Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

02
Fev21

Em diálogo, Moro repreende Dallagnol após MPF recorrer de decisão

Talis Andrade

quadrilha lava jato _thiagolucas.jpg

 

 

Por Sérgio Rodas e Tiago Angelo /ConJur

Numa conversa de 2015, o então juiz federal Sergio Moro se mostrou irritado após procuradores do Ministério Público Federal recorrerem de uma condenação. O caso envolvia o engenheiro Mário Góes, apontado como operador de propinas em um esquema de corrupção na Petrobras; Pedro Barusco, ex-gerente executivo da estatal; e o empresário Augusto Ribeiro de Mendonça Neto. 

As mensagens se tornaram públicas nesta segunda-feira (1º/2), depois que o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, retirou o sigilo da reclamação que deu à defesa do ex-presidente Lula acesso às mensagens apreendidas na chamada "operação spoofing". 

Parte das 49 páginas contendo diálogos já tinha se tornado pública na semana passada, quando o site da revista Veja revelou conversas em que Moro aparece orientando os procuradores do Paraná. Trechos divulgados pelo site The Intercept Brasil também estão no documento. 

As mensagens demonstram mais uma vez que Moro orientava a acusação em diversos processos que corriam na 13ª Vara Federal de Curitiba, onde era o titular. A ConJur manteve as abreviações e eventuais erros de escrita nas conversas. 

"Olha está um pouco dificil de entender umas coisas. Por que o mpf recorreu das condenacoes dos colaboradores augusto, barusco emario goes na acao penal 5012331-04? O efeito pratico é impedir a execução da pena. E julio camargo tb. E nao da para entender no recurso se querem ou nao alteracao das penas do acordo?", diz Moro a Deltan Dallagnol, então chefe da autointitulada "força-tarefa da lava jato". A conversa é de 17 de novembro de 2015. 

Dallagnol tenta explicar, mas Moro retruca. "Sinceramente não vi nenhum sentido nos recursos que já que não se pretende a alteração das penas finais dos colaboradores. O mp está recorrendo da fundamentação, sem qualquer efeeito prático. Basta recorrer so das penas dos nao colaboradores a meu ver. Na minha opinião estão provocando confusão."

O MPF no Paraná respondeu à ConJur que não irá se pronunciar sobre as mensagens. 

Adiantando trâmites
Em outro momento, dessa vez em 10 de novembro de 2016, Dallagnol adianta a Moro que irá protocolar uma denúncia contra o ex-presidente Lula e outra contra o ex-governador Sérgio Cabral (MDB-RJ). 

"Denúncia do Lula sendo protocolada em breve. Denúncia do Cabral será protocolada amanhã", diz o procurador. Moro responde com um emoticon de sorriso e diz: "Um bom dia, afinal". Um dia depois da mensagem Lula foi de fato denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 

As conversas também registram um momento em que Moro adianta o trâmite de um processo. "Na segunda acho que vou levantar o sigilo de todos os depoimentos do FB. Nao vieram com sigilo, não vejo facilmente riscos a investigação e já estao vazando mesmo. Devo segurar apenas um que é sobre negócio da argentina e que é novo. Algum problema para vcs?", pergunta a Dallagnol. 

"FB" é Fernando Baiano, lobista apontado pelo MPF como um dos operadores do PMDB no esquema de desvio de recursos da Petrobras.

Intimidade com Moro
O ex-presidente Lula foi condenado pela primeira vez por Sergio Moro em 12 de julho de 2017. Na ocasião, o juiz o sentenciou a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP). Em 1º de julho, Deltan demonstrou que já sabia da condenação.

"Mas um ponto a ser considerado..no meu jeito de ver... Com a troca de PGR, soltura de Loures, retorno de Aécio ao Senado, e sentença de Moro contra Lula prestes a sair, já estão usando e vão reforçar imagem que vcs só perseguem o PT... Vide nota oficial do partido divulgada ontem... É uma série de situações perfeitas que caminham para que voltem a acusar vcs de perseguição. Por isso qualquer declaração fora de hora pode gerar mais ruído...".

Em diversas mensagens os procuradores da República afirmam que iriam se reunir com Sergio Moro ou que o consultaram ou precisavam ouvir a opinião do juiz sobre algum ponto.

Em 2 de junho de 2016, o procurador Roberson Pozzobon diz ao colega Antônio Carlos Welter que, se ele não tiver outras tarefas, "a reunião será às 11:00 com o Moro". Mais tarde, a procuradora Laura Tessler pede a Andrey Borges de Mendonça:

"CF [Mendonça], vc poderia conversar com o Moro sobre a decisão de suspender o processo com base na assinatura do termo de confidencialidade? Desse jeito, todos vão querer o mesmo benefício...e com isso fica difícil sustentar a manutenção das prisões durante a avaliação da proposta do acordo." E requer que ele também converse com o juiz sobre o processo envolvendo o escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca. Em seguida, Welter informa que "já falamos com Moro".

No dia 7 de junho, ao discutirem uma questão envolvendo o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (MDB-RN), Deltan Dallagnol cita a opinião do juiz federal sobre o caso. "Moro diz que PF não deve fazer mas isso pode ter limite pq ele acha que a melhor solução é fazermos o acordo".

O procurador Orlando Martello, em outro trecho, repassa ao grupo mensagens sobre o uso de provas contra o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ). Nelas, integrantes do MPF não identificados comentam que irão protocolar ação de improbidade administrativa contra Cunha. O processo é baseado em documentos recebidos da Suíça. Surge uma dúvida quanto à necessidade de compartilhamento de documentos, e eles apontam que Moro entende que a medida não é necessária.

"Pellela, Precisa falar. É sobre o Cunha. Estamos com uma ação de improbidade pronta para protocolar na segunda-feira. A base da ação são os DOCs recebidos da Suíça (via stf). Não há compartilhamento para o cível. Entendemos q não precisa compartilhamento. São documentos em q não há restrição de uso. Tb são DOCs q não podem ser produzidos exclusivamente para fins penais, q demandaria o compartilhamento para o cível. Este é o nosso entendimento aqui. Conversei agora com vlad, q estava com Daniel e Danilo. Eles tb não vêm problema, embora Danilo/Daniel pediria o compartilhamento por cautela. Pedimos ao moro, mas ele não quer compartilhar pq ele acha q o stf deveria fazê-lo. Pediu q pedíssemos ao stf."

Mendonça, no início de julho de 2016, disse que estava em São Paulo para falar sobre delações premiadas e acordos de leniência, "bem como ver as questões sobre as novas operações". "Nada muito especial, mas cumprindo uma rotina de manter o russo [Sergio Moro] informado, bem como atento aos humores dele."

O procurador conta que estava tentando voltar a Curitiba "para a reunião com o russo", mas o avião retornou para a capital paulista. "Não sei que horas vou conseguir retornar. Ou vocês tratam dos assuntos com o russo ou avisam que a reunião foi cancelada." Dallagnol então afirma que irá avisar o juiz e relata que ele também tem algo a falar com os membros do MPF.

O chefe da força-tarefa da "lava jato" pergunta a Pozzobon, em 16 de agosto de 2016, se "o pedido do Pace do [ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antônio] Palocci já foi protocolado". Isso "para que o russo possa analisar se usa ou não".

Antes disso, Dallagnol já contava aos colegas que "Russo vai sair fim do ano mesmo, contando que já tenhamos processado o 9 [Lula] e o Cunha. Pode reavaliar conforme venha o Renan [Calheiros, ex-presidente do Senado] ou a depender da Ode [Brecht, empreiteira]. Acho difícil segurar ele". Moro ainda atuou mais de dois anos na 13ª Vara Federal de Curitiba, só deixando a magistratura ao assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro. (Continua)

gervasio quadrila moro dallagnol.jpg

 

04
Dez20

Tacla Duran, da Odebrecht, pagou US$ 612 mil a lava Jato, chefiada por Moro, para não ser preso!

Talis Andrade

Uma cronologia do caso Tacla Duran | O Cafezinho

 

por Emanuel Cancella

Essa historia teve uma passagem na entrevista à Folha do advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran, a jornalista Monica Bergamo, onde Duran disse: Que o advogado da Lava Jato, Carlos Zucoloto Junior, que é compadre de casamento de Moro, e ex sócio de sua esposa, Rosangela Moro, lhe procurou e propôs uma delação premiada que lhe daria prisão domestica e perdão em multa de US$ 10 milhões a Odebrechet. Para isso Duran teria que pagar US$ 5 milhões ‘por fora’(6,7).

Quando soube da entrevista à Folha, o ex juiz Sergio Moro chamou Duran de aventureiro e fora da lei. Moro quis prender a jornalista Monica Bergamo (2).

Mas foi a revista Veja, insuspeita em se tratando de Moro, que publicou, com base em informação da Receita Federal, que Duran fez deposito na conta de sua esposa, Rosangela Moro (8).

Moro reconheceu o deposito, complicando a imagem de sua esposa que agora sabemos através do próprio marido que ela faz negócios com fora da lei.  Mas Moro disse que o dinheiro foi para pagar copias de processo.

Mas o problema é que Duran disse que, para não ser  preso pela Lava Jato, então chefiada pelo juiz Sergio Moro, pagou uma primeira parcela de US$ 612 mil (1). Não dá para acreditar que esse valor foi para pagar copias.

E aí os brasileiros começam a entender porquê os principais ladrões da Petrobrás estão cumprindo pena em suas casas, verdadeiros clubes de lazer construídos com dinheiro da corrupção(3).

Entre outros, o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, Fernando Baiano do PMDB, Alberto Youssef doleiro condenado a 122 anos (3). Alberto Youseff além da prisão domestica voltou a operar com dólar (4).

Creio que seria honesto que os pagamento relativo à Delação Premiada ao invés de ‘pagar por fora’, ou ir para conta da esposa do ex juiz Sergio Moro, fosse para uma conta do estado, ou da Justiça. Aliás isso deveria ser item das Dez medidas contra a Corrupção.

Só para se ter uma idéia de quanto a Lava Jato arrecada com delação premiada, a advogada também da Lava Jato, Beatriz Catta Preta, em 9 delações arrecadou cerca de R$ 20 milhões. Tem advogadas, com décadas dedicada ao direito que, no acumulado, não faturou isso (5).

tacla moro mentiroso.jpeg

 

Fonte: 1 - https://noticias.uol.com.br/reportagens-especiais/tacla-duran-paguei-para-nao-ser-preso-na-lava-jato/#cover

2 - https://blogdacidadania.com.br/2019/07/moro-queria-prender-jornalista-monica-bergamo/

3 - https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/politica/2016/07/delatores-cumprem-prisao-domiciliar-em-mansoes-e-coberturas.html

4 - https://www.conjur.com.br/2019-nov-10/amparado-acordo-youssef-recomeca-operar-dolar

5 - https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/513004/noticia.html?sequence=1&isAllowed=y

6 - https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2017/11/1938728-tacla-duran-apresentara-pericia-para-provar-conversa-com-amigo-de-moro.shtml

7 - https://www1.folha.uol.com.br/paywall/login.shtml?https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2017/11/1939622-tacla-duran-entrega-fotos-de-dialogos-que-diz-ter-mantido-com-amigo-de-moro.shtml

8 - https://veja.abril.com.br/blog/radar/moro-poderia-ser-impedido-de-julgar-ex-advogado-da-odrebecht/

dinheiro de tacla por fora.jpg

 

29
Set20

Ao "combater a corrupção", "lava jato" preserva patrimônio de delatores

Talis Andrade

justiça dinheiro corrupção Osvaldo Gutierrez Go

 

 

QUANDO O CRIME COMPENSA

por Sérgio Rodas

- - - -

Orlando Diniz pôde manter US$ 250 mil no exterior; Dario Messer recebeu R$ 11 milhões de herança; Alberto Youssef inicialmente receberia R$ 1 milhão para cada R$ 50 milhões recuperados; Antonio Palocci manteve mais da metade de seu patrimônio de R$ 80 milhões.

Os exemplos se sucedem para mostrar que não é mau negócio ser delator na "lava jato". Os acordos de colaboração premiada do ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz e do doleiro Dario Messer são só os casos mais recentes que atestam que colaboradores seguiram com bens e dinheiro mesmo após confessar a prática de crimes.

Pelo acordo, Messer não deverá cumprir pena de até 18 anos e 9 meses de prisão — com progressão de regime prevista em lei e regime inicial fechado — e renunciar a 99% do seu patrimônio, estimado em R$ 1 bilhão. Sobrariam R$ 3,5 milhões de uma conta nas Bahamas e um apartamento de R$ 3 milhões no Leblon, totalizando R$ 6,5 milhões.

Porém, em 14 de agosto, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, permitiu que o doleiro recebesse mais R$ 11 milhões da herança de sua mãe. Dessa maneira, ele ficaria com um patrimônio de R$ 17,5 milhões.

Ao portal UOL, o Ministério Público Federal afirmou que a herança é “uma expectativa de direito” e “não foi levada em conta no cálculo do colaborador”. O órgão disse que esses bens são lícitos, pois a mãe dele não foi investigada por crimes. No entanto, em 2018 o MPF pediu o bloqueio da herança, com o argumento de que Messer ocultou valores de crimes por meio de transferências para parentes.

A recuperação do dinheiro de Messer, no entanto, ao menos no volume divulgado, está longe de ser tangível ou garantida. Consultados pela ConJurespecialistas brasileiros e paraguaios — boa parte do valor está no país vizinho — são uníssonos em apontar a complexidade da operação entre os dois países.

Já no caso de Orlando Diniz, o empresário teve direito de manter US$ 250 mil (quantia superior a R$ 1,2 milhão pelo câmbio atual) em uma conta no exterior porque o patrimônio teria origem lícita, segundo o Ministério Público Federal.

Vídeos da delação vazados para a imprensa mostram que Diniz foi dirigidopelos procuradores. Em muitos momentos, é a procuradora Renata Ribeiro Baptista quem explica a Diniz o que ele quis dizer. Quando o delator discorda do texto atribuído a ele, os procuradores desconversam, afirmando que vão detalhar nos anexos.

Outros casos

O segundo acordo de delação premiada firmado pela “lava jato” foi o do doleiro Alberto Youssef. O compromisso possuía uma “cláusula de performance, que lhe destinava R$ 1 milhão para cada R$ 50 milhões recuperados com sua ajuda.

Responsável pela defesa do ex-presidente Lula, o advogado Cristiano Zanin Martins questionou a cláusula em audiência em 2018. Youssef então declarou que renunciado à cláusula.

No acordo de colaboração premiada que firmou com a Procuradoria-Geral da República, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado teve que pagar uma multa de R$ 75 milhões. Em troca, não ficou nenhum dia na prisão — desde o começo, sua pena pôde ser cumprida em sua mansão em Fortaleza.

Outro que se deu bem foi o lobista Fernando Soares, vulgo Fernando Baiano. Sua pena foi cumprida em uma cobertura de 800 metros quadrados na orla da Barra da Tijuca, bairro nobre na zona oeste do Rio de Janeiro.

Já Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, pôde ficar com R$ 45 milhões de seu patrimônio de R$ 80 milhões em termo de cooperação firmado com a Polícia Federal.

A delação de Palocci é repleta de inconsistências. A peça central do acordo não existe. O contrato que ele disse ter sido feito com a empreiteira Camargo Correa para “comprar” uma decisão do Superior Tribunal de Justiça, na verdade, era com outra empresa: o Grupo Pão de Açúcar. Branislav Kontic, ex-assessor Palocci, disse que o ex-ministro o pressionou para confirmar "ficções de sua delação".

Pelo menos três inquéritos abertos com base na delação de Palocci foram arquivados por falta de provas. Em agosto, a Polícia Federal encerrou investigação que trata de acusações em torno do Fundo Bintang — que envolvia pessoas como Lula, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e André Esteves (BTG), entre outros. Conforme a PF, os únicos elementos de corroboração da colaboração de Palocci são notícias de jornais que, na coleta de provas, não se confirmaram. 

Outro inquérito que também falava do BTG e um sobre o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto também foram arquivados pelo mesmo motivo. Também em agosto, o Supremo Tribunal Federal anulou acusações produzidas em conjunto por Palocci e pelo ex-juiz Sergio Moro às vésperas da eleição presidencial de 2018, em ação penal contra Lula.

Propagandeada pela imprensa em 2016 como a “delação do fim do mundo”, as colaborações da Odebrecht envolveram 79 executivos. De acordo com reportagem do UOL, cada um recebeu R$ 15 milhões pelo compromisso. E a maioria deles seguiu sua carreira normalmente, seja abrindo negócios, seja atuando em outras empresas, seja prestando consultoria. Diversos delatores da Odebrecht não foram condenados ainda nem começaram a cumprir pena.

Em maio, a defesa de Lula apresentou documentos que apontam que Odebrecht pagou delatores. Os documentos foram apresentados pela construtora em processos contra Marcelo Odebrecht. Entre eles, está uma planilha segundo a qual ex-executivos e colaboradores da Odebrecht receberiam por até nove anos valores da empresa sem qualquer tipo de prestação de serviço após a celebração dos acordos de delação premiada.

Conforme a defesa do petista, os documentos provam que a empreiteira pagou pelas "delações premiadas e pelo conteúdo que elas veicularam para tentar incriminar o ex-presidente Lula". Da planilha apresentada constam apenas beneficiários que fecharam acordos de colaboração com auxílio da empresa.

Decisão é do juiz

No julgamento em que o Supremo Tribunal Federal estabeleceu que polícias podem firmar acordo de delação premiada, o ministro Marco Aurélio, relator do caso, ressaltou que, independentemente do que seja estabelecido em acordo de delação premiada, a palavra final sobre a concessão dos benefícios é do juiz.

“Os benefícios que tenham sido ajustados não obrigam o órgão julgador, devendo ser reconhecida, na cláusula que os retrata, inspiração, presente a eficácia da delação no esclarecimento da prática delituosa, para o juiz atuar, mantendo a higidez desse instituto que, na quadra atual, tem-se mostrado importantíssimo. Longe fica o julgador de estar atrelado à dicção do Ministério Público, como se concentrasse — e toda concentração é perniciosa — a arte de proceder na persecução criminal, na titularidade da ação penal e, também, o julgamento, embora parte nessa mesma ação penal”.

Acordos ilegais

Os acordos de delação premiada firmados na operação “lava jato” possuem cláusulas que violam dispositivos da Constituição — incluindo direitos e garantias fundamentais —, do Código Penal, do Código de Processo Penal e da Lei de Execução Penal (Lei 7.210/1984). Isto é o que apontou levantamentofeito pela revista Consultor Jurídico.

Em parecer, os professores da Universidade de Coimbra José Joaquim Gomes Canotilho e Nuno Brandão afirmaram que os acordos de delação premiada firmados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef na operação “lava jato” são ostensivamente ilegais e inconstitucionais

Segundo eles, acordos de delação premiada não podem prometer redução da pena em patamar não previsto na Lei das Organizações Criminosas (Lei 12.850/2013), nem oferecer regimes de cumprimento dela que não existem nas leis penais. Caso contrário, haverá violação aos princípios da separação de poderes e da legalidade. Também por isso, esses compromissos só alcançam delitos tipificados por tal norma, e não isentam o Ministério Público de deixar de investigar ou denunciar atos praticados pelo delator.

10
Jun20

A direção da Petrobrás quer matar os petroleiros e a FUP, FNP e Aepet querem estuprar mas, mesmo assim, vou acompanhar o Sindicato! Vale a Pena Ver de Novo

Talis Andrade

 

Paulo Guedes investigado por rombo nos Fundos de Pensão das Estatais, notadamente da Petrobras, foi sabida, safada e criminosamente oferecer a Sergio Moro, na campanha eleitoral de 2018, um cargo no primeiro escalão do governo Bolsonaro. As relações de Sergio Moro com Paulo Guedes começaram nas investigações da Lava Jato. Moro mantinha presos e investigava os principais ladrões da Petrobras, e apadrinhava os bandidos de estimação, e eleito Bolsonaro passou a apaniguar Paulo Guedes (T.A.)  

Fundo-de-pensao.jpg

 

por Emanuel Cancella

- - -

Quando foi apresentada, pela 1ª vez, a proposta para cobrir o rombo na Petros, em assembléia, no Sindipetro-RJ, eu falei no microfone, na assembléia dos aposentados, gravada:

“A Petrobrás quer me matar e os sindicatos me estuprar, mas mesmo assim vou acompanhar o Sindicato”. Estou agora revendo minha posição em acompanhar o Sindicato.

O fato é que foi criado o “Forum Petros”, onde se juntaram FUP, FNP, Aepet, Federação dos Marítimos e várias associações de aposentados petroleiros, para discutir os problemas da Petros. O principal deles é um rombo fictício, já que não existe perícia que comprove o tal rombo.

Não sei se o mesmo acontece em todos os Fundos de Pensão das Estatais ou em grande parte deles.

Então a Petros começou unilateralmente a descontar, no mínimo 13% dos salários dos petroleiros, ativos e aposentados, e por 18 anos.

Então todos os sindicatos de petroleiros, em nome dos trabalhadores, entraram na Justiça, inclusive a Aepet, e ganhamos várias liminares que suspenderam os descontos.

Entretanto o presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, em decisão monocrática, cassou todas as liminares e impediu novas ações (1).

Agora o Fundo Petros, do qual fazem parte FUP, FNP e Aepet querem convalidar esse desconto, denominado PED (Plano de Equacionamento de Déficit). Sendo que, ao aceitar essa proposta, os sindicatos não poderão mais questionar esses descontos em ação coletiva, somente cabendo ações individuais.  

Na Petrobrás essa manobra foi encabeçada pela lava Jato, chefiada então pelo juiz Sérgio Moro, e nos fundos de pensão pela operação Greenfield.

Basta verificar que, enquanto os petroleiros, ativos e aposentados, estão adoecendo, muitos se suicidando, por conta principalmente dos descontos e da pecha de corruptos, os principais ladrões da Petrobrás, presos pela Lava Jato, estranhamente estão em suas casas, verdadeiros clubes de lazer construídos com dinheiro da roubalheira (3).

Dentre eles, o ex-diretor Paulo Roberto Costa; o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado; o tesoureiro do PMDB, Fernando Baiano, e o doleiro Alberto Youssef (2). 

Outro protegido é Paulo Guedes, que, enquanto ainda era assessor de Bolsonaro, formou uma quadrilha junto com seu assessor, Esteves Colnago e outros, dando rombo de R$ 6.5 BI nos fundos de pensão das estatais, inclusive na Petros.

Mesmo depois disso, com as bênçãos da Lava Jato e da Greenfied, Paulo Guedes foi alçado a ministro da Economia de Bolsonaro, não foi preso e nem está pagando pelo rombo que realmente deu (4,5).

Já os petroleiros, ativos e aposentados, mesmo sem nunca terem sido gestores da Petros, estão pagando pelo rombo que não deram.  

Vale lembrar que a Lava Jato, então chefiada pelo juiz Sérgio Moro, prendeu 20 pessoas por suspeita de superfaturamento nas obras de construção da sede da Petrobrás na Bahia, com dinheiro da Petros (6). Segundo a própria Lava Jato, trata-se somente de suspeita, mas mesmo assim prendeu e acusa a direção do PT (6). Na legislação brasileira, todo cidadão é inocente até que se prove o contrário.

A FT Greenfield protocolou nova denúncia contra 29 pessoas responsáveis pela gestão dos fundos de pensão Petros, Funcef, Previ e Valia.

Elas são acusadas de gestão temerária na aprovação de investimento no Fundo de Investimentos e Participações (FIP) Sondas – veículo de investimentos da empresa Sete Brasil Participações.

Entre os acusados na Petros estão companheiros da FUP/FNP/Aepet. Esses companheiros são inocentes, até que se prove o contrário.   

A Lava Jato e Greenfield, que criminalizam os trabalhadores ligados aos fundos de pensão, denunciando e prendendo sem provas, é a mesma que se omite criminosamente em relação ao ministro Paulo Guedes.

E o pior, Paulo Guedes roubou o fundo de pensão dos trabalhadores e, com a privatização, vai tirar ainda seus empregos, como fez na BR Distribuidora. 

Jamais colocaria em dúvida a idoneidade da FUP/FNP e Aepet, mas apoiar o PED, seja ele assassino ou não, é um erro, creio.

 A toda hora, a direção da Empresa age criminosamente e unilateralmente, como na BR Distribuidora, onde   os trabalhadores são obrigados a aceitar a diminuição dos salários, caso contrário, são demitidos (7).

Se a direção Petrobrás/Petros, por conta de rombo, quer punir os petroleiros ativos e aposentados, sem qualquer prova, que o faça unilateralmente, mas sabendo do nosso protesto, ou seja, a FUP, FNP e Aepet não podem concordar com isso. (Confira as anotações de Emanuel Cancella)

24
Abr19

LAVA JATO USA A DELAÇÃO PREMIADA COMO SUA PRINCIPAL ARMA DE PRISÃO ILEGAL E EXTORSÃO

Talis Andrade

delação premiada porcos.jpg

 

 

por Emanuel Cancella

- - -

Lava prendeu Lula, o almirante Othon Pinheiro, Rodrigo Neves, etc., somente com delação premiada sem provas, com apenas a palavra de bandidos presos pela Operação, que acusavam para diminuir suas penas.
 
No caso da prisão de Lula, Leo Pinheiro, com sua delação premiada, além de diminuir sua pena, ainda emplacou seu genro, Pedro Guimarães na presidência da Caixa Econômica (5).
 
Segundo o advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Duran, o advogado da Lava Jato, Carlos Zucoloto Junior, compadre de Moro e ex-sócio de sua esposa, lhe pediu US$ 5 milhões de dólares “Por Fora”,  para viabilizar uma delação premiada que lhe daria prisão doméstica e perdão de US$ 10 milhões de multa da Odebrecht. E, segundo a revista Veja, com base em informação da Receita Federal, Duran fez depósito na conta da esposa de Moro, Rosângela Moro. (2,3).
 
A advogada da Lava Jato, Beatriz Catta Preta, trabalhou em 7 delações premiadas e faturou R$ 20 milhões. Abandonou depois o emprego se dizendo ameaçada de vida e foi viver em Miami (1).
 
Depois do da entrevista  de Duran, ficou claro porque os principais ladrões da Petrobrás foram soltos. O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o doleiro Alberto Youssef, o operador do PMDB, Fernando Baiano. Todos esses larápios, entre outros, estão em suas casas, mansões e coberturas, verdadeiros clubes de lazer construído com dinheiro da roubalheira (6).
 
11
Abr19

HÁ ALGO DE PODRE NO REINO DA LAVA JATO

Talis Andrade

Lava Jato - do combate à corrupção ao negócio mais rentável da República!

pig lava jato.jpg

por Emanuel Cancella

____

 
Aí, em 2016, o golpe tirou a Dilma, que não cometeu nenhum crime, e colocaram Michel Temer, três vezes denunciado por corrupção (2, 10,11).
 
Temer indicou para a presidência da Petrobrás o tucano Pedro Parente, mesmo este já sendo réu desde 2001, quando dera um rombo de R$ 5 BI na Petrobrás (12).
 
Desde Pedro Parente  até hoje, muito pelo contrário,  os petroleiros é que estão sem PLR, aumento real, abono e Benefício Farmácia, ainda pagam por um rombo feito, entre outros gestores, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

parente moro foto vanessa carvalho.jpg

Pedro Parente patrocinou festa de gala para o casal Sergio Moro em Nova Iorque

sergio moro - paulo guedes.jpg

Sergio Moro e Paulo Guedes sempre juntos

 
Por esse rombo de R$ 1 BI nos fundos de pensão das estatais, entre eles o da Petros (3), os petroleiros, da ativa e aposentados, estão pagando 13% de seu salário, por 18 anos.
 
Hoje o sonho dos petroleiros é sair da Petrobrás para talvez trabalhar na Lava Jato, isto porque:
 
- A advogada da Lava Jato, Beatriz Catta Preta, ganhou 22 milhões por conduzir  nove  delações da Lava Jato (4). E abandonou e foi para Miami se dizendo ameaçada de morte.

beatriz-catta-preta-.jpg

Beatriz Catta Preta

 
- Carlos Zucoloto Junior, advogado da Lava Jato, compadre de Moro e ex-sócio de sua esposa, Rosangela Moro,  pediu US$ 5 milhões “por fora” a Rodrigo Tacla Duran, advogado da Odebrechet, para fazer delação premiada que, entre outras benesses, daria a Duran prisão doméstica e perdão de US$ 10 milhões em multa á Odebrechet (5,6).

zucolotto-capa-.jpg

moro-e-zucolotto-.jpg

Depois da denúncia de Tacla Duran, Rosangela Moro abandonou a banca de advocacia e criou uma empresa de eventos

 
- Além disso, os principais ladrões da Petrobrás estão em prisão domésticas cumprindo suas penas em verdadeiros clubes de lazer, construídos com dinheiro da roubalheira, entre eles (7) o diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa; o presidente da Transpetro, Sergio Machado; Fernando baiano, operador do PMDB e o doleiro Alberto Youssef. Não sabemos se pagaram à Lava Jato “por fora”, mas considerando o faturamento de Catta Preta e o cobrado a Duran da Odebrecht, não deve ter sido barato.
 
- Sem contar que a Lava Jato, em poucos meses, destruiu a economia nacional, veja o vídeo (14). A Lava Jato destruiu inclusive a indústria naval brasileira (15). Quem financiou  e quem ganhou com essa destruição no Brasil?
 
- A Lava Jato ainda, diversificando seus negócios para além do combate à corrupção, criou duas fundações bilionárias, uma na Petrobrás e outra na Odebrecht (8,9).
 
No Brasil, até a criação da Lava Jato, segundo John D. Rockefeller costumava dizer: "o melhor negócio do mundo é uma companhia de petróleo bem administrada e o segundo melhor é uma companhia de petróleo mal administrada" (13).
 

Hoje, no Brasil, o melhor negócio do mundo não é petróleo é uma empresa de combate à corrupção, no caso a Lava Jato!

Paulo_Roberto_Costa- ladrão confesso.jpg

Paulo Roberto Costa está podre de rico

sergio-machado-transpetro.jpg

Sergio Machado cada vez mais rico, leve e solto

Fonte:

1https://epoca.globo.com/ideias/noticia/2015/06/petrobras-nao-e-mais-empresa-dos-sonhos-do-estudante-brasileiro.html

2https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47751869

3https://www.cartacapital.com.br/politica/mentor-economico-de-bolsonaro-e-investigado-por-fraude-em-fundos-de-pensao/

4https://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/07/a-misteriosa-mudanca-da-principal-advogada-da-lava-jato-para-miami.html

5https://www.jb.com.br/index.php?id=/acervo/materia.php&cd_matia=875037&dinamico=1&preview=1

6https://www1.folha.uol.com.br/paywall/signup.shtml?https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2017/11/1939622-tacla-duran-entrega-fotos-de-dialogos-que-diz-ter-mantido-com-amigo-de-moro.shtml

7https://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2016/07/10/interna_politica,654284/delatores-cumprem-prisao-domiciliar-em-mansoes-e-coberturas.shtml

8https://www.revistaforum.com.br/procurador-diz-que-fundacao-da-lava-jato-pode-acarretar-prejuizos-a-petrobras-e-ao-erario-federal/

9https://www.conjur.com.br/2019-abr-02/leniencia-odebrecht-tambem-transforma-mpf-gestor-bilionario

10http://www.justificando.com/2017/08/31/dilma-rousseff-foi-afastada-do-cargo-sem-ter-cometido-crime-de-responsabilidade/

11https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,para-mp-pedaladas-do-governo-dilma-nao-sao-crime,10000062862

12https://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2016/06/presidentes-da-petrobras-e-do-bndes-sao-reus-em-acao-por-rombo-bilionario-9872.html

13https://www.guiainvest.com.br/publicacao/default.aspx?publicacao=102021

14https://www.youtube.com/watch?v=o_c_-9uso4c

15https://www.ocafezinho.com/2017/04/03/lava-jato-destruiu-industria-naval-brasileira/

A vida mansa de doleiros, que a lava jato lava mais branco

fernando baiano doleiro.jpg

fernando-baiano- fernando soares.jpeg

Fernando Baiano ou Fernando Soares, traficante de moedas 

a volta por cima de youssef.jpg

Youssef bandido perdoado moro.jpg

Alberto Youssef ganhou duas delações premiadas de Sergio Moro: uma pelo assalto ao BanEstado, Banco do Estado do Paraná, que faliu; outra por lavar dinheiro da Petrobras. Youssef é chefe da máfia libanesa, e do tráfico internacional de cocaína. Também está gozo merecido de sua fortuna. Fotos e legendas editadas por este correspondente. T.A. 

01
Mar19

O ROUBO DO PETRÓLEO NA VENEZUELA É ATRAVÉS DA GUERRA, JÁ NO BRASIL QUEM OPERA O ROUBO É A LAVA JATO

Talis Andrade

petroleo era nosso.jpg

 

 
Militares participaram ativamente da campanha O petróleo é nosso (11)!
 
Veja o vídeo que mostra como a lava Jato destruiu a economia em poucos meses (1).
 
A Lava Jato destruiu a indústria Naval brasileira (2).
 
A indústria Naval responde por milhares de empregos de qualidade. Também porque a União, estados e municípios, com os estaleiros brasileiros operando, principalmente na construção de navios e plataformas, gerariam bilhões de reais em impostos. Entretanto, em nome do combate à corrupção, navios e plataformas vão ser construídos no exterior, gerando emprego e renda para os gringos.
 
Além de destruir a indústria naval, o tucano Pedro Lalau Parente, cúmplice da Lava Jato, tirou a Petrobrás dos setores mais estratégicos, lucrativos e empregatícios, e os entregou aos gringos, tais como petroquímica, gás, fertilizantes e biocombustíveis (6).
 
Também, em nome do combate à corrupção, foi cancelada a construção das refinarias do Ceará e Maranhão: Denúncias de superfaturamento no valor da construção levaram a Petrobrás a cancelar os projetos (3). Essas refinarias nos daria a autossuficiência no refino e um excedente para exportação de derivados.
 
Resultado disso é que, em apenas quatro meses, EUA vendem quase R$ 7 bilhões em óleo diesel para o Brasil (4).
 
E ainda dizem que além de cancelarem a construção das refinarias do Nordeste, vão vender as existentes, pois o refino não daria lucro. Dá para acreditar?
 
A Lava Jato, uma operação que investiga corrupção na Petrobrás, jamais poderia permitir que Pedro Lalau Parente presidisse a Empresa, pois se o chamo de Pedro Lalau é  porque este senhor é réu desde 2001 por dar um rombo de R$ 5 BI na Petrobrás (7).

Parente em Nova Iorque com Moro.jpeg

 

 
A Lava Jato também fingiu que não viu a direção da Petrobrás pagar R$ 2 BI de reais ao banco JP Morgan, de um empréstimo que só venceria em 2022. Pasmem! Pedro Lalau é sócio do banco (8).
 
Mas os principais ladrões da Petrobrás estão presos pela Lava Jato, mentira!
 
O diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa; o presidente da Transpetro, Sérgio Machado; o caixa dois do PMDB, Fernando Baiano e o doleiro Alberto Youssef, entre outros, estão cumprindo pena em suas casas, verdadeiros clubes de lazer construídos com dinheiro da roubalheira (9).
 

bosch luxuria sexo .jpg

luxuria .jpg

corte luxo.jpg

luxo povo.jpg

 

 
Para conseguirem prisão domiciliar, não sabemos se esses principais ladrões da Petrobrás pagaram  algum “Por Fora” ou propina mesmo!
 
Pois o advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran, disse que foi procurado pelo advogado oficial da Lava Jato, Carlos Zucoloto Junior, compadre de casamento do juiz Sergio Moro, e ex-sócio de sua esposa, Rosângela Moro, para fazer delação premiada.
 
Na proposta de Zucoloto,  com a delação, Duran, o advogado da Odebrechet, teria prisão doméstica e a Odebrechet o perdão de multa de US$ 10 milhões.
 
Mas para isso a Odebrecht teria que pagar US$ 5 milhões por fora, ou seja, de propina. Isso foi tema de uma entrevista na Folha com a jornalista Mônica Bergamo.
 
Moro, tomando conhecimento da entrevista da Folha, chamou Duran de falsário e fugitivo da lei. Na verdade é Moro que foge de Duran como o diabo da cruz.
 
E o mais grave, a revista Veja, com base em informação da Receita Federal, publicou que Duran fez depósito na conta da esposa de Moro, Rosangela Moro (5,12,13).

tacla duran moro.jpg

 

 
Então Moro, debochando de nossa inteligência, disse, sem a esposa abrir o sigilo bancário, que o depósito de Duran teria sido para pagar cópias de processo.
 
A esperança seria que os militares saíssem em defesa da Petrobrás.  Isso porque os  militares participaram ativamente da campanha o Petróleo é Nosso, na década de 40/50, o nosso maior movimento cívico, que uniu civis e militares, comunistas e conservadores e resultou na criação da Petrobrás.
 

Mas as preocupações dos militares hoje são outras: o general Hamilton Mourão está em plena campanha para derrubar Bolsonaro ou emplacar campanha para presidente em 2022, tudo com total apoio da Globo. Outra preocupação dos militares, a começar por Bolsonaro, é arrumar cargos na Petrobrás para o pessoal da caserna (10)!

rafael guerra do petroleo venezuela pre sal.jpg

 

Na Venezuela o próprio Trump assume que a guerra é para surripiar o petróleo na Venezuela, como já fizeram no Iraque e Líbia, no Brasil não precisa de guerra basta a Lava Jato (5)!

Ajuda-humanitaria-dos-EUA venezuela .jpg

 

Fonte:

1http://politicadesmistificada.blogspot.com/2018/07/documentario-mostra-como-lava-jato.html

2https://www.ocafezinho.com/2017/04/03/lava-jato-destruiu-industria-naval-brasileira/

3https://news.portalbraganca.com.br/nacional/petrolao-petrobras-cancelou-refinarias-no-maranhao-e-ceara-porque-denuncias-da-lava-jato-dificultaram-credito.html

4https://www.ocafezinho.com/2018/05/22/em-apenas-4-meses-eua-vendem-quase-r-7-bilhoes-em-oleo-diesel-para-o-brasil/

5https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/315291/Tacla-Dur%C3%A1n-pagou-esposa-de-Moro-diz-Nassif.htm

6http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-09/petrobras-deixara-setores-de-biocombustiveis-petroquimica-e-fertilizantes

7https://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2016/06/presidentes-da-petrobras-e-do-bndes-sao-reus-em-acao-por-rombo-bilionario-9872.html

8https://www.brasil247.com/pt/247/poder/356221/Banco-presidido-por-s%C3%B3cio-de-Pedro-Parente-recebeu-R$-2-bi-da-Petrobras.htm

9http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2016/07/10/interna_politica,654284/delatores-cumprem-prisao-domiciliar-em-mansoes-e-coberturas.shtml

10https://noticias.r7.com/brasil/bolsonaro-indica-outro-militar-para-gerencia-da-petrobras-11012019

11https://acervo.oglobo.globo.com/fatos-historicos/campanha-petroleo-nosso-mobilizou-brasil-no-final-da-decada-de-40-10401791

12https://www1.folha.uol.com.br/paywall/signup.shtml?https://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/08/1913355-advogado-acusa-amigo-de-moro-de-intervir-em-acordo.shtml

13https://veja.abril.com.br/blog/radar/moro-poderia-ser-impedido-de-julgar-ex-advogado-da-odrebecht/

trump venezuela.jpg

 

14
Jun18

Moro, que prendeu Lula sem provas, protege os ladrões da Petrobrás!

Talis Andrade

moro réu.jpg

Sergio Moro está sendo investigado pela Organização das Nações Unidas. É réu, portanto



---

por Emanuel Cancella

 

Os principais ladrões da Petrobrás, que são delatores e réus confessos, estão inexplicavelmente em suas casas, em verdadeiros clubes de lazer construídos com o dinheiro da roubalheira.  

 

São eles, entre outros, o ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa; Fernando Baiano, lobista do PMDB; Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobrás e o doleiro Alberto Youssef. Pasmem! Youssef está em casa apesar de condenado a  82 anos e 8 meses de prisão (1).  

 

Para proteger os ladrões da Petrobrás, Moro ainda:

 

 “Proibiu o uso de provas obtidas pela Operação Lava Jato contra delatores e empresas que reconheceram crimes e passaram a colaborar com os procuradores à frente das investigações; a decisão atinge a AGU (Advocacia-Geral da União), a CGU (Controladoria-Geral da União), o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), o Banco Central, a Receita Federal e o TCU (Tribunal de Contas da União)” (2)

 

Essa decisão estapafúrdia de Moro protege, por exemplo, o dono da OAS, Leo Pinheiro, que armou, junto com Moro, uma reforma que nunca existiu no triplex de Guarujá e que resultou na prisão de Lula (3).

 

Hoje sabemos que a reforma do triplex foi inventada e teve a conivência do juiz Sergio Moro porque proibiu, pessoalmente, os advogados de Lula de vistoriarem a dita reforma e impediu também os advogados do ex-presidente de terem acesso às notas fiscais constantes no processo.

 

Hoje sabemos,  comprovadamente, que são notas frias e algumas com origem em Curitiba, terra do tribunal de Moro! Fotos e vídeos da pseudo- reforma não deixam dúvidas do engodo para incriminar Lula. Veja os vídeos e fotos (4).

 

Enquanto isso, a PGR Raquel Dodge, omite-se, ao invés de apurar, o depósito na conta da mulher de Moro, Rosângela Moro, feita pelo advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran.  

 

Duran diz que o advogado Carlos Zucoloto Junior, compadre de casamento de Moro e ex-sócio de sua esposa, Rosângela Moro, falando oficialmente em nome da Lava Jato, pediu-lhe US$ 5 milhões “por fora”, para celebrar acordo de delação premiada. Esse “Por Fora” iria garantir a Duran, entre outras benesses, a prisão doméstica e perdão de US$ 10 milhões, em multa da Odebrechet.

 

 A denúncia do deposito na conta da mulher de Moro, Rosangela Moro, foi feita pela revista Veja, com base em informação da Receita Federal. Moro diz que o dinheiro, foi para pagar cópias do processo (5, 12 a 14).

 

Além disso, a advogada, Rosangela Moro, trabalha para o PSDB e para a Shell (6,7,8).  

 

Não por acaso, o PSDB é blindado pela Lava Jato, pois nenhum tucano foi preso pela operação. Como por exemplo, o tucano Aécio Neves, recordista em denúncias na Lava Jato,  continua livre leve e solto e com mandato de Senador da República (9). Moro agora para mostra fidelidade ao PSDB, abre mão de processo que apura irregularidades que envolvem tucanos no PR (18). Aliás essa fidelidade de Moro com os tucanos vem de longe: O Banestado, cuja investigação foi chefiada por Moro, que surrupiou meio trilhão de reais dos cofres públicos, um escândalo exclusivamente tucano e nenhum deles foi preso (20).  

 

A Shell, a outra contratante de Rosângela Moro, com a omissão da Lava Jato foi a grande aquinhoada na lei que isenta em hum trilhão de reais as petroleiras estrangeiras (10).   

 

Enquanto tudo é acobertado na Lava Jato, a PGR, Raquel Dodge, permite que o MPF, a pedido do juiz Sergio Moro, me intime por duas vezes, em ano, e julgue a ação penal, agora no dia 05/08/18, tudo com claro intuito de me calar. Veja a íntegra das intimações e a ação penal. Sou acusado pelo MPF por possíveis crimes contra a honra do juiz Sergio Moro (15 a 17).

 

No entanto a PGR, que responde pela Lava Jato e pelo MPF, ignora a minha denúncia, feita em novembro de 2016, onde mostro a omissão criminosa da Lava Jato em relação à gestão perniciosa dos tucanos, FHC e Pedro Parente na Petrobrás. Veja a denúncia na íntegra (11).  

 

Diz o ditado popular que quando se esgotam os recursos jurídicos, que vá reclamar com o Papa. Se nem o Papa resolveu a prisão de Lula sem provas, só resta ao povo, que aponta Lula como líder em todas as pesquisas, ir para as ruas para assim garantir sua liberdade e assim sua candidatura!   


Fonte: 1 - http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2016/07/10/interna_politica,654284/delatores-cumprem-prisao-domiciliar-em-mansoes-e-coberturas.shtml

2 - https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/358196/Moro-usa-lei-dos-EUA-para-blindar-delatores.htm

3 - https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/351698/Lula-foi-condenado-por-reforma-que-nunca-existiu.htm

4 -  https://www.apostagem.com.br/2018/04/17/farsa-contra-lula-comprovada-em-fotos-e-agora-stf/

5 - https://veja.abril.com.br/blog/radar/moro-poderia-ser-impedido-de-julgar-ex-advogado-da-odrebecht/

6 - https://www.conversaafiada.com.br/brasil/2014/12/06/mulher-de-moro-trabalha-para-o-psdb

7 - https://www.ocafezinho.com/2014/12/05/sergio-moro-e-casado-com-advogada-do-psdb/

8 - https://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-mulher-do-juiz-do-lava-jato/

9 - https://www.brasil247.com/pt/247/minas247/255474/Recordista-em-dela%C3%A7%C3%B5es-A%C3%A9cio-Neves-cobra-arrependimento-de-Lula.htm

10 - http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/camara-aprova-medida-que-concede-isencao-de-impostos-para-petroliferas-estrangeiras/

11 - http://www.apn.org.br/w3/index.php/nacional/8685-petroleiro-protocola-denuncia-contra-operacao-lava-jato

12 - https://www.revistaforum.com.br/nassif-documento-da-receita-comprova-pagamentos-de-tacla-duran-rosangela-moro-e-complica-mais-o-juiz-da-lava-jato/

13- https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/330045/Zucolotto-ser%C3%A1-convidado-a-explicar-R$-5-mi-'por-fora'.htm

14 - https://jornalggn.com.br/comment/1136693

15 - http://www.viomundo.com.br/denuncias/moro-intima-petroleiro-por-possiveis-praticas-de-crime-contra-a-honra-de-servidor-publico-federal.html

16 - http://emanuelcancella.blogspot.com.br/2017/12/mandado-de-citacao-e-intimacao-contra_6.html

17 - blob:https://web.whatsapp.com/a650e822-5c97-4785-a719-58f0fdc35e73

18 - https://falandoverdades.com.br/moro-abre-mao-de-processo-que-apura-irregularidades-que-envolvem-tucanos-no-pr/

19 - https://www.ocafezinho.com/2017/01/14/sim-moro-e-reu-na-onu/

20 - https://www.ocafezinho.com/2015/10/03/requiao-relembra-banestado-roubalheira-tucana-desviou-meio-trilhao/

 

 

Rio de Janeiro, 13 de junho de 2018.

 

 Autor: Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex- diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese, sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro” que pode ser adquirido em: http://emanuelcancella.blogspot.com.br/2017/07/a-outra-face-de-sergio-moro-pontos-de.html.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub