Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Set19

La censura en Río de Janeiro a un cómic con un beso gay

Talis Andrade

beijo Livro-Vingadores-A-cruzada-das-criancas..jpg

beijo cruzada das crianças.jpg

 

 

por Juraima Almeida

No sucedió en un país del Medio Oriente, sino en la turística Río de Janiero, donde inspectores municipales, cumpliendo funciones de Policía Moral a las órdenes del alcalde evangélico Marcelo Crivella –aliado de Jair Bolsonaro y sobrino del dueño de la Iglesia neopentecostal Universal del Reino de Dios, Edir Macedo–, invadieron la Bienal del Libro y comenzaron a recorrer los stands de las editoriales en busca de “escenas de homosexualismo”.

beijo cruzada das crianças .jpg

 

Hasta uno de los diarios más vendidos de Brasil, Folha de Sao Paulo, respondió a la homofobia del intendente de Río de Janeiro , con una tapa en homenaje al cómic del beso entre dos hombres que el político y exobispo evangélico había censurado en la Bienal Internacional. Crivella ordenó el jueves que se retiraran de los estantes 

de la exposición el cómic de Marvel «VInspectores en la Bienal del Libro de Río (Foto: gentileza Prensalibreonline).engadores, la cruzada de los niños» por considerarlo «inapropiado» para menores.

Que el ultra homofóbico Crivella, obispo de la Iglesia Universal del Reino de Dios, censura un beso gay no podía sorprender a nadie.

«Más que una iglesia, la Universal, que ahora está en decenas de países, es una mafia con vinculaciones con el crimen organizado y el lavado de dinero, que se dedica a recaudar dinero de múltiples formas y que, además de hacer millonarios a sus dueños y sus socios, ha servido para fundar un proyecto político que llevó a varios pastores al Congreso, a los ministerios y a legislaturas provinciales y locales, y, en 2016, conquistó la alcaldía de la Ciudad Maravillosa», señala Bruno Bimbi.

Fue un mega operativo, con toda la pompa, como si buscaran un cargamento con toneladas de cocaína, una bomba, el escondite de una célula terrorista o algo aún más peligroso. Pero buscaban libros. “Libros impropios”, como los calificó el alcalde. El gobierno mandó inspectores a la Bienal para retirar de circulación los libros que tuvieran contenido LGBT. No quedó claro si, luego de identificarlos y decomisarlos, organizarían una quema en alguna plaza pública, como los nazis. A este punto llegó el Brasil de Bolsonaro, señala el periodista Bruno Bimbi.

 

Pero su decisión, que fue calificada por diversas instituciones como un acto de censura, generó el efecto contrario: rápidamente los números de la historieta se agotaron y los internautas inundaron las redes con el hashtag #LeaConOrgullo, en apoyo a la causa de la comunidad LGBT (lesbianas, gays, bisexuales y transgénero).

La Justicia ya condenó el acto de homofobia del intendente y aclaró que las autoridades deben «abstenerse de confiscar obras en función de su contenido, especialmente aquellas que tratan sobre homotransexualidad», y tampoco pueden «suspender la licencia de la Bienal», de acuerdo al fallo del magistrado Heleno Nunes, quien concedió una medida cautelar al constatar una «aparente afronta a los principios constitucionales pertinentes a la libertad de expresión».

«Hay una cierta controversia en los medios por la decisión de la Alcaldía de mandar recoger los libros que tenían contenido de homosexualidad, afectando a un público infantil, juvenil», afirmó Crivella este viernes en un video publicado en su cuenta de la red Twitter. «Lo que hicimos es para defender a la familia. Ese asunto debe ser tratado en la familia, no puede ser inducido, sea en la escuela, en la edición de libros, sea donde sea», justificó.

La Bienal del Libro es uno de los mayores eventos literarios de Brasil. Además de exhibir todo tipo de publicaciones, ofrece charlas, debates y conversatorios con escritores.

La Bienal reivindicó que se trata de un festival «plural» que da «voz a todos los públicos, sin distinción, como debe ser una democracia». «La dirección del festival entiende que, en caso de que algún visitante adquiera una obra que no le agrade, tiene todo el derecho de solicitar un cambio de producto, como prevé el Código de Defensa del Consumidor», subrayaron. Inclusive, están previstos paneles de debate sobre literatura trans y LGBT, añadieron sus organizadores.

A pesar de que el Congreso -de perfil conservador- nunca legisló al respecto, un fallo de la Corte Suprema de Brasil autorizó en 2011 la unión civil entre personas del mismo sexo. Este año el país criminalizó la homofobia, equiparándola al delito de racismo, un paso importante para las minorías sexuales en uno de los países con más asesinatos de personas de la comunidad LGBT del mundo.

Antes del operativo, las autoridades de la Bienal habían recibido una intimación extrajudicial del municipio, avisando que cualquier obra con contenido homosexual debería ser cubierta con una funda negra lacrada e identificada con una advertencia, o bien retirada de circulación. Los inspectores iban con órdenes de decomisar las obras prohibidas. El inédito e ilegal acto de censura e intimidación –Crivella llegó a amenazar con clausurar la bienal, quitándole la licencia para funcionar– fue comunicado, con orgullo, por el propio alcalde, a través de un video publicado en internet.

La historia de superhéroes de 264 páginas en la que dos de sus personajes hombres son novios, llevó al evangélico Crivella a denunciar que la publicación tenía “contenido sexual para menores” y a ordenar que deje de ser exhibida para «proteger a los menores de la ciudad».

Todo comenzó por culpa de un beso. Un simple y hermoso acto de amor, protagonizado por Hulkling y Wiccan, personajes de Los Jóvenes Vengadores, versión juvenil del clásico de Marvel. El cómic donde los superhéroes gay se besan en la boca, «Vengadores: La cruzada de los niños” #9, fue publicado en 2010 en Estados Unidos y llegó a Brasil en 2016. Estaba a la venta en el stand de la editorial Panini Comics. El guionista Allan Heinberg, que trabajó en la obra junto al dibujante Jim Cheung, ya fue nominado para el premio Eisner.

La imagen del beso circuló esta semana por whatsapp y provocó la indignación de los evangélicos brasileños, entre ellos el alcalde carioca. que inmediatamente decidió que ese cómic no podría ser vendido en la Bienal y dijo que la censura era necesaria para “proteger a los menores” de la peligrosísima influencia de un beso gay, porque con los besos heterosexuales no hay problema.

Lo que vino después fue una caza de brujas comandada personalmente por el subsecretario de operaciones de la Secretaría Municipal de Orden Público, coronel Wolney Dias, con los agentes de la Policía Moral del municipio recorriendo los stands para comprobar si, además de la osadía de Hulkling y Wiccan, había algún otro libro o revista a la venta en la Bienal con Así se logró la exhibición del beso de la polémica en todos los puestos de diarios de Brasil

“escenas” de homosexualidad, o, como dice el alcalde, el homosexualismo.

Lo cierto es que la revista con el beso ya se había agotado cuando llegaron los censores: el público corrió a comprarla, algunos por curiosidad, otros como protesta. Según Folha de São Paulo, que hoy reprodujo en su tapa, gigante y a todo color, el beso prohibido, empleados de algunos stands reconocieron que recibieron órdenes para retirar cualquier obra de ese tipo, para evitar problemas.

Tras la inspección «moralizantes», otros stands colocaron en exhibición todas las obras con contenido LGBT que tenían para vender, como forma de protesta, además de emitir duros comunicados de repudio.
El youtuber brasileño Felipe Neto anunció por twitter que había comprado 10 mil libros con temática LGBT a y los distribuiría este sábado en la Bienal de forma gratuita, con un adhesivo que dice: “Este libro es impropio para personas atrasadas, retrógradas y prejuiciosas”.

Los organizadores de la Bienal recurrieron a la justicia y consiguieron una medida cautelar del juez Heleno Ribeiro Pereira Nunes, de la Quinta. Cámara Civil, que prohibía al alcalde “buscar y aprehender” obras en el evento o cancelar su licencia de funcionamiento. Pero el presidente del Tribunal de Justicia de Río de Janeiro, Claudio de Mello Tavares, dictó una nueva cautelar suspendiendo los efectos de la anterior y avalando la censura. Todo el episodio, inclusive con este preocupante aval de la justicia, es revelador del momento político que vive Brasil.

 

10
Set19

“Prefiro perder minha casa do que meu filho virar viado”: pesquisador investiga origem do voto religioso que elegeu Bolsonaro

Talis Andrade
media
Cultos evangélicos vêm ganhando espaço na França, apesar da resistência francesa à "seitas", segundo o jornal Le Monde.Reprodução Twitter

 

Em julho de 2019, o jornalista norte-americano e pesquisador do The Royal Institute of International Affairs, Richard Lapper, percorreu uma série de cidades brasileiras realizando entrevistas para seu novo livro. Após 25 anos à frente da editoria de América Latina do Financial Times, ele procura investigar como os movimentos radicais cristãos, sobretudo os evangélicos neopentecostais, estariam na base da mudança populista e conservadora no Brasil. O teor ultrarreligioso e conservador do discurso brasileiro, em regiões periféricas ou grandes cidades, impressionou Lapper, entrevistado pela RFI. Um fenômeno que não seria uma prerrogativa brasileira, mas parte de um cenário mundial.

 

Uma das cidades escolhidas pelo jornalista e pesquisador Richard Lapper para visitar durante seu périplo brasileiro foi Uberlândia, no Triângulo Mineiro, a segunda maior cidade do estado de Minas Gerais. “Estava acompanhado de um membro do Partido dos Trabalhadores, que advoga para os sem-teto”, diz. “Uberlândia teve um grande fluxo migratório nos últimos 10 anos, especialmente do Norte de Minas, porque é um polo que vem crescendo por razões diferentes. Esses sem-teto são pessoas que vivem em acampamentos informais, que visitei. Estamos falando de cerca de 10 mil pessoas na periferia de Uberlândia e o advogado que me acompanhava me disse que era difícil acreditar que 60% daquelas pessoas, que teriam perdido sua casa se não fossem os movimentos sociais, tivessem votado em Bolsonaro”, relata Lapper.

A resposta sobre as razões que motivaram o voto conservador veio um pouco mais tarde naquele dia, quando uma mulher, moradora de um dos acampamentos dos sem-teto, afirmou que seria “melhor perder a minha casa do que meu filho virar viado”. São casos e relatos como o dessa sem-teto em Uberlândia que povoam o novo livro de Richard Lapper, que será publicado pela Manchester University.

A resposta da moradora que prefere perder até o que não tem, para que o filho não se torne homossexual, é sintomática de um Brasil onde internautas publicam fotos com a Bíblia em suas redes sociais, clamando ser a nova “Constituição” e onde vídeos do Youtube proliferam em tags e hashtags como “Exército de Deus”. O discurso de hipervalorização da Bíblia enquanto narrativa parece ser, segundo especialistas, uma das características do discurso religioso professado em Israel, quando o governo conservador justifica a política agressiva de assentamentos na Cisjordânia palestina de Benjamin Netanyahou, um dos raros apoios do presidente Jair Bolsonaro na cena internacional.

“Populismo nacionalista”

Segundo Lapper, “não importa se são neopentecostais, ou se são mais moderados como os luteranos e batistas, a pauta que os une, todos possuem opiniões ultraconservadoras sobre assuntos relativos a sexo e gênero”. Lapper se refere ao fenômeno como “populismo nacionalista”. “Existem algumas características que são comuns a todos eles, em diferentes lugares do mundo, seja Trump, Brexit, Orbán na Hungria, Salvini na Itália, Duterte nas Filipinas ou Bolsonaro no Brasil.  Eles não gostam do liberalismo. É claro que discordam sobre outros temas, como imigração, mas estão unidos nessa pauta. Como o apoio do [ex-conselheiro de Trump, Steven]Bannon nos Estados Unidos”, lembra.

A situação de Uberlândia encontra ecos em outras cidades brasileiras visitadas pelo experiente jornalista norte-americano, como Diadema, no ABC paulista. “Em 2006, visitei essa cidade, no sul de São Paulo, onde conversei com pessoas de um projeto educacional que focava em melhoras no ensino. A prefeitura de Diadema [o prefeito José de Fillipi Jr (PT), em seu terceiro mandato] estava melhorando os serviços em Educação, multiplicando bibliotecas, espaços para crianças”, lembra. “Conversei com essas mesmas pessoas há dois meses apenas, que me disseram: ‘Richard, duas coisas mudaram desde que você esteve aqui. Todo mundo agora aqui é empreendedor e o número de igrejas evangélicas explodiu massivamente’”, diz o pesquisador.

“Há 20 ou 30 anos atrás, o Brasil era o maior país católico do mundo em termos de população. Hoje vemos um crescimento dramático de evangélicos radicais, de neopentecostais, e esse crescimento acontece também na África, com o crescimento da Igreja Universal do Reino de Deus no continente”, diz. “Um colega meu em Moçambique me deu detalhes sobre essa rápida ascensão evangélica, mas isso ocorre também em outros países. Isso extrapola Trump ou o Brasil”, analisa.

O pesquisador lembra que um dos pontos cegos da teologia dos novos “fundamentalistas evangélicos”, é a questão da “ideologia de gênero”. “Eles são muito reativos a todos os avanços feitos pelos liberais na Europa nesse sentido, como o casamento gay, as diferentes abordagens do gênero, a transsexualidade, são coisas que os perturbam profundamente”, afirma. “Não acredito que estejam simplesmente impondo sua vontade, acho que a vitória desse discurso neorreligioso reflete um desconforto na população ordinária com estes temas”, avalia.

Richard Lapper lembra ainda o recente evento conhecido como “Dia do Fogo”, quando apoiadores de Bolsonaro na Amazônia e no Pará provocaram uma série de queimadas que repercutiram no Brasil e no mundo inteiro. “São colonos que defendem o desmatamento, em sua grande maioria evangélicos. Eles não apreciam os índios. Os evangélicos não possuem apenas um foco na ‘Teologia da Prosperidade’, mas também na ‘batalha contra Satã”, e Satã, para eles, faz parte de religiões primitivas, como o candomblé”, afirma. A análise de Lapper encontra eco na recente onda de traficantes evangélicos do Rio de Janeiro, que perpetraram uma série de ataques coordenados a religiões de matriz africana. Em algumas favelas, segundo relatos da imprensa brasileira, os chefes do tráfico chegam a proibir a prática de religiões afro e o uso de roupas brancas, relata uma reportagem do site The Intercept de 2017.

Um fenômeno mundial

Segundo dados de 2018, os evangélicos seriam hoje cerca de 640 milhões, representando ¾ do protestantismo no mundo, e um cristão em cada quatro. Segundo o Pew Research Center, os evangélicos representariam hoje cerca de 36% do eleitorado mundial, cujo exemplo mais expressivo talvez seja a direita religiosa branca norte-americana que conduziu George Bush e Donald Trump à Casa Branca. Mesmo se a pauta diverge entre as várias facções da igreja evangélica, a pauta moralista continua a mesma de sempre, com um cardápio repleto de “cura gay”, discursos inflamados contra o aborto, a sexualidade fora do casamento e a pesquisa científica em células-tronco de embriões.

No Brasil, o discurso neorreligioso alcança níveis jamais alcançados anteriormente: uma pesquisa Datafolha, realizada em julho de 2019, afirma que 7% dos brasileiros acreditam que a “Terra é plana”, fazendo eco ao movimento conhecido como “Terraplanismo”, nascido nos Estados Unidos, que afirma que as agências espaciais de todo o mundo estariam mentindo sobre o formato do planeta, para “falsificar as viagens espaciais”. O argumento, prosaico e nada ortodoxo, é um dos bastiões defendidos pelo astrólogo Olavo de Carvalho, radicado nos Estados Unidos, ideólogo e um dos principais ativos intelectuais do governo de Jair Bolsonaro no Brasil.

No resto do mundo, correntes evangélicas radicais são cada vez mais exportadas para grandes cidades da Ásia e da África, graças a um discurso religioso emocional e dogmático, que propõe soluções práticas a frustações individuais e coletivas. Segundo os especialistas do Pew Research Center, os evangélicos já seriam hoje o principal grupo religioso nos Estados Unidos, cerca de 25,4% da população. Em 2016, eles foram o principal apoio eleitoral do então candidato Donald Trump, considerado por eles como “um instrumento de Deus para fazer avançar a causa”. Um discurso similar ao do recentemente evocado num vídeo pelo pastor evangélico Edir Macedo no Brasil, ao classificar Bolsonaro como “enviado de Deus”. Segundo o Instituto Datafolha, 29% dos brasileiros se declararam evangélicos em 2016, a apenas dois anos do voto que consolidou a extrema direita no Planalto.

Na França, segundo dados do Conselho Nacional dos Evangélicos (Cnef), eles já seriam hoje mais de 650 mil, ou seja, 1/3 dos protestantes do país. Cerca de 2.500 igrejas eram associadas aoà movimento em 2017, contra 770 nos anos 1970, e uma nova igreja seria aberta a cada 10 dias em território francês. Estudos mostram que a população evangélica francesa segue as grandes correntes de imigração vindas da Ásia e da África, como os chineses, coreanos, africanos e antilhanos, e que seu sucesso seria devido ao tratamento especial devotado a expatriados e exilados. Numa Europa onde durante longos séculos a austera filial luterana do protestantismo floresceu, o terreno se abre para novos cristãos vindos de ex-colônias. O Estado laico, no entanto, parece dar as cartas na velha França, onde o proselitismo religioso continua a sofrer rejeição da maior parte da população.

plano aula terra plana.jpg

 

30
Ago19

Brasil vive um clima de pré-nazismo enquanto a oposição emudece

Talis Andrade

nazismo__marco_de_angelis.jpg

O silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários Moro, Witzel, Doria, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios

bolsonaro mito ovelhas nazismo.jpg

 

 

---

O Brasil está vivendo, segundo analistas nacionais e internacionais, um clima político de pré-nazismo, enquanto a oposição progressista e democrática brasileira parece muda. Somente nos últimos 30 dias, de acordo com reportagem do jornal O Globo, o presidente Jair Bolsonaro proferiu 58 insultos dirigidos a 55 alvos diferentes da sociedade, dos políticos e partidos, das instituições, da imprensa e da cultura.

Jair-Bolsonaro-Nazista.jpg

 

E à oposição ensimesmada, que pensa que o melhor é deixar que o presidente extremista se desgaste por si mesmo, ele acaba de lhes responder que “quem manda no Brasil” é ele e, mais do que se desfazer, cresce cada dia mais e nem os militares parecem capazes de parar seus desacatos às instituições.

Há quem acredite que o Brasil vive um clima de pré-fascismo, mas os historiadores dos movimentos autoritários preferem analisá-lo à luz do nazismo de Hitler. Lembram que o fascismo se apresentou no começo como um movimento para modernizar uma Itália empobrecida e fechada ao mundo. De modo que uma figura como Marinetti, autor do movimento futurista, acabou se transformando em um fervoroso seguidor de Mussolini que terminou por arrastar seu país à guerra.

nazismo foi outra coisa. Foi um movimento de purga para tornar a Alemanha uma raça pura. Assim sobraram todos os diferentes, estrangeiros e indesejados, começando pelos judeus e os portadores de defeitos físicos que prejudicavam a raça. De modo que o nazismo se associa ao lúgubre vocábulo “deportação”, que evoca os trens do horror de homens, mulheres e crianças amontoados como animais a caminho dos campos de extermínio.

Talvez a lúgubre recordação de minha visita em junho de 1979 ao campo de concentração de Auschwitz com o papa João Paulo II tenha me feito ler com terror a palavra “deportação” usada em um decreto do ministro da Justiça de Bolsonaro, o ex-juiz Sérgio Moro, em que ele defenda que sejam “deportados” do Brasil os estrangeiros considerados perigosos.

 

vitor- moro nazista integralista .jpg

 

Bolsonaro, em seus poucos meses de Governo, já deixou claro que em sua política de extrema direita, autoritária e com contornos nazistas, cabem somente os que se submetem às suas ordens. Todos os outros atrapalham. Para ele, por exemplo, todos os tachados de esquerda seriam os novos judeus que deveriam ser exterminados, começando por retirá-los dos postos que ocupam na administração pública. Seu guru intelectual, Olavo de Carvalho, chegou a dizer que durante a ditadura 30.000 comunistas deveriam ter sido mortos e o presidente não teve uma palavra de repulsa. Ele mesmo já disse durante a campanha eleitoral que com ele as pessoas de esquerda deveriam se exilar ou acabariam na cadeia.

olavo imbecil pronográfico.jpg

 

Inimigo dos defensores dos direitos humanos, dos quais o governador do Rio, Witzel, no mais puro espírito bolsonarista, chegou a afirmar que são os culpados pelas mortes violentas nas favelas, Bolsonaro mal suporta os diferentes como os indígenas, os homossexuais, os pacíficos que ousam lhe criticar. Odeia todos aqueles que não pensam como ele e, ao estilo dos melhores ditadores, é inimigo declarado da imprensa e da informação livre.

Governador-do-Rio- Witzel -atirando.jpg

 

Sem dúvida, o Presidente tem o direito de dizer que foi escolhido nas urnas com 53% dos votos, que significaram 57 milhões de eleitores. Nesse sentido o problema não é seu. Os que votaram nele sabiam o que pensava, ainda que talvez considerassem seus desatinos de campanha como inócuos e puramente eleitoreiros. O problema, agora que se sabe a que ele veio, e que se permite insultar impunemente gregos e troianos começando pelas instituições bases da democracia, mais do que seu, é da oposição.

Essa oposição, que está muda e parece impotente e distraída, demonstra esquecer a lição da história. Em todos os movimentos autoritários do passado moderno, os grandes sacerdotes da violência começaram sendo vistos como algo inócuo. Como simples fanfarrões que ficariam somente nas palavras. Não foi assim e diante da indiferença, quando não da cumplicidade da oposição, acabaram criando holocaustos e milhões de mortos, de uma e outra vertente ideológica.

Somente os valores democráticos, a liberdade de expressão, o respeito às minorias e aos diferentes, principalmente dos mais frágeis, sempre salvaram o mundo das novas barbáries. De modo que o silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios.

Nunca existiram democracias sólidas, capazes de fazer frente aos arroubos autoritários, sem uma oposição igualmente séria e forte, que detenha na raiz as tentações autoritárias. Há países nos quais assim que se cria um governo oficial, imediatamente a oposição cria um governo fictício paralelo, com os mesmos ministros, encarregados de vigiar e controlar que os novos governantes sejam fieis ao que prometeram em suas campanhas e, principalmente, que não se desviem dos valores democráticos. Sem oposição, até os melhores governos acabarão prevaricando. E o grande erro das oposições, como vimos outras vezes também no Brasil, foi esperar que um presidente que começa a prevaricar e se corromper se enfraqueça sozinho. Ocorrerá o contrário. Crescerá em seu autoritarismo e quando a oposição adormecida perceber, estará derrotada e encurralada.

Nunca em muitos anos a imagem do Brasil no mundo esteve tão deteriorada e causando tantas preocupações como com essa presidência de extrema direita que parece um vendaval que está levando pelos ares as melhores essências de um povo que sempre foi amado e respeitado fora de suas fronteiras. Hoje no exterior não existe somente apreensão sobre o destino desse continente brasileiro, há também um medo real de que possa entrar em um túnel antidemocrático e de caça às bruxas que pode condicionar gravemente seu futuro. E já se fala de possíveis sanções ao Brasil por parte da Europa, em relação ao anunciado ataque ao santuário da Amazônia.

O Brasil foi forjado e misturado com o sangue de meio mundo que o fizeram mais rico e livre. Querer ressuscitar das tumbas as essências de morte do nazismo e fascismo, com a vã tentativa da busca da essência e pureza da brasilidade é uma tarefa inútil. Seria a busca de uma pureza que jamais poderá existir em um país tão rico em sua multiplicidade étnica, cultural e religiosa. Seria, além de uma quimera, um crime.

Urge que a oposição democrática e progressista brasileira desperte para colocar um freio nessa loucura que estamos vivendo e que os psicanalistas confirmam que está criando tantas vítimas de depressão ao sentirem-se esmagadas por um clima de medo e de quebra de valores que a nova força política realiza impunemente. Que a oposição se enrole em suas pequenezas partidárias e lute para ver quem vai liderar a oposição em um momento tão grave, além de mesquinho e perigoso é pueril e provinciano.

Há momentos na história de um país em que se os que deveriam defender os princípios da liberdade e da igualdade cruzam os braços diante da chegada da tirania, incapazes até de denunciá-la, amanhã pode ser tarde demais. E então de nada servirá chorar diante dos túmulos dos inocentes.

aroeira direita volver nazistas fascistas.jpg

 

 

20
Out18

KKK, eugenia, negros e Bolsonaro "totalmente um descendente europeu"

Talis Andrade

beto kkk bolsonaro negro .jpg

 

Famoso líder da Ku Klux Klan elogia Bolsonaro: "ele soa como nós"

duke kkk.jpg

 

Nome mais famoso da Ku Klux Klan (KKK), conhecido por defender a supremacia branca e negar o Holocausto elogia Bolsonaro: “Ele soa como nós [...] Ele é totalmente um descendente europeu”

 

camelo kkk bolsonaro.jpg

 

Rosto mais conhecido do grupo racista Ku Klux Klan (KKK) nos Estados Unidos, David Duke fez um raro comentário sobre a política brasileira no programa de rádio que comanda.

 

“Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista”, disse o ex-líder da KKK sobre Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL.

 

“Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil […]”, afirmou Duke, que frequentemente classifica o prêmio Nobel da Paz sul-africano Nelson Mandela como um “terrorista”, em declaração que foi ao ar em um programa de rádio no dia 9.

 

Os KKK, como se tornaram conhecidos, começaram a atuar em 1865 nos Estados Unidos. Frequentemente usavam capuzes brancos para proteger sua identidade e fazer com que parecessem ainda mais assustadores para suas vítimas.

 

O grupo, que defende a supremacia branca sobre os negros e judeus, foi responsável ​​por muitas das torturas e linchamentos que ocorreram com os negros no país.

 

O historiador, conhecido também por negar o Holocausto, se referiu ao brasileiro como “o incrível Bolsonaro”. Na última segunda-feira, Duke compartilhou um vídeo com legendas em inglês em que o capitão reformado discursa “contra a degradação da família” e a “desconstrução da heteronormatividade”.

 

No ano passado, em palestra no clube judaico Hebraica, no Rio de Janeiro, Bolsonaro fez críticas a negros quilombolas e afirmou que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas, não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais”. A fala foi aplaudida por parte dos presentes, mas depois recebeu críticas de lideranças judaicas.

 

Nos anos 1960, antes de se juntar à KKK, David Duke foi membro do extinto “Partido Nazista da América”, depois renomeado para Partido Nacional Socialista das Pessoas Brancas.

 

A liderança de Duke no Klan começou em 1974 e foi retratada no no filme BlacKkKlansman (“Infiltrado na Klan”, em português), que narra a história de um policial negro que se infiltrou na Ku Klux Klan no Colorado, em 1978, e foi lançado pelo cineasta Spike Lee em agosto. O filme foi o vencedor do Grande Prêmio do Júri do festival de Cannes de 2018.

 

Autor de teses contestadas, como a que sugere que negros seriam mais violentos e teriam QI inferior aos dos brancos, Duke voltou a ganhar projeção mundial em 2016, quando passou a apoiar a campanha presidencial de Donald Trump.

David Duke

BBC News Brasil

mariano negro bolsonaro kkk.jpg

 

 

 

27
Set18

NÃO EXISTEM PESSOAS HETEROSSEXUAIS, DIZ A CIÊNCIA

Talis Andrade

Quando muito, maioritariamente heterossexuais, segundo um estudo que garante que preto e branco é coisa que não se aplica à sexualidade humana. Isso e que somos todos mais fogosos na cama do que alguma vez pensámos.

 

life .jpg

 

 

 

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

 

Romances cor-de-rosa e comédias românticas, com mais ou menos erotismo, têm todos a mesma fórmula. Um homem e uma mulher, uma atração irresistível, as mais variadas contrariedades, o clímax, e, enfim, felizes para sempre.

 

Tudo muito bonito, não fosse pelo facto de a ciência vir dizer que não há pessoas heterossexuais, o que pressupõe outros enredos bem mais interessantes. Para elas e para eles.

 

A sexualidade humana é complexa, fluida, impossível de conter nas típicas convenções sociais e culturais de género.

 

É pelo menos esta a conclusão de uma pesquisa publicada no Journal of Personality and Social Psychology (Jornal de Personalidade e Psicologia Social), segundo a qual a sexualidade humana é complexa, fluida, impossível de conter nas típicas convenções sociais e culturais de género que definem alguém como sendo heterossexual, gay, bissexual ou outro rótulo qualquer.

 

«Estamos a tentar chegar ao que as pessoas realmente são e não fiquei nada surpreendido», revela à revista canadiana Vice Ritch Savin-Williams, um dos autores do estudo que dirige também o Laboratório de Sexo e Género no Departamento de Desenvolvimento Humano da Universidade Cornell, em Nova Iorque. «Por vezes parece que vão num sentido, embora acreditem ter de mostrar que caminham noutro diferente, o que não é bom», diz.

 

Não é bom e não admira, à luz de uma sociedade ainda aferrada à ideia de que o indivíduo tem de poder encaixar numa ou noutra orientação, não há cá misturas. Isto quando, na prática, ao medir os efeitos fisiológicos da pornografia em mulheres e homens, a investigação de Savin-Williams apurou que os corpos delas – tal como os deles – reagem positivamente quer ao sexo heterossexual, quer ao homossexual.

life 2.jpg

 

 

«Tem tudo a ver com a pessoa sentir-se livre para ser ativada por um ou outro género, apreciando a consciência do prazer», diz Cristina Mira Santos.

 

«Tem tudo a ver com energia erótica, com a pessoa sentir-se livre para ser ativada por um ou outro género, apreciando a consciência do prazer», explica a psicóloga e sexóloga Cristina Mira Santos. Porque insistimos à força numa compartimentação, nós e os outros? «Se sou mulher e gostei do toque de outra mulher, porque não encarar essa experiência como qualquer outra com alguém do sexo oposto?»

 

E eles também, óbvio, sublinha Cristina Mira Santos. A lógica que impera é a de que o sexo serve para procriar, contudo ter prazer e fazer filhos são coisas diferentes: «Se concebermos a separação entre aparelho reprodutor e sexual, com órgãos comuns mas funções distintas, porque é que um homem também não há de poder sentir-se atraído por alguém do mesmo sexo só por prazer?»

 

Uma questão que cruza diretamente com os resultados, no mínimo inesperados, de uma sondagem levado a cabo pela Victoria Milan, a plataforma de encontros para casais que procuram casos discretos: a avaliar pelos números, obtidos numa amostra de 1300 entrevistados de ambos os sexos em vários países do mundo, 87 por cento dos homens admitem que algumas das fantasias sexuais mais comuns incluem os seus melhores amigos do sexo masculino (veja as outras conclusões na fotogaleria).

 

Homens retraem-se mais do que as mulheres por serem rotulados, julgados e tratados com especial dureza pela sociedade.

 

Para o professor de desenvolvimento humano de Cornell, o facto de os homens se retraírem tanto comparativamente às mulheres deve-se a uma inclinação geral da sociedade para rotulá-los, julgá-los e tratá-los com particular dureza, às vezes a raiar a repugnância. Daí continuar a trabalhar numa formulação a que chama de «maioritariamente heterossexual», no sentido de desbloquear mentalidades.

 

«Sempre reconhecemos a existência de mulheres maioritariamente heterossexuais, isto é, mulheres que são sobretudo hetero, mas caso a mulher certa surja talvez experimentem também com ela», traduz Savin-Williams. Não sendo um fenómeno exclusivamente feminino – a sua própria pesquisa encarregou-se de lho mostrar –, que sentido faria deixar os homens de fora?

 

Numa sociedade mais aberta, muitos de nós sentir-se-iam atraídos por pessoas de ambos os sexos.

 

«Também eu penso que, numa sociedade mais aberta, muitos de nós se sentirão atraídos por pessoas de ambos os sexos», admite o psiquiatra e sexólogo Júlio Machado Vaz ressalvando, desde logo, a diferença entre isso e dizer que somos necessariamente bissexuais, ou poderíamos andar todos a saltitar entre fases mais hetero, gay ou bi – não é verdade.

 

«Ao longo dos anos, ouvi inúmeros homossexuais lamentarem o fracasso de tentativas desesperadas para se manterem ao abrigo do preconceito», justifica o especialista, sabendo que nem no meio da maior homofobia social, por necessidade, conseguiam que essa alegada capacidade latente viesse ao de cima para lhes facilitar a vida.

 

A psicóloga Cristina Mira Santos explica a evidência com processos inconscientes de substituição: «Num casal de lésbicas, por exemplo, há muitas vezes um membro com uma energia mais yin, feminina, e outro mais yang, que por escolher o papel masculino se torna reativo a gostar de homens.»

 

Em matéria de prazer, os olhos são o espelho da alma, como crê a sabedoria popular.

 

O mesmo sucede num casal de dois homens, diz Mira Santos: à partida, o yang estará mais aberto ao erotismo com mulheres do que o parceiro yin, que se identifica com elas e, como tal, não se sente ativado por um corpo feminino.

 

E ao que parece os olhos são mesmo o espelho da alma em matéria de prazer, garantem os cientistas da Universidade Cornell. «Basicamente, o que fizemos neste estudo foi avaliar a orientação sexual de alguém vendo se os seus olhos dilatavam ou não, algo que não podemos controlar», conta Savin-Williams. É a derradeira missão do projeto: determinar a sexualidade sem se fiar no que cada um diz de si. Palavras só atrapalham.

 

«Outro modo de fazê-lo era analisar a resposta genital ao estímulo, mas seria um pouco invasivo», acrescenta o especialista norte-americano, dando razão a Shakespeare quando dizia que há mais coisas entre o céu e a terra – neste caso entre normas de género – do que sonha a nossa vã filosofia. Uma coisa é certa: a sexualidade humana acabou de se tornar muito menos aborrecida. In Diário de Notícias/ Portugal

16
Set18

Grupo ‘Mulheres Unidas Contra Bolsonaro’ publica carta contra o fascismo

Talis Andrade

O tratamento desrespeitoso dirigido às mulheres, aos negros, indígenas, homossexuais, o culto à violência, a agressão contra adversários, a defesa da tortura e de torturadores, constituem manifestações que devem ser combatidas por aqueles que acreditam nos princípios civilizatórios que possibilitam a existência de uma sociedade democrática e plural

indgnados feminismo pedra.jpg

 

 

Grupo 'Mulheres Unidas Contra Bolsonaro', organizado na rede social Facebook, publicou carta 

 

CARTA DAS BRASILEIRAS EM DEFESA DA DEMOCRACIA, DA IGUALDADE e RESPEITO À DIVERSIDADE

 

mulheresunidas por Schröder.jpg

 

 

O Brasil vive um momento especialmente dramático de sua história. Nas eleições mais conturbadas após o fim da Ditadura civil militar, assistimos à perigosa afirmação, por um dos candidatos à Presidência, de princípios antidemocráticos, expressos num discurso fundado no ódio, na intolerância e na violência.

 

Se a posição deste candidato era pública, tendo sido reiteradamente manifesta ao longo dos 27 anos em que vem atuando na Câmara Federal, causa perplexidade a adesão a tais princípios por parte significativa da sociedade brasileira.

 

O tratamento desrespeitoso dirigido às mulheres, aos negros, indígenas, homossexuais, o culto à violência, a agressão contra adversários, a defesa da tortura e de torturadores, constituem manifestações que devem ser combatidas por aqueles que acreditam nos princípios civilizatórios que possibilitam a existência de uma sociedade democrática e plural.

 

Neste contexto, nós, mulheres, vítimas de agressões e desqualificações por parte deste candidato, viemos à público expressar nosso mais veemente repúdio aos princípios por ele defendidos, conclamando a população brasileira a se unir na defesa da democracia, contra o fascismo e a barbárie.

 

Somos muitas, para além de UM MILHÃO que integra este grupo. Defendemos candidatos e candidatas distintas, dos mais diferentes matizes político- ideológicos. Temos experiências e visões de mundo diversas, assim como são distintas nossas idades, orientações sexuais, identidades étnico- raciais e de gênero, classe social, regiões do país em que vivemos, posições religiosas, escolaridade e atividade profissional.

 

Na verdade, nos constituímos como coletivo a partir de uma causa comum, expressa nesta carta: a rejeição à prática política do candidato e aos princípios que a regem. Nos constituímos nas redes sociais, unidas numa corrente crescente e ativa, pela necessidade de tornar pública nossa posição no exercício da cidadania e participação, a partir da identidade feminina que nos congrega.

 

Nós, mulheres, historicamente inferiorizadas e marginalizadas, sujeitas a toda sorte de violência e desrespeito, recusamos hoje o silêncio e a submissão, herdeiras de uma luta há muito travada por mulheres que nos antecederam.

 

Somos aquelas que constituem a maioria do eleitorado brasileiro, ainda que sub-representadas na política partidária. Somos aquelas que, gestando e alimentado novas vidas, defendemos o direito de todos e todas a uma vida digna. Somos aquelas que, temendo pelas nossas vidas, pelas vidas de nossos filhos, filhas, companheiros e companheiras, diante da violência que assola e corrói a sociedade brasileira, somos contra a liberação do porte de armas, que só irá piorar o já dramático quadro atual.

 

Somos aquelas que, recebendo salários inferiores, com menor chance de contratação e progressão nos espaços de trabalho, entendemos que cabe aos governantes, à semelhança do que já ocorre em muitos países, construir políticas de igualdade salarial entre homens e mulheres.

 

Somos aquelas que , vítimas de assédio, estupro, agressão e feminicídio, defendemos o direito à liberdade no exercício da vida afetiva e sexual, demandando do Estado proteção e punição aos crimes contra nós cometidos.

 

Somos aquelas que protestam contra a perseguição e violência contra a população LGBTQ, porque entendemos que cada ser humano tem direito a viver sua identidade de gênero e orientação sexual.


Somos aquelas que se insurgem contra todas as formas de racismo e xenofobia, que defendem um país social e racialmente mais justo e igualitário, que respeite as diferenças e valorize as ancestralidades.

 

Somos aquelas que combatem o falso moralismo e a censura às expressões artísticas, que defendem a livre manifestação estética, o acesso à cultura em suas múltiplas manifestações.

 

Somos aquelas que defendem o acesso à informação e a uma educação sexual responsável, através de livros, filmes e materiais que eduquem as crianças e jovens para o mundo contemporâneo.

 

Somos aquelas que defendem o diálogo e parceria com escolas, professores e professoras na educação de nossos filhos e filhas, sustentados na laicidade, no aprendizado da ética, da cidadania e dos direitos humanos.

 

Somos aquelas que querem um país com políticas sustentáveis, que respeitem e protejam o meio ambiente e os animais, que garanta o direito à terra pelas populações tradicionais que nela vivem e trabalham.

 

Somos muitas, somos milhões, somos:

#MULHERES UNIDAS CONTRA BOLSONARO
CONTRA O ÓDIO, A VIOLÊNCIA E A INTOLERÂNCIA

 

bolsonaro mulher engravida salário .jpg

 

22
Abr18

Denúncia de abuso sexual estremece o mais famoso celeiro de jogadores do Brasil Crianças à mercê do abuso sexual no futebol brasileiro

Talis Andrade

“Nunca contei a ninguém sobre o que aconteceu. Só queria esquecer e continuar jogando futebol, mas não consegui”, diz Ruan Pétrick, que acusa ter sido molestado aos 11 anos por um dirigente do Santos

 

ruan pétrick.jpg

Ruan Pétrick denunciou dirigente do Santos por abuso sexual. RENATO PIZZUTTO

 

Seguir os passos do conterrâneo Paulo Henrique Ganso e trilhar o caminho bem-sucedido de Neymar. Foi com esse pensamento que Ruan Pétrick Aguiar de Carvalho saiu de casa aos 10 anos, em Marabá, no interior paraense, para embarcar rumo a São Paulo com um time amador. Mas, ao contrário do que sempre sonhou, seu nome não ganharia o noticiário como mais uma história em que o menino pobre alcança o estrelato da bola. Na última semana, ele procurou a polícia para registrar queixa contra Ricardo Marco Crivelli, o Lica, coordenador das categorias de base do Santos Futebol Clube, por abuso sexual. Lica nega a acusação, mas a Delegacia de Repressão e Combate à Pedofilia na capital paulista abriu inquérito para investigar o caso.


De acordo com o boletim de ocorrência, o abuso teria ocorrido em 2010. Com 11 anos, Ruan estava sem clube após treinar na Portuguesa Santista e conheceu Crivelli no alojamento onde morava em São Paulo. Segundo depoimento à polícia, Lica, que até então atuava como observador técnico do Santos, teria acariciado seu corpo e praticado sexo oral com ele durante uma noite. “O cara prometeu que me levaria pra jogar no Santos. Depois de algumas semanas, eu fui chamado para entrar no clube”, conta Ruan ao EL PAÍS.


Ele ficou na base do Santos por um ano e meio. Ao longo desse tempo, conviveu com chacotas de companheiros de time, que tripudiavam de sua proximidade com o dirigente.

10
Dez17

[Baixaria do senador Malta ao justificar a separação da atual esposa Lauriete do primeiro marido]

Talis Andrade

por Joaquim de Carvalho, DCM

Lauriete 01.jpg

Lauriete e Magno Malta em Jerusalem 

 


O senador Magno Malta se apresenta como defensor da família e, assim, tem conseguido sucessivos mandatos desde 1994. Ex-pastor evangélico, foi deputado estadual, deputado federal e é senador. Mas há um capítulo de sua biografia que pastores evangélicos veem como escandaloso e atentatório aos valores que ele diz defender, os da família. É o casamento dele com a cantora gospel Lauriete, do Espírito Santo.


Ela era casada quando foi para Brasília, eleita deputada federal com o apoio do marido, o pastor evangélico Reginaldo Almeida.


Logo depois de assumir o mandato na Câmara, Lauriete se separou, mas nunca disse o motivo. Para quem conhece os dois, a razão do divórcio, em 2012, seria o relacionamento com Magno Malta.


O então presidente da Assembléia Legislativa do Espírito Santo, Theodorico Ferraço, chegou a dizer publicamente, após uma reunião: “O homem (Magno Malta) não é fácil, não. Em Brasília, todo mundo já sabe. De mãozinhas dadas e tudo mais”.


Magno já era divorciado e casou com Lauriete em cerimônia para poucos convidados. Logo depois, passou a exibir a tatuagem com o nome Lauriete no braço e, nas poucas vezes em que falou sobre o romance, se disse apaixonado.


Celso Russomanno, que é seu amigo, entrevistou o casal num programa de televisão e disse que viu a transformação de Magno Malta quando ele começou a namorar Lauriete.
“Os olhos deles brilhavam”, afirmou, enquanto Magno e Lauriete se acariciavam, com as mãos entrelaçadas.


Um jornalista que é amigo de Magno Malta, Jackson Rangel, publicou uma nota na Folha de Vitória que dá idéia de como esse caso desceu aos padrões mais baixos do que pode se entender por comportamento civilizado: Antes mesmo de assumir o namoro com Lauriete, Magno teria dito a respeito do marido dela, ex-deputado estadual e vereador, para justificar a separação e diminuir a pressão dos evangélicos:
“Ele é um canalha, vagabundo e nojento. Foi flagrado na cama com outro homem. E a empregada gravou tudo. Ela nunca desconfiou disso, mas agora está tudo muito claro. Eu estava ajudando ele acertar seus problemas no Tribunal de Contas da União, mas larguei tudo” [Malta ao citar o Tribunal de Contas insinua que o então marido de Laurinete era corrupto. Uma acusação que sobra para Malta. Como explicar a ajuda a um político desonesto?...].


Magno desmentiu a frase no dia seguinte, mas antes o jornalista seu amigo já tinha retirado a nota do ar. A declaração, no entanto, ficou na rede tempo suficiente para que fosse compartilhada, e a versão ainda hoje seja repetida em sites evangélicos.


O que aconteceu com Magno Malta e Lauriete pode acontecer com qualquer pessoa —o casamento anterior se desgastar, terminar e surgir um novo amor. Não é desejável, mas acontece.


O que chama a atenção nesse episódio é que, até alguns meses antes do namoro com Magno Malta, Lauriete parecia ter um casamento perfeito. Já durava 20 anos, ela e o marido Reginaldo tinham uma filha e eram bem sucedidos.


Lauriete fazia declarações públicas de amor ao marido, como em um vídeo gravado por ocasião do lançamento de um disco da cantora:
”Um beijo grande para o meu esposo Reginaldo, que incansavelmente tem estado do meu lado. Em tudo. Em todos os momentos. E eu louvo a Deus por sua vida, Reginaldo. Deus te abençoe. Eu te amo muito”.

 

[MALTRATOU A ENTEADA,

UMA CRIANÇA]


Magno Malta, presidente de um CPI no congresso que apura maus-tratos a crianças e adolescentes, é um político que costuma alardear rígidos padrões morais [Que explicação Laurinete deu para a filha, o pai acusado de ser homossexual por Malta?]
E para chamar a atenção para suas bandeiras conservadoras, ele já protagonizou cenas de impacto. Em 2000, levou para depor no Congresso Nacional um homem mascarado.
O depoimento não era em si uma grande bomba — ele acusava um delegado de plantar provas para acusá-lo de tráfico de um quilo de cocaína—, mas a foto de Magno Malta ao lado do mascarado apareceu na primeira página de todos os grandes jornais e ajudou a avançar sua carreira político e se eleger senador.


No processo de cassação de Dilma Rousseff, Magno Malta foi irônico e cantou:
“Eu quero mostrar que eu sou cristão, vou mostrar que sou cristão e à presidente Dilma vou dedicar uma canção de uma grande compositora brasileira, intérprete da música sertaneja, chamada Roberta Miranda: “Vá com Deus, vá com Deus”.


Deus não sai da boca de Magno Malta.
Em nome dele, aprovou a convocação coercitiva do curador da exposição Queermuseu e do ator de uma performance no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM).
Para evangélicos como ele, o casamento com Lauriete não é propriamente digno de quem parece dizer a todos que está na Terra com a missão de ensinar os outros a viverem. 

 

[Lauriete e o primeiro marido eram proprietários da gravadora Praise Records, uma parceria de treze anos, sediada em Vitória. Desfeito o casamento, Lauriete fundou a editora Efrata Music.

 

A Praise Records nasceu em 1999, em Vila Velha, após Lauriete ter gravado 13 discos por diversas gravadoras. Ao decidir lançar o seu décimo quarto trabalho de forma independente, a cantora e seu ex-marido fundaram um selo próprio, cujo primeiro trabalho foi o álbum Palavras. A gravadora também lançou artistas como Shirley Kaiser e Amanda Ferrari] Os trechos entre colchetes são da autoria deste correspondente.

 

 

 

23
Ago17

Igreja afasta padre suspeito de assediar adolescente em Minas Gerais

Talis Andrade

padare sexo.jpg

 


Caso é investigado pela delegacia da cidade de Boicauva, e decisão pelo afastamento foi tomada pela Arquidiocese de Montes Claros


por Luiz Ribeiro


Um padre de Bocaiuva, no Norte de Minas, foi afastado de suas funções religiosas devido à suspeita de assediar sexualmente um adolescente de 17 anos. Após denúncia feita pela familia, que gravou conversas telefônicas com o sacerdote, o caso está sendo apurado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual. O suspeito deverá comparecer amanhã à delegacia para prestar depoimento.

 

O padre, de 52 anos, estava em Bocaiuva há quatro meses como vigário da Paróquia do Senhor do Bonfim (padroeiro da cidade). Antes, na manhã desta terça-feira, a assessoria de comunicação da Arquidiocese de Montes Claros informou que, por decisão do arcebispo dom José Alberto Moura, o pároco continuará afastado de suas funções "até que as investigações sejam concluídas e tudo seja esclarecido." O religioso também será alvo de um processo de apuração por parte da Igreja Católica.

 

Conforme informações divulgadas por uma pessoa da família do adolescente, o assédio teria começado quando o padre conheceu o jovem e o convidou a fazer parte de um grupo de oração. Na mesma ocasião, o pároco teria solicitado o número do telefone celular do adolescente, passando a ligar para ele insistentemente, com conversas libidinosas. Na sequência, o adolescente gravou os contatos telefônicos. Em uma das conversas, o padre teria oferecido dinheiro ao menor em troca de sexo, segundo denúncia da familia da vítima.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub