Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

28
Jul18

Sentença contra Lula será estudada como exemplo de má justiça, diz deputado do Parlamento Eurupeu

Talis Andrade

gualtieri.jpg

 

“Li todo o processo contra o Lula e fiquei chocado com a ausência de provas. Essa sentença será estudada nas universidades por muitos anos como exemplo de má justiça”, afirmou o deputado do Parlamento Europeu Roberto Gualtieri ao sair da sede da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está preso há 111 dias.

 

Gualtieri disse que ficou emocionado ao se encontrar com o ex-presidente brasileiro. “Lula foi condenado sem provas. Ele tem sido uma referência para todos os democratas do mundo por suas políticas de inclusão, desenvolvimento econômico e igualdade social. Estamos do lado de Lula”.

 

O deputado italiano contou que trouxe algumas cartas para Lula. “Uma delas, uma carta conjunta de deputados do Parlamento Europeu, e outra de líderes italianos. Trouxe abraços de ao menos cinco ex-presidentes do Conselho Italiano”, afirmou, citando o ex-primeiro-ministro daquele Matteo Renzi.

 

“Expressei a solidariedade humana e política dos progressistas europeus. Lula corre o risco de não ser candidato por causa dessa sentença fraca. Isso é preocupante para a jovem democracia brasileira. É preocupante para a imagem do Brasil no mundo e na Europa. O Brasil tem uma Constituição avançada, e uma coisa como essa é negativa para o país. Digo isso, novamente, porque li a sentença. Tem grandes inquietações na Europa sobre essa prisão. Todos sabem que Lula lidera as pesquisas e vejo um grande dano impedi-lo de concorrer às eleições de outubro”, frisou Gualtieri, que preside a Comissão para Assuntos Econômicos do Parlamento. 

 

 

 

13
Jul18

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Talis Andrade

lula_bresil_drapeau_liberation_ex-president_manife

Militantes do PT e pedem a libertação de Lula diante da sede da Polícia Federal de Curitiba, onde o ex-presidente está detido. REUTERS/Geraldo Bubniak

 

por Daniella Franco

 

A batalha do Judiciário e as divergentes decisões sobre a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva monopolizaram o domingo (8) dos brasileiros. Um dia depois da guerra de liminares, a principal pergunta é: a eventual soltura de Lula seria legal? Os juristas entrevistados pela RFI são categóricos ao afirmar que a decisão do desembargador Rogerio Favreto deveria ter sido acatada.

 

“Sem dúvida alguma, a decisão do desembargador Favreto é uma decisão à qual deveria ter sido dado cumprimento”, diz Soraia da Rosa Mendes, PhD da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em Processo Penal e professora da Universidade Federal de Goiás (UFG). Segundo ela, o fato de o magistrado ser plantonista no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no domingo não deslegitima suas ações. “O desembargador plantonista é responsável pelos casos que a ele chegam para decisão”, ressalta.

 

Ivar Hartmann, professor da FGV Direito Rio, observa que parte da opinião pública questionou o fato de Favreto ter sido filiado ao PT, de 1991 a 2010, e nomeado ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) pela ex-presidente Dilma Rousseff. “Por isso, ele foi muito criticado por ser, supostamente, parcial na questão. A sua decisão como juiz plantonista, no entanto, deveria ter sido cumprida pela Polícia Federal”, salienta.

 

Ambos os juristas alegam diversas irregularidades em todo o caso. Para Hartmann, o habeas corpus que pedia a libertação de Lula não foi impetrado por sua defesa e sim por aliados - os deputados federais petistas Wadih Damous, Paulo Teixeira e Paulo Pimenta -, o que, segundo o professor da FGV, já invalidaria a ação. O pedido também deveria ter sido analisado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), reitera Hartmann, já que a ordem de prisão do ex-presidente veio do TRF-4 e, para revisá-la, ela “teria que subir a uma instância superior”.

 

A interferência do juiz Sérgio Moro – que estava de férias em Portugal – e do desembargador João Pedro Gebran Neto – que não estava em função no fim de semana – é outra irregularidade apontada por Soraia da Rosa Mendes. “Um juiz que estava fora do Brasil, tomando uma decisão para que se não cumprisse uma determinação de um desembargador legítimo, além de um outro desembargador –  em recesso, que avoca para si uma decisão, e provoca um conflito de competência que tem que ser resolvido por um juiz-presidente do tribunal – , é realmente uma rachadura muito grande na imagem do nosso Poder Judiciário”, avalia a professora.

 

De acordo com Hartmann, não é o fato em si de Moro estar de férias que impediria a sua interferência no habeas corpus que pedia a libertação de Lula, mas sua intervenção em uma decisão do TRF-4. “Não cabe ao juiz Sérgio Moro discutir ou mesmo pretender suspender uma decisão vinda do tribunal”, avalia.

 

Divergências prejudicam imagem do Judiciário brasileiro?

As divergências e diferentes posicionamentos dentro do Judiciário brasileiro são algo “natural” para Hartmann. “Nós vemos com frequência nos tribunais superiores ou regionais que votações não são decididas por unanimidade”, pondera.

 

Para ele, as diversas avaliações no Judiciário brasileiro são uma prova de que não há um complô contra Lula. “Não há qualquer parcialidade. (…) Como demonstrou o desembargador Rogerio Favreto, há diversos magistrados que são contrários à prisão de Lula a partir da condenação em segunda instância. Acredito que ele declarou, inclusive, que entende que não havia provas para condenar o ex-presidente Lula. Isso mostra que existem posições diferentes no Judiciário brasileiro.”

 

Para Soraia da Rosa Mendes, muito mais do que divergências, o episódio do domingo mostra a politização do Judiciário do país.  “O que vimos ontem foi uma demonstração de um direito processual penal do autor, ou seja, em razão de quem ele é - o ex-presidente Lula -, e não um direito processual penal de acordo com os procedimentos que temos previstos em nossa legislação”, enfatiza.

 

A professora descarta a possibilidade da existência embates pessoais entre juízes, mas acredita que haja uma “disputa de concepções acerca de um fato político que é o mais importante de história recente: todo o processo que envolve o que chegou a levar à prisão o ex-presidente Lula, e que agora dá mostras de uma ansiedade e de uma vontade de o manter preso”.

 

Segundo ela, o episódio de ontem é perigoso não apenas para o líder petista, mas para todos os cidadãos brasileiros. “Aquela pessoa humilde que está lá, dependendo, muitas vezes, de uma assessoria jurídica gratuita, pode ver seus direitos simplesmente desconsiderados em função de uma pré-concepção”, reitera. “A Justiça sobrevive de direitos e garantias e do cumprimento dos procedimentos”, lembra.

 

Defesa de Lula pode recorrer

Ambos os juristas estão de acordo que os advogados de Lula devem dar sequência à batalha pela libertação do ex-presidente. “Tenho certeza de que a defesa continuará tentando ações de habeas corpus em diferentes instâncias”, diz Hartmann.

 

O professor da FGV ressalta que “o acesso ao Judiciário, evidentemente, é legal". "Se nós concordamos com o pedido que está sendo feito, isso é uma outra questão. O habeas corpus é uma via legal e, portanto, esse tipo de ação vai ser explorada pela defesa.”

 

Já para Soraia da Rosa Mendes, muito além da continuidade do processo depois das reviravoltas de domingo, é preciso discutir “o que significa a prisão de Lula e aquilo que é a necessidade aparente de manter preso o ex-presidente”.

 

“Estamos perplexos. Especialmente aqueles e aquelas que, como eu, são professores de Direito. Estamos com uma situação muito difícil, de entrar em sala de aula, de explicar o que são os procedimentos, de demonstrar aos estudantes o que é adequado e correto, dentro da legalidade prevista no nosso texto constitucional, apesar do espetáculo ocorrido no último fim de semana”, conclui.

 

 


Sobre o mesmo assunto

  • BRASIL/LULA

    Imprensa internacional chama briga de juízes sobre libertação de Lula de “telenovela”

    Saiba mais

  • BRASIL/LULA/IMPRENSA FRANCESA

    Consequências da prisão de Lula para o Brasil ainda são imprevisíveis, avalia Le Monde

    Saiba mais

  • EUROPA

    Brasília treme com prisão de Lula, diz Le Monde

    Saiba mais

12
Jul18

Diversidade do time francês faz renascer slogan “negros, brancos e árabes”, de 1998

Talis Andrade

futebol frança.jpg

Diversidade do time francês faz renascer slogan “negros, brancos e árabes”, de 1998

 

25
Out17

Decenas de mujeres denuncian haber sufrido abusos sexuales en el Parlamento Europeo

Talis Andrade

 

PE .jpeg

 

 

por Marisa Kohan 


El Parlamento Europeo celebra este miércoles una reunión para debatir medidas de prevención contra los abusos sexuales en la UE, que tiene como finalidad revisar sus políticas y procedimientos para lidiar contra estos abusos. Lo hará en medio del mayor escándalo de acoso sexual conocido hasta la fecha en esa institución.

 

Las primeras noticias sobre estos abusos en el seno del Parlamento Europeo los daba hace unos días el periódico británico el Sunday Times que recogía el testimonio de una docena de mujeres que relataban abusos, tocamientos y hostigamiento por parte de miembros del Parlamento.

 

Desde entonces el número de denuncias, realizadas exclusivamente en medios de comunicación, ha ido en aumento y tiene visos de seguir incrementándose.

 

poder e abuso.jpeg

 Poder e abuso

 

La revista PolíticoEurope afirma en una publicación este miércoles que unas 30 personas habían denunciado asaltos, abusos y violaciones en el Parlamento Europeo a través de una plataforma confidencial que este medio habilitó en Internet. Si bien PolíticoEurope reconoce que las denuncias no han sido verificadas una a una aún, sí comparte algunos de los casos anónimos.

 

Una de las mujeres, asistente de un miembro del Parlamento, afirma haber sido violada por un miembro del personal parlamentario y que ella y su jefe no sabían a dónde acudir después del incidente. Según el testimonio de esta empleada, “si existen procedimientos formales, no los conozco. Me he sentido completamente perdida", relata la mujer en condición de anonimato. "Incluso después de buscar ayuda fui proactivamente desanimada de presentar una denuncia en la policía", añade.

 

Antonio Tajani, presidente del Parlamento Europeo, declaró recientemente "estar conmocionado" por los casos que se estaban conociendo de abusos sexuales, y aseguró en rueda de prensa este lunes que la asamblea tiene mecanismos y procedimientos bien establecidos para atajar este tipo de abusos, que incluye un comité de prevención que "no ha recibido ninguna queja formal relacionado con abusos sexuales".

 

Sin embargo, una de las víctimas describió el ambiente de trabajo en el Parlamento como "una cultura de silencio" en la que los problemas se mantienen deliberadamente dentro de las paredes de la institución y afirma que altos funcionarios del Parlamento y al menos cinco de sus diputados estaban al tanto de su caso.

 

alyssa milano.jpeg

 

 

En declaraciones al diario The Times, una de las víctimas relató cómo un miembro del Parlamento Europeo la sometió a tocamientos y abusos en un ascensor. Otra, relataba cómo un miembro de esa institución la acechaba en reuniones y la acosaba repetidamente. Según sus palabras, el Parlamento es un "auténtico semillero de acosadores" y los miembros "no responden ante nadie".

 

Vera Jourová, la Comisaria europea para temas de género e igualdad, reconocía el pasado miércoles ante una nutrida audiencia en Bruselas haber sido víctima de violencia sexual y animó a las mujeres a sumarse a la campaña #Metoo para denunciar los comportamientos sexuales inapropiados que puedan haber sufrido. 

 

menos abuso mais bonita .jpeg

não é não.jpeg

haiti.png

 

colombia .png

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D