Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

22
Jan20

Quem fará a auditoria na auditoria do BNDES?

Talis Andrade

 

caixa preta banco _rico.jpg

 

por Leonardo Attuch

É preciso abrir a caixa-preta do BNDES. Não aquela imaginada por Jair Bolsonaro, mas sim a da atual gestão do banco de fomento, que, sob o comando de Gustavo Montezano, contratou, por nada menos que R$ 48 milhões, um escritório de advocacia nos Estados Unidos para realizar um trabalho absolutamente inútil: investigar corrupção nos negócios realizados com a JBS (aquela empresa que, supostamente, seria do Lulinha)

O valor foi pago a um escritório estrangeiro, o Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que, por não entender absolutamente nada do assunto, subcontratou outro brasileiro, o Levy & Salomão. Ou seja: só por essa intermediação nos Estados Unidos o negócio já seria suspeito. O mais impressionante é que o trabalho teve apenas oito páginas, ou seja, custou R$ 6 milhões por cada lauda produzida. Como diria o ex-presidente Lula, "nunca antes na história do País", tanto dinheiro foi gasto por tão pouco.

O trabalho era inútil porque qualquer pessoa minimamente informada saberia que os investimentos do BNDES na JBS estiveram entre os melhores negócios já realizados pelo banco. O banco investiu R$ 8 bilhões por uma participação acionária que hoje vale mais de R$ 14 bilhões. E antes mesmo de Montezano ter sido colocado no banco, outros dois presidentes, Paulo Rabello de Castro, no governo Temer, e Joaquim Levy, sob Bolsonaro, já haviam atestado que não havia caixa-preta. Muito pelo contrário.

No entanto, Montezano contratou o escritório internacional para tentar atender ao desejo de mistificação do chefe Bolsonaro, que ataca o BNDES justamente porque seu projeto econômico visa destruir todos os instrumentos que podem vir a ser utilizados para um política de desenvolvimento nacional. O resultado foi um monumental desperdício de dinheiro público, que agora coloca o Brasil diante da seguinte questão: quem vai realizar a auditoria da auditoria no BNDES? Quem vai abrir essa verdadeira caixa-preta?

 

01
Jul19

8 maluquices que só o governo Bolsonaro foi capaz de produzir

Talis Andrade

Imaginava-se um governo ruim, mas ninguém conseguiria prever o circo completo

10
Dez18

Bolsonaro e a furna da onça

Talis Andrade

sapo bolso minios.jpg

Coaf x Flávio Bolsonaro. Por Gilmar Machado: "Ex-assessor e motorista de Flavio Bolsonaro movimentou R$ 1,2 milhão e fez transações em $$ vivo, relata o Coaf. Uma das transações citadas no relatório é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro."

 

Que ministro vai abafar essa estória? Sergio Moro? Paulo Guedes? É uma missão de cargo de confiança lá no andar de cima, da máxima confiança, cousa de ministro super.  A honra de engolir sapos da família real. O primeiro - dizem - ninguém esquece.  

 

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em conta de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O documento foi anexado pelo MPF (Ministério Público Federal) à investigação que deu origem à Operação Furna da Onça, que levou à prisão dez deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Fabrício José Carlos de Queiroz foi exonerado do gabinete de Flávio Bolsonaro no dia 15 de outubro deste ano, informa o 247.

 

Queiroz é também policial militar e, além de motorista, trabalhava como segurança do deputado.

 

Um dia após a deflagração da Operação Furna da Onça, o juiz federal relator da operação no TRF-2, Abel Gomes, afirmou que havia indícios de que parte dos investigados tinha conhecimento prévio da ação deflagrada no dia anterior. O suposto vazamento foi relatado pela Polícia Federal, cujo teor encontra-se sob sigilo, e relatado em decisão em que Gomes negou a revogação das prisões temporárias solicitada pela defesa de alguns dos alvos da operação. Antes da decisão, um post no blog do Lauro Jardim relatara que havia parlamentar que, um dia antes da deflagração da Operação Furna da Onça, tinha conhecimento de uma operação da Polícia Federal que ocorreria no dia seguinte.

 

Operação Furna da Onça foi uma operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal no dia 8 de novembro de 2018. 

 

Segundo a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, "o Coaf informou que foi comunicado das movimentações de Queiroz pelo banco porque elas são 'incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira' do ex-assessor parlamentar. O relatório também cita que foram encontradas na conta transações envolvendo dinheiro em espécie, embora Queiroz exercesse uma atividade cuja 'característica é a utilização de outros instrumentos de transferência de recurso'."

 

A matéria acrescenta que "o nome de Queiroz consta da folha de pagamento da Alerj de setembro com salário de R$ 8.517. Ele era lotado com cargo em comissão de Assessor Parlamentar III, símbolo CCDAL- 3, no gabinete de Flávio Bolsonaro. Conforme o relatório do Coaf, ele ainda acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar."

AUTO_jb temer presidente.jpg

 

O nome de Queiroz não aparece entre os investigados na Operação Furna da Onça, e muito menos o deputado Flávio Bolsonaro. O governo Temer cuidou da proteção. A partir de 1 de janeiro, o caso fica com a Polícia Federal comandada por Sergio Moro. Que tudo indica que também comandará a Coaf.

Canalhas-no-Comando temer.jpg

 

A operação Furna da Onça mirou um esquema de compra de apoio político de parlamentares iniciado em 2007, no primeiro mandato do governador fluminense Sérgio Cabral, e mantido até 2018. Investigações feitas antes da deflagração da operação apontaram que alguns deputados estaduais do Rio de Janeiro recebiam propinas mensais, que variavam entre 20 mil e 100 mil reais, e cargos a fim de votarem de acordo com os interesses do grupo político comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral, a exemplo da aprovação das contas do governo. A propina, resultado de sobrepreço de contratos estaduais e federais, era depositada em um fundo único e paga aos parlamentares em caso de necessidade de interferência em votações. O controle das transações bancárias envolvidas no esquema desvelado era feito através do "Sistema ST". Os deputados envolvidos também eram beneficiados, de forma ilícita, com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Governo do Estado do Rio de Janeiro, como o Detran-RJ, onde alocavam mão de obra comissionada ou terceirizada. O esquema pode envolver cerca de 60 parlamentares. No primeiro governo de Sérgio Cabral, o secretário da Fazenda e Planejamento  era Joaquim Levy, que deve presidir o BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, cuja caixa-preta Bolsonaro quer abrir. 

 

motorista_zedassilva.jpg

macaco  simão motorista.jpg

 

 

06
Dez18

Bolsonaro e a furna da onça

Talis Andrade

sapo bolso minios.jpg

Coaf x Flávio Bolsonaro. Por Gilmar Machado: "Ex-assessor e motorista de Flavio Bolsonaro movimentou R$ 1,2 milhão e fez transações em $$ vivo, relata o Coaf. Uma das transações citadas no relatório é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro."

 

Que ministro vai abafar essa estória? Sergio Moro? Paulo Guedes? É uma missão de cargo de confiança lá no andar de cima, da máxima confiança, cousa de ministro super.  A honra de engolir sapos da família real. O primeiro - dizem - ninguém esquece.  

 

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em conta de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O documento foi anexado pelo MPF (Ministério Público Federal) à investigação que deu origem à Operação Furna da Onça, que levou à prisão dez deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Fabrício José Carlos de Queiroz foi exonerado do gabinete de Flávio Bolsonaro no dia 15 de outubro deste ano, informa o 247.

 

Queiroz é também policial militar e, além de motorista, trabalhava como segurança do deputado.

 

Um dia após a deflagração da Operação Furna da Onça, o juiz federal relator da operação no TRF-2, Abel Gomes, afirmou que havia indícios de que parte dos investigados tinha conhecimento prévio da ação deflagrada no dia anterior. O suposto vazamento foi relatado pela Polícia Federal, cujo teor encontra-se sob sigilo, e relatado em decisão em que Gomes negou a revogação das prisões temporárias solicitada pela defesa de alguns dos alvos da operação. Antes da decisão, um post no blog do Lauro Jardim relatara que havia parlamentar que, um dia antes da deflagração da Operação Furna da Onça, tinha conhecimento de uma operação da Polícia Federal que ocorreria no dia seguinte.

 

Operação Furna da Onça foi uma operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal no dia 8 de novembro de 2018. 

 

Segundo a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, "o Coaf informou que foi comunicado das movimentações de Queiroz pelo banco porque elas são 'incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira' do ex-assessor parlamentar. O relatório também cita que foram encontradas na conta transações envolvendo dinheiro em espécie, embora Queiroz exercesse uma atividade cuja 'característica é a utilização de outros instrumentos de transferência de recurso'."

 

A matéria acrescenta que "o nome de Queiroz consta da folha de pagamento da Alerj de setembro com salário de R$ 8.517. Ele era lotado com cargo em comissão de Assessor Parlamentar III, símbolo CCDAL- 3, no gabinete de Flávio Bolsonaro. Conforme o relatório do Coaf, ele ainda acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar."

 

O nome de Queiroz não aparece entre os investigados na Operação Furna da Onça, e muito menos o deputado Flávio Bolsonaro. O governo Temer cuidou da proteção. A partir de 1 de janeiro, o caso fica com a Polícia Federal comandada por Sergio Moro. Que tudo indica que também comandará a Coaf.

 

A operação Furna da Onça mirou um esquema de compra de apoio político de parlamentares iniciado em 2007, no primeiro mandato do governador fluminense Sérgio Cabral, e mantido até 2018. Investigações feitas antes da deflagração da operação apontaram que alguns deputados estaduais do Rio de Janeiro recebiam propinas mensais, que variavam entre 20 mil e 100 mil reais, e cargos a fim de votarem de acordo com os interesses do grupo político comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral, a exemplo da aprovação das contas do governo. A propina, resultado de sobrepreço de contratos estaduais e federais, era depositada em um fundo único e paga aos parlamentares em caso de necessidade de interferência em votações. O controle das transações bancárias envolvidas no esquema desvelado era feito através do "Sistema ST". Os deputados envolvidos também eram beneficiados, de forma ilícita, com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Governo do Estado do Rio de Janeiro, como o Detran-RJ, onde alocavam mão de obra comissionada ou terceirizada. O esquema pode envolver cerca de 60 parlamentares. No primeiro governo de Sérgio Cabral, o secretário da Fazenda e Planejamento  era Joaquim Levy, que deve presidir o BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, cuja caixa-preta Bolsonaro quer abrir. 

 

motorista_zedassilva.jpg

 

 

26
Nov18

BOLSONARO, DEPOIS DE 20 DIAS DE INDECISÃO, CONFUSÃO, CONTRADIÇÃO, VAI GOVERNAR COM UMA EQUIPE REACIONÁRIA, INCOMPETENTE, SEM UNIDADE, RESPONSABILIDADE, CREDIBILIDADE

Talis Andrade

por Helio Fernandes

aroeira ministerio.jpg

 

 

 

Desde o primeiro dia depois de eleito, acumulou erros, equívocos, fracassos. Começou de forma inacreditável, entregando uma parte enorme da administração ao economista e ex-banqueiro fracassado, Paulo Guedes. 4 ministérios, a presidência da BNDES, controle do orçamento, fiscalização do caixa da União. Ele não tem cacife ou gabarito, para 10 por cento do que lhe entregaram.

 

A seguir, a retumbante convocação do magistrado, que garantiu durante a campanha e da coordenação espúria com Bolsonaro: "Não abandonarei a magistratura, não farei carreira política". Com uma semana de eleito, preocupado com a própria sucessão, Bolsonaro trouxe Moro para o seu lado, como segundo homem da Republica, e visivelmente na eventualidade de substituí-lo na presidência. Isso ficou rigorosamente claro.

 

Na campanha, Bolsonaro foi incisivo: "Não gosto de reeleição, não disputarei o segundo mandato". Agora mudou de ideia, constitucionalmente pode completar (?) 4 anos e mais 4. Mas numa situação adversa pode contar com Moro, como ele confirmou na entrevista coletiva de 1 hora e 45 minutos. Mas como é um mistificador confesso, deu entrevista ao Fantástico e garanti: "Não serei candidato a presidente, nem farei carreira política".

 

Se ele não quer fazer carreira política nem ser presidenciável, por que trocou Curitiba por Brasília, e assumiu 2 ministérios? O da Justiça, rotineiro, nenhuma importância. Mas com o ministério da Segurança Publica, assumiu dois compromissos realmente fundamentais para a comunidade da antiga "Cidade Maravilhosa", hoje dominada pelos traficantes, milicianos, comando vermelho.

 

Moro garantiu que destruirá o crime organizado e acabará com a corrupção. Poucos acreditam. Mas se conseguir cumprir o prometido, pode ter esquecido o relacionamento criminoso com Bolsonaro, pelo qual responde a uma investigação perante o CNJ.

 

Enquanto isso fica na duvida se acontecerá, Bolsonaro insiste nos desacertos provados e comprovados. O ultimo: a escolha do ultrarreacionário embaixador Ernesto Araujo, registra um fato inédito: é embaixador, mas jamais ocupou posto no exterior. E assim que foi indicado, despejou publicamente, um festival de besteiras, deveria logo ser desconvidado.

 

Primeira afirmação que deveria provocar vergonha: "Meu ídolo é o presidente Trump".

 

A segunda, ainda mais grave: "Trump é mais importante para o desenvolvimento do mundo, do que o próprio Churchill".

 

A indicação de Joaquim Levy para a presidência do BNDES, provocou um encontro de 3 horas entre Paulo Guedes e Bolsonaro. Levy não para em cargo algum. Diretor do Bradesco, secretario da fazenda do governador Sergio Cabral, (já enriquecido vastamente como deputado estadual) ministro da Fazenda fugaz e tumultuado de Dona Dilma. Demitido, conseguiu um cargo cobiçadíssimo no Banco Mundial, nos EUA.

 

Convidado, deixou logo os EUA, quanto tempo ficará? Depois da conversa prolongada com o medíocre Paulo Guedes, o presidente eleito aceitou a indicação, mas fez a imposição: "Você será o responsável pela atuação do Joaquim Levy".

 

O Brasil não acerta com Joaquim, esse representa a segunda decepção. Com essa equipe desalinhada, desarvorada, desencaminhada, sem convicção ou credencial, Bolsonaro terá que fazer uma reforma ministerial, com a maior urgência possível. A não ser que antes da posse, desconvide alguns convidados.

cellus ministério.jpg

 

PS - Não acredito, mas é tido como certo. Maitê Proença preencheria, perdão, esvaziaria, o ministério do Meio Ambiente.

PS2 - Sua grande credencial: foi casada com Paulo Marinho, negocista que finge de empresário.

 

O PRESIDENTE CORRUPTO E USURPADOR, FALOU QUATRO MINUTOS SOBRE OS 129 ANOS DA REPUBLICA

temer sinovaldo.jpg

 

Utilizou uma cadeia, que palavra, de radio e televisão, mas só teve como personagem, ele mesmo. Exaltou a importância da democracia, e a consagração do sistema político com os presidentes eleitos. Não citou Bolsonaro, mas queria bajulá-lo. Com isso pretendia esquecer o seu próprio exemplo, e a forma como chegou ao Planalto.

 

Fui o primeiro a revelar que Bolsonaro queria "salvar a liberdade de Temer", enviando-o para um cargo de embaixador. Encontrou e continua encontrando muitas dificuldades, mas não desistiu da ideia. Agora, é o próprio Temer que enfrenta problemas. Tem que sancionar ou vetar, o aumento odioso dos ministros do STF, teto para os ocupantes de cargos públicos.

 

O prazo para a sua decisão era de 10 dias, terminaria dia 20. Sem saber o que fazer, prorrogou o limite para o dia 28. Não pode desagradar o presidente eleito. Nem revoltar os avaros magistrados.

 

BOLSONARO E MAIS MÉDICOS: INCONSCIENTE, INCOERENTE, IMPRUDENTE

 

O presidente eleito é tão reacionário, arrogante e prepotente, que se esperava alguma coisa do gênero. Atingir Cuba para agradar Trump, era o que se sussurrava. Mas ninguém imaginava que fosse prejudicar populações imensas, executando o "menos médicos", alegando que os profissionais estavam sendo injustiçados. Ouvir um personagem de extrema direita e sem respeito por ninguém, falar em justiça, é piada ou desfaçatez. E também ignorância.

 

Cuba tem representantes credenciados, não apenas na medicina, mas também no esporte. E sempre com a mesma autoridade e com a obrigação da reciprocidade. Antes de ser ditador, Chaves foi eleito presidente. Fez o primeiro contrato de "mais médicos" com Cuba. Recebeu 10 mil médicos, "pagou" com o que tinha sobrando, e o que Cuba mais precisava: petróleo. Os médicos não recebiam a não ser casa e comida. Não entrava dinheiro.

 

Quando Chaves ficou doente pela primeira vez, preferiu ir se tratar em Havana, longe de Caracas. Ficou bom, fez outro contrato de 20 mil médicos. 3 anos depois, em estado grave, foi morrer em Cuba.

 

O governo Fidel recebia dinheiro do exterior, enviado por profissionais do esporte, futebol americano, (NLF, o mais rico e popular dos EUA), e vôlei, com jogadores no Brasil, Itália, Rússia, Turquia. Os mais ricos, ganhavam fortunas, não mandavam nada para Cuba.

 

Trabalhavam o ano todo nos EUA, passavam as ferias em casa, em Cuba. Ameaçados de perderem a cidadania, não poderem voltar, fizeram um acordo que dura até hoje; devolvem 25% do que recebem, um bom acerto para todos.

 

Bolsonaro, com uma só rajada de incompetência, prejudicou a todos, principalmente os brasileiros. E os médicos, que não foram trabalhar no interior, pagavam misérias. Era e é um direito deles. Agora, o presidente corrupto e usurpador, cumprindo ordens do presidente eleito, prepara contrato para substituir os cubanos, populações estão assustadas.

 

Bolsonaro mandou fazer CONVOCAÇÃO e não CONTRATAÇÃO. Quem recusar será perseguido. Nisso o presidente eleito é insubstituível e insuperável. Enquanto isso, populações inteiras, completamente abandonadas, aguardam. Isso é o reinado de Bolsonaro, que se imaginava que começaria em janeiro de 2019.

 

PS - Bobagem. Tudo teve inicio com a conspiração judiciária, plantada e solidificada pelo acordo Bolsonaro-Moro.

PS2 - Perdão, Moro-Bolsonaro.

 

SURGE NO HORIZONTE, O NOME DO PRIMEIRO EMBAIXADOR DE BOLSONARO

 

Publiquei com exclusividade, que o presidente eleito estava disposto a nomear embaixador, o presidente corrupto e usurpador. Era o fato, e acrescentei: "As dificuldades são muito grandes, aqui e no exterior, ninguém quer recebê-lo". Agora, até o dia 28, obstáculo que o próprio presidente corrupto e usurpador tem que ultrapassar sozinho. VETAR ou SANCIONAR o aumento teto dos salários dos 11 ministros do STF.

 

Se sancionar, agrada os magistrados de todas as instancias que irão julgá-lo a partir de janeiro. Mas desagrada o presidente eleito. Este só fica satisfeito com o VETO. Existe uma terceira posição, a da omissão covarde. Não sanciona nem veta, entra em vigor em janeiro, automaticamente.

 

Um embaixador praticamente garantido: general Sergio Etchegoyen. Atual chefe do GSI, (gabinete de segurança institucional, antiga Casa Militar). Está conseguindo o que o chefe pretendia, como "salvação da liberdade".

 

OS SALÁRIOS DE BOLSONARO, A PARTIR DE JANEIRO

 

O colunista Lauro Jardim publicou com exclusividade: assim que assumir, em janeiro, passa a receber, mensalmente, 60 mil reais. Juntando o salário presidencial e a aposentadoria da Câmara, quase 30 mil reais por 8 mandatos inúteis.

 

O colunista informa que não incluiu o que recebe do Exercito, como capitão na reserva, pouco tempo na ativa. Perguntou a Bolsonaro quanto recebia, ele não quis informar.

 

PS - O Exercito deposita todo mês na sua conta bancaria, 8 mil, 670 reais. REAJUSTÁVEIS, periodicamente.

 

GRAVAÇÃO ASSUSTADORA

 

A Policia Federal documentou uma conversa telefônica, entre um senador e um ministro do Supremo Tribunal Federal. A preocupação é total, procuram uma solução, antes que viralise. Mas o ZAP está publicando. O fato surgiu a menos de 2 horas.

 

EXISTEM COISAS TÃO INEXPLICÁVEIS QUANTO A ELEIÇÃO DO BOLSONARO

 

Apenas um exemplo; o submarino da Argentina, desapareceu em 15 de novembro de 2017. Depois de buscas colossais, foi encontrado em 15 de novembro deste 2018.

vitor resgate.jpg

 

17
Mai18

Uma aliança entre Moro e as forças que Dória representa

Talis Andrade

Juízes devem transmitir uma imagem de imparcialidade, ou viram políticos de toga

bagge moro foto com tucanos.jpg

 


Em noite de gala em Nova York, Sergio Moro posa ao lado do ex-prefeito João Doria. Imagem foi registrada 14 dias depois de o juiz da Lava Jato ter declarado que se "arrependeu" da foto em que aparece aos risos com Aécio Neves

 

Em noite de gala em Nova York, Sergio Moro deixou-se fotografar ao lado do ex-prefeito João Doria (PSDB). Ambos estavam acompanhados de suas esposas e pareciam muito confortáveis.


A imagem foi registrada nesta terça-feira (15), quatorze dias depois de o juiz da Lava Jato ter declarado que se arrepende da foto em que aparece aos risos na companhia do senador Aécio Neves.


João Doria foi rápido em jogar as imagens no seu Facebook. Pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, o político assinalou:


“Noite especial aqui em NY ao lado de duas pessoas que admiro: ex-prefeito de NY, Michael Bloomberg e o Juiz Sergio Moro, homenageados no ‘Person of the Year Awards’ (Personalidade do Ano), prêmio que também tive a honra de receber no ano passado.”


Em seu discurso, Sergio Moro disse ter refletido sobre a conveniência de aceitar o convite. “Juízes devem atuar com modéstia e humildade (sic)”, disse ele. Dirigindo-se a uma plateia composta de empresários e banqueiros, Moro declarou que só aceitou a homenagem por se tratar de algo que partiu da iniciativa privada. Enxergou no gesto um reconhecimento do setor privado à importância do combate à corrupção.

moro aécio.jpg 

moro aecio.jpg

 


Moro se arrependerá de novo?

 

Para o jornalista Josias de Souza, é possível que nos próximos anos o juiz da Lava Jato declare numa entrevista qualquer que se arrependeu da pose ao lado de Doria.

 

AUTO_pelicano doria moro foto.jpg

 


“É possível que Moro considere difícil definir recato. Mas a coisa é mais simples do que parece. Funciona como a gravidez. Assim como nenhuma mulher pode estar um pouquinho grávida, um juiz também não pode ser um pouco recatado. Ou é ou não é”, disse.


Não foi a primeira vez que Sergio Moro posou ao lado de João Doria. Em 2015, o juiz federal participou de evento promovido pelo político tucano. Na época, o jornalista Paulo Nogueira comentou a imagem:


“Sergio Moro detém um enorme poder em suas mãos neste momento. Juízes devem transmitir uma imagem de imparcialidade, ou viram políticos de toga. E a foto é a completa negação disso. No plano do simbolismo, ela aparece como uma aliança entre Moro e as forças que Dória representa, num primeiro nível, o seu partido, o PSDB, e num nível mais profundo, a plutocracia […] O único real amigo de um juiz é a Justiça. Mas não parece ser este o entendimento de Moro, a julgar pela foto infame. A foto de Moro com Doria é um triste retrato destes tempos no Brasil. Não exatamente por Dória, um político em campanha. Mas por Sergio Moro”


João Doria, aliás, é uma das figuras públicas que mais direcionam ataques verbais a Lula, em claras demonstrações de ódio. O ex-presidente está preso em Curitiba por ordem de Sergio Moro. Transcrito do Pragmatismo Político 

 

moro temer.jpg

parente e moro.jpg 

Brasil moro levi piratas corsários traidores .jpg

 Moro nos Estados Unidos com executivos de multinacionais e Joaquim Levy, secretário de Planejamento e Fazenda do governo Sergio Cabral 

 

 

 

26
Abr18

Moro repete o Rei Sol: Eu sou o estado, eu sou a lei

Talis Andrade

“Ele não é o único juiz do país e deve atuar como todo juiz", diz ministro do STF

 

teleguiada carolina moro.jpg

 

 

Moro é a justiça toda com suas cortes e palácios.

 

Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ), tribunais regionais federais e juízes federais, tribunais e juízes militares, e tribunais e juízes dos estados, do distrito federal e dos territórios. Assim o STF como os tribunais superiores — quanto o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Superior Tribunal Militar (STM) — sediados em Brasília, capital do país, e que, para Moro, não jurisdicionam o Brasil inteiro. A república do Paraná fica de fora. 

 

11 ministros formam o STF, cuja competência principal é guardar a constituição. 33 ministros formam, pelo menos, o STJ. Moro não respeita nenhuma hierarquia. O abuso de poder é sua marca registrada. 

 

Esse poder todo de Moro tem raízes. Desde o assalto do BanEstado que ele representa os interesses dos banqueiros, junto com Henrique Meirelles, empregado dos banqueiros internacionais. Meirelles safado todo, que disse o salário mínimo ser alto demais.

 

Moro viajou pelos Estados Unidos, com Joaquim Levy, que foi o primeiro secretário de Planejamento e Fazenda de Sérgio Cabral. Ou melhor dito: Levy planejava e pagava as obras super faturadas do governo de seu Cabral no Rio Janeiro  - que nem as reformas com notas frias no apartamento que Moro atribuiu a Lula. Mas livraram a cara de Levy. Somente Sérgio Cabral foi preso.

 

Levy é da turma de Armínio Braga, empregado do especulador George Soros, que disse que as empresas estrangeiras não tinham dinheiro para pagar o salário mínimo. Esse Armínio indicou o atual presidente do Banco Central de Temer.

 

Moro um juiz partidário, que não trabalha, e tem um único réu. Um malandro. Tem uma corte maior do que qualquer desembargador que abusa do nepotismo. Uma corte palaciana de fazer inveja a qualquer ministro da suprema justiça.

 

Moro não senta na vara dele. Vive viajando. Trabalha para Moro, pelas vantagens que a Lava Jato oferece, delegados e mais delegados. Procuradores e mais procuradores. Promotores e mais promotores. Juízes e mais juízes. Quem paga todo esses funcionários públicos parasitas é o povo em geral, através dos impostos indiretos.

 

Essa gentalha toda da república do Paraná não difere em nada das justiças doutros Estados, com uma multidão de togados, recebendo salários acima do teto, mais auxílios e prendas mil, em um Brasil que mais da metade dos habitantes vegetam, recebem menos do que os 900 reais do salário mínimo da fome.

 

Moro é, e faz parte da minoria dos um por cento ricos. Moro apóia os corruptos dessa minoria. Moro em Salvador realiza campanha para o neto do bandido Tonho Malvadeza. Apóia, no Paraná, outro corrupto, o Richa.

 

Moro pousa ao lado do amigo, camarada de fé, Aécio. Protege os herdeiros do tráfico de PC Farias.

 

A coisa mais legal do mundo são os leilões de Moro. Tudo baratinho, quase de graça.

 

Também legal, mais do que legal, legal demais as delações a mão cheia de Moro. Delações mais do que premiadas.


Delações e leilões aprovados pela juíza de Moro, a Carolina.


Essa juíza o alter ego feminino de Sergio Moro. O lado mulher que Moro tanto esconde, quando cruza os braços à Mussolini.


Tanto que há quem diga que Carolina Lebbos não existe, seja um codinome árabe de Moro. Que nos portais da justiça, da república do Paraná, do jornalismo online, e nos sites de pesquisa apenas existe um retrato. Um único retrato de Carolina quando jovem. Cópia da carteira de estudante. De quando residia na casa dos pais, amigos dos bandidos Youssef, José Janene e outros.

 

“Moro simplesmente deixou de lado a lei. Isso está escancarado”, diz ministro do STF

 

 

“Ele não é o único juiz do país e deve atuar como todo juiz, disse o ministro Marco Aurélio Mello, que acrescentou:

 

- A situação chegou a um patamar inimaginável. Eu penso que nós precisamos deixar as instituições funcionarem segundo o figurino legal, porque fora da lei não há salvação. Aí vigora o critério de plantão e teremos só insegurança jurídica. As instituições vêm funcionando, com alguns pecadilhos, mas vêm funcionando. Não vejo uma ameaça de ruptura. O que eu receio é o problema das manifestações de rua. Mas aí nós contamos com uma polícia repressiva, que é a polícia militar, no caso de conflitos entre os segmentos que defendem o impeachment e os segmentos que apoiam o governo. Só receio a eclosão de conflitos de rua.

 

Moro decide manter condução de processo do sítio de Atibaia

 

Escreve Ricardo Brito {Reuters) - O juiz federal Sérgio Moro decidiu nesta quinta-feira manter a condução do processo a que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu no caso referente à reforma do sítio de Atibaia (SP), após pedido feito na véspera pela defesa do petista ao magistrado que pretendia transferir para São Paulo essa ação e outra, que trata da suposta compra de um terreno para o Instituto Lula.

 

Os advogados do ex-presidente alegam que os casos não têm ligação direta com o desvio de recursos da Petrobras, motivo que atrai a competência de Moro, responsável pela operação Lava Jato em Curitiba (PR). Houve também pedido de nulidade dos dois processos, por terem sido, na visão da defesa, julgados por juiz que não seria competente do ponto de vista legal.

 

A defesa de Lula usou como base a decisão tomada na terça-feira pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou a retirada de trechos da delações de executivos da Odebrecht dos processos referentes ao sítio e ao terreno para o instituto.

 

Em sua decisão, Moro afirmou que o voto do ministro Dias Toffoli, que deu a primeira manifestação na 2ª Turma a favor da retirada da colaboração da Odebrecht das mãos de Moro, não fazia qualquer menção ao processo do sítio nem tampouco "alguma determinação expressa de declínio de competência desta ação penal".

 

O juiz citou que Toffoli foi enfático ao afirmar em seu voto que a decisão tinha caráter provisório e se baseava apenas nos elementos trazidos no recurso julgado pelo Supremo. Moro disse que houve "precipitação" das partes porque ainda não ocorreu a publicação do acórdão da decisão - resumo do julgamento - da 2ª Turma, "sendo necessária a medida para avaliar a extensão do julgado do colegiado".

 

"Oportuno lembrar que a presente investigação penal iniciou-se muito antes da disponibilização a este Juízo dos termos de depoimentos dos executivos da Odebrecht em acordos de colaboração, que ela tem por base outras provas além dos referidos depoimentos, apenas posteriormente incorporados, e envolve também outros fatos, como as reformas no mesmo sítio supostamente custeadas pelo Grupo OAS e por José Carlos Costa Marques Bumlai", destacou Moro, no despacho.

 

O juiz disse ainda que o pedido de declínio de competência não deve ser apresentado no corpo do processo, mas sim como outro questionamento - a chamada exceção de incompetência. A defesa de Lula, citou ele, já apresentou esse pedido, que ainda está pendente de julgamento.

 

Moro ainda não tomou uma decisão sobre o eventual envio do processo do Instituto Lula para a Justiça Federal paulista.

 

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que representa Lula, afirmou que a decisão mostra que o juiz de primeiro grau pretende "abrir um incidente processual para decidir se o Supremo agiu corretamente, o que é incompatível com a hierarquia judiciária".

 

 

26
Abr18

Moro repete o Rei Sol: Eu sou o estado, eu sou a lei

Talis Andrade

“Ele não é o único juiz do país e deve atuar como todo juiz", diz ministro do STF

 

teleguiada carolina moro.jpg

 

 

Moro é a justiça toda com suas cortes e palácios.

 

Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ), tribunais regionais federais e juízes federais, tribunais e juízes militares, e tribunais e juízes dos estados, do distrito federal e dos territórios. Assim o STF como os tribunais superiores — quanto o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Superior Tribunal Militar (STM) — sediados em Brasília, capital do país, e que, para Moro, não jurisdicionam o Brasil inteiro. A república do Paraná fica de fora. 

 

11 ministros formam o STF, cuja competência principal é guardar a constituição. 33 ministros formam, pelo menos, o STJ. Moro não respeita nenhuma hierarquia. O abuso de poder é sua marca registrada. 

 

Esse poder todo de Moro tem raízes. Desde o assalto do BanEstado que ele representa os interesses dos banqueiros, junto com Henrique Meirelles, empregado dos banqueiros internacionais. Meirelles safado todo, que disse o salário mínimo ser alto demais.

 

Moro viajou pelos Estados Unidos, com Joaquim Levy, que foi o primeiro secretário de Planejamento e Fazenda de Sérgio Cabral. Ou melhor dito: Levy planejava e pagava as obras super faturadas do governo de seu Cabral no Rio Janeiro  - que nem as reformas com notas frias no apartamento que Moro atribuiu a Lula. Mas livraram a cara de Levy. Somente Sérgio Cabral foi preso.

 

Levy é da turma de Armínio Braga, empregado do especulador George Soros, que disse que as empresas estrangeiras não tinham dinheiro para pagar o salário mínimo. Esse Armínio indicou o atual presidente do Banco Central de Temer.

 

Moro um juiz partidário, que não trabalha, e tem um único réu. Um malandro. Tem uma corte maior do que qualquer desembargador que abusa do nepotismo. Uma corte palaciana de fazer inveja a qualquer ministro da suprema justiça.

 

Moro não senta na vara dele. Vive viajando. Trabalha para Moro, pelas vantagens que a Lava Jato oferece, delegados e mais delegados. Procuradores e mais procuradores. Promotores e mais promotores. Juízes e mais juízes. Quem paga todo esses funcionários públicos parasitas é o povo em geral, através dos impostos indiretos.

 

Essa gentalha toda da república do Paraná não difere em nada das justiças doutros Estados, com uma multidão de togados, recebendo salários acima do teto, mais auxílios e prendas mil, em um Brasil que mais da metade dos habitantes vegetam, recebem menos do que os 900 reais do salário mínimo da fome.

 

Moro é, e faz parte da minoria dos um por cento ricos. Moro apóia os corruptos dessa minoria. Moro em Salvador realiza campanha para o neto do bandido Tonho Malvadeza. Apóia, no Paraná, outro corrupto, o Richa.

 

Moro pousa ao lado do amigo, camarada de fé, Aécio. Protege os herdeiros do tráfico de PC Farias.

 

A coisa mais legal do mundo são os leilões de Moro. Tudo baratinho, quase de graça.

 

Também legal, mais do que legal, legal demais as delações a mão cheia de Moro. Delações mais do que premiadas.


Delações e leilões aprovados pela juíza de Moro, a Carolina.


Essa juíza o alter ego feminino de Sergio Moro. O lado mulher que Moro tanto esconde, quando cruza os braços à Mussolini.


Tanto que há quem diga que Carolina Lebbos não existe, seja um codinome árabe de Moro. Que nos portais da justiça, da república do Paraná, do jornalismo online, e nos sites de pesquisa apenas existe um retrato. Um único retrato de Carolina quando jovem. Cópia da carteira de estudante. De quando residia na casa dos pais, amigos dos bandidos Youssef, José Janene e outros.

 

“Moro simplesmente deixou de lado a lei. Isso está escancarado”, diz ministro do STF

 

 

“Ele não é o único juiz do país e deve atuar como todo juiz, disse o ministro Marco Aurélio Mello, que acrescentou:

 

- A situação chegou a um patamar inimaginável. Eu penso que nós precisamos deixar as instituições funcionarem segundo o figurino legal, porque fora da lei não há salvação. Aí vigora o critério de plantão e teremos só insegurança jurídica. As instituições vêm funcionando, com alguns pecadilhos, mas vêm funcionando. Não vejo uma ameaça de ruptura. O que eu receio é o problema das manifestações de rua. Mas aí nós contamos com uma polícia repressiva, que é a polícia militar, no caso de conflitos entre os segmentos que defendem o impeachment e os segmentos que apoiam o governo. Só receio a eclosão de conflitos de rua.

 

Moro decide manter condução de processo do sítio de Atibaia

 

Escreve Ricardo Brito {Reuters) - O juiz federal Sérgio Moro decidiu nesta quinta-feira manter a condução do processo a que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu no caso referente à reforma do sítio de Atibaia (SP), após pedido feito na véspera pela defesa do petista ao magistrado que pretendia transferir para São Paulo essa ação e outra, que trata da suposta compra de um terreno para o Instituto Lula.

 

Os advogados do ex-presidente alegam que os casos não têm ligação direta com o desvio de recursos da Petrobras, motivo que atrai a competência de Moro, responsável pela operação Lava Jato em Curitiba (PR). Houve também pedido de nulidade dos dois processos, por terem sido, na visão da defesa, julgados por juiz que não seria competente do ponto de vista legal.

 

A defesa de Lula usou como base a decisão tomada na terça-feira pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou a retirada de trechos da delações de executivos da Odebrecht dos processos referentes ao sítio e ao terreno para o instituto.

 

Em sua decisão, Moro afirmou que o voto do ministro Dias Toffoli, que deu a primeira manifestação na 2ª Turma a favor da retirada da colaboração da Odebrecht das mãos de Moro, não fazia qualquer menção ao processo do sítio nem tampouco "alguma determinação expressa de declínio de competência desta ação penal".

 

O juiz citou que Toffoli foi enfático ao afirmar em seu voto que a decisão tinha caráter provisório e se baseava apenas nos elementos trazidos no recurso julgado pelo Supremo. Moro disse que houve "precipitação" das partes porque ainda não ocorreu a publicação do acórdão da decisão - resumo do julgamento - da 2ª Turma, "sendo necessária a medida para avaliar a extensão do julgado do colegiado".

 

"Oportuno lembrar que a presente investigação penal iniciou-se muito antes da disponibilização a este Juízo dos termos de depoimentos dos executivos da Odebrecht em acordos de colaboração, que ela tem por base outras provas além dos referidos depoimentos, apenas posteriormente incorporados, e envolve também outros fatos, como as reformas no mesmo sítio supostamente custeadas pelo Grupo OAS e por José Carlos Costa Marques Bumlai", destacou Moro, no despacho.

 

O juiz disse ainda que o pedido de declínio de competência não deve ser apresentado no corpo do processo, mas sim como outro questionamento - a chamada exceção de incompetência. A defesa de Lula, citou ele, já apresentou esse pedido, que ainda está pendente de julgamento.

 

Moro ainda não tomou uma decisão sobre o eventual envio do processo do Instituto Lula para a Justiça Federal paulista.

 

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que representa Lula, afirmou que a decisão mostra que o juiz de primeiro grau pretende "abrir um incidente processual para decidir se o Supremo agiu corretamente, o que é incompatível com a hierarquia judiciária".

 

 

29
Jan18

Para vender as hidroelétricas o Fio Sem Energia de Fernando Bezerra Coelho pagou 400 milhões para um gigolô

Talis Andrade

As relações perigosas do juiz Sergio Moro agente norte-americano

 

O ministro Fernando Bezerra Coelho, seguindo determinação do presidente do golpe Michel Temer, e do ministro da Fazenda, cidadão dos Estados Unidos Henrique Meirelles, contratou lobistas a preço de ouro como se a Nação Brasileira fosse uma prostituta. 

 

Apenas a um dos lobistas foi pago, pela Eletrobrás, empresa oferecida na zona internacional, 400 milhões de reais. 

 

Quem compra as hidroelétricas tem o controle dos rios e represas, isto é, do abastecimento de água das cidades brasileiras.

 

Fernando Bezerra Coelho é ministro porque filho de um senador de Pernambuco com o mesmo nome. Um zero. Não sabe da maldade que faz com o Brasil. Não passa de um pau mandado do pai, doutor em safadezas.

 

Miguel do Rosário conta parte da historia de como se entrega as riquezas do Brasil aos corsários internacionais.

 

Brasil. Minha foto preferida


Por Miguel do Rosário / Cafezinho

 

Brasil moro levi piratas corsários traidores .jpg

 

 

Paulo Sotero, da Globonews e CBN; Anthony Harrington, presidente do Brazil Institute, Jane Harman, presidenta do Wilson Center, Sergio Moro, mercenário da Globo e agente norte-americano; juiz Peter Jo Messitte, um medíocre.

 

Eletrobras paga R$ 400 mi a lobista dos EUA

 

(Essa foto é uma das minhas preferidas. Da esquerda para direita: Paulo Sotero, diretor do Brazil Institute e comentarista da Globonews e CBN; Anthony Harrington, presidente do Brazil Institute, presidente do conselho de administração da Albright Stonebridge e ex-senior da Hogan Lovells; Jane Harman, presidenta do Wilson Center e conselheira nos órgãos máximos dos serviços de inteligência dos EUA; Sergio Moro, mercenário da Globo e agente norte-americano; o juiz Peter Jo Messitte, um medíocre sem biografia, que o Wilson Center contratou para participar de todos os seminários do Brazil Institute; é ele que fica repetindo elogios à “democracia” brasileira, especialmente ao judiciário; e… Joaquim Levy, o neoliberal que a Dilma, pressionada pelo “mercado”, nomeou para o ministério da Fazenda).

 

A Hogan Lovells está listada como uma das principais firmas especializadas em lobby dos Estados Unidos, com muitos clientes nos setores de óleo e gás, mineração, energia, aviação.

 

Advogados da Lovells prestam serviços de advocacia e lobby, regularmente, para gigantes como Exxon Mobil, maior petroleira do mundo. A Lovells trabalha também para empresas que exploram energia nuclear, como a Lightbrige.

 

A Hogan Lovells foi contratada pela Eletrobrás para, entre outras coisas, investigar o nosso programa nuclear.

 

Entretanto, tem um ponto ainda mais interessante nessa história – e que também não foi abordado pela reportagem da Época: Anthony S. Harrington, presidente do Brasil Institute, um órgão pertencente ao Wilson Center, é ex-advogado sênior da Hogan Lovells. Sua filha, Michele S. Harrington, ainda trabalha lá.

 

Harrington, embaixador no Brasil de 1999 a 2001, é um destacado membro da comunidade de inteligência dos EUA, tendo sido conselheiro da Casa Branca nessa área. Essas informações estão no site do Wilson Center.

 

Hoje Harrington é presidente do Conselho de Administração da Albright Stonebridge, outra poderosa firma de lobby, especializada em “estratégias internacionais”.

 

O slogan da empresa é “destravar mercados globais”. Em seu site, ela explica que uma de suas especialidades é fazer “negócios com governos estrangeiros”, e que, “em caso de procedimentos governamentais impróprios, ela pode ajudar a determinar o melhor curso de ação e perseguir os meios mais efetivos para corrigi-los”.

 

Nós chamamos o Wilson Center aqui, no Cafezinho, de “think tank da CIA”, por suas relações com a comunidade de inteligência da Casa Branca, e por ser um think tank inteiramente controlado pelo governo americano, que paga suas contas, fornece-lhe a sede (no edifício Ronald Reagan), e indica seus diretores.

 

O Wilson Center tem organizado, desde o mensalão, seminários para discutir as operações judiciais em curso no Brasil, convidando ministros do STF, juízes de primeira instância (Sergio Moro, por exemplo), procuradores-gerais (Janot) e ministros da Justiça. A linha desses seminários sempre foi apoiar essas operações judiciais. Durante a operação Lava Jato, ocorreram vários seminários desse tipo no Wilson Center, nos quais os representantes do Wilson Center afirmavam que a democracia brasileira era um “modelo para o mundo”.

 

Por fim, olha que maravilha: segundo esta reportagem da CNN, o novo presidente dos EUA, Donald Trump, contratou o ex-procurador federal, Ty Cobb, como seu “conselheiro especial”. Cobb também é sócio da… Hogan Lovells.

 

Muitos indícios me fazem acreditar que o Wilson Center foi um dos organizadores do golpe no Brasil.

 

Informa este Correspondente: Sergio Moro carrega o xará Sérgio Cabral, com os pés e as mãos presas em pesadas correntes de ferro, e esquece, e esquece que um governador não rouba sozinho, e quem pagava as contas dos serviços fantasmas e obras superfaturadas era o secretário da Fazenda.  

 

O primeiro secretário da Fazenda e mais Planejamento de Sérgio Cabral foi justamente o escolhido, o eleito grande amigo e parceiro de andanças internacionais de Moro: o livre, leve e solto e intocável Joaquim Levy do fechado clube de banqueiros e economistas que comandam o Ministério da Fazenda e os bancos oficiais no governo de Temer.  Transcrevi trechos. Leia mais 

 

 

 

 

04
Out17

O carioca acredita: Por ser Pezão não tem a mão leve

Talis Andrade

"(Des) governador Pezão, o 'ingênuo' que assinava editais de licitação sem ler", ironiza Marcos Pedlowski.

 

peza-ingenuo.jpg

Pezão, a caneta de ouro, assinava.

 

Joaquim Levy, o primeiro secretário da Fazenda do governador Sérgiio Cabral pagava sem contar o dinheiro. Assim como faz o Bradesco no roubar os funcionários públicos que caíram no conto de vigário do empréstimo consignado. Teve mês do banco agiota embolsar, sumir com todo o meu salário. 

 

Principal alvo da Operação Calicute, Sérgio Cabral está preso, acusado de liderar um esquema de corrupção que desviou mais de R$ 200 milhões dos cofres públicos. Outras nove pessoas ligadas ao ex-governador também foram presas. Mas Pezão e Levy estão soltos.

 

Cabral também acusado de receber mesadas de até R$ 500 mil de empreiteiras, joias e outros objetos de luxo dados pelas empresas em troca de contratos com o governo estadual durante 2007 e 2014.

 

 

cabral no bangu.jpg

 Cabral com a roupa de detento no presídio do Bangu, Rio de Janeiro

 

Mão leve, significado: Quem rouba com rapidez e facilidade. 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub