Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

05
Ago21

Manifesto da elite financeira rechaça tentativa de golpe bolsonarista e cobra respeito às eleições

Talis Andrade

"ELEIÇÕES SERÃO RESPEITADAS'

 

247 - Um manifesto assinado por mais de 250 acadêmicos, líderes religiosos, empresários, intelectuais, políticos, artistas e outras personalidades da sociedade civil pede respeito às eleições de 2022 e a garantia de realização do pleito, em resposta às ameaças golpistas de Jair Bolsonaro.

O texto cita a crise sanitária, social e econômica, as mortes pela Covid-19 e o desemprego. 

Sob o título "Eleições serão respeitadas", o documento plural é também uma expressão de confiança no sistema eletrônico de votação e na Justiça Eleitoral que se encontram sob ataque de Bolsonaro. Entre os signatários estão nomes de peso do mundo empresarial e financeiro, como Frederico e Luiza Trajano, do Magazine Luiza, Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, do Banco Itaú Unibanco, Carlos Jereissati, do Iguatemi, Pedro Passos e Guilherme Leal, da Natura, e Luis Stuhlberger, gestor do Fundo Verde. Também assinam economistas como Armínio Fraga, Pedro Malan, Ilan Goldfajn, Persio Arida, André Lara Resende, Alexandre Schwartsman e Maria Cristina Pinotti.

A lista de assinaturas inclui ainda as do cardeal Dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, do rabino da Congregação Israelita Paulista Michel Schlesinger, e da Monja Cohen.

Os signatários fazem profissão de fé nas aspirações nacionais e na estabilidade democrática, defendem a realização das eleições e que seus resultados sejam aceitos por todos os envolvidos. 

Um dos signatários do documento, Paulo Hartung, ex-governador do Espírito Santo compara o golpismo de Bolsonaro com o do ex-presidente dos EUA Donald Trump, ao afirmar que o questionamento do sistema eleitoral  brasileiro é uma cópia malfeita do que aconteceu nas eleições americanas com a questão do voto pelo correio, informa a Folha de S.Paulo.

O MANIFESTO CONTRA O GOLPE BOLSONARISTA 

"O Brasil enfrenta uma crise sanitária, social e econômica de grandes proporções. Milhares de brasileiros perderam suas vidas para a pandemia e milhões perderam seus empregos.

Apesar do momento difícil, acreditamos no Brasil. Nossos mais de 200 milhões de habitantes têm sonhos, aspirações e capacidades para transformar nossa sociedade e construir um futuro mais próspero e justo.

Esse futuro só será possível com base na estabilidade democrática. O princípio chave de uma democracia saudável é a realização de eleições e a aceitação de seus resultados por todos os envolvidos. A Justiça Eleitoral brasileira é uma das mais modernas e respeitadas do mundo. Confiamos nela e no atual sistema de votação eletrônico. A sociedade brasileira é garantidora da Constituição e não aceitará aventuras autoritárias.

O Brasil terá eleições e seus resultados serão respeitados."

08
Nov20

Avisos de Joe Biden para Bolsonaro

Talis Andrade

trumpsonaro por genildo.jpg

 

 

por Urariano Mota

- - -

No momento em que escrevo, o placar das eleições para a presidência dos Estados Unidos aponta 264 para Biden e 214 para Bolsonaro. Perdão, 214 para Trump. Confundi o comandante gringo com o seu capitão. Agora, esse é o placar. Mas Biden lidera em Nevada e, se ganhar lá, leva os 6 delegados do Colégio Eleitoral que faltam para vencer a eleição. 270 nas próximas horas.  

Comentaristas políticos têm sussurrado que a estas horas, lá no Planalto, o clima é depressivo, de cinza, o que é natural para quem sempre achou que essa história de clima era marxismo de floresta. Então, já é tempo de Bolsonaro e ministros começarem a ouvir com muita atenção os avisos que vieram de Joe Biden para o Brasil. Assim, quando o democrata que assumirá a presidência declara que Trump “cobriu os EUA de escuridão por muito tempo, muita raiva, muito medo, muita divisão", o mais sensato é ouvir nisso uma clara indireta, ou direta já, pois o que se aplica à extrema-direita lá, com mais propriedade se aplica à extrema-direita do lado de cá. Ou seja, para não ter que desenhar para o presidente brasileiro entender:  

“Bolsonaro cobriu o Brasil de escuridão por muito tempo, muita raiva, muito medo, muita divisão".  

Perfeito, não?  

E Biden continua com os seus avisos nada cifrados, para todos que babam os sapatos de Trump:   

“Serei um aliado da luz, não da escuridão. É hora de nós, nós, o povo, ficarmos juntos e não cometermos erros. Juntos, podemos nos recuperar dessa temporada de escuridão nos EUA". Ou seja: fora, servidores das trevas: fora, Bolsonaro.  

E de modo preciso, como só a inteligência da democracia no mundo compreende, Joe Biden avisa:  

"Esta é uma eleição de mudança de vida que determinará o futuro da América por muito tempo”.  

Traduzindo para o ministro das relações inferiores: esta é uma eleição que determinará o futuro por muito tempo, até no Brasil. Pois não? Se o presidente bate continência para a bandeira dos Estados Unidos, então é natural que se recolha à sua insignificância de servo de Joe Biden, sem dúvida.

E fala mais Joe Biden para Bolsonaro:  

"O atual presidente falhou em seu dever mais básico para com esta nação. Ele falhou em proteger a população. Ele falhou em proteger o país. E, meus companheiros, isso é imperdoável”. Bravos! É certo que ele se dirigiu ao presidente no poder de lá, mas com Bolsonaro o que se dirige para lá, se atropela com mais acerto para o lado de cá. Portanto, erro nenhum na tradução. Biden é claro e certeiro:  

"Essa tragédia não era para ser tão grande"

E finalmente, este nocaute em forma de discurso:  

"Injustiça econômica, injustiça racial, injustiça ambiental. Eu ouço suas vozes. Se você ouvir, pode escutá-las comigo também" 

Canta Alceu Valença:

abc.biden.jpg

diario_noticias. biden.jpg

eldiario. biden.jpg

ny_daily_news.biden.jpg

observer. biden.jpg

voixdunord. biden.jpg

 

03
Nov20

Americanos vão às urnas em clima de tensão e disputa acirrada entre Trump e Biden

Talis Andrade

rfi tapumes.jpg

Um grande número de lojas no centro de Washington protegeu suas vitrines com tábuas de madeira devido ao temor das manifestações que poderiam surgir durante ou depois do dia das eleições, na terça-feira. AP - Jacquelyn Martin
 
 

 

Não é Venezuela.

Não é Cuba. 

Essas eleições nos Estados Unidos já vão entrar para a história como uma das mais acirradas e tensas, com temor de violência durante e após a votação. Em Miami, assim como em muitas outras cidades do pais como Nova York, Washington, Los Angeles, comerciantes colocaram tapumes de madeira na frente das lojas para proteger as fachadas e vitrines.

Esse clima reflete a intensa disputa entre Donald Trump e Joe Biden que fizeram comícios até o último minuto para convencer eleitores a votar. O presidente republicano, que segundo sondagens estaria em desvantagem nessa corrida eleitoral, percorreu quatro estados no último dia de campanha, escreveu Elcio Ramalho para RFI - Ráfio França Internacional. Confira aqui

Leia mais na RFI: Diversas manifestações estão previstas em frente à Casa Branca, em Washington, a partir desta terça-feira (3), dia das eleições presidenciais americanas. Diante da ameaça de violentos protestos, lojistas e escritórios da capital, de Nova York e de Los Angeles decidiram instalar tapumes para proteger as vitrines. 

Em Nova York, o prédio da famosa rede Macy's foi totalmente protegido. "É melhor ser prudente", explicou a marca, em um comunicado divulgado pela rede de televisão CNN. As lojas abrirão normalmente nesta terça-feira.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, também anunciou que a cidade se preparava para inúmeras manifestações e "confrontos". Segundo ele, "nenhuma violência será tolerada." 

De acordo com historiador Jean-Christian Vinel, pesquisador da universidade Paris-Diderot, que dirigiu a revista científica "Conservadorismo em movimento", existem vários riscos de conflitos. "Há temores de que partidários de Donald Trump venham intimidar os eleitores e até mesmo penetrem nos locais de votação, ainda que isso seja ilegal", diz.

Segundo ele, hoje, nos Estados Unidos, há "ansiedade e desconfiança em relação ao pleito", o que é um sinal de que a democracia no país "não vai bem". Ele cita como exemplo o episódio ocorrido há dois dias em que um ônibus de campanha do democrata Joe Biden foi bloqueado na estrada por eleitores de Trump - o caso ainda está sendo investigado.

Supremacistas brancos: o "motores" da violência 

Os supremacistas brancos vêm sendo considerados como a principal ameaça de eventuais confrontos, de acordo com o FBI. "Podemos imaginar que eles sejam os motores dessa violência no início, mas o fato do resultado da eleição não ser divulgado imediatamente pode aumentar as tensões de forma geral", analisa. 

O especialista lembra que muitos americanos votam por correspondência e que vários desses boletins podem chegar para ser contabilizados até nove dias depois das eleições, o que contribuirá para reavivar as tensões. 

"Donald Trump incita seu eleitorado a desconfiar de tudo: dos cientistas, democratas ou mídia", diz. "É difícil prever o que vai acontecer nos próximos dias, mas é certo que Trump não busca apaziguar os ânimos e reconciliar a população. Pelo contrário, ele alimentou as tensões e está perdendo, segundo as pesquisas. É do seu interesse 'jogar' com a crise", reitera. 

O pesquisador francês lembra que o presidente perdeu a eleição de 2016 no voto popular, mas conquistou a vitória dos grandes eleitores em três estados: Wisconsin, Michigan e Pensilvânia. É nesses estados, diz Vinel, que o risco de tumultos é maior, ligado à contagem de votos.

Washington se prepara para confrontos

Em Washington, os cidadãos se preparam para eventuais tensões. "Tudo leva a crer que haverá confrontos na noite das eleições, independentemente do vencedor", disse o chefe de polícia Peter Newsham, citado pelo jornal The Washington Post.

"Outros conflitos são esperados durante a posse em janeiro", disse. O contingente de policiais nas ruas será reforçado na capital, nesta terça-feira, e a circulação de algumas estradas será interrompida.

Segundo o Washington Post, os lojistas não receberam nenhuma recomendação oficial. "Até agora, não houve nenhuma ameaça que justificassse essa proteção. Mas temos que ser vigilantes e entendemos a postura de alguns lojistas que fizeram essa escolha",  disse o secretário encarregado do Desenvolvimento Econômico, John Falcicchio.

Há vários dias, as tensões crescem no país. Em um relatório publicado na quarta-feira, a ONG Crisis Group diz temer "violências inéditas" na história dos Estados Unidos. "As eleições presidenciais de 2020 representam riscos inéditos na história recente do país", ressalta a organização, que diz temer a reação do presidente americano, Donald Trump, em caso de derrota.

"As múltiplas facetas de seu discurso sugerem problemas potenciais em caso de eleições contestadas ou com resultados muito apertados", sublinha a ONG.

 

03
Nov20

Eleição nos EUA: americanos escolhem novo presidente sob medo de fraude, atraso e violência

Talis Andrade

bbc eleições 1.jpg

Vários edifícios públicos, como o Congresso, foram cercados como medida de segurança

 

Não é Cuba.

Não é  Venezuela.

Essa manchete é da BBC News, agência de notícias do Reino Unido.

Os prédios do centro da capital americana amanheceram cobertos por tapumes de madeira nesta terça-feira, 3 de novembro. Parte das tábuas já protegiam vidraças na região desde que o movimento Black Lives Matter ocupou as ruas de mais de cem cidades ao redor do país a partir de junho de 2020. Mas a maioria das barricadas foi recém-instalada e traduz materialmente o temor de que as eleições presidenciais marcadas para hoje descambem para atos de violência e saques, especialmente nos arredores da Casa Branca. Leia mais aqui. Reportagem de Mariana Sanches. 

bbc 2 eleições.jpg

Prédios da capital americana cobriram fachadas com tapumes com medo de violência na eleição americana

bbc eleições.jpg

Em Rodeo Drive, famosa avenida de Beverly Hill, na Califórnia, trabalhadores blindaram várias lojas de luxo àa vesperas de eleição

3nov br_estado_spaulo..jpg

br_oglobo. 3nov.jpg

economist. 3nov.jpg

eldiario. 3nov.jpg

elmundo. 3nov.jpg

lefigaro. 3nov.jpg

pt_i. 3nov.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub