Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

15
Jan22

'Pernambuco, meu país' tem três vencedoras Troféu Mulher na Imprensa

Talis Andrade

 

imprensa mulher pe.jpg

As vencedoras pernambucanas do Troféu Mulher IMPRENSA: Rita Vasconcelos, Bianka Carvalho e Ana Dubeux. Imagem(Fim)

 

por Denise Bonfim /Portal Imprensa

Tudo em Pernambuco é melhor. Pelo menos é o que um pernambucano responde ao ser perguntado qual é o melhor país - sim, país. Pelo menos é assim que as camisetas e adesivos vendidos no estado o definem - para se viver. 

E nesta 15ª edição do Troféu IMPRENSA, o estado foi muito bem representado por três grandes vencedoras: Rita de Cassia Vasconcelos (Assessoria Corporativa/Fiocruz), Bianka Carvalho (Repórter TV/TV Globo) e Ana Dubeux (Liderança/Correio Braziliense). 

"O pernambucano tem essa história de ser o melhor. Eu tenho um artigo sobre 'República do Bolo de rolo', dessa mania de grandeza, digamos assim", brinca Ana, que comemora a qualidade do trabalho apresentado pelos representantes nordestinos.

"Em outras ocasiões, outros juris de premiações, fico sempre bem impressionada com a quantidade de trabalhos interessantes da região nordeste. Especialmente de Pernambuco, vemos coisas interessantes do Ceará. É curioso para mim, que estou em Brasília, que as premiações saiam do eixo Rio-São Paulo. Algumas ficam muito focadas. As vezes, Brasília aparece, mas o Nordeste é mais difícil", comenta.

Bianka, que se define como uma "apaixonada" por Pernambuco, considera o reconhecimento não só importante para o estado, mas também para as mulheres.

"Eu sou apaixonada pelo lugar que vivo. Aliás, todos aqui tem, tanto que a gente diz: 'Pernambuco, meu país' (risos). Fico muito feliz por ser mulher, jornalista, de Pernambuco e do nordeste. São barreiras que a gente vence, esteriótipos que quebramos. Tem muita gente boa aqui, e que lindo ver isso traduzido em um prêmio". 

Assessora da Fiocruz em Pernambuco, Rita aponta que  a premiação reconhece a qualidade do jornalismo feito na região. 

"É o reconhecimento das boas escolas de jornalismo que temos aqui. Um jornalismo muito crítico, muito ligado, no meu caso especialmente, da comunicação social, para além do jornalismo. O compromisso com o social. Com essa característica, não é surpreendente que tenhamos um bom trabalho". 

Durante a pandemia, a Fiocruz foi um dos órgãos mais importantes para o país, seja na produção das vacinas desenvolvidas pela Astrazeneca, ou nas pesquisas relacionadas ao vírus e nas informações prestadas à população sobre o vírus no geral.  

Para Rita, ter sido premiada mesmo estando longe da sede da instituição, que fica no Rio de Janeiro, tornou o prêmio ainda mais especial. 

"Fiquei mais feliz ainda por ser uma sede no Nordeste. A Fiocruz atuou a nível nacional com todas as regionais. Ter esse reconhecimento em uma regional, dentro de uma assessoria, normalmente no jornalismo isso é muito invisível. Para uma assessoria é difícil aparecer se não for para os pares. Foi uma grata surpresa. É um impulso para todas as regionais", conta. 

 

Diversidade

 

Neste ano, o troféu carregou a missão da diversidade. E para isso, é preciso "abrir o leque e mostrar o país em sua essência", como comentou Ana. 

"Falamos tanto em diversidade, em abrir o leque e mostrar o país em sua essência. Considero muito interessante que tantas pessoas concorram e possam competir em pé de igualdade. Nosso jornalismo está mais vivo do que nunca, bem representado em várias áreas".

Bianka ressalta que a diversidade deve se dar em vários aspectos. "Esse premio teve algumas felicidades, desde a quantidade de mulheres negras e essa retirada desse foco [regional]. Chega de coisas só centradas no sul e sudeste", comentou. 

"Para ter participação e até para educação popular ele tem que ser diverso, e a diversidade é de tudo, crença, cor, sexual, de ideias, e de local e região também. Por que não? Que bom que tem três pessoas aqui de Pernambuco, fico feliz. Espero que nos próximos anos a gente consiga ampliar mais, ampliar para o nordeste. Tem gente muito boa fazendo jornalismo aqui", finaliza. 

Na última sexta-feira, foi ao ar o programa comemorativo às vencedoras. Nesta edição, sob a bandeira da diversidade, o troféu tinha como objetivo celebrar as conquistas das vencedoras e aprender com elas como enfrentar os desafios da cobertura dos direitos humanos. Para assistir, clique aqui. A lista completa com todas as vencedoras você encontra aqui.

03
Out21

"Fora Bolsonaro": imprensa europeia destaca atos a favor do impeachment do presidente brasileiro

Talis Andrade

 

O jornal francês Le Monde destaca que os protestos ocorreram em 84 cidades brasileiras, convocados por movimentos e partidos de esquerda, além de centrais sindicais. O diário ressalta que a principal reclamação é a gestão da epidemia de Covid-19, que deixou quase 600 mil mortos no Brasil. No entanto, os participantes dos atos também criticam o aumento nos preços dos alimentos, do gás e da gasolina, bem como a alta taxa de desemprego: mais de 14 milhões de pessoas estão sem trabalho no país. 

Le Monde também trata sobre a dificuldade do movimento de obter resultados concretos. "Mais de uma centena de petições que pedem o impeachment aguardam na Câmara dos Deputados, mas seu presidente, Arthur Lira, um aliado do governo, não dá sequência aos procedimentos. O Supremo Tribunal, por sinal, ordenou a abertura de várias investigações contra Jair Bolsonaro e seus familiares, especialmente pela disseminação de falsas informações", publica. 

O site da revista francesa Courrier Internacional lembra que esse é o sexto ato organizado contra o presidente desde maio, quando a oposição resolveu retornar às ruas depois de um ano de crise sanitária. A matéria lembra, no entanto, que essa foi a primeira vez que os organizadores contaram com o apoio da centro-direita e da direita, "com o objetivo de estender a frente de batalha para resistir os ataques de Bolsonaro contra as instituições democráticas e as urnas eletrônicas". 

 

"Uma figura odiosa"

Thom Philipps, o correspondente do jornal britânico The Guardian no Rio de Janeiro, acompanhou o ato na capital fluminense e conversou com os manifestantes, para quem Bolsonaro "é uma figura odiosa". A matéria lembra que pesquisas recentes mostram que 58% da população rejeita o presidente brasileiro.  

No entanto, com um apoio inveterado de 20% de sua base e o aval do centrão, um impeachment neste momento parece algo improvável para o jornal britânico. Para The Guardian, a única chance de tirar o Bolsonaro do cargo é através das próximas eleições, sobre as quais "sondagens mostram que ele perderia para qualquer adversário". 

Para o jornal português Público, a mobilização "Fora Bolsonaro" reforça a candidatura de Lula para as eleições de 2022, "que tem 45% das intenções de voto", ressalta a matéria. O diário dá destaque às manifestações "Fora Bolsonaro" organizadas por brasileiros que vivem em Portugal - as maiores ocorreram em Lisboa, Porto e Braga. 

 

11
Ago21

A imprensa e o voto impresso e o fumacê dos velhos tanques de Bolsonaro

Talis Andrade

 

Uma parada de tanques para entregar um convite a Bolsonaro. E intimidar os deputados para votar pela volta do voto impresso nas eleições presidenciais de 2022. Foi um fumaçê para nada. Foi mais uma gastança de dinheiro que começou com as motociatas 

Image

 

Capa do jornal Folha de S.Paulo 11/08/2021Capa do jornal Estadão 11/08/2021Capa do jornal O Globo 11/08/2021

Capa do jornal Estado de Minas 11/08/2021Capa do jornal Extra 11/08/2021Capa do jornal Correio Braziliense 11/08/2021ImageImage

 

04
Abr21

"Sergio Moro é o maior traidor da história do Brasil", diz Joaquim de Carvalho

Talis Andrade

 

cia tio sam moro.jpg

 

247 - O jornalista Joaquim de Carvalho, em participação na TV 247 neste sábado (3), afirmou que o ex-juiz Sergio Moro, que se utilizou do sistema de justiça brasileiro para perseguir o ex-presidente Lula e favorecer seu próprio projeto de poder, "é o maior traidor da história do Brasil". 

"Moro é o maior traidor, ponto final. Foi ele que, como juiz, vendeu a sentença para se tornar ministro, e o [Jair] Bolsonaro é consequência de todo esse processo", afirmou.

Ele, no entanto, destacou que Moro só conseguiu avançar no processo de lawfare contra Lula porque teve o apoio de instituições brasileiras. "Temos que considerar que hoje existem setores das instituições que precisam ser vistos como traidores, porque o Moro sozinho não faria verão, ele teve apoio das instituições".

Segundo o jornalista, três instituições "precisam ser revistas, olhadas com muita atenção, porque elas foram a base do golpe: o Ministério Público, a imprensa brasileira e o Exército Brasileiro".

Brasil moro levi piratas corsários traidores .jp

moro vaza tio sam.jpg

moro juiz partidário da justiça tio sam.jpg

moo golpista de Bolsonaro de Tio Sam.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub