Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

04
Nov23

Cineastas argentinos falam em democracia e respondem a Milei: ‘nunca más’

Talis Andrade

reprise argentino.jpg

 

Rede Brasil Atual - "Cinema e democracia" é o tema da 38ª edição do Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, na Argentina, aberto nesta quinta-feira (2) e que será realizado até o próximo dia 12. O slogan faz referência aos 40 anos seguidos de regime democrático no país, após a última ditadura (1976-1983). E o clima político esteve mais que presente no início do festival, na Sala Astor Piazzolla do Teatro Auditorium. Estava lá, por exemplo, o ministro da Economia, Sergio Massa, candidato a presidente da Argentina. E também, entre vários outros, o presidente do Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (Incaa), Nicolás Battle. O Incaa está na mira do outro candidato, o extremista de direita Javier Milei, que durante a campanha disse que irá fechar o instituto.

Isso provocou resposta dos cineastas, que se manifestaram na abertura do evento. Também foi divulgado um vídeo com vários cenas de filmes, em defesa da arte argentina. No final, uma cena de Argentina, 1985, em que o ator Ricardo Darín cita a frase “Nunca más” para se referir à ditadura. O longa trata da condenação de militares. (Assista o vídeo aqui.) O segundo turno entre Massa e Milei será realizado no próximo dia 19.

Quarenta anos sem censura

“Para mim, é muito importante estar em um dos pilares da construção da identidade cultural argentina, a indústria cinematográfica”, afirmou Massa. “O festival, que representa a principal ponte entre nossa cultura fílmica e o mundo, é de todos e todas, e o fazemos em conjunto, articulando esforços. Esta edição está dedicada aos 40 anos de democracia ininterrupta: 40 anos de cinema sem censura”, acrescentou Batlle.

O festival de Mar del Plata é organizado pelo Incaa e pelo Ministério da Cultura, com apoio de outras entidades. O filme de abertura foi Hombre de la esquina rosada (1962), de René Mugica, baseado em conto de Jorge Luis Borges e com versão restaurada. A programação completa pode ser vista por meio deste link: www.mardelplatafilmfest.com.

07
Out23

PEC do plasma e o capitalismo vampiresco

Talis Andrade
Charge: Dave Simonds
 
Por Jeferson Miola

Parlamento que debate o direito de comerciantes inescrupulosos explorarem o macabro mercado de sangue e seus derivados é uma instituição falida e apodrecida. É um órgão destituído de um mínimo que seja de ética e de moralidade. E, também, profundamente desprezado.

Inscrever na Constituição o direito à exploração privada da venda de plasma sanguíneo – como pretende a PEC 10/2022 – conecta o capitalismo brasileiro a uma dimensão vampiresca.

O texto da Constituição de 1988 é taxativo na proibição de mercantilização de órgãos, tecidos e substâncias humanas, assim como da coleta, processamento e transfusão de sangue e seus derivados.

O parágrafo 4º do artigo 199 diz com todas as letras que é “vedado todo tipo de comercialização”; não tem espaço para vampiros!

Apesar, no entanto, desta clareza da Constituição sobre o sangue humano, mercadores sanguessugas inventaram uma maneira de burlar este princípio ético e civilizatório do SUS que assegura a todo ser humano o acesso livre, seguro e gratuito a este ingrediente vital à vida e à sobrevivência humana, que é o sangue.

Eles malandramente propõem a inclusão de um 5º parágrafo ao artigo 199 da Constituição, com o seguinte conteúdo: “§ 5º – A lei disporá sobre as condições e os requisitos para coleta e processamento de plasma humano pela iniciativa pública e privada para fins de desenvolvimento de novas tecnologias e de produção de biofármacos destinados a prover o sistema único de saúde”.

Em matéria laudatória ao “novo mercado”, a revista Exame destaca que “a PEC é boa para a economia porque o mercado atual de hemoderivados no país movimenta cerca de R$ 10 bilhões, segundo estimativas das indústrias farmacêuticas. Esse é o tamanho de toda uma indústria a se desenvolver no país, com investimentos, geração de empregos e tributos”.

Depois de aprovar o comércio de plasma humano, decerto o passo seguinte da necro-oligarquia brasileira será implantar aquilo que o fascista Javier Milei pretende caso eleito na Argentina; ou seja, que pobres “tenham o direito” de se mutilarem e de venderem seus próprios órgãos para sobreviverem, porque o Estado Mínimo os abandonará à própria sorte – ou ao próprio azar! –, deixando-os sob os desígnios lúgubres do deus-mercado.

A resposta que o governo Lula precisa dar a essa barbárie e ao vampirismo capitalista ultraliberal é fortalecer o SUS e capacitá-lo para ser autossuficiente na coleta, no processamento e no provisionamento de sangue e seus derivados em quantidade suficiente para todo povo brasileiro.

Aliás, foi este princípio público nobre e elevado do SUS que salvou o Faustão. O Faustão hoje tem o SUS pulsando no seu coração por meio da doação solidária, não do egoísmo e do vampirismo capitalista.

Sangue não combina com lucro!
 

27
Ago23

O avanço inesperado de Milei e o esvaziamento da vida política - II

Talis Andrade

O bolsonarismo invade a Argentina 

por Camila Koenigstein

Cult

No domingo 13 de  agosto, ocorreram as primárias no país. Por meses se especulou sobre os índices que o candidato alcançaria. Para muitos, sua participação seria quase simbólica, no entanto, em diferentes lugares, era comum ouvir que o candidato era o único que apresentava propostas, um plano de governo que traria um novo momento para a história política da Argentina, varrendo o que ele denomina de casta, marcada quase integralmente pelo peronismo.

Embora seu nome circulasse com frequência, poucos esperavam que Javier Milei seria o mais votado, com 30% do total. O resultado nas urnas gerou uma grande movimentação dos outros candidatos, analistas políticos e jornalistas. O que antes era uma possibilidade mínima é agora uma realidade que precisa ser enfrentada. Desde o domingo, os jornais não param de anunciar as inúmeras propostas do candidato e seu conhecido plano motosierra, que inclui corte de diversos ministérios, plebiscito sobre a lei do aborto, e mudança no código 14 da Constituição, em que constam os direitos trabalhistas, a venda de órgãos, o fechamento do Banco Central, educação paga e opcional, e a dolarização, tudo isso mesclado com doses de falácia sobre corte de relações com países que Milei considera comunistas, como China e Brasil, além da proposta de dissolução do Mercosur. Em 2022 a Argentina fez um pacto bilateral com a China para receber fundos para obras de infraestrutura.

Quanto ao Brasil, Milei pensa em cortar vínculos com o país vizinho de forma imediata, e chegou a chamar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de zurdo salvaje. O Brasil é historicamente um dos parceiros comerciais mais importantes da Argentina.

Com o apoio de Diana Mondino, uma economista famosa que possivelmente será ministra das Relações Internacionais caso ocorra sua vitória, e de sua vice, Victoria Villarruel, reconhecida pela negação da ditadura e das cifras de desaparecidos, Milei forma um time com bases duras, que põe em xeque a constituição moral e ética da sociedade argentina. Do outro lado, Sergio Massa (Unión por la Patria), representante da ala peronista, encara a difícil tarefa de reverter os índices dentro dos próximos 60 dias, tendo como os seus principais opositores o próprio Javier Milei (Libertad Avanza) e Patricia Bullrich (Juntos por el Cambio), representante da ala macrista. De maneira geral, tanto Milei como Bullrich representam alas conservadoras, políticas neoliberais. A diferença é que Patrícia busca manter certo verniz social, foca seu discurso nos aspectos econômicos e mantém um perfil discreto. A candidata é avessa a temas polêmicos.

 

O que esperar dos próximos 60 dias?

Os próximos 60 dias serão determinantes para alterar o atual cenário. A vitória de Javier Milei nas primárias “assustou” a todos. Sem dúvida, o maior desafio de Sergio Massa é mostrar sua capacidade de reinventar o peronismo e reorganizar a sociedade argentina. O que joga contra o candidato é precisamente seu cargo de ministro da Economia e suas decisões pouco acertadas nos últimos anos, o que gerou um estado de hiperinflação e grande descontentamento social. Na próxima semana, o ministro se reunirá com técnicos do FMI numa tentativa de melhorar sua imagem e mostrar certo controle sobre a atual situação econômica do país.

O acordo “dará à Argentina acesso a cerca de US$ 7,5 bilhões”, mas está sujeito à aplicação das medidas acordadas pelo governo e à aprovação do conselho de administração, que se reunirá na segunda quinzena de agosto, informou em comunicado. Os pagamentos serão realizados em dois momentos: um na terceira semana de agosto e o outro na primeira de novembro, declarou à imprensa o ministro da Economia argentino, Sergio Massa, que é candidato à presidência do país pela coalizão peronista de centro-esquerda no poder. Esses fundos são um alívio para Massa, que acusa a oposição de tentar “travar o acordo”, alcançado após semanas árduas de negociações. “Foi acordado um pacote de políticas.”

“Estamos vendo candidatos que fazem vídeos com frases fáceis que viralizam entre pessoas que estão preocupadas com o seu dia a dia. Esses slogans aparentam ser uma solução para os problemas, mas necessitamos de um programa de desenvolvimento exportador”, afirmou Massa. E agregou: “Há um caminho a percorrer. Temos uma tormenta e precisamos administrá-la”. O peronismo enfrenta uma das maiores crises da sua história recente, uma turbulência que está só no começo. Ainda não sabemos o que virá, mas o rumo da história do país já mudou radicalmente.

27
Ago23

O avanço inesperado de Milei e o esvaziamento da vida política

Talis Andrade

por Camila Koenigstein

O fenômeno que marca o avanço dos partidos de ultradireita em diversos países chegou à Argentina. Embora exista uma tendência a vinculá-lo à crise econômica que o país atravessa há décadas – intensificada nos últimos anos com a polarização entre macrismo e kirchinerismo (la grieta), que gerou um cenário de forte hostilidade política entre grupos de oposição –, não podemos deixar de pensar que tal momento é reflexo de um movimento que vem ganhando força em diversas partes do globo, o que insere o país em um contexto mais amplo de mudanças políticas, sociais e no âmbito das mentalidades.

A precarização da vida laboral, a frustração do corpo social, o rechaço dos jovens ao cenário político atual e as desilusões oriundas da pobreza que hoje assola 39,2% da população possibilitaram o surgimento de novas subjetividades que formaram um caldo de cultivo de ideias que para muitos pertenciam ao passado.

Os mais jovens identificam em Milei a rebeldia que quase sempre está presente na juventude, porém, diferentemente de outros momentos, esse setor fez emergir um forte antipopulismo, e o próprio conceito de democracia e liberdade foi interpretado como o reino da individualidade plena, ou seja, o neoliberalismo na sua maior expressão.

No entanto, como afirma Hannah Arendt, em O que é política?:

Caso ocorra a abolição do político, obteríamos uma forma despótica de dominação ampliada e até monstruosa, surgindo um abismo entre dominadores e dominados que não possibilitaria sequer rebeliões, muito menos que dominados controlassem de alguma maneira dominadores. A dominação burocrática, a dominação através do anonimato das oficinas não é menos déspota porque ninguém a exerce. Ao contrário, é ainda mais temível, pois não há ninguém que possa falar com este ninguém nem protestar ante ele.

A postura absoluta contra o Estado defendida por Javier Milei mostra uma face déspota, que é facilmente manipulada através de frases de efeito e gritos de liberdade. Mas a ausência do Estado como mediador das relações de poder expõe os mais frágeis a uma situação de extrema vulnerabilidade. Os cortes em programas sociais, as alterações nas leis trabalhistas e sua defesa do minarquismo colocam em jogo tudo o que foi construído em termos de direitos humanos até o presente momento no país.

Assim como ocorreu no Brasil e alguns países europeus, a Argentina se depara agora com a ascensão de um candidato que desde 2016 vem construindo um discurso antissistêmico e hipercapitalista, muitas vezes de difícil compreensão pela falta de coerência, mas que encontrou no corpo social ressonância.

Muito mais do que a personificação do cansaço social, Javier Milei encarna a figura do pai que resolverá tudo utilizando o autoritarismo autorizado pelos seus eleitores. Esse pai que organiza tudo também tira dos indivíduos suas responsabilidades, afinal o pai cuida, protege, age conforme seus valores e desejos sem consultar os filhos.

A premissa kantiana que anunciava que o estado de dependência oriunda da menoridade (falta de esclarecimento e racionalidade) gera de alguma forma uma satisfação no sujeito, já que ele não faz uso de conceitos éticos para decidir o curso dos problemas sociais, expõe a falta de contato dos jovens com o passado e com os temas vinculados à vida política, uma característica importante quando observamos o esvaziamento da vida social e política na atualidade.

O discurso de Milei desperta certo “comodismo” ao culpabilizar os que dependem de ajuda social pela situação do país hoje, assim como todos os que compõem o quadro político atual. Os bodes expiatórios servem como justificativa rápida para problemas complexos, um mecanismo exitoso quando pensamos na manipulação das massas. Nesse sentido, também podemos utilizar Kant e seu livro Sobre a paz perpétua para entendermos a importância das leis e da moral como condutores da vida em sociedade. Para o autor, não é a economia que deve direcionar a sociedade, já que ela não faz parte da razão. Parafraseando Byung-Chul Han em Capitalismo e impulso de morte, a política teria que se submeter de novo à moralidade e seus valores, tais como a solidariedade, a justiça e a dignidade humana. Para tanto seria necessário frear o “poder do dinheiro” e a hegemonia do capital. Longe desses princípios, vemos a ascensão da irracionalidade de um homem que defende a venda de órgãos como uma prática a ser normalizada, uma mera transação comercial, usando o conceito de liberdade individual de forma rasa, negando o valor da ética e da moral na política, exaltando o capital e a individualidade como as únicas saídas para a crise instalada na sociedade argentina.

27
Ago23

Javier Milei: o poder e a prisão do cringe

Talis Andrade
 
Reprodução/Redes SociaisJavier Milei (E) e Eduardo Bolsonaro, reprodução/redes sociais, fazendo arminha com os dedos, imitando Jair Bolsonaro na campanha eleitoral da extrema direita armada

 

Renato Duarte Caetano

Cult

Cringe talvez seja um dos termos mais adequados para descrever o sentimento de quem assiste às performances do vencedor das primárias argentinas Javier Milei. É impossível não contorcer em total constrangimento ao ver o candidato com maiores chances de virar presidente da Argentina comportando-se de maneira tão desavergonhadamente ridícula.

Como se não bastasse exibir com orgulho um penteado mais caótico do que qualquer moda adolescente dos anos 2000, Milei também ostenta fantasias cosplay de Deus Imperador Ancap e se gaba de ser frequentador assíduo de orgias assim como instrutor de sexo tântrico. Isso sem falar de seus óculos propositalmente tortos e sua pose oficial, cujo olhar é tão intenso que cria uma mistura bizarra de pseudo-serial killer com esoterismo à la Shanti Ananda de Ligue Djá.

Tudo na estética de Milei aponta para o cringe, o ordinário e o grotesco. Todavia, ao contrário do que pensaríamos, é justamente no cringe que se encontra a maior parte de seu poder, de seu apelo e de sua popularidade.

Para os que não estão a par da expressão, cringe é a palavra da moda para descrever o profundo desconforto que sentimos quando vemos alguém se constranger ou se ridicularizar em público. Geralmente o sentimento é ainda mais intenso quando a situação de embaraço envolve uma tentativa objetivamente falha de projetar poder ou carisma.

Para dar um exemplo, é um pouco daquilo que sentimos quando víamos os vídeos do então à época candidato Bolsonaro, fazendo flexões fajutas e desengonçadas em público. Para que o cringe emerja corretamente, todavia, é preciso que o espectador não se identifique com o protagonista da cena. Caso haja qualquer tipo de reconhecimento subjetivo, o sentimento de constrangimento é substituído por afetos de empatia, simpatia e admiração. Um pouco do que aconteceu quando muitos brasileiros se enxergaram na participante Juliette durante a edição do BBB de 2021: quanto mais Juliette era subjugada pelos outros participantes, mais sucesso ela fazia com o público.

Ou seja, há um cálculo muito sensível e complicado no balanceamento entre identificação e desidentificação. Dominar essa matemática, porém, se tornou uma das formas mais eficazes de acelerar o próprio carro na corrida pela popularidade nacional. E não há dúvida de que nessa maratona, os políticos de extrema direita vêm alcançando velocidades nunca antes vistas.

Javier Milei, como sabemos, não é um produto exclusivo argentino, ele é mais um político que adentra o clã das paródias populistas de extrema direita. É preciso compreender também como grande parte do sucesso desses populistas está diretamente relacionado ao fato de que vivemos num contexto social cuja tolerância por hierarquias sociais vem diminuindo exponencialmente.

Há uma tendência generalizada pela valorização da horizontalidade, da desierarquização e da democratização da participação e do poder. Sustentar o peso do lugar de autoridade simbólica nunca foi tão custoso. E isso faz com que se apresentar como uma pessoa digna de ocupar o lugar da presidência seja uma tarefa praticamente impossível. Enxovalhar os diversos locus de poder, incluindo a presidência, aparece então como um atalho mais curto. Avacalhar a seriedade dos ritos, dos elementos simbólicos e de tudo que reveste a política de uma aura transcendental tornou-se uma resposta mais barata para o problema da tensão contemporânea entre sociedade, indivíduos e autoridades.

Dessa maneira, quando Milei dança ao som de “Bomba tântrica”, assim como quando realiza qualquer de suas outras palhaçadas, ele performa uma subversão do status quo que não se dá através de um uso do poder simbólico, mas de sua desconcatenação pela via da estética do ridículo. O mau gosto se torna tanto uma arma a ser usada contra as elites e contra seus adversários políticos, quanto um escudo para se proteger da percepção pública de que o próprio Milei faz parte da elite.

Ao permitir que seus eleitores riam com e dele, o candidato faz com que seus seguidores acessem um lugar de poder que só existe através da ridicularização do próprio. O prazer de debochar das autoridades, das elites das hierarquias, é o que sobra em uma sociedade na qual a mobilidade social e a melhoria material da qualidade de vida parecem simplesmente impossíveis.

O perigo de populistas como Milei não está, assim, apenas em suas políticas econômicas desastrosas, em seu desmonte do Estado e em seus ataques às conquistas de direitos sociais. A ameaça está presente também na difusão de uma fantasia predadora que afirma que hoje em dia só é possível rir da política, sendo considerada ingênua e alienada qualquer atitude que visa tentar levá-la a sério. Ridiculariza-se aquilo que, acredita-se, seja impossível de transformar. É certo que o riso, principalmente aquele advindo da paródia, serviu como ferramenta de emancipação política para muitos grupos historicamente oprimidos e marginalizados; o mais claro exemplo disso é a comunidade queer. Todavia é importante compreender que o prazer derivado do poder que emana do riso da paródia também pode funcionar como um poderosíssimo anestésico.

Um povo que ri de seu aprisionamento pode se tornar demasiadamente afeiçoado à sua condição de subjugamento, correndo o risco de lutar para defender sua própria submissão. Não argumento pela posição de que não deveríamos rir de políticos como Milei. É de suma importância que sejamos capazes de ridicularizá-lo. O importante aqui é compreender que é necessário levar a sério uma certa desidentificação social com a figura do underdog e do perdedor. Para vislumbrar um horizonte no qual o povo não é submisso a figuras abjetas. É preciso voltar a imaginar e principalmente sonhar com a vitória.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub