Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

11
Set21

Os cornos bolsonaristas

O 7 de Setembro de 2021 deveria virar filme. Uma obra de arte a estupidez brasileira.

Talis Andrade

7 de setembro nando motta.jpegImage

por Mauro Nadvorny

- - -

Passado o 7 de Setembro fica a certeza de que Bolsonaro não serve nem para organizar um golpe de estado. Aí está a criatura mais incompetente da face da Terra.

Os tiozinhos e as tiazinhas foram até Brasília com transporte e alimentação pagos. Se deslocaram de todo o Brasil para assistirem o seu mito ser coroado ditador com o apoio do exército. Enrolados em suas bandeiras achavam serem os ungidos para assistirem os ministros do STF serem execrados em via pública e o Congresso Nacional tomado pelo povo.

Eles eram o Brasil e o país estava com eles. Caminhões irrompiam os limites impostos para impedir a revolução. O golpe estava cada vez mais próximo. Bolsonaro finalmente poderia governar para eles, por eles e livrar o país do Comunismo, seja lá o que isto signifique. Glória a Deus!

Corta para a realidade. 

Assim como uma andorinha não faz verão, Bolsonaro estava longe de fazer uma revolução. As manifestações não tiveram a adesão esperada. Longe de insuflarem as massas, a família miliciana só conseguiu levar uma claque de auditório de programas dominicais usando da mesma tática de pagamento pelos serviços prestados.

temer o vampiro chifrudo.jpg

governo temer por vini oliveira.png

 

Não restava outra coisa a fazer, senão convocar o Vampiro Mor da República, Michel Temer, que foi despertado de seu túmulo para socorrer o moribundo. O golpista de ocasião, o culpado de tudo isto veio em socorro de sua criatura. Colocou o mito e o "canalha" em viva voz para apaziguar a situação. Mais que isso, ajudou na nota divulgada a seguir para mostrar a boa vontade momentânea do presidente.

Existem momentos na história que ficamos pasmos com os acontecimentos. Era sabido que Bolsonaro tentaria um golpe. Na sua infâmia narrativa, sua trupe invadiria o STF e tomaria o Congresso. Em todo o país seus seguidores saíram às ruas perseguindo os comunistas. As tropas das polícias militares fariam vistas grossas e não restaria ao exército outra solução, senão intervir em favor do povo. Simples assim.

capitólio.jpg

invasor capitólio.jpeg

bolsonaro capitólio.jpeg

chifres bolsonaro.jpg

 

Corta para a realidade outra vez.  

Quem saiu às ruas foram os incapazes de somar um mais um. Mesmo assim, em números incapazes de qualquer movimento revolucionário. Eles foram assistir ao clímax da insurreição bolsonarista e voltaram para casa depois de assistirem a uma matinê. Pior, não gostaram do filme e pensam seriamente que foram traídos pelo mocinho.

O 7 de Setembro de 2021 deveria virar filme. Uma obra de arte a estupidez brasileira. Algo para ser discutido em rodas antropológicas acadêmicas. O dia que foi sem nunca ter sido. Uma epopeia ao absurdo que se faz presente no dia a dia presidencial.

 Contudo, Bolsonaro resiste. Quem pensava que agora sim o Impeachment era uma certeza, engana-se. Aquela notinha escrita com ajuda do vampiro foi para acalmar os aliados do centrão. E surtiu efeito. Lyra continua impassível enquanto amontoam-se pilhas de pedidos de afastamento de Bolsonaro por todas as razões plausíveis que se possa imaginar.

E vem aí o dia 12 com as manifestações organizadas por ex-bolsonaristas que desceram do navio. Eles foram aliados e agora se dizem arrependidos. Procuram uma terceira via para manterem seu antipetismo e parece que Ciro Gomes pode cair nos seu agrado. Confirmada sua participação ele se coloca como o salvador para derrotar Bolsonaro e impedir o retorno de Lula.

As pesquisas mostram o ex-presidente como franco favorito. Depois desta lambança patriótica é provável que a distância entre Lula e Bolsonaro aumente ainda mais. Aos órfãos da família miliciana resta se conformarem com algum proponente intermediário que possa receber seu apoio. Traídos foram, mas são como corno, sempre o último a saber.

7 de setembro gilmar.jpeg

 

 

 

09
Set21

Um 7 de setembro que não acaba

Talis Andrade

pelicano fogo nero amazonia.jpg

 

 

por Helena Chagas

- - -

Brasília amanheceu com a Esplanada dos Ministérios bloqueada por caminhoneiros que tentam alcançar o STF (para fazer o que?) e estradas de 14 estados estão interrompidas. Ontem, a Bolsa caiu quase 3,78%, o dólar subiu ao maior valor desde junho e a paralisia tomou conta do governo e do Congresso, esvaziando expectativas de aprovação de qualquer coisa. As autoridades perdidas da República batem cabeça, enquanto a inflação bate 0,87% em agosto e o noticiário registra que os reservatórios estão secando. 

Não me surpreenderia se, chegando àquele gabinete no terceiro andar do Planalto, encontrássemos seu principal ocupante olhando pela janela o esfumaçado cenário da seca de Brasília, cheio de caminhões, enquanto toca sua lira - o instrumento musical, não o presidente da Câmara. O nosso Nero vê o fogo tocado por ele se alastrar, mas não governa. Tem crime de responsabilidade maior do que esse?

 Enquanto analistas políticos, não enxergamos, realisticamente, condições objetivas de impeachment nesse momento. A começar pela razão básica de que o único sujeito que pode tirar um pedido desses da gaveta deixou claro ontem que não está disposto a fazê-lo. Mas o saldo desse 7 de setembro que teima em não acabar pode carbonizar o país se Jair Bolsonaro não for detido, e logo.

E a saída é aquela que está na Constituição, sem subterfúgios como a cassação da chapa, ou de seu cabeça, pelo TSE, ou o longo caminho que percorrerá uma denúncia criminal contra o presidente da República no STF. É o impeachment, usado até para afastar uma presidente que não cometera crime algum em 2016. 

Tá certo, é preciso convencer o espertinho do Lira, que talvez ache que ainda tem muito a ganhar do governo até ano que vem, junto com sua parte do Centrão. A história mostra, porém, que políticos do tipo de Lira trocam de roupa com muita facilidade quando vêem que o baile acabou e há uma atração melhor do outro lado da rua. 

Cabe ao establishment político e empresarial do país, e às ruas, mostrar aos que ainda resistem ao impeachment que estão cometendo crime de lesa-pátria ao permitir a permanência de um incendiário no Planalto.  Para se chegar a 3 de outubro de 2022, e haver um país até lá, é preciso ultrapassar o 7 de setembro de 2021.

mito .jpeg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub