Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

17
Mai21

E se o Araújo se empolgar?

Talis Andrade

 

por Fernando Brito

- - -

Por conta da expectativas do depoimento de Eduardo Pazuello, pouca atenção tem se dado ao comparecimento de Ernesto Araújo à CPI da Covid, amanhã.

Não se espera que possa revelar muito sobre a negociação para a negociação da compra de vacinas, pelo simples fato de que pouco ou nada o Itamarati participou dela, se é que existiram.

E dirá, basicamente, que compete ao Ministério da Saúde pesquisar e contratar doses do imunizante, cabendo ao Ministério das Relações Exteriores apoiar estes entendimentos no exterior.

Mas há algo a notar: o ex-chanceler é o primeiro “ideológico” do grupo de extrema-direita que se agregou a Jair Bolsonaro, sustenta a ideia de que a pandemia é uma “conspiração globalista” e que o vírus “é chinês” e, portanto, anticristão e comunista.

Ele próprio chamou o coronavírus, em seu blog, de “comunavírus”, dizendo que era preciso lutar contra “o parasita do parasita”.

Fez o discurso presidencial do “aglomera” em versão mais intelectual: “o controle social totalitário não é o remédio para nenhuma crise. Não façamos da democracia e da liberdade mais uma vítima da Covid-19.”

E adotou o mesmo tom de fundamentalismo religioso para enfrentar a crise sanitária: “Somente a fé verdadeira desse povo cristão e conservador proporciona a couraça moral e o coração palpitante de amor patriótico para enfrentar o dragão da maldade.”

Não é improvável que Araújo, isento ou quase isento de responsabilidades funcionais, deseje se mostrar como “herói da raça”, sobrevivente orgulhoso do olavismo que perdeu postos no governo como mártires que se sacrificaram em defesa de Bolsonaro, espremido pelo Centrão.

Como o ultradireitista vestido de búfalo, a tentação de exibir-se para a chusma de loucos do olavismo pode mexer com a vontade exibicionista.

 

 

16
Mai21

O procurador exibicionista que expôs o MPF ao ridículo

Talis Andrade

 

A CPI da Covid-19 vai ouvir o procurador Ailton Benedito da Cloroquina? 

 

 

Não há nada que comprometa o esforço geral de uma corporação, do que o exibicionismo de um de seus membros – especialmente quando dispõe de prerrogativas de poder de Estado.

É o caso do Procurador da República em Goiás Ailton Benedito de Souza.

Ontem expôs o MPF ao ridículo, ao agir contra decisão do governo venezuelano de convocar 26 jovens do Brasil para compor uma tal Brigadas Populares de Comunicação.

Imediatamente o procurador Ailton intimou o Itamaraty, em um prazo de dez dias, a levantar a identidade dos jovens sequestrados e investigar uma possível rede de tráfico humano.

Era uma mera notícia de Internet, mencionando a comunidade Brasil, um bairro popular da cidade venezuelana de Cumaná que, com exceção do nome, não tem a menor relação com o país Brasil.

A barriga repercutiu no mundo todo, sendo ironizada em vários idiomas.

Uma barriga desse tamanho basta. Mas a atitude do Procurador em se basear em qualquer factoide para propor ações já virou compulsão.

Tornou-se membro do Instituto Millenium, valendo-se das prerrogativas do cargo para desmoralizar o Ministério Público.

Em maio passado tentou suspender toda a publicidade da Copa do Mundo (http://migre.me/nabDB) por estar “absurdamente divorciada da realidade”.

Montou um catatau de 50 páginas argumentando que “de fato, os brasileiros ficaram bastante esperançosos e que as obras da Copa, que consumiram bilhões de recursos públicos, proporcionassem um legado auspicioso, a ser usufruído nos anos vindouros pela sociedade, que, afinal paga a conta”.. No entanto, “vários empreendimentos projetados para o transporte público e o trânsito foram cancelados ou substituídos por outros de menor impacto, que, primeiro, não serão concluídos a tempo; e, segundo, visam, exclusivamente, mitigar os efeitos da desorganização, da falta de planejamento, da incompetência em executar o que se planejou, relativamente à infraestrutura e aos serviços voltados à realização da Copa, a fim de evitar que o pior”.

Consultasse o próprio MPF, esse despreparado saberia do enorme trabalho que juntou praticamente todos os poderes – do Executivo aos estados, da Polícia ao Ministério Público – na organização do evento. Baseou-se em meras notícias não confiáveis da mídia  para sair atirando.

Em novembro de 2011,  processou professores por desacato, depois de terem ido ao MPF-GO denunciar supostos desvios de verba do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico) pela prefeitura de Goiânia.

Quando foi lançado o programa Mais Médicos, viu mais uma oportunidade de aparecer. Com base em notas de jornal, instaurou um inquérito civil-público para apurar “possíveis ações e omissões das administrações públicas – em todas as esferas – a respeito do programa Mais Médicos” (http://migre.me/nabUf).

Baseava-se exclusivamente em reportagens mal apuradas, sem a preocupação em aprofundar as investigações. Indagado sobre a razão do inquérito, alegou que:

“Primeiro: a notícia de que municípios estariam substituindo profissionais próprios por médicos do “Mais Médicos”. Segundo: a notícia de que profissionais originários de Cuba estariam sofrendo algum tipo de violação aos seus direitos, principalmente o direito de se locomover no território nacional. Terceiro: a situação de abandono do programa por médicos que se inscreveram no programa e ingressaram na atividade”( http://migre.me/nac3x).

Se amanhã um jornal noticiar que há indícios de propina no escavamento das crateras da Lua, não se tenha dúvida e que o bravo procurador atuará firmemente em defesa da moralidade intimando os lunáticos.

O procurador tem um blog, o “Bendito Argumento”, onde elabora textos assim:

“Portanto, todos nós, queiramos ou não, participamos ou omitamos, ajamos ou quedamos, ativos ou passivos, independentemente de nossos sonhos e pesadelos, virtudes e vícios, desejos e repulsas, crenças e incredulidades, saberes e ignorâncias, bravura e covardia, riquezas e misérias etc., somos seres políticos. E, como tais, responsáveis perante nós mesmos, as famílias, a sociedade, o mundo no qual vivemos”.

(…) Se eu fosse cruel, torceria pela vitória daqueles que almejam transformar a democracia do Brasil numa cópia dos regimes ditatoriais bolivarianos, para que eles fossem devorados pelo Saturno dos seus sonhos”.

Em seus textos, Ailton denuncia a “propaganda eleitoral subliminar”, “sobretudo a que se utiliza da máquina pública”.

Define a tal propaganda eleitoral subliminar como aquela que “consubstancia mensagem que não ultrapassa o limiar da consciência, que não é suficientemente intenso para penetrar na consciência, mas que, pela repetição ou por outras técnicas, pode atingir o subconsciente, afetando as emoções, desejos, opiniões; subconsciente.Nessa perspectiva, a propaganda política também se serve das técnicas subliminares para chegar à inconsciência dos cidadãos, sobretudo os eleitores, especialmente durante os processos eleitorais. Todavia, não é incomum que tais processos perdurem todo o período que medeia  entre a posse dos eleitos num pleito e o próximo. Noutras palavras, políticos estão sempre em campanha, muitas das vezes sem que o cidadão-eleitor tenha consciência”.

Em um dos artigos, deblaterou contra a afirmação de Dilma Rousseff, de que poderia utilizar as Forças Armadas nas manifestações contra a Copa:

“Por que, em lugar usar que “o Exército pode agir contra manifestações anti-Copa”, não se determinar aos órgãos competentes, responsáveis pela segurança pública, que façam uso da apropriado da Lei de Segurança Nacional para punir os que atentam contra a democracia, o Estado de Direito, os direitos fundamentais dos brasileiros, seja antes, durante ou depois da Copa? Pois que, sendo necessário, que se invoquem as Forças Armadas para defender a sociedade, a democracia, o Estado de Direito, não a #CopaDasCopas” (http://migre.me/nacLy)”.

- - -

Os inquisidores Benedito e Torquema. Fotomontagem HP

 

Nota deste correspondente: Para defender e propagar e obrigar o uso do tratamento precoce do capitão Cloroquina (Jair Bolsonaro) e da capitã Cloroquina acionou a Sociedade Brasileira de Infectologia. O portal Hora do Povo publicou reportagem com o seguinte título: "Procurador segue Bolsonaro e quer obrigar Sociedade de Infectologia a indicar cloroquina". Leia aqui

Apesar do posicionamento contrário de médicos e cientistas, Benedito enviou ofício para 117 municípios goianos em defesa da cloroquina.

Luiza Caires - jornalista de ciências
@luizacaires3
Inaceitável! Sociedade Brasileira de Infectologia sendo intimidada pela Procuradoria da República por fazer o seu dever, amparada na ciência, durante a pandemia.ImageImage

01
Fev21

Gabriela cópia e cola de Sergio Moro

Talis Andrade

 

A juíza Gabriela Hardt exibe o retrato do presidente Lula da Silva, na sua página no Twitter, como um troféu. Como objeto de desejo da autodenominada Lava Jato da autodenominada Liga da Justiça da autodenominada República de Curitiba.

Eis o cruel exibicionismo de uma juíza que humilha, que desdenha de uma vítima do seu duvidoso julgamento.

Juíza e carrasca que sapateia, que regozija com a injustiça que praticou. 

Para tripudiar estampou o retrato de Lula como "condenado". 

 
Follow
Juíza Gabriela Hardt
 
"Lula é condenado a 12 anos de prisão no caso do sítio de Atibaia"
Estranho, triste exemplo de uma época, uma juíza escolher, preferir, adotar a polícia como símbolo pessoal, brasão, marca de justiça, Martelo das Bruxas, de justiceira desejada por Sergio Moro para ser substituta cópia e cola
 
O juiz é condenado quando o culpado é absolvido.
07
Jan21

Juíza que incentivou aglomerações agora ensina a burlar o uso de máscara

Talis Andrade

juíza defende aglomeração

DA ARTIMANHA DE IMITAR BOLSONARO QUE PROCURA ALGUÉM CRUELMENTE EVANGÉLICO

 

Migalhas - A juíza de Direito Ludmila Lins Grilo, da vara Criminal e da Infância e da Juventude de Unaí/MG, se envolveu em mais uma polêmica na noite desta segunda-feira, 4. Após incentivar aglomerações na virada do ano com a hashtag #AglomeraBrasil, a magistrada agora postou um vídeo "ensinando" como burlar o uso da máscara.

ludmila.png

Nas imagens, Ludmila toma um sorvete e diz que desta forma pode andar pelo shopping sem o uso da proteção. "O vírus não gosta de sorvete", ironizou.

 

 

31
Jul20

Processos ocultos, caixa de segredos & muita grana ao deus-dará motivaram a criação de várias lava jatos

Talis Andrade

juiz bretas metralhadora.jpg

 

A Lava Jato do Rio de Janeiro, propriedade do juiz Marcelo Bretas, decidiu repudiar a chefia do procurador-geral da República Augusto Aras. A briga de Bretas é por dinheiro, e pela preciosa caixa-preta, a boceta de Pandora. 

Disse Aras:

“Em todo o MPF [Ministério Público Federal], no seu sistema único, tem 40 terabytes. Para o funcionamento do seu sistema, a força-tarefa de Curitiba tem 350 terabytes e 38 mil pessoas com seus dados depositados, que ninguém sabe como foram colhidos”

Repetiu o jornalista Fernando Brito:

"38 mil cidadãos brasileiros têm seus dados pessoais acumulados nos computadores da “Operação Lava Jato” da autodenoninada república de Curitiba, "organização crimosa", classificou o ministro Gilmar Mendes. 

"Quem são os 38 mil cidadãos que tiveram seus dados pessoais e a intimidade violados por Deltan Dallagnol & cia?" interroga Brito.

"O custo da lava jato de Curitiba sozinha dá mais do que o custo de 20 unidades do MPF"

Depois do passe de Sérgio Moro, comprado por Jair Bolsonaro antes das eleições: uma pensão, mais dois ministérios (Justiça & Segurança Pública) e uma cadeira vitalícia no STF, a posse da Lava Jato de Curitiba passou para Dallagnol, o beato Salu, que fez vigília de orações e jejum para Lula ser preso. Uma prisão que garantiu a eleição de Bolsonaro presidente, e logo no primeiro mês de governo, a transferência de 2 bilhões e 500 milhões da Petrobras para uma conta gráfica sem dono. O dinheiro depositado na Caixa Econômica Federal de Curitiba no dia 30 de janeiro de 2019. Depois de descoberta a maracutaia, a gangue inventou a trampa de uma fundação secreta. Uma tramoia, uma manobra que precisa ser investigada (veja aqui conceito e procedimentos para criação de uma fundação). A bufunfa de 2 bilhões e 500 milhões permanece ao deus-dará. E ninguém ousa realizar uma auditoria. Tem mais: uma conta individual (no nome de um sortudo desconhecido, que nasceu com a bunda para a lua). Confira:

fundação lava jato.png

 

A gança sempre foi a preocupação maior de Dallagnol, o procurador "cruelmente evangélico".

Escreve o jurista e escritor Lenio Luiz Steck:

"A operação 'lava jato' foi importante, diz Aras. Porém, criticou o consumo de recursos financeiros pela força-tarefa e insistiu sobre a necessidade de corrigir desvios e superar o chamado 'lavajatismo'. O custo de Curitiba sozinho dá mais do que o custo mais de 20 unidades do MPF".

No debate, o procurador disse que sua gestão visa acabar com o "punitivismo" do Ministério Público e que não pode existir caixa de segredos no MP. Afirmou, ainda, que atos das forças-tarefas serão apurados. Ele afirmou que a Corregedoria vai investigar o fato de 50 mil processos estarem "invisíveis".

Lava Jato do Rio recorre ao STF para barrar compartilhamento de informações com PGRMarcelo Bretas

Tudo na lava jato do Rio corre nos porões da justiça. Vazou que está pronta para enfrentar Augusto Aras, que espera seja outro acovardado Rodrigo Janot.

Agência de notícias britânica Reuters divulga:

A Força-Tarefa da operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro entrou com um pedido para que o Supremo Tribunal Federal (STF) reveja a decisão do presidente da corte, Dias Toffoli, de garantir à Procuradoria-Geral da República o acesso a toda a base de dados das forças-tarefas da investigação do Rio, de  São Paulo e de Curitiba, inclusive as informações sigilosas.

O recurso, que corre sob segredo de Justiça no STF e foi obtido pela Reuters na quinta-feira à noite, pede que uma reconsideração da decisão de Toffoli. Os procuradores requerem, de forma subsidiária, que os documentos permaneçam lacrados até que o plenário do Supremo decida se mantém ou cassa a liminar dada por Toffoli “a fim de evitar a irreversibilidade da medida”.

A divulgação do pedido ocorre no momento de forte tensão entre o procurador-geral da República, Augusto Aras, e a força-tarefa da Lava Jato. Em videoconferência na terça-feira, sem apresentar provas, Aras insinuou que a Lava Jato de Curitiba manteria informações fora do sistema do MPF e afirmou que não se pode haver “caixas de segredos”.

Os procuradores do grupo de Curitiba, contudo, rebateram o procurador-geral em nota. “A ilação de que há ‘caixas de segredos’ no trabalho dos procuradores da República é falsa, assim como a alegação de que haveria milhares de documentos ocultos”, disseram.

No recurso ao STF, a Força-Tarefa do Rio argumentou que o “acesso indiscriminado” a elementos de prova ofende gravemente direitos individuais, diminui o controle sobre quem conhece as investigações e aumenta as chances de vazamento, o que pode levar até a “antecipação dos investigados na destruição ou ocultação de elementos probatórios”.

Os procuradores citam ainda que a liminar de Toffoli foi dada durante o recesso forense. Eles contestaram a alegação de “resistência” ao compartilhamento de informações feita por um auxiliar de Aras para justificar a medida do Supremo e que não há um “dever indistinto” de se compartilhar informações entre membros e órgãos do MPF sem autorização judicial para tanto.

“Em qualquer caso, não existe hierarquia entre os cargos que compõem a carreira do Ministério Público Federal”, destacaram os procuradores.

A força-tarefa ainda considera inexplicável a “escolha a dedo” dos grupos da Lava Jato dos Estados a ter os dados escrutinados e citou que idêntica providência não foi tomada em outras 23 forças-tarefas em funcionamento no MPF. (Vide reportagem fotos íntimas do juiz revela exibicionismo)

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub