Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

24
Jan22

Ex-bolsonarista, aliado de Moro teve salário bloqueado por dívida trabalhista: “come manga que passa”

Talis Andrade

 

Julian Lemos responde a ação trabalhista por não pagar salários a funcionários de empresa de segurança. Coordenador da campanha de Bolsonaro no Nordeste em 2018, agora é entusiasta da candidatura Sergio Moro

 
 
- - -
Vice-presidente do PSL, que coordenou a campanha de Jair Bolsonaro (PL) no nordeste em 2018, Julian Lemos (PB) teve parte do salário como deputado federal bloqueado em novembro por causa de uma dívida trabalhista movida por um ex-empregado da empresa Perímetro Segurança Privada, que era controlada por Ravena Coura, ex-mulher do deputado federal.
 

Atual desafeto do presidente, que protagonizou brigas públicas com Carlos Bolsonaro (Republicanos), Lemos foi um dos organizadores da viagem de Sergio Moro (Podemos) à Paraíba e é um entusiasta da candidatura do ex-juiz nas redes.

Na ação, divulgada na coluna de Guilherme Amado no Metrópoles, um funcionário da empresa de segurança diz ter sofrido humilhações ao cobrar o salário que não estava sendo pago: “Come uma manga que a fome passa”, diz ter ouvido dos patrões.

Além do não pagamento de salários, a empresa também não concedia férias e deixou de recolher impostos trabalhistas e fundo de garantia dos funcionários.

O bloqueio de R$ 10,8 mil do salário do deputado ocorreu por ordem do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, na Paraíba. O processo começou a tramitar em 2013 e em abril de 2021, a defesa pediu que o valor fosse cobrado de Julian Lemos, que aparece como responsável pela firma em outros processos trabalhistas.

Além do processo trabalhista, Lemos já respondeu a três processos por violência doméstica: dois movidos pela ex-esposa e um pela irmã, que desistiu da ação em setembro.

Leia também:
Carluxo diz que Julian Lemos é “chifrudo”, que rebate: “Corno e ladrão”
Julian Lemos chama Carlos Bolsonaro de “poodle nervosa que morde a fronha”: “Tem tesão no rabo por mim”
Julian Lemos, da equipe de Bolsonaro, foi alvo 3 vezes da Lei Maria da Penha e condenado por estelionato
Carlos Bolsonaro tem chilique no Twitter e diz a Julian Lemos para “parar de aparecer” atrás do pai

“Quando pintar aquela situação embaraçosa faça como o Julian Lemos”, postou Eduardo Bolsonaro, que também colocou uma montagem do paraibano em um vaso sanitário.Image

 

 
22
Jan22

Peça 4 – o início da guerra

Talis Andrade

bolsonaro circo brasil_lane.jpg

 

Xadrez sobre Bolsonaro, eleições e crime

 

21
Jan22

Damares Lilitih Jezabel faz campanha contra vacinação infantil ao visitar criança que teve parada cardíaca

Talis Andrade

damares viu queiroz.jpg

 

Por Ivan Longo na Fórum

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foram no final da tarde desta quinta-feira (20) à cidade de Butucatu (SP) para visitar a menina de 10 anos que teve uma parada cardíaca e que se especulou que o problema tivesse relação com a vacina contra a Covid-19.

A visita dos ministros foi feita, no entanto, horas após o Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo, composto por inúmeros especialistas, concluir que a parada cardíaca da criança não teve nenhuma relação com o imunizante.

Ao divulgar sua ida a Botucatu, onde a menina está internada, Damares Alves citou a vacina contra a Covid, dando a entender que a dose teria sido a responsável pela parada cardíaca (leia a íntegra na Fórum).

Damares já esteve em um hospital para visitar os doentes da fome, da peste, os feridos das balas perdidas da polícia que mata as crianças inocentes, as vítimas das chacinas, dos massacres?

Damares jamais defendeu os direitos humanos dos sem terra, dos sem teto, dos sem nada, dos moradores de rua, dos que estão na fila do osso, dos que buscam alimentos no lixo. Que família Damares protege? 

Já subiu alguma vez um morro de favelados, ou desceu para visitar as famílias que moram em palafitas nas marés e nas ribeiras dos rios? 

Que mulher defende? As mães, as irmãs, as filhas dos 800 mil presos do Brasil? As famílias dos 13,7 millhões de desempregados? Os filhos da rua? As 500 mil meninas prostitutas?

Que Damares entende por direitos humanos? Defende, por acaso, os direitos das meninas grávidas, estupradas nos incestos? Os direitos das lésbicas, vítimas dos feminicídios? Dos gays vítimas dos homofóbicos? Dos negros e mulatos perseguidos, espancados, assassinados pelos racistas? Dos índios massacrados pelo garimpo, pelas madereiras, pela bancada do Boi, pela bancada da Bala, pela bancada da Bíblia? Idem pelos traficantes de ouro, de pedras preciosas, de madeira nobre, de minérios estratégicos? Defendeu as religiões afro-brasileiras, as religiões indígenas? 

Que faz Lilitih, Jezabel, Atalia no Ministério da Mulher, da Família, dos Direitos Humanos? 

Damares é uma imitação feminina de Bolsonaro, e Queiroga, espero, que seja mais humano, menos cruel do que o atual presidente do Brasil, que será julgado pelo povo no dia 2 de outubro próximo pela sua necropolítica.

Queiroga e Damares, quantas crianças brasileiras morreram vítimas da Covid? Mais de três mil? Quanta crianças morreram no governo militar de Bolsonaro, porque o Ministério da Saúde negou vacina, a vacina que salva? 

sexo damares.jpg

20
Jan22

Lula mostra como será a campanha eleitoral e seu governo (vídeo)

Talis Andrade

ele de lula.jpg

 

Lula declarou que é PT, mas o governo não será PT, ou seja, apenas PT. É nessa estratégia que se insere o fator Geraldo Alckmin. Seria a prova maior de seu propósito de convocar uma grande frente nacional com vistas ao desafio da reconstrução do país

 

 

por Luis Nassif / Jornal GGN

- - -

A entrevista concedida por Lula a portais independentes – a primeira de 2022 – ajuda a elucidar os pontos centrais de sua campanha presidencial, e o estilo que pretende adotar se eleito. 

A coletiva confirmou o que tinha antecipado no dia 20 de dezembro, no “Xadrez do início da maior campanha popular da história”. Os fatores-chave seriam os seguintes:

  • Pandemia, trazendo a sensação de orfandade em relação ao Estado.
  • Isolamento, provocando uma enorme vontade de sociabilidade.
  • Ultraje ao país, praticado diariamente pelo bolsonarismo, reforçando o sentimento de reconquista do país.
  • O desmonte de todas as políticas públicas, trazendo o sentimento de urgência.
  • Fome espalhada por todo o país, reforçando o sentimento de solidariedade geral.
  • Falta de perspectivas, responsável por uma depressão nacional.
  • E a peça central de um provável Lula 3 seria o aprofundamento da democracia e a aposta em todas as formas de gestão participativa, através da retomada das conferências nacionais e da convocação dos setores ligados a cada tema.

Na entrevista, Lula enfatizou esses pontos. Disse que no seu governo não haverá mais políticas produzidas de cima para baixo, por sábios, sem participação direta dos setores envolvidos.

brasil hoje.jpg

Esse modelo pressupõe um amplo alargamento das bases de apoio e das alianças. Lula declarou que é PT, mas o governo não será PT, ou seja, apenas PT. É nessa estratégia que se insere o fator Geraldo Alckmin. Seria a prova maior de seu propósito de convocar uma grande frente nacional com vistas ao desafio da reconstrução do país.

Não adianta ser eleito, criar expectativas e não ter força política para implementar as mudanças, disse Lula. Só se conseguem as mudanças se houver uma base política forte no parlamento e nos estados. E seu governo terá dois grandes desafios, diz ele: colocar o pobre no orçamento e o rico no imposto de renda.

O ponto central será o foco no cidadão, especialmente nos mais desassistidos. Na entrevista, Lula deixou claro que discussões sobre política econômica, política monetária, Banco Central, irão para segundo plano. O tema central é tirar novamente o país do mapa da fome e da falta de moradia.

Não há intenção de agredir o capital financeiro, nem de inibir a participação do capital privado nos investimentos, pelo contrário. Mas haverá a necessidade imperiosa de que as demandas do mercado estejam amarradas ao objetivo de melhorar o país e a situação dos mais pobres.

Além da ampla participação da sociedade civil nas políticas públicas, Lula coloca todas as fichas de crescimento no papel do Estado, através dos investimentos públicos e da participação das estatais. Não anunciou reestatização de estatais estratégicas, mas deixou uma mensagem no ar: na época em que começaram a vender estatais alertei os compradores que, mais à frente, poderia entrar um governo com visão totalmente diferente sobre o papel do Estado. Petrobras, BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica terão papel central na retomada dos investimentos, diz ele.

brasil visto por vaccari.jpg

13
Jan22

Ciência, liberdade, espaços públicos e burocracias especializadas: onde está a verdade?

Talis Andrade

soldado vaccari.jpeg

 

Por André Francisco Pilon /Jornal da USP

Acadêmicos, consultores científicos, burocracias especializadas poderiam contribuir para que o público em geral possa tomar decisões face aos interesses dominantes? Aqueles que defendem políticas baseadas em aspectos controversos, não minariam a capacidade dos cidadãos de tomarem decisões bem-informadas e responsabilizarem os políticos pelos eventuais riscos?

A busca da verdade só é possível em um contexto de liberdade. Não existe verdade oficial em ciência, cujo exercício supõe o acolhimento da controvérsia. As verdades oficiais levaram Giordano Bruno à fogueira e Galileu a uma falsa retratação (“eppur si muove’); não obstante elas continuam, qual erva maligna, a vicejar em cultivares os mais insuspeitos.

A necessidade de liberdade e controvérsia exclui uma das situações das mais clamorosas hoje em dia que reside na incorporação monolítica de teorias e práticas por entidades públicas e privadas que buscam justificar suas atividades em nome da ciência para auferir lucros ou se manter no poder, quaisquer que sejam os valores por ventura invocados.

No entanto, estudiosos e cientistas (que supostamente empenham o melhor de suas capacidades para o diagnóstico e a solução de problemas cruciais de nosso tempo), estariam sendo usados, segundo Johan Christensen (Universidade de Leiden), para manter o “status quo”, ou pior ainda, estariam mancomunados com o sistema, sob a forma de “science-business”.

O autor citado alerta para as especializações que fazem parte e servem para legitimar os discursos dominantes: “a ciência econômica é utilizada para legitimar o regime neoliberal de governo e os interesses empresariais; especialistas da área da saúde promovem uma abordagem medicada para os problemas sanitários e impulsionam os lucros das empresas farmacêuticas”.

Uma das áreas férteis de “science-business” está ligada a um sem-número de inovações tecnológicas, que, simplesmente, por se apresentarem como tais, se vêm revestidas de características quase divinas, tornam-se consagradas e, avessas à crítica, não se responsabilizam por eventuais riscos que o princípio da precaução implicaria em sua universalização.

Conforme lembra Christoph Zollikofer (Universidade de Zürich), “os humanos vivem hoje na idade da sua reprodutibilidade técnica, e o rápido desenvolvimento da engenharia genética desperta medos profundos: estamos perdendo a nossa individualidade? Tudo isto ainda é natural? E quem deve, em última análise, determinar o que pode e deve ser feito e de acordo com que critérios?”

David Schnaiter (Universidade de Innsbruck) chama a atenção para instituições, corporações, governos, empresas, organizações, partidos políticos, universidades, estados, grupos de interesses, associações e todos os demais coletivos que desempenham diferentes papeis na socialização dos seres humanos para conformar a realidade em que acreditamos e vivemos.

Poderiam as relações estabelecidas nas redes sociais (numericamente maiores, mas perfunctórias e transitórias), substituir as relações na vida real (numericamente menores, mas consistentes e duradouras)? Teriam condições de desenvolver mentalidades críticas face a questões essenciais relacionadas aos estilos de vida contemporâneos e seus reflexos ambientais?

Estas características têm consequências sociais, culturais e psicológicas. O fato de um grande número de pessoas integrar as redes sociais as nivela na média das mentalidades que as compõem, a um senso comum questionável, o que reduz a construção de um ponto de vista crítico em relação aos problemas de nosso tempo e ao atual estado do mundo.

Após tantos anos de comunicação “on line”, as devoções resultantes não levaram a transformações significativas nas formas de estar no mundo, cuja mudança, na sociedade em geral, dependerá de novos nichos socioculturais para compreender e tentar alterar as relações derivadas dos modelos atuais de crescimento, poder, riqueza e desenvolvimento.

A regeneração da natureza e a regeneração da espécie humana são interdependentes. Nada poderá ser feito enquanto os seres humanos, encantados com a aparente cornucópia de recursos naturais e tecnológicos, acreditarem que ela lhes propiciará todas as benesses, quando é exatamente o contrário e os resultados estão aí: epidemias, fome, guerra e morte.

Novas visões dependem dos contextos políticos, económicos, sociais e culturais que as apoiam ou a elas se opõem. Os problemas estão interligados e não pode haver solução para qualquer um deles sem enfrentá-los simultaneamente. As questões são concorrentes e a sua articulação depende de uma visão sistêmica para promover a sua integração e sistematização.

O processo implica aspectos temáticos (o que está em jogo), epistêmicos (como entender as coisas) e pragmáticos (quem, quando, onde). As mudanças envolvem a combinação de quatro dimensões de estar no mundo, cuja conjugação é essencial: íntima (aspectos pessoais), interativa (redes e grupos), social (política, economia) e ambiental (entornos naturais e construídos).

São fatores intervenientes, o crescimento demográfico, a urbanização, a migração; as alterações climáticas e a degradação ambiental; a crescente escassez de e a demanda global de recursos; a acelerada mudança tecnológica; as alterações de poder na economia global e no panorama geopolítico; os diferentes valores, estilos de vida e abordagens de governo.

As abordagens, em termos de políticas públicas, advocacia, comunicação, ensino e pesquisa, devem focar as raízes dos problemas, contemplando o fenômeno geral (o caldeirão efervescente) e não particularidades (as bolhas de superfície), ao sabor das manchetes do dia, dos interesses de grupos políticos e econômicos que buscam manter seu domínio e impor sua visão de mundo.

Nessas circunstâncias, como pessoas, profissionais e cidadãos, devemos continuar contribuindo para o debate, discussões, encontros, compromissos, coordenação, análise, síntese, avaliação, deveres e direitos que as inúmeras tarefas relativas à condição de estar no mundo nos apresentam, individual e coletivamente, agregando esforços e mantendo-se sempre alertas e vigilantes.

Humor Político Twitterissä: "Bala demais faz mal pros entes! por Marcio  Vaccari #Violência #charge #cartoon #Humor#Político  https://t.co/NylgWNXSWm" / Twitter

30
Dez21

Orçamento da fome

Talis Andrade

brasil thiago.jpeg

 

por Cristina Serra

- - -

O orçamento de 2022, recentemente aprovado, mostra como o Brasil está do avesso. O fundo eleitoral é uma obscenidade de R$ 4,9 bilhões e o aumento salarial de apenas três categorias de servidores (PF, PRF e Departamento Penitenciário), de interesse pessoal de Bolsonaro, mordeu R$ 1,7 bilhão do “meu, do seu, do nosso” dinheiro.

Duas reportagens publicadas na Folha também ilustram o desatino da inversão de prioridades com o dinheiro do contribuinte. Ana Luiza Albuquer que revelou que 13 motociatas do genocida, para apregoar o golpismo, levaram R$ 5 milhões dos cofres públicos. E Constança Rezende mostrou que o ministério da Defesa usou dinheiro de combate à Covid para comprar filé mignon, picanha, bacalhau, camarão, salmão e bebidas. O cardápio de luxo para os fardados custou R$ 535 mil.

Somados, esses gastos chegam a R$ 6,6 bilhões e uns quebrados. Numa conta simples, para dar uma ordem de grandeza, seria suficiente para comprar mais de treze milhões de cestas básicas (considerando um preço médio de 500,00 por cesta). Isso daria de comer a muita gente.

Mais de dezenove milhões de pessoas passam fome no Brasil e mais da metade da população ( 117 milhões) convive com algum grau de insegurança alimentar, ou seja, não consegue comer o que precisa. Às vésperas do Natal, brasileiros estavam na fila do osso num açougue em Cuiabá, a capital do agronegócio. No Rio Grande do Norte, sertanejos que voltaram a caçar lagarto para enganar a fome só tiveram o que comer na ceia graças a doações.

No caso do fundo eleitoral, é preciso assinalar que algum recurso público, de fato, tem que ser reservado para as campanhas. O fim do financiamento de candidaturas por empresas foi uma decisão acertada. Mas as campanhas não podem ser tão caras. Democracia tem um custo? Sem dúvida. Mas não pode ser esse o preço. Não existe democracia se o cidadão não tem o direito humano mais básico de todos assegurado: o direito à alimentação e à vida.

fome __latif__fityani.jpg

29
Dez21

Retrospectiva Brasil 2021: negacionismo, fome e CPI no segundo país do mundo mais afetado pela Covid

Talis Andrade
Cemitério de Nossa Senhora Aparecida em Manaus, Brasil, o país com a segunda maior taxa de mortalidade Covid-19 do mundo
Cemitério de Nossa Senhora Aparecida em Manaus, Brasil, o país com a segunda maior taxa de mortalidade Covid-19 do mundo Michael DANTAS AFP/File

O ano de 2021 começou de maneira trágica, com a falta oxigênio nos hospitais de Manaus. Médicos, enfermeiros e parentes desesperados vendo pacientes agonizando dias depois de integrantes do governo federal terem visitado a capital amazonense para divulgar o tratamento precoce sem eficácia contra a Covid. Enquanto nos hospitais a luta por atendimento definia a vida ou a morte.

A crise sanitária aguda, com mais de 600 mil mortos, acabou numa CPI do Senado, instalada por determinação do Supremo Tribunal Federal. Depoimentos e documentos que escancaram a atuação errática do governo Bolsonaro, com gabinete paralelo pró-cloroquina, cartas da Pfizer ignoradas resultando na compra atrasada de vacinas e até papel fraudado para vendar imunizante da Índia superfaturado. Não àa toa que a temperatura subiu muitas vezes na CPI.

A pressão de todos os lados levou o governo a acelerar a compra de vacinas e, com a robustez da estrutura do SUS, a imunização finalmente, reduzindo sobremaneira o número de mortos. Mesmo diante de prova cabal de que a vacinação era o caminho, o presidente Jair Bolsonaro ainda insistia no negacionismo.

“Quando você estiver sentindo falta de ar” - disse Bolsonaro em uma transmissão ao vivo imitando alguém com dificuldade para respirar - “Você vai para o hospital. Para fazer o quê? Para tomar o quê, se não toma nenhum remédio comprovado? Para ser entubado. Esse é o protocolo do Mandetta. E canalha é aquele que critica a cloroquina, a ivermectina e não apresenta uma alternativa.”

Bolsonaro defendeu a divulgação do nome de funcionários da Anvisa que trabalharam na aprovação da vacina para crianças. Antes ele já havia provocado fúria ao divulgar dado mentiroso relacionando imunização contra a Covid ao HIV. 

 

Bolsonaro perde apoio popular

A postura do presidente fez despencar seu apoio popular e ele reforçou a tática de buscar inimigos, mirando a artilharia para o Supremo Tribunal Federal, que fechava o cerco a radicais, com a prisão de bolsonaristas como Daniel Silveira e Roberto Jefferson. O ápice da crise institucional veio no 7 de setembro

“Não mais aceitaremos qualquer medida, qualquer ação ou qualquer sentença que venha de fora das quatro linhas da Constituição. Nós também não podemos continuar aceitando que uma pessoa continue barbarizando a nossa população. Ou o chefe desse poder enquadra o seu, ou esse poder pode sofrer o que não queremos”, disse Bolsonaro numa referência ao ministro do STF Alexandre de Moraes.

Além dos ataques ao Judiciário, conforme sua popularidade caía, o presidente mais uma vez repetia, feito um mantra, que as urnas eletrônicas não eram confiáveis, e que qualquer resultado diferente da sua reeleição seria por ele contestado. Até dia e horário marcou para apresentar provas, mas não as apresentou.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em uma foto de 7 de setembro de 2021.
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em uma foto de 7 de setembro de 2021. PAULO LOPES AFP/Archivos

 

Orçamento paralelo para o Legislativo

Bolsonaro foi orientado a baixar a bola e, se quisesse ter o centrão como apoio, a engolir o discurso golpista. Não foi só isso. O grupo que apoia o presidente engordou os bolsos com cargos, emendas e até orçamento paralelo, dinheiro público sem rastreio dos órgãos de controle. Com isso o Executivo conseguiu aprovar propostas polêmicas como as mudanças no pagamento dos precatórios, o que lhe assegura uma bolada em ano eleitoral. O que tema gerou debate no Congresso entre governo e oposição.

Se no Legislativo Bolsonaro conseguiu certo apoio a custas de muito dinheiro, na economia o ano foi um desastre: inflação nas alturas com a disparada do preço de produtos como a carne, desemprego, alta na conta de luz, e gasolina também com o preço a perder de vista, fazendo até motoristas de aplicativo a abandonarem a função.

 

Multidão faminta e medalhas inéditas

O lado mais perverso de tudo: a pobreza. Famílias indo morar na rua sem dinheiro para o aluguel. E uma cena cada vez mais comum nas cidades brasileiras: pessoas revirando lixo para achar o que comer. Uma multidão dependendo da solidariedade alheia para comer.

O país de uma multidão faminta, o crescimento do PIX como ferramenta nas transações comerciais, o leilão do 5G na telefonia.

No esporte, teve a volta do público aos estádios de futebol, a polêmica sobre comentários homofóbicos no vôlei e as medalhas inéditas no Japão, como no surfe de Ítalo Ferreira, no skate de Rayssa Leal e na ginástica olímpica de Rebeca Andrade. 

“Eu fiquei muito feliz por ter representado o Brasil, por ter ido tão bem, por levar o nome da ginástica, o nome do nosso país para o mundo inteiro. Espero que a gente tenha mais investimento, que as pessoas acreditem mais em todos os esportes, e não só na ginástica. O esporte salva vidas, o esporte educa”, disse Rebeca. 

Da esquerda para direita de cima para baixo:Mayra Aguiar, Rebeca Andrade, Daniel Cargnin, Kelvin Hoefler, Fernando Scheffer, Rayssa Leal e Italo Ferreira
Da esquerda para direita de cima para baixo: Mayra Aguiar, Rebeca Andrade, Daniel Cargnin, Kelvin Hoefler, Fernando Scheffer, Rayssa Leal e Italo Ferreira © Fotomontagem com fotos da AP

 

Fuga de cérebros, incêndio da Cinemateca

O país teve ainda debandada de pesquisadores de órgãos institucionais, incêndio na Cinemateca brasileira, prisão de cantor por agressão à mulher, vinte dias de perseguição a Lazaro Barbosa que assombrou moradores de Goiás, e ação de bandidos que usaram escudos humanos e levaram terror a Araçatuba, no interior paulista, chegando a instalar mais de cem explosivos.

No Rio Grande do Sul, quatro réus foram a júri popular este ano pelo incêndio da boate Kiss onde 242 pessoas morreram há oito anos.

No Rio de Janeiro, houve a prisão da mãe e do padastro vereador acusados pela morte do pequeno Henry Borel e a angústia das famílias de três meninos de Belford Roxo, que desapareceram há um ano e só agora confirmaram que eles foram brutalmente assassinados pelo tráfico.

 

Violência

A violência na floresta também chocou o país, com índios desnutridos, a pele e osso, avanço do garimpo ilegal, morte de animais nos incêndios e desmatamento recorde na Amazônia, reconhecido pelo ministério da Justiça.

Destaque no jornal Le Monde desta quinta-feira (02/07) para a volta das queimadas na Amazônia que registraram em junho o maior número de focos dos últimos treze anos.
Destaque no jornal Le Monde desta quinta-feira (02/07) para a volta das queimadas na Amazônia que registraram em junho o maior número de focos dos últimos treze anos. AP - Leo Correa

 

Políticos comemoraram a anulação de investigações, como o caso do triplex contra Lula, as provas das rachadinhas contra Flávio Bolsonaro, e algumas outras da Lava Jato contra Eduardo Cunha e Sérgio Cabral. De olho e 2022, o presidente Bolsonaro se filiou ao PL, Sérgio Moro foi para o Podemos e Lula tem cortejado o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin para vice.

“Não importa se no passado fomos adversários, se trocamos algumas botinadas, se no calor da hora dissemos o que não deveríamos ter dito. O tamanho do desafio que temos pela frente faz de cada um de nós um aliado de primeira hora”, disse Lula após jantar com Alckmin.

O país fecha 2021 com a chegada da variante ômicron, embate em torno da vacinação de crianças, cidades baianas inundadas com a chuva, surto de gripe e inúmero problemas a resolver, como a fome. Sentindo também saudade de tantos que se foram, como o ator Paulo Gustavo por Covid e a cantora Marília Mendonça, num desastre de avião.

21
Dez21

Perdão, Doralice

Talis Andrade

Ilustração: Rafael Schwab

 

Talvez pense que está tudo certo, que é assim mesmo, que essa é a vontade de Deus e que se você não chegou lá é porque não se esforçou o bastante. Mas não, Doralice. Isso não é coisa de Deus, isso é do homem. A ganância, a ambição, a podridão. A fome, a sede, a humilhação

16
Dez21

Em um governo que abraçou a morte, a liberdade é para poucos

Talis Andrade

vaccari chuva.jpeg

 

 

- - -

Em discurso no Palácio do Planalto na semana passada, Jair Bolsonaro, o genocida de plantão, comparou o chamado “passaporte vacinal” a uma “coleira no povo brasileiro”, repisando uma vez mais a mentira de que as medidas de prevenção à covid-19 são autoritárias e ameaçam nossa liberdade.

E asseverou, em tom de falsa preocupação: “Cadê a nossa liberdade? Eu prefiro morrer a perder a liberdade”.

A frase foi reiterada dias depois pelo Ministro da Saúde (da saúde!), o médico (médico!) Marcelo Queiroga, que lançou mão dos versos do hino da independência – “Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil” –, escrito há quase dois século e no contexto de construção do Estado nacional, para justificar a declaração presidencial.

Não foi a primeira vez. Em maio do ano passado, em reunião com Dias Toffoli, então presidente do STF, ao defender a flexibilização do isolamento social sob o pretexto de salvaguardar a saúde econômica do país, Bolsonaro afirmou a necessidade de preservar “um bem muito maior até que a própria vida (…) a nossa liberdade.”

Antes como agora, é possível ler as falas do presidente a partir de diferentes prismas: a reação de um governante incompetente e insensível, diante de uma tragédia sanitária pela qual é grandemente responsável; o quanto sua personalidade autoritária é refratária às críticas; ou ainda como um egoísta ressentido ao ver negada a satisfação imediata de seus desejos narcísicos.

Tudo isso é verdade. Mas não é suficiente, me parece, para elucidar o que está efetivamente implicado em uma fala que, disfarçada pela aparente imaturidade, expressa um vínculo que está no cerne do governo Bolsonaro, e do próprio bolsonarismo. Refiro-me ao nexo entre Bolsonaro, seu governo, e o neoliberalismo, que a gestão da pandemia escancarou tragicamente.

Uma associação cuja ressonância extrapola os limites de Brasília. Principalmente no início da pandemia, não faltaram vozes empresariais que, preocupadas com a diminuição da atividade econômica e, consequentemente, de seus lucros, não apenas minimizaram a pandemia, como as mortes que ela já começava a produzir.

Se a declaração infame do fundador e dono da rede Madero, Junior Durski, em que arriscou o prognóstico de mortes e desdenhou, com base nessa expectativa, que “não podemos parar por 5 ou 7 mil pessoas que vão morrer”, repercutiu mais intensamente, ele não estava sozinho.

Nas semanas e meses seguintes, a ele se juntaram, entre outros, Luciano Hang, da Havan; Roberto Justus; Alexandre Guerra, do Giraffas; e Abílio Diniz, ex-presidente do grupo Pão de Açúcar.

Mais recentemente, em agosto último, foi Fábio Rigo, herdeiro da marca Prato Fino, quem deu o tom do escárnio. Em suas redes sociais, atacou o SUS (“Quero mais que seja vendido”), sem o qual nossos mortos seriam em número ainda maior, e defendeu o que chamou de “lei da selva”: “Quem pode mais chora menos. Lei da selva. Tive covid e não me fez cócegas. Prefiro o covid do que essa merda de vacina”.

Também nesses casos é possível atribuir a indiferença pela vida e a truculência verbal dos empresários à sua opção ideológica e a adesão ao bolsonarismo. Mas não se trata apenas disso.

Com Bolsonaro e Queiroga, os empresários compartilham uma visão de mundo segundo a qual a vida, e mais particularmente a vida dos outros, não tem outro valor além de integrar a grande engrenagem do mercado. Que os primeiros falem em nome da liberdade e os segundos, da economia, pouco importa. Na lógica neoliberal, não há liberdade que não seja individual, e tampouco se é livre fora dos limites do mercado.

 

Neoliberalismo e autoritarismo

 

Não é de hoje que autoritarismo e neoliberalismo caminham pari passu.

Em 1927, Mises festejou o papel que o fascismo desempenhou na “contenção” do bolchevismo, cujo sêmen, fértil, ele encontrava no interior das democracias europeias do pós-guerra e seus primeiros experimentos de bem-estar social. Para Mises – que foi conselheiro econômico do governo austro-fascista de Engelbert Dollfuss –, a potência autoritária e antidemocrática do fascismo, “salvou a civilização europeia”.

Mais próximos de nós no tempo e no espaço, são amplamente conhecidas as declarações de apoio de dois dos principais herdeiros de Mises, Milton Friedman e Friedrich Hayek, a Pinochet e ao golpe de Estado que derrubou Salvador Allende em 11 de setembro de 1973, instaurando uma das mais terríveis e violentas ditaduras da história recente da América Latina.

Alheio ao terror de Estado e aos milhares de chilenos assassinados pelo regime, Hayek chegou a afirmar, em entrevista de abril de 1981, que embora fosse, pessoalmente, contrário às ditaduras “como instituição de longo prazo”, uma ditadura “pode ser um sistema necessário para um período de transição. Às vezes, é necessário que um país tenha, por um tempo, uma ou outra forma de poder ditatorial”.

Conhecendo a proximidade e a simpatia dos “Chicago Boys” por “uma ou outra forma de poder ditatorial” no Cone Sul, é mais fácil contextualizar a alusão ao AI-5 feita por Paulo Guedes, em novembro de 2019. Naquela ocasião, nosso ministro da Economia recorreu à memória do Ato Institucional como uma alternativa política e de Estado, para conter a ameaça de levantes populares como os que ocorriam, principalmente, no Chile.

São mentirosos, portanto, os discursos que defendem uma espécie de continuidade natural entre democracia, liberdade e neoliberalismo. Como regime de governo, o neoliberalismo encontra terreno fértil no enfraquecimento da democracia e na produção de um imaginário onde inexistem quaisquer outras possibilidades de invenção democrática.

A desvalorização da política, da esfera pública e de propósitos coletivos, da construção do comum, substituídos pela lógica concorrencial e da guerra de todos contra todos, que está no cerne do neoliberalismo, não apenas atestam sua face antidemocrática, como assinalam suas muitas convergências com a experiência do fascismo.

E que incidem no modo como o discurso neoliberal compreende a própria noção de liberdade. Como qualquer outra coisa ou mercadoria, ela não é percebida em sua dimensão política e social, mas como aquilo que se possui e concede, ao indivíduo – junto com o Estado, uma das mais bem sucedidas ficções do Ocidente – o direito de usá-la a seu bel prazer.  

No Brasil de Bolsonaro e do bolsonarismo, particularmente, o desmonte da democracia e o cerceamento das liberdades são favorecidos pela profunda desigualdade que impõem, a milhões de pessoas, a necessidade imperiosa de lutar, cotidianamente, pela sobrevivência em um país, além de economicamente fragilizado, devastado em sua capacidade de mobilização política.

As prometidas e permanentemente anunciadas medidas de austeridade, as reformas econômicas, o desmonte da educação e dos serviços públicos, o menosprezo pelos direitos das comunidades e grupos sociais vulnerabilizados, reforçam, entre nós, a percepção de que a liberdade é, antes, um privilégio que a poucos é dado ter e exercer.

Não é casual ou gratuito, mas um projeto executado com rigor e método, a ênfase no discurso meritocrático de valorização do indivíduo e o desmantelamento das redes mais amplas de inclusão e proteção social. Frequentemente associadas, no discurso bolsonarista, à esquerda e ao fantasma do comunismo, elas são representadas como uma ameaça à “verdadeira liberdade”, basicamente, viver sem ser constrangido ou coagido, pouco importam as circunstâncias.

Como parte da ideologia neoliberal, mesmo o Estado é reduzido à sua função de polícia – e no caso brasileiro, também sua função de milícia. Seu papel não é mais o de assegurar, ainda que parcial e provisoriamente, mecanismos políticos e institucionais que minimizem as desigualdades. Mas garantir, pela força das leis ou das armas, as condições de uma liberdade que, não ultrapassando as fronteiras do indivíduo, autoriza, legitima e justifica que sempre os mesmos sejam livres.

É por isso que para Bolsonaro é preferível “morrer a perder a liberdade”. Ele sabe, como o sabe a elite neoliberal que o apoia, que não há o menor risco de que eles precisem, em algum momento, fazer essa escolha.

Enquanto milhões de brasileiras e brasileiros estão condenados a viverem sem liberdade e sob a iminência da morte, vitimados seja pela covid, a fome ou a violência policial, Bolsonaro e a elite neoliberal que o apoia, gozam o privilégio de quem gerencia os mecanismos que permitem a manutenção e reprodução de suas próprias vidas e de sua liberdade. Sustentadas, ambas, pelo sofrimento e o desaparecimento de outros tantos.

Image

11
Dez21

O reizinho genocida

Talis Andrade

rei nu.jpeg

 

 

"O reizinho genocida" é um conto de fadas moderno e periférico. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência

 

por Dinha (Maria Nilda de Carvalho Mota)
- - -

Num lugar não muito distante, chamado Reino dos Banana Prata, morava um pequeno rei, junto com a esposa e seus cinco filhos: quatro rapazes e uma menina, cujo nome “Fraquejada” era abreviado para “Fraquê”. Nos contos de fadas, estamos acostumadas a não saber os nomes da maioria das pessoas, assim como não estranhamos nomes feios como o de “Rapunzel” e o da pobre menina “Fraquê”. 

O reizinho não gostava de mulheres, por isso ordenou que a todas lhes fosse negado o direito à vida, exceto enquanto crianças e durante o período fértil – para que, assim, parissem os filhos do reino. Por causa disso, mulheres não tinham voz em Prata, nem direito a reclamar quando um homem lhe batia ou a obrigava a atender aos seus desejos íntimos. As que ousavam se defender eram friamente executadas com quatro tiros na cabeça.

Certo dia, circulou por todo o reino a notícia de que um assassino estava à solta. No começo, apenas as mulheres eram as vítimas, mas, com o passar do tempo, o monstro resolveu sabotar estradas – remarcando a velocidade máxima permitida e afastando toda a fiscalização. Os homens começaram a morrer como zangões velozes atrás da rainha abelha, num esmagar-se constante de uns contra os outros. Quando o homicida foi, enfim, encontrado, soube-se que o dito cujo estava sob as ordens diretas do rei – e mais: vinha aplicando golpes contra idosos doentes, levando-os para um abatedouro cujo nome de fachada – que o fazia parecer-se com um hospital – era “Velhinhos Prevenidos”.

Na mesma época desse serial killer, todo o reino foi tomado por uma praga que roubava o fôlego às pessoas. Com dificuldade para respirar, boa parte da população ou morria de fome ou de tristeza, pois o padeiro não tinha forças para sovar o pão e o circo parou com as lonas arriadas.

Os súditos do reizinho, então, decidiram lhe procurar, na esperança de receber conforto e algum dinheiro para combater a praga, cultivar arroz e um pouco de arte. O pequeno soberano, no entanto, diante das súplicas dos seus subalternos, resignou-se a mandá-los ir em busca do nobre coveiro – dado que só ele poderia, naquele momento, lhes ajudar.

No trágico reino de Prata, o caos permaneceu por longos anos. Sem amparo, sem fôlego e sem arte, a natureza humana se extinguia. A mortalidade aumentou em 15%. Trezentos mil bebês deixaram de nascer. A fome atingiu níveis nunca antes vistos e florestas ardiam para divertimento do soberano.

Quando solicitado, o reizinho piromaníaco, oferecia ao povo o velho e obsceno gesto da banana que, acertadamente, nomeava o reino de Prata. 

Ricamente vestido e evidentemente bem alimentado, o tirano guardava para si toda a prata da casa, dispensando aos pobres do reino apenas cascas de frutos apodrecidos. 

Certo dia, porém, sua pequena filha, Fraquejada, brincava de bola nos fundos do palácio (escondida, pois nenhum esporte era permitido  às meninas) quando viu passar uma centena de mulheres. Elas eram, verdadeiramente, muitas.

A princesa então se escondeu atrás de uma bananeira real e, de lá, observou cuidadosamente a multidão. A menina Fraquê notou que todas as passantes traziam o rosto cansado, os lábios azuis da pouca oxigenação e trajavam roupas incomuns (calças masculinas, ou saias e blusas parece que ou sobrando ou faltando pano, outras tinham lenços na cara, no lugar das máscaras de proteção contra a praga). 

Fraquê notou também que elas carregavam bandeiras e faixas com dizeres para ela incompreensíveis. A bandeira que mais lhe chamou a atenção, por conter uma imagem do rosto de seu pai, era segurada por uma mulher grande e pálida. A garotinha não sabia ler, pois mulheres não precisam disso no reino de Prata , mas raciocinou que, pela fúria com que repetiam algo que lhe soava como “FODA-SE REIZINHO GENIOCIDA”, a mulher grande e as outras não poderiam estar elogiando seu pai.O rei, finalmente, está nu | RNP+BRASIL

O reizinho genocida

 

Durante uns minutos, a multidão parou diante do seu portão e, por um instante, a menina pôde olhar nos olhos de algumas mulheres, antes que os cães da guarda real as atacasse e elas todas entrassem numa luta sangrenta. Pouco tempo depois de iniciada a batalha,  ninguém sabe dizer bem a razão, Fraquê destrancou os portões.

A multidão então entrou no palácio, pisou no jardim gramado – bem onde estava a placa de “proibido” – e banhou-se na água das fontes dançantes que requebravam sem melodia. Um frisson tomou conta das matronas e essas mulheres, tomadas de uma fúria nunca vista, assaltaram o palácio, fuzilaram os guardas, cercaram o rei, a esposa e os quatro filhos.

Sem ter para onde correr, o primeiro pulou da janela alta e morreu espatifado. O segundo, sacou seu revólver, atirou a esmo, sem lograr atingir as mulheres e, vendo que elas não recuaram, atirou na própria cabeça. O terceiro esboçou uma fuga. Enquanto os olhos se voltavam contra os mortos, embrenhou-se no meio das mulheres tentando passar desapercebido. Este foi asfixiado pelo abraço apertado das mulheres-sucuri. O quarto filho, vendo o destino dos outros, tentou barganhar: disse que dividiria sua herança com aquela que o deixasse viver e o tomasse como marido. Teve a garganta cortada por uma moça linda e virgem.

Por fim, ao casal real só lhes restou a menina Fraquê – última esperança de compaixão.

A esposa apelou para os laços maternos, para a sororidade e para sua situação de submissa em relação aos homens da casa. Depois de mostrar às outras onde estavam as armas, as riquezas do reino, e enfiar duas balas na barriga do rei, ganhou, junto com a filha, o direito ao exílio. Mãe e filha partiram no mesmo dia.

No palácio real, as mulheres cantavam, dançavam e bebiam sobre o cadáver dos soberanos. Mais felizes que exaustas, juntavam amor e armas – proteção contra possíveis rebeldias contra revolucionárias.

Em algum lugar do planeta o sol nascia. Muito em breve, o mesmo sol banharia o reino com suas luzes douradas.

Caixa dois Bolsonaro: não vai dar em nada, mas já deu em muita coisa – Bem  Blogado

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub