Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

13
Fev21

A confissão do general

Talis Andrade
19
Set19

Neofascismo latinoamericano

Talis Andrade

 

fascismo__marian_kamensky.jpg

 

 

 

 

 

 

La derecha latinoamericana falta siempre de imaginario, repite y repite una y otra vez el mismo guion, indudablemente, en ocasiones con éxito, sobre todo, cuando para sus actos cuenta con el apoyo abierto y directo del imperialismo estadounidense, mírese la historia nuestra para dar prueba de ello, los golpes de estado efectuados por los conservadores, las dictaduras establecidas durante décadas, la propaganda manipuladora y mentirosa que en ocasiones logra su cometido y seduce a las masas sin preparación política, pero también y, esto es algo que no suele verse en toda su dimensión incluso en la propia izquierda, cuando las acciones de la derecha se enfrentan a pueblos organizados, concientizados y fortalecidos por asumir como suyo el proyecto social que lo preside, a la larga resulta ser para la derecha un fracaso insalvable, de lo anterior baste hablar de la gesta heroica del pueblo cubano, que con todo y la agresión imperialista de primera orden, ha logrado dignificarse y construir las bases para el socialismo en plena frontera con el país capitalista por antonomasia.
 

La derrota que se consuma en Venezuela para la derecha neofascista de las últimas décadas en Latinoamérica, responde a lo anterior, la República Bolivariana de Venezuela y su gobierno social que evoca al socialismo como ideal-meta y que para ello ha reformulado preceptos, ideas, formas organizativas de base y de masa, estructuras económicas y subsanado en gran medida el rezago histórico del pueblo, a podido frenar cada una de las agresiones imperialistas por la fuerza que significa para el pueblo su unidad, conciencia y adhesión al ideal bolivariano. La unidad fortalecida por la defensa de la soberanía y de los avances revolucionarios, han cohesionado con mayor tesón, a los partidarios del chavismo y sus actuales dirigentes. La heroica defensa de su patria es para el resto de Latinoamérica una muestra fidedigna de la posibilidad de frenar las agresiones sin razón de la avaricia y soberbia, y una proyección futura de la emancipación clamada para una liberación definitiva. Venezuela junto a Cuba son el talón de Aquiles de los neofascistas de latinoamericanos.

La descomposición del proyecto de usurpación neofascista, o mejor dicho, la falta de un verdadero proyecto para gobernar, muestra en la actualidad a la derecha venezolana desgastada y dividida, obligada a sentarse en la mesa de negociaciones y comenzando a desconocer a sectores extremistas como el dirigido por Juan Guaidó. Pero, por el otro lado, la derecha tendiente al fascismo, se muestra más beligerante, amenazadora y urgida de consumar sus intereses. Eso la convierte en una derecha tres veces más peligrosa, cuando las propias formas se pierden y se cae en la desesperación, las medidas asumidas son mucho más dañinas para los sectores populares, como ejemplo podemos citar la propia solicitud de activación del TIAR, un tratado que pudiera conducir a la invasión militar en Venezuela, solicitado por los golpistas en la asamblea de OEA, solicitud que también es muestra de ilegalidad, pues los golpistas como Guaidó, no son representantes oficiales de Venezuela ni siquiera en su propia casa.

Las imágenes difundidas de Guaidó junto a paramilitares colombianos confirman la norma habitual, los golpistas bajo el apoyo y descaro de los Estados Unidos, buscan siempre aglutinar a los sectores más oscuros y conservadores de las naciones para generar desestabilización, el apoyo de gobiernos como el colombiano, el brasileño y el chileno, son eso, la unión de los sectores más oscuros de Latinoamérica y su puesta en confabulación para provocar daños irreparables a la región, la insistencia en poner piedras a las buenas relaciones entre gobiernos, las acusaciones a la República Bolivariana de Venezuela por parte de Colombia y Chile, quieren simplemente abrir camino a la guerra, las invasión y la muerte. A esto hay que sumarle la pérdida de popularidad de los gobernantes neofascistas, sus pueblos van poco a poco despertando y reclamando un re-direccionamiento político y la salida ya de esos gobiernos anti-populares, muy al contrario, las fuerzas progresistas de la región comienzan un lento reacomodo para volver a la luz pública con mayor fortaleza, Nicolás Maduro, presidente de Venezuela, goza mayor popularidad en la patria de Bolívar justamente por sus actos a favor de su pueblo.

El neofascismo es real, las exclamaciones de nostalgia sanguinaria a favor de las dictaduras de Jair Bolsonaro, no son para nada juegos o suspiros de un descabellado, son el verdadero y profundo pensamiento que aún existe entre los explotadores, las clases oligarcas y los políticos conservadores, las actitudes de la ultra-derecha mexicana que pide incluso magnicidios y muchos otros ejemplos cotidianos, deben servir como catapulta para la profundización de la organización de las masas trabajadoras y de los sectores populares para defender la patria, la dignidad y los proyectos políticos progresistas. La lección histórica es clara, sin conciencia de clase los trabajadores y las trabajadoras, junto a las grandes masas de nuestras sociedades, podrían quedar condenadas nuevamente a largas noches de penumbra social. La unidad, la integración, la conciencia y el socialismo deben reforzarse y profundizarse para hacer frente a las expresiones neofascistas latinoamericanas.

 

14
Mai19

Revelações de procurador dos EUA provam que procuradores da Lava Jato cometeram crime de lesa-pátria

Talis Andrade

pode sair moro debaixo bandeira estados unidos.jpe

Moro-USA- bandeira.jpg

 

por Jeferson Miola

___

O Procurador Daniel Kahn, do Departamento de Justiça [DoJ] dos EUA, chefia a área de investigação de corrupção fora dos EUA.

A existência da “área de investigação de corrupção fora dos EUA” seria algo esdrúxulo não fosse o papel que a potência imperial se autoproclama [ao estilo Juan Guaidó], de xerife internacional; de Nação que concede a si mesma o direito à jurisdição extraterritorial para concretizar seus interesses geopolíticos, militares ou econômicos onde quer que seja.

O procurador do DoJ mantém operoso relacionamento com os procuradores da Lava Jato. Em entrevista publicada pelo jornal Estado de São Paulo sábado, 11/5/2019 [aqui], Daniel Kahn fez revelações que provam que operadores da Lava Jato cometeram crime de lesa-pátria.

O procurador dos EUA não poupa elogios à “cooperação” da turma da Lava Jato e expressa sua gratidão por isso: “[…] estamos muito, muito gratos pela oportunidade de trabalhar com os brasileiros”. Ele também enaltece a submissão total dos capachos de Curitiba: “Tem sido uma das parcerias mais fortes que poderíamos ter com uma autoridade estrangeira”.

Em tom positivo, Daniel Kahn afirma que “A confiança entre nossos países é algo que se desenvolve trabalhando juntos pelo tempo que temos trabalhando juntos e vendo que ambos estamos trabalhando pelas razões certas”. Beatriz Bulla, a Correspondente do Estadão que entrevistou o funcionário estadunidense esqueceu-se de esclarecer qual o significado para a afirmação de que o DoJ e a Lava Jato estão “trabalhando pelas razões certas”.

O procurador dos EUA deixa claro que instruções judiciais e procedimentos legais das investigações são descumpridos e manipulados. O funcionário norte-americano revela inclusive que o DoJ escolhe o procurador brasileiro mais “adequado” para executar os serviços em cada caso. É uma espécie de Guantánamo da Lava Jato:

O que é útil no relacionamento, em termos de aspecto positivo, é: como temos um relacionamento bom e forte, podemos chamá-los e dizer se há evidências do que estamos procurando e vice-versa. O que geralmente isso permite é agilizar o processo de obtenção da prova do que se feita de uma maneira mais formal. O bom disso é que, se pudermos ter uma conversa antecipada, podemos começar reunir informalmente a coleta de provas e, em seguida, quando enviamos a solicitação formal, podemos encaminhá-la a um promotor específico no Brasil e eles podem encaminhá-la a um promotor específico aqui. Então, isso funciona muito bem”.

Perguntado sobre os motivos para o DoJ atuar na Lava Jato, o funcionário norte-americano citou os interesses nacionais – dos EUA, naturalmente:

Sempre que estamos analisando um caso, temos de determinar quais são os interesses dos EUA. Então, se olharmos para a própria Petrobrás, é uma empresa brasileira de petróleo, com funcionários brasileiros trabalhando para ela, que estava sendo usada para pagar várias autoridades brasileiras, mas a própria Petrobrás também é uma empresa de capital aberto nos EUA. Há vários acionistas americanos comprando ações da Petrobrás sob falsos pretextos e vítimas de fraudes que estavam sendo realizadas”.

justiça midia pig themis deus da justiça.jpg

lava jato intermacional apenas para investigar emp

lava jato apenas investiga governos progressistas.

Lava Jato Internacional e o Primeiro Mundo não investigam empresas dos Estados Unidos e da Europa que pagam subornos nos países do Terceiro Mundo

 

 

Daniel Kahn confia na continuidade da “cooperação” com a turma titular da Lava Jato:

O lado positivo é que em nosso país os promotores são promotores de carreira, por isso não mudamos de governo para governo. Minha impressão é de que pelo menos os promotores com os quais estamos lidando permaneceram constantes durante o período. Assim, mesmo onde possa haver mudanças em certas posições de liderança, ainda mantemos o forte relacionamento com os promotores que estamos trabalhando nos casos do dia a dia.

Ele aposta na continuidade desse relacionamento “profícuo”, por assim dizer, e sugere a existência de outras operações em outros países em “parceria” com o Partido da Lava Jato:

Posso dizer que ainda temos um relacionamento extraordinário com os promotores brasileiros e estamos trabalhando em vários casos em vários países e regiões. Não acho que seria surpreendente se aparecer outro caso envolvendo o Brasil. Mas além disso eu provavelmente não deveria dizer com qual país estamos trabalhando agora”.

Não é novidade que a Lava Jato foi concebida no eixo Curitiba/Brasília-Washington e é executada em coordenação fina com os Departamentos de Justiça e de Estado dos EUA, que aportam conhecimentos, estratégias e tecnologias aos funcionários públicos brasileiros envolvidos na Operação. A entrevista do procurador do DoJ deixa isso muito claro.

Segundo as normas brasileiras, entretanto, tal “cooperação” do Partido da Lava Jato com os EUA é ilegal e inconstitucional, pois nunca existiu formalidade do Poder Executivo brasileiro, que tem a competência privativa para firmar convênios e protocolos com outros países.

Não existe nenhum acordo formal, e tampouco mandato legal, que ampare o intercâmbio dos agentes da Lava Jato com agentes dos EUA para o fornecimento de documentos, informações, dados estratégicos e sigilosos, como processos judiciais cobertos por segredo de justiça.

O relacionamento da Lava Jato com os EUA, portanto, é uma associação secreta e clandestina que trai os interesses nacionais e causa graves lesões ao país e à sua ordem econômica e social.

A Lei 1.802/953, que define os crimes contra o Estado e a Ordem Política e Social, tipifica como crime:

Art. 26. Fornecer, mesmo sem remuneração, à autoridade estrangeira, civil ou militar, ou a estrangeiros, informações ou documentos de caráter estratégico e militar ou de qualquer modo relacionados com a defesa nacional.

[…]

Art. 34. É circunstância agravante, para os efeitos desta lei, quando não fôr elementar do crime:

  1. a) a condição de funcionário público, civil ou militar, ou de funcionário de entidade autárquica ou paraestatal;
  2. b) a prática do delito com ajuda, ou subsídio de Estado estrangeiro, ou organização estrangeira ou de caráter internacional.

Parágrafo único. Constitui agravante, ou atenuante, respectivamente, a maior ou menor importância da cooperação do agente do crime, e seu maior ou menor grau de discernimento ou educação”.

É razoável supor que o agravante previsto no inciso [b] do Artigo 34 fica caracterizado no crime de desvio de R$ 2,5 bilhões das multas da Petrobrás para criar a fundação [batizada por Lula como Fundação Criança Esperança do Deltan Dallagnol] do Estado paralelo do Partido da Lava Jato.

A Lei 7.170/1983, que define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, também explicita os crimes de lesa-pátria perpetrados pelos agentes da Lava Jato:

Art. 13 – Comunicar, entregar ou permitir a comunicação ou a entrega, a governo ou grupo estrangeiro, ou a organização ou grupo de existência ilegal, de dados, documentos ou cópias de documentos, planos, códigos, cifras ou assuntos que, no interesse do Estado brasileiro, são classificados como sigilosos.

Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.

Parágrafo único – Incorre na mesma pena quem:

I – com o objetivo de realizar os atos previstos neste artigo, mantém serviço de espionagem ou dele participa;

[…]

III – oculta ou presta auxílio a espião, sabendo-o tal, para subtraí-lo à ação da autoridade pública;

IV – obtém ou revela, para fim de espionagem, desenhos, projetos, fotografias, notícias ou informações a respeito de técnicas, de tecnologias, de componentes, de equipamentos, de instalações ou de sistemas de processamento automatizado de dados, em uso ou em desenvolvimento no País, que, reputados essenciais para a sua defesa, segurança ou economia, devem permanecer em segredo”.

 

02
Mai19

A derrota moral de Guaidó, Bolsonaro e Trump

Talis Andrade

venezuela guaidoeuaEneko.jpg

 

 

Por Paulo Moreira Leite

É possível que o fiasco inesquecível de Juan Guaidó, 30 de abril, venha a ser lembrado como uma reprise da invasão da Baia dos Porcos, em 1961.

Não custa lembrar: há 58 anos, a CIA organizou um grupo de adversários de Fidel Castro para invadir Cuba na esperança de produzir um levante popular capaz de derrubar um regime recém-instaurado.

Foram derrotados em 72 horas.

Num comportamento particularmente notável quando se considera o grau de sofrimento imposto aos venezuelanos pelos embargos orientados por Washington, a indiferença da população aos apelos de lideranças que imaginavam que bastaria acender uma faísca no palheiro para incendiar o país mostra um dado essencial.

Além das anedotas e trapalhadas que ilustram todas as narrativas dos vexames políticas, o fiasco confirma que os adversários do chavismo estão muito longe de representar uma alternativa confiável aos olhos da maioria dos venezuelanos.

Por essa razão, e nenhuma outra, a derrota de La Carlota terminou da mesma forma que as missões humanitárias que representaram a primeira iniciativa de Guaidó para desestabilizar o governo Maduro, no início do ano.

O detalhe é que, desta vez, o mentor de Guaidó, Leopoldo Lopez, que vivia no país sob o regime de prisão domiciliar, chegou a participar dos primeiros lances da operação até que, ao confirmar-se o fracasso, pediu refugio numa embaixada.

Lembrando a noção de que a história é uma tragédia condenada a se repetir como farsa, desde ontem a pergunta é saber como o império pretende agir daqui para a frente.

Do ponto de vista dos valores construídos pela humanidade ao longo de séculos, o correto seria conhecer o princípio da autonomia dos povos e a soberania das nações, para permitir que os venezuelanos seguissem seu caminho como achassem melhor.

Seria bom para todos, inclusive para a parcela da população dos Estados Unidos que não recebe os benefícios proporcionados pelo domínio imperialista sobre o planeta.

Descartando-se essa hipótese, cabe reconhecer que o domínio sobre a Venezuela segue um objetivo estratégico de Washington, incansável em seu esforço para tentar recuperar o controle das imensas riquezas naturais do país, perdido depois que Hugo Chávez rompeu com a velha acomodação da oligarquia com os mercados externos para construir um projeto autônomo de exploração do petróleo, distribuindo boa parte de seus lucros para a população mais pobre.

A lição menos visível e mais importante dos episódios de ontem é moral e é política.

Diz respeito a liderança do chavismo, em particular das Forças Armadas, e envolve questões que vão além da qualidade de seus equipamentos.

Consiste em reconhecer a comprovada dificuldade para se cooptar e/ou corromper os comandantes militares venezuelanos, de modo a que tenham interesse em garantir seu conforto pessoal em troca da traição aos compromissos históricos com seu país e seu povo.

Versões na linha do "estava tudo combinado com Maduro, que desistiu na última hora por causa dos russos" não merecem um fiapo de credibilidade.

São desculpas risíveis de mau perdedor, obviamente.

Mas confirmam que tentativas de aproximação foram feitas ou pelo menos ensaiadas - e repelidas.

A promessa de anistia a quem mudasse de lado, perdão que incluía o levantamento de embargos financeiros a lideranças do governo, chegaram a ser feitas e oficializadas. Nada.

E aqui está o problema do império, no futuro.

Sem apoio popular nem traição para abrir o caminho, a ambição imperial irá conduzir a um novo esforço para derrubar o chavismo, no qual a pressão por medidas de força militar irá se acentuar.

Ao fazer questão de dizer aos jornalistas que o fiasco de La Carlota "de modo algum pode ser chamada de golpe", o assessor John Bolton, principal estrategista militar de Trump, apenas tenta encobrir a falta de legitimidade da operação.

Não é um debate acadêmico nem jornalístico, porém. O que se viu em Caracas foi uma tentativa de uso da força, com apoio externo, para minar o direito do povo auto-venezuelano a escolher seu destino.

Ao evitar chamar as coisas pelo próprio nome, Washington só quer esconder a natureza do processo em curso e facilitar o trabalho de governos vizinhos a Venezuela que, cedo ou tarde, podem ser chamados a prestar novos serviços em benefício do império.

Jair Bolsonaro e Ernesto Araújo já correm para colocar o Brasil no primeiro lugar na fila.

Alguma dúvida?

 

camelo oscar venezuela .jpg

 

20
Mar19

ALINHAMENTO Em visita a Trump, Bolsonaro cede aos interesses dos EUA e volta "de mãos abanando"

Talis Andrade

Para o sociólogo Marcelo Zero, posição adotada pelo Brasil compromete papel de mediação na América do Sul

trump gorila.jpg

 

 

por Rafael Tatemoto

Brasil de Fato | Depois da concessão da Base de Alcântara (MA) e do fim da exigência de visto para turistas dos EUA, Jair Bolsonaro (PSL) visitou Donald Trump nesta terça-feira (19) e prometeu que o Brasil apoiará novas ações contra o presidente Nicolás Maduro na Venezuela e importará uma cota de trigo estadunidense sem a aplicação de tarifas alfandegárias. Em troca, Trump deu uma vaga sinalização de apoio ao ingresso brasileiro na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) – além de uma camisa da seleção estadunidense de futebol. 

Nem a possibilidade de entrar no grupo dos países mais ricos do mundo – o que, segundo a visão do Planalto, atrairia investimentos externos – compensou a viagem. Essa é a interpretação de Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC), que define a visita de Bolsonaro como “fiasco”. 

Maringoni lembra que os próprios EUA exigem que o Brasil abra mão de prerrogativas dos países em desenvolvimento na Organização Mundial do Comércio (OMC) para pleitear um lugar na OCDE – que reúne países considerados desenvolvidos que aceitam os princípios da democracia representativa e da economia de mercado. Com tais prerrogativas, o Brasil poderia defender, por exemplo, políticas de proteção a setores produtivos nacionais. 

Entenda o caso

bolsonaro e as chaves do hotel .jpg

 

O Brasil é membro da OMC desde 1995 e faz parte da lista de países com tratamento especial e diferenciado, ou seja, têm vantagens por ser um país emergente, ou em desenvolvimento. Os Estados Unidos, por outro lado, são contra essa diferenciação, e tinham como demanda a saída do Brasil da lista.

"O presidente Trump manifestou seu apoio para que o Brasil inicie o processo de acessão com vistas a tornar-se membro pleno da OCDE. (…) De maneira proporcional ao seu status de líder global, o presidente Bolsonaro concordou que o Brasil começará a abrir mão do tratamento especial e diferenciado nas negociações da Organização Mundial do Comércio, em linha com a proposta dos Estados Unidos. O presidente Bolsonaro agradeceu o presidente Trump e o povo norte-americano por sua hospitalidade", disse o Itamaraty, em nota divulgada ao final da tarde desta terça.

Mediação comprometida

Para Maringoni, também chama atenção a retórica de Bolsonaro em relação à possibilidade de intervenção armada na Venezuela. "A Venezuela não pode continuar da maneira como se encontra. Aquele povo tem que ser libertado e contamos com o apoio dos EUA para que esse objetivo seja alcançado", disse o presidente brasileiro, citando o poder econômico e bélico estadunidense. 

Segundo o pesquisador, tal posição enfraquece a política externa brasileira, baseada no princípio da resolução pacífica de conflitos e na não intervenção em assuntos internos. Em consequência, compromete a posição do Brasil como polo mediador na América do Sul. 

"Ele volta de mãos abanando. Com o Brasil tomando parte no conflito venezuelano, em favor da oposição, de Juan Guaidó, ele perde a condição de mediar não só com a Venezuela. Ele perde a condição de mediador em qualquer situação, porque rompe com o segundo paradigma do Rio Branco: a não intervenção em assuntos internos", explica. 

Maringoni afirma que nem os governos de Dutra, Castello Branco e Fernando Henrique Cardoso, conhecidos pela proximidade com os EUA, aderiram às políticas da Casa Branca em um nível comparável ao de Bolsonaro.

A opinião é compartilhada pelo sociólogo Marcelo Zero, especialista em política externa. Segundo ele, os EUA têm interesse em enfraquecer dos governos de países como Rússia, China, Irã e Venezuela, mas não correspondem aos objetivos concretos do Brasil enquanto nação. 

"Isso não tem nada a ver com os interesses objetivos do Brasil. Nós estamos, em função dessa nova orientação hiper-ideologizada da política externa, nos aliando a uma força política bastante belicosa, que é o 'trumpismo'. Nós decidimos tomar partido por um dos lados no conflito, e com isso nos desqualificamos como mediadores", acrescenta.

Como lembra Maringoni, a política externa de Bolsonaro remete aos anos de "entreguismo" da ditadura militar, sintetizados na frase clássica de Juracy Magalhães, embaixador brasileiro em Washington em 1964: “O que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Ou seja, o país mostra-se disposto a ceder aos interesses da Casa Branca mesmo sem contrapartidas diretas.

juracy não tio sam colonialismo .jpg

Juracy Magalhães beija

12
Mar19

Ator francês Frédéric Pagès se “autoproclama” presidente e “reconhece” José de Abreu no Brasil

Talis Andrade

 

mediaNeste domingo (10), o ator, cantor e jornalista francês Frédéric Pagès se “autoproclamou” presidente da França e "reconheceu "José de Abreu" como presidente do Brasil.Reprodução Facebook

A brincadeira do ator brasileiro José de Abreu parece ter atravessado o Atlântico. Neste domingo (10), o ator, cantor e jornalista francês Frédéric Pagès se “autoproclamou” presidente da França, postando uma foto com a faixa presidencial de seu país, que rapidamente viralizou nas redes sociais. Não é a primeira vez que um ator francês aspira ao Palácio do Eliseu: nos anos 1980, o famoso Coluche quase chegou lá, mas desistiu no meio do caminho, uma história emblemática da cultura contemporânea do país, que marcou uma geração de franceses.

 

Pagès declarou "oficialmente" apoio ao "presidente autoproclamado do Brasil", José de Abreu, em sua página no facebook, após sua postagem inicial [veja ao fim da matéria o post original do ator francês] :

"Cher (Querido, em português) président Zé de Abreu, enquanto Presidente autoproclamado da República Francesa, ato inspirado por você, eu que sou um apaixonado pelo Brasil, venho por meio deste, com a convicção de que represento e expresso o sentimento da imensa maioria do povo francês, reconhecê-lo oficialmente como representante único e legítimo desta bela nação brasileira".

O ator brasileiro, que disse ironizar com seu gesto o presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó, declarou à RFI que havia apreciado a homenagem: "Sim, eu vi. Foi uma surpresa muito agradável. Fiquei muito feliz com esse apoio internacional. Amigos meus franceses e brasileiros, que moram na França, têm acompanhado em sites franceses".

Pagès tem uma longa relação com o Brasil. Em 1979, segundo o jornal O Globo, ele viajou a bordo de um cargueiro em direção ao país, inspirado pela música e literatura brasileiras. Segundo a reportagem, Pagès se inspirava na figura do escritor franco-suíço Blaise Cendrars, amigo dos escritores modernistas brasileiros Mario e Oswald de Andrade, na década de 1920.

 

Pagès, que também é músico afirmou ao Globo que teve contato na ocasião com uma gravação de "Garota de Ipanema", com Stan Getz, Astrud e João Gilberto e Tom Jobim. “Vinis brasileiros eram difíceis de achar na França, mas ouvi Sergio Mendes e achei tudo fascinante”. O francês chegou a produzir shows do multi-instrumentista Hermeto Pascoal, de quem é fã assumido, na Europa.

 

Brasilianista orgulhoso, Pagès  escreveu sobre a cultura brasileira para diversas publicações importantes na França, como as revistas “Télérama” e “Les inrockuptibles". O ator, cantor e jornalista francês dirigiu a montagem de "Récits du sertão" ("Histórias do sertão"), baseado em textos de Guimarães Rosa, no Centro Pompidou, em Paris. Em 2012, Pagès idealizou e ministrou em Diadema, no estado de São Paulo, a Oficina de Literatura e Hip-hop, visando incentivar a leitura de textos da literatura brasileira em jovens músicos de hip-hop.

Neste domingo (10), em seu post , ele diz: “Domingo tranquilo, estou em casa, folheando revistas, um pequeno tour no facebook e vejo a grande confusão da política brasileira. (...) Mas olha, o Zé de Abreu, (ator de telenovelas e antigo militante de esquerda), se autoproclamou Presidente da República e ficou instantaneamente mais popular que ‘o outro’ palhaço de serviço. E, se para ser útil, eu também me autoproclamasse presidente da República Francesa?”, pergunta Pagès, que diz reconhecer “instantaneamente” o “presidente Abreu”, e apresenta seu “programa de governo”, recuperando alguns antigos slogans de Maio de 68. Uma avalanche de internautas brasileiros comentou na postagem, a maioria deles apoiando a decisão de Frédéric Pagès.   

Coluche e a primeira investida de um ator francês ao Palácio do Eliseu

Mas Frédéric Pagès não foi o primeiro ator francês que vislumbrou a possibilidade de se tornar presidente da República na França. Muito famoso no país, irredutível, crítico e sem papas na língua, o ator cômico Coluche (1944-1986) deflagrou uma enxurrada de apoio à sua “candidatura”, na véspera da eleição presidencial de 1981.

 

Em seus espetáculos, o sempre crítico Coluche gostava de evocar os defeitos dos franceses.Getty Images/Francis Apesteguy

 

A candidatura de Coluche era, a princípio, uma piada, mas a iniciativa se torna séria quando as pesquisas começam a lhe atribuir mais de 16% das intenções de voto. A partir desse momento, várias pressões começam a ser exercidas sobre o comediante, incluindo ameaças de morte, para que este desista de se apresentar no pleito. Coluche anuncia finalmente a retirada de sua candidatura em 16 de março de 1981, alegando, no entanto, ter recebido assinaturas o suficiente para que sua candidatura fosse validada.

Até hoje na França, a desistência do ator à eleição presidencial de 1981 é considerada um mistério. Mas uma carta inédita de Coluche, publicada pelo jornal Le Monde no dia 1° de março de 2019, trouxe novos elementos sobre o episódio. No documento, o célebre ator francês, muito engajados em causas sociais, relata em detalhes as ameaças de morte e declara que “todos que tentaram me apoiar foram demitidos, estou proibido no rádio e na televisão. (...) Espero que um dia a França terá um governo que cuide mais dos franceses do que dos interesses de sua família e de seus amigos. (...) Que os jovens possam andar na rua sem que a polícia os agrida”.

Coluche fazia referência a um episódio específico quando expôs numa rádio francesa um escândalo que implicava o ex-presidente Valéry Giscard d’Estaing e o ex-Imperador da África Central, Bokassa, o chamado “caso dos diamantes”. Coluche foi imediatamente demitido da rádio RMC, onde trabalhava, e se tornou persona non grata no Palácio do Eliseu. Mas na sequência da desistência de sua candidatura, Coluche passa a apoiar publicamente François Mitterrand, do Partido Socialista, eleito presidente em 10 de maio de 1981.

 

10
Mar19

ATOR FRÉDÉRIC PAGÈS SE AUTOPROCLAMA PRESIDENTE DA FRANÇA E RECONHECE ZÉ DE ABREU

Talis Andrade

 Ator, cantor e jornalista, Frédéric Pagès se autoproclamou presidente da França neste domingo (10) e, em seu primeiro ato, reconheceu o "presidente" Zé de Abreu como "único representante legítimo do Brasil".

Admirador da cultura brasileira, Fréderic Pagès publicou uma foto com a faixa presidencial francesa para internacionalizar a paródia feita por Zé de Abreu sobre o apoio de Jair Bolsonaro (PSL) ao "autoproclamado" presidente da Venezuela, o líder oposicionista Juan Guaidó

No seu programa de governo, o ator francês privilegia a classe artística com o incentivo para a produção de novas músicas e poemas, além de pregar uma vida com mais brincadeiras. "Quem me apoiaria nesta ambiciosa proposta de reconstrução do nosso convívio?", publicou.

Continue lendo na Fórum.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub