Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

14
Nov22

‘Mercado’ que dá chilique por comida não vê potencial na COP

Talis Andrade

 

por Fernando Brito

- - -

Enquanto nossa “imprensa de mercado” segue fingindo pavor com o tamanho da PEC da Transição e exigindo que Lula designe o que pretende seja seu delegado no Ministério da Fazenda, a fim de que possa, desde logo, “domesticá-lo” a seus interesses, é paupérrima e superficial a cobertura do que será, a partir de amanhã, a reinserção do Brasil na principal agenda econômica do planeta no século 21, a desesperadora necessidade de reverter a destruição ambiental e suas consequências climáticas.

Nada mais próprio da mediocridade de uma elite que só consegue ver o país como um entreposto comercial e, pior ainda, sequer capaz de, mesmo na produção e comercialização de bens primários, enxergar alguma coisa diferente de um contínuo aumento de oferta, ainda que isso só agrave a injustiça e a ruína dos termos de troca internacionais.

Eles acham que “agenda ambiental” para o Brasil se resume a conseguir umas quantas “doações” ou “empréstimos a fundo perdido” para o país, apenas para se refletirem em comerciais institucionais de televisão para governos e empresas ou páginas coloridas em seus relatórios de “responsabilidade social e ambiental”. No máximo, alguma coisa que “entre” no tal mercado de “créditos de carbono”, uma historinha que ouvimos há mais de uma década, sem produzir resultados reais nas economias periféricas como a nossa.

Quando pensam na participação brasileira na questão o fazem pensando assim, na qual o sucesso é apenas uma boa barganha financeira, na qual um Brasil “esperto” faria uma espécie de chantagem com seus ativos ambientais, como a Amazônia.

Não é isso que verão a partir de amanhã.

Lula vai propor algo muito além disso. Vai colocar o Brasil à frente de uma proposta de um acordo mundial muito mais complexo que isso, no qual os países importadores de energia e alimentos assumam responsabilidades pelos danos que a produção destes bens cria ambiental e socialmente para as nações que precisam desta exploração para suas economias funcionarem e atenderem – ainda que mínima e insuficientemente – às necessidades de suas populações.

O Brasil, através dele, não vai condicionar a isso a fixação de suas metas ambientais e muito menos colocar suas ações sob o controle internacional. Não precisamos de bravatas amazônicas, como fez o governo que se encerra, para isso.

O que será posto é que não se trata de uma opção para as economias mais fortes assumir uma postura diferente daquela que drenou recursos e riquezas naturais do mundo colonizado durante séculos. Será dizer que é isso ou o suicídio, porque o planeta é uno e indivisível quando se trata da sobrevivência dos povos e que não fazem nenhum favor aos países em desenvolvimento ao definirem regras e iniciativas que estimulem, inclusive na economia, as condições sociais para que o ambiente seja preservado e, até, recuperado naquilo que for possível.

Esta é a posição necessária para, ao longo dos próximos meses, chegar a iniciativas concretas na governança mundial e a chave para que o Brasil assuma uma posição decisiva na sua formulação.

O Brasil da Cop-27 não será um pedinte, mas um líder, se quisermos ir a algum lugar.

Mas isso é, de fato, um raciocínio complexo demais para uma mídia e uma elite financeira que acha que não podemos ir além de passar o chapéu.

13
Out21

Bolsonaro "aborrecido" com perguntas sobre mortes por covid

Talis Andrade

 

desmatamento machado.jpeg

 

O Brasil na imprensa alemã 

Die Tageszeitung (taz) – Queixa climática contra Bolsonaro (13/10)

O que a humanidade está fazendo com o planeta é uma "guerra suicida contra a natureza", disse Inger Andersen, chefe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente na cúpula de biodiversidade realizada nesta semana em Kunming, na China.

Mas a nova ONG Allrise, da Áustria, não quer se contentar com a referência à humanidade como um todo. Ela quer responsabilizar aqueles que, em sua visão, têm pessoalmente responsabilidade. Num primeiro passo nesse sentido, os ambientalistas denunciaram o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao Tribunal Penal Internacional. A grave acusação: crimes contra a humanidade. Assim, a destruição do meio ambiente estaria no mesmo patamar de crimes de guerra e genocídios.

Concretamente, trata-se da destruição da Floresta Amazônica, pois as taxas de desmatamento dispararam desde a posse de Bolsonaro.

"A destruição da Amazônia afeta todos nós – a população e especialmente os grupos indígenas que vivem lá, mas também as pessoas em todo o mundo por meio das mudanças climáticas", disse Johannes Wesemann, fundador da Allrise. [...] "Nossa expectativa é que as emissões por CO2 provocadas pelo desmatamento continuem a subir enquanto Bolsonaro for presidente."

"Querermos estabelecer um precedente", diz Weseman. "Há mais Bolsonaros, há mais Amazônias. Temos muito o que fazer."

Süddeutsche Zeitung – Problema de meninas (13/10)Pobreza menstrual, um problema de política pública | Veja Saúde

O presidente de direita Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei que previa, entre outras coisas, a distribuição de absorventes gratuitos em escolas públicas. A iniciativa deveria ajudar a combater a chamada pobreza menstrual: somente no Brasil, há mais de 4 milhões de meninas que não têm dinheiro para produtos de higiene ou acesso a banheiros ou água corrente, de acordo com a ONU.

Segundo Bolsonaro, absorventes não estão na lista de produtos essenciais e não estaria claro de onde o dinheiro para os produtos de higiene deveria vir. A ministra evangélica da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, foi além e disse que, por causa da pandemia de covid-19, os cofres estavam tão vazios que seria preciso decidir: "A prioridade é a vacina ou é o absorvente?"

Agora o Congresso tem 30 dias para reconhecer ou derrubar o veto do presidente. Bolsonaro acredita que, com os absorventes gratuitos, a oposição queira sobretudo conquistar votos. Ele já anunciou o que vai fazer, se a lei ainda passar: "Vou tirar dinheiro da saúde e da educação. Tem que tirar de algum lugar." Especialistas, ativistas, políticos e famosos consideram isso uma besteira. O dinheiro está disponível, o que falta é vontade.

Spiegel Online – Bolsonaro "aborrecido" com perguntas sobre mortes por covid (12/10)

Ele não quer se aborrecer com perguntas sobre mortes ligadas à covid-19 no país: foi o que disse o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, numa aparição pública no Guarujá, no estado de São Paulo, na segunda-feira (11/10). Há poucos dias foi oficializado que mais de 600 mil pessoas morreram em consequência do coronavírus no Brasil.

"Em qual país não morreu gente? Responda", disse Bolsonaro em resposta à pergunta de um repórter sobre as mortes por covid-19. "Não vim aqui para me aborrecer."

O populista de direita minimizou o coronavírus desde o início e rejeita medidas de proteção e restrições. Ele também coloca em dúvida o sentido das vacinas e ressaltou mais de uma vez que ele mesmo ainda não foi vacinado. Em julho do ano passado, ele se infectou com o vírus.

Está em andamento uma comissão parlamentar de inquérito sobre a gestão da pandemia por seu governo. No início de outubro, houve manifestações contra o presidente em várias cidades brasileiras. Os participantes exigiam o impeachment dele, mais vacinas e empregos.

Welt am Sonntag – Luta pela floresta (10/10)

No momento, está em jogo o julgamento do Supremo Tribunal Federal para decidir: a quem pertence de fato a Floresta Amazônica? Aos povos indígenas que viveram e, em alguns casos, ainda vivem lá, ou às gerações sucessoras dos senhores coloniais europeus e, portanto, praticamente à indústria brasileira?

Trata-se da regra do marco temporal, segundo a qual somente teriam direito às suas terras os povos que estavam em posse delas ou em batalha judicial ou conflito direto com invasores em 5 de outubro de 1988, quando a Constituição foi proclamada. Comprovar isso, no entanto, é praticamente impossível, pois, desde a colonização pelos europeus, os povos indígenas, não somente no Brasil, mas em toda a América Latina, estão em fuga ou ameaçados de serem expulsos de suas terras.

"O futuro da Amazônia está em jogo", diz a ativista indígena Samela Sateré Mawé, do Fridays for Future Brasil.

Uma decisão judicial que obrigue os povos indígenas a provarem algo que, devido à falta de documentos, é difícil que eles consigam pode acabar liberando as áreas para a exploração de petróleo e gás, mineração de ouro, comércio de madeira ou agronegócio.

cpi da covid.jpeg

 

04
Mai20

Vossa Excelência, acabou. Peça para sair!

Talis Andrade

bolsonaro_is_a_dangerous_jester__olivier_ploux.jpg

 

A grande expectativa que existe na sociedade para colocar o Brasil numa condição mínima de sanidade, bem-estar, união e governabilidade mínimas não será alcançada na sua presença

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub