Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

25
Ago21

Insurreição das PMs têm aval de Bolsonaro

Talis Andrade

 

nojo democracia.jpeg

 

por Fernando Brito
- - -
 
Nas várias notícias sobre a reação de altos oficiais das Forças Armadas, coletadas em consultas de ex-presidentes da República, publicadas no final de semana pelos jornais, negando a possibilidade de uma insurreição militar no país, há uma ressalva, como registra o Estadão:

Os chefes militares, porém, externaram preocupação de que o presidente e seus aliados tentem fazer isso – e tenham sucesso – com as Polícias Militares. 

O risco de rompimento da cadeia de comando nas PMs é monitorado pelas Forças Armadas.

Não é preciso informações em off para ver o que acontece.

O vídeo divulgado hoje pelo Coronel reformado Ricardo Nascimento de Mello Araújo convocando policiais de São Paulo a participarem de atos a favor do presidente Jair Bolsonaro no dia 7 de setembro, feriado da Independência, é a evidência de que Jair Bolsonaro insufla a natureza paramilitar dos atos de seus apoiadores.

Mello Araújo, ex-comandante da Rota paulista, aposentado aos 48 anos – que maravilha, não é? – convoca os policiais militares (diz ele que os “veteranos”) para lutarem ao lado de Bolsonaro como em Canudos e nas “revoluções de 32 e 64” e pede que se leve as bandeiras das unidades militares para o ato bolsonarista.

Para quem não sabe, Araújo é o queridinho de Bolsonaro, que vai pessoalmente dar apoio à sua ação na Ceagesp, onde grupos irregulares de segurança “resolvem” disputas dobre locais de comerciantes e acesso de caminhões.

Qualquer semelhança com a ação de grupos nas comunidades da zona Oeste do Rio de Janeiro correm por conta da imaginação do leitor que quiser assistir a abordagem das “patrulhas” de Araújo na Ceagesp, publicadas pela Carta Capital.

Incapaz de colher apoio para um golpe militar, Bolsonaro se volta para uma ação policial-militar, para a qual construiu contato direto com as tropas, como tenta construir, com suas maratonas de formatura de cadetes e sargentos nas Forças Armadas.

O silêncio das Forças Armadas diante dos abusos as vai colocando numa situação impensável, a mesma que o “Filho 03” expressou um dia contra o STF.

A qualquer hora o comando do Exército vai ser enquadrado por um cabo e um soldado, mas não de jipe.

De camburão.
 
 
10
Dez20

Segurança pública e os números do perigo

Talis Andrade

arma __ares.jpg

 

Por Eric Nepomuceno /Brasil-247

 
A verdade é que eu tinha visto, aqui e ali, dados sobre o número exorbitante de vigilantes que trabalham para empresas privadas de segurança. Mas o que o jornal Folha de S. Paulo trouxe em sua edição de domingo, 6 de dezembro, em texto assinado por Thaiza Pauluze é, em primeiro lugar e acima de tudo, aterrador. Mostra a que ponto o armamentismo desenfreado se espalhou país afora.

O Brasil tem hoje mais de um milhão de vigilantes. O total de integrantes das três polícias – a Militar, a Civil e a Federal – é de 531 mil. Os do Exército, Marinha e Aeronáutica em regime ativo é ainda menor: 380 mil. A soma das forças formais de segurança pública e das forças armadas não alcança a de vigilantes de empresas particulares. 
 
A metade desses funcionários não conta com registro de trabalho, e escapam das regras e normas estabelecidas para o setor. Teoricamente deveriam ser obrigados a cursos de preparação e atualização periódica. Alguém controla essa exigência tão óbvia como inexistente?

Mais números preocupantes: no começo de 2019, quando Jair Messias chegou à presidência, havia pouco menos de 200 mil armas de fogo devidamente registradas no país. No fim de ano, foram contabilizados novos 8.850 registros. E entre janeiro e junho deste malfadado 2020, mais 8.844. Em um ano e meio, um aumento de quase 10%. 

E, atenção: esses números se referem apenas às armas que estão em mãos de vigilantes e empresas de escolta. 

O quadro não é propriamente novo, a não ser por um detalhe grave: se desde décadas existem empresas irregulares prestando serviços de segurança particular, quase todas controladas diretamente por militares ou policiais, agora se constata que o volume de armas em mãos despreparadas cresceu assustadoramente. Essa falta de preparo e de controle é ingrediente fundamental para o tremendo aumento de casos de violência, como o que terminou com o assassinato, em Porto Alegre, do soldador João Alberto Silveira Freitas. 

Um de seus assassinos, aliás, foi um policial militar que não poderia estar cumprindo a função que cumpria, e mais: numa empresa controlada de maneira ilegal por policiais. 

Essa máquina geradora de renda surgiu nos tempos da ditadura, quando os bancos passaram a contratar serviços de vigilância. Teoricamente, tais empresas deveriam ser submetidas ao controle da Polícia Federal.

Ora, esse controle não existe. E, se existe, é totalmente falho. Vale repetir: se as empresas contam com o dobro de efetivos das forças de segurança pública, não tem como serem controladas. Simples assim. 

Voltando ao caso do assassinato de um trabalhador negro num supermercado da cadeia global Carrefour em Porto Alegre: os dois assassinos foram presos. Mas nem o contratante – o Carrefour, que tem vários antecedentes de violência registrados em suas instalações Brasil afora – nem a empresa contratada sofreram qualquer tipo de punição. 

Não há, no horizonte, nenhuma perspectiva de mudança nesse quadro, a não ser para pior. A liberdade que as empresas contam para contratar, se armar e atuar em tempos de um regime que espalha militares pelos quatro cantos do governo, enquanto incentiva a compra desenfreada de armas, irá prevalecer. Da mesma forma que continuará em plena ação o trânsito de policiais civis e militares entre as forças públicas de segurança e as forças absurdamente armadas de segurança privada.

Aqui está, pois, outro ponto do nosso dia a dia que exige atenção e deve ser denunciado. 

Aqui está, pois, outro ponto do desmantelamento cotidiano deste país despedaçado: há mais armas em mãos repressoras que atuam sem controle e sem critério que nas mãos das forças públicas de segurança.

Que, aliás, também atuam sem controle e sem critério.

direitos humanos .jpg

 


Qual a saída, além do aeroporto internacional?
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub