Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

08
Jul21

Temos senadores na CPI que carregam porcos nos ombros

Talis Andrade

porco – Ivo Viu a Uva

Eu já tinha visto, pela TV Senado, um senador carregando um porco, mas não quis acreditar nos meus olhos cansados.

Podia ser um jabuti. Desses que sobem em árvore. Se sobe em árvore... 

Escreveu, domingo, o doutor Gustavo Krause: "No jogo político, é um bicho 'misterioso' que surge nos textos. Quando se dá fé, o jabuti que, segundo a sabedoria popular 'não sobe em árvores', se 'subiu' é porque alguém botou. Quem?"

Lendo o doutor Lenio Luiz Streck agora tenho certeza: 

Não é porque a tecnologia é superinteligente; você é que é preguiçoso

 

por Lenio Streck

- - -

Não existe intelectual bronzeado (é uma metáfora). Direito é coisa séria. E é um fenômeno complexo. Por isso luto por uma coisa chamada epistemologia, coisa que parece que os facilitadores do Direito não compreendem. Porque é complexo. E não dá para desenhar.

Por isso tenho feito críticas ao uso da inteligência artificial e às fórmulas facilitadores da comunicação jurídica, mais especificamente o visual law e o legal design.

Já fui chamado de conservador, jurássico (para minha honra e glória), afora as ofensas proferidas por pessoas do grupo Columba Livia, composto por especialistas em vencer disputas argumentativas inspiradas no famoso model chess game with pigeons e “de como ofender pessoas sem argumentos”.

Mas não quero perder o “foco”. Impressiona, por exemplo — e quem me alertou sobre isso foi o professor Arthur Ferreira Neto, maior especialista em metaética no Direito do Brasil — a bela contradição performativa dos entusiastas do visual law, que, ao apresentarem longa defesa dessa inovadora metodologia, valem-se apenas do “tradicional e conservador discurso textual analítico”, com introdução, desenvolvimento e conclusão. Usam até as serôdias notas de rodapé. Tudo para defender o novo modelo comunicacional. E eu acrescento: Nenhuma defesa com setinhas! E emojis. E também não dá para preencher plataforma lattes (ups, o que seria isso?) com setinhas e sinais.

Jurássico, conservador, reacionário, ultrapassado. Todas as setinhas apontando a “Lenio Streck”. Deltanianamente!

Bem que podia. Mas não vi nenhuma figura ou desenho maneiro que facilitasse a nossa compreensão dos argumentos por eles defendidos!!

Lembro que o gaiato quem disse que o livro de papel iria acabar escreveu a grande nova em… um livro… de papel. E o mundo está repleto de gordos vendendo remédio para emagrecer. E calvos oferecendo o milagre da multiplicação capilar. E gente oferecendo facilidades na área jurídica. Sem considerar o neopentecostalismo jurídico, a epistemologia da prosperidade concurseira, que, aliás, chegaram antes do visual law.

O velho paradoxo do filósofo pragmático, que diz que as teorias filosóficas não servem para nada e, para isso, elaboram uma teoria filosófica.

A nova algocracia

O pesquisador John Danaher diz que isso tudo faz parte da nova algocracia. Sim, a algoritmo-cracia. Ele mostra como já somos reféns dos algoritmos, designs e quejandos.

Ele fornece uma porção de exemplos do domínio da algo-cracia. Bom, cada um de nós sabe bem disso. Basta entrar nas redes sociais. Ou receber uma intimação de Tribunal às duas da manhã. Algoritmos não dormem.

Escreva a palavra “prova” ou “exame” em um recuso especial ou extraordinário. O robô, feito um sniper, fulminará seu pedido. São os grupos de extermínio de recursos.

Diz Danaher: toda a informação que chega até nós pelas redes sociais passa por uma “curadoria algorítmica”…!

Aboliram a filtragem institucional da mediação e, no lugar, colocaram um algoritmo. Quem programa o algoritmo?

Ele diz mais (algo que eu já digo há mais tempo): terceirizamos o ato de pensar, perdemos o ato de raciocinar sozinhos, perdemos a nossa autonomia. Esse é o busílis. Meu problema não é com este ou aquele tik-toker. É com a terceirização do raciocínio, do pensamento, da reflexão com rigor e critério.

Mas a parte mais interessante do pesquisador é esta frase: não é porque a tecnologia é superinteligente; nós é que somos preguiçosos.

E ele diz que é preciso reagir.

Concordo. É o que estou tentando fazer de há muito. Comecei denunciando o ensino prêt-à-porter, pret-à-parler e prêt-à-penser. De há muito demonstro que resumos e resuminhos emburrecem. Também brado há anos contra concursos quiz shows.

Mas eles foram avançando. Agora já nem querem resumir. Querem desenhar. E colar figurinhas. O que virá depois?

Mas para dizer isso e me criticar ainda precisam de longos textos. Com notas de rodapé.

Danaher tem toda a razão! Já denunciava isso em 2016.1 A algo-tyrannos; a tirania algorítmica.

Não sei se são bons em xadrez. Mas vencem sempre!

Post scriptum: Quem colocou o porco no meu ombro? Porco safado! Processemos o porco!

Assistindo a CPI da Pandemia e ouvindo os depoentes (a do Roberto Dias é exemplar!), lembro de um causo que se conta na cidade de Itaqui, minha primeira Comarca.

O gaiato foi preso em flagrante furtando um porco. Levava o suíno nos ombros, segurando em cada lado as pernas do bicho.

Levado à Delegacia, foi interrogado.

Delegado: “O senhor furtou o porco?”

Resposta: “Porco? O que é um porco? E o que é ombro? Defina ombro, por favor, senhor delegado. E mais: se esse porco existe, então alguém o colocou no meu ombro, considerando que também eu tenha ombros. Conclusão: nada sei sobre suínos.”

Na CPI, depoentes fazem a mesma coisa. E ainda vem um senador em sua defesa, dizendo:

“Esse porco é realmente ousado. Onde se viu pular nas costas de um sujeito honesto e ali se fixar, indevidamente?”

Oh, Catilina… Oh, Catilina…

Tempos em que não há mais fatos; só há narrativas…

Simulacros e simulações! O que é um porco? Ombros? Esses porcos… Costumam pular nos ombros de inocentes transeuntes…


1 Danaher, John. (2016). A ameaça da algocracia: realidade, resistência e acomodação. Filosofia e Tecnologia , 29 (3), 245-268.

Image

04
Jul21

Salsichas, bodes e jabutis

Talis Andrade

salsichas

O jabuti é filho da cultura política corporativa, patrimonialista e corrupta. A privatização da Eletrobrás é campeão: tem todas as espécies

 

 
 
- - -

É o cardápio exótico e preferido pelos legisladores brasileiros.

Salsichas. “As leis, como as salsichas, deixam de inspirar respeito na medida em que sabemos como são feitas”, frase de autoria do poeta americano John Godfrey Saxe (1816-1887). Credita-se definição semelhante ao “Chanceler de Ferro”, Otto von Bismarck, unificador da Alemanha (1815-1898).

A originalidade da frase é irrelevante: ambos têm razão. Salsichas podem ser a armadilha das impurezas. É um “produto cárneo”, segundo os regulamentos do Ministério da Agricultura, cujo “zelo fiscalizatório” não evitou, (17/03/17), a deflagração da “Operação Carne Fraca”.

Bodes. A fábula do bode é muito conhecida. Para enfrentar as reclamações cotidianas, o chefe da família foi aconselhado a colocar o bode na sala. As reclamações continuaram. Então, o conselheiro sugeriu: “tire o bode da sala”! Que alívio. Deixaram de aporrinhar o atencioso cidadão.

O bode é um bicho resistente e injustiçado: expia com sacrifício a culpa dos outros. Nas negociações, as partes usam bodes, exigências absurdas, que, uma vez excluídas, reste o alívio como a sensação de êxito.

No ping-pong institucional de iniciativa de projetos de lei, emendas, sanção, vetos confirmados ou derrubados, é comum usar o bode. Como neste jogo ninguém é bobo, o bode é sacrificado. O problema maior é quando ele permanece e passa a incomodar a coletividade.

Jabutis. Na fauna, é um réptil terrestre dotado de carapaça e uma expectativa de vida que pode chegar a cem anos. No jogo político, é um bicho “misterioso” que surge nos textos. Quando se dá fé, o jabuti que, segundo a sabedoria popular “não sobe em árvores”, se “subiu” é porque alguém botou. Quem?

O jabuti é filho legítimo da cultura política corporativista, patrimonialista, clientelista e corrupta. Tem o patrocínio (lobbies) de interesses menores, imediatos, privilégios, e, quase sempre, derrota o interesse público, o grande órfão da representação popular.

Exemplos. São muitos. Vamos aos mais recentes: a privatização da Eletrobras tem todo tipo de jabuti, é campeã; o projeto de criação de federação de partidos e o “distritão” liquidam a possibilidade de aperfeiçoamento do sistema partidário; a proposta de reforma eleitoral (934 artigos) e o afrouxamento do crime de improbidade administrativa abrigam grandes jabutis com CPF e RG.

A aliança pelo retrocesso, governo e “centrão”, se afasta, cada vez mais, da sociedade, o risco é que a proliferação dos jabutis derrube a árvore na cabeça dos cidadãos.

Faltou o boi? A boiada tá passando.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub