Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

14
Set22

“O Negócio do Jair”, de Juliana Dal Piva, pode ser a pá de cal na reeleição de Bolsonaro

Talis Andrade

 

 

O livro é um documento histórico estarrecedor, que revela com detalhes as operações financeiras do clã Bolsonaro

 

O livro “O Negócio do Jair - A história proibida do clã Bolsonaro”, da jornalista Juliana Dal Piva, lançado nesta segunda-feira (12), é o trabalho de uma vida. Antes que se diga qualquer coisa, é bom lembrar que é digno de qualquer prêmio jornalístico que apareça pela frente. Sem exageros, está para o Brasil como está para os EUA a série de reportagens que Bob Woodward e Carl Bernstein fizeram na década de 70, para o Washington Post, sobre o caso Watergate, que culminou com a queda do presidente Richard Nixon.

Image

É um livro que, a depender da repercussão, pode vir a ter o mesmo efeito demolidor nas eleições presidenciais da famosa entrevista que o jornalista Luís Costa Pinto fez, em 1992, com Pedro Collor, em que ele faz acusações ao irmão, o então presidente Fernando Collor de Mello.

Algum incauto pode dizer que o livro de Dal Piva não traz nada de novo, o que de fato é verdade. Mas é bom não esquecer que tudo – ou quase tudo, que é revelado ali, foi descoberto pela própria jornalista e colegas devidamente creditados e contado em reportagens ao longo dos últimos anos.

A jornalista perfila os fatos com uma claridade irrefutável.

 

Documento para ler e guardar

 

“O Negócio do Jair” é, sobretudo, um documento histórico para ler, anotar e guardar como a memoria de um tempo paupérrimo da nossa política. O livro desvenda um esquema aparentemente medíocre e comezinho feito a partir de contratações de contraparentes, amigos policias e parentes de amigos policiais que levantou milhões e milhões de reais para o clã Bolsonaro.

Além de aplausos, Dal Piva merecia bem um detox após a conclusão da obra. Há três anos ela persegue e investiga todo e qualquer fato ou pessoa que possa ter ligação com o esquema das “rachadinhas” que explodiu no colo de Flávio Bolsonaro. Um esquema que, como diz o texto de divulgação do livro, envolve gabinetes funcionais ocupados pela família de Bolsonaro em seus mandatos políticos, seja de vereador, deputado estadual ou federal, e envolvia seus três filhos mais velhos, as duas ex-esposas e a atual, amigos, familiares.

 

Cada centavo investido 

 

A jornalista revela em detalhes cada casa, apartamento, enfim, cada bem comprado pelo clã esmiuçado em centavos. Todos pagos comprovadamente da maneira como de fato foram, ou seja, em dinheiro vivo, cheque administrativo, transferência bancária, com ou sem comprovação de renda e declaração na Receita.

Juliana Dal Piva consultou milhares de documentos desde a década de 90, pegou chuva e sol na porta de envolvidos, ouviu fontes declaradas e anônimas e, três anos depois, entregou um dossiê impecável. Nele, além de desvendar todo o esquema, ainda mostra o passo a passo do peso da caneta de Bolsonaro para desmontar as acusações contra o primogênito, tanto no Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) quanto no próprio Supremo Tribunal Federal (STF).

No final das contas, apesar do desalento com a anulação das provas contra Flávio no STF, Juliana deixa claro e cristalino feito água que, assim que encerrar o mandato presidencial de Bolsonaro, o castelo de cartas do clã desmorona.

 

O elogio de Queiroz

 

O livro termina no momento em que tanto Flávio Bolsonaro quanto Fabrício Queiroz voltam a se movimentar com desenvoltura pelos escaninhos da política. O senador coordenando a campanha do pai e com uma mansão de R$ 6 milhões recém-comprada em uma área nobre de Brasília. O outro, ex-segurança, ex-motorista e ex-operador do esquema das “rachadinhas”, preparando sua candidatura à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Neste interim, a jornalista afirma ter perguntado a Queiroz a que partido pretendia se filiar. Ela mesma conta a história que, apesar do tom de deboche do ex-policial, não deixa de revelar uma profunda verdade: “ele me escreveu uma mensagem no WhatsApp dizendo que tinha prometido à família que nunca falaria comigo devido às minhas reportagens desde 2019. Apesar da promessa, ele ainda disse: ‘Você é terrível, Ju. Boa jornalista. Faz bem seu trabalho’”.

"A mensagem irônica", prossegue Juliana, "me soou como uma admissão tácita de tudo que foi reportado até aquele momento".

[Este correspondente considera que "a mensagem irônica" do matador Queiroz "soou" como uma ameaça de morte. Queiroz foi parceiro de assassinato do seu superior, na Polícia Militar do RJ, Adriano Magalhãe da Nóbrega, hoje arquivo morto. Nóbrega empregou mãe e esposa no gabinete de Flávio Bolsonaro, deputado estadual. Queiroz era ou continua parte do Escritório do Crime, milícia do Rio das Pedras, RJ. 

Após 500 dias, ex-assessor de Flávio Bolsonaro não explica a | Geral 

Que Juliana fique atenta ao vocabulário miliciano] 

23
Jul22

Casos Pedro Guimarães e Marcelo Arruda motivaram dois suicídios: mortes geram suspeitas de queima de arquivo

Talis Andrade

Charge do Zé Dassilva: Dress code | NSC Total

 

Imediatamente após a morte do diretor da Caixa, internautas subiram hashtag com suspeitas sobre os dois casos; veja aqui

 

por Julinho Bittencourt /Revista Forum

 

Primeiro foi o suicídio do segurança da Itaipu Binacional, Claudinei Coco Esquarcini, que é responsável pela instalação e manutenção dos sistemas de monitoramento da Associação Recreativa e Esportiva da Segurança Física (Aresf), onde ocorreu o assassinato do petista Marcelo Arruda pelo bolsonarista Jorge Guaranho.

Ele se jogou do alto de uma ponte no município de Medianeira (PR) neste domingo (17). O corpo foi encontrado e a causa mortis é "violenta - queda de plano elevado", segundo o obituário obtido pela Fórum.

 

Morte na CaixaO ídolo | A Gazeta

Depos disso, foi encontrado morto na noite desta terça-feira (19), no edifício-sede da Caixa, na região central de Brasília, o diretor de Controles Internos e Integridade da Caixa, Sérgio Ricardo Faustino Batista. A suspeita é de suicídio.

O corpo de Faustino, cuja diretoria é encarregada da investigação de assédio sexual contra o ex-presidente da instituição, Pedro Guimarães, foi encontrado na área externa do prédio por vigilantes que estavam de plantão.

Pedro Guimarães

25
Dez21

Sociedade Brasileira de Pediatria defende em manifesto vacinação de crianças

Talis Andrade

www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

A entidade afirma ainda que as mortes da população pediátrica por covid-19 não estão "em patamares aceitáveis. Infelizmente, as taxas de mortalidade e de letalidade em crianças no Brasil estão entre as mais altas do mundo”

 

Por Julinho Bittencourt /Revista Forum

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) defendeu, em manifesto divulgado nesta sexta-feira (24), a vacinação de crianças de 5 a 11 anos. Além disso, a entidade disse que as mortes da população pediátrica por covid-19 não estão “em patamares aceitáveis”

No texto, a SBP pede pela “urgente implementação de estratégias” para reduzir risco de complicações, hospitalizações e mortes do público infantojuvenil pela doença.    

“Ao contrário do que afirmou recentemente o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o número de hospitalizações e de mortes motivadas pela covid-19 na população pediátrica, de forma geral, incluindo o grupo de crianças de 5-11 anos, não está em patamares aceitáveis”, diz o manifesto da SBP. “Infelizmente, as taxas de mortalidade e de letalidade em crianças no Brasil estão entre as mais altas do mundo”, diz o texto.

 

Alto número de mortes

A instituição destacou ainda que, desde o início da pandemia, 2.500 pessoas de zero a 19 anos morreram por conta da doença, mais de 300 delas confirmadas no grupo de 5 a 11 anos. 

A sociedade também cita as sequelas do quadro. A SBP apontou que há mais de 1.400 casos confirmados de Síndrome Inflamatória Multissistêmica (quadro grave de tratamento hospitalar, que se manifesta semanas após a infecção) em crianças, com mediana de idade de 5 anos. Ao menos 85 morreram por complicações neurológicas, cardiovasculares e respiratórias da síndrome, indicou.

A vacinação se apresenta como alternativa, de acordo com a entidade, para “controle e prevenção destes desfechos da doença e que está ao alcance dos responsáveis pelas políticas públicas de saúde do nosso País”. O imunizante, continua o manifesto, apresentou “elevada eficácia” nos estudos clínicos e nos testes no mundo real. 

“O Brasil se encontra diante de hospitalizações, sequelas e mortes que são passíveis de prevenção em sua grande maioria”, destacou. “Ignorar este fato, minimizar sua importância e afirmar que elas são aceitáveis não são atitudes esperadas das autoridades. A sociedade espera e merece outro tipo de postura e de compromisso com a saúde das crianças e adolescentes do Brasil”, finalizou.

Com informações do Estadão

www.brasil247.com - { imgCaption }}

18
Nov21

Moro bolsonarista arrependido coloca bolsonarista arrependida acusada de corrupção na coordenação da sua campanha

Talis Andrade

pimentel bolsonarista.jpg

Fazendo arminha à Bolsonaro

 

 

 

 Sergio Moro escolheu para conselheiro econônico Affonso Celso Pastore, que presidiu o Banco Central entre set/1983 e mar/1985, nos tempos de chumbo da ditadura militar que começou em 1964. 

E colocou como coordenadora de sua pré-campanha à Presidência a deputada federal Dayane Pimentel (PSL-BA), acusada em 2019 pelo vereador David Salomão, do PRTB de Vitória da Conquista (BA), entre outras coisas, de ter desviado R$ 483 mil da verba partidária para sua campanha, ficando ela com a maior parte do dinheiro.

A própria deputada deu a notícia da coordenadoria da campanha em sua conta do Twitter. Veja abaixo:

Várias acusações

Dayane, que na época era presidente do PSL baiano, também foi acusada de ter lançado uma candidata laranja para atingir a cota feminina de 30% determinada pela legislação eleitoral.

A ficha corrida de ilícitos dos quais Dayane Pimentel foi acusada é longa. Ela também foi investigada ao lado do marido, Alberto Pimentel, em 2019, de ter feito postagens em suas redes sociais em que aparecem com escopetas e pistolas.

A justificativa malandra foi dada após a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) receber um ofício encaminhado por vereadores de Salvador, que alegam que o secretário e a mulher incitaram uso de armas de fogo.

‘Ensaio fotográfico’

pimentel.jpg

 

'Garota propaganda'

Na época, a deputada e o marido declararam por meio de nota, que, a respeito das fotos publicadas nas redes sociais, “tratou-se exclusivamente de um ensaio fotográfico que serviu de base para enfatizar seu posicionamento em defesa ao porte e/ou à posse de armas para a legítima defesa de cidadãos de bem”.

‘Traidora nível hard’

Eleita em 2018 na onda bolsonarista, a deputada rompeu com o presidente em 2019, um ano após sua eleição, por não aceitar a articulação para indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro para assumir a liderança do PSL na Câmara.

Em setembro deste ano, ao participar de uma manifestação contra o governo de Bolsonaro, ela foi chamada por Eduardo Bolsonaro de “traidora nível hard”. Na imagem, postada por ele, a parlamentar aparece ao lado do chefe do Executivo, de mãos dadas com ele. No seu rosto Dudão colocou um alvo. Veja abaixo:

 

05
Fev21

Pedro Serrano destrói argumentos de Rosângela Moro para esconder mensagens do marido com procuradores

Talis Andrade

Resultado de imagem para lava jato espionagem charges

 

Por Julinho Bittencourt

O jurista afirma, com exclusividade à Fórum, que com um juiz imparcial e procuradores técnicos e não partidários, o processo contra Lula nem existiria

O jurista e professor de Direito Constitucional da PUC-SP, Pedro Serrano, destruiu um por um os argumentos de pedido da advogada Rosangela Moro ao Supremo Tribunal Federal (STF). A esposa do ex-juiz Sérgio Moro solicitou, nesta quarta-feira (3), ao ministro Edson Fachin que seja revogada a liminar do ministro Ricardo Lewandowski que deu à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acesso à troca de mensagens entre Moro e procuradores da Lava Jato.

Em conversa exclusiva com a Fórum, nesta quinta-feira, Serrano afirmou que, ao contrário do que diz a cônjuge do ex-juiz, há sim prova de autenticidade das mensagens. “A Polícia Federal atesta que não houve adulteração no HD entregue, o que é, pelo menos uma parte da veracidade demonstrada”.

No pedido, Rosângela Moro destaca que as conversas divulgadas não demonstrariam que Lula ‘não é culpado pelos crimes pelos quais foi condenado’ ou que a Lava Jato ou Moro agiram com ‘motivações políticas’ ou ‘animosidade pessoal’ contra Lula.

Para o jurista, “existe sim, farta prova de que houve motivação política. São diversos os trechos em que eles comemoram o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef”. Serrano lembra ainda de uma foto do ministro Teori Zavascki onde os procuradores brincam entre eles, “colocam chapéu e camiseta do PT no ministro do STF de forma jocosa”.

“Claramente eles demonstram animosidade pessoal e motivação política contra o Lula e o PT. Então ela está evidentemente equivocada nisso. Há uma evidente animosidade política e pessoal contra Lula”, lembra o jurista.

Juízo Imparcial

Além disso, Serrano ressalta ainda que “as gravações não têm que demonstrar que Lula é culpado ou inocente. Elas demonstram claramente que não havia juízo imparcial, portanto, não há prova válida produzida no processo. Ao demonstrar que não há juízo parcial, elas demonstram que não houve prova no sentido jurídico da acepção produzida no processo”. O professor ressalta ainda que “só há prova, no sentido jurídico da acepção da palavra ‘prova’ quando ela é produzida perante um juízo imparcial, o que não foi o caso”.

Ele ressalta que, de acordo com uma simples leitura do caso, “Moro aceitou como prova o que não é prova. E isso ocorreu porque ele não era um juízo imparcial, como demonstram as gravações. Se fosse um juízo imparcial, ele reconheceria que não há prova contra Lula, por exemplo, no caso”.

“Ela fala que não há prova da inocência de Lula. Ora, a maior prova da inocência de Lula é que o juízo não era imparcial e isso tá demonstrado nas gravações. Lula tem direito a que as provas apresentadas pelo MP sejam avaliadas por um juízo imparcial pra ver se elas são realmente prova contra ele. A minha avaliação como advogado é que elas não são suficientes para provar crime nenhum praticado por Lula. Acho que só houve a condenação de Lula porque o juízo foi imparcial com relação a ele. O juiz de qualquer forma queria a condenação dele e isso tá demonstrado nas gravações”, afirma.

Sobre a afirmação da advogada de que as gravações não provam a inocência de Lula, Serrano diz: “como que você prova a inocência de alguém que é inocente? É impossível. O que ela quer realmente é algo impossível, é teratológico. O que há ali é a prova de que o juízo era imparcial e, por ser imparcial, ele aceitou uma condenação sem provas”.

Nem haveria processo

Sem meias palavras, Pedro Serrano ressalta: “o que Lula tem direito é ser julgado por um juiz imparcial. É que o Ministério Público apresente novamente seu pedido e suas provas perante um juiz imparcial. Aliás, ele tem direito, vou dizer mais, tem direito a membros do MP que atuem como tal sem parcialidade política, como a que eles atuaram. Que não sejam militantes políticos como o que eles foram”.

Ao final, o jurista afirma ser necessário, “com procuradores técnicos e não partidários, verificar se eles, com o que existe no processo, ofereceriam uma denúncia. Eu creio que não. Provavelmente nem haveria processo contra Lula se estivesse o caso na mão de procuradores técnicos e não partidários”, encerra.

Publicado originalmente na Revista Fórum /PRERRÔResultado de imagem para lava jato espionagem charges

 
 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub