Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

05
Jun22

Recorrência de catástrofes naturais no Brasil impõe reflexões sobre injustiça ambiental

Talis Andrade

Veja fotos do deslizamento de terra que matou sete pessoas em Recife -  Fotos - R7 Brasil

 

recife deslizamentos.webp

 

Vista aérea dos deslizamentos de terra ocorridos no Jardim Monte Verde, na divisa do Recife com Jaboatão dos Guararapes, após as chuvas torrenciais que atigiram a região na última semana de maio. 28/05/2022 via REUTERS - DIEGO NIGRO/PREFEITURA DO RECIFE
 

 

Especialistas apontam a pressão humana sobre o meio ambiente e dizem que a população preta e pobre é sempre a mais atingida pelas catástrofes naturais no Brasil

 

Raquel Miura /RFI

Não se chegou nem à metade do ano e 2022 já tem a marca de tragédias ambientais no Brasil. Desmoronamentos de terra e inundações no Rio de Janeiro e na Bahia, no início do ano e, agora, a água que destruiu casas e matou moradores também em Pernambuco. Num ano de ciclone no sul e frio congelante em boa parte do país no outono, muitos se perguntam qual o peso da ação humana nesses fenômenos.

Osvaldo Girão, do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), diz que as chuvas caíram na época prevista, porém chama a atenção o volume de precipitação e a repetição de eventos de tamanha intensidade.

“Foi um evento normal para o período, porém a intensidade é que está sendo muito forte, bem como a recorrência desses eventos, que estão se repetindo num curto espaço de tempo, o que não acontecia antes. Pode ser um reflexo das mudanças climáticas”, disse Girão à RFI.

Segundo o geógrafo, há vários fatores que entram nessa análise. “Por exemplo, estamos desmatando demais nos últimos anos, nos últimos séculos. A ampliação do plantio, das atividades agropecuárias, tudo isso repercute no sistema atmosférico e oceânico, provocando uma mudança na dinâmica de vento, da umidade, da temperatura”.

Mais de 380 pessoas morreram soterradas ou arrastadas pelas chuvas neste ano no país. O pesquisador Gustavo de Mello Baptista, do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (UnB), afirma que é preciso pelo menos 30 anos de coleta de dados para analisar um evento da natureza e atestar uma mudança climática. No Brasil, esses estudos são relativamente novos, começaram na década de 1930. Por outro lado, Baptista diz que o lockdown do começo da pandemia do coronavírus  evidenciou a pressão do homem sobre o meio ambiente.

“Algumas agências espaciais da Europa,  do Japão e a Nasa, nos Estados Unidos, fizeram um levantamento no início da pandemia, quando muitas pessoas em vários locais do mundo estavam trancadas em casa, e mostraram que os índices ambientais melhoraram. O ar ficou melhor, a poluição caiu. Isso mostra que é preciso repensar o que estamos fazendo, o que estamos destruindo, desmatando”, defendeu à RFI o professor da UnB.

Ausência de políticas públicas

Para os especialistas, mais do que quantificar o peso da ação humana nessas catástrofes, é preciso agir para impedir novas tragédias. “Recife tem um déficit habitacional muito grande, há uma ausência de políticas públicas, de avaliação de risco. É preciso levar isso em conta urgentemente porque, do contrário, teremos todo ano muitas mortes”, alertou Girão.

A expressão-chave diante de tantas vidas perdidas é justiça ambiental, na opinião de Gustavo de Mello Baptista. “É preciso se atentar para a distribuição de renda, para a política ambiental, para a justiça ambiental. Quando a gente pensa nessas tragédias anunciadas, vemos que a população preta e pobre é sempre a mais atingida", adverte o geógrafo. 

“A gente viu que um vírus pode gerar uma pandemia que atinge todo o mundo, mas até nisso os países pobres tiveram mais dificuldade para ter acesso à vacina. É preciso repensar tudo isso, é imperial uma reflexão pós-Estocolmo para se avaliar situações de risco e combater a injustiça ambiental”, conclui o professor do Instituto de Geociências da UnB.

04
Abr22

As águas de Abril

Talis Andrade

www.brasil247.com - { imgCaption }}

 

Por Miguel Paiva /Jornalistas pela Democracia 

Por mais que São Pedro seja, tradicionalmente, o responsável pelas chuvas, deus não tem nada a ver com essas tragédias que assolam o país. Bahia, Minas, Petrópolis e agora o Rio de Janeiro de novo. Deus jamais faria isso, acredito que não acredito em deus. Os responsáveis são os homens, os governantes, os políticos, os administradores e os empresários. A população pode também ter uma culpa indireta. Como disse o presidente a população não tem visão de futuro e moro nos lugares errados. Tem visão de futuro, sim e não votará, se deus quiser (de novo) nesses políticos.

Todo ano é a mesma coisa. Cresci sendo espectador, e vítima dessas chuvas no Rio. Lembro da tragédia de 1966 (há 56 anos!!!!) quando o Rio ficou embaixo d’água. Desabamentos em Santa Tereza já tinham acontecido e outras enchentes, principalmente na Rua Jardim Botânico, velha conhecida das chuvas. Já ajudei a escoar o trânsito na Rua Lineu de Paula Machado, na frente do Teatro Fênix numa dessas enxurradas. 

Esta região é toda o resultado de aterro para a construção do Jóquei Clube. A Lagoa antigamente vinha até o Jardim Botânico mesmo, o parque, criado por D. João VI. Com este aterro a rua Jardim Botânico e boa parte do bairro ficou abaixo do nível da Lagoa Rodrigo de Freitas que recebe água do mar. Cm isso, quando chove a água desce da montanha e é retida ao encontrar a rua Jardim Botânico. Eu moro no caminho dessas águas e esta semana, por dois dias seguidos vivi momentos de tensão sem saber se a água ia entrar na minha casa, ou não. Apesar das comportas que mandamos fazer é sempre tenso ver os bueiros jorrando água e o rio que desce do alto da Rua Pacheco Leão. 

Repito, todo ano é a mesma coisa e como obras de contenção das águas ou de prevenção de chuvas não trazem votos ficamos sempre esperando- e alguns rezando- para que a tragédia não nos atinja.

Existe verba, existe projeto e existe gente para fazer as obras necessárias, mas falta a vontade politica. Essa passa longe das águas e da destruição. Culpar deus e achar que é o destino é mais fácil.

Raramente os políticos são de fato responsabilizados. Por maiores que sejam as chuvas – e as chuvas cresceram por conta do aquecimento global criado pelos homens- a tragédia pode ser evitada. Condições de vida que protejam a população, serviço mais efetivo por parte das autoridades para resgatar e restabelecer os serviços e as condições durante e depois das tragédias. Vai continuar a chover forte, hoje, amanhã e depois. Disso sabemos, mas é preciso fazer alguma coisa. A obra na Rua Jardim Botânica foi (mal) feita e a rua continua enchendo. As imagens que vemos na televisão mostram o lixo acumulado por conta das condições urbanas, muito mais do que do descuido da população. 

É o somatório de tudo que nasce da falta de apoio e de suporte do poder público. É fácil colocar a culpa na natureza. Difícil é votar certo, tirar os aproveitadores que todos os anos continuam iludindo a população e agora, mais ainda, com a suposta palavra de deus.  Tentem acreditar e cobrar mais dos homens e deixem deus em paz.

www.brasil247.com -
26
Fev22

Tragédia em Petrópolis tem 230 mortos. Na Ucrânia, 198 mortos

Talis Andrade

Image

 

Até o momento, há o registro de 33 desaparecidos comunicados à Delegacia de Descoberta de Paradeiros. Ruas de Petrópolis continuam sendo desobstruídas pela prefeitura

Foto: Reuters/Gleb Garanich
FOTO: REUTERS/GLEB GARANICH

 

Por JB RIO

 

Segundo a Secretaria de Estado da Polícia Civil do Rio (Sepol), entre os mortos 203 corpos foram identificados e liberados. Outros sete não identificados receberam liberação mediante coleta de material genético e ordem judicial.

Ainda conforme a Sepol, o PRPTC recebeu 16 fragmentos de corpos, sendo que nove já foram liberados. Até o momento, há registro de 33 desaparecidos comunicados à Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

putin por vasco gargalo.jpeg

Forças russas atacaram cidades ucranianas, incluindo a capital Kiev, com artilharia e mísseis de cruzeiro neste sábado (26) pelo terceiro dia consecutivo, e a agência de notícias russa Interfax disse que tropas de Putin capturaram a cidade de Melitopol, no sudeste do país.

Autoridades ucranianas não estavam imediatamente disponíveis para comentar sobre o destino de Melitopol e o ministro das Forças Armadas da Grã-Bretanha, James Heappey, questionou o relatório, dizendo que a cidade de cerca de 150.000 pessoas ainda estava em mãos ucranianas.

"Todos os objetivos do primeiro dia da Rússia... e até mesmo Melitopol, que os russos alegam ter tomado, mas não podemos ver nada que comprove isso, ainda estão nas mãos dos ucranianos", disse ele à rádio BBC.

Pelo menos 198 ucranianos, incluindo três crianças, foram mortos e 1.115 pessoas ficaram feridas até agora na invasão da Rússia, segundo a Interfax citou o Ministério da Saúde da Ucrânia. Não ficou claro se os números incluíam apenas vítimas civis.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse que 35 pessoas, incluindo duas crianças, ficaram feridas durante os combates noturnos na cidade.

Klitschko disse que atualmente não há grande presença militar russa em Kiev, embora tenha acrescentado que grupos sabotadores estão ativos. O sistema de metrô agora está funcionando apenas como abrigo para os moradores da cidade e os trens pararam de funcionar, disse ele.

 

Cães farejadores

Enquanto isso, no alto do Morro da Oficina, o trabalho dos bombeiros e socorristas continuava na busca de desaparecidos. Com a ajuda de cães farejadores e informações de parentes, eles formavam grupos, atuando em determinadas áreas onde era provável a localização dos corpos.

As equipes são guiadas pelo faro dos cães da corporação, alguns vindos de outros estados. É o caso dos bombeiros catarinenses Thiago Amorim, com a cadela Moana, de Itajaí, e Guilherme Galli, com o cão Sasuke, de Lages, ambos animais da raça Labrador.

“A gente emprega os cães com intervalos necessários para o descanso deles. Tudo é feito de acordo com a saúde física do animal. Eles não são colocados em nenhuma condição que não estejam aptos para atuar. Grande parte das vítimas que foram encontradas nesta tragédia foi por indicação dos cães. Estamos há oito dias atuando aqui. É uma situação que cansa não apenas a parte física, mas também a parte mental, do humano e do cão”, contou Amorim.

19
Fev22

Tragédia anunciada de Petrópolis: Mais de 130 mortos e 200 desaparecidos

Talis Andrade

Capa do jornal Extra 19/02/2022

 

Corpos são achados em decomposição avançada

 

 

Raios-X, tomografias e informações sobre a arcada dentária têm ajudado na identificação dos corpos, afirmou a titular da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), Elen Souto, à frente desse trabalho no município de Petrópolis, região serrana, devastado pelas chuvas nesta semana. São mais de 130 mortos e 200 desaparecidos.

Na sexta-feira (18/2), a Polícia Civil informou que, em 24 horas, a quantidade de desaparecidos cresceu de 116 para 218.

“Os números subiram muito. Estamos focados agora na verificação de compatibilidade entre as características dos desaparecidos e as dos cadáveres não identificados. Vivemos uma fase em que os corpos começam a ser retirados em avançado estado de composição, o que inviabiliza a identificação por meio de digitais”, explicou Elen.

A delegada alerta que as famílias podem ajudar no processo apresentando exames. “A perícia técnica tem condição de identificar alguém por meio de raios-X e odontogramas [diagrama gráfico em que ficam marcados todos os dentes do paciente]. É importante que as famílias possuam algum raio-X ou tomografia ou indiquem os dentistas das vítimas. Em último caso, é pedido o DNA”, informou.

“O grande problema é que não há plano de contingência para grandes catástrofes. Por exemplo, deveria ter se criado uma estrutura fora do IML de Petrópolis com caminhão frigorífico para a identificação dos cadáveres. Isso porque a questão não é a causa morte, mas a identificação. Não há falta de pessoal, mas planejamento”, opinou Massini. Leia mais e veja galeria de fotos aqui

Capa do jornal O Dia 19/02/2022

 

17
Fev22

A tragédia de Petrópolis tem culpados

Talis Andrade

Capa do jornal Extra 18/02/2022

 

Por Eric Nepomuceno /Jornalistas pela Democracia

Tenho desde sempre uma forte ligação com Petrópolis. A família de minha avó paterna, Laura de Oliveira Xavier, é de lá. Trago da primeira infância algumas faíscas de memória, todas felizes.

Há exatos vinte anos e meio tenho uma casa no distrito de Araras, um tanto distante do centro, onde passo metade da semana e me sinto especialmente abrigado.

Faço esse relato para explicar que a tragédia vivida pela bela cidade me dói de maneira especial. E, ao mesmo tempo, reforça a minha mais profunda indignação.

Até o momento em que escrevo são 117 mortos e ao menos 116 desaparecidos. É a pior tragédia da história da cidade de Petrópolis. Sim, sim, há pouco mais de dez anos houve tragédia ainda maior, com mais de 900 mortos, mas em todo o município, que é extenso. Na cidade propriamente dita foram 74.

As imagens que circulam intensamente desde o mesmo entardecer da terça-feira são chocantes e dolorosas. Agora mesmo acabo de ver a filmagem de várias pessoas tentando desesperadamente sair de dois ônibus mergulhados na correnteza de lama e sendo levadas pelas águas. Terão sobrevivido?

Na quarta-feira vi o desespero de uma jovem mãe tentando, com uma enxada, resgatar a filha que estava soterrada. Não conseguiu. O corpo morto da menina foi encontrado no dia seguinte.

Por todos os lados circulam pedidos de doações. Petrópolis precisa de comida, de água, de roupas e colchões para quem perdeu tudo.

Pois precisa disso e de muito mais. O que estamos vendo não é, ao contrário do que dizem os incautos ou os ignorantes ou os cúmplices, um desastre causado pela fúria da natureza.

Não, não: como bem disse há décadas o escritor uruguaio Eduardo Galeano, a natureza não se enfurece. Ela apenas reage ao que fazem com ela.

O que estamos vendo em Petrópolis é o resultado do que se vê Brasil afora: a ocupação desenfreada de áreas de risco, de zonas abandonadas, e na imensíssima maioria dos casos essa ocupação é feita pelos pobres ou miseráveis. 

É o resultado das brutais desigualdades sociais que encobrem este país de vergonha e miséria.

E também o resultado da incompetência pública dos governantes. Sim, sim: de prefeitos, governadores, legisladores e dos presidentes. Da falta radical de políticas de preservação, de urbanização e principalmente de moradias populares.

Se algo se avançou nessa direção durante um tempo, hoje o que temos é puro retrocesso.

Em 2017 um estudo da Defesa Civil alertou que na cidade de Petrópolis havia quinze mil imóveis em áreas de risco de destruição – leia-se: alto risco. E nada foi feito.

Ou melhor, uma coisa o governador bolsonarista Claudio Castro fez: no ano passado, cortou para pouco menos da metade o dinheiro previsto em orçamento para programas de prevenção de riscos e resposta a desastres ambientais no estado do Rio de Janeiro. O resto teve outro destino.

Não é preciso ser urbanista ou especialista para entender o que eles todos dizem: a falta de uma política habitacional destinada às camadas mais pobres da população é a verdadeira causa das invasões desenfreadas de zonas de risco, tanto terras públicas como abandonadas pelos donos. 

E enquanto nada for feito, novas tragédias vão acontecer.

Não, não, a culpa não é da natureza. A culpa é da injustiça social escandalosa de nosso país e da irresponsabilidade de nossos governantes. 

Capa do jornal Meia Hora 18/02/2022
 
19
Jan22

Zema, um governador sem brio (vídeos)

Talis Andrade

morrodaforcacai.jpg

 

Por João Paulo Cunha /Brasil de Fato


As chuvas que caem sobre Minas Gerais, com seu saldo de destruição, mortes e dezenas de milhares de desabrigados, não fez Romeu Zema (Novo) assumir suas responsabilidades. Quem acompanha as declarações recentes do governador do estado percebe que ele retoma seu conhecido repertório: a culpa é sempre do outro (por vezes até mesmo da vítima), enaltecimento das empresas privadas (mesmo as com passivo criminoso de destruição ambiental) e criação de comitês. Zema é o tarado dos comitês.

Na sua obsessão em se safar das responsabilidades do cargo, está sempre criando uma instância burocrática entre os problemas do mundo real e suas atribuições constitucionais. Assim, suas palavras prediletas em todas as crises são sempre monitorar, levantar danos, criar protocolos, solicitar ajuda do governo federal.

Foi o que fez com a pandemia, com os crimes ambientais e agora com as chuvas. Não abriu leitos, não contratou médicos e enfermeiros, não testou, não multou empresas devastadoras e ainda reduziu investimento nas ações de fiscalização. Seu discurso era sempre o da correia de transmissão: repasse de vacinas e insumos, transferência de responsabilidades, edição de protocolos, afago às mineradoras e apetite em gerir os resultados financeiros obtidos na justiça. Ao terceirizar suas funções de forma tão explícita, vem construindo uma carreira administrativa feita de fugas, desculpas e projeções.

Com a criação do Comitê Gestor de Medida de Prevenção e Enfrentamento das Consequências do Período Chuvoso, o governador reuniu dezenas de órgãos do Executivo, assessores e consultores com o intuito de não agir. A atribuição do grupo, de acordo com o decreto que o criou, é a de articular ações e levantar problemas. Não fala em recursos, em investimento, em criação de forças-tarefas, em apoio aos responsáveis pelas medidas de enfrentamento na ponta. Uma espécie de anteparo, uma barreira, um guarda-chuva imaginário. 
 
No que ele mesmo chama de “cenário de guerra”, Zema tem se esmerado em defender as mineradoras e culpar a natureza por todos os males que afligem o estado. Garante que não há risco de rompimento de barragens, num processo quase patológico de negação. Faz questão de valorizar as parcerias com o setor extrativista e usa recursos de reparação de danos ambientais para alavancar sua campanha à reeleição. A tragédia que bate mais uma vez à porta das famílias que perderam tudo em Brumadinho e outras regiões é uma expressão da ausência completa de memória e empatia.

Há dois anos, em outro momento de impacto das chuvas na vida dos mineiros, Zema chegou a culpar os atingidos pelas cheias dos rios pela perda de suas casas. Para ele, pobre tem o péssimo hábito de morar em região de risco. E criticou mais uma vez a mania que as pessoas têm de construir casas “em despenhadeiros”. Para completar, anunciava, naquela ocasião, que a solução do problema “levaria décadas”. Uma forma covarde de escapar da tarefa urgente de fazer seu trabalho.

Em ano eleitoral, e agora fisgado pela mosca azul da reeleição, Zema resolveu mudar um pouco o roteiro e chamar os gestores municipais para reuniões na Cidade Administrativa. Relatos de prefeitos e secretários que acompanharam os encontros, no entanto, dão conta de que o governo não tem um plano para enfrentar o problema, se concentrando em prometer levantamentos para depois repassar a conta para o governo federal. 

Como se não fosse patente a necessidade que salta aos olhos e urgente a chegada de recursos na ponta. O governador se anuncia como liderança, mas se oferece como despachante. Nem sua propalada proximidade com Bolsonaro tem funcionado. Até agora não chegou um centavo, nem mesmo boas intenções, se é que possível essa expressão em termos zemistas e bolsonaristas.


Um governador que não governa

O que se esperava do governador de Minas Gerais era, simplesmente, que governasse, que fizesse o trabalho para o qual foi eleito. Que anunciasse em caráter de urgência recursos significativos para os municípios, que coordenasse ações de atendimento humanitário, de reconstrução de casas, desobstrução de estradas e vias e concessão de linhas de crédito emergenciais para todos os setores atingidos. 

Sua primeira oferta de recursos, da ordem de R$ 40 milhões para todos os municípios, é pouco mais que um escárnio. A conclusão do prefeito de Betim, Vitório Medioli (sem partido), à saída da reunião, sintetizou a farsa: “O estado não vai dar nada”.

Na vida pessoal como na vida pública, há duas formas de enfrentar as adversidades: assumindo as responsabilidades com realismo e destemor ou repassando o ônus da crítica inevitável para preservar a autoimagem construída de forma neurótica. Os fracos transigem, terceirizam, reclamam e não se comprometem com o problema. Gostam de levantar danos, elencar culpados, criar comitês e repassar responsabilidades adiante. São pessoas frustradas e maus políticos.
 
A psicanálise ensina um pouco sobre a projeção e culpabilização do outro no que diz respeito à existência pessoal. Uma boa análise pode ajudar a assumir responsabilidades indelegáveis e enfrentar os problemas com maturidade. A vida pode até não ficar mais feliz, mas certamente será mais adulta e completa. Um sofrimento que ensina.

Quem governa se desgasta, vai desagradar muita gente e nem sempre será capaz de resolver todos os problemas. Por isso, para governar - a terceira das chamadas profissões impossíveis, segundo Freud (as outras são educar e psicanalisar) - é preciso ter consciência das limitações impostas pela realidade. Mas, mesmo assim, afirmar a coragem, o compromisso e a honestidade intelectual em tudo o que faz. Zema tem mostrado que não tem brio para ser governador.

Na administração pública, não inventaram terapia capaz de amadurecer gestores lenientes e com demanda doentia de afeto e ambição. Quanto a vida privada, é problema dele.

 
17
Jan22

A assustadora destruição de Minas (vídeos)

Talis Andrade

Na imagem colorida, uma barragem está estremamente cheia e água vaza pelos lados

 

por Vanda Célia

O que vai acontecer com o Estado de Minas Gerais, atingido por enchentes, inundações, deslizamentos e uma brutal devastação ambiental que contamina o leito dos rios e impede a água limpa das nascentes?

Quero acreditar que líderes empresariais, políticos e intelectuais de Minas estão buscando, com a urgência que se faz necessária, as saídas para acudir as pessoas e atender as trezentas cidades em estado de calamidade.

Como esses líderes vão atuar ou estão atuando? O que vai acontecer? Ou todo o mundo vai ficar pedindo socorro sem a apresentação de um plano de ação imediata? Será isso? Se for, será historicamente discutível, complicado e insuficiente.

Indefinições pesam, mancham e costumam ser imperdoáveis. Quando morreu Tancredo, o então governador Hélio Garcia fez campanha institucional que levantou o ânimo e aliviou a tristeza no coração dos mineiros.

Mesmo diante da morte, é possível agir para tentar mudar as condições psicológicas e as expectativas das pessoas. Em rede nacional, a campanha daquela época ecoou os versos de Carlos Drummond de Andrade:

“Minas não é palavra montanhosa, é palavra abissal, Minas é dentro e fundo…Só mineiros sabem. E não dizem nem a si mesmos o irrevelável segredo chamado Minas”.

Quando coisas ruins acontecem, as pesquisas indicam que cresce a possibilidade de bloqueios e os riscos de apatia e paralisação. Cai a produção. Pior: caem os índices de felicidade e de satisfação das famílias.

Minas, o Brasil e o mundo, enfrentam problemas horríveis. É o momento de construir caminhos e lutar para que, a despeito de tudo, as pessoas continuem em frente, sem desanimar. Isso depende de capacidade institucional, de capacidade política, mas depende sobretudo de certos valores, como respeito e empatia com a dor do próximo e atenção com as pautas da humanidade.

Como estamos convivendo pacificamente com barragens que se rompem em um dia sim e no outro também? A questão ambiental em Minas exige providências e medidas rigorosas para deter o avanço da destruição.

Não há guerra pior que a guerra contínua contra a Natureza. E não existe mais política sem dimensão ecológica. A vida implica discernimento político, implica democracia, implica civilidade.

Nenhum líder de Minas, ou do Brasil, está dispensado da responsabilidade de garantir que os brasileiros voltem a exercer sua predisposição natural à esperança.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub