Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

25
Dez21

Boric responde falas deselegantes de Bolsonaro: “Claramente, somos muito diferentes”

Talis Andrade

lula boné boric.jpeg

 

 

Por Carolina Fortes /Revista Forum

Jair Bolsonaro (PL) foi o último dos presidentes dos principais países da América Latina a se pronunciar sobre a eleição de Gabriel Boric no Chile. Ao ser questionado nesta sexta-feira (24) sobre os comentários do mandatário brasileiro e de seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), ao seu respeito, Boric respondeu: “Claramente, somos muito diferentes”.

Durante sua live semanal na quinta-feira (23), Bolsonaro afirmou que havia determinado ao Ministério das Relações Exteriores felicitar “o tal Boric”, após quatro dias de silêncio do governo sobre a vitória do esquerdista nas eleições presidenciais do Chile.

Já Eduardo Bolsonaro se mostrou contrariado com o resultado do pleito. No Twitter, escreveu que a proposta de Boric de elevar impostos para financiar políticas sociais é “algo muito parecido com o que prometiam Chávez e Maduro” na Venezuela.

bolsonaro trump.jpg

 

Ele também fez um post tentado se comparar com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que posou com o boné de Boric. “Quando vesti o boné do então presidente dos EUA fui criticado pela mídia, mesmo não sendo candidato a nenhum cargo do executivo. Por que o mesmo critério não se aplica a Lula, que faz campanha aberta para seus companheiros de Foro de SP e até usa boné de candidatos comunistas?”, questionou Eduardo.

Ao ser questionado sobre os comentários feitos por Bolsonaro e seu filho, Boric disse que “não havia visto, mas que analisaria depois”. “Não farei declarações destemperadas. Creio que em políticas de Estado é preciso ser um pouco mais cuidadoso. Claramente somos muito diferentes”, respondeu elegantemente.

_aroeira bolsonaro trump.jpg

 

 

Governo ignora presidentes eleitos democraticamente

Bolsonaro apostou todas as suas fichas na eleição do país vizinho em José Antonio Kast, um radical de extrema direita que, como ele, evocava o legado do general genocida Augusto Pinochet, que conduziu o país por 17 anos (1973 – 1990) sob uma sangrenta ditadura. Kast obteve apenas 44,1% dos votos, sendo derrotado por Boric, que conseguiu 55,9%.

Não é a primeira vez que o governo encabeçado por Bolsonaro dá esse tipo de vexame e ignora presidentes eleitos democraticamente só porque eles não pertencem à direita de seus países. Em 2020, o Brasil foi último país vizinho da Bolívia a saudar Luis Arce, um esquerdista que fez parte do ministério de Evo Morales. Já em 2019, a vítima da dor de cotovelo do presidente brasileiro foi Alberto Fernández, mandatário argentino, que não recebeu um telefonema ou telegrama de Bolsonaro.

No entanto, o mais conhecido dos papelões da diplomacia brasileira foi o atraso de 35 dias em reconhecer a vitória de Joe Biden na corrida eleitoral que levou o atual presidente norte-americano à Casa Branca. Notório fantoche nas mãos de Donald Trump, o subserviente Jair Bolsonaro embarcou nas maluquices do magnata derrotado na disputa à reeleição e passou a alardear a tal fraude eleitoral que nunca existiu.

Enquanto as redes de televisão e os jornais dos EUA reconheciam o democrata como o futuro chefe de Estado da maior potência militar e econômica do planeta em 10 de novembro, o líder extremista do Brasil só deu aval em 15 de dezembro para que um telegrama de boas-vindas fosse encaminhado a seu homólogo do norte.

 

Notícias relacionadas

21
Dez21

Derrota de Kast não significa o fim da ultradireita e da ameaça da contrarrevolução autoritária no Chile

Talis Andrade

Chile tem segundo turno polarizado e decisivo neste domingo (19) - Notícias  - R7 Internacional

 

 

por Jeferson Miola 

Assim como a derrota de Donald Trump nos EUA não representou o fim do trumpismo e a derrota do Bolsonaro no Brasil em 2022 não significará o fim do bolosonarismo, a derrota de José Antonio Kast no Chile também não representa o fim do “kastismo”, ou seja, da ultradireita engajada e radicalizada.

Enquanto no Brasil o contingente de ultradireitistas deverá ser proporcionalmente menor devido ao baixo desempenho que Bolsonaro deverá ter, ao redor de 20%, segundo as pesquisas, no Chile e nos EUA o efeito é o contrário. Tanto que as chances de Trump retornar ao poder em 2024 são uma assombrosa realidade.

Trump e Kast foram eleitoralmente bastante competitivos contra seus adversários Joe Biden e Gabriel Boric, perfazendo 46,9% e 44,1% dos votos, respectivamente.

Si ganho, ganho, y si pierdo, también gano” [Se ganho, ganho; e se perco, também ganho], declarou Kast horas antes do escrutínio que confirmou a vitória de Gabriel Boric/Frente Ampla com uma margem de 11,7%.

O ponto de partida de Kast não é a comparação com seu opositor direto, por quem foi derrotado, mas o desempenho dele [1] em relação a ele mesmo na eleição presidencial de 2017, quando concorreu pela primeira vez ao cargo como candidato independente, e [2] em relação à campanha do plebiscito para decidir a convocação de processo constituinte para escrever uma nova Carta constitucional para o país. No plebiscito, ele foi o principal líder e grande artífice da campanha “Rechazo”, contra a Constituinte.

Kast é a principal e mais carismática liderança da ultradireita chilena. Com sua falsa retórica antissistema e antipolítica, ele passou a ocupar progressivamente o lugar da direita tradicional e provocou a direitização da política – fenômeno contemporâneo, aliás, observável mundialmente, que combina ascenso da extrema-direita a partir da disseminação de anti-valores dantescos.

No Chile, portanto, em que pese a dinâmica virtuosa do progressismo, da centro-esquerda e da esquerda tanto no processo constituinte como na eleição de Gabriel Boric, a ultradireita não está em declínio, como parece à primeira vista.

Ao contrário disso, os dados evidenciam que este campo ideológico tem tido uma audiência crescente na sociedade chilena, como mostra o desempenho ascendente de Kast nos três últimos pleitos:

miola-kast

O desempenho eleitoral dele na eleição encerrada em 19 de dezembro não deixa de ser surpreendente.

Os 3.649.647 votos obtidos o colocam como um pretendente altamente competitivo na disputa pelos rumos do Chile, conforme quadro abaixo. Ele teve uma votação superior a de Piñera em 2009 e a de Bachelet em 2013, e ficou muito próximo de todos demais presidentes eleitos no país desde o último período de governo do ditador Pinochet.

miola-kast

Kast pertence a uma família vinculada ao nazismo e colaboracionista do terror de Estado da ditadura Pinochet. Ele tem uma capacidade mental e intelectual, visão programática e articulação orgânica internacional muito superior a Bolsonaro.

Nesta perspectiva, portanto, ele representa uma ameaça tão ou mais grave à democracia e, também, um perigo equivalente do ponto de vista da propagação regional e internacional desta vertente fascista.

Em setembro de 2022 o Chile terá nova decisão da soberania popular; será a terceira em três anos. Com o término dos trabalhos da Constituinte, se realizará o referendo para que o povo chileno decida a respeito da nova Constituição.

O quórum para aprovar a nova Carta constitucional que sepultará o arcabouço pinochetista vigente desde 1980 é de maioria simples – 50% dos votos mais um.

Kast terá papel central neste referendo;  será um combatente da maior grandeza contra a nova Constituição. Será o ator mais tenaz na defesa da velha ordem para impedir que o novo tempo se imponha no Chile.

No domingo passado, quando a apuração evidenciou que a vitória de Boric estava selada, Kast contrariou as expectativas criadas na reta final da campanha com ameaças de virar a mesa. Além de se comunicar telefonicamente com Boric para reconhecer o resultado, ele também foi saudá-lo pessoalmente no bunker da Frente Ampla.

Este gesto pode dizer mais do que a súbita e nada crível conversão de Kast ao republicanismo e à democracia. Este simulacro de civilidade política pode ser produto de cálculo programático para fidelizar o impressionante eleitorado cativado com sua retórica monstruosa.

Se repetisse a truculência de seus homólogos fascistas – Trump, Bolsonaro, Keiko Fujimori – Kast veria parte considerável deste eleitorado se esfumaçar num passe de mágica.

Kast se considera um ganhador em relação à estratégia que ele acalenta de conquista do poder no Chile para promover a restauração do Estado ultraliberal mantido através do terror.

revolução democrática no Chile, que se encontra diante de duas transições, tem um sujeito histórico à espreita para tentar, de todas as maneiras, uma contrarrevolução autoritária.

 

21
Dez21

Para Damares, quem não milita na extrema direita é comunista

Talis Andrade

maça vermelha governo damares.jpg

 

 

O Ministério Público Federal (MPF) abriu um inquérito civil para investigar a baixa execução do orçamento do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, comandado pela ministra Damares Alves.

O inquérito instaurado pelo MPF se dá após uma série de pedidos de informações nos últimos dois anos.

A ministra que viu Jesus em uma goiabeira, passa o tempo a fazer politicagem. E anda preocupada com o comunismo imaginário. 

Está pra lá de triste com a derrota do 'Bolsonaro do Chile' nas eleições presidenciais, e para o gado de estimação fez publicar o seguinte mapa:

américa comunista.jpeg

damares macumba.jpg

Image

Image

Paulo RJ
@hospicio_brasil
Não conheço o autor da ideia, mas achei genial.
Image

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub