página Iconografia da História, criada pelo cientista social Joel Paviotti. Quando ele divulgou a foto, Ayume, uma sobrinha de Ilza que seguia o perfil, apareceu. Após a confirmação, a publicação gerou uma grande corrente do bem, segundo o cientista social.

Ainda sobre a repercussão, e as milhares de publicações de internautas em solidariedade e doações à dona Ilza, famosos e autoridades também se manifestaram, incluindo o próprio Lula. “A fome é culpa da falta de compromisso de quem governa o país. Negar ajuda para alguém que passa dificuldades por divergência política é falta de humanidade. Minha solidariedade com essa senhora e sua família”, afirmou o ex-presidente pelo Twitter. Além disso, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) se comprometeu a fornecer mantimentos para Ilza por seis meses de alimentos.

Cássio Cenali, o responsável pela infelicidade da publicação do vídeo em que humilha dona Ilza, teve sua identidade revelada mostrando que há processos contra ele por sonegação de impostos e até por recebimento indevido do auxílio emergencial. Ele também fez um vídeo pedindo desculpas por ter gravado o vídeo com Ilza, mas não se desculpou, efetivamente, pela atitude em si.

Image

11
Set22

Bolsonarista que se recusou a dar comida à mulher é do agro e tem dívidas na justiça

Talis Andrade

 

Bolsonarista que negou comida à uma mulher após ela declarar seu voto em Lula é identificado como Cássio Joel Cenali, empresário do Agro
 
30
Ago22

Caso Vera Magalhães: Bolsonaro odeia as mulheres porque odeia a democracia

Talis Andrade

www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

por David Nemer /Publica Agência de Jornalismo Investigativo

 

 

  • Ataques de Jair Bolsonaro à jornalista da TV foram complementados por campanha de assédio online no Twitter e Telegram
  • Robôs foram usados para inflar apoio feminino ao presidente
  • Relembramos o histórico de ataques às mulheres de Jair Bolsonaro
  • Caso Vera Magalhães: Bolsonaro odeia as mulheres porque odeia a democracia

 

 

No último debate presidencial, no domingo (28/08), ao ser questionado pela jornalista Vera Magalhães sobre a queda da cobertura vacinal e desinformação difundida por ele, o presidente Jair Bolsonaro (PL), em mais uma demonstração de misoginia, respondeu: “Vera, não pude esperar outra coisa de você. Acho que você dorme pensando em mim. Você tem alguma paixão em mim. Não pode tomar partido num debate como esse. Fazer acusações mentirosas a meu respeito. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro”.

 

Image

 

Na tarde de segunda-feira, o termo difamatório “Verba Magalães”, uma referência ao salário da jornalista na Tv Cultura, chegou aos Trending Topics do Twitter. 

Porém Vera Magalhães não estava só. Uma corrente liderada por mulheres ocupou o Twitter para demonstrar o apoio e solidariedade à jornalista. As contas mais relevantes foram da Fátima Bernardes (@fbbreal), Simone Tebet (@simonetebetbr), Andreia Sadi (@andreiasadi), Natuza Nery (@natuzanery), Patrícia Campos Mello (@camposmello), e Miriam Leitão (@miriamleitao).

 

Misoginia como projeto autoritário 

 

Image

 

O Bolsonarismo tende a aumentar seus ataques quando o alvo é mulher. Outro exemplo é a postura das redes de apoio ao presidente sobre a cantora Anitta. 

Ultimamente, devido ao posicionamento político da cantora, que declarou voto em Lula, os grupos bolsonaristas no Telegram têm se ocupado a deslegitimar o poder e a influência de Anitta, assim, como manchar a sua reputação. Desde o início de 2022, nos mesmos grupos bolsonaristas no Telegram monitorados pelo Sentinela Eleitoral, já foram proferidos mais de 1520 mensagens com tons misóginos e sexistas contra Anitta.

Durante o século 20, mulheres se organizaram e conquistaram diversos direitos ao redor do mundo, como o de votar, o acesso aos cuidados de saúde reprodutiva, inserção social, educação, entre outros. A jornada para a conquista da igualdade de gênero parecia não ter volta. Porém, nos últimos anos, a ascensão de líderes autoritários em diversos países – apoiados em estratégias de desinformação online – não só comprometeu a democracia, mas promoveu sérios retrocessos aos direitos das mulheres. 

Segundo as pesquisadoras de Harvard Erica Chenoweth e Zoe Marks descreveram no artigo “A vingança dos Patriarcas – Por que os autocratas temem as mulheres” (aqui, em inglês), não é coincidência que a igualdade das mulheres esteja sendo revertida ao mesmo tempo em que o autoritarismo está em ascensão. Os direitos civis das mulheres e a democracia andam de mãos dadas, porém há uma geral dificuldade em reconhecer que o primeiro é uma pré-condição para o segundo.

De acordo com as pesquisadoras, autocratas e autoritários patriarcais têm boas razões para temer a participação política das mulheres: quando as mulheres participam de movimentos de massa, esses movimentos são mais propensos a ter sucesso e mais propensos a levar a uma democracia mais igualitária. Em outras palavras, mulheres totalmente livres e politicamente ativas são uma ameaça para líderes autoritários e de tendência autoritária – e, portanto, esses líderes têm uma razão estratégica para serem sexistas. Compreender a relação entre sexismo e retrocesso democrático é vital para aqueles que desejam lutar contra ambos.

Assim, nessa coluna, vale a pena dissecar pontos traduzidos do artigo de Erica Chenoweth e Zoe Marks para demonstrar como o bolsonarismo e seu líder Jair Bolsonaro atacam as mulheres como um meio para desmantelar a democracia brasileira. 

 

Histórico de misoginia 

Image

 

Jair Bolsonaro tem um histórico de falas machistas e de ataques às mulheres

  • Em 1998, quando era deputado federal, Bolsonaro agrediu pelas costas Conceição Aparecida Aguiar, na época gerente da Planajur, empresa de consultoria jurídica e que atendia ao Exército; 
  • Em 2011, Bolsonaro atacou Preta Gil quando ela o perguntou como ele reagiria se algum de seus filhos se envolvesse com uma mulher negra. “Eu não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o seu”, respondeu;
  • Em 2012, Bolsonaro votou contra a PEC das Domésticas que visava lhes assegurar direitos trabalhistas;
  • Em 2014, disse que não estupraria a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) porque ela não merecia. Bolsonaro também já afirmou que mulheres que decidem ser mães deveriam ganhar menos e, caso não estejam contentes, que busquem outro emprego;
  • Em 2016, durante o impeachment de Dilma, ele celebrou um torturador que inseriu baratas nas vaginas de mulheres, para mostrar que ele era “o terror”;
  • Em 2017, Bolsonaro afirmou que a sua única filha “veio uma mulher” porque ele deu “uma fraquejada”;
  • Em 2019, Bolsonaro em uma fala sexista e homofóbica, afirmou que o Brasil não poderia ser um país de turismo gay, mas que “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher fique à vontade”.

Por outro lado, Bolsonaro ataca constantemente a imprensa, um dos pilares da democracia, porém não é de se surpreender que jornalistas mulheres são o seu alvo preferido. 

Em 2018, ao se pronunciar sobre um furo de reportagem da jornalista da Folha Patrícia Campos Mello, que revelou a contratação de disparos em massa com fake news na campanha de 2018, Bolsonaro disse que ela ” queria dar um furo a qualquer preço contra mim”. A declaração, com os tweets do seu filho Eduardo Bolsonaro amplificaram os ataques misóginos que já estavam acontecendo no Twitter e em grupos de WhatsApp. 

No seu artigo, Chenoweth e Marks afirmam que, apesar da flagrante misoginia, autoritários e autocratas conseguem recrutar mulheres como protagonistas de seus movimentos políticos, como é o caso da Damares Alves e da primeira dama, Michelle Bolsonaro. 

Damares Alves promove discursos em que valoriza a maternidade e a família tradicional para obscurecer políticas desiguais de gênero. Já a Michelle Bolsonaro tem sido instrumental para tentar diminuir a rejeição do seu marido no eleitorado feminino — ela tem participado de comícios e convenções partidárias para promover a percepção que Bolsonaro se importa com as mulheres, ela chegou a afirmar que ele “sancionou 70 novas leis de proteção à mulher”. 

Porém, Bolsonaro sancionou 46 projetos, nenhum de autoria do seu governo, e vetou seis propostas que beneficiavam diretamente as mulheres, incluindo o trecho de uma lei que distribuiria absorventes de forma gratuita para pessoas em vulnerabilidade social. 

 

Fakes para demonstrar apoio feminino

 

O Bolsonarismo também usa as redes para demonstrar de forma artificial que as mulheres o apoiam. No dia seguinte ao debate presidencial (29/08), as hashtags #SouMulherEVotoBolsonaro e #MulheresComBolsonaro foram parar nos assuntos mais comentados do Twitter (Trending Topics).

Na visão do autoritário patriarcal, os homens não são homens de verdade, a menos que tenham controle sobre as mulheres em suas vidas. Bolsonaro, após ter o apoio incondicional da deputada Joice Hasselman, ao sentir que ela seria uma ameaça à sua liderança, cortou relações e, junto com a sua base, focou em atacá-la com mensagens e memes misóginos com referências à sua condição física. Diversas vezes em que Carla Zambelli se manifestou em coletivas com Bolsonaro, foi avisada para ficar quieta. Bolsonaro também demonstra controle sobre a primeira dama, Michelle, ao fazer insinuações sobre a vida sexual do casal.

 

Por que tanta raiva das mulheres?

 

Image

 

No último debate presidencial, a candidata Simone Tebet perguntou a Bolsonaro: “Por que tanta raiva das mulheres?” 

A resposta é simples: porque Bolsonaro odeia a democracia. Por mais que as mulheres brasileiras, e seus direitos, estejam sendo atacadas e ameaçadas, é preciso mais do que nunca reconhecer os seus esforços de resistência. É nelas que está a saída do Bolsonarismo.

Estudiosos da democracia muitas vezes enquadraram o empoderamento das mulheres como resultado da democratização ou mesmo como função da modernização e do desenvolvimento econômico. No entanto, como afirmam Chenoweth e Marks, as mulheres exigiram inclusão e lutaram por sua própria representação e interesses por meio de movimentos contenciosos de sufrágio e campanhas de direitos que, em última análise, fortaleceram a democracia em geral. 

Alguns, como o movimento pró-democracia do Brasil em meados da década de 1980, tiveram ampla participação feminina: pelo menos metade dos participantes da linha de frente eram mulheres. Atualmente, as mulheres são 52,7% do eleitorado brasileiro e assim podem ser decisivas na derrota não só do Jair Bolsonaro mas na derrota do bolsonarismo como um todo.

Se a história servir de guia, as estratégias autoritárias falharão a longo prazo. Como explicam Chenoweth e Marks, as feministas sempre encontraram maneiras de exigir e expandir os direitos e liberdades das mulheres, potencializando o avanço democrático no processo. 

Mas, no curto prazo, autoritários patriarcais descontrolados podem causar grandes danos, apagando conquistas que levaram gerações para serem alcançadas.

Colaboraram Natalia Viana, Yasodara Cordova e Laura Scofield

29
Ago22

Ataque machista de Bolsonaro a Vera Magalhães gera indignação entre jornalistas no debate entre presidenciáveis

Talis Andrade

Hackers fascistas invadem página de Mulheres Unidas Contra Bolsonaro no  Facebook - CTB

MISOGINIA

Abraji “exige que o presidente respeite as profissionais que trabalham na imprensa”

 

247 - O ataque misógino de Jair Bolsonaro contra a jornalista Vera Magalhães durante o debate entre presidenciáveis na noite deste domingo (28) gerou uma série de mensagens em solidariedade à jornalista por colegas da imprensa nas redes sociais.

Além de jornalistas, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) publicou uma nota exigindo “que o presidente respeite as profissionais que trabalham na imprensa”.

No momento do ataque, Bolsonaro não foi repreendido por nenhum dos candidatos homens presentes no debate. Simone Tebet reclamou dos ataques e ouviu de Bolsonaro: "não pedi sua opinião". Na rodada de perguntas que veio a seguir, a candidata Soraya Thronicke, do União Brasil, disse ao candidato à reeleição que não tem medo dele. 

Bolsonaro criticou a pergunta feita por Vera a ele com um ataque misógino: “eu não poderia esperar outra coisa de você. Eu acho que você dorme pensando em mim, você tem alguma paixão por mim”. 
 

“Você não pode tomar partido num debate como esse, fazer acusações mentirosas a meu respeito. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro”, disparou ainda.

Image

 

20
Ago22

Corregedoria decide não investigar juiz que defende golpe de Estado: a volta da ditadura

Talis Andrade

www.brasil247.com - Juiz federal Marlos Melek

Um juiz parceiro de empresários que pretendem financiar uma aventura golpista da extrema direita

 

A Corregedoria do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-PR) decidiu que não investigará o juiz federal Marlos Meleka pela participação dele em um grupo de WhatsApp pró-golpe. O magistrado estava entre os empresários bolsonarista que defenderam um golpe de Estado caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganha a eleição em outubro.

"Com as informações presentes, a corregedoria corporativista diz que não possui elemento objetivo para abrir procedimento disciplinar em relação ao magistrado" jura o órgão, em nota enviada à coluna de Mônica Bergamo, publicada nesta sexta-feira (19).

>>> Boulos: 'é preciso investigar a origem do dinheiro que financia o golpismo no País'

Entidades jurídicas enviaram nesta sexta um documento ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pedindo a investigação do juiz bolsonarista e golpista. 

Deputados federais do PT pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) que os responsáveis pela defesa de um golpe no Brasil sejam incluídos no inquérito das fakes news

O senador Randolfe Rodrigues (Rede) pediu ao Supremo a prisão dos empresários
 
 
 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub